Gasto médio dos natalenses na Black Friday 2019 será de quase R$700, de acordo com pesquisa da Fecomércio RN

A Black Friday neste ano acontece no dia 29 de novembro

Tradicional data de grandes promoções nos Estados Unidos, a Black Friday vem ganhando cada vez mais força no calendário de compras dos brasileiros. Por este motivo, o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio Grande do Norte (Fecomércio RN) fez a pesquisa de “Intenções de Compras para a Black Friday 2019”, entre os dias 25 e 29 de outubro, e entrevistou 650 pessoas em Natal.

De acordo com a pesquisa, 59,8% dos consumidores natalenses têm a intenção de aproveitar as ofertas para fazer compras. Destes, 52,7% afirmaram que vão aproveitar a data para adiantar a compra dos presentes de Natal. Entre os 40,2% que não demostraram interesse em comprar nesta data, os motivos alegados são a falta de dinheiro (33,3%); não gostar da data (14,2%); e outros vão poupar (12,3%).

Quanto aos valores gastos com as compras, 43,2% dos consumidores natalenses pretendem gastar mais de R$ 1 mil na Black Friday; 24,2% esperam gastar entre R$ 500,01 e R$ 1 mil; 18% afirmaram que têm intenção de gastar entre R$ 200,01 e R$ 500. A média de gasto estimada é de R$ 692,48.

Quando comparados os gastos por sexo, as mulheres devem gastar mais do que os homens nas compras – média, R$ 695,83, contra R$ 688,78 dos consumidores do sexo masculino. Com relação à faixa etária, a que deve investir mais nas compras é a que vai dos 35 aos 44 anos, com uma média de R$ 745,78.

Entre os produtos mais citados para compras foram os eletrodomésticos (28%); eletrônicos (25,2%); roupas (18%); celulares/smartphones/tablet (16,7%); móveis e decoração (13,4%); calçados (10,3%); perfumes e cosméticos (4,1%); produtos de informática (2,3%); entre outros. A maioria dos consumidores (65,6%) pretende comprar até duas categorias de produtos, e a principal forma de pagamento será o parcelado no cartão de crédito parcelamento (43,7%); seguida do dinheiro (33,9%); cartão de crédito em única parcela (13,9%); e o cartão de débito (7,5%).

Perguntados sobre os locais de compra, os entrevistados responderam que devem ir aos shoppings (39,5%); lojas do comércio de rua (34,7%); e lojas virtuais (22%). Os principais fatores que vão determinar a compra serão o nível de preço (50,1%); a segurança (16,7%); e a variedade de produtos (14,1%).

A grande maioria fará pesquisa de preços (92,5%), sendo que 64,5% o farão para confirmar se os produtos estão de fato na promoção e 28% para escolher as lojas em que os produtos desejados estão mais baratos.

Com relação à Black Friday do ano passado, 43,4% acreditam que os preços dos produtos estarão na mesma faixa de valor; 28,2% consideram que estarão mais baixos; e 24,6% pensam estar mais altos. 60,7% dos consumidores que compraram em 2018 e que irão comprar este ano, disseram que os gastos serão maiores; 27,8% acreditam que os gastos serão os mesmos; e 11,2% confirmaram que os gastos serão menores.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ribeiro disse:

    BG !!
    Tô liso, não vou gastar nada na Black Friday, ainda mais agora que vou ter que participar de uma vaquinha, pra mandar um amigo pra Brasília, mais especificamente no STF. Vamos pedir ao Gilmar Mendes pra soltar JOSIANE vilâ da nivela das nove. Tadinha, foi presa ontem e tem que ser solta, so o STF mesmo pra dá um jeito nisso.
    Kkkkkkkkk

Black Friday 2019: veja data, lojas e mais para o evento de descontos

Foto: Gabrielle Lancellotti/TechTudo

O varejo brasileiro se prepara mais uma vez para a Black Friday: a nova edição do dia de ofertas em 2019 está marcada para o dia 29 de novembro. O período de promoções poderá se estender ao longo do mês e promete trazer produtos de diversos segmentos, oferecidos por pequenos e grandes lojistas tanto online como físicos. Segundo o portal Busca Descontos, idealizador da iniciativa, a expectativa é superar os números de vendas pela Internet do ano passado, que alcançaram a casa dos R$ 2,6 bilhões em faturamento. Veja, a seguir, tudo o que você precisa saber sobre a Black Friday 2019.

1. Quando é a Black Friday 2019?

Inspirada no dia de ofertas nos Estados Unidos que coincide sempre com a data posterior ao Dia de Ação de Graças, a Black Friday foi importada em 2011 e, desde então, ocorre anualmente com relativa regularidade. Em 2019, a Black Friday acontece em 29 de novembro, tradicionalmente uma sexta-feira. A iniciativa é vista como uma forma de lojistas limparem estoques em preparação para os novos produtos que chegam para abastecer as prateleiras nas festas de fim de ano. A edição deste ano está marcada para a última sexta-feira de novembro.

O evento, porém, ganhou má fama após diversos lojistas não oferecerem ofertas reais — aos poucos, a Black Friday ganhou apelidos como “Black Fraude” e as ofertas passaram a ser tratadas pelo público como “a metade do dobro”. Ainda assim, os organizadores falam em “recorde de vendas ano a ano”. O volume de vendas de 2018, segundo dados oficiais, superaram em 23% os números de 2017.

2. Quais lojas participam?

O evento começou concentrado em lojas do e-commerce, mas hoje já envolve o varejo como um todo, incluindo pontos físicos e empresas de pequeno a grande porte. No entanto, apenas algumas se associam ao grupo idealizador e oferecem supostas garantias de que os produtos anunciados trazem ofertas reais.

Mais próximo à data, será possível conferir no site oficial (https://www.blackfriday.com.br/) quais são as empresas respaldadas. Os organizadores não se responsabilizam por promoções feitas por lojas que estão fora dessa lista.

3. Quais produtos entram em promoção?

A Black Friday traz produtos de diversos segmentos, mas uns são mais buscados do que outros. Eletrônicos costumam responder por uma fatia maior das vendas, com destaque para smartphones, itens de linha branca e TVs. Mas também surgem ofertas de roupas, calçados e livros, assim como perfumaria e cosméticos. Em 2018, por exemplo, a noite que antecedeu a sexta-feira de descontos teve um pico de vendas de perfumes e produtos de cuidados com o cabelo, cuidados com o corpo, desodorantes e dermocosméticos.

É possível também obter preços mais baixos em serviços. As principais operadoras do país, por exemplo, também têm histórico de oferecer promoções em planos e celulares vinculados a um pacote mensal com valor mais em conta, entre outras ações no ramo de telefonia.

4. Como se planejar para fazer compras na Black Friday?

A primeira dica para se preparar é preparar uma lista com os produtos desejados. Com isso em mãos, já é possível fazer uma pesquisa prévia para saber o preço cobrado atualmente nas principais lojas. É importante também se cadastrar no site da Black Friday e em sites de cupons, como CupoNation, Cuponomia, Pelando e Promobit para receber ofertas por e-mail — alguns desses serviços também têm extensões para o navegador.

Além disso, é recomendável programar alertas de preços nos comparadores para ser informado assim que um produto desejado atingir o valor que você está disposto a pagar. Se você usa Gmail ou Outlook, é possível criar regras para manter na caixa de entrada apenas as ofertas relacionadas aos produtos que lhe interessam.

5. Onde e como comprar na Black Friday 2019?

Quando começarem a surgir as primeiras ofertas por e-mail, confirme se o preço cobrado está mesmo baixo checando o histórico registrado em comparadores como Compare TechTudo, Zoom e Buscapé. Se o valor estiver conforme o esperado, confira os sites de cupons para saber se é possível obter um abatimento extra ao fechar a compra — alguns plugins para Chrome mostram cupons compatíveis diretamente no carrinho de compras do site.

Ao finalizar a transação, prefira sempre pagar com cartão de crédito, de preferência com cartão virtual. Dessa maneira, você evita que o número real do plástico fique exposto e dribla eventuais cobranças equivocadas feitas pelo lojista. Ao mesmo tempo, facilita a disputa de algum valor cobrado a maior e o estorno caso o produto não seja entregue. Além de não oferecer essas vantagens, o pagamento por boleto é mais usado por golpistas e pode demorar demais para compensar o pagamento de um produto com estoque limitado.

6. Como evitar golpes na Black Friday?

As medidas de segurança na Black Friday passam por cuidados tanto com a loja quanto com o aparelho ou local de compra. Comece conferindo se a loja é real e tem CNPJ, e se não está na lista negra do Procon. Veja também se o endereço está correto e não há erros de grafia que podem indicar página adulterada. Confirmado o link, cheque se o site oferece o cadeado e tem “https” no começo da URL. Em compras online, use sempre um computador pessoal com antivírus devidamente atualizado e com módulo de proteção de navegação — esse recurso bloqueia o acesso a sites fraudulentos automaticamente.

Nunca clique em links de ofertas que chegam por WhatsApp e avise a amigos para adotarem a mesma precaução. Lojas não costumam distribuir promoções por mensagem, então, se você receber uma propaganda, provavelmente se trata de golpe. Já nas redes sociais, assegure-se de que as ofertas vêm sempre do perfil oficial da loja, que traz um selo ao lado do nome.

Já ao comprar presencialmente, mantenha seu cartão sempre à vista, exija Nota Fiscal e não deixe de consultar os preços online: é possível que alguma loja na Internet ofereça preço mais baixo mesmo considerando eventual gasto com frete.

Globo, via Techtudo, Black Friday e eBit