Polícia

Dois morrem em confronto com a PF durante operação contra tráfico de drogas pelo Aeroporto de Viracopos

Foto: Divulgação/Polícia Federal

Duas pessoas morreram em confronto com a Polícia Federal na manhã desta terça-feira (6) durante uma operação contra uma organização de tráfico internacional de drogas que tinha como base o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). O terminal é o maior do país no volume de entrada e saída de cargas por via aérea.

Foram cumpridos, até por volta de 10 h, todos os 44 mandados de busca e apreensão e 35 de prisão temporária nos estados de São Paulo, Mato Grosso, Amazonas e Rio Grande do Norte. Entre as pessoas presas, estão um policial militar e um policial civil.

Segundo a investigação, um dos homens que morreram no confronto era indiciado por roubo e homicídio, enquanto que o outro não tinha nenhuma passagem. A PF informou que abriu inquérito para apurar as circunstâncias das mortes, ambas em Campinas, mas não deu detalhes sobre as circunstâncias, nem identidades e participação das pessoas mortas no esquema.

Os óbitos aconteceram nos bairros Campo Belo e Vila Singer. A polícia também não informou se houve recolhimento das armas dos suspeitos.

A operação batizada de Overload contou com o apoio das polícias Civil, Militar, Rodoviária, Receita Federal, além da corregedoria da PM. Entre os presos, há 33 homens e duas são mulheres.

A concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, que administra a estrutura, disse ao G1 que colaborou com as investigações.

Em um dos endereços investigados pela Polícia Federal, em Monte Mor (SP), foram apreendidos R$ 180 mil em dinheiro. Não foram dados detalhes da origem ilícita dos recursos.

Aliciamento de funcionários

De acordo com a investigação da PF, a organização criminosa era formada por brasileiros que ficavam responsáveis pelo fornecimento de cocaína que seria exportada para a Europa.

Além disso, o grupo aliciava funcionários que atuavam no aeroporto para que interferissem a favor da quadrilha nas atividades de logística do terminal.

As investigações começaram em fevereiro, com a apreensão, na área restrita de segurança do terminal, de 58 quilos de cocaína antes do embarque.

Depois do flagrante, a Polícia Federal mapeou a rede criminosa, identificando as respectivas lideranças, as pessoas com quem se relacionaram e o processo empregado na exportação de grande quantidades de cocaína, a partir do aeroporto, com destino ao continente europeu. A quadrilha também operava para ocultar o lucro obtido com a prática criminosa.

Ainda segundo a investigação, entre os funcionários e ex-funcionários terceirizados do aeroporto que atuam com a quadrilha estão vigilantes, operadores de tratores, coordenadores de tráfego, motoristas de viaturas, auxiliares de rampa, operadores de equipamentos e funcionários de empresas fornecedoras de refeições a tripulantes e passageiros, que eram os responsáveis pelo esquema de embarque das drogas nas aeronaves com destino ao exterior.

Operação

A Polícia Federal informou que o grupo tinha uma atuação “complexa e sofisticada”, formada por três pilares:

Grupo de operadores externos: pessoas que não pertencem ao quadro de funcionários do aeroporto e eram os responsáveis pelas tratativas com investidores e traficantes estrangeiros, assim como pelo aliciamento de empregados aeroportuários;

Grupo de operadores internos: empregados aeroportuários aliciados que exercem suas atividades na área restrita de segurança, especialmente em funções que envolvam carga e descarga de aeronaves e suas movimentações;

Grupo de operadores estrangeiros: traficantes em solo europeu responsáveis pela retirada da cocaína exportada a partir do Aeroporto Internacional de Viracopos.

A organização também utilizava o dinheiro do tráfico para comprar imóveis, veículos, abrir contas bancárias em nome de terceiros, e empresas fora do país. Desde o início da investigação, em fevereiro, a Polícia Federal apreendeu 250 kg de drogas em cinco apreensões diferentes.

Mais de 200 policiais federais, 80 policiais militares e 6 policiais civis participam da operação nesta terça. O nome da força-tarefa, Overload, faz referência ao excesso de carga.

G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

Dois morrem e três pessoas ficam gravemente feridas em colisão frontal de carro e caminhonete na Reta Tabajara, na Grande Natal

Uma colisão frontal de carros em uma rotatória na Reta Tabajara, na BR-304, em Macaíba, na Grande Natal resultou na morte de dois homens na noite dessa terça-feira (10) e outras três pessoas feridas e estão em estado grave. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal(PRF), as vítimas fatais vinham do Ceará com destino a Natal em um Fiat Palio quando o veículo passou direto na rotatória e bateu de frente com uma caminhonete Amarok.

Segundo a PRF,  as vítimas fatais tinham 21 e 26 anos. Já os ocupantes da caminhonete, foram socorridos em estado grave. Ainda segundo a PRF, o local merece atenção redobrada.  Não há sinalização nas proximidades da rotatória nem pintura no asfalto.

As causas do acidente serão investigadas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

BPChoque prende homem durante confronto na Região Metropolitana de Natal; dois morrem

WhatsApp Image 2016-09-05 at 22.39.05O Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, prendeu na noite desta segunda-feira (5), quando durante um patrulhamento na cidade de Macaíba, Região Metropolitana de Natal, no distrito de Mangabeira, se deparou com quatro indivíduos em um veículo Pajero TR4, preto, placa NNO 5027.

Os policiais militares receberam informações que homens em uma Pajero Preta estavam cometendo diversos ilícitos na região. Então, ao se deparar com eles, os policiais ordenaram que parassem o veículo e eles não atenderam a ordem legal. Em seguida, iniciou um acompanhamento ao veículo suspeito e mais a frente foram efetuados disparos de armas de fogo em direção a viatura. De pronto, os policiais responderam a injusta agressão e conseguiram interceptar o veículo e capturar três homens. O quatro suspeito conseguiu se evadir pelo matagal próximo do local.

Ao portal G1-RN, familiares de um dos mortos, o permissionário de táxi Anderson Fernandes, de 40 anos – e que atualmente trabalhava como chefe de informática da Prefeitura de Natal – alegam que ele teria sido vítima de um sequestro, sendo obrigado a dirigir para os criminosos. A Polícia Civil investigará a ação da Polícia e seu desfecho.

Com os homens foram apreendidos dois revólveres calibre 38 e nove munições de mesmo calibre deflagradas. Os homens foram socorridos para o Hospital Regional Deoclécio Marques, sendo que dois chegaram a óbito. Todo o material e o acusado foram apresentados à 1ª Delegacia de Plantão da Zona Sul.

Opinião dos leitores

  1. O nobre Marcelo, vc pode está equivocado., em relação ao dono do veículo, um pai de família. !!!!

  2. Ouvi falar que um dos mortos na verdade era o dono do carro, vítima, que estava sendo sequestrado. Procede?

    1. Conforme informação em negrito no texto, existe a denúncia de familiares de um dos mortos fazendo esta declaração, sobre o que teria sido um sequestro relâmpago. A Polícia Civil já iniciou investigação sobre o caso.

  3. Parabéns aos policias por mandarem esses dois para o buraco. Pena que um escapou. Mas fica para a próxima já que a maioria volta para o crime.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Dois morrem durante reação em abordagem policial no interior do RN

09.06 ARMASPoliciais civis da 7ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Patu, com apoio da Polícia Militar, cumpriram mandado de busca e apreensão na residência de Isack Batista da Silva, conhecido como “Isack de Miranda” , 20 anos, quando foram surpreendidos com disparos de arma de fogo, na manhã desta quinta-feira (09), na cidade de Governador Dix-Sept Rosado. Durante o confronto, ele veio a óbito juntamente com um comparsa conhecido como “Neguinho”, que também estava na residência.

A ação contou com o trabalho de policiais civis de Umarizal e Patu e de policiais militares dos Grupos Táticos Operacionais de Patu e Alexandria. “Isack Batista respondia criminalmente a três homicídios e um roubo. `Neguinho´ era investigado por tráfico de drogas. Na casa onde os dois estavam, os policiais civis apreenderam duas armas de fogo, uma calibre 44 e outra calibre 32, várias munições, maconha, dinheiro fracionado e uma motocicleta adulterada”, detalhou o delegado Erick Gomes, titular da Delegacia de Caraúbas.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *