Operação do MPRN combate atuação de facção criminosa em seis cidades potiguares

Fotos: Divulgação/MPRN

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou nesta quinta-feira (4) a operação Dia da Coruja. O objetivo foi desarticular uma facção investigada pelo cometimento dos crimes de homicídio, tráfico de drogas, roubo, organização criminosa e porte ilegal de arma de fogo, entre outros, na cidade de Jucurutu e região.

Ao todo, a operação Dia da Coruja cumpriu 25 mandados de prisão e outros 32, de busca e apreensão. A ação contou com a participação de 6 promotores de Justiça, servidores do MPRN e ainda policiais militares. Além Jucurutu, houve cumprimento de mandados nas cidades potiguares de São Rafael, Triunfo Potiguar, Mossoró, Assu e Acari. O nome da operação é uma alusão a Jucurutu, que é uma espécie de coruja, e também à ave símbolo do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPRN.

As investigações sobre os crimes cometidos pela facção em Jucurutu foram iniciadas pelo Gaeco, do MPRN, em 2019. “Com esse trabalho investigativo, obtivemos provas que permitirão desarticular a facção que vinha cometendo uma série de crimes em Jucurutu e região, especialmente o tráfico de drogas, com toda a cadeia de outros crimes e problema que essa prática ilícita acarreta”, explicou o promotor de Justiça Fausto França, coordenador do Gaeco/MPRN.

O MPRN irá continuar investigando se as pessoas presas têm envolvimento com outros crimes. “Com essas prisões decorrentes da operação Dia da Coruja, acreditamos que haverá uma redução significativa no cometimento de crimes em Jucurutu. De qualquer maneira, vamos continuar investigando se essas pessoas presas também cometeram outros crimes na região”, concluiu Fausto França.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    Gostaria de ver essas operações em mãe Luiza, peço da pátria, Felipe camarão, favela do mosquito.
    Que todos os membros de facção que dominam esses locais fossem presos…

  2. Calígula disse:

    Meu sonho é vê uma operação dessa, investigando prefeitos e secretários de saúde, envolvidos em desvios de recursos públicos do combate ao covid 19.
    Bolsonaro tem razão
    MITO 2022 REELEITO

    • Respira = dor disse:

      Pras bandas de ponta negra é por onde deve começar.
      Isso vai acontecer próximo ano, vcs vão vê, podem esperar.

PF faz operação contra fraudes no pagamento do auxílio emergencial em MG, TO, BA e PB

Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quinta-feira (18), operação para combater fraudes no pagamento do Auxílio Emergencial. Ao todo, foram expedidos 66 mandados de busca e apreensão em 39 cidades de Minas Gerais. Só na capital são quatro alvos desta investigação. Policias cumprem mandados, também, em várias cidades da Região Metropolitana como Betim, Contagem, Lagoa Santa, Sabará, Ribeirão das Neves e Nova Lima.

Outros sete mandados de busca e apreensão serão cumpridos nas cidades de João Pessoa e Campina Grande, na Paraíba, e na Bahia e Tocantins.

Segundo a apuração da polícia, a suspeita é que criminosos usavam recursos do auxílio emergencial, de pessoas que não tinham solicitado a ajuda, e usavam os valores para o pagamento de boletos. A ação busca provas da atuação de fraudadores. A investigação começou a partir de reclamações feitas na Caixa e o cruzamento de dados com o núcleo de inteligência da PF.

A Operação “Terceira Parcela” conta com a participação de mais de 200 policiais e é uma continuidade de outras duas operações deflagradas pela Polícia Federal no ano passado. No dia 10 de novembro a Operação “Primeira Parcela” ocorreu nos estados da Bahia, São Paulo e Tocantins. Foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão e quatro pessoas foram presas.

A ação, considerada pela Polícia Federal como a maior do país, foi resultado do trabalho feito por diversos órgãos e instituições públicas para combater fraudes no pagamento do Auxílio Emergencial. A chamada Estratégia Integrada contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial conta com a PF, o Ministério da Cidadania, a Caixa Econômica Federal, o Ministério Público Federal (MPF), a Receita Federal (RF), a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU).

As investigações, nesta primeira fase, contabilizaram que os prejuízos causados pela quadrilha aos cofres públicos giram em torno de R$ 350 mil, somente no estado de São Paulo.

No dia 10 de dezembro durante a Operação Segunda Parcela, a Polícia Federal enviou equipes para investigar as fraudes ao Auxílio Emergencial para 14 Estados: Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Espírito Santo, Bahia, Santa Catarina, Tocantins, Paraná, Goiás, Rio Grande do Sul, Maranhão, Piauí e Mato Grosso do Sul. Foram cumpridos 42 Mandados de Busca e Apreensão, 13 Mandados de Sequestro de Bens e sete pessoas foram presas.

Durante a segunda etapa da operação foi determinado o bloqueio de valores de até R$ 650 mil, em diversas contas que receberam benefícios fraudados.

Nesta quinta-feira, em Minas Gerais, os mandados serão cumpridos nas cidades de Araguari, Belo Horizonte, Betim, Caetanópolis, Campanha, Campestre, Contagem, Cristiano Otoni, Divinópolis, Dores de Campos, Governador Valadares, Itamarandiba, Ituiutaba, Jaíba, Juiz de Fora, Lagoa Santa, Luz, Machado, Mateus Leme, Montes Claros, Mutum, Nova Lima, Paracatu, Paraopeba, Passos, Patos de Minas, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Presidente Olegário, Ribeirão das Neves, Sabará, Salinas, Santa Maria de Itabira, Santo Antônio do Monte, São João Nepomuceno, Sete Lagoas, Uberlândia, Unaí, e Volta Grande.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calígula disse:

    Tomara que chegue ao RN, muita gente vai ser pega de calças arriadas.

Secretaria da Administração Penitenciária realiza operação em todas as unidades prisionais do RN

FOTO: ASSECOM/SEAP-RN

A Secretaria da Administração Penitenciária (SEAP) deflagrou a “Operação Saturação” para aumentar o nível de segurança em todos os estabelecimentos prisionais do Rio Grande do Norte. São realizadas revistas em todas as celas, patrulhamento externo e incremento na fiscalização de detentos do regime semiaberto monitorados com o uso da tornozeleira eletrônica. A ação teve início no dia 9 e se encerra na próxima quarta-feira (17), coincidindo com o período de carnaval.

A investida conta com a participação dos policias penais de plantão e reforço dos grupos especializados como o Grupo de Operações Especiais (GOE), Grupo Penitenciário de Operação com Cães (GPOC) e Departamento de Operações Táticas (DOT). Os servidores retiram os internos das celas para o pátio, realizando a revista pessoal e, depois, um “pente fino” no local com a revista estrutural.

Policiais experientes nesse tipo de ação revistam colchões, objetos de uso de pessoal, cantos de parede, além de pias e vasos sanitários. Grades e cadeados são minuciosamente inspecionados. Cães farejadores, como a cadela Lola do GPOC, também são empregados na ação.

Todo trabalho é acompanhado pela Coordenadoria de Administração Penitenciária (Coeape) e coordenado pelo DOT. Na ação, eles também fiscalizam o cumprimento das medidas sanitárias e de prevenção ao novo coronavírus. Atualmente, nenhum interno do sistema prisional está contaminado pelo Covid-19.

Nesta segunda-feira (15), os policiais penais realizaram a fiscalização na Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP). No dia 9, a SEAP realizou a operação na Cadeia Pública Dinorá Simas, em Ceará-Mirim, e na Penitenciária Regional de Pau dos Ferros. No dia 10, foi a vez da Penitenciária Estadual Rogério Coutinho Madruga, Cadeia Pública de Caraúbas, e Complexo Penal Agrícola Doutor Mário Negócio, em Mossoró.

No dia 11, uma parte das alas da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, Penitenciária Estadual do Seridó, em Caicó, Cadeia Pública de Mossoró, e Cadeia Pública de Apodi. No dia 12, foi finalizada a revista nas unidades de Pau dos Ferros, Apodi e Penitenciária Estadual de Alcaçuz, esta última com a presença do ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça. Sábado (13) e domingo (14), os grupos especializados estiveram presentes nas unidades da Grande Natal. Até quarta-feira (16) mais duas unidades serão alvo da Operação Saturação.

ANIMAIS ABATIDOS E REFÉNS: Polícia Civil deflagra operação e prende cinco pessoas suspeitas por roubos seguidos de ações violentas em propriedades rurais no interior do RN

Policiais civis da 1a Delegacia Regional de Polícia (DRP) de São Paulo do Potengi deflagraram, nesta quarta-feira (10), a Operação “Boi Zebu”, com o objetivo de prender um grupo criminoso que estava praticando diversos assaltos em propriedades rurais, nas cidades de Bom Jesus, Elói de Souza, Serra Caiada, Tangará, São Pedro do Potengi e Sítio Novo.

Durante as diligências, foram presos: Fábio Júnior Soares (“Sapeka”), Fernando da Silva Morais (“Bebê”), Francisco Alves Cavalcante Santa (“Calango”), Jefferson Soares Cavalcanti (“Gordo”) e Luís Ludegério da Silva (“Lula”).

De acordo com investigações, a quadrilha costumava praticar roubos sequenciados em propriedades rurais, onde na maioria das vezes os animais eram abatidos ainda no imóvel pelos criminosos, enquanto que os ocupantes das propriedades eram feitos reféns.

Foi constatado ainda que os criminosos agiam com violência e, em um dos assaltos, na cidade de Serra Caiada (RN), o caseiro da propriedade foi atingido com um disparo de arma de fogo, sendo socorrido após o roubo. Durante a apuração, o grupo criminoso foi reconhecido como responsável por cerca de oito assaltos ocorridos na região.

A ação policial realizada nessa quarta-feira (10) contou com o apoio da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos (DEFUR), Delegacia Especializada em Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas (DEPROV), Delegacia Especializada em Narcóticos (DENARC) e Delegacia Especializada em Assistência ao Turista (DEATUR), além da Guarda Municipal de Tangará e Polícia Militar de Bom Jesus.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Beto Araújo disse:

    Manda tudo pro curral do satanás.

  2. Neto disse:

    Tem que arrochar esses vagabundos safados, pra eles descobrirem quem compra o gado.
    Deve ser machantes pra vender a carne nas feiras livres.
    Arrocha esses sem vergonha.
    Tem que ir presos e logo.

    • José disse:

      Já fui vítima desse tipo de crime, o mais chocante é o envolvimento de grandes comércios e politicos. O que dificulta as ações políciais e ameaça os clientes.

  3. Patricio oliveira disse:

    O Lula também está metido nisso?Era só o q faltava.kkkkk

  4. Calígula disse:

    O Rio Grande do Norte está literalmente entregue aos bandidos.
    Temos uma governadora fraca que gasta 25 milhões de reais em propagandas onde mostra um RN inexistente.
    Pega a doida

  5. Erasmo disse:

    Devem agir em Macaiba também, bom seria o focinho desses trastes para que fossem reconhecidos por maior números de vítimas. Pena que nenhum CPF foi cancelado. Na Propriedade do meu Pai em Traíras, Distrito de Macaiba, roubaram 5 vacas.

Operação nos Correios e em transportadoras na Grande Natal e Mossoró apreende R$ 110 mil em mercadorias sem nota; entre elas, eletrônicos, celulares e roupas

Uma operação de combate à sonegação de impostos, realizada ontem (9) por auditores e técnicos da Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN), resultou na apreensão de 43 cargas, avaliadas em cerca de R$ 110 mil, que estavam sendo processadas e transportadas sem documentação fiscal. Foram retidos principalmente eletrônicos, celulares, brinquedos e roupas. A ação foi realizada durante todo o dia e o alvo foram sete Centros de Distribuição dos Correios e empresas transportadoras em municípios da Grande Natal e região de Mossoró. Em menos de 60 dias, o Fisco Estadual já apreendeu R$ 2,2 milhões em mercadorias irregulares.

A força tarefa, conduzida por uma equipe de 25 auditores fiscais e técnicos, evitou a sonegação de R$ 32 mil em impostos, recursos que seriam desviados dos cofres públicos do Rio Grande do Norte e que poderiam estimular a competição desleal no comércio potiguar. Toda a operação foi monitorada pela Subcoordenadoria de Fiscalização de Mercadorias em Trânsito e Itinerância Fiscal (Sumat) da SET.

No total, foram apreendidos 43 volumes de mercadorias, entre artigos eletroeletrônicos (R$ 31 mil), brinquedos (R$ 26 mil), aparelhos celulares (R$ 21 mil), confecções (R$ 17 mil) e outros produtos, que seriam distribuídos de forma irregular. O subcoordenador da Sumat, Marcos Medeiros, explica que a fiscalização não é uma ação pontual, ao contrário, ocorre rotineiramente para averiguar se a documentação desses produtos que são tratados pelos Correios e também pelas transportadoras está em conformidade com a legislação tributária.

“Muitas vezes, essas mercadorias chegam aos Correios sem a documentação correta e cabe ao Fisco Estadual fiscalizar esses produtos que circulam sem recolhimento de imposto, antes que cheguem ao destinatário final”. Segundo Marcos Medeiros, operações semelhantes serão deflagradas semanalmente para coibir tais ilícitos. Nesta operação, que começou nas primeiras horas da manhã e só foi concluída na noite da terça-feira, foram visitados cinco centros dos Correios em Natal, um em Mossoró e outro em Parnamirim, além de diversas transportadoras com bases nessas regiões.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio Nogueira disse:

    Vejam só: uma "operação" que levou dias de trabalho e que PODERÁ resultar em R$ 32.000,00 a mais nos cofres públicos.
    Isso não paga o salário do mês de um dos Auditores envolvidos nessa fantástica atuação.
    Enquanto a SET não mirar nos grandes sonegadores e ficar preocupada com quem mandou um conjunto de pano de prato sem nota fiscal pelos Correios, veremos mais notícias assim, como se fosse algo espetacular.
    Se bem que no RN não existem grandes sonegadores mesmo… Então deixa para lá.

Operação investiga Cunha por denúncia envolvendo combustível de aviação

Foto: Divulgação

Membros do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) cumprem, nesta quarta-feira (3), 20 mandados de busca e apreensão contra um esquema de propina que tinha o objetivo de reduzir impostos em combustíveis de aviação na capital federal. Um dos alvos é o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha.

A Operação Antonov é realizada em 4 estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Goiás – e no DF. Ela investiga crimes praticados entre 2012 e 2014 relacionados ao pagamento de propina direcionada a Nelson Tadeu Filippelli (então vice-governador do Distrito Federal) e a Eduardo Cunha (então deputado federal), “visando alteração legislativa distrital para redução de alíquota de ICMS para querosene de avião”, informou o MPDFT.

Após a tramitação legislativa do projeto de lei de iniciativa do Poder Executivo, ele foi convertido na Lei Distrital nº 5.095, de 8 de abril de 2013, que alterou a Lei nº 1.254/96 para, na prática, reduzir a alíquota do ICMS do querosene de aviação civil de 25% para 12%.

Segundo as investigações, há indícios de pagamento de propina por parte das companhias aéreas Gol e TAM.

A investigação ocorreu a partir de um acordo de delação premiada estabelecido entre o Ministério Público Federal e o operador Lucio Bolonha Funaro. Um dos endereços alvos da ação desta quarta é a casa de Cunha, localizada na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

O nome da operação faz referência ao Antonov NA-225, o maior avião cargueiro de asa fixa do mundo, com capacidade para mais de 360 mil kg de querosene de aviação.

A Operação Antonov conta com o apoio dos Gaecos de SP, RJ, ES e GO, do Centro de Produção, Análise, Difusão e Segurança da Informação (CI/MPDFT), da Polícia Civil do DF (Cecor/DF) e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MPRJ.

Como Cunha e Filippelli teriam recebido a propina

Cunha teria recebido propina por meio da empresa C3 Atividades de Internet Ltda., administrada pela mulher dele, Cláudia Cordeiro Cruz, ou por meio de transferências a companhias ligadas a Funaro. Este teria utilizado os serviços dos doleiros Cláudio (“Tony”), Vinicius (“Juca Bala”) e Carlos (“Tyson”) para fazer com que o dinheiro chegasse ao político. Tony e Juca Bala foram presos na Operação Lava Jato.

Já Filippelli teria recebido as vantagens indevidas com a ajuda do operador Afrânio Roberto de Souza Filho, por meio da empresa Objetiva Consultoria e Participações Ltda., administrada por Afrânio Filho e o filho dele, Afrânio Neto.

As investigações apontam que Filippelli teria utilizado parte da propina para comprar imóveis comerciais na cidade de Taguatinga (DF). Acredita-se que, posteriormente, eles foram usados pelo investigado para “integralizar o capital social da empresa Lanciano Investimentos e Participações S/A, administrada por sua então esposa Célia Maria Pereira Ervilha Filippelli”, informou o MPDF.

Informações preliminares apontam ainda que o empresário da Gol Henrique Constantino teria participado do esquema, pagando propina a Cunha para que este conseguisse a liberação de empréstimo na Caixa Econômica Federal e a desoneração da folha de pagamento dos empregados do setor aéreo e rodoviário, pontos de interesse da companhia aérea.

Outro lado

Nota de Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso e Délio Lins e Silva, advogados de Cunha:

“A operação de hoje é um retorno ao famigerado período das pirotecnias acusatórias. Não há dúvida de que se trata de algo fabricado politicamente, com o intuito de retaliar, de forma injusta, alguém que vem cumprindo rigorosamente todas as condições que lhe foram impostas pela Justiça ao conceder a prisão domiciliar. Não se buscou nem mesmo disfarçar tamanha ilegalidade. Os próprios investigadores confessam que os fatos, os quais não guardam qualquer relação com Eduardo Cunha, são antigos, não passam de 2014. A defesa do ex-deputado confia nas instâncias superiores do Poder Judiciário para corrigir tamanha ilegalidade.”

A reportagem tentou contato com Filippelli, mas ainda não teve retorno.

A Gol declarou que não tem conhecimento sobre a operação.

Nota da Latam:

“A Latam não tem informações sobre esta investigação. A empresa irá colaborar com as autoridades competentes.”

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luciana Morais Gama disse:

    Ainda bem que no nosso RN não tem dessas coisas. Kkkkk

Casa de luxo, avaliada em R$ 4 milhões, é confiscada pela PF em operação no DF contra tráfico de drogas em aviões da FAB

Foto: PCDF/Divulgação

Uma casa avaliada em R$ 4 milhões foi alvo de sequestro judicial, a pedido da Justiça Federal de Brasília, durante uma operação da Polícia Federal que investiga o tráfico internacional de drogas por meio de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e lavagem de dinheiro.

O imóvel de luxo, localizado no Lago Sul – área nobre da capital federal (veja vídeo AQUI) – foi confiscado na manhã desta terça-feira (2). As imagens mostram a área externa da residência, onde há duas piscinas e, pelo menos, dois pavimentos ocupados.

A suspeita é de que a quadrilha usava imóveis para lavar dinheiro obtido com o esquema de tráfico de entorpecentes. Segundo a PF, a casa confiscada pertence a um dos alvos. O G1 tenta confirmar a identidade dele. Não houve prisões em flagrante.

A operação Quinta Coluna cumpriu 15 mandados de busca e apreensão e dois mandados que restringem a comunicação dos investigados e a saída deles do Distrito Federal, além do sequestro de imóveis e veículos. O balanço não havia sido divulgado até a publicação desta reportagem.

Tráfico de drogas

A investigação começou em 2019, quando um sargento da FAB foi preso na cidade de Sevilha, na Espanha, por transportar 39 quilos de cocaína na bagagem de mão.

Ao todo, dez pessoas são investigadas por participação no esquema. Entre elas, a mulher de Manoel Silva Rodrigues, preso na Espanha, além de um tenente-coronel e mais alguns tenentes da FAB. A operação também investiga três empresas.

De acordo com a PF, os alvos se associaram, “de forma estável e permanente, para a prática do crime de tráfico ilícito de drogas”.

Durante a operação desta terça-feira, os agentes apreenderam drogas na casa de um dos suspeitos. O G1 tenta confirmar o endereço onde o entorpecente foi encontrado e se houve prisões em flagrante.

Em nota, a Força Aérea informou que “atua firmemente para coibir irregularidades” e que atuou em conjunto com a PF no cumprimento das diligências necessárias para a investigação.

Investigação

A investigação começou após a prisão do sargento brasileiro Manoel Silva Rodrigues, flagrado com 39 quilos de cocaína em um avião da comitiva presidencial, em junho de 2019, na Espanha.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não estava na aeronave. A TV Globo apurou que o avião onde estava o militar, que atuava como comissário de bordo em voos da FAB, costuma fazer a rota presidencial antes do avião do presidente em viagens longas, e, por isso, fica à disposição do Executivo para quando ele pousar no destino.

O G1 tenta contato com a defesa de Manoel Silva Rodrigues, detido na Espanha, para saber se ele foi alvo da operação nesta terça-feira. O militar cumpre pena no país europeu e, em setembro do ano passado, a Justiça espanhola negou o pedido de transferência do sargento para o Brasil.

Em relação à lavagem de dinheiro, as investigações apontam “diversas estratégias do grupo criminoso” para ocultar os bens obtidos por meio do tráfico de drogas, “especialmente a aquisição de veículos e imóveis com pagamentos de altos valores em espécie”, disse a PF.

As penas previstas para os crimes de associação para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro vão de 3 a 10 anos de prisão.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Emerson Fonseca disse:

    Que coisa estranha não temos comentários elogiando a PF… 😂
    Bem caladinhos, nem um murgidinho.. 😂😂😂😂

  2. Daniel disse:

    Essa Galera do Rio de Janeiro é intocável.

PF apreende em residência haxixe e maconha em operação que investiga associação criminosa que se utilizou de aeronaves da FAB para tráfico de drogas

Foto: Divulgação

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (2) a Operação Quinta Coluna, que investiga uma associação criminosa que se utilizou de aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) para enviar drogas para a Espanha. As investigações também incluem os crimes de lavagem de ativos. Os policiais encontraram haxixe e maconha na casa de um dos suspeitos.

Foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão. Além disso, dois mandados restringem a comunicação dos investigados e saída do Distrito Federal. A Justiça Federal do DF determinou o sequestro de imóveis e veículos dos envolvidos no esquema. Militares da FAB também participam do cumprimento das medidas.

As investigações são um desdobramento do caso que envolveu o sargento brasileiro Manoel Silva Rodrigues, flagrado com 37 quilos de cocaína em um avião da comitiva presidencial, em 2019. Segundo a PF, além do sargento, outras pessoas “se associaram ao militar, de forma estável e permanente, para a prática do crime de tráfico ilícito de drogas, tendo sido apresentado à Justiça elementos que indicam pelo menos mais uma remessa de entorpecente para Espanha”.

Bela Megale – O Globo

Polícia Civil realiza operação na Grande Natal, prende suspeitos de tráfico interestadual de drogas e apreende tabletes de cocaína pura avaliados em R$ 400 mil

Policiais civis da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), em conjunto com policiais civis da Delegacia de Polícia de Roubos e Furtos de Veículos (DPRFV/DEPATRI) de Pernambuco realizaram, na manhã desta terça-feira (02), uma operação com objetivo de combater o tráfico interestadual de drogas. A ação aconteceu no bairro da Redinha Nova, em Extremoz.

As diligências foram iniciadas após as investigações apontarem o endereço em que estariam os suspeitos. Chegando ao local, foram presos em flagrante quatro suspeitos: Djalma Francisco Fernandes, conhecido como “Coroa”, 59 anos, Laércio Ferreira da Costa, conhecido como “Neguinho”, 48 anos, Rafael de Jesus Batista, conhecido como “Gordo”, 25 anos e Mayara Vasti Costa, 26 anos. Eles são apontados como integrantes de uma facção criminosa do Estado de São Paulo.

Durante a ação, foram apreendidos dez tabletes de cocaína pura, avaliados em R$400.000,00. Djalma Francisco e Laércio Ferreira já haviam sido autuados por roubo a banco, violação a caixa eletrônico em São Paulo e tráfico de drogas. Eles foram encaminhados ao sistema prisional, onde ficarão à disposição da Justiça.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, por meio do Disque Denúncia 181 ou dos números da DEICOR: (84) 3232-2862 e (84) 98135-6796 (WhatsApp).

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Polícia Civil do RN deflagra Operação e desarticula organização criminosa especializada em roubo a carros-fortes e explosões contra instituições bancárias; dois são mortos em confronto

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Policiais civis da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), em conjunto com equipes das Polícias Civis dos Estados da Paraíba e de Pernambuco, deflagraram, nessa quinta-feira (21), a Operação “Sem Fronteiras”. A ação teve como objetivo o combate interestadual aos crimes de roubo a carros-fortes e explosões contra instituições bancárias.

A operação resultou na prisão de José Aderson da Silva, conhecido como “Carequinha”, considerado um dos braços direito de Alan Davydson. A prisão aconteceu no bairro José Pinheiro, localizado na cidade de Campina Grande (PB). Além disso, foram apreendidos no decorrer das diligências: drogas, o valor de R$1.100,00, 200 artefatos explosivos e três armas de fogo, sendo elas: uma pistola 9mm, um revólver calibre .38 e um fuzil .50, com seis munições intactas.

Durante a ação, morreram em confronto com os policiais: Alan Davydson Nunes Santos, conhecido como “Galeguinho” ou “Fantasma”, e Anderson Xavier de Souza Pontes, conhecido como “Ancinho”, 31 anos. Em desfavor de Anderson Xavier, existiam cinco mandados de prisão, expedidos pela Vara Única da Comarca de São Paulo do Potengi, referentes aos crimes de: integrar organização criminosa, tráfico de drogas, associação para o tráfico, dano qualificado, roubo, adulteração de sinal identificador de veículo automotor, furto, incêndio e receptação.

Contra Alan Davydson, havia dez mandados de prisão em aberto, expedidos pelas Comarcas de Pau dos Ferros, Nísia Floresta, Pedro Velho, Parnamirim e Ceará-Mirim, referentes aos crimes de: homicídio qualificado, integrar organização criminosa, roubo, porte ilegal de arma de fogo, posse irregular de arma de fogo, adulteração de sinal identificador de veículo automotor, corrupção de menores, expor a perigo a vida mediante uso de dinamite ou substância semelhante, furto e receptação. “Alan Davydson” é apontado como chefe da organização criminosa e era considerado um dos criminosos mais procurados pela DEICOR/RN, que o investigava há seis anos. Ele também era procurado pelas Polícias Civis da Paraíba e de Pernambuco.

De acordo com as investigações, a organização criminosa é responsável pelo roubo contra uma agência bancária, ocorrido no dia 14 de outubro de 2020, na cidade de São Paulo do Potengi (RN), em que 27 criminosos estiveram envolvidos na ação. Segundo o diretor da DEICOR, Erick Gomes, o material apreendido durante a Operação seria utilizado para ações criminosas conhecidas como ”novo cangaço”, principalmente contra carros-fortes.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, por meio do Disque Denúncia 181 ou dos números da DEICOR: (84) 3232-2862 e (84) 98135-6796 (WhatsApp).

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Seap realiza operação “Saturação” em presídios da Grande Natal

FOTO: ASSECOM/RN-SEAP

A Secretaria da Administração Penitenciária (Seap) deu início nesta quinta-feira, dia 31, a “Operação Saturação” em oito unidades na Grande Natal. O efetivo extra dos grupos especiais da Polícia Penal fiscalizou os internos e a estrutura das celas e, no lado externo, realizou patrulhamento ostensivo com o objetivo de inibir ações criminosas. A investida terá continuidade intramuros com os efetivos de plantão e de pronto emprego de cada estabelecimento prisional.

Para o secretário da Administração Penitenciária, Pedro Florêncio, a implantação da ordem, do controle e da segurança no sistema prisional é um trabalho diário. “Hoje, no último dia do ano, não poderia ser diferente. Estamos com nossos grupos especiais realizando patrulhamento e revista nas unidades prisionais. Desta forma, com o sistema prisional sob controle, nós contribuímos diretamente para a segurança pública e a paz social”, disse. Nenhum material ilícito foi localizado, confirmando a eficiência do trabalho diário dos policiais penais de cada unidade fiscalizada.

A operação tem a coordenação do Departamento de Operações Táticas (DOT), sob comando do policial Leonardo Alves, e contou com a participação do Grupo de Operações Especiais (GOE) e Grupo Penitenciário de Operações com Cães (GPOC). “Planejamos e desenvolvemos uma ação minuciosa com os grupos especiais para reforçar a segurança interna e externa dos presídios nesse períido de final de ano”, disse. Os policiais penais agiram na Penitenciária Estadual de Alcaçuz e na Penitenciária Estadual Rogério Coutinho Madruga, ambas em Nísia Floresta; no Centro de Detenção Provisório Feminino, em Emaús; na Cadeia Pública de Ceará-Mirim; na Penitenciária Estadual de Parnamirim; no Centro de Recebimento e Triagem de Parnamirim; na Cadeia Pública de Natal e no Complexo João Chaves.

Além da revista pessoal, os policiais penais verificaram a integridade física de paredes, grades e cadeados, além da área circunvizinha aos presídios, afim de evitar fugas. O comandante do GOE, policial Marcelo Henrique, enfatizou que o efetivo extra ajuda na complementação à rotina de segurança realiza nos presídios. “Os grupos operacionais da Seap realizaram a operação com rondas em todos os pavilhões das unidades da Grande Natal”, disse. O sistema prisional do RN tem 10.700 presos.

Polícia Civil deflagra operação e apreende na Grande Natal bens avaliados em R$ 1,5 milhão

Policiais civis da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR) deflagraram, na manhã desta quarta-feira (30), uma operação com o objetivo de cumprir decisão judicial de sequestro de bens.

Os imóveis objetos da medida de sequestro consistem em três granjas de luxo, localizadas nos municípios de Nísia Floresta e de São José de Mipibu. De acordo com investigações, eles foram adquiridos com dinheiro do tráfico de drogas, por Carlos Alexandre Martins Salviano, conhecido como “Nem da Abolição”, e sua esposa, Fernanda Belarmino da Silva, a qual continua foragida da Justiça.

A Polícia Civil solicita que a população envie informações que ajudem na localização de Fernanda Belarmino da Silva, por meio do Disque Denúncia 181 ou dos números da DEICOR: (84) 3232-2862 e (84) 98135-6796 (WhatsApp).

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

FOTOS E VÍDEO: Polícia Civil prende 20 pessoas e apreende R$ 200 mil em operação no Agreste do RN contra organização criminosa voltada à prática de roubos de carga, lavagem de dinheiro e outros crimes

A organização criminosa era voltada à prática de roubos de carga, lavagem de dinheiro e capitais, e receptação qualificada. Fotos: Divulgação/Polícia Civil

Policiais civis da Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Nova Cruz, com apoio da Delegacia Especializada em Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas (DEPROV), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do 8º Batalhão de Polícia Militar, deflagraram, na madrugada desta terça-feira (29), uma operação voltada à desarticulação de uma organização criminosa que praticava roubo de cargas, lavagem de dinheiro e capitais, receptação qualificada, entre outros crimes.

Durante as diligências, foram cumpridos 20 mandados de prisão, sendo 17 no município de Nova Cruz, dois no município de Santo Antônio do Salto da Onça e um deles na cidade de Logradouro, localizada no Estado da Paraíba. Além dos mandados de prisão, foram cumpridas medidas cautelares de bloqueios e sequestros de bens, como fazendas, sítios e veículos de luxo, pertencentes à organização criminosa. Também foram apreendidos, durante a operação, aproximadamente R$200 mil em espécie e três armas de fogo.

As investigações foram iniciadas há cerca de 8 meses, com registros de roubos de carga ocorridos na Região Agreste do Rio Grande do Norte. Foi constatada a existência de três núcleos criminosos com atuações específicas: um que executava os roubos das cargas; outro responsável por receber, armazenar e distribuir a carga subtraída, concretizando a receptação; e um terceiro, que financiava e administrava os recursos da organização criminosa. Os investigadores descobriram ainda um imóvel, localizado na Zona Rural de Nova Cruz, que era usado para armazenar o material produto dos roubos.

De acordo com o delegado titular da 6ª DRP, Wellington Guedes, os roubos aconteciam na Região Agreste do RN, mas a distribuição e venda da carga subtraída também se davam nos Estados da Paraíba e Pernambuco. “O nome da operação, intitulada Rota final, remete ao imóvel adquirido pela organização criminosa, na cidade de Nova Cruz, onde foi preparada uma estrutura para receber, armazenar e distribuir a mercadoria subtraída para outras localidades. Com esta operação, prendemos os responsáveis pelos crimes e atingimos a parte financeira da organização criminosa”, explicou o delegado.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Junin disse:

    PCRN de Parabéns…!!!!

  2. Irany Gomes disse:

    Está mais que justificado os preços na maioria dos interiores, menor que os das próprias distribuidoras, faz tempo que é assim!!!

  3. Paulo disse:

    Parabéns à Polícia Civil, excelente trabalho!

Prefeitura e Estado organizam operação para combater aglomerações no réveillon em Natal

Foto: Divulgação SEMDES

O feriadão de Ano Novo vai contar com uma forte fiscalização da Prefeitura do Natal para conter aglomerações em locais público e privados da cidade. A operação foi articulada nesta terça-feira (29) numa reunião que uniu a Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social de Natal (Semdes) e a Secretaria de Segurança do RN (Sesed).

As forças da Prefeitura do Natal e do Governo do Estado vão atuar em conjunto, assim como ocorreu durante os quatro dias do feriadão natalino, onde a Semdes, Guarda Municipal, Defesa Civil, Polícia Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Semurb, STTU e Semsur agiram juntas combatendo transgressões às normas sanitárias estabelecidas pelo decreto municipal de prevenção e combate ao coronavírus na capital.

A secretária da Semdes, Mônica Santos, informou que a operação deve ser mais intensa já que no réveillon é comum casos de aglomerações. “Estaremos com dezenas de guardas, policias e fiscais nas ruas cobrindo os principais corredores de bares e restaurante de toda a cidade, inclusive a orla que vai de Ponta Negra a Redinha. Teremos uma delegacia móvel somente para autuar casos de desrespeito aos decretos e receberemos denúncias pelo Ciosp e pelo contato da Semdes, agindo em todas as horas do dia e da noite para proteger a saúde pública”, ressaltou.

A operação deve ser deflagrada na próxima quinta-feira (31) e vai seguir até a madrugada da segunda-feira (04/01). Na prática os fiscais averíguam todos os itens determinados nos decretos municipais que apontam para o distanciamento entre mesas e cadeiras, quantidade máxima de pessoas no estabelecimento, uso de máscaras de proteção facial, acesso a álcool gel 70% para clientes e funcionários, aferição da temperatura na entrada do estabelecimento, entre outras. “É importante alertar que qualquer tipo de aglomeração será impedida pelas equipes policiais. Vamos patrulhar toda a cidade e contamos com a colaboração da população para denunciar os que tentarem desrespeitar às normas legais”, comentou o comandante da Guarda Municipal do Natal, Alberfran Grilo.

A GMN deve manter 22 viaturas à disposição do trabalho de fiscalização e um efetivo de guardas municipais escalados no serviço regular com reforço de agentes que estão de folga disponibilizando diárias operacionais para ampliar a contribuição da corporação nas ações de fiscalização. O cidadão pode ajudar denunciando pelo número (84) 9 9917-0591. O contato é mantido pela Semdes e aciona diretamente as viaturas de patrulhamento preventivo e ostensivo da Guarda Municipal do Natal. As denúncias também podem ser feitas pelo canal 24h do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) no 190 e no 181 (Disk Denúncia- Polícia Civil).

O planejamento da operação reuniu a secretária da Semdes, Mônica Santos, o titular da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), Francisco Araújo, além de gestores da Guarda Municipal do Natal (GMN), Corpo de Bombeiros, polícias Militar e Civil.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Azevedo disse:

    Deveriam ter organizado essas operações para combater a cachorrada política que formou aglomerações durante o período eleitoral, principalmente no interior do estado, bando de crápulas e irresponsáveis.

  2. Paulo disse:

    Pq não tomaram medidas radicais nas eleições próximas passada? Ou acham que o povo é idiota!!

  3. Claúdio disse:

    Interessante… pq não combatem a aglomeração nos transporte públicos? ALGO DE ERRADO NÃO ESTÁ CERTO!!!

  4. Rei Netuno disse:

    Só a nata dos subservientes da governadora Fátima Bokus.
    Isso é uma vergonha.

  5. Calígula disse:

    Onde estavam todos esses órgãos de segurança, durante a campanha eleitoral.
    Quem determinou o confinamento desses orgãos? Que hoje aparecem como salvadores da pátria.
    Por isso eu digo e repito #Bolsonaro TEM RAZÃO

Operação Lei Seca no RN autuou ou multou somente na primeira quinzena de dezembro 224 motoristas; tolerância zero e novas barreiras a partir desta quarta-feira

Foto: Divulgação

A Operação Lei Seca, realizada em conjunto pela Polícia Militar e Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Norte (Detran/RN), vai intensificar ainda mais as ações de fiscalização nestes últimos dias de 2020. A ordem é prevenir e evitar que aconteçam acidentes, principalmente, envolvendo motoristas que insistem em dirigir após a ingestão de bebida alcoólica.

Segundo o capitão Isaac Paiva, comandante da Operação Lei Seca no RN, barreiras serão montadas em todos os turnos dos dois dias que antecedem a virada de ano e também em todos os períodos dos dois dias seguintes às celebrações do Réveillon. “Ou seja, vamos montar barreiras já a partir da quarta para a quinta-feira e vamos prosseguir nas ruas durante todo o final de semana. Nossa missão é cumprir a lei. A tolerância para a combinação de bebida e direção é zero”, afirmou.

A PM resolveu anunciar a intensificação da Operação Lei Seca como forma de conscientizar a população quanto aos riscos de se dirigir sob efeito de álcool. “Afinal, o motorista que dirige após beber põe em risco não apenas a vida dele próprio, mas de todos que estão à sua volta”, reforçou Isaac.

Somente na primeira quinzena deste mês, 224 motoristas foram autuados e multados em ações realizadas pela Operação Lei Seca no estado. Destes, cinco receberam voz de prisão em flagrante.

Entenda as punições da lei Seca

A Lei 11.705, aprovada em 2008, ficou mais conhecida como Lei Seca por reduzir a tolerância no nível de álcool no sangue de quem dirige. Com a sanção da nova lei, o Código de Trânsito Brasileiro foi alterado e provocou grandes mudanças nos hábitos da população brasileira. A antiga legislação permitia a ingestão de até 6 decigramas de álcool por litro de sangue (o equivalente a dois copos de cerveja). Quando foi sancionada, a Lei Seca tolerava 0,1 mg de álcool por litro de sangue. Atualmente, o nível é zero.

As punições da Lei Seca incluem multa de R$ 2.934,70, suspensão do direito de dirigir por 12 meses, recolhimento da habilitação, retenção do veículo e, até mesmo, a possibilidade de prisão. Ainda há consequências para o condutor que não realiza o teste do bafômetro ou foge de uma blitz policial. Apesar disso, nenhum condutor pode ser obrigado a soprar o bafômetro. O condutor abordado em uma blitz da Lei Seca pode passar pelas seguintes situações ao realizar o teste do bafômetro:

– Ter resultado até 0,04mg/L no bafômetro, ficando dentro da margem de erro prevista para os aparelhos. Se isso acontecer, o motorista deve ser liberado para seguir viagem;

– Autuação por infração de trânsito, conforme o art. 165 do CTB (resultado do bafômetro a partir de 0,05 mg/L de ar alveolar) – gera multa de R$ 2.934,70 e suspensão do direito de dirigir por 12 meses;

– Acusação por crime de trânsito, conforme art. 306 do CTB (resultado do bafômetro a partir de 0,34 mg/L de ar alveolar) – ocasiona detenção de seis meses a três anos e a suspensão do direito de dirigir, ou a proibição de obter CNH. E se a pessoa se negar a soprar o bafômetro? Essa conduta também traz consequências. As penalidades pela recusa são as mesmas do art. 165: multa gravíssima multiplicada 10 vezes (R$ 2.934,70) e suspensão do direito de dirigir por 12 meses.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calígula disse:

    Tem comentaristas aqui, que gostam de assoprar outras coisas.

    • Pixuleco disse:

      Quem dirija a van de Cacá ( Calígula Lara os íntimos são os sobrinhos musculosos . Se essa van falasse ! Aí Papai .

    • Samuel Uel disse:

      A vaquinha do Bozo é gulosa, assopra e ainda lambe as bolas do Minto.

FOTO: Policial penal do RN é um dos presos em operação que apreendeu 200 kg de maconha em João Pessoa-PB

Foto: Polícia Militar da Paraíba/Divulgação

Um policial penal do Rio Grande do Norte é um dos dois homens presos nessa quarta-feira (16), em uma operação da Polícia Militar que apreendeu mais de 200 quilos de maconha em João Pessoa. De acordo com a polícia, a maior parte das drogas estava escondida em um galpão de uma oficina desativada. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária do Rio Grande do Norte (Seap), que confirmou a prisão do servidor, além de responder às autoridades paraibanas criminalmente, ele será alvo de um processo administrativo disciplinar no RN. Todos os detalhes AQUI em repercussão do portal G1-RN.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Muda Brasil disse:

    Ah se fosse na Indonésia.

  2. Calígula disse:

    A Turma da esquerda e do Lula livre adora encobrir nomes e rostos da bandidagem.
    #Bolsonaro tem razão

    • O Rei da Rachadinha disse:

      Sua paixão pelo PT é compulsiva, 24 horas sem tirar da cabeça. A onde a ódio pode tb existir amor.

    • Emerson Fonseca disse:

      Paixão recolhida e pelo pseudônimo que escolheu já mostra o caráter que tem ou não 🤣