Polícia Civil realiza Operação “Free Way” e apreende, em Natal, três celulares roubados

Foto: Reprodução/Ilustrativa/TV Gazeta

Policiais civis da Delegacia Especializada em Assistência ao Turista (DEATUR) e da Delegacia Especializada em Defesa ao Meio Ambiente (DEPREMA) realizaram, nesta quarta-feira (15), a Operação “Free Way” que resultou na apreensão de três celulares roubados. As diligências, realizadas em busca dos aparelhos tomados dos turistas, no caminho do aeroporto de Natal, aconteceram em diversos municípios, mas todos foram apreendidos na Capital Potiguar.

Todas as pessoas que estavam de posse dos aparelhos foram conduzidas até a delegacia e responderam pela suspeita da prática do crime de receptação culposa, por meio de um Termo Circunstanciado de Ocorrência (T.C.O.).

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

Foto: Reprodução/site/Polícia Civil do RN

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Muito bom!
    Melhor 3 que nenhum. Que vire rotina.
    So existe ladrão pq tem quem compre.

  2. Bruno disse:

    Se fosse eu, teria até vergonha de fazer uma operação e prender apenas 3 celulares, em natal são roubados 3 a cada minuto.
    Essa inteligência só tem um neurônio.

  3. J.Dantas disse:

    Parabéns! Dica: se forem nas feiras livres, vão encontrar centenas e várias quadrilhas especializadas…. E se for em dia após festas, a probabilidade será elevada a potência de dez.

  4. lampejao disse:

    Parabéns pelo resultado da Operação !!!!

  5. joaozinho da escola disse:

    3 celulares roubados recuperados?? e a operacao chamou-se free way? que bacana!!!!!!! estou muito feliz, justifica todo o salario.

  6. Anderson disse:

    Pera aí, a assessoria de comunicação solta release para dizer que a PC fez operação e apreendeu 03 (três) celulares roubados, não precisa nem fazer operação, se ficar de butuca em qualquer avenida da Grande Natal e pegar um ou dois vagabundos pé de chinelo, desses que saem nas paradas tomando celular do povo, ela consegue apreender e recuperar pelo menos dez vezes mais. Vá lá que propaganda é a alma do negócio, mais vamos pelo menos focar na divulgação das operações que tem mais representatividade e impacto para a sociedade.

  7. Valter disse:

    Parabéns. Que a Polícia Civil continue saindo das delegacias (BO) e façam muitas diligências. Inclusive meu genro teve o celular devolvido há um tempo pela Polícia Civil.

    • Zé Garcez disse:

      A polícia deveria ter vergonha de divulgar uma operação que resultou na apreensão de 3 – TRÊS – celulares.
      Resultado pífio para uma operação

Polícia faz operação na casa de Ghosn em Tóquio e Turquia prende pilotos que o levaram até o Líbano

Foto: Kyodo / via Reuters

A polícia fez uma operação nesta quinta-feira na residência de Carlos Ghosn em Tóquio, ao mesmo tempo que as autoridades turcas anunciaram a detenção de várias pessoas na tentativa de elucidar as circunstâncias da fuga para o Líbano, via Istambul, do ex-titã da indústria automobilística.

Canais de TV japoneses exibiram nesta quinta-feira imagens de policiais entrando na casa de Tóquio na qual o ex-CEO da aliança Renault-Nissan estava em prisão domiciliar.

Já de acordo com a agência de notícias DHA, a polícia turca prendeu sete pessoas, incluindo quatro pilotos, sob suspeita de auxiliar Ghosn a viajar ao Líbano a partir de um aeroporto de Istambul, onde ele chegou em um voo procedente do Japão.

Também nesta quinta-feira, o governo do Líbano recebeu um mandado de prisão de Ghosn emitido pela Interpol, anunciou o ministro libanês da Justiça, Albert Sarhane

A ordem, um alerta vermelho da Interpol que pede às autoridades para prender uma pessoa procurada, foi recebida pelas forças de segurança interna do Líbano, e ainda não foi encaminhada ao Judiciário, afirmou a fonte citada pela agência Reuters.

– O Ministério Público (…) recebeu um alerta vermelho da Interpol sobre o caso Carlos Ghosn – disse Sarhane, citado pela agência de notícias oficial ANI.

Ghosn desembarcou na segunda-feira em Beirute, onde publicou um comunicado à imprensa, onde afirmou que ‘ não fugiu da justiça, mas sim se libertou da injustiça e da perseguição política no Japão’. Sua equipe de comunicação confirmou à AFP que ele concederá uma entrevista coletiva nos próximos dias.

O executivo foi detido em Tóquio em novembro de 2018, acusado de fraude financeira, e deveria ser julgado no Japão a partir de abril de 2020. Depois de passar 130 dias na prisão, ele estava em detenção domiciliar.

O homem que chegou a ser o CEO mais bem pago do Japão enfrenta quatro acusações neste país: duas por renda diferida não declarada pela Nissan às autoridades da Bolsa e duas por abuso de confiança com agravante.

As circunstâncias de sua fuga, no entanto, permanecem muito confusas. De caixa de instrumento a voo secreto, são algumas das teorias sobre a fuga do ex-executivo.

De acordo com fontes, Carlos Ghosn decidiu fugir do Japão depois de saber que seu julgamento foi adiado para abril de 2021, e também porque não teve permissão de falar com a esposa, Carole, disseram fontes próximas do ex-chefe da Nissan nesta quinta-feira.

Imagens de câmeras de segurança

De acordo com fontes da investigação citadas pela imprensa japonesa, o Ministério Público de Tóquio está examinando as imagens das câmeras de segurança na entrada de sua residência e no bairro em que morava.

O governo da França indicou que Ghosn, que tem nacionalidades francesa, brasileira e libanesa, não será extraditado se entrar em território francês porque o país nunca extradita seus cidadãos. A afirmação foi feita pela secretária de Estado de Economia, Agnès Pannier-Runacher, ao canal BFMTV.

Além disso, uma fonte próxima ao caso confirmou nesta quinta-feira que Ghosn tinha dois passaportes franceses e um dos documentos estava com ele. A fonte entrevistada pela AFP indicou ainda que os advogados do executivo mantinham três passaportes de Ghosn (francês, libanês e brasileiro) guardados em um cofre.

Mas o empresário recebeu uma autorização excepcional de um tribunal para carregar um segundo passaporte francês, que levava dentro de uma espécie de estojo, que tinha um código secreto guardado por seus advogados.

Ghosn estava proibido de viajar ao exterior, mas se deslocava com relativa liberdade dentro do Japão, onde podia sair da capital com algumas restrições, um sistema aplicado a outros estrangeiros em prisão provisória.

Na eventualidade de um controle policial, ele precisava entrar em contato com o advogado que tinha o código para que este comparecesse ao local em que o executivo estivesse (o código não poderia ser comunicado por telefone à polícia), informou a mesma fonte.

Ghosn, no entanto, não teria utilizado este passaporte para fugir do país, e sim um “meio ilegal”, informou o canal NHK, que também citou fontes próximas à investigação.

De acordo com a presidência libanesa, Ghosn entrou no país procedente da Turquia com um passaporte francês e um documento de identidade libanês.

Há suspeitas de que Ghosn teria utilizado um jato privado que decolou do aeroporto de Kansai, na região oeste do Japão.

Um avião deste tipo decolou em 29 de dezembro às 23h (horário do Japão) do aeroporto, administrado pelo grupo francês Vinci e o japonês Orix, com destino a Istambul, segundo a imprensa nipônica.

A fuga de Ghosn provocou grande consternação no Japão e seus advogados consideraram a atitude “indesculpável”, embora tenham afirmado entender as razões de seu descontentamento com a justiça japonesa.

Prisões na Turquia

Segundo a porta-voz da polícia turca, além dos pilitos, os outros detidos são dois trabalhadores de solo de um aeroporto e um funcionário de transporte de carga, e os sete devem comparecer perante um tribunal nesta quinta-feira.

A imprensa informou que o Ministério do Interior da Turquia iniciou uma investigação sobre o trajeto de Ghosn. Pessoas familiarizadas com o assunto disseram à Reuters que Ghosn, um dos executivos mais conhecidos do mundo, chegou a Beirute em um jato particular que partiu de Istambul na segunda-feira.

O site de notícias Hurriyet, citando uma autoridade do Ministério do Interior, disse que a polícia de fronteira turca não foi notificada sobre a chegada de Ghosn e que nem sua entrada nem saída foram registradas.

Segundo o Hurriyet, o avião que levou Ghosn chegou às 5h30m da manhã de segunda-feira ao aeroporto de Ataturk, em Istambul, e os promotores ordenaram as prisões efetuadas nesta quinta-feira depois de ampliarem suas investigações.

Dados de rastreamento de voo sugerem que Ghosn usou dois aviões diferentes para voar para Istambul e depois para o Líbano.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco disse:

    Bom ver como o Japão trata criminoso corrupto. Principalmente se o juíz é cassado ao extremo pela imprensa e pelos roubados, e os passos da justiça.

STTU realiza operação nos semáforos para aliviar trânsito nos centros comerciais

Foto: Monitoramento/STTU

Durante o período natalino, o trânsito fica mais movimentado nos centros comerciais devido às compras de presentes. Para aliviar as condições do trânsito, a Prefeitura do Natal – por meio da Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU) – tem monitorado e realizado alterações nos tempos dos semáforos, principalmente nos bairros do Tirol, Lagoa Nova e Alecrim.

Segundo o órgão, a região do shopping Midway Mall é uma das mais delicadas devido ao grande público que é atraído pelo centro comercial. “Os motoristas formam fila para entrar no shopping e isso acaba fechando um cruzamento, que leva ao fechamento do seguinte e assim se forma um efeito cascata”, ressalta Walter Pedro da Silva, secretário-adjunto de Trânsito.

Um exemplo dado pelo secretário é a entrada do Midway Mall pela Av. Romualdo Galvão, onde os motoristas formam fila e acabam impedindo que os veículos cruzem a Av. Bernardo Vieira sentido Zona Norte, que por sua vez acaba impedindo os que estão na Av. Sen. Salgado Filho sentido Zona Sul, que impedem a Rua Alberto Silva, que impedem os que estão nas avs. Romualdo Galvão e Prudente de Morais e assim consequentemente, como demonstra a animação.

Para combater o efeito cascata, a STTU tem monitorado os semáforos constantemente das 07h00 às 20h00 e realizado ajustes nos equipamentos. “Na região do Midway, quando se inicia o efeito cascata, nós mudamos o tempo para – primeiramente – liberar o tráfego nas vias onde circulam os ônibus, afinal a preferência é do transporte público. Isso significa que o tempo de verde dessas vias é aumentado e o das que cruzam com elas é reduzido”, explica Walter Pedro.

Segundo o secretário, toda a operação dura cerca de 10 minutos. “Há impacto nas demais vias, podendo ocorrer retenções. Contudo, se a operação não for executada, o efeito cascata se estabelece e trava toda a área, podendo impedir a circulação totalmente. Assim que a situação se normaliza, os tempos voltam ao normal”, reforçou.

Ainda de acordo com a STTU, as vias que podem sofrer alterações nos semáforos na região de Tirol e Lagoa Nova são as avs. Rui Barbosa, Sen. Salgado Filho, Romualdo Galvão, Prudente de Morais, Alm. Alexandrino de Alencar, Bernardo Vieira, Antônio Basílio, Nascimento de Castro, Amintas Barros e Miguel Castro, além das ruas São José e Jaguarari. Já na região do Alecrim, as avs. Coronel Estevam (Av. 9), Pres. Bandeira (Av. 2), Alm. Alexandrino de Alencar e as ruas Pres. Leão Veloso (Av. 5), Pres. Sarmento (Av. 4), Pres. José Bento (Av. 3), Pres. Quaresma (Av. 1) são as trabalhadas.

ROTAS ALTERNATIVAS

A STTU pede que os motoristas que não vão realizar compras evitem as regiões dos grandes centros comerciais procurando rotas alternativas, onde o trânsito tende a ser menor e mais tranquilo.

Para os motoristas que saem de Petrópolis com destino a Zona Sul e desejam evitar o Midway Mall, as rotas alternativas são as ruas São José e Jaguarari – principalmente para os que se destinam a Candelária, Cidade Satélite, Planalto e BR-101 Sul após o Viaduto de Ponta Negra –, a Av. Rui Barbosa, o Anel Viário da UFRN e a Via Costeira.

Já para os que desejam evitar o centro comercial do Alecrim, a Av. Interventor Mário Câmara/Rua dos Canidés (Av. 6), a Rua Jaguarari e a Rua São José/Desembargador Régulo Tinoco são boas rotas de escape.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucia Campos disse:

    É notório que o mais prejudicado é para quem vai para zona Norte, passamos em torno de 25 minutos para cruzar a Benardo vieira com salgado filho. Não vejo nem uma prioridade para o transporte público!!! Indignada com toda a situação!!!

  2. Andrade Vaz disse:

    algo muito amador mudar tempo de sinal de acordo com o "achismo" do agente de trânsito. A prefeitura deveria investir em tecnologia. Semáforos inteligentes usando não sensores e sim sistema dos próprios celulares dos usuários da via. se existe contenção de fluxo em uma via o sistema automaticamente detecta e faz a liberação do sinal verde. Sistema usado em São José dos Campos, interior paulista. Iria dá muita fluidez ao trânsito sem nenhuma obra estruturante.

  3. Senna disse:

    Quem circula pela Av. Rui Barbosa sofre muito, pois os motoristas principalmente de ônibus que fecham o cruzamento com a Bernardo Vieira demonstrando um despreparo e desrespeito total.

  4. LOL disse:

    essa "solução" da Rua Alberto Silva não poderia ser mais ridícula! Além de em nada melhorar o tráfego na própria rua interditada, só aumenta o engarrafamento nas Avs. Alexandrino de Alencar e Salgado Filho, ao jogar para lá todo o fluxo…
    OU seja, trapalhadas e transtorno urbano… solução real, zero!

  5. natalsofrida disse:

    Enfim algo proveitoso, só sabem multar os cidadãos de bem. Esquecer de usar o cinto de segurança, é normal hoje, devido as inúmeras obrigações que o estado nos impõe.

    • Minion doente disse:

      Como é que e? Esquecer de usar o cinto é normal? Então nesse seu raciocínio excesso de velocidade , usar o celular em quanto dirige , beber e dirigir também é normal?

Ibama rejeitou relatório contra navio grego suspeito de derramar óleo antes da operação da PF

Relatório da empresa Hex Tecnologias Geoespaciais que baseia investigação da Polícia Federal sobre origem de manchas de óleo — Foto: Reprodução

O relatório que embasou a Operação Mácula, da Polícia Federal, deflagrada em novembro contra navios suspeitos de derramar petróleo no litoral, já havia sido rejeitado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama). O documento se baseava na localização de uma mancha, com aparência de óleo, e no rastreamento de navios que passaram por aquele ponto. Entretanto, para o Ibama, as provas eram frágeis.

O aspecto da mancha, a falta de dados como a localização, o satélite usado e a composição colorida para montar a imagem – elementos que trazem credibilidade a documentos técnicos como este – foram cruciais para que o estudo fosse rejeitado, disse em entrevista ao G1 Pedro Bignelli, coordenador-geral do Centro Nacional de Monitoramento e Informações Ambientais (Cenima), ligado ao Ibama.

A mesma declaração foi dada a deputados nesta terça-feira (17), durante um depoimento a deputados na CPI do Óleo, que investiga o desastre ambiental na Câmara.

Estudo da HEX

Segundo Bignelli, a empresa HEX Tecnologia, responsável pelo relatório, havia feito um estudo em que apontava uma mancha com aparência de óleo ao lado da trajetória de navios.

Em outubro, os responsáveis pela HEX foram até o Ibama apresentar a descoberta. Como a empresa tem contrato de prestação de serviço com o Ibama, eles pediram que fosse emitida uma ordem de serviço para pagar o trabalho.

“Há uma cláusula no contrato que permite a eles fazerem isso, não é ilegal. Mas como envolvia uma quantia expressiva de dinheiro, e eu ao bater o olho vi ali problemas, remeti ao meu diretor a minha avaliação”, conta Bignelli.

“Expliquei para o meu diretor que eu não tinha sido convencido, pelo aspecto da mancha e pela falta de informação no relatório. Eu trato essas imagens [de satélite] há 25 anos, tenho dois doutores no assunto aqui que ajudaram a avaliar. Disse [ao diretor] que não arriscaria meu currículo naquele relatório, que não acreditava naquele documento” – Pedro Bignelli, coordenador-geral do Cenima

No dia seguinte, segundo Bignelli, a HEX Tecnologia foi à Polícia Federal apresentar o relatório, que foi aceito pela corporação e submetido à Superintendência do Rio Grande do Norte. Em 1º de novembro, a operação foi deflagrada.

“Após a operação eu tive acesso ao relatório completo e fiz o caminho inverso: fui buscar as imagens que eles haviam usado e comprovei que meu veredito estava certo. Não era óleo, era clorofila” – Bignelli

Novos estudos sobre a origem do óleo

Bignelli afirma que o Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) está desenvolvendo um novo estudo para localizar a origem das manchas de óleo.

Já que as análises de pontos mais próximos à costa brasileira ainda não apontaram uma hipótese que explicasse o que causou o maior desastre do litoral do país, os pesquisadores do Inpe passaram a vasculhar regiões a Oeste, mais próximas à África, para ver se encontram possíveis derramamentos de óleo.

“O Inpe conseguiu colecionar uma série de gráficos de navios e imagens mais a Oeste, mais à África, e também dados meteorológicos”, diz Bignelli. “O problema é que em nenhum momento este óleo foi detectável [na superfície], então não sabemos o que houve no meio do caminho [entre o derramamento e o aparecimento no litoral]”, afirma.

Mais de 100 dias de registro de manchas

Mais de 100 dias após a primeira mancha surgir em agosto, na Paraíba, 966 pontos do litoral do Nordeste e estados do Sudeste já foram atingidos pelo óleo, segundo o mais recente balanço do Ibama.

Em algumas semanas, as manchas de óleo se espalharam pelos 9 estados do Nordeste – Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe – e, em novembro, chegaram ao Espírito Santo e ao Rio de Janeiro.

Para Pedro Bignelli, será difícil encontrar uma explicação para o desastre. “Perdemos o timing”, afirmou ao G1.

“Perdemos o ‘timing’. Quanto mais passa o tempo, mais difícil encontrar a origem das manchas de óleo. Você perde as conexões, precisa mapear as correntes e, como espalhou demais, puxar o fio da meada é complicado” – Pedro Bignelli, coordenador-geral do Cenima.

Investigações

Mais de um mês após as manchas surgirem na Paraíba, o presidente Jair Bolsonaro determinou em 5 de outubro que fosse feita uma investigação para encontrar de onde vinha o petróleo. Ele deu o prazo de 48 horas para que fossem apresentados “os dados coletados e as providências adotadas”. Entretanto, as ações se concentravam em limpar as praias, já que a mancha não era visível na superfície do oceano.

Em 25 de outubro, a Petrobras informou que o óleo recolhido nas praias tinha características semelhantes àquele produzido na Venezuela.

Em 1º de novembro, a Polícia Federal deflagrou a Operação Mácula e apontou um navio grego como suspeito pelo derramamento: o petroleiro Bouboulina. Ele se tornou alvo da operação porque carregou 1 milhão de barris do petróleo tipo Merey 16 cru no Porto de José, na Venezuela, no dia 15 de julho, e zarpou no dia 18 com destino à Malásia, passando pelo Brasil em 28 de julho. Foi nesta data que a empresa HEX Tecnologias Espaciais disse ter encontrado manchas de óleo no oceano próximo à costa por onde passou o Bouboulina. O relatório foi base da operação da PF.

A empresa responsável pela embarcação no Brasil, a Delta Tankers, negou a suspeita e afirmou que “não há provas” de que o navio Bouboulina vazou petróleo na costa do Brasil. Dias depois a empresa foi notificada e, desde então, a Marinha não divulga novidades sobre a investigação.

No início de dezembro, o comandante de Operações Navais da Marinha, Leonardo Puntel, afirmou em audiência no Senado que não há provas que identifiquem o responsável pelo vazamento.

G1

 

Polícia faz operação contra desvio de dinheiro em entidades do futebol carioca

Policiais civis e integrantes do Ministério Público cumprem nesta quarta-feira(18) treze mandados de busca e apreensão contra suspeitos de desviar dinheiro de entidades ligadas ao futebol carioca. A Operação Cartão Vermelho também pede a quebra de sigilo bancário e fiscal dos investigados.

Os mandados serão cumpridos nas residências do presidente do Sindicato de Árbitros do Estado do Rio de Janeiro, do presidente da Cooperativa dos Árbitros de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Coopaferj), de integrantes das duas entidades, além das sedes dos órgãos e da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

A investigação apura o desvio de dinheiro dessas entidades e o uso da Coopaferj para arrecadar dinheiro para os dirigentes, sem nenhuma contraprestação ou transparência nas contas, de acordo com a Polícia Civil.

Agência Brasil

Propina paga a agentes públicos da Paraíba foi levada de Curitiba a João Pessoa em jatos executivos alugados

]Foto: Operação Calvário/Divulgação/PF

Propina paga a agentes públicos da Paraíba –pelo menos 1,8 milhão de reais– foi levada de Curitiba a João Pessoa em jatos executivos alugados por 60 mil reais, segundo investigação da Operação Calvário.

Os detalhes foram relatados por Ivan Burity, ex-secretário de Turismo de Ricardo Coutinho que fechou delação premiada após passar dois meses na cadeia.

Propina foi transportada em voos fretados para a Paraíba

O Antagonista com Crusoé

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cesar disse:

    Se o Queiroz fosse p cadeia, delatava ligeiro.

  2. Potiguar disse:

    O delator fechou acordo após dois meses na cadeia. Será que funcionava com o Queiróz?

    • David disse:

      Acho que com gleiser, Jaques vagner e Lulinha iria funcionar. São uns cabas de pêa

Polícias Civil e Militar deflagram “Operação Dictum” e prendem 20 pessoas e apreende 4 adolescentes em Nova Cruz

Foto: Ilustrativa

Equipes de policiais civis da 6ª Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Nova Cruz, em conjunto com policiais militares do 8º Batalhão da Polícia Militar, deflagraram, nesta terça-feira (17), a “Operação Dictum”, objetivando o cumprimento de 23 mandados de busca e apreensão e 21 mandados de prisão preventiva, no município de Nova Cruz. A ação, que contou com a participação de cerca de 70 policiais civis e 70 policiais militares, resultou na prisão de 16 pessoas e na apreensão de quatro adolescentes.

Durante a operação, foram apreendidos aparelhos celulares, porções de maconha, cocaína e “crack”, além de três armas de fogo. As investigações duraram aproximadamente quatro meses, levando à identificação de suspeitos de integrarem organizações criminosas e de praticarem os crimes de homicídios, roubos, furtos, tráfico de drogas e associação ao tráfico, corrupção de menor, porte e comercialização de arma de fogo ilegal.

O nome da operação,“Dictum” – termo em latim que significa “limpeza” – faz referência à atuação das polícias, por meio do trabalho investigativo e operacional, no combate à criminalidade na região, visando garantir a paz da população.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima, através do Disque Denúncia 181 ou do WhatsApp da 6a Delegacia Regional de Polícia (DRP), por meio do número (84) 9 9224-4550.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Polícia Civil deflagra operação contra tráfico de drogas em Natal e prende 14 pessoas, sendo cinco da mesma família

Foto: Ilustrativa

Policiais civis da Delegacia Especializada de Narcóticos (DENARC) de Natal, com apoio da Polícia Militar, deflagraram, nesta terça-feira (17), a “Operação Clã” objetivando o combate ao tráfico de drogas na Capital Potiguar. Foram expedidos pela Justiça vinte mandados de prisão temporária e 9 mandados de busca e apreensão. Participaram da ação 25 policiais civis e 30 policiais militares.

Durante a operação, foram cumpridos os nove mandados de busca e apreensão e foram presas 13 pessoas em cumprimento a mandados de prisão temporária, sendo umas delas também autuada em flagrante pelo crime de tráfico de drogas e quatro deles já se encontravam no sistema prisional. Também foram apreendidas porções de cocaína e uma mulher foi presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas.

O nome da operação faz referência à participação de uma família inteira que, de acordo com as investigações, praticava o tráfico de drogas, com atuação predominante no bairro de Cidade da Esperança. Dos 13 presos, cinco deles pertencem à mesma família.

(mais…)

Operação da Polícia Civil cumpre mandados de prisão e busca e apreensão em Natal

Uma Operação da Polícia Civil batizada de “Clã”, foi deflagrada na manhã desta terça-feira(17) em Natal. A Delegacia Especializada em Narcóticos (Denarc) coordena a ação.

Segundo a Polícia Civil, o objetivo é o combate ao tráfico de drogas. Na ação, o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão e cerca de 20 mandados de prisão.

Operação da PF combate tráfico internacional de entorpecentes e cumpre mandados em Natal e região metropolitana

Fotos: PF

A Polícia Federal no Rio Grande do Norte deflagrou nesta sexta-feira, 13/12, a Operação Expresso, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa voltada ao tráfico internacional de entorpecentes. Cerca de 55 policiais federais cumprem 15 mandados de prisão preventiva e 15 mandados de busca e apreensão nas cidades de Natal/RN, Nísia Floresta/RN, Ceará-Mirim/RN, Rio
Branco/AC e Pimenta Bueno/RO. Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal no RN.

As investigações começaram após a PF detectar uma movimentação financeira atípica de um ex- presidiário, vinculado a acreanos envolvidos em tráfico de entorpecentes. O suspeito tentava depositar valores expressivos para uma conta no Acre.

A partir de então, policiais federais no Rio Grande do Norte passaram a aprofundar as investigações, acompanhando os suspeitos oriundos do Acre e descobriram que o grupo adquiriu um ônibus de turismo para trazer entorpecentes a Natal, simulando transporte de turistas.

Numa dessas viagens, o ônibus foi abordado pela Polícia Rodoviária Estadual, ocasião em que o motorista foi preso. Na manhã do dia 13/03/2018, no entorno da cidade de Cuiabá/MT, a PRF também abordou o veículo e apreendeu cocaína dissimulada no assoalho, prendendo também o motorista.

Em razão das apreensões realizadas no período, o líder da ação criminosa, foragido da justiça, natural de Mossoró/RN, usando nome falso, passou a negociar a aquisição de um caminhão, tipo carreta, para modificar o modus operandi. Adquirido o novo veículo, providenciou reparos para acomodar o entorpecente e prosseguiu com o tráfico no percurso Acre – Rio Grande do Norte. Em uma das viagens, a Polícia Federal potiguar identificou o veículo e realizou, em junho de 2018, a apreensão da droga (277kg de cocaína) e a prisão do motorista e passageiro, com apoio do BOPE/PMRN.

Com a expansão das investigações para prisão de todo grupo criminoso, também se descobriu que uma advogada, para além dos limites de sua atividade como defensora de membros da quadrilha, atuava orientando a organização em como realizar a manipulação e divisão dos entorpecentes, tendo sido decretada sua prisão preventiva.

(*) O nome da operação é uma referência ao fato de os suspeitos terem simulado uma linha expressa com a compra do ônibus de turismo para trazer a droga para Natal.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rico disse:

    Pra esquerdalha a PF quando desmantela os seus ilícitos e de seus familiares, está a serviço de Moro, quando atua contra seus co-irmãos das facções criminosas não falam o mesmo.

Operação do MPRN apura supostos crimes de peculato e fraude em licitação em Câmara Municipal no interior

Foto: Reprodução

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou nesta quarta-feira (11), com o apoio da Polícia Militar, a operação Comendador. O objetivo é apurar o suposto cometimento dos crimes de peculato e fraude em licitação pública pela Câmara Municipal de Itajá. O principal investigado é o ex-presidente da Casa, o vereador Carlos Marcondes Matias Lopes. A operação Comendador é resultado de uma investigação da Promotoria de Justiça de Ipaguançu, com o apoio do Gaeco do Oeste.

Matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Operação “Mão na Bola” realizou busca e apreensão no apartamento de Rosalba e em outros endereços em Natal e Mossoró

Equipes da Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão em quatro endereços residenciais da capital potiguar e da cidade de Mossoró. As buscas foram efetuadas nos bairros de Areia Preta, Lagoa Nova e Lagoa Azul, em Natal; e Nova Betânia, em Mossoró.

Veja mais – “MÃO NA BOLA”: Operação da PF e MPF apura pagamentos de propina durante a construção da Arena das Dunas

Entre os alvos da operação Mão na Bola, um deles foi o apartamento da prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini, na praia de Areia Preta. Rosalba era governadora do estado na época da construção da Arena das Dunas.

Nota de esclarecimento – Rosalba

Sobre as notícias a respeito de operação realizada hoje, 10, relativas ao estádio Arena das Dunas, de Natal (RN), confirmamos que houve diligência na residência da prefeita Rosalba Ciarlini, em Mossoró, onde ela se encontrava. No entanto, não foi apresentado o conteúdo da investigação, ou eventuais acusações ou denúncia.

O Arena das Dunas foi o único dos estádios da Copa 2014 concluído no prazo, sem aditivos de prazo ou de preço, e com valor abaixo do inicialmente orçado, estando em pleno funcionamento na capital, conforme atestam todos os natalenses e potiguares.

Como se faz ao longo de sua vida pública, acompanhada por todos, Rosalba Ciarlini se coloca à disposição da Justiça e dos demais órgãos estatais a fim de esclarecer todos os fatos.

A prefeita considera que as diligências realizadas hoje nos dois apartamentos contribuirão para confirmar a correção de sua conduta.

“MÃO NA BOLA”: Operação da PF e MPF apura pagamentos de propina durante a construção da Arena das Dunas

(Foto: Reprodução)

A Polícia Federal e o MPF deflagraram nesta terça-feira (10/12), a Operação “Mão na Bola” destinada a apurar a possível prática dos crimes de desvio de finalidade de financiamento, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, atribuídos a integrantes de grupo empresarial do ramo de construção civil, membro de Sindicato de Trabalhadores e agentes públicos do estado do Rio Grande do Norte.

Estão sendo cumpridos quatro mandados judiciais de busca e apreensão expedidos pela 2ª. Vara da Justiça Federal/RN nas cidades de Natal/RN e Mossoró/RN. Na ação, a PF utiliza 18 policiais federais.

A investigação teve início no ano de 2014 a partir da notícia do pagamento de propinas a membro de um Sindicato de Trabalhadores e agentes públicos do RN, por pessoas vinculadas a grupo empresarial responsável pela obra de construção do estádio Arena das Dunas.

Diligências iniciais evidenciaram a utilização de empresas, algumas de fachada, para emissão de notas fiscais superfaturadas ou fictícias, de modo a gerar “caixa dois”, utilizado para o pagamento de propinas.

A colheita de depoimentos de colaboradores, associada à análise dos registros bancários e fiscais de investigados, trouxe novos elementos que corroboraram a notícia da ocorrência de pagamentos de vantagem indevida a agentes públicos e membro de Sindicato.

Constatou-se que os investigados receberam expressivos valores em suas contas bancárias, mediante depósitos fracionados, o que indica a tentativa de driblar os mecanismos de controle do Conselho de Controle de Atividade Financeira – COAF (atualmente Unidade de Inteligência Financeira – UIF).

As medidas cumpridas nesta manhã visam a apreensão de documentos, bens e valores relacionados aos fatos criminosos.

Sobre o nome da operação, é um trocadilho com uma expressão utilizada no futebol, pois pode remeter ao recebimento de propina, já que “bola”, no popular, também possui esse outro significado.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. vilanir gurgel disse:

    O aeroporto e arena das dunas, duas obras apenas para interesse político, para benefício próprio.
    Estado e município falidos.

  2. Adriano Castro disse:

    …e tem mais: como pode no aeroporto cobrarem pedágio para ter acesso ao terminal? Sim, aquilo é pedágio e dizem que a tarifa é de estacionamento ( guarda e seguranca veicular). Sera que o MP/RN nao vê isso?

  3. Luciana Morais Gama disse:

    O AEROPORTO e a ARENA DAS DUNAS, duas obras que o RN não precisava e não podia pagar…. Hoje colhemos os frutos desse desmando administrativo.

  4. mario disse:

    Agora o jogo começou.kkkkk

  5. pereira disse:

    O ministério público deveria se debruçar com uma LUPA mais potente, também sobre a construção do Aeroporto. Quem sabe não encontram alguma coisa debaixo do tapete.

Alvo de Operação do MP, ex-prefeito no RN emite nota e diz querer colaborar

O ex-prefeito de Jucurutu, George Queiroz, enviou nota sobre a Operação do Ministério Público Eleitoral desta segunda-feira, 9, que cumpri mandados de busca e apreensão para apurar irregularidades em doações de terrenos da Prefeitura, em um esquema que causou prejuízo de R$ 4,5 milhões à Prefeitura.

Confira aqui no Justiça Potiguar a  “NOTA DE ESCLARECIMENTO DO EX-PREFEITO GEORGE QUEIROZ AO RN E AO POVO DE JUCURUTU”..

Operação do MP apura doação irregular de terrenos com fins eleitorais por ex-prefeito no RN

O Ministério Público Eleitoral do Rio Grande do Norte deflagrou nesta segunda-feira (9) a operação Cabresto, que apura a doação irregular de terrenos pela Prefeitura de Jucurutu para fins eleitoreiros. A investigação é do Ministério Eleitoral da 27ª zona, em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), orgão do MPRN, e apoio da Polícia Militar.

A ação visa descortinar um esquema delituoso instalado na prefeitura, onde o ex-prefeito George Retlen Costa Queiroz teria montado uma “central de doação de imóveis”, concedendo direitos reais de uso de 616 terrenos para inúmeras pessoas, sem observância do procedimento legal, sem verificação de alguma carência dos favorecidos, sem manifestação jurídica, sem publicidade e sem autorização do poder legislativo. Desse total, 487 bens públicos foram “doados” a particulares nas proximidades da eleição municipal de 2016, época em que George Queiroz foi candidato à reeleição.

Ao todo, os bens desviados pelos integrantes do grupo criminoso foram avaliados em R$ 4.546.080,00, com determinação de sequestro de tal valor pelo Juízo da 27ª Zona Eleitoral. Além do sequestro dos bens, foram cumpridos nas residências de todos os investigados e na sede de uma empresa, 11 mandados de busca e apreensão, nos municípios de Jucurutu e Natal, com a participação de 12 promotores de Justiça, 17 servidores e 38 policiais militares.

O grupo delituoso teria atuado sob o comando de George Queiroz e da suposta idealizadora do esquema, a ex-secretária de Assistência Social Francisca Fabiana Batista Monteiro. Além deles, o MP Eleitoral apura a participação dos servidores Arinaldo Lopes de Araújo e Maria José Araújo Lopes de Sá, contando, ainda, com a atuação do empresário Roberto dos Santos Silva, conhecido por “Pompom Sat”, e dos vereadores Fagner Bezerra de Brito, o “Faguinho”; Rubens Batista de Araújo, conhecido por “Rubinho”; e Willame Lopes de Araújo, o “Negro do Detran”. Os vereadores não só auxiliaram na concessão de terrenos, como obtiveram imóveis públicos para si ou seus parentes.

De acordo com linhas de investigação, servidores públicos ocupantes de cargos comissionados, familiares de funcionários públicos e outras pessoas que não precisavam de recebimento de imóvel, teriam sido beneficiados pelo esquema de agraciamento de correligionários, em detrimento de pessoas que necessitam de programas habitacionais para obterem moradia.

Para tanto, o ex-prefeito atendia pessoalmente os futuros beneficiários em seu gabinete ou até mesmo nas ruas, comunicando a concessão verbalmente e determinando à sua auxiliar de primeira ordem, Maria José Araújo Lopes de Sá, e à Francisca Fabiana Monteiro, que preparassem todos os documentos necessários à concessão, emitindo esta última pareceres ideologicamente falsos sobre renda familiar ou local de moradia dos agraciados.

De igual modo, o empresário Roberto dos Santos Silva seria peça importante no esquema criminoso, agindo como se servidor público fosse, um verdadeiro secretário particular de George Queiroz, realizando atendimentos na sede da Prefeitura, onde concedia imóveis em nome do ex-prefeito. Por sua vez, Arinaldo Lopes de Araújo era o responsável pela escolha dos terrenos.
Dessa maneira, George Queiroz “doou” vários imóveis públicos a particulares apoiadores ou seus eleitores, sem que as pessoas deles necessitassem, tendo como única qualidade verificada nos agraciados, exatamente, estarem do seu “lado político”, ou como dizem as pessoas mais simples, “seguirem” o prefeito.

Há indicativos de que os terrenos foram concedidos diretamente para os vereadores Rubens Batista de Araújo e Willame Lopes de Araújo, para o empresário Roberto dos Santos Silva e para a própria secretária Francisca Fabiana Batista Monteiro, utilizando-se de “laranjas”, os quais constaram formalmente como beneficiários.

O MP Eleitoral agora, diante de todo o conjunto de material probatório, irá debruçar-se sobre o conteúdo apreendido, que servirá para confirmar, ou não, as suspeitas iniciais, sendo o próximo passo do planejamento da investigação a análise global das evidências, no que se resultará em oferecimento da denúncia ou arquivamento dos autos.

Justiça Potiguar

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alan disse:

    Em Ponta Negra os proprietários das casas, pousadas e hotéis que ficam de frente pro mar no calçadão ou se apossam de vez construindo ou cercam inicialmente as áreas públicas disfarçando a posse irregular e impedindo a circulação da população e depois se apossam de vez. Um absurdo numa praia turística como PONTA NEGRA.

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Em Natal não precisa a prefeitura fazer doações, basta se apossar. Os canteiros das avenidas das ALAGOAS e AYRTON SENNA são ocupados com o AVAL da PREFEITURA e vista grossa do MINISTÉRIO PÚBLICO.

    • Sebastião disse:

      Eles agora invadiram os canteiros da Roberto Freire, entre a feirinha e o praia shopping. Tem até um com uma placa vendendo o ponto. Um absurdo, e o MP faz que não vê, muito menos interpela judicialmente quem autorizou tamanha aberração. Um ato absurdo, que privilegia uns poucos em detrimento da maioria, além de prejudicar a livre iniciativa legal, e provoca uma concorrência desleal, pois só em não pagar aluguel, consegue fortificar seu poder de barganha. Outra os espaço que são públicos e deveriam ser utilizado pela coletividade o pra instalar equipamentos de lazer ou educativo para o povo, é cercado e privatizada de forma irregular.

  3. Ana leticia disse:

    Teriam que apurar a "doação" feita do terreno da comunidade a particulares também, no conjunto dos bancários. Áreas gigantes doadas de não beijada.

Estrutura que torna mais fácil o processo de adoção já está em operação no Brasil

Reportagem em vídeo aqui

Já está em funcionamento o Cadastro Nacional de Adoção. O sistema tornou o processo mais fácil e mais rápido. Na Casa de Acolhimento, uma menina de 13 anos sonha com uma família. “Queria ter pai, mãe e irmãos”.

E no curso preparatório para pretendentes à adoção, vários casais estão gestando um filho no coração.

“A gente está com a fé que a gente vai conseguir. Pode demorar um pouco, mas um dia vai acontecer”, disse o pintor industrial Anísio Carlos dos Santos.

Unir as crianças e os interessados é um desafio para a Justiça. Hoje, são menos de cinco mil crianças aptas à adoção e mais de 42 mil famílias interessadas em adotar.

Essa era uma situação comum em muitos estados e municípios. Por muitos anos, fichários e livros manuscritos foram o único recurso de servidores e juízes para organizar as informações dos processos de adoção. O trabalho manual ficava mais demorado e sujeito a falhas. Mas isso tudo está sendo aposentado. Vai ficar num armário. A partir de agora, é a tecnologia que vai ajudar a Justiça a formar aumentar as famílias adotivas.

O Cadastro Nacional de Adoção interliga todas as Varas de Infância e Juventude do Brasil. Nele estão os dados das famílias pretendentes e os das crianças disponíveis para a adoção. Os interessados não podem ver os perfis. Os dados, atualizados diariamente, são sigilosos e ficam disponíveis apenas para a Justiça.

Hoje, quase 98% das famílias querem crianças com até 10 anos. O novo modelo é uma esperança para as mais velhas, que agora tem o Brasil inteiro na busca por uma nova família.

“Uma criança que esteja apta a ser adotada hoje no estado do Rio Grande do Sul, um adolescente de 14 anos, e não tenha ali nenhum interessado por aquele perfil de adolescente. Tem um interessado no Amazonas. O sistema, automaticamente, vai ter como fazer com que tudo isso converse e o juiz da Infância do Rio Grande do Sul vai ser avisado de que, no Amazonas, tem um interessado com tais características, endereço e tal para que a vara possa entrar em contato com esse interessado para que ele venha a começar o processo de aproximação e de adoção daquele adolescente”, explicou o juiz da Infância e da Juventude Iberê de Castro Dias.

Para quem vai começar o processo, como a fonoaudióloga Thais Inocêncio Pires e o marido, o novo cadastro pode facilitar o encontro do filho que eles estão procurando – um menino de até 4 anos. Nada que diminua a ansiedade dos futuros pais.

“A ansiedade acho que faz parte desse processo, mas, ao mesmo tempo, a gente tem muita tranquilidade. Eu acho que tende a ser um pouco mais rápido. A atualização do cadastro é muito interessante, a nova. Ajudou para eles e vai ajudar para a gente que vai entrar na fila”, disse Thais.

Globo – JN

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lira disse:

    Criar menino legítimo hoje está difícil, imagine criança adotiva. Pensem muito bem antes de colocar uma criança nessa zorra. E olhe que quem vos escreve é um sujeito alto astral, não se trata de um depressivo da vida não.