Saúde

Estudo induz resposta imune ao HIV e cria esperança de cura

Anticorpos de células B modificadas se aproximam de uma partícula de HIV (mostrada em azul) para desativá-la. Em um novo estudo, os cientistas descobriram que as células B editadas por genes podem gerar respostas de anticorpos protetores duráveis contra o HIV quando ativadas com uma vacina. (Foto: Ilustração cortesia do laboratório Voss da Scripps Research)

Infelizmente, o HIV é um dos poucos vírus para o qual ainda não há vacina para ser combatido, pois ele evolui muito rapidamente no corpo. Qualquer solução exigiria persuadir o organismo humano para produzir um tipo especial de anticorpo, que atuaria amplamente para derrotar várias cepas do vírus de uma vez. Os cientistas da Scripps Research chegaram mais perto de atingir este resultado, conforme mostra o estudo publicado na revista Nature Communications na terça-feira (17).

Em ratos, pesquisadores induziram com sucesso anticorpos neutralizantes — também chamados de bnabs — que podem prevenir a infecção pelo HIV, segundo o investigador principal James Voss, da Scripps Research. Em 2019, a equipe já havia mostrado que era possível reprogramar os genes de anticorpos das células B do sistema imunológico usando CRISPR para que as células produzissem anticorpos anti-HIV amplamente neutralizantes.

O novo estudo mostra que essas células B modificadas, após serem reintroduzidas no corpo, podem se multiplicar em resposta a uma vacinação, transformando-se em células de memória e células plasmáticas que produzem altos níveis de anticorpos protetores por longos períodos no corpo. Em humanos, as células iniciais para criar a vacina podem ser obtidas facilmente a partir de uma simples coleta de sangue e, então, projetadas em laboratório antes de serem reintroduzidas no paciente.

A equipe também mostrou que os genes modificados podem ser melhorados para produzir anticorpos que são ainda mais eficazes contra o vírus, usando um processo que normalmente ocorre nas células B que estão respondendo à imunização. “Esta é a primeira vez que foi demonstrado que as células B modificadas podem criar uma resposta de anticorpos projetada durável em um modelo animal relevante”, explica Voss, em nota.

O cientista espera que sua abordagem de vacina possa algum dia prevenir novas infecções por HIV e possivelmente oferecer uma cura funcional para aqueles que já vivem com o HIV. O vírus ainda é prevalente em todo o mundo, com cerca de 38 milhões de pessoas infectadas em 2019.

“As pessoas acham que as terapias celulares são muito caras”, diz Voss. “Estamos trabalhando muito para tentar tornar a tecnologia acessível como uma vacina preventiva contra o HIV ou cura funcional que substituiria a terapia antiviral diária.”

Galileu

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Vacina chinesa feita com Sars-CoV-2 inativo é segura e induz resposta imune, destaca estudo publicado no The Lancet

(Foto: National Cancer Institute/Unsplash)

De acordo com um estudo publicado nesta quinta-feira (15) no The Lancet Infectious Diseases, pesquisadores chineses divulgaram que uma candidata à vacina desenvolvida e testada na China com base no vírus Sars-CoV-2 inativado é segura e induz uma resposta imune em pessoas saudáveis. Os testes foram realizados entre 29 de abril e 30 de julho deste ano e envolveu mais de 600 voluntários.

A vacina, chamada BBIBP-CorV, demonstrou ser segura e bem tolerada em todas as doses testadas, sem relatos de reações adversas graves. O efeito colateral mais comum confirmado pelos voluntários foi dor no local da injeção.

O imunizante usado no estudo é baseado em uma amostra do vírus que foi isolada de um paciente na China. O microrganismo foi cultivado em laboratório usando linhagens de células e, em seguida, inativado por uma substância química chamada beta-proprionolactona. O BBIBP-CorV inclui uma mistura do vírus morto com outro componente, o hidróxido de alumínio, chamado de adjuvante porque é conhecido por aumentar as respostas imunológicas.

Resultados

O objetivo principal dos testes de fase 1/2 era avaliar a resposta imune e a segurança da vacina, observando pessoas com idades entre 18 e 80 anos. Os participantes com 60 anos ou mais demoraram mais para desenvolver uma resposta imune, levando 42 dias para que anticorpos fossem detectados em todos os participantes dessa faixa etária. Em comparação, foram 28 dias entre os voluntários de 18 a 59 anos.

Além disso, os níveis de anticorpos também foram mais baixos entre aqueles com 60 e 80 anos: eles apresentaram uma média de anticorpos neutralizantes de 170,9 após receberem uma dose de vacina de 8 microgramas (µg), enquanto os mais jovens tiveram uma média de 228,7.

“Proteger pessoas mais velhas é o principal objetivo de uma vacina para Covid-19 bem-sucedida, pois essa faixa etária está em maior risco de formas graves da doença”, afirma, em nota, o professor Xiaoming Yang, coautor do estudo e pesquisador do Instituto de Pequim de Produtos Biológicos, na China. “No entanto, as vacinas às vezes são menos eficazes neste grupo porque o sistema imunológico enfraquece com a idade. Portanto, é encorajador ver que o BBIBP-CorV induz respostas de anticorpos em pessoas com 60 anos ou mais, e acreditamos que isso justifica uma investigação mais aprofundada.”

Galileu

Opinião dos leitores

  1. Lembre-se, gado: a única que presta é a americana, que Trump, o chefe do seu macho supremo, vai aplicar em vocês.
    Cuidado que a vacina chinesa foi preparada pelos comunistas que dominam o mundo desde 01/04/1964.

  2. A china que mentiu, escondeu desde julhos a fascinação na população autorizada pela OMS e so em deembro de 2019 a tal OMS vem dizer que não contaminava de pessoa para pessoa em janeiro 2020 ai ele fala que contaminava mais nao precisava deixar dw ir na china e nem usar mascaras mas desde junho de 2019 ja havia autorizado e ja sabia da contaminação na china , por isso so uma cidade foi que teve casos e o resto da china Não! Tudo funcionando e o Mundo em pânico os comunistas ganhando muito dinheiro, e comprando tudo aqui na america latina , o João Doria assinou o convenio da Vacina em junho dw 2019 mais aqui ele mandou e fez o maior Carnaval do Brasil , e ai vão ficar livre com as maos cheia de sangue dos Brasileiros

    1. Vai aprender a trabalhar VAGABUNDO, tem medo de 8horas diárias ???…..não mata

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *