Casais que não se comunicam sexualmente são mais propensos à traição, alerta pesquisa, sobre “procura que não tem em casa”

Pesquisa aponta que a falta de comunicação entre os casais pode levar à busca por relacionamentos extraconjugais; veja os detalhes e entenda. Foto: shutterstock

Você tem o hábito de conversar sobre sexo com o seu parceiro? Falar sobre o que gostam e se atingem ou não o prazer é fundamental para manter uma relação saudável. A comunicação é tão importante que, segundo uma pesquisa recente do site de relacionamentos extraconjugais Ashley Madison, casais que não se comunicam são mais propensos à traição.

A pesquisa indica que apenas 37% dos usuários atingem o orgasmo toda vez que fazem sexo com o parceiro. No entanto, 93% conseguem chegar ao clímax com o amante com certa regularidade. Os números mostram que, quando não se tem prazer dentro de casa, a traição é a solução encontrada.

De acordo com os dados, os parceiros até tentam conversar e indicar que o sexo não vai bem, mas não são bem recebidos. Quando avisam que não estão conseguindo sentir orgasmos , 39% são ignorados. Outros 28% enfrentaram um parceiro magoado e 21% até tiveram um cônjuge mais atento por um tempo, mas depois tudo voltou como era antes.

Apenas 9% dos parceiros tentaram deixar o sexo mais empolgante, 8% ficou mais tento às necessidades e somente 3% encontrou uma melhora no sexo. Isso mostra que não apenas a conversa é importante, mas também estar aberto às sugestões do outro. Assim, a relação fica mais prazerosa para ambos.

“Todo mundo tem suas maneiras próprias de chegar ao clímax e deveriam poder comunicá-las a seus parceiros sexuais”, aponta Isabella Mise, diretora de comunicações da Ashley Madison. “Nossos dados estão dizendo que os cônjuges de nossos membros estão relutantes ou não querem tentar ou até mesmo melhorar suas vidas sexuais, então eles recorrem a casos extraconjugais para que essas necessidades sejam atendidas”, fala.

Sexo melhor na traição?

Alguns fatores deixam no sexo com o amante mais excitante e ajudam a “chegar lá” com mais facilidade. De acordo com a pesquisa, a empolgação e o segredo da traição é a principal razão pela qual as pessoas se excitam, além de encontrarem no outro o que não tem em casa.

Os dados também mostram o que dificulta chegar ao orgasmo e contribui para a traição. Para a maioria, a comodidade e a falta de entusiasmo é o principal fator. De acordo com a terapeuta sexual Tammy Nelson, alguns casais podem enfrentar a ‘fadiga do casamento’, o que leva à busca por amante.

“Fazer sexo da mesma maneira antiga significa sempre ficas nas mesmas posições, porque você sabe o que fazer e quando fazê-lo. É bom, mas pode ser previsível. Para algumas pessoas que traem, a luta para encontrar maneiras novas e diferentes de fazer sexo pode ser empolgante”, explica.

A dica para driblar essa situação é conversar, estar aberto a sugestões e buscar formas de sair da rotina, seja com brinquedos sexuais, novas posições ou até ambientes diferentes para fazer sexo.

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Hulkenberg disse:

    Tá na bíblia, quem falou recentemente no assunto, foi ninguém mais, ninguém menos que Patrícia Abravanel.
    Por tanto mulherada, não neguem fogo aos maridos, se não o caba procura fora, pula a cerca.

Pesquisadores afirmam que homens que utilizam celular por 4 horas ao dia são mais propensos a falharem na cama

110Pesquisadores descobriram uma ligação entre o uso de celulares e disfunção erétil. Eles estudaram 20 homens que tiveram problemas com a impotência, além de 10 homens saudáveis. Não houve diferença significativa entre a idade, o peso e testosterona.

Eles concluíram que homens com problemas de ereção usam celulares em um tempo significativamente maior do que os homens saudáveis. É bem sabido que os celulares podem atrapalhar o momento, assim como na hora “H”, o telefone toca ou um e-mail de trabalho é recebido e você simplesmente não consegue resistir a verificação. Mas os telefones celulares podem estar tendo um efeito mais preocupante em nossas vidas amorosas, de acordo com a nova pesquisa.

Os cientistas descobriram que os homens que detêm seus celulares por mais de 4 horas por dia são mais propensos a sofrerem de impotência do que aqueles que limitam o uso de menos de duas horas. Eles disseram que mais estudos precisam ser feitos para estabelecer o que causa o problema.

Cada participante foi convidado a preencher o Inventário de Saúde da vida amorosa para Homens (SHIM) e foram avaliadas com base no Índice Internacional de Função Erétil (IIEF). Eles também foram questionados sobre seus hábitos de telefonia móvel.

Os pesquisadores afirmaram que não havia diferenças visíveis em ambos os grupos em termos de idade, peso, altura e tabagismo. Ambos os grupos também tinham níveis semelhantes de testosterona total, que foram medidos para determinar se algum deles tinham problemas de saúde na vida amorosa subjacentes.

No entanto, a maior diferença entre os dois grupos foi o período de tempo em que cada um ficou com seus telefones ligados no bolso ou nas mãos. O grupo A utiliza o telefone durante 17,6 horas por semana, já o grupo B utiliza 12,5 horas.

Fonte: DailyMail

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo kasinsk disse:

    Bem-feito! A coisa não está troncha, está trash. Mas nem com uma notícia dessas o cara se emenda. O fato, meu caro editor, é que o cidadão enfia a cara no celular e as meninas, ó, ficam rodando o pescoço e os olhinhos pelo bar ou pelo restaurante. Mas as meninas também estão nessa. Conversar, que é bom, como diria tio Putinha "Necas de pitibiriba". Deve ser uma brochada geral. Talvez fosse o caso de botar os celulares para fazer amor, colocar um em cima do outro para ver o que é que dava, né não? Ver quem piscava mais, quem vibrava mais, quem tocava-gritava mais alto, essas coisas… Acho que minha avó é que era feliz: não teve celular mas teve 12 filhos. Pense!