Comportamento

Com sexo oral ‘mal feito’ entre maiores queixas, pesquisa revela o que mulheres casadas buscam em aventuras extraconjugais

Foto: Ilustrativa

O que leva uma pessoa a buscar uma relação fora do casamento? Embora ainda seja consideradas tabu, as relações extraconjugais estão relacionadas a algo muito simples: a busca pela satisfação sexual. É o que mostra a pesquisa realizada pela Ashley Madson, site de relacionamento voltado para pessoas casadas.

Segundo o levantamento realizado com 2.267 usuárias da plataforma, 21 de julho de 2021 e 28 de julho de 2021, 64% das mulheres se sentiram sexualmente negligenciadas em seu casamento, e 44% dizem que a falta de sexo interessante e frequente é o que as leva a trair. E esta negligência na cama pode servir de gatilho para as mulheres que estão em busca de satisfação sexual.

“Um equívoco comum é que as mulheres perdem o interesse pelo sexo mais rápido do que os homens em relacionamentos de longo prazo”, diz Isabella Mise, Diretora de Comunicações da Ashley Madison. “Isso não poderia ser menos verdadeiro. Agora, mais do que nunca, as mulheres não estão dispostas a sacrificar sua vida sexual pela monogamia. Se eles não estão encontrando satisfação em seu relacionamento principal, elas vão procurar fora.”

Sexo oral bem feito é diferencial

De acordo com a pesquisa, o sexo oral é um dos atos mais mencionados para definir se o parceiro é bom de cama e uma preferência entre as usuárias do site, que dizem procurar alguém que ‘mande bem’ com a boca e língua. Ao que parece, os maridos andam deixando a desejar nesta parte.

Entre as entrevistadas, apenas 23% das mulheres recebem sexo oral regularmente de seu parceiro principal, mas esse número sobe para 58% quando se trata de seu amante – e eles (os amantes) estão fazendo isso melhor. Enquanto 48% das mulheres consideram seu amante um especialista em sexo oral, ou pelo menos “muito bom”, apenas 31% dizem o mesmo sobre seu cônjuge.

Delas – IG

 

Opinião dos leitores

  1. Mas fala sério… o marido encara o expediente de 8 horas, levando cagaço do chefe, cliente importunando… aí chega em casa a patroa nem beijinho dá… na hora do rala ele ainda se faz presente pro sexo oral e encontra uma perseguida mal lavada… daí ele evita…

    1. 4 lorotas e nenhuma verdade, um clássico comentário caligulesco.

  2. Nada justifica a infidelidade. Não está feliz? Pede para sair. Isso vale para homens e mulheres. A outra questão é que certamente essas mulheres se perfumam e asseiam para encontrar com o amante, mas para os maridos ficam na bagaça, e tanto as mulheres quanto os homens devem manter a chama acesa, não deve ser responsabilidade exclusiva de um ou outro. Mulher adora se vitimizar.

  3. Tem marido que não faz a coisa certa aí vem o personal trainer, que fica só esperando a hora, e craw…e tem umas personal trainers mulheres que fazem ainda melhor e tomam a mulher do cabra fraco.

    1. Tem também uns bombeiros que acabam não só com casamento mas com os esquemas de divisão de salário conhecido como “rachadinha” de marido “imbrochável” mas que já vai sendo corno no terceiro casamento…

  4. Alguém tem que dizer a verdade. O “gatilho” da infidelidade é a falta de caráter. Está insatisfeito(a)? Tenha caráter, seja adulto e correto: converse sobre e trabalhe pra resolver. Não deu certo? Divórcio. É uma derrota do ponto de vista cristão, de fato, mas é uma saída honesta.

    1. Concordo plenamente.
      Tive um marido que me dava, em todos os sentidos, motivos para ser traído, mas, nunca o fiz; pelos meus Princípios e, sobretudo, pela minha Fé em Deus!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Mulheres casadas têm menos orgasmos do que os maridos, diz estudo

Se você está em um relacionamento há muito tempo, provavelmente já sabe o que faz o seu parceiro ter muito prazer na cama . Mas aparentemente nem todos estão ficando igualmente satisfeitos depois de uma noite de sexo . Uma pesquisa norte-americana mostra que as mulheres casadas estão tendo mais dificuldade para atingir o orgasmo do que os maridos.

Foto: Shutterstock

Segundo o estudo publicado pela Brigham Young University, que fica em Utah, nos Estados Unidos, 49% das mulheres casadas afirmaram que atingem o orgasmo regularmente quando fazem sexo com os parceiros. Ao comparar os números deles, porém, a diferença é bastante perceptível: 87% dos homens casados chegam ao ápice quando transam com as esposas.

Os pesquisadores coletaram dados de 1,683 casais heterossexuais recém casados. As entrevistas foram feitas individualmente com cada parceiro, que foi questionado sobre a frequência de orgasmos, percepção sobre as vezes em que o perceiro goza, relação entre o casal e a satisfação sexual com a esposa ou o marido.

Pelo menos 43% dos homens não conseguem determinar se a parceira conseguiu ou não gozar durante o sexo. Os resultados também indicam que um quarto dos maridos entrevistados acreditam que as esposas atingiram o ápice muito mais vezes do que realmente aconteceu.

Com base nesses estudos, é possível observar que o fênomeno do “buraco do orgasmo” , ou seja, a diferença de frequência e quantidade de orgasmos entre homens e mulheres heterossexuais, é algo real. Entretanto, o resultado foi surpreendente até mesmo para os pesquisadores.

“Acho que a maior surpresa foi como as percepções erradas [sobre o orgasmo feminino] são recorrentes”, diz Nathan Leonhardt, assistente de pesquisa e um dos autores do estudo, ao portal “Bustle”. “Esperávamos que houvesse algum grau de equívocos, mas descobrir que 43% dos maridos recém-casados não percebem a frequência com que sua esposa goza é uma questão notável que precisa ser tratada.”

De acordo com Nathan, a melhor forma de “fechar o buraco do orgasmo” e ajudar as mulheres casadas a atingir o orgasmo com tanta frequência quanto os homens, é estar aberto para o diálogo. “Ambos os parceiros se preocupam e querem agradar um ao outro. Se ambos estiverem conforáveis com a própria sexualidade, conseguem ser honestos sobre a experiência sexual e ficar atentos aos desejos sexuais do outro, a vida sexual pode melhorar”, finaliza.

IG

 

Opinião dos leitores

  1. Não tem problema.
    As feministas vão propor uma lei que o governo obrigue os homens a ter menos orgasmos ou a gerar orgasmos nas mulheres.
    Já que para o feminismo tudo é fazer lei obrigando a tudo…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *