Canabidiol produzido no país chega por R$ 2,3 mil às farmácias

Foto: Fábio Júnior/EPTV

Após 35 anos de pesquisas e testes, o primeiro medicamento brasileiro feito à base de canabidiol, derivado da planta da maconha, chegou às prateleiras das farmácias no Brasil. O remédio foi desenvolvido por cientistas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto (SP) em parceira com uma indústria farmacêutica do Paraná.

O produto foi liberado para comercialização pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no final de abril e os primeiros lotes foram entregues ao mercado neste mês de maio. A venda é condicionada à apresentação de receituário médico tipo B (azul), de numeração controlada, como dos antidepressivos e outros medicamentos que atuam sobre o sistema nervoso central.

O pesquisador José Alexandre Crippa, da USP de Ribeirão Preto, explica que o remédio é autorizado para uso em crianças e adolescentes com quadros graves e resistentes de epilepsia, em que outros medicamentos não surtiram efeito. A disponibilização do remédio vai facilitar a compra de quem precisa do extrato para tratar a epilepsia refratária.

“Processos de importação tem custos elevados e isso permite que as pessoas tenham acesso, passando por cima da burocracia que atualmente existe para importação de uma medicação dessa, que acabava atrapalhando muito ou dificultando o acesso das pessoas a essa substância. Já vimos em um dos estudos, a redução no número de crises e uma melhora na qualidade de vida dessas pessoas com quadros refratários de epilepsia”, explica.

Ainda segundo o pesquisador, o medicamento não tem relação com a droga. Crippa explica que, embora seja um dos compostos da planta da maconha, o Canabidiol não tem efeitos psicoativos.

“A maconha possui mais de 400 compostos, sendo que a substância que é psicoativa é o THC. O Canabidiol não tem nenhum desses efeitos relacionados ao THC e não causa dependência ou tolerância”, diz.

Preço

Além do rígido controle de venda do canabidiol, o preço do medicamento nas farmácias também é alto. Uma caixa com 30 ml é vendido por R$ 2,3 mil. De acordo com o presidente do laboratório que produz o remédio, Eder Mafissioni, o motivo é o fato de todos os insumos serem importados, já que no Brasil é proibido plantar Cannabis sativa, a planta da maconha.

“Existem as plantações ao redor do mundo e nós desenvolvemos um fornecedor, que é europeu, onde faz a extração do extrato da planta e a purificação do produto para que se obtenha um canabidiol puro. É extremamente complexo para uma matéria-prima pura, extremamente lento, o que acaba encarecendo o processo de purificação e o valor do produto”, diz.

Ainda segundo a empresa, a redução no preço deve chegar ao consumidor em três anos, tempo necessário para produzir o canabidiol sintético, que não precisa da purificação da planta da maconha.

Mãe comemora chegada do canabidiol brasileiro às farmácias — Foto: Reprodução/EPTV

Esperança

A dona de casa Marcela Mendonça é uma das mães que conta com essa redução no preço. Ela diz que levava cerca de dois meses e meio para conseguir a medicação antes de chegar às farmácias.

“A primeira etapa está vencida, eu acho muito importante essa chegada do canabidiol brasileiro nas farmácias, evitando um grande desconforto que as famílias tinham antes, de ter que ir buscar na Anvisa. A gente espera que as próximas medidas sejam tomadas e que os insumos sejam feitos no Brasil para baratear o preço do produto final. As pessoas não tem noção da importância desse medicamento para as famílias que tem crianças com epilepsia de difícil controle”, explica.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alberto faustino disse:

    A hora as farmácia pode contrata segurança vai dá assalto com forca

    • Carlão disse:

      Como é, quem diabos vai roubar isso que não "dá onda", se as farmácias não dão "assalto com força" com rivotril e ritalina que são muito mais vendidos no mercado negro.
      Senso comum é uma porcaria.

Reportagem apresenta “íntegra do manual do crime produzido pelo Intercepet”

O Blog reproduz abaixo a matéria do site jornalístico Agora Paraná – com o UOL, com possíveis ligações entre o hacker que interceptou as mensagens de integrantes da Lava Jato, o jornalista Glenn Greenwald, responsável pela divulgação do conteúdo e práticas criminosas. Confira.

Veja mais: Descobrimos a trilha do Hacker do Intercept. Greenwald é cúmplice do crime contra Moro e Lava Jato, diz jornal

Com informações do UOL via portal Agora Paraná

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fagner disse:

    Quem era Moro.

  2. Lucas disse:

    Kkkkkk pera aí, deixa eu ver se eu entendi esse chororô dos baba ovo de corruptos:

    O site de jornalismo investigativo dispõe de uma manual que serve para que qualquer fonte anônima possa enviar material que denuncie algum esquema criminoso para eles e eles façam o trabalho que a imprensa deve fazer, que é tornar de interesse público.

    SIGILO DA FONTE É GARANTIA CONSTITUCIONAL.

    ONDE ESTÁ O CRIME DO JORNALISTA??

    AGORA, OS AGENTES DA LEI, PAGOS COM O DINHEIRO DO CONTRIBUINTE QUE SE UTILIZARAM DA JUSTIÇA PARA SE BENEFICIAR POLITICAMENTE É QUE DEVEM SER CONDENADOS E PRESOS. PRECISO NEM CITAR QUAIS SÃO OS MELIANTES…

  3. Cigano Lulu disse:

    Minha mula Adelaide me perguntando aqui se o portal Agora Paraná é filial do congênere Agora RN.
    Sinceramente, é preciso muito amor… para suportar essa mulher.

  4. Justus benem disse:

    Cadeia para esse bandido MORO…JUÍZES MARGINAIS E ladrões… AJUDARAM A eleger O desvairado ..o louco imbecil BOLSOTRALHA..AH LADRAO

  5. Ypiranga disse:

    Esse GRINGO TONTO tem CORAGEM de mamar numa ONÇA PINTADA, vejam a onde ele foi se meter.
    Logo com quem, se segure na sela, vc e quem estar por trás dessa presepada proibida.
    Pensando aqui com meus botões, cheguei a conclusão que tu tá F… gringo, a corda vai arrebentar do teu lado.
    É muito bem empregado, pra larga de ser otário.