Machu Picchu foi construída de propósito em local com falhas tectônicas, diz estudo

Construída pelos incas há centenas de anos, a misteriosa cidade de Machu Picchu fica em uma área remota: no topo de uma montanha, a 2,4 mil metros de altitude, a pouco mais de 1 mil quilômetros de Lima, capital do Peru. Intrigados pela localização da construção arquitetônica, cientistas da Sociedade Geológica da América resolveram estudar a região.

Eles descobriram que o povo inca construiu o santuário exatamente em cima de um local com uma falha geológica — e isso foi feito propositalmente. “A localização de Machu Picchu não é uma coincidência”, afirmou Rualdo Menegat, geólogo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul ( UFRGS). “Seria impossível construir um local nas montanhas altas se o substrato [das rochas] não fosse fraturado”.

Menegat analisou imagens de satélite e medições da área de Machu Picchu e notou que havia pequenas fraturas em pedras individuais e grandes linhas mais abrangentes de 175 quilômetros, que controlam alguns vales fluviais.

O pesquisador encontrou também falhas geológicas que ergueram as Cordilheiras dos Andes Centrais nos últimos 9 milhões de anos. Algumas dessas marcas geológicas se orientam para nordeste-sudoeste e outras para noroeste-sudeste, formando um “X” , ao se cruzar sob Machu Picchu.

Segundo Menegat, como os incas eram ótimos com a arquitetura de pedra, eles aproveitavam os materiais que estavam presentes nas falhas geológicas para suas construções. A zona tectônica ativa ajudava as rochas a se quebrarem, diminuindo os esforços que o antigo povo tinha em esculpi-las.

Macchu Picchu também foi construída na região devido a outras vantagens geográficas, como a drenagem do local após a chuva e também a possibilidade de se ter uma fonte de água abundante. “As falhas tectônicas da área canalizaram a água de derretimento da neve e a água da chuva”, contou o pesquisador.

A construção do santuário em um local alto também permitiu evitar deslizamentos de terra e avalanches. Outras cidades incas, como Ollantaytambo, Pisac e Cusco, também estavam localizadas em cruzamentos de falhas tectônicas.

Galileu

 

TIM derruba sinal de propósito para quem tem plano Infinity, diz Anatel

Uhlala, está na Folha de São Paulo, ai já é caso de cadeia. Segue reportagem,

Relatório da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) acusa a TIM de interromper de propósito chamadas feitas no plano Infinity, no qual o usuário é cobrado por ligação, e não por tempo.

A agência monitorou todas as ligações no período, em todo o Brasil, e comparou as quedas das ligações de usuários Infinity e “não Infinity”.

A conclusão foi que a TIM “continua ‘derrubando’ de forma proposital as chamadas de usuários do plano Infinity”. O documento apontou índice de queda de ligações quatro vezes superior ao dos demais usuários no plano Infinity -que entrou em vigor em março de 2009 e atraiu milhares de clientes.

O relatório, feito entre março e maio, foi entregue ao Ministério Público do Paraná.

“Sob os pontos de vista técnico e lógico, não existe explicação para a assimetria da taxa de crescimento de desligamentos [quedas de ligações] entre duas modalidades de planos”, diz o relatório.

O documento ainda faz um cálculo de quanto os usuários gastaram com as quedas de ligações em um dia: no dia 8 de março deste ano, afirma o relatório, a operadora “derrubou” 8,1 milhões de ligações, o que gerou faturamento extra de R$ 4,3 milhões.

Durante as investigações, a TIM relatou ao Ministério Público que a instabilidade de sinal era “pontual” e “momentânea” (leia texto nesta página).

A operadora citou dados fornecidos à Anatel para mostrar que houve redução, e não aumento, das quedas de chamadas -as informações, no entanto, foram contestadas no relatório da agência.

A Anatel afirma que a TIM adulterou a base de cálculos e excluiu do universo de ligações milhares de usuários com problemas, para informar à agência reguladora que seus indicadores estavam dentro do exigido.

A agência afirma, por exemplo, que a operadora considerou completadas ligações que não conseguiram linha e cujos usuários, depois, receberam mensagem de texto informando que o celular discado já estava disponível.

NOVA PROIBIÇÃO

Com base nos dados, o Ministério Público do Paraná pede a proibição de vendas de novos chips pela TIM no Estado, o ressarcimento de consumidores do plano Infinity no Paraná por gastos indevidos e o pagamento, pela empresa, de indenização por dano moral coletivo.

A TIM já havia sido suspensa no Estado no final de julho, quando a Anatel proibiu as vendas de novos planos das operadoras com maior índice de reclamação em cada Estado. Além do Paraná, onde o índice era de 26,1 reclamações a cada 100 mil clientes, a operadora obteve o pior resultado em 18 unidades federativas.

Editoria de arte/Folhapress
CHAMADA INTERROMPIDA Para a Anatel, TIM "derruba" ligações do Infinity
CHAMADA INTERROMPIDA Para a Anatel, TIM “derruba” ligações do Infinity
OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. raimundo aldemor quintanilha sobri disse:

    falta melhorar a cobertura em algumas regiões do maranhão. principalmente na região dos cocais. ( codó, coroatá, timbiras, caxis, coelho neto , pedreiras , peritoró)estamos sofreno com a falha nos contatos !