Manchas de óleo: Shell diz que suas embalagens de lubrificante foram reutilizadas por terceiros

Lubrificante argina S3 30 da Shell — Foto: Divulgação

A empresa Shell Brasil afirmou nesta segunda-feira (14) que, embora tenham sido encontrados tambores de sua marca na Praia da Formosa, em Sergipe, o conteúdo original dessas embalagens não tem relação com o óleo cru que manchou o litoral brasileiro nos últimos dias. A Shell avalia que as embalagens foram reutilizadas por outras pessoas.

Análises feitas pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) verificaram que o material encontrado no interior dos barris é o mesmo das manchas de óleo que atingiram praias nordestinas nas últimas semanas. Pelo menos dois testes realizados pela UFS chegaram ao mesmo resultado.

Diante disso, e após questionamento do G1, a Shell alegou que:

“Tratam-se de embalagens de lubrificante para embarcações, de um lote não produzido no Brasil. Vale ressaltar que o próprio adesivo em um dos tambores encontrados em Sergipe traz a data de 17/02/2019 associada ao transporte do lubrificante Argina S3 30, e que a mancha de óleo cru que está atingindo o litoral começou a impactar a costa em setembro. Isso aponta para uma possível reutilização da embalagem em questão – reutilização esta que não foi feita pela Shell.”

Além disso, a empresa afirma que não transporta óleo cru acondicionado em tambores em rotas transatlânticas. E enviou a foto abaixo, de amostra do lubrificante Argina S3 30, para demonstrar que não se trata do mesmo óleo encontrado nas praias.

O lubrificante Argina S3 30 é multifuncional, muito usado em partes metálicas de máquinas que funcionam com diesel.

Esclarecimentos ao Ibama

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse à GloboNews no sábado (12) que solicitou ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) que intimasse a Shell a prestar informações sobre barris com inscrição de um lubrificante fabricado pela empresa, que foram encontrados no litoral de Sergipe.

Salles disse ter feito a solicitação ao Ibama na última sexta-feira (11) e acrescentou que a Shell seria notificada nesta segunda. De acordo com o ministro, a empresa terá 24 horas para prestar esclarecimentos depois de notificada.

Segundo Salles, o objetivo da intimação é obter mais informações na tentativa de descobrir qual navio teria sido o responsável pelo despejo do material no mar. Conforme o ministro, não está descartada a hipótese de o óleo ter origem em um navio irregular, o que dificultaria a identificação dos responsáveis.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. O MICO disse:

    PRIVATIZA QUE MELHORA!
    KKKKKKKK
    A SHELL NAO ESTÁ NEM AÍ.
    ABOCANHARAM O PETRÓLEO BRASILEIRO E JOGAM A BORA NO MAR SEM TRATAMENTO ALGUM.
    Só não entendo porque ainda não acionaram as imagens por satélite.
    Será que querem descobrir mesmo? Ou é igual as investigações da morte de Marielle, a facada do Zé e as laranjas do Queiroz?

    • Francisco disse:

      Isso petralhas, desdobrando. Declara logo "não sei quem fui", destruiram as finanças do país, agora o ganha pão dos que vivem no litoral nordestino. CANALHAS da pior espécie.

Shell compra a BG por US$ 53 bi; Brasil será país-chave para a nova empresa

shell-bgA Shell anunciou nesta segunda-feira que chegou a um acordo para comprar a rival BG por 53 bilhões de dólares. A empresa resultante da união deverá quadruplicar a produção de óleo e gás no Brasil até o fim da década, transformando o país no principal mercado de exploração e produção da companhia, afirmou nesta segunda-feira o presidente global da Shell, Ben van Beurden.
Atualmente, as duas empresas produzem juntas cerca de 240.000 barris de óleo-equivalente por dia no país, segundo os últimos dados publicados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A BG produziu 205.572 barris de óleo-equivalente em dezembro no Brasil e a Shell, 34.471.
“O Brasil será um dos três principais países para a Shell e, em uma perspectiva de upstream (exploração e produção), provavelmente será o país mais valioso em nosso portfólio”, disse Beurden, em conferência de imprensa sobre a fusão, que passa a vigorar nesta segunda. “As duas companhias juntas deverão quadruplicar (a produção) até o fim desta década”, disse o executivo, em visita ao Rio de Janeiro.
Um dos projetos que deverá ajudar a Shell a ampliar sua produção no país é a área de Libra, no pré-sal, na qual a empresa é sócia da Petrobras e de outras companhias. O primeiro fluxo de óleo da área é esperado para 2017.
Devido às parcerias anteriores da BG com a Petrobras, a Shell passa a ser a principal sócia da estatal no pré-sal. A área de exploração está no foco principal da Petrobras, que vive um dos momentos de crise financeira mais difíceis de sua história, lutando para equacionar uma dívida bilionária.
O executivo destacou que as áreas do pré-sal no Brasil deverão ter equilíbrio financeiro mesmo com os preços do petróleo previstos para o ano. Segundo Beurden, os valores da commodity podem se estabilizar no fim deste ano, possivelmente motivando alta das cotações.

Fonte: Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Val Lima disse:

    Kkkkkkkkkkkkk…pense num gordinho caro!!!! Brincadeira amigo Bruno!!!kkkkk

  2. Serapião disse:

    Mandou bem! Próximo passo vai ser o Sultão do Seridó que vai comprar todo esse conglomerado…

  3. Césio disse:

    Todo homem tem seu preço, mas nunca pensei que o de BG chegaria a esse patamar. Kkk

  4. Ilza disse:

    Kkkkkkkk boa…

  5. Assis Oliveira disse:

    Pense!! Super Valorizado!!!!

  6. Rubinho barros. disse:

    Não nos deixe.

    • Eliane disse:

      Não nos abandone BG sei que agora está bilionário .Kkkkkkkkk¤¤¤¤¤

  7. Carvalho disse:

    Estais milionário, hein BG?

Comparação arretada

Quatro Rodas:

Em 1997, a Shell colocou no ar um belo comercial em que um avião abastecia uma Ferrari de Fórmula 1 a toda velocidade. Filmado no deserto de Mohave, o filme impressiona pela veracidade das imagens e também pela bela trilha sonora.

http://www.youtube.com/watch?v=dXmYHPraQU0&feature=player_embedded

Catorze anos depois, a BMW resolve fazer uma paródia bastante inteligente da peça publicitária, tendo como tema a economia de combustível do Série 5.