“A recessão resultante de se tirar a economia da tomada vai gerar muito mais mortes”, diz Flávio Rocha sobre paralisação

Foto: Divulgação

Não cai do céu O empresário Flávio Rocha (Riachuelo), que passou o último ano defendendo uma reforma tributária capaz de desonerar a folha de pagamento com base no resgate de um tributo sobre movimentação financeira, viu seu sonho murchar diante do coronavírus, mas não desistiu do objetivo. Afeito a analogias, ele diz que “não adianta jogar dinheiro de helicóptero, se continuar com o aspirador de dinheiro ligado, ou seja, a arrecadação de impostos, principalmente os incidentes sobre a folha”.

Bem maior Rocha, que pouco se manifestou nos últimos dias no debate sobre a eficácia do confinamento para frear o coronavírus, avalia que é tudo um “falso dilema”. Para ele, alguns de seus colegas empresários que recentemente atacaram a quarentena acabaram sendo mal interpretados.

A vida é… “Ou são vidas ou é a economia. Não se trata disso. O bem maior é a vida. Não são só vidas do coronavírus. São vidas que serão perdidas com desemprego, desalento, violência, que serão mais numerosas”, afirma ele.

…feita de escolhas Rocha faz comparações entre as mortes provocadas por H1N1 ou por acidentes de carro com aquelas que o novo coronavírus vem causando.

Cinto de segurança “Poderíamos ter evitado mortes proibindo o automóvel, com um impacto muito menor do que desligar toda a economia: bastaria desligar os veículos. Pouparia 10 mil vezes mais vidas do que o coronavírus”, diz ele.

Paralisação Na semana passada, a Riachuelo suspendeu as atividades de lojas e fábricas da marca.

“Há maneiras de não parar a economia sem colocar a população em risco. A recessão resultante de se tirar a economia da tomada vai gerar muito mais mortes

Flávio Rocha
presidente do conselho de administração da Riachuelo

Painel – Folha de São Paulo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucas disse:

    Flávio Rocha, você já tomou algo hoje? Então me faça um favor: vá tomar no meio do olho do seu …! Todos os demais países seguem as orientações de confinamento nesse momento inicial, e só na p. desse país esse retardados ficam com essa ladainha escrota!

  2. Zé Mané disse:

    A população vai escapar do vírus e morrer de fome.

  3. Josepe disse:

    Olhem a Itália.

  4. Leo disse:

    Mentiroso e irresponsável. O ídolo dele da América do norte tá vendo a m%$#@ q fez e voltou atrás.
    Esse povo só pensa em dinheiro.

  5. otarocha disse:

    A mascara e a vaga de UTI

  6. Chicó disse:

    Não entendi ! Um dia desses publicaram que Flávio Rocha e o Brasil 200 eram contra Bolsonaro quando este se posicionou contra as medidas restritivas tomadas pelos Estados. Seria mais uma fake news ???

    • M.D.R. disse:

      Dois pesos e duas medidas. Só que o PICO da CORONAVIRUS é no mês de ABRIL, segundo os técnicos da SAÚDE . Importante agora, é continuar no confinamento .

  7. valmir melo da disse:

    Análise feira com muita lucidez. Parabens empresário.

  8. Sergio disse:

    Aposto como a máscara dele tá reservada. Já a sua…

“Tirando o sarcasmo, o presidente foi coerente em seu pronunciamento”, avaliam militares

Foto: Reprodução

“Tirando o sarcasmo, o presidente foi coerente em seu pronunciamento”, avaliou um general que conhece bem a rotina do Palácio do Planalto a respeito da fala do presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira em cadeia nacional de Rádio e Televisão. Ao destacar a posição do Brasil em relação ao combate ao coronavírus, pandemia que preocupa o mundo, Bolsonaro voltou a falar em ‘histeria’ e na preocupação com as medidas econômicas.

“Devia ter falado mais das medidas que o governo implantou”, destacou outra fonte militar do governo. A avaliação é de que o presidente não está errado ao destacar que os efeitos na economia podem ser tão nocivos com as consequências do coronavírus para a área da saúde, mas que é preciso escolher melhor a forma de se comunicar. “Será um caos total se a nossa economia parar”, avaliou uma fonte.

Ao som de novos panelaços pelo país, o presidente aproveitou para reforçar que é contra uma paralisação total do país que pode ter efeitos nocivos à economia. “O vírus chegou, está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos”, disse Bolsonaro.

“Na prática, o confinamento vai estrangular a economia e o resultado será devastador. A fala do presidente é arriscada, mas em tese concordo com ele”, destacou um general.

Já um militar que conhece bem o presidente destacou que há uma preocupação legítima com a economia, principalmente com os pequenos negócios. “E como vão ficar os donos dos pequenos comércios. Como vão ganhar o pão?”, questionou. “Se é guerra, alguém vai morrer, mas não podemos nos matar para não ir a guerra”, disse o general que auxilia o Bolsonaro.

Para outro general, já de uma ala crítica ao presidente, as declarações “não resgatam a liderança política necessária e que faltou até agora, apesar do excelente trabalho técnico do Ministro da Saúde”, disse.

Trechos da Coluna Carla Araújo – UOL

Íntegra aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Emerson Fonseca disse:

    O Mourão é General, creio Eu 🤔

  2. Luiz Antônio disse:

    É injusto ficar cobrando melhor desempenho do presidente, ele mesmo falou que não nasceu pra ser presidente, e que só sabe ser militar.

  3. Luíz disse:

    Até General puxando saco do homem tem!!!!
    Kkkkk

  4. PAULO disse:

    POUCO ME IMPORTA O QUE OS MILITARES PENSAM OU DEIXAM DE PENSAR, OS 02 MELHORES MINISTROS DE BOLSONARO SÃO ORIUNDOS DO MUNDO CIVIL ( PESSOAS TÉCNICAS), PARABÉNS MORO E PARABÉNS MANDETA.

    • manezinho disse:

      Mandetta ja foi 1º ten medico do exercito e Moro soldado. Isso influencia a vida das pessoas pra toda vida profissional. E sao tecnicos nas suas acoes como praticamente toda a equipe, com algumas excessoes.

    • Rucardo lúcido disse:

      Mansinho . Se ter sido militar é atestado de competência estou feliz . Fui taifeiro não aeronáutica .

Ministério da Economia espera retorno gradual das atividades a partir de 7 de abril

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O Ministério da Economia projeta que será necessário um encerramento gradual da quarentena a partir do dia 7 de abril, informa o Globo.

O cenário leva em consideração que as medidas anunciadas até agora não são suficientes para suportar um período maior que este de atividades completamente suspensas.

Por outro lado, o Ministério da Saúde projeta que o pico do novo coronavírus ocorrerá em abril, maio e junho.

O Antagonista, com O Globo

“38 milhões de autônomos já foram atingidos. Se as empresas não produzirem não pagarão salários. Se a economia colapsar os servidores públicos também não receberão”, alerta Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro, através das redes sociais nesta quarta-feira(25), voltou a destacar a preocupação com a paralisia do país, destacando, que 38 milhões de autônomos já foram atingidos.

“Se as empresas não produzirem não pagarão salários. – Se a economia colapsar os servidores públicos também não receberão. – Devemos abrir o comércio e tudo fazer para preservar a saúde dos idosos e portadores de comorbidades. – Deus abençoe o Brasil e nos livre desse mal”, disse.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gabriel Fernandes disse:

    Uma coisa não se pode negar, esse cara sabe falar para o público dele ficar ouriçado. Eles brotam nas redes sociais para defender a sumidade intelectual deles. Quem deveria por limites de quarentena, quem deveria estimular e defender a economia é o próprio palhaço bozo, mas não ele minimiza os problemas que serão causados, cada governador faz do seu jeito, e se cria uma caos econômico e social. Existem muitos exageros sim, não deveríamos alimentar a paralisia total como estamos vendo. Mas, precisamos de um líder para todos os brasileiros e que escute também sua área técnica da saúde.

  2. Manoel disse:

    Pronto, o imbecil jogou a grama o gado come na hora. Vamos desconsiderar a OMS, os infectologistas, os cientista, economistas, o Ministério da Saúde….

  3. Lucas disse:

    Nem álcool gel limpa o sangue que escorre dos dedos de quem digitou 17 nas urnas

    • Carlos disse:

      Será que os seus estão limpos? Afinal deve ser eleito do PT. Governo que preferiu construir estádios para a copa, ao invés de hospitais, estádios que hoje, estão sendo transformados em hospitais, com uma rapidez incrível. Mas isso vocês, esquerdistas, não enxergam.

  4. Gonçalo Alves disse:

    Por curiosidade, fiz uma pesquisa sobre as bases de instalações de saúde das forças armadas – tão decantadas pelo indivíduo pai daqueles meninos.
    Numa rápida pesquisa, que todos podem fazer, constata-se que há no Brasil as seguintes estruturas (e botem estrutura nisto…) de saúde que servem aos militares:
    O Exército Brasileiro tem 38 grandes hospitais e mais 33 instalações menores, como clínicas e posto médicos.
    A Aeronáutica possui 10 grandes hospitais e a Marinha do Brasil conta com 17 grandes hospitais.
    Ou seja: são 65 hospitais "com H maíusculo", bem aparelhados e com equipes tão bem preparadas que são escalados para atender as altas autoridades e até chefes de estados.
    Então, aqui cabe uma pergunta. A turma das casernas até agora ainda não disponibilizaram essas unidades de saúde para reforçar a força tarefa? Ou esses hospitais são "exclusivos" para os fardados e seus familiares?
    Estamos vendo a construção – às pressas – de tendas em campos de futebol para "hospitais de campanha", quando exitem, no mínimo 65 grandes hospitais militares que, até agora não se ouve falar que possa ser usados.
    Tô certo, ou alguém anunciou e estou sendo injusto e desinformado?

  5. PAULO disse:

    Parabéns Presidente,está certissimo!!!!

  6. Chicó disse:

    Já estou me sentindo um PTista, em casa sem trabalhar, quando me mandam trabalhar fico com raiva e quero receber dinheiro do governo !!!

  7. Riva disse:

    vamo fazer o seguinte: quem votou em Bolsonaro vai pra rua e fica fazendo economia girar. Vocês não cruzam e nem tocam na gente que permanece em quarentena. Pronto

    • Lucio disse:

      É para ficar em casa os empregados , servidores , aqueles que recebem seus salários do governo, os que tem imunidade baixa, os idosos, os do grupo de risco. Às vezes as pessoas não entendem direito aí radicalizam .

    • Isulamar disse:

      Eu estou trabalhando tomando os devidos cuidados, (Não votei no Bolsonaro) Votei no Brasil contra uma roubalheira institucionalizada. Estou muito satisfeito.

    • Paulo disse:

      Sempre foi assim mesmo antes da pandemia, esquerdistas parasitas e o restante produzindo!

  8. Te disse:

    Podem protestar, criticar, esculhambar: ele tem razão. Parando a economia, o desemprego subirá às alturas, a arrecadação sumirá, não sobrará nada.

    Deve haver um meio termo entre a cautela com os grupos vulneráveis e a continuação da vida econômica do país e do mundo, antes que tudo se acabe.

  9. Ricardo Weber disse:

    Já era para ter reduzido 50% do salários dos servidores públicos e políticos, todos tem que perder.

  10. Jr disse:

    E os banqueiros, vão receber?

  11. Bruno de Paula disse:

    As pessoas querem que o sus dê conta, se tiverem pelo menos uma tranquilidade de saber que vão ser atendidas todo mundo volta sem tanto medo.

  12. Ozanir disse:

    Se tiver um caos com pessoas doentes e morrendo vai colapsar da mesma forma

  13. Torres disse:

    A mais pura verdade!!
    Depois de tudo isso o presidente vai ter argumentos de sobra pra falar de quem está lhe criticando.

  14. Manoel disse:

    Internem esse louco.

    • Esquerdalha arrependido disse:

      Ele falou alguma inverdade? Quem fala a verdade é louco?

  15. Antonio Turci disse:

    O Presidente tem razão. Façamos a quarentena vertical, seletiva. As actividades laborais precisam voltar à normalidade. Ou voltamos a trabalhar ou o país entrará em colapso. Aí será o CAOS.

  16. Sandro disse:

    Alguém precisa urgente entrar com uma ação para impedir o presidente de falar na sua "live"sobre o coronavírus.
    As orientações dele sobre o vírus violam os protocolos médicos e as recomendações da OMS, e podem levar muitas pessoas à óbito.
    Cadê o MPE, MPF, DEFENSORIA, OAB?

  17. Carlos disse:

    Interna esse psicopata que ainda dá tempo !!

  18. avelino costa disse:

    MIRIAM LEITÃO VAI CATAR UMA LAVAGEM DE ROUPA.

EUA chegam a acordo de US$ 2 trilhões para aliviar impactos do coronavírus na economia

Líder da maioria no Senado, senador Mitch McConnell — Foto: U.S. Senate TV/Handout via Reuters

Nos Estados Unidos, senadores dos partidos Republicano e Democrata e a Casa Branca chegaram na madrugada desta quarta-feira (25) a um acordo sobre um plano federal de estímulos de US$ 2 trilhões para aliviar as consequências da pandemia do coronavírus sobre a economia do país. O pacote deverá auxiliar trabalhadores, empresas e o sistema de saúde.

“Por fim, temos um acordo”, afirmou o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, antes de citar um “nível de investimentos de tempos de guerra”.

O valor equivale a aproximadamente R$ 10,2 trilhões, o que representa um montante maior do que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em valores correntes, que em 2019 totalizou R$ 7,3 trilhões.

O acordo, porém, ainda precisa ser afinado e detalhado. O pacote de estímulo poderá ser o mais amplo da história moderna americana. O texto do acordo só deve ser disponibilizado mais tarde nesta quarta-feira.

Senado e Casa dos Representantes precisam aprovar a legislação antes de enviá-la à sanção do presidente Donald Trump.

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, chamou a medida de “maior pacote de resgate na histórica norte-americana”, descrevendo-a como o “Plano Marshall” para hospitais e necessidades médicas, em referência ao programa financiado pelos EUA que ajudou a reconstruir a Europa após a Segunda Guerra Mundial.

O que está previsto

O pacote prevê remuneração direta à maioria dos americanos, ampliação de benefícios de seguro-desemprego, dinheiro para estados e um programa para pequenas empresas poderem remunerar funcionários que precisam ficar em casa para conter o contágio do coronavírus no país.

Entre outras provisões, segundo a agência Reuters, o plano deve incluir:

US$ 500 bilhões para fundo voltado a ajudar indústrias afetadas com empréstimos e uma quantia similar para pagamentos diretos de até US$ 3 mil para milhões de famílias dos EUA
US$ 350 bilhões para empréstimos a pequenas empresas e 250 bilhões para auxílio-desemprego
US$ 100 bilhões para hospitais e sistemas de saúde, junto com dinheiro adicional para outras necessidades ligadas a saúde
US$ 150 bilhões para ajuda a governos locais e estatais para combaterem o surto

Negociações

A maratona de negociações envolveu senadores republicanos e democratas e a equipe do presidente Donald Trump.

O pacote quase não saiu porque legisladores democratas insistiram numa proteção mais ampla de trabalhadores e apontaram que um novo fundo de US$ 500 bilhões para auxiliar empresas em dificuldades devido à crise havia sido ignorado. Os democratas chegaram a barrar o acordo duas vezes, pedindo mais concessões.

Os democratas desejavam uma supervisão maior dos empréstimos para as grandes empresas, além do pagamento de salários para os funcionários demitidos e mais recursos para os hospitais.

Covid-19 nos EUA

Desde o primeiro caso nos Estados Unidos em janeiro, o novo coronavírus matou 796 pessoas, segundo um balanço da Universidade Johns Hopkins.

Mais de 55.000 pessoas foram infectadas no país.

Para evitar contágios que poderiam provocar o colapso dos hospitais, 100 milhões de pessoas, quase um terço da população, receberam determinações para permanecer em suas casas, provocando a suspensão de aulas, o fechamento de milhares de estabelecimentos comerciais e a demissões de milhões de trabalhadores.

Três congressistas foram diagnosticados com a COVID-19 e pelo menos 10 estão em quarentena, impedidos de votar.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Humberto disse:

    Quero ver agora o que o aprendiz de Presidente, que passou a vida praticamente toda no Congreesso como dEPUTADO PARASITA, SEM PROJETO ALGUM DE FUTURO, vai fazer.
    E seu rebanho militante vai defender de manhã uma coisa e de noite outra?
    Está cada dia mais difícil de defender quem não tem palavra, mente descaradamente, esconde o resultado dos seus exames e volta atrás o tempo todo.
    QUE HOMEM DESPREPARADO É ESSE GENTE?
    Inventa logo um exame ou procedimento de saúde e pede pra sair e deixa os adultos tomarem conta com Mourão no comando ou mesmo com o MANDETTA, Min. da Saúde, que está fazendo um bom trabalho a frente do Ministério da Saúde nessa hora de crise em que precisamos todos de um norte, apenas um e não de vacilações e contradições o tempo todo.

    • Soares disse:

      Pelo menos 1 trilhão de reais a menos, nós não teremos pra investir no país. Luladrão fez evaporar quando era o manda chuva chuva do país. Esse dinheiro seria determinante pra resolver boa parte do problema que temos hoje, mas muitos (serão os ruminantes divulgando pelas fresta do curral de adoradores de criminosos condenados) irão dizer, é outra história. Lamentável e irrecuperável

79% dos brasileiros acreditam que a economia será muito afetada pela crise do coronavírus, aponta Datafolha

Pesquisa Datafolha publicada nesta terça-feira (24) pelo jornal “Folha de S.Paulo” aponta que a maioria dos brasileiros acha que a economia será muito afetada pelo coronavírus e quase um terço dos entrevistados entende que a vida financeira pessoal será prejudicada. Mais da metade está certa que a renda pessoal vai diminuir.

O Datafolha entrevistou 1.558 pessoas por telefone celular entre quarta-feira (18) e sexta (20). A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Veja abaixo os resultados de acordo com as perguntas feitas aos entrevistados:

A economia será afetada pela pandemia?

Muito afetada:79%
Um pouco afetada: 16%
Nada afetada: 3%
Não sabe: 3%

O surto do coronavírus prejudicará a economia do Brasil?

Por muito tempo: 50%
Por pouco tempo: 44%
Não irá prejudicar: 3%
Não sabe: 4%

O surto prejudicará sua vida financeira pessoal?

Por muito tempo: 28%
Por pouco tempo: 45%
Não irá prejudicar: 24%
Não sabe: 3%

Sua renda diminuirá nos próximos meses por causa do coronavírus?

Sim: 57%
Não: 43%
Não sabe: 0%

Poderá trabalhar em casa durante o surto?

Sim: 46%
Não: 54%

Tem perspectiva de ficar sem trabalho e renda?

Entre os mais pobres: 60%
Entre os mais ricos: 25%

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tonhão Marreta disse:

    Não tem credibilidade esse instituto, assim como alguns meios de comunicação, trabalham para produzir pesquisas com resultado favorável ao contratante. Qual o nível de acerto do datafolha e ibope nas últimas eleições? Sem credibilidade, tenho dito e as pesquisas produzidas por eles atestam isso.

  2. Tereza disse:

    Eis o resultado da corrupção dos governos anteriores.

    • Ricardo Lúcido disse:

      Ei Tereza ! Terezinha ! Teca ou TÊTÊ . Você está sonhando . A ara sabe quem é o presidente ? Passado é passado , justificativas desse tipo não valem . Acorde mulher .

Bolsonaro diz que medidas de governadores irão prejudicar a economia e deixar o trabalhador frágil para o coronavírus

Foto: Sergio Lima / AFP

O presidente Jair Bolsonaro criticou os governadores dos estados por radicalizarem nas medidas de restrição como forma de conter o avanço do coronavírus, que causou nesta terça-feira a primeira morte no país . Para Bolsonaro, as medidas vão prejudicar a economia brasileira e acabar atingindo os trabalhadores informais, que não terão dinheiro para se alimentar adequadamente e ficarão à mercê da Covid-19.

– A economia estava indo bem, fizemos algumas reformas, os números bem demonstravam a taxa de juros lá embaixo, a confiança no Brasil, a questão de risco Brasil também , então estava indo bem. Esse vírus trouxe uma certa histeria e alguns governadores, no meu entender, eu posso até estar errado, estão tomando medidas que vão prejudicar e muito a nossa economia – disse em entrevista à “Rádio Tupi” na manhã de hoje.

Questionado sobre como ele via o risco de a doença prejudicar a situação econômica do Brasil hoje, Bolsonaro voltou a afirmar que há uma histeria em relação à pandemia do coronavírus e que isso pode causar problemas ao bolso do brasileiro, aumentando as chances de ele contrair o vírus.

– Essa histeria leva a um baque na economia. Alguns comerciantes acabam tendo problemas. Você pode ver quando você vai a um jogo de futebol, o cara que vende o chá mate ali na arquibancada, o cara que guarda o carro lá fora (flanelinha), ele vai perder o emprego. Ele já vive na informalidade, ele vai ter que se virar, mas vai ter mais dificuldades e tendo mais dificuldades ele comerá pior. Comendo pior, já não comia tão bem, acaba não comendo adequadamente, ele fica mais debilitado, e o coronavírus chegando nele, ele tem uma tendência maior de ocupar um leito hospitalar.

Para lidar com a crise, governadores pediram à União um pacote de socorro, que inclui mais dinheiro para a saúde, suspensão do pagamento da dívida pública e crédito do BNDES para ampliar investimentos.

Para Bolsonaro, a lotação dos trasportes públicos é prova de que tudo segue dentro de sua normalidade.

– Se você for nos ônibus do Rio de Janeiro, que vem da Zona Oeste ou da Baixada, e no metrô de São Paulo, estão todos lotados, a vida continua, não tem que ter histeria. Não é porque tem uma aglomeração de pessoas aqui ou acolá esporadicamente, tem que atacar exatamente isso. O cara não vai ficar em casa, vai se juntar.

Sobre as críticas que recebeu por cumprimentar e tocar as pessoas mesmo aguardando o resultado sobre a contaminação do vírus, Bolsonaro acusou a grande mídia pelas críticas.

Ao comentar seu estado de saúde, Bolsonaro afirmou que não deixará de fazer festa em seu aniversário, no próximo sábado.

– Agora eu faço 65 (anos) daqui a quatro dias. Vai ter uma festinha tradicional aqui até porque eu faço aniversário dia 21 e minha esposa dia 22. São dois dias de festa.

As críticas a Bolsonaro por seu comportamento durante a manifestação no último domingo foram rebatidas por especialistas entrevistados pelo GLOBO. Contrariando medidas sanitárias, Bolsonaro, que deveria ficar em isolamento durante 14 dias, aproximou-se do público e interagiu mantendo curta distância, tirando selfies com seus apoiadores. Em entrevistas, menosprezou o impacto do coronavírus e fez insinuações sobre a dimensão que ele tomou no planeta.

Infecções como barreira

Perguntado se o Brasil está preparado para conter a pandemia de coronavírus, ele voltou a chamar de histeria a preocupação dos órgãos de saúde mundiais.

– Começou na China, foi para Europa, e nós íamos passar por isso. Mas o que está errado é a histeria, como se fosse o fim do mundo. E uma nação, o Brasil por exemplo, só será livre desse vírus, o coronavírus, quando um certo número de pessoas infectadas criarem anticorpos, que passa a ser barreira para não infectar quem não foi infectado ainda.

Ele prevê que uma parte da população, no entanto, vai ser contaminada pelo coronavírus nos próximos meses.

– Qual a grande briga dos governos do mundo todo? Como ela virá e como está vindo, ela (a doença) tem que ser diluída, em vez de uma parte da população ser infectada num período de dois, três meses, e vai ser, que seja entre seis, sete, oito meses, porque havendo um pico de pessoas com o problema, e geralmente ele ataca quem tem mais idade ou quem tem algum tipo de problemas de saúde, aí passa a ser grave. Não é só o coronavírus que passa ser grave, qualquer outra pessoa, qualquer gripe, qualquer infecção.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Walmir disse:

    Alguém interdita esse homem por favor!!!! Ele é pior que o covid-19!!!

  2. Chicó disse:

    Deixemos as paixões de lado e pensemos naqueles que não são funcionários públicos, não são aposentados, não são donos de empresas de médio e grande porte e etc. Existem pessoas que dependem do apurado do dia para se alimentar ! Vai escapar do Coronavírus para morrer de fome ? Esse assunto é complexo.

    • Miranda disse:

      Imagine se não forem tomadas as medidas necessárias e quando forem infectadas as famílias pobres que vivem em casas pequenas com 5 ou 6 pessoas dentro que são 70% da população. Sem condições de fazer um isolamento. Na Itália as pessoas vivem em condições bem melhores. Vai ser um horror sem dúvidas. A economia vai ser prejudicada de qualquer modo.

  3. Manoel disse:

    Ou seja, é melhor morrer um bocado de gente do q deixar a economia, q já estava uma lástima, piorar. Esse imbecil deveria ser interditado.

  4. Miranda disse:

    É um inconsequente. Irresponsável. Vamos sofrer muito com esse homem conduzindo o país numa situação destas. Vai ter também a recessão pos-coronavírus

  5. Cláudia disse:

    Nunca vi um ser humano com capacidade pra falar tanta bobagem! Análise mais rasa que um pires! Ignorante! Tosco! Irresponsável e criminoso!
    Se depender da atitude dele, o Brasil vai virar o epicentro da pandemia!

  6. Cidadão pagador de impostos disse:

    Homi, VTNC!!!

  7. Luiz Antônio disse:

    No início do mandato ele declarou que não nasceu pra ser presidente da república, e que só sabia ser militar… acabou com os militares

  8. marcus disse:

    É isso MITO, você tá certo!

  9. Verdadeiro disse:

    Esse e doido de pedra

  10. Carlos disse:

    Só agora entendi o porque esse indivíduo não tomou medidas de suspender voos entre o brasil e Europa. Ele não está nem aí para o povo, está mais preocupado com a economia e números que o favoreçam. Acho pouco.

    • Manoel disse:

      Né isso! Bolsonaro deveria ter suspendido antes os voos da Europa para cá, assim o Lulaladrão teria ficado por lá! Já basta a peste do coronavírus entre nós! Infelizmente a praga corrupta já voltou da Europa, onde estava mentindo e difamando nosso Brasil e ÀS NOSSAS CUSTAS!

  11. Everton disse:

    O cara me vem da AMAN falar uma merda dessa, pqp!

  12. Santos disse:

    Rapaz…. se a doença for contida e não ocorrer os picos de infecção que tanto se teme, uma coisa e certa, não será pelas palavras e atitudes desse senhor que infelizmente ocupa o cargo de presidente, mas pelas atitudes dos gestores públicos que estão tomando todas as medidas cabiveis.
    Lamentável!

  13. Laura disse:

    Vírus do Ipiranga.

  14. Theo Temistocles disse:

    Esse homem não tem jeito mesmo.

  15. Clara disse:

    Imundo!!!!!

Governo Federal deve contingenciar parte do Orçamento, diz secretário especial do Ministério da Economia

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A revisão para baixo das projeções de crescimento da economia e a queda nos preços internacionais do petróleo deverão fazer o governo contingenciar (bloquear) parte do Orçamento, disse hoje (10) o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. Segundo ele, a equipe econômica calcula que a nova estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 deve ficar acima de 2%, mas ele não informou o número.

As novas projeções para a economia serão anunciadas amanhã (11) por Rodrigues e pelo secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida. O Orçamento Geral da União para 2020 apontavam expectativa de crescimento de 2,4% para o PIB neste ano.

“Dados apontam que contingenciamentos são o cenário mais provável”, declarou Rodrigues ao sair de seminário no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Com a economia crescendo abaixo do previsto, o governo arrecada menos, o que obriga o contingenciamento de gastos discricionários (não obrigatórios) para cumprir a meta fiscal de déficit primário de R$ 124,1 bilhões neste ano.

Rodrigues informou que o valor médio do petróleo do tipo Brent também deve ser revisado para abaixo. O Orçamento tem uma projeção de preço do barril do petróleo na qual se baseiam as estimativas de royalties pagos à União. Por causa do coronavírus, que reduziu a demanda internacional pelo produto, e a guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia, a cotação internacional caiu cerca de 25% ontem (9).

Teto de gastos

O secretário de Fazenda informou que o Brasil, no momento, não tem espaço fiscal para adotar a sugestão de organismos internacionais para que os governos gastem mais para fazerem frente à crise econômica global. Ele também descartou qualquer possibilidade de o governo flexibilizar a regra do teto de gastos, que limita o crescimento das despesas públicas à inflação, para excluir investimentos.

“O teto de gastos é de enorme importância e defendemos que seja mantido”, disse. “Acompanhamos movimentos de países por estímulos fiscais, não descartamos análises e estudos, mas nossa diretriz hoje é nos mantermos na defesa das medidas estruturais que propusemos. Nosso espaço fiscal é limitado. Estamos no sétimo ano de déficit primário”, acrescentou.

Reformas

Para o secretário especial, o melhor caminho para o Brasil enfrentar a crise econômica consiste na aprovação das reformas. “Nossa diretriz é manter firme a convicção de que precisamos aprovar as reformas estruturais. Isso dará um dinamismo sólido ao país, em particular neste momento de crise de coronavírus, de redução do preço internacional do petróleo. Então: reformas, reformas e reformas”, declarou.

Entre as reformas consideradas prioritárias pelo secretário, estão as propostas de emenda a Constituição (PEC) emergencial, do pacto federativo e dos fundos públicos, que tramitam no Senado desde novembro. Ele também defendeu a aprovação do projeto que cria o Plano de Equilíbrio Fiscal para estados com baixa dívida pública, mas com dificuldades financeiras por causa do alto gasto proporcional com servidores públicos. Rodrigues citou as reformas tributária e administrativa, ainda não enviadas ao Congresso.

Agência Brasil

Bolsonaro e Trump conversam sobre pacote bilateral de comércio

Foto: Jim Watson/AFP

Interessados em intensificar a parceria econômica entre Brasil e Estados Unidos, os presidentes Jair Bolsonaro e Donaldo Trump instruíram seus negociadores a aprofundar as discussões prévias à possível assinatura de um pacote bilateral de comércio. A informação foi confirmada pelo Ministério das Relações Exteriores. Segundo a pasta, a intenção é que um acordo seja assinado ainda neste ano.

Bolsonaro e Trump se reuniram na noite deste sábado (7), durante um jantar em um resort pertencente ao próprio chefe do Executivo norte-americano, localizado em Palm Beach, na Flórida. Acompanhados por membros da equipe de governo, assessores e jornalistas, os dois políticos conversaram sobre alguns temas de interesse dos dois países, como os potenciais benefícios da ampliação das relações econômicas bilaterais.

OCDE

Em nota divulgada na madrugada de hoje (8), o Itamaraty trata o aprofundamento da parceria como uma “aliança estratégica” entre os dois países. De acordo com o ministério, Trump reiterou o apoio norte-americano ao início do processo de entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Ao conversar com jornalistas ainda acompanhado por Bolsonaro, Trump foi questionado sobre a possibilidade dos Estados Unidos sobretaxar produtos importados do Brasil como forma de compensar os impactos negativos que o Real desvalorizado em comparação ao dólar pode causar aos produtores norte-americanos. Trump respondeu que não faria promessa sobre o assunto.

Os dois presidentes também discutiram acelerar a participação do Brasil no programa de Operadores Econômicos Autorizados, que agilizará o comércio entre os dois países ao garantir a segurança dos bens importados, com objetivo de entrada no programa em 2021.

Em sua conta no Twitter, Bolsonaro postou um vídeo com trechos do encontro. Ao discursar, o presidente brasileiro fala sobre a importância dos “laços de amizade” entre os dois países. “Estou muito feliz em ser amigo do governo americano”, disse Bolsonaro.

América Latina e Oriente Médio

De acordo com o Itamaraty, Bolsonaro e Trump reiteraram o apoio de seus governos ao auto-declarado presidente da Venezuela, Juan Guaidó; e à realização de eleições livres e justas na Bolívia, previstas para ocorrer em maio. Os dois presidentes também reiteram o compromisso com a paz e a prosperidade no Oriente Médio, com o brasileiro elogiando a proposta norte-americana de estimular a coexistência pacífica entre o Estado de Israel e um Estado palestino.

Os dois líderes também trataram das negociações para assinatura de acordos de cooperação bilateral em outras áreas, inclusive em pesquisa e desenvolvimento militar; setores aeroespacial; de ciência e tecnologia; saúde e inovação.

Agenda

A previsão é de que Bolsonaro permaneça nos Estados Unidos até terça-feira (10). Hoje, ele e parte de sua equipe ministerial visitam o Comando Militar do Sul, responsável por coordenar as operações militares dos Estados Unidos no Caribe, Centro e América do Sul.

Integram a comitiva brasileira, além do presidente e assessores próximos, os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), além do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que escreveu, no Twitter, que “Brasil e EUA, antes de mais nada, trabalham para serem países prósperos, apostando no livre mercado, num Estado menor, apoiando a legítima defesa através de armas e respeitando os valores judaico-cristãos da maioria de nossas sociedades.”

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Trump está "nadando de braçada" nos EUA. Reerguendo o país, que está vendo retornar seu protagonismo mundial e sua pujançaeconômica. Empregos voltando e TODAS suas promessas de campanha sendo realizadas mesmo com a oposição ferrenha da esquerda de lá (que nem ocorre por aqui). Reeleição tranqüila. Excelente companhia para o nosso país. Ou alguém lúcido e bem intencionado prefere porcarias como Cuba, Venezuela, Angola, Nicarágua, Coréia do Norte… Francamente, né!

  2. Ceará-Mundão disse:

    Parabéns, presidente, por afastar o nosso Brasil da escória mundial e nos aproximar do mundo desenvolvido e verdadeiramente democrático.

  3. Pedro disse:

    CrenteValente na sua cabeça de jumento vnum vai nada não ? Queria que o Brasil continuasse de ladeira abaixo, bailando e financiando ditadores no mundo todo? Deixa de ser ignorante animal, a Brasil voltou a crescer e aquela infame da Dilmanta destruição e o pingunço continuam fazendo estragos na imagem do Brasil,burrice contagia e mata.

  4. CrenteValente disse:

    Esse bandido camuflado deve ter ido pedir a trumpa para falar com os donos das redes sociais para não entregar as falcatruas dele a justiça nacional ao congresso nacional. #ForaDragaoDestruidordaPAZ #SanguedeCristoTemPODER

    • Manoel disse:

      Você não tem nada de crente como um crente está do lado do erro com certeza você é um esquerdista só para sua informação seu presidente e o campeão de roubo suborno e faucratuas já mais vista em nosso país se enxerga seus fanáticos vocês saquearam o nosso maravilhoso país era para ficar calado ou muda se para cuba ou Venezuela.

    • Ceará-Mundão disse:

      Tentar se infiltrar entre os evangélicos é a mais nova tática dos esquerdopatas, cumprindo mais uma ordem do seu dono, o bandido condenado de 9 dedos. Vc nunca foi ou será evangélico, "cumpanhrro". É apenas mais um destruidor do nosso Brasil e defensor de bandidos. A propósito, esquerdista "raiz" é ateu e detesta qualquer religião, considerada o "ópio do povo". Viés São mentirosos e enganadores do povo.

  5. Zuza disse:

    Pensei que fossem decidir apoiar Maduro e outras ditaduras.

    • Maria disse:

      Trump qdo está em baixa vai lá e mata um terrorista, cresce muito nas pesquisas e esse outro presidente, o que estaria pensando? Eu imagino, vamos aguardar.

    • Maria suvaqueira disse:

      Será se o governo petralha da Bahia quando matou o miliciano, pensou Também que sua aprovação reagiria, já que o PT tá rastejando que nem cobra. Rsrsrs

    • Maria disse:

      Ele visitou o comando militar Sul dos Estados Unidos. Eu já prévia.

Empresários pressionam por reformas e governo promete enviar a tributária ao Congresso


Imagem: Divulgação

Pressionado pelo setor empresarial, que ameaça tirar seu apoio, o governo tenta uma “virada” na agenda de reformas para reverter o cenário negativo que marcou os últimos dias na economia brasileira depois da divulgação do resultado do PIB de 1,1% em 2019. O governo deve enviar na próxima semana a sua proposta de reforma tributária ao Congresso Nacional.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelou viagem que faria aos Estados Unidos para acelerar os projetos no Congresso. O ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, responsável pela articulação política do governo no Congresso, também decidiu ficar no Brasil e não acompanhar o presidente Jair Bolsonaro em agenda nos Estados Unidos.

Após a escalada do dólar e a tensão no mercado, que têm afugentado investidores, a equipe econômica e a articulação política do Palácio do Planalto defendem que o Executivo mostre trabalho, sinalizando ao mercado que não está inerte. A estratégia é enviar a proposta de reforma tributária e investir energia na votação das três Propostas de Emenda Constitucional (PECs) que estão no Senado: emergencial, dos fundos públicos e Pacto Federativo. Questionamentos de empresários, irritados, sobre os rumos da economia aumentaram nos últimos dias. A maioria com temor de a equipe não conseguir emplacar a agenda.

A PEC emergencial, que tem potencial de abrir espaço no Orçamento para investimento, é a prioridade. A dúvida continua sendo o envio da proposta de reforma administrativa. Embora assinada, o presidente ainda resiste em remetê-la ao Parlamento com temor de um custo político elevado em ano eleitoral. Paulo Guedes, porém, insiste no encaminhamento do texto porque está sendo cobrado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), lideranças do Congresso e mercado.

Administrativa. Uma ala do Palácio considera que alguns dos problemas a serem resolvidos no chamado RH do setor público podem ser contemplados nas PECs emergencial e do Pacto Federativo. As propostas contêm medidas de redução de gastos com servidores e permitem até mesmo corte de salários.

A proposta tributária deve ganhar relevância com o envio do texto de criação do tributo que vai unir o PIS/Cofins. O governo prefere começar com essa simplificação.

O envio da reforma tributária, na avaliação de integrantes do Planalto, ajuda a mudar a narrativa de que o governo não está fazendo nada e a retomar o discurso de que trabalha pelas mudanças pró-crescimento.

Depois do estresse desta semana com o PIB, assessores do ministro Paulo Guedes consideram que “o ambiente vai melhorar”.

ESTADÃO

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fábio disse:

    O governo Bolsonaro promete enviar a reforma tributária desde julho/2019…
    Se Paulo Guedes fosse funcionário de uma empresa já teria sido demitido…

Dólar tem primeira queda depois de 12 dias de alta

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Pela primeira vez depois de 12 sessões seguidas de alta, o dólar caiu com a ajuda do Banco Central (BC), que interveio no câmbio. Influenciada pelo exterior, a bolsa de valores teve mais uma forte queda e fechou abaixo de 100 mil pontos pela primeira vez desde o fim de agosto.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (6) vendido a R$ 4,634, com queda de R$ 0,017 (-0,36%). De manhã, a divisa alternou momentos de alta e de baixa. Na máxima do dia, por volta das 9h30, encostou em R$ 4,67, mas inverteu o movimento e passou a operar em queda ao longo de toda a tarde.

Desde o começo do ano, o dólar acumula valorização de 15,47%. O real tornou-se a moeda que mais se desvalorizou em todo o planeta em 2020. O euro comercial não teve o mesmo comportamento do dólar e continuou a subir. A moeda voltou a bater recorde nominal e fechou vendido a R$ 5,245, com alta de 1,32%.

O Banco Central leiloou US$ 2 bilhões em novos contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. O BC promoveu dois leilões de manhã. Até o início da noite, a autoridade monetária não tinha anunciado novos leilões de swap na segunda-feira (9).

O mercado de ações teve mais um dia marcado pelo nervosismo. O índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), encerrou a sexta-feira aos 97.977 pontos, com recuo de 4,14%. Ontem (5), o índice tinha caído 4,65%. O Ibovespa seguiu as principais bolsas mundiais, que também registraram fortes quedas.

Nas últimas semanas, o mercado financeiro em todo o mundo tem atravessado turbulências em meio ao receio do impacto do coronavírus sobre a economia global. Recentemente, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu, de 2,9% para 2,4%, a previsão de crescimento econômico mundial para 2020.

A decisão do Federal Reserve (Fed), Banco Central norte-americano, de reduzir os juros básicos dos Estados Unidos em caráter emergencial pode forçar o Banco Central brasileiro a reduzir a taxa Selic (juros básicos da economia) na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), nos próximos dias 17 e 18.

Com as principais cadeias internacionais de produção afetadas por causa da interrupção da atividade industrial na China, indústrias de diversos países, inclusive do Brasil, sofrem com a falta de matéria-prima para fabricar e montar produtos.

A desaceleração da China, segunda maior economia do planeta, também pode fazer o país asiático consumir menos insumos, minérios e produtos agropecuários brasileiros. Uma eventual redução das exportações para o principal parceiro comercial do Brasil reduz a entrada de dólares, pressionando a cotação.

Entre os fatores domésticos que têm provocado a valorização do dólar, está a decisão recente do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de reduzir a taxa Selic – juros básicos – para 4,25% ao ano, o menor nível da história. Juros mais baixos desestimulam a entrada de capitais estrangeiros no Brasil, também puxando a cotação para cima. Ontem (5), o ministro da Economia, Paulo Guedes, atribuiu a desvalorização do real à desaceleração da economia global, aos efeitos do coronavírus e à queda dos juros.

AGÊNCIA BRASIL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Pedro falsificado, rude, petralha, imbecil, capacho de ladrão e pinguço, miolo mole, deixa de ser idiota. Vc está sujando um nome que tem história, veja se usa outro X9. Quando nove dedos era o cara de Obama vcs achavam bonito, quando ele babava Fidel, Chaves, Maduro, aquele jegue da Bolívia, os terroristas do Irã e outros canalhas a sua turma ficava calada. Idiotice mata jumento.

  2. Pedro disse:

    Não se preocupem…nosso mito tá indo visitar Trump e, após uma bela sessão de rastejamento e humilhação, o dólar vai baixar, o PIBinho vai subir e todos poderemos ir pra Disney…
    Muuuuuuuu

    • Zuza disse:

      E o Luladrão, que só apoia ditaduras e porcarias? Respeita o seu presidente, pedroca!

    • Francisco disse:

      Esse tonto pensa que a Disney é tudo. Não fala merda otário. Daqui a pouco ele imita um animal igual a ele, quando não externa saudade de dilma. Ah babaca! kkkkKkkk

    • Fran disse:

      Um petista apaixonado

Ibovespa desaba 4,7% e volta aos 102 mil pontos com disseminação global do coronavírus; dólar sobe a R$ 4,65

 

O Ibovespa fechou em queda forte nesta quinta-feira (5) em meio à proliferação global dos casos de coronavírus. O Ministério da Saúde confirmou que já são oito casos da Covid-19 no Brasil, contra três ontem. Desses, seis são em São Paulo, um no Rio de Janeiro e um no Espírito Santo.

Já nos Estados Unidos, em Nova York, o New York Times noticia que são 13 os casos confirmados. A Califórnia declarou estado de emergência após a primeira morte pelo vírus ser reportada. O Reino Unido também registrou hoje o primeiro falecimento relacionado à Covid-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que o número de pessoas contaminadas pelo coronavírus ultrapassou 93 mil. Além do medo do vírus, a Associação Internacional dos Transportes Aéreos (IATA) advertiu na manhã de hoje que as empresas aéreas terão perdas estimadas entre US$ 63 bilhões e US$ 113 bilhões, reportou a CNBC News.

O Ibovespa caiu 4,65% a 102.233 pontos, tendo batido 100.536 pontos na mínima, quando recuava mais de 6%. O volume financeiro negociado foi de R$ 30,039 bilhões. Foi a maior queda desde o dia 26 de fevereiro, quando o principal índice da B3 despencou 7% também devido ao coronavírus.

Ari Santos, operador da Commcor, destaca que a volatilidade está fazendo com que traders comecem a zerar posições muito mais rápido, o que explica o principal índice da B3 ter desabado mil pontos até a mínima e depois subido mil pontos em poucos minutos. “Uma queda de 1% o investidor consegue aguentar, mas 10% ele acaba zerando. É um movimento muito emocional ligado às notícias frequentes de novos casos do coronavírus, que dão impressão de que a doença está se alastrando sem parar”, diz.

O dólar futuro para abril, por sua vez, subiu 1,51% a R$ 4,661. Já o dólar comercial avançou 1,54%, a R$ 4,6502 na compra e R$ 4,651 na venda.

O real continuou sua trajetória de desvalorização apesar do leilão de 20 mil contratos de swap promovido pelo Banco Central às 9h30 da manhã. O BC ainda fez mais um leilão de 20 mil contratos no começo desta tarde. Também sem sucesso em conter o ímpeto comprador no dólar.

Para amanhã, a autoridade monetária já anunciou que ofertará mais 40 mil contratos de swap.

De acordo com Júlio Erse, gestor da Constância Asset, o mercado está muito sensível às notícias a respeito do coronavírus porque os investidores não têm muitas ferramentas para precificar o alastramento da doença. “É difícil prever os impactos, os desdobramentos e a taxa com que vai se disseminar o vírus”, afirma.

O índice VIX, calculado pela Chicago Board Options Exchange (CBOE), conhecido como índice do medo por medir a expectativa do mercado sobre a volatilidade em 30 dias, chegou a 30%, o que implica uma oscilação de 2% ao dia nos principais índices acionários globais. “Hoje, o VIX já voltou aos 40%”, aponta Erse.

Para o gestor, deve haver nervosismo sempre que saírem informações de empresas que estão sendo evacuadas ou dando férias coletivas para seus funcionários. “São medidas de alto impacto na economia. Não tem precedente e nem elemento predictório para isso, então o nervosismo é exacerbado.”

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 subia 22 pontos-base a 4,44% e o DI para janeiro de 2023 avança 28 pontos-base a 5,10%. O DI mais longo, para janeiro de 2025, opera com alta de 22 pontos a 6,02%.

Entre as commodities, depois de fontes afirmarem à Reuters que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) concordará em uma redução em 1,5 milhão de barris na produção diária caso a Rússia esteja de acordo, a falta de novidades nesse front levou a commodity a cair 1,8%.

Política

O Congresso Nacional manteve o veto presidencial sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A manutenção do veto veio após acordo entre Congresso e Palácio do Planalto, o que explicou a votação maciça favorável ao veto. O acordo envolveu o envio, pelo governo, de Projetos de Lei (PL) que tratam da distribuição das verbas de emendas e do relator-geral do Orçamento.

Com a manutenção dos vetos, o relator-geral do orçamento não poderá indicar prioridades na execução de obras realizadas com orçamento público. O governo não terá mais o prazo limite de três meses para repassar a verba do Orçamento. Na prática, o orçamento destinado a emendas de comissão e do relator não são mais impositivas. Além disso, não haverá penalização ao governo caso ele não faça o pagamento dessa verba.

Independentemente do acordo, partidos de vários matizes ideológicos, como Rede, Novo, PSL e MDB, mostraram-se favoráveis aos vetos. Para eles, se o veto fosse derrubado, a governabilidade e o poder de gestão do presidente da República sobre a verba pública ficariam prejudicado. Partidos de oposição se colocaram a favor do veto, considerando que a medida prejudicaria não só o atual presidente, mas todos os que se seguirem.

A votação ocorreu após dias de negociações e acordos entre governo e Congresso, encabeçados, principalmente, pelo presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o ministro da Secretaria-Geral de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Infomoney

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Antônio disse:

    É resultado da somatória dos efeitos do coronavírus com o deletério bolsonavírus.
    Só Jesus na causa.

Decisão do Banco Central injetará R$ 49 bilhões na economia a partir de março

Foto: © Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O Banco Central reduziu a alíquota do recolhimento compulsório sobre recursos a prazo de 31% para 25%, informou a autoridade monetária nesta quinta-feira. A redução da alíquota representa uma liberação de R$ 49 bilhões, com efeito a partir de 16 de março.

Os compulsórios são a parcela dos depósitos que os bancos são obrigados a manter no BC. Na prática, a redução da alíquota significa que as instituições financeiras terão mais dinheiro para emprestar aos seus clientes.

Após o anúncio, o dólar abriu em alta e bateu recorde das cotações máximas em pregão, a R$ 4,3871. Investidores também estão de olho no exterior e nos efeitos do coronavírus.

A medida anunciada pelo BC faz parte da Agenda BC#, no pilar competitividade, no âmbito da ação “redução estrutural dos recolhimentos compulsórios”, diz a nota.

O diretor de política monetária do BC, Bruno Serra, dará entrevista coletiva nesta quinta-feira, às 10h30, para detalhar a medida.

Segundo a nota, além de reduzir a alíquota de compulsório, o BC aumentou a parcela dos recolhimentos compulsórios considerados no LCR (Indicador de Liquidez de Curto Prazo).

Isso significa uma redução estimada em mais R$ 86 bilhões na necessidade de as instituições carregarem outros ativos líquidos de alta qualidade necessários para o cumprimento do LCR.

Reserva mínima

A crise financeira internacional de 2008 evidenciou que o risco de liquidez, notadamente nos sistemas financeiros das economias avançadas, não estava devidamente mitigado, segundo o BC.

Como aperfeiçoamento das regras prudenciais, foi introduzido o indicador de Liquidez de Curto Prazo (LCR), que passou a ser adotado no Brasil em outubro de 2015.

O LCR determina que as instituições devem manter uma reserva mínima de ativos líquidos para absorverem choques em cenários de estresse de liquidez.

Investimentos:Mesmo com juro baixo, há títulos do Tesouro que ainda valem a pena. Saiba quais são

“Os recolhimentos compulsórios podem, por sua vez, servir como mecanismo de incentivo à redistribuição de liquidez no sistema e de suporte à estabilidade financeira, como ocorreu ao longo da última década”, diz a nota.

O BC ressalta que as medidas “são consistentes com as regras prudenciais internacionalmente recomendadas e a manutenção da estabilidade financeira do Sistema Financeiro Nacional, apenas mitigando sobreposições entre os instrumentos”. conteudo_bc

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. FAZ DE CONTAS disse:

    Tira-se do Bolsa Família para investir na Bolsa de Valores.
    Os empresários, representado por Rogério Marinho, e Banqueiros, representados pelo próprio Guedes, agradecem.

  2. Everton disse:

    Mentiroso o título!! Libera dinheiro p os banqueiros e não na economia, o q é muito diferente!

Economia brasileira segue em processo de recuperação gradual, conclui Banco Central

Foto: © Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A economia brasileira continua a mostrar sinais de recuperação gradual. Essa é a conclusão do Banco Central (BC), que divulgou nesta terça-feira (18) o Boletim Regional – publicação trimestral cujo objetivo é trazer uma visão das regiões do país a partir de dados e indicadores econômicos.

“Regionalmente, observa-se ritmo mais sustentado de crescimento da economia em todas as regiões do país, refletido na maior disseminação das taxas de expansão das diversas atividades econômicas e do mercado de trabalho”, diz o boletim.

Norte

O boletim destaca que “a evolução recente da economia do Norte foi beneficiada, no trimestre encerrado em novembro, pelo aumento das vendas no varejo, pela continuidade da recuperação no setor de serviços e pela produção agrícola recorde”. “Esses fatores mitigaram os efeitos da retração da produção industrial, resultado da combinação de queda na atividade extrativa (com participação relevante na região) e aumento na transformação, destacando impressão e reprodução de gravações, no Amazonas, e metalurgia no Pará”.

Nordeste

A atividade econômica no Nordeste segue em menor ritmo de expansão na comparação com as demais regiões. “Esse desempenho ocorre em cenário de recuperação gradual do mercado de trabalho, com geração de postos formais, em especial, no setor de serviços e na construção civil. Adicionalmente, houve recuperação da indústria na margem, após quatro trimestres de retração, com destaque para a fabricação de derivados de petróleo e vestuário e acessórios”, diz o BC.

Centro-Oeste

No Centro-Oeste, “a atividade econômica arrefeceu no trimestre encerrado em novembro, após crescimento no trimestre anterior quando foi impulsionada pela colheita recorde da safra de inverno e seus desdobramentos nas atividades relacionadas à cadeia produtiva do agronegócio”. “Houve menor dinamismo da atividade [econômica] nos segmentos de agricultura, transporte e setor público, cujos impactos foram parcialmente neutralizados pelo desempenho favorável da indústria de transformação, construção civil e comércio. As perspectivas seguem positivas para a região, com aumento esperado na safra de soja e nas exportações de carne”.

Sudeste

Segundo o BC, dados econômicos da região Sudeste indicaram aceleração da atividade recentemente. “A economia da região foi estimulada pela retomada consistente da produção industrial e do setor de serviços, enquanto os mercados de trabalho e de crédito continuaram em expansão gradual. No setor de serviços, observou-se retomada mais vigorosa no trimestre encerrado em novembro, acompanhando o ambiente de maior confiança e movimento de gradual e persistente de recuperação do consumo das famílias”.

Sul

No Sul, o Boletim Regional também destaca o processo de recuperação da economia. “A atividade econômica no Sul manteve processo de recuperação gradual ao final de 2019, refletindo, em parte, resultados positivos no setor de comércio e serviços cujos efeitos se sobrepuseram aos da diminuição na produção fabril e da apropriação de colheita menos favorável nas lavouras de inverno. O mercado de trabalho formal segue em trajetória de expansão, com melhora na geração de postos em todos os setores. A economia da região deve permanecer estimulada, influenciada pela continuidade de expansão do crédito e pela perspectiva de safra agrícola favorável”.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos disse:

    Alguns comentários são de cargos comissionados ligados a políticos ou de pessoas que precisam urgente de psiquiatras!
    A Economia tá um fracasso! Basta ir no supermercado ou a um posto de gasolina!

  2. Chico disse:

    Siará-Vagalzão, e sua obsessão pela esquerda. Boquinha, pelo que nos consta, é a que tu tens.

    • Ceará-Mundão disse:

      Apenas mais um típico esquerdopata atacando a reputação alheia. Quanto ao mérito do comentário, NADA. Agem sempre assim.

    • Everton disse:

      E é mentira?

  3. Andreilson disse:

    Crescimento menor q no governo Temer!!! Kkkkkkkkkk

  4. Ceará-Mundão disse:

    Brasil está passando por um período de recuperação econômica, melhora nos índices de segurança pública, abertura de mercados para o agronegócio, e estão sendo executadas importantes obras de infraestrutura no país, algumas há muito esperadas. Mas, os esquerdopata sempre torcem contra o nosso Brasil e se sentem extremamente desconfortáveis com o sucesso do atual governo e, consequentemente, do nosso país. Sabem que esse sucesso acabará por extrrminá-los politicamente. Para quem nunca se conforma com a perda de incontáveis "boquinhas", isso é péssimo. Chego até a compreender seu desespero. Rsrsrs.

  5. gusthenrique disse:

    Os vermes, aqueles que vivem da ruína, da morte e da miséria, rangem de raiva os dentes. Os vermes, que anseiam pela destruição e pela confusão, torcem para o fracasso. Os vermes, que invejam a abundância, que não toleram o sucesso na vida e que não promovem a própria existência, sabotam a prosperidade.
    Os vermes desejam que tudo dê errado. Mas esquecem os vermes que a destruição do corpo de que eles parasitam representa seu próprio ocaso. Vejam o exemplo da Venezuela, da Argentina, de Cuba, da Coreia do Norte e tantos lugares arruinados pela revolução dos vermes.
    Mas o Brasil há de ser vitorioso e os vermes serão expurgados de uma vez por todas.

  6. Alcides disse:

    Tá crescendo igual a rabo de cavalo, só se for.
    O BACEN tá pintando flores onde só cactus.
    Estamos numa recessão braba.
    Dólar alto, combustível e gás de cozinha caros.
    Cesta básica com reajuste de 20% do ano passado para cá. A carne, nem se fala.
    É verdade que os juros de financiamento baixou. Mas, a maioria já tá cheia de dívidas e foge de qq financiamentos. E os jovens que casam hoje não querem mais comprar imóveis, preferem alugar e morar quiser.
    E construção civil em Natal tá parada há uns 3 anos. Quase não vemos construções novas na cidade.
    Enfim, o negócio hoje é sobrevier.

    • Ceará-Mundão disse:

      "Cumpanhero", quando se fala que o Brasil está progredindo, É bom lembrar que isso não se aplica ao RN, INFELIZMENTE. Um povo que, depois de TUDO o que vimos o PT fazer no país, tem o desplante de eleger essa governadora que aí está, que se notabilizou por participar de episódios grotescos (lembram dela almoçando de "quentinha" na mesa da Câmara Federa?), pela defesa intransigente do bandido de 9 dedos (dentre outros do mesmo naipe) e incapaz até mesmo de elaborar um mínimo plano de governo (copiou o do Piauí, lembram?), não pode reclamar do insucesso do estado. Triste Rio Grande sem norte e sem sorte. Enquanto o Brasil segue melhorando.

    • Andreilson disse:

      E o crescimento menor q no governo Temer!!!

  7. Rigoberto Fruta disse:

    Pra frente Brasil

É POSSÍVEL: instalar energia solar e pagar com a economia feita na conta de luz

Foto: Ilustrativa

Uma das maiores dúvidas de quem está querendo investir em energia solar é saber se compensa o investimento, em relação à economia que será gerada. Uma empresa aqui do RN, a Megga Solar, criou um sistema capaz de garantir esta equação, ou seja, com a economia mensal na conta de energia, pagar as parcelas da instalação da energia solar, em residências ou em empresas.

Segundo o diretor da empresa, Max Assunção, “com o Sistema Megga Solar o cliente instala energia solar em casa ou na empresa e o valor das parcelas mensais será igual ou até menor do que o valor da sua conta de energia”, e complementa afirmando “ou seja: você paga a instalação com a própria economia que vai ter na sua conta de luz”.

A Megga Solar é hoje uma das empresas de energia solar que mais crescem no Brasil, e já é recordista de potência instalada no Nordeste.

Governo federal digitaliza quase 500 serviços neste ano e gera economia próxima de R$ 350 milhões aos cofres públicos

Digitalização: economia em 2019 é de 345 milhões de reais até agora (Gustavo Mellossa/iStock/Getty Images)

O governo digitalizou quase 500 serviços neste ano e passou a permitir que sejam feitos totalmente pela internet ou em aplicativos de celular operações como pedidos de aposentadoria, de licença maternidade, carteira de trabalho digital e carteira de vacinação internacional. A estimativa é que, ao oferecer digitalmente os documentos, a economia para os cofres públicos chegue a R$ 345,42 milhões com redução de funcionários e papéis.

No setor responsável pela emissão do Certificado Internacional de Vacinação na Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), por exemplo, o número de funcionários dedicados a atender aos cerca de 2 mil pedidos diários caiu de 700 para 95 depois que o documento passou a ser emitido pela internet.

Na lista de serviços digitalizados, que chegou a 486 itens até a última sexta-feira, 29, estão também licenças e alvarás destinados a empresas. É possível, por exemplo, pedir pela internet autorização de importação de produtos de origem animal, para revenda varejista de combustíveis e até obter licenciamento mineral.

Ao todo, o governo tem hoje cerca de 3,3 mil pedidos que podem ser feitos digitalmente. Antes espalhados em portais dos diferentes órgãos, desde agosto todos os pedidos podem ser feitos no site.

“O governo, historicamente, tem uma presença caótica na internet, são mais de 1,5 mil sites terminados em ‘gov.br’. Queremos um governo que seja único e integrado para o cidadão. Que, se ele for multado numa rodovia federal, por exemplo, não tenha de acessar vários sites e descobrir sozinho se quem resolve o problema é a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) ou o Ministério da Infraestrutura”, afirmou o secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro.

Metas

Depois de o governo oferecer 109 novos serviços digitalmente em 2018, Monteiro disse que a meta para este ano era acrescentar mais 400 itens – o que foi ultrapassado – e, para 2020, outros 600. “O objetivo é que, até 2022, todos os serviços ‘digitalizáveis’ sejam feitos via internet”, completou.

Essa meta já foi alcançada no INSS onde, de acordo com o secretário, tudo o que era possível ser oferecido via internet já foi digitalizado. No órgão, é possível pedir pela internet 96 serviços diferentes, como solicitação de pensão, benefício assistencial, marcar perícia médica ou comunicar acidente de trabalho.

Foram priorizados na digitalização serviços com maior volume de demanda, como a carteira de trabalho digital. Nesse caso, só foi possível fazer a digitalização depois que a chamada medida provisória da liberdade econômica foi convertida em lei.

Monteiro afirmou que a estratégia do governo é desenhar todos os serviços para que possam ser consultados por meio de aparelhos móveis. “Estudos mostram que 70% dos brasileiros acessam a internet frequentemente e que, destes, 96% pelo celular”, afirmou.

Diante de reclamação de acesso e de dificuldades, Monteiro disse que o principal desafio agora é fazer os sistemas do governo “conversarem” e trocarem informações com Estados e municípios. Ele citou ainda o desejo de automatizar a concessão de benefícios sem que o cidadão tenha de solicitá-los. Isso poderá ser feito, por exemplo, com a concessão da licença maternidade, que poderá ser automática após o registro de um bebê em cartório.

Na lista das digitalizações em desenvolvimento estão ainda a identidade digital – que deverá ser lançada em projeto-piloto no próximo ano, utilizando registros de biometria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – e o licenciamento ambiental automatizado.

Sem atendimento uniforme

A reportagem de Estado ouviu relatos de usuários e testou alguns dos serviços digitais oferecidos pelo governo neste ano. As experiências mesclam pedidos atendidos em minutos e outros não respondidos em meses.

O engenheiro Bernardo Bahia, 60 anos, decidiu se aposentar ainda no primeiro semestre do ano, pois queria se antecipar à reforma da Previdência. Ele conheceu o aplicativo Meu INSS em julho, por meio de um amigo do filho, que foi consultado na hora. “Pedi a aposentadoria. No dia seguinte, o aplicativo calculou todas as contribuições de todas as empresas que trabalhei. Minha aposentadoria saiu no mesmo dia, coisa de quatro horas depois”, contou.

Morador de Juiz de Fora (MG), Bahia, que continua exercendo função de empresário, disse que Estados e municípios também deveriam aumentar a oferta de serviços digitais. “Para aprovar um projeto de engenharia na prefeitura é um parto. Está na hora de os órgãos públicos fazerem investimentos em aplicativos”, completou.

O pedido de aposentadoria feito pela reportagem do Estado, no entanto, não foi atendido. A solicitação foi feita em 24 de agosto, antes da promulgação da reforma pelo Congresso, quando o texto ainda tinha de receber o apoio dos senadores.

A reportagem ficou uma semana – de segunda a sábado – tentando fazer o pedido todos os dias, em diferentes horários, mas o site estava sempre fora do ar ou não carregava os documentos para comprovar o tempo de trabalho.

Desde que o pedido de aposentadoria foi aceito, não houve mais nenhum tipo de comunicação por parte do INSS. Há mais de três meses apenas aparece o aviso no site de que a solicitação está em análise.

Na tarde da última sexta-feira, 29, a reportagem acessou o serviço da carteira de trabalho digital. O documento ficou disponível em dez minutos, dos quais oito foram gastos com o cadastro e a recuperação da senha única do portal.

A carteira digital é, na verdade, um ambiente virtual no site do governo – com todas as informações trabalhistas do documento impresso, como aviso de férias, reajustes salariais, admissões e demissões. No site é possível, inclusive, imprimir o documento.

A solicitação de um Certificado Internacional de Vacinação, no entanto, não teve o mesmo sucesso. O portal redirecionou para uma segunda página que apresentou sucessivos erros com a mensagem “Serviço Indisponível, tente novamente mais tarde”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Lorenna Rodrigues)

Exame, com Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. willian disse:

    AGORA O BRASIL VAI PRA FRENTE !!!!