Rock iBem Pop – No ritmo da solidariedade

O Teatro Riachuelo recebe dia 28 de junho, a partir das 21 horas, o evento Rock iBem Pop, que vai reunir no palco grandes artistas potiguares em uma apresentação em que a renda vai ser revertida para o Instituto do Bem.

Começando o evento, o músico Rodrigo Lacaz apresenta seu repertório pop, preparado especialmente para a noite. Na sequência, é a vez da banda UsKaravelho embalar o público com o melhor do pop/rock nacional e internacional. O evento ainda conta com a participação do Desembargador Marcelo Navarro, da cantora Priscilla Freire e do médico Rodrigo Furtado. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou no site ingressorapido.com.br pelo valor de R$ 60,00 pista e balcão nobre, R$ 80,00 plateia e R$ 100,00 camarote.

Venha fazer parte dessa grande noite em que a atração principal é a sua solidariedade.

Rock iBem Pop
Com UsKaravelho, Rodrigo Lacaz
Participação de Marcelo Navarro, Priscilla Freire e Rodrigo Furtado
Teatro Riachuelo, 28 de junho, a partir das 21h
Infos.: 4003 1212 

Instituto do Bem – O poder de transformar ajudando ao próximo

Criada em setembro de 2011 e tendo como missão a “melhoria da qualidade de vida humana pela promoção da saúde, através de atividades científicas, tecnológicas, culturais e sociais”, o Instituto do Bem nasceu com o propósito de atuar na área da saúde, motivado pela necessidade de intervenção da sociedade civil na saúde pública do Rio Grande do Norte.

Com o objetivo de conscientizar a população para a importância da doação de órgãos, o foco inicial é a doação e transplante de órgãos, visando o aumento do número de doadores e, em paralelo, oferecer suporte assistencial para os pacientes transplantados e em fila de espera para o transplante.

O Instituto do Bem é uma instituição do terceiro setor, comprometida com o bem-estar dos cidadãos, melhorando a qualidade de atendimento e assistência ao cidadão, com o desenvolvimento de várias ações, além da doação de órgãos.

É neste domingo! Show do Pouca Vogal no Teatro Riachuelo

Neste domingo, dia 03, o Teatro Riachuelo será palco de mais um grande show, com dois grandes músicos do rock, Humberto Gessinger, do Engenheiros do Hawaii e Duca Leindecker, do Cidadão Quem que trazem para Natal o projeto Pouca Vogal. A apresentação será às 19h. Os ingressos estão à venda na bilheteria do teatro e no site www.ingresso.com.

O duo surgiu em 2008 quando os vocalistas resolveram tirar férias de suas respectivas bandas e gravou em 2009 um CD e DVD intitulado Pouca Vogal Ao Vivo Em Porto Alegre. O show reúne um repertório baseado nas suas bandas originais, além de inéditas. Entre os sucessos estão as músicas Pinhal e Refrão de Bolero.

Os dois instrumentistas apresentam músicas com arranjos complexos e para conseguir essa façanha Leindecker canta, toca instrumentos de corda e percussão com os pés. Enquanto isso, Gessinger também canta e toca instrumentos de corda, teclado, baixo com os pés e ainda faz solos de gaita.

Serviço

Show do Pouca Vogal – Natal/RN
Dia e horário: 03 de junho (domingo) | 19h
Local: Teatro Riachuelo
Vendas: bilheteria do teatro e site www.ingresso.com

Pra quem perdeu, ainda dá tempo! Teatro Riachuelo libera lote extra para show de Chico Buarque

O Teatro Riachuelo acaba de informar que está disponível um lote extra de ingressos para o show desta segunda-feira (28) e terça-feira (29). São apenas 50 ingressos pela bagatela de R$ 380 (valor de inteira) a venda na bilheteria do teatro.

Pra quem pensava em ir, corra que ainda dá tempo. São poucos ingressos postos a venda.

A turnê leva o nome do último disco do compositor, ‘Chico’, lançado em julho de 2011 pela gravadora Biscoito Fino, já passou por seis cidades (Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Novo Hamburgo, Rio de Janeiro e São Paulo). Antes de chegar a Natal, o espetáculo ainda viaja a Recife, antes de desembarcar nas capitais baianas e cearenses, quando já terá sido visto por mais de 125 mil pessoas.

Confirmado show de Sandra de Sá em Natal

Confirmado para o dia 16 de junho o show de um mais grande nome da Música Popular Brasileira em Natal, a cantora e compositora Sandra de Sá. Em turnê com o seu novo trabalho “AfricaNatividade”, a apresentação será no Teatro Riachuelo. Os ingressos já estão à venda na bilheteria do teatro e no site www.ingresso.com.

O “AfricaNatividade Sandra de Sá 30 Anos” conta um pouco do caminho trilhado por  Sandra, ao longo dessas três décadas. Neste projeto de celebração, a cantora reforça os laços culturais e musicais entre África e Brasil e ressalta sua diversidade. No palco, ela apresenta um repertório que traz grandes sucessos de sua carreira, unidos às canções que compõem o novo CD.

Ícone de representações étnico-sociais, Sandra, vem colecionando prêmios, reconhecimento internacional, hits que fazem plateias interagirem e uma posição de destaque na música brasileira. Com sua voz personalíssima, timbre grave e caloroso, tornou “Olhos Coloridos” um hino pelo país e exterior. E por gerações, vem marcando a história da nossa cultura brasileiríssima.

Serviço:
Sandra de Sá em Natal
Dia e horário: 16 de junho (sábado) | 21h
Local: Teatro Riachuelo
Vendas: Bilheteria do Teatro e site www.ingresso.com

Atriz global faz show musical em Natal com participação de Toni Garrido

Mais um grande show promete muita música e animação para o público potiguar. Dia 25, a banda Moinho, sucesso por onde passa, trará para o palco do Teatro Riachuelo, seus grandes sucessos em um espetáculo com a participação do cantor Toni Garrido, convidado da noite.  Os ingressos estão à venda na bilheteria do teatro e no site www.ingresso.com.

A banda Moinho é composta por Emanuelle Araújo na voz, Toni Costa na guitarra, violão e voz e Lan Lan na percussão e voz.  No currículo dos integrantes, grandes trabalhos. Emanuelle Araújo já comandou os vocais da Banda Eva durante alguns carnavais; Lan Lan tocou com Cássia Eller, Nando Reis & Os Infernais e com os Tresloucados – um projeto de Preta Gil e Davi Moraes -, além de ter liderado Lan Lan & Os Elaines; Toni, por sua vez, já acompanhou os principais baianos ainda na ativa, como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia e até Gal Costa.

No repertório do show, não vão faltar sucessos como “Esnoba”, sucesso da novela Beleza Pura, “Baleia da Sé”, de Riachão, “O Vento e o Moinho”, de Moraes Moreira, e “Saudade da Bahia”, de Dorival Caymmi. A banda foi formada em 2000, quando a baiana Emanuelle teve a idéia de levar o samba da bahia para a Lapa carioca. A história começou de forma bem prosaica e acabou dando origem a uma das bandas mais interessantes surgidas recentemente.

Serviço

Banda Moinho com participação de Toni Garrido
Dia e horário: 25 de março (sexta-feira), 20h
Local: Teatro Riachuelo
Vendas: bilheteria do Teatro e site www.ingresso.com

#PromoBG leva você e acompanhante para assistir Alcione

Concorra a um par de ingressos para o show de Alcione que será realizado dia 22 no Teatro Riachuelo

O twitter Blog do BG lançou uma promoção imperdível e você não pode ficar de fora dessa!

Para participar basta seguir o @blogdoBG e @AlexandreAgenda  RT a frase promocional:

#PromoBG  Sigo o #blogdoBG e @AlexandreAgenda e estou concorrendo a um par de ingressos p/#Alcione!http://jazu.in/tNU Siga, RT e concorra.

O sorteio será dia 20/10/2011

O Show será no Teatro Riachuelo no dia 22 de Outubro de 2011às 18:30

Segue abaixo o regulamento da promoção. Participe e boa sorte!

REGULAMENTO BLOG DO BG:

(mais…)

Teatro Riachuelo se posiciona sobre o incidente de ontem

A gerente geral do Teatro Riachuelo, Flávia Maclaren enviou comentário ao blog sobre o acontecimento ontem com a deficiente Clarissa dos Anjos. Segue comentário:

Prezada Clarissa

Sentimos muito que você tenha se sentido constrangida, não era a nossa intenção.

Vamos repassar o que aconteceu: Até hoje, nenhum portador de necessidades especiais entrou no Teatro Riachuelo sem a apresentação do ingresso, como você ressaltou, essa política não é adotada.

Ontem você e seus 2 amigos gostariam que um de vocês entrasse sem pagar, pois o seu acompanhante já possuia um ingresso, mas a terceira pessoa não. Talvez tenha demorado alguns minutos para vocês descobrirem a política do Teatro, pois existia uma fila de pessoas comprando ingressos de ultima hora. No momento que você foi atendida, imediatamente você foi orientada de como é , hoje, a política do Teatro.

Não concordando com ela, você demonstrou a sua indignação na entrada do Teatro.

Quando essa situação se apresenta, preferimos não discutir com o cliente.

Gostaríamos de esclarecer que nós somos um espaço de locação e que cumprimos uma política previamente concordada por várias partes, nos deixando impossíbilitados de mudá-las na hora. Quando uma situação nova aparece, levamos o fato para as reuniões de diretoria para serem analisadas e futuramente adotadas.

Quem já foi no Teatro Riachuelo sabe o respeito que nós temos pelo público, principalmente o cuidado que dispensamos para com os seniors, crianças e portadores de necessidades especiais.
Não temos conhecimento dessa lei que você se referia, mas certamente vamos verificar, pois concordamos com você e gostaríamos que ela existisse.

Mesmo que a Lei não exista, levaremos a sua sugestão para a próxima reunião para ser analisada.

Atenciosamente
Flávia McLaren
Gerente Geral
Teatro Riachuelo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. bruno disse:

    Cara Maria, seu comentário não vai ser liberado porque vc narrou um acontecimento no entrada do Circo da China, que não foi o evento do incidente. Portanto nada a ver uma coisa com outra!!

  2. @Frankooliveira disse:

    Acho que muita gente da opinião sem conhecer o que realmente aconteceu… 80% desse pessoal que comentou não estava la. Antes de tomar partido tem que conhecer a historia. é certo que as leis no Brasil são uma porcaria, e as que prestam não são seguidas. Acho também que a cadeirante e sua irmã tem todo direito de reclamar, mas não é com confusão que se resolve as coisas.

  3. Roussell Crowe disse:

    Explicações que não convencem.

  4. Giann Oliveira disse:

    Eu vi tudo o que aconteceu, desde o primeiro momento, por isso meu anseio de correr atrás das pessoas para ver o que tinha acontecido, OK, Ainda não existe a Lei. mas o Teatro outra vez a forma que como a cadeirante, gostaria que a mesma existisse, pq não se torna regra? precisa-se de uma Lei para fazer uma boa Ação? da mesma forma, o que se debate aqui não a entrada ou não do acompanhante, mas da forma humanitária como se deve portar os funcionários da casa, mesmo estando com filas enormes para se comprar ingressos, que não era o caso, a moça chegou com muito tempo de antecedência.

  5. Ricardo Torres disse:

    Caro blogueiro, primeiro acho que todos deveriam lhe parabenizar, tenho acompanhado o seu blog e você tem sido o único a levantar temas importantes e polêmicos para discurssão no mundo virutal. Foi assim sobre os pastoradores e agora sobre esse triste episodio com a Clarissa no teatro Riachuelo. Sou frequentador do teatro desde a inauguração quando paguei R$ 600.00 para assistir o rei Roberto, a família Rocha nos presenteou com um equipamento de 1º mundo, temos que ter orgulho do teatro. Isso é um ponto, o outro e a humanização da equipe de trabalho.
    Li todos os comentários no seu blog, mais uma vez lhe parabenizo por termos a opção de debater algo tão importante e constrangedor.
    Mas voltando, no ponto humanização faltou sim bom senso ao teatro, e não me venha com essa que a LEI não existe, a própria resposta da gerente geral e de cima para baixo, já marginalizando o pessoal dizendo que eles queriam entrar de graça, pelo o que entendi se eles não tivessem dinheiro não teriam comprados nem as duas, então esse não é o caso.
    Outra coisa, se deixou entrar um vez como a jovem afirma, abriram um precedente, portanto no mínimo teriam que ter avisado nesse caso a deficiente com rapidez e agilidade, que também não foi o caso.
    Comento esse post sem emoção, até porque estava no Piazalle jantando com minha família e vi aquela cena deprimente, todos na mesa ficaram indiginados!!
    O teatro demorou para atender e resolver sim.

  6. Pedro Henrique disse:

    Acho que esse assunto esta aqui sendo muito discutido,um joga a culpa pra teatro,joga a culpa pros funcionários,ate quando iremos conviver com esse tipo de hipocrisia!!!! O teatro não errou ele apenas cumpriu as regras e infelizmente eu presenciei toda a cena lamentável a qual desde ontem vejo esse BLOG reproduzir por diversas vezes no dia e vejo alguns comentários de quem esta aqui pra tomar partido por um por outro, mas vou narrar a cena que vi!!!
    Eu vi uma mulher em sua cadeira de rodas esbravejando em frente porta de um teatro e vi outra que estava ao seu lado em igual gritaria gesticulando freneticamente em busca de que eu não sei(sabia ate hj pela manhã) e sou sincero em lhes dizer , com grosserias e ignorância nada se resolve, pode ser deficiente ou não . Quem apenas leu essa reportagem é claro que se revolta,mas se a pessoa em si não fosse uma cadeirante nada desse aue estaria acontecendo…então comecem a trata-la como igual ela não entrou pq NÃO quis, pq ela e sua irmã estavam de posse de ingressos e o noivo da sua irmã não comprou senha e queria entrar…
    Agora paremos de discutir quem ta certo e quem tá errado!!!
    Se vier a existir a LEI tenho certeza que não só o teatro mas todo e qq estabelecimento ira cumpri-la…
    Toda essa confusão é puro e simplesmente pq se cumpriu uma LEI..Só entra quem PAGA!!!!!!!

    • Evandro Lobão disse:

      Concordo. Devia ter pagado, entrado, e depois entraria na Justiça. E provavelmente ganharia, pois se existia uma "liberalidade", sinal de que existia uma gratuidade.
      É assim que se faz no mundo civilizado.
      Se o pessoal do Teatro demorou a resolver isso é muito subjetivo.

  7. Gabriela disse:

    "Falo em nome,de todos os presentes no local que se indignaram com a cena,e se comoveram com o constrangimento passado pela cadeirante."
    Antes de armar um escândalo, a cadeirante deveria se informar sobre seus direitos. E assim evitar constranger as pessoas ao redor.

    "O mínimo de preparo e respeito para com nós(clientes) teria evitado tal constrangimento."
    A cadeirante poderia ter tbm o minimo de informação a cerca dos próprios direitos.

    "Deixo claro aqui,que levamos essa questão a público,para que outras pessoas não venham a passar por tal constrangimento."
    Eh… Se informem antes de fazer o barraco.

  8. OBSERVADORA disse:

    Todos sabemos que cinemas, teatros e casas de espetáculos são obrigados a garantir o acesso das pessoas com deficiência física às dependências destinadas ao público, porém é importante salientar que, muitos destes, criaram condições de acesso e adaptaram sanitários, inclusive com sinalização adequada para atende-las, no entanto, deixaram de lado as condições que garantem a elas acomodação de pessoas com deficiência física que, necessariamente, façam uso de cadeiras de rodas para sua locomoção. Tais espaços deveriam ter boas condições de visibilidade e facilidade de acesso, bem como permitir e garantir a permanência de acompanhante.
    Em relação ao pagamento ou não do “acompanhante” em questão fica difícil opinar, pois parece-me que a mesma já estava na companhia de sua irmã, que já possuía o ingresso. O que acredito que tenha gerado esse episódio foi o fato de ter um outro acompanhante em questão, o que não ficou muito esclarecido nem no relato de Clarissa, nem no esclarecimento do teatro quanto a questão da gratuidade do ingresso não ter sido autorizada em relação a constatação de a mesma já está acompanhada ou se não é norma deste oferecer ingressos gratuitos a acompanhantes de deficientes físicos, o que pelo relato da mesma já teria acontecido em outras oportunidades.
    Sinceramente, não tenho conhecimento de uma lei que permita essa gratuidade, apesar de achar justa, pois a mesma tem dificuldades de locomoção, e necessita de uma pessoa que a auxilie. Porém, a Lei Federal 11.126, regulamentada pelo Decreto 5.904/06, dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual, que tenha um cão-guia, poder ingressar e permanecer com seu cão em ambientes de uso coletivo, em todo território nacional. E como o cão guia não paga para ter acesso a esses espaços porque auxilia o deficiente visual, um ser humano que esteja auxiliando o deslocamento de outro ser humano, deveria ter o mesmo direito.
    Finalizo, acreditando que se toda essa confusão tivesse sido contornada por explicações ao cliente que se achava prejudicado, independente deste ser deficiente ou não, toda essa situação poderia ter sido evitada. É bom rever as atitudes dos envolvidos, obsevando que esclarecimento ao cliente não caracteriza discussão com o mesmo. Espero que Teatro Riachuelo, até agora tão bem conceituado em nossa cidade, não se transforme num futuro Cinemark…espero que não!

  9. Eduardo P. Ramos disse:

    Caro Bruno, apesar da sociedade brasileira ter avançado no que diz respeito a ver o portador de necessidades especiais como cidadão, pois de fato o é; ainda ocorre episódios dessa natureza. Gostaria de registrar o que ocorreu comigo anteriormente neste mesmo teatro, quando meu filho comprou ingresso via web promocional para o show de Djavan, eu amputado fui muito mal atendido na portaria do mencionado teatro. Uma mulher que controlava o acesso de pessoas demonstrou despreparo para resolver a minha situação, me fez esperar um bom tempo, em pé, mal acomodado e foi passando o meu caso, sempre para outra pessoa. A minha sorte foi encontrar naquela ocasião o grande Tawfic, amigo da época de colégio, que levou pessoalmente eu e meu filho a sala de espetáculo, nos acomodando em cadeiras e gentilmente se colocando a nossa disposição. Quando há sensatez e boa vontade por parte das pessoas os problemas acabam sendo resolvidos sem maiores dificuldades. Reforço o apelo às autoridades constituídas de nossa terra, para que não só criem leis, mas lutem pela efetividade das mesmas. A categoria de "cadeirantes" é uma espécie do gênero "portadores". Há amputados, surdos, cegos e tantos outros cidadãos que merecem respeito e decência. Me solidarizo não só com a jovem que sofreu este constrangimento, mas com sua família e assim como ela, espero que fatos dessa natureza não mais se repita. "CIDADANIA E INCLUSÃO SOCIAL É UM DIREITO DE TODOS!"
    Parabéns pelo blog e pela coragem de trazer à tona um assunto, que muitos não querem ver, tampouco se propor a discutir.
    Forte abraço,
    Dudu

  10. Anônimo disse:

    Conheço as leis dos portadores de deficiência e conheço as regras do espaços para show. Acho que uma pessoa do Teatro poderia ir sim falar com Clarissa, mas imagino na hora que ela chamou a pessoa da portaria não podia sair da sua posição. Isso também é regra. Talvez se ela esperasse um pouco mais tivesse sido atendida. Isso acontece SEMPRE, uma pessoa não pode sair enquanto não houver uma pessoa que possa substituí-la para a mesma função. Eu não sou portador de deficiência, mas estudei as leis. Sempre soube que não havia essa lei e acho um DEVER e OBRIGAÇÃO de cada um saber seus direitos. Imagino que Clarissa ficou nervosa como acontece com muitas outras pessoas. Mas teria evitado TODO o constragimento se tivesse conhecimento dos próprios direitos. Pelo que eu conheço os portadores de deficiência, eles não gostam que as pessoas tenham pena deles, pois eles mesmo com dificuldades, superam muitas barreiras na vida. Então não entendo porque tanta gente aparece dizendo que o Teatro deveria ter bom senso. Bom senso? Para um espaço privado, o máximo que eles podem fazer é obedecer a lei. Se o teatro deixou o acompanhante entrar em outras vezes foi um ato nobre, mas o teatro e nem um outro local é obrigado a fazer o que não está na lei. Se essa vez ele não autorizou a pessoa tem que aceitar. Era só dizer "Ah, hoje não pode?" e ir na bilheteria comprar a entrada. E tem mais: Nos municipios onde a lei se aplica o ingresso do acompanhante tem que ser nominal e intransferível! O que eu percebi depois da confusão ontem, foi que todo mundo começou dizendo que ia processsar o teatro, várias pessoas aderindo dizendo "Vá atrás dos seus direitos". Quando finalmente apareceu que "não existe essa lei" ficou todo mundo surpreso e para não ficar por baixo, começaram a justificar a atitude de outras formas. "Porque a pessoa não andou 2 metros para falar com a cadeirante" (Já falei sobre isso no início do texto). Começaram a dizer que se o teatro tivesse tido tato de explicar a situação não teria havido todo o constragimento. Oras, não teria havido o constragimento se a portadora de deficiência e seus familiares estivessem por dentro das leis e dos seus direitos. Muito fácil jogar a culpa no Teatro porque é simbolo de poder. Existe assédio moral de baixo pra cima também. Não é escrever para uma plateia que vai chamar meu texto de ofensivo, é um texto que segue o que esta na lei. Agora, vou pisar no calo mesmo: "Vem esse Juan, assim como outras pessoas e diz que é maldata e mesquinhez? Pelo amor de Deus, existem leis, direitos e deveres." Agora tudo é discriminação. Vão processar um funcionário ou o teatro porque não andou 2 metros? Discriminação? Pelo amor de Deus. *** Agradeço a BG se publicar esse texto mesmo anônimo.

  11. @Camila__Anjos disse:

    Sou irmã da cadeirante que sofreu o constrangimento ontem na frente do teatro riachuelo. Eu, como cidadã , e como administradora,só tenho a lamentar o despreparo da administração de um teatro que é considerado o maior do nosso Estado.
    Ninguém quis entrar de graça no teatro, nem queriamos cortesia como foi mencionado pelo gerente em exercicio.Que alegou que a politica do acompanhante não pagar era ofertada pelo teatro ás vezes,quando eles queriam,e dependendo da pessoa, gerente esse que não se dignou a ir até nós nos esclarecer o que havia ocorrido.Não é verdade,como afirma a administração do shopping que nenhum cadeirante tenha entrado no teatro sem apresentar o ingresso,se nós mesmo já entramos várias vezes no teatro sem o acompanhante pagar a entrada,já que a cadeirante não ocupa o acento e não consegue se locomover sozinha.A referida lei a qual mencionei na hora,não se aplica aqui no Estado e isso não foi o motivo da discussão na hora, como vocês querem ênfatizar . O questionamento o tempo todo foi que uma pessoa deficiente não teve um tratamento prioritário que merecia,a qual tinha todo o direito.Ninguém da administração do teatro,veio até nós para nos da uma explicação plausível da mudança da política adotada pelo teatro.Depois de muita insistência consegui ir até o gerente e expor a situação. Que não soube explicar porque adotaram à partir daquele dia uma política diferenciada e porque não fomos informados disso no momento da compra do ingresso ou até mesmo na última vez do comparecimento ao Teatro. A cadeirante que é apenas deficiente física, e não mental,solicitou que o gerente fosse até ela para dar alguma explicação ou o mínimo de atenção , mas o mesmo falou que não seria possível ele andar 2 metros(distância dele até a cadeirante) para dar qualquer explicação.Foi quando a cadeirante com razão se sentiu revoltada e discriminada por parte da administração.
    Falo em nome,de todos os presentes no local que se indignaram com a cena,e se comoveram com o constrangimento passado pela cadeirante.
    O mínimo de preparo e respeito para com nós(clientes) teria evitado tal constrangimento.
    Deixo claro aqui,que levamos essa questão a público,para que outras pessoas não venham a passar por tal constrangimento.

  12. Juan disse:

    Não tem desculpa.

    Foi maldade e mesquinhez.

    E nao venham cheios de procedimentos com sotaques paulistas pra cá.

    Vergonhoso e desnecessário.

Choro e constrangimento no Teatro Riachuelo Hall

Foto de Clarissa - BlogdoBG

O teatro Riachuelo Hall, a melhor casa de espetáculos de Natal e uma das melhores do Brasil, viveu na noite deste sábado, cenas de intenso constrangimento.

Clarissa dos Anjos(@clarissa_anjos), que é tetraplégica, compareceu ao teatro acompanhada da irmã Camila(ambas compraram ingresso), e do noivo da irmã. O trio pretendia assistir à peça “Não existe mulher difícil”, do ator Marcelo Serrado.

Nas primeiras três vezes em que compareceu ao teatro, o acompanhante de Clarissa pôde entrar gratuitamente.

Neste sábado, para surpresa de Clarissa e de seus acompanhantes, a história foi diferente.  A atendente na bilheteria disse desconhecer qualquer lei neste sentido e não permitiu o acesso, sem pagamento de ingresso, do noivo da irmã de Clarissa, que entraria como seu acompanhante.

O responsável pela bilheteria foi chamado. Trinta minutos depois, apareceu e disse que, diferentemente das outras vezes, o teatro não permitiria a entrada do acompanhante sem pagar ingresso.

Cinquenta minutos depois de muitas indas e vindas, Clarissa, impedida de entrar no teatro com o acompanhante(já que não tem como ela mesmo andar com a cadeira), teve um ataque nervoso. O que atraiu a atenção e a indignação de muitas pessoas que entravam no teatro para assistir a peça e que jantavam em restaurantes situados no terceiro piso do Midway Mall.

O Blog do BG esteve no local e conversou com Paul, o responsável pela bilheteria do teatro, que disse que não há lei municipal que trate do assunto e que houve liberalidade da casa nas vezes anteriores para que o acompanhante de Clarissa entrasse sem pagar, mas que no dia de hoje não seria permitido.  O blog também conversou com a assessora de imprensa do Teatro.

Documento de Clarissa

O blog também conversou com Marcos Arnaud, presidente do Instituto Superar, que confirmou que não há lei em Natal que trate do assunto.  Tudo fica a critério do promotor do evento.  A Destaque Promoções e o Teatro Alberto Maranhão, por exemplo, permitem a entrada gratuita do acompanhante de deficientes físicos.

A situação vivenciada por Clarissa e que causou muita indignação na frente do Teatro Riachuelo, poderia ser evitada se Natal aprovasse a lei que já existe em outras cidades do País, regulamentando o acesso gratuito de acompanhantes de pessoas com necessidades especiais.

Fica a dica do Blog do BG aos vereadores de Natal.

Em tempo: Temos que destacar o constrangimento de pessoas que testemunharam e da família de Clarissa, como também a atenção que a assessora de imprensa e o responsável pela portaria do Teatro Riachuelo atendeu o BlogdoBG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alex Cesar disse:

    Estou passando mais ou menos por essa situação, no Teatro Riachuelo. Fiquei totalmente pra baixo quando a moça falou que cadeirante não tem direito a nada. Poxa, eu ganho pouco, tudo para deficiente é caro, quase não saio de casa e qd quero ver um show, sou barrado ou compro a entrada inteira e sem direito de reclamar. E apesar de não ter ficado tetraplégico, fraturei a coluna inteira num acidente. graças a Deus, faço coisas que a ciência duvida, mas no que se refere a girar a cadeira de rodas sozinho não aguento pq fico sentindo dores e preciso de acompanhante e nem isso tenho direito.

  2. DRICALUCI disse:

    Eu estava lá no dia do ocorrido e desisti de assistir a peça assim como outras pessoas que iam entrar. Um absurdo o que aconteceu. Se foi liberado em outras peças o problema é da produção da peça. Não indico a peça "NÃO EXISTE MULHER DIFÍCIL PARA NINGUÉM". uMA FALTA DE RESPEITO DO ATOR mARCELO sERRADO E DA PRODUÇÃO. lAMENTÁVEL!!!

  3. César disse:

    Não tenho nenhum vinculo com Clarissa e menos ainda com o Teatro Riachuelo. Sei também que a problemática da situação é maior que qualquer caso individual, e que não fique dúvida que sou completamente a favor de uma lei que permita o acesso de um acompanhante em casos como esse. Mas não posso deixar de fazer a pergunta seguinte pergunta: Porque a irmã de Clarissa não pode ser caracterizada como sua acompanhante, e sim o noivo da irmã que não tinha ingresso?

  4. Maria do Socorro Teixeira disse:

    Hj.07/092011.Comemoramos a lei q. da direitos anplos ao deficientes.O bruno relatou exatamente oq.penso .Quem vai recuperar olado psico emocional da Clarissa?ninguém pensou nisso. O pai da Clarrisa é advogado. gostaria de deixar bem claro.Dinheiro nenhum vai apagar a vergonha q, essa menina passou.O caso foi fal de gesto eficiente .Uma boa conversa resolveria o problema.Na familia dos anjos temos 06 adv.Agora é pensar em recuperar a auto estima perdida.Sinto muito q. ainda passamos por casos tão lamentavel.termino perguntando Clarissa dos Anjos tem carro e voltou no mesmo.Quantos já foram utrajado e humilhados por essa equipe tão mal dirigida.

  5. Joice disse:

    Eu estava lá com 2 amigas e vimos a cena, o principal motivo foi o descaso, poderiam ter agido de forma diferente. Apoio a Clarissa e a família, porque a conheço através de sua amiga Myclécia.

  6. Júnior Lira disse:

    Sou amigo de Clarissa e lamento muito ocorrido no teatro. Clarissa é uma menina de ouro e não merecia passar por tal constrangimento. Como ela já havia entrado no teatro sobre essas condições isso abre precedentes pra que ela tenha direito de usufruir de seu direito novamente, a não ser que haja um aviso prévio da nova condição, o que não houve. O teatro Riachuelo é responsável sim pelo ocorrido, mesmo que o show seja organizado por outra equipe de eventos é responsabilidade do TEATRO o controle de entrada e saída de pessoas.
    Fato lamentável. Sugiro aos responsáveis pelo teatro que leiam os quatro livros que essa menina publicou, e entendam um pouco mais as condições e dificuldades que pessoas na condição dela tem.
    Clarissa, estamos com você!

  7. Ricardo Torres disse:

    Caro blogueiro, primeiro acho que todos deveriam lhe parabenizar, tenho acompanhado o seu blog e você tem sido o único a levantar temas importantes e polêmicos para discurssão no mundo virutal. Foi assim sobre os pastoradores e agora sobre esse triste episodio com a Clarissa no teatro Riachuelo. Sou frequentador do teatro desde a inauguração quando paguei R$ 600.00 para assistir o rei Roberto, a família Rocha nos presenteou com um equipamento de 1º mundo, temos que ter orgulho do teatro. Isso é um ponto, o outro e a humanização da equipe de trabalho.
    Li todos os comentários no seu blog, mais uma vez lhe parabenizo por termos a opção de debater algo tão importante e constrangedor.
    Mas voltando, no ponto humanização faltou sim bom senso ao teatro, e não me venha com essa que a LEI não existe, a própria resposta da gerente geral e de cima para baixo, já marginalizando o pessoal dizendo que eles queriam entrar de graça, pelo o que entendi se eles não tivessem dinheiro não teriam comprados nem as duas, então esse não é o caso.
    Outra coisa, se deixou entrar um vez como a jovem afirma, abriram um precedente, portanto no mínimo teriam que ter avisado nesse caso a deficiente com rapidez e agilidade, que também não foi o caso.
    Comento esse post sem emoção, até porque estava no Piazalle jantando com minha família e vi aquela cena deprimente, todos na mesa ficaram indiginados!!
    O teatro demorou para atender e resolver sim.

  8. Maria do socorro teixeira disse:

    Gostaria de exclarecer q. Clarissa dos Anjos.Já derubou muito preconceito.È Escritora 04livros,Pousou p campanha Natal sem Fome,pela Arquidiocese de Natal.Faz faculdade de letra na UNP. Mas a intolerancia e falta coerencia dos Dirigentes do teatro derubaram.nossa deusa.Clarissa continue lutando!!!!!!

  9. Rodrigo Cruz disse:

    O Teatro não tem nada a ver, até por que eles não produzem os shows por lá e não tem sequer autonomia para distribuir ingressos. Os nervosinhos que estão reclamando tem que reclamar na justiça, pra fazer a lei que fale sobre o assunto. Mas não adianta somente baixar a lei e dizer que acompanhante de deficiente tem direito a entrar gratuitamente. Tem que pensar no produtor também, que se esforça para trazer diversão ao público (muitas vezes tendo ate prejuizo).

    Inclusive leis como a de meia entrada não existe sequer subsídio para o produtor, que tem que arcar sozinho com a "lei".

    Vamos pensar em todos, não só em A,B ou C.

  10. Ariane disse:

    Gente…sou prima de Clarissa e gostaria de deixar claro que a questão não foi a entrada em si, foi a falta de atenção do gerente do Teatro para com ela. Em nenhum momento ele se dispos a ir até ela e explicar que não seria permitido a acompanhante dela (Camila) entrar, visto que a lei não vigora aqui em Natal. O tato é uma questão de bom senso, e isso certamente ele não teve!

  11. Neto disse:

    Mas a irmã não ia entrar??? Ela não estava desacompanhada…. Nem foi barrada!!! Tá estranho!!!!

  12. Paulo disse:

    Se fosse pra um colunistazinho social de quinta o teatro e qualquer outro locar do genero arrumaria quantas entradas ele desejasse.

  13. Lauro disse:

    Que falta de tato desse gerente. Não é culpa do Teatro Riachuelo, mas de algumas pessoas que não estão preparadas para a função que exercem.

  14. Elma disse:

    Estava na ocasião e vi a menina sair em prantos… Foi realmente lamantável e cosntrangedor.

  15. Hugo disse:

    Seria tão fácil se a Irma dela desse o ingresso pro namorado.. O problema todo aconteceu Pq a pessoa que guiava a cadeira portava ingresso.

    Tenho uma conta no Twitter de caráter promocional (@BoadoFDS) e já realizamos promoções em conjunto com Produtores que fizeram eventos no Teatro. Em alguma situação em que ouve equivoco na lista de ganhadores ou na entrega de ingressos, o próprio teatro se prontificou e resolver os problemas. Respeito eles tem.

  16. Vera disse:

    O teatro Riachuelo colocou Natal no circuito de eventos do país, isso é inegável, e sou uma assídua frequentadora (de classe média alta), porém ainda explora de forma absurda o valor do ingresso, e limita o espaço a quem tem um poder aquisitivo melhor, excluindo mais uma vez os menos favorecidos e fortalecendo a divisão de classes culturalmente. Ridículo este sistema de exclusão velada, reflitam…

    • Já que é da "classe média alta" contribua com alguns ingressos para que a dita "class C" possa frequentar a casa. Afinal quem investiu tanto no teatro precisa recuperar o que o capital investido.

  17. sergiogracie disse:

    …e as pessoas ainda pensam e colocando em suas pequenas cabeças que a cidade do natal tem tudo pra ser uma sede para copa,fora isso ja relatei em outros blog q em um shoping grande da cidade um cliente achou minhoca dentro do hamburguer e a gerencia disse q a culpa era do cliente,tenha fe!
    vamos ser hulmide pessoa e amar o proximo sem saber a cor,classe ou religião…

  18. Já que a citada estava acompanhada da irmã, e que as duas pagaram para entrar, não seria mais fácil o outro acompanhante também ter pago para entrar?

  19. @miguelrude disse:

    "Fica a dica do Blog do BG aos vereadores de Natal."
    Os mesmos que votaram contra os supermercados tere postos de gasoolina pra puxarem o saco da máfia dos postos!

  20. Acho que as pessoas não leem o blog com a devida atenção,ela já não estava acompanhada da irmã por que ela precisaria de outro acompanhante.Vivemos a era da ditadura do politicamente correto,mas bom senso e razoabilidade são sempre vindos pra ambas as partes.

  21. Pedro Henrique disse:

    O que eu percebo aqui é que ela não ia entrar sozinho visto que ela e a sua irmã estavam de posse de ingressos, e queriam que o noivo da irmã entrasse como acompanhante sem pagar ingresso..essa lei infelizmente não existe e sabemos que para toda regra existe uma exceção,mas em alguns casos se for dada a exceção para uma pessoa todas as outras vão querer o mesmo direto! frequento o teatro desde o seu inicio e nunca vi nenhuma cena de falta de respeito a ponto de barrar o cliente de entrar no estabelecimento, foi uma situação infeliz !!! Espero que a situação sirva de exemplo para uma provável lei, mas não vou sala para julgar o teatro ao qual sempre que vou sou muito bem recebido.

  22. Pedro Henrique disse:

    Há situações que não precisam de lei. O bom senso seria o suficiente, coisa que o Teatro Riachuelo não teve.
    O que isso se chama?

  23. Marcos Trindade disse:

    O certo agora, é a família dessa jovem buscar a justiça e pedir uma indenização. Essa indenização deve ser paga pelos Vereadores que são inoperantes e despreparados ao ponto de não aprovarem uma lei que permita o acesso do acompanhante. A gente elege esses caras prá quê?

    • Ana Beatriz disse:

      essa indenização sairá do bolso do contribuinte (inclusive o meu). não é por ai.

  24. bruno disse:

    Aí não é caso de falta de lei não. É só bom senso do promotor do evento.
    Ela foi impedida de entrar no evento pelo qual pagou ingresso, visto que sozinha ela não pode se locomover. Foi de pouquíssimo tato o responsável pela bilheteria.

    Não precisa de lei para tudo! Não precisa de lei para saber que ela precisava do acompanhante entrando com ela.

  25. Flávia McLaren disse:

    Prezada Clarissa

    Sentimos muito que você tenha se sentido constrangida, não era a nossa intenção.
    Vamos repassar o que aconteceu: Até hoje, nenhum portador de necessidades especiais entrou no Teatro Riachuelo sem a apresentação do ingresso, como você ressaltou, essa política não é adotada . Ontem você e seus 2 amigos gostariam que um de vocês entrasse sem pagar, pois o seu acompanhante já possuia um ingresso, mas a terceira pessoa não. Talvez tenha demorado alguns minutos para vocês descobrirem a política do Teatro, pois existia uma fila de pessoas comprando ingressos de ultima hora. No momento que você foi atendida, imediatamente você foi orientada de como é , hoje, a política do Teatro.
    Não concordando com ela, você demonstrou a sua indignação na entrada do Teatro.
    Quando essa situação se apresenta, preferimos não discutir com o cliente .
    Gostaríamos de esclarecer que nós somos um espaço de locação e que cumprimos uma política previamente concordada por várias partes, nos deixando impossíbilitados de mudá-las na hora. Quando uma situação nova aparece, levamos o fato para as reuniões de diretoria para serem analisadas e futuramente adotadas.
    Quem já foi no Teatro Riacuelo sabe o respeito que nós temos pelo público, principalmente o cuidado que dispensamos para com os seniors, crianças e portadores de necessidades especiais.
    Não temos conhecimento dessa lei que você se referia, mas certamente vamos verificar, pois concordamos com você e gostaríamos que ela existisse.
    Mesmo que a Lei não exista,levaremos a sua sugestão para a próxima reunião para ser analisada.

    Atenciosamente
    Flávia McLaren
    Gerente Geral
    Teatro Riachuelo

  26. @isakati disse:

    Sem dúvidas que o Teatro Riachuelo trouxe "vida" para Natal, apesar dos preços [as vezes abusivos] ainda sim falo que foi a melhor coisa que aconteceu nesta cidade!! Esse episódio poderia ter um final feliz… Como ela entrou outras vezes com acompanhante… Fica provado que A PRODUCÇAO DE CADA espetáculo age da forma diferente. "Ou seja: Há produtores e PRODUTORES"

  27. Serapião disse:

    AH povo pão duro….Custava franquear a entrada para a Clarissa e seu acompanhante?

  28. Herbert disse:

    Intransigência! Tudo por causa de UM ingresso? Precisava ter uma Lei? Se fosse um grupo de pessoas…

  29. Bárbara disse:

    O teatro Riachuelo é uma das poucas casas de Natal que respeitam os clientes não só quando o assunto é acessibilidade, mas também quando se trata de segurança, ingresso para estudante, estacionamento, horários de cordo com o divulgado…
    As autoridades de Natal precisam cuidar é dessas festas que ocorrem em vias públicas, que poluem a cidade sonora e visualmente e as pessoas precisam saber que pagam um valor exorbitante para entrar em determinadas festas simplesmente porque os organizadores dizem que o ingresso esgotou quando, na verdade, eles repassaram para os cambistas venderem.

  30. @abcjoao disse:

    Aadorava o teatro riachuelo, um bonito espaço, mas depois dessa….. 🙁 não é porque não tem lei que eles não vão fazer isso!! tem que respeitar o proximo. como e que a coitada ia entrar dentro do teatro sem nenhum acompanhante, se ela anda de cadeira de rodas!!

  31. @isakati disse:

    Nossa…Não cheguei a presenciar o fato cheguei atrasada 15 min. A Clarissa sendo tetraplégica ou seja perda dos movimentos dos membros superiores e inferiores é CLARO que ela depende de uma pessoa p se locomover. Lamentável q esta Lei "não funciona aqui", Clarissa não deixe isso barato procure a Associação dos Deficientes Físicos do Estado do Rio Grande do Norte – ADEFERN http://adefern.vilabol.uol.com.br/index.htm

Sandy faz exigência de última hora e causa prejuízo em Natal

A cantora Sandy, longe do glamour de anos atrás, continua com seus mimos exagerados.

Os empresários que a contrataram cumpriram o previsto em acordo e colocaram à venda ingressos para assentos e pista.

Mas no contrato não tinha restrição nenhuma de como deveriam ser os assentos.

A cantora, ao desembarcar em Natal, quando viu a configuração da festa informou que naquele formato não cantaria.

Que só iria se apresentar com todas as pessoas sentadas. E isso foi no dia do show.

Foi um Deus nos acuda de última hora para garantir que todas as pessoas que tinham comprado ingressos de pista tivesse seu lugar reservado.

O site Peixe Urbano, que chegou a vender senhas em pacotes passou, uma grande saia justa para acomodar seus clientes.

No frigir dos ovos, com o estrelismo da moça que tem cara de menina, com a exigência do fim imediato das vendas de pista, os promotores do show ficaram sem ter como vender mais senhas de pistas e todas as cadeiras do teatro ocupadas por causa do remanejamento.

Temos informações que mais de 800 ingressos não foram comercializados e o prejuízo de quem fez o show foi razoável.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ellen disse:

    Ela é Diva e DIva pode!! e tenho certeza que ela fez isso pensando no público, afinal, vc ficar quase 2 hrs ouvindo músicas lentas em pé não dá. Ela só quer que todos fiquem confortáveis! E ela PODE!

  2. Nara disse:

    Quando começaram a vender eu já achei bem estranho o fato de ter pista! em todos os outros shows da Turne os fãs ficaram sentados… e ela fazia questão de sempre dizer que preferia assim. Por que em Natal seria diferente? Me parece muito mais uma falha da organização do show do que um estrelismo dela. Aliás, não vi ninguém reclamando da mudança, muito pelo contrário, todos adoraram! E pelo valor do ingresso cobrado, certamente não tiveram prejuído já que o teatro estava lotado!

  3. Ricardo Oliveira disse:

    BG o meu caso foi muito parecido com o do Bonifaçio ai em baixo. Ou estava no contrato e os promotores não viram ou ela exigiu de última hora, porque nós compramos de pista e ficamos nas cadeiras. Agora atropelos não houve, e se deu preju não sei dizer. Mas o show foi bom.

  4. Bonifacio disse:

    Foi exatamente desse jeito, comprei através do site Peixe Urbano para meus 2 filhos, compramos ingressos de pista, quando chegamos lá fomos informado pela produção que eles teriam que ficar sentados por a cantora tinha alegado que não queria ninguem em pé. Isso que informou foi a produção na entrada do teatro. Apesar disso a Sandy fez um grande show

  5. Pedro disse:

    Na minha opnião não houve prejuízo para quem promoveu o evento, pois o teatro lotou completamente. E independente dessa solicitação por parte da artista de última hora , eles não deixaram de lucrar .
    FOi um sucesso em tudo!

  6. Paulo disse:

    é cada uma viu…

  7. Gabriel disse:

    Isso ocorreu mesmo, mas pra mim que fui de pista foi muito melhor kkk Pelo menos o show foi ótimo, e certamente não houve prejuízo pq o teatro estava lotado

  8. Fernanda disse:

    É muita frescura, mesmo. O bom é quem comprou mais barato se deu bem. Mas ela devia pelo menos avisar antes. Folgada.

    • Susane disse:

      É, viw?! Muito folgada mesmo!
      Que ela colocasse uma cláusula no contrato explicitando que não canta com ninguém em pé.
      Só sei de uma coisa… nem deitada eu queria assistir ao show dela. kkkkkk
      Pra mim shows de verdade são os de: Seu Jorge, Ney Matogrosso, Fagner, Maria Gadú, etc – E o bom é q eles sabem cantar e nem tem essas frescuras.

    • Myriam disse:

      É verdade. Qdo eu cheguei no show me colocaram na cadeira eu até achei estranho, pois eu tinha comprado a pista. Mas me dei bem. Rss mas bem q ela poderia ter avisado antes. ESTRELA É ASSIM MESMO! Kkkk

Fábio Jr em Natal

O cantor Fábio Jr. Chega com a turnê 2011, intitulada “Íntimo”, dia 08 de julho no Teatro Riachuelo. Os shows deste ano estão repletos de novidades no cenário, iluminação e, repertório, porém, os grandes sucessos da carreira do cantor continuam e, dão todo o toque de romantismo ao show.

Prometendo inovação na produção, o cantor fez questão de acompanhar de perto a escolha da banda, a mudança de cenário, iluminação e principalmente o repertório.

O cenário e iluminação são criações da Show Design, que pensando em um clima mais “intimista” preparou tudo para que ficasse com a “cara” do cantor. “O público vai se sentir mais próximo do Fábio, é como se as pessoas estivessem sentadas na sala da casa dele”, completa Rogério Fernanadez, um dos sócios da empresa.

O repertório do novo show é composto por sucessos que fazem parte da carreira do cantor como, Caça e Caçador, Felicidade, Senta Aqui, entre outros, porém, com nova roupagem. As músicas do CD Minhas Canções, que teve a produção de Guto Graça Melo, também estão no repertório, assim como as músicas do CD Íntimo, que teve a produção de César Lemos e, lançamento previsto para Março.

No resto e só esperar o dia do show e no final o cantor gritar BRIGADUUU!!!

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. cinthya Kalynne disse:

    Onde estão vendendo ingressos?

  2. Edvane disse:

    sou de caicó e gostaria de saber sobre as vendas dos ingressos quero comprar o meu logo!!!

  3. adna disse:

    gostaria de saber se o show de fabiojr é aqui em natal no teatro da riachuelo dia 08 de julho pois estarei la

Agenda de Shows

Segue abaixo shows confirmados de abril até julho no Teatro Riachuelo:

Abril:

Dia 08 – Cidade Negra

Dia 09 – Lobão

Dia 15, 16, 17 – Os Melhores do Mundo

Dia 20 – Paula Fernandes (mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Leonardo disse:

    Otmo show.

  2. faltou somente o show de samba. Fundo de quintal, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz… parece que o povo não gosta….

Seu Jorge: que show!

O relógio marcava 21h30 quando Seu Jorge subiu ao palco. O Teatro Riachuelo ficou pequeno para a malandragem refinada deste carioca, voz elegante, cantava conversando. Deve vir daí também, parte do motivo de fazer sucesso entre as bonitonas.

Dez músicos no palco, o gingado irradiante de um artista, na música, letras e atitude. Estrutura de primeira, camarotes … Não era natal, mas foi uma noite feliz.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge Aldir disse:

    Seu Jorge é muito bom!!Afinal ele também é Jorge kkkkk

  2. Marcos Bodielli disse:

    Uma verdadeira zona, em todas as filas.
    5000 pessoas, e somente 4 atendentes no bar. Nem calourada é assim.
    Devia ter uma pessoa só pra cerveja, outra pra vodka, outra pro whisky.

    Show muito rapido. 1h30min. O cara vai ficar em Natal msm. Podia ter uma banda do teatro abrindo, e depois fechando. Aproveitem o Teatro, enquanto ainda é moda.
    Pois se for pela show, você se decipicinará.
    Muitos dizem grande Show. Esses ainda não conhecem um grande show.
    O QUE ACONTECEU ONTEM FOI O SEGUINTE
    MUITA GENTE PAGOU CARO PRA COMER, E FICOU COM FOME.

  3. Carlos von Sohsten disse:

    Isso mesmo, Bruno!
    Foi um show sensacional. Alto nível. Qualidade do som, excelente! Repertório de primeira! Grande noite!