Atitude de Mandetta de confronto com Bolsonaro reduz apoio de militares a ministro

Foto: (Ueslei Marcelino/Reuters)

O apoio que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tinha no núcleo militar do Palácio do Planalto para continuar no cargo perdeu força na noite de domingo (13).

O tom adotado pelo auxiliar presidencial em entrevista concedida à Rede Globo foi avaliado pela cúpula fardada como uma provocação desnecessária, que atrapalha o esforço de se evitar uma troca no comando do Ministério da Saúde em meio à pandemia do coronavírus.

Na entrevista, Mandetta disse que o brasileiro não sabe se escuta ele ou o presidente Jair Bolsonaro sobre como se comportar durante a crise de saúde e alertou que os meses de maio e junho serão os mais duros.

Ele também criticou aglomerações em padarias. Na quinta-feira (9), novamente ignorando as recomendações de isolamento social, Bolsonaro entrou em uma padaria para fotos e cumprimentos a apoiadores.]

Para militares do governo, Mandetta fez um confronto público com Bolsonaro, não obedecendo à hierarquia do cargo, e reascendeu um conflito que havia diminuído de temperatura no final da última semana.

Na segunda-feira passada, o presidente, que já avaliava demitir o ministro após o pico da pandemia, considerou antecipar a decisão. Ele foi, no entanto, convencido pelo núcleo militar a aguardar até junho, para não piorar a crise de saúde.

A avaliação no Palácio do Planalto foi a de que Mandetta desprezou o esforço da cúpula fardada e está preocupado neste momento apenas com a sua imagem pública, em uma eventual tentativa de se candidatar a governador de Mato Grosso do Sul em 2022.

Apesar do incômodo com a postura do ministro, Bolsonaro indicou na noite de domingo (12) que não pretende afastar Mandetta do cargo neste momento. O presidente não quer correr o risco de ser responsabilizado sozinho caso o sistema de saúde entre em colapso.​

Segundo assessores palacianos, no final da tarde de domingo (12), o presidente foi informado que Mandetta havia concedido uma entrevista à Rede Globo naquela tarde.

Segundo relatos feito à Folha, ele assistiu ao conteúdo no Palácio da Alvorada e, para a surpresa de aliados, minimizou as declarações, avaliando que não foram graves.

Nesta segunda-feira (13), perguntado por jornalistas sobre a entrevista, o presidente disse que não assiste à Rede Globo e não quis comentar as declarações do auxiliar presidencial.

A relação entre Bolsonaro e Mandetta nunca foi próxima, sempre foi protocolar. O ministro foi indicado ao cargo pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), aliado de primeira hora do presidente, mas hoje rompido.

Pela falta de afinidade de ambos, Bolsonaro chegou a cogitar a sua substituição em setembro, mas desistiu ao constatar que ele tinha amplo apoio junto ao setor da saúde.

No início da pandemia do coronavírus, o presidente se queixou ao ministro de que ele deveria defender mais o governo e o repreendeu por ter participado de uma entrevista ao lado do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), adversário político de Bolsonaro.

Mandetta modulou sua retórica e passou a pregar a importância de a atividade econômica não parar. Ele, no entanto, não se dobrou à pressão do presidente contra a medida de isolamento social, o que iniciou o embate entre ambos.​

A crise com Mandetta abalou Bolsonaro. Segundo assessores presidenciais, pela primeira vez desde que assumiu o cargo, o presidente receou estar perdendo capital político ao constatar que parte da base bolsonarista nas redes sociais apoia o ministro.

De acordo com um aliado do presidente, preocupada com o marido, a primeira-dama Michelle Bolsonaro chegou a recomendar ao presidente que diminuísse o ritmo da ag​enda política para evitar um quadro de estresse.​

MANDETTA CONFRONTA APÓS O ‘FICO’ NO MINISTÉRIO

Enquadramento

Um dia depois de ameaçar “usar a caneta” contra ministros que “viraram estrelas”, Bolsonaro foi questionado por Mandetta sobre o motivo pelo qual não o demitia. A pergunta foi feita em reunião com outros ministros na segunda-feira passada (6). O presidente teria ficado em silêncio.

Ministros militares, em parte responsáveis por demover Bolsonaro da ideia de exonerar o ministro da Saúde, tentaram contornar a situação. Mandetta também questionou o motivo de sua nomeação, já que o presidente não o ouvia.

Recados em discurso

Após um dia inteiro de indefinição por parte do governo, naquela mesma segunda-feira (6) Mandetta anunciou que ficaria na pasta de Saúde. E deu alguns recados a Bolsonaro.

Em pelo menos dois trechos de seu pronunciamento, ele falou insistentemente no respeito à ciência, além de ter citado O Mito da Caverna, alegoria usada para ilustrar o conflito entre a ignorância e o conhecimento.

O ministro reclamou de “mais um solavanco” durante o seu trabalho e apoiou as medidas dos governadores, que se tornaram os antagonistas do presidente na crise de saúde.

Crítica ao presidente em Goiás

​Neste último sábado (11), após Bolsonaro se aglomerar com apoiadores em Águas Lindas de Goiás, Mandetta, que também estava na cidade e observou a multidão à distância, criticou o presidente.

“​Posso recomendar, não posso viver a vida das pessoas. Pessoas que fazem uma atitude dessas hoje daqui a pouco vão ser as mesmas que vão estar lamentando”​, afirmou.

Entrevista para o Fantástico

Em entrevista neste domingo (12) para o programa Fantástico, da TV Globo, Mandetta disse que brasileiro “não sabe se escuta o ministro da saúde, se escuta o presidente, quem é que ele escuta”.

“Espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentamento dessa situação possa ser comum e que a gente possa ter uma fala única, uma fala unificada. Porque isso leva para o brasileiro uma dubiedade”, afirmou

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Amon Carlos de Oliveira disse:

    Eu já teria mandado esse cara pra casa faz tempo, Ele é um provocador, a entrevista ao fantastico da rede globo diz tudo, imagine você ser inimigo politico de alguém, e, seu ministro ir passar o final de semana comendo churrasco com o adversario, é de lascar não?

  2. Júnior disse:

    Esse Ministro é um político sem vergonha, mal caráter, fazendo um papel ridículo que é não respeitar seu superior.
    Qualquer um que botar no lugar dele vai ser melhor. Passou da hora de levar uma canetada !

  3. Mari disse:

    Esse aí coitado, ta com os dias contados.
    E tem que botar pra fora mesmo.
    Aliás, ja passou do tempo, um insubstituível no mundo, ainda tá pra nascer.
    Esse é da corja do Botafogo, não era nem pra ter sido nomeado.
    Mas, tem nada não, o dia dele vai chegar, está bem pertinho.

  4. Jr disse:

    Não sei o porque de tanto mi mi mi! Ele externou uma posição que já conhecida de todos, pública e notória! O problema maior para parte das pessoas não é o que ele falou, mas onde ele falou! Se tivesse dito as mesmas coisas na Band, Record ou SBT não haveria essa indignação toda. Com relação em estar pensando na eleição, o Presidente também está! Nessa história não há inocentes.

  5. Leo disse:

    Isso que esse ministro politiqueiro faz,qualquer profissional de saúde faz,esse idiota apenas segue um protocolo,enganar os otários com palavreado do politiques e só o que ela faz com maestria….

  6. Carlos disse:

    Vejo o contrário, o Bozo psicopata confrontando o Mandetta, o Ministério da Saúde, a OMS e todas as recomendações médicas internacionais. E os burros amestrados surfando na onda, buscando o passaporte para a outra dimensão.

    • Severino disse:

      Mais um que acredita na OMS depois de tudo. Paciência. Não existe unanimidade em muitas recomendações médicas. Paciência.

    • Bento disse:

      Falou o defensor de Mannetta, Witzel Rivotril, Dorinha Égua de Tróia, Pandemaia, Coronacirús, O Poste do Andrade, Dilmanta, Batoré Alcolumbre e o pai dos burros lula o cachaça.
      EEEEiiiiiiiitttaaaaaaaaaa turminha boa essa tua.

  7. Joaquim disse:

    Esse ministro é um político igual aos outros . Só quer holofote

  8. Brasil mostra sua cara disse:

    Pobre Judite, o que esse politiqueiro mandeta faz além de comandar uma equipe que o Terra faria muito melhor, agora te pergunto Judite? Se mandeta morresse o ministério da saúde iria se acabar? Não existe ninguém insubstituível. Ele tá fazendo Ibope pra ser candidato a governador no mato grosso, acorde Judite.

  9. Judite disse:

    Não faça isso ministro, não entre nesse jogo, foco como vc vinha fazendo , foco pelas vidas, precisamos de vc.

COMENTE AQUI