Milton Ribeiro aceita convite de Bolsonaro para ser ministro da Educação

Foto: Reprodução

O pastor presbiteriano Milton Ribeiro aceitou o convite do presidente Jair Bolsonaro para ser ministro da Educação, apurou a CNN nesta sexta-feira (10). A expectativa é de que Bolsonaro anuncie ainda hoje o novo nome para o MEC.

Integrante da Comissão de Ética Pública da Presidência da República desde maio de 2019, Ribeiro é vice-presidente do conselho deliberativo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, onde foi vice-reitor. Segundo a universidade, Ribeiro é doutor em Educação pela USP e mestre em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ele também tem graduação em teologia e em direito.

Apesar de Ribeiro ser da Igreja Presbiteriana, seu nome não é consenso na bancada evangélica da Câmara. Muitos integrantes da frente apoiavam o nome do reitor do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica), Anderson Ribeiro, para o MEC.

Segundo fontes ouvidas pela CNN agora à tarde, o presidente chegou a sondar, por meio de interlocutores, a bancada evangélica para saber se eles fariam uma carta de apoio a Milton Ribeiro — o que não aconteceu. A escolha foi sustentada por integrantes do núcleo duro do governo.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Beto Araújo disse:

    Ele é melhor do quê todos os desqualificados que a famíglia arranjou. Conhecereis a verdade e a verdade vós libertará. Ou eu tô errado?

  2. N.Silva disse:

    Qualquer um que fosse indicado seria melhor do que os ex-ministros de educação do governo do PT, ao qual deixou o país em último lugar do PISA.

    Dizem que investe na educação, mas estamos nas últimas colocações em virtude dos péssimos resultados durante os 16 anos.

    • .40 disse:

      Muuuuuuuuuuuuu. PTralhas nunca mais, mas esse desqualificado presidente também é uma negação em todas as áreas, aliás, todas as áreas não, para a família dele, ele é excelente.

    • Brasil disse:

      Exatamente. Até porque muitos não tem que ficar toda hora falando de política. Tem que ensinar o que é necessário para os estudantes.

Bolsonaro exige checagem de currículo de Decotelli e posse de ministro da Educação é adiada

Foto : Marcos Oliveira / Agência Senado

Marcada para esta terça-feira(30), a posse do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, foi adiada. Não há ainda nova data para Decotelli tomar posse — se é que um dia tomará.

As revelações de que Decotelli fraudou seu currículo, com doutorado (na Argentina) e pós-doutorado (na Alemanha) inexistentes, são o motivo do adiamento.

Jair Bolsonaro exigiu uma rechecagem do currículo de Decotelli. Quem fará o pente-fino será a Abin, que deixou passar por debaixo das pernas esse vexame.

Lauro Jardim – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. François Cevert disse:

    Pelo visto vai sobrar apenas um EJA (Educação de Jovens e Adultos) pra esse senhor!!!

  2. Morais disse:

    É pra rir ou pra chorar? Nossa situação é cada vez mais incerta!

  3. Atento disse:

    Pessoal, esse ministro da educação é um tremendo 171, se brincar ele é apenas cabo da marinha.

  4. Emerson Fonseca disse:

    Kkkkk… A rede de informação do Bozo, tá realmente " furada " 😂😂😂😂😂😂

  5. Justus disse:

    Militar recebeu aumento? Nem Folha, nem Globo, nem CNN noticiaram. Que furo de reportagem! Como tem bem informado aqui. Nem os militares sabem.

    • Douglas disse:

      NA CBN
      Sem transparência, reajuste a militares dribla proibição de aumento de salários na pandemia
      Por Míriam Leitão
      29/06/2020 • 09:59
      O aumento no vencimento dos militares vai ocorrer justamente durante a pandemia. Em julho começa a valer o novo cálculo, que pode elevar o benefício em até R$ 1.600 para o servidor das Forças Armadas. Será difícil o governo se explicar. Ele está contornando a proibição de aumentos de salários nesse período, medida que ele mesmo apoiou. Além disso, o impacto desse artifício nas contas públicas não foi divulgado. O Ministério da Economia precisa mostrar os cálculos desse impacto.

  6. Zanoni disse:

    Se brincar, nem curso superior tem! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  7. Observando. disse:

    Presidente, da proxima vez faça o pedido a Abin previamente. Ou solicite ajuda a Cia, com seu amigo Trump.

  8. Douglas disse:

    Ele deve tá rindo assim contente com o aumento – R$ 1.500,00 – que o presidente, em plena pandemia, deu aos militares. Enquanto isso, Paulo Guedes fez de tudo para cortar os salários dos outros funcionários públicos. É o Brasil!!!

  9. Luiz Antônio disse:

    E tem gente sem noção que acha que militar é a solução.

  10. Antonio Turci disse:

    No lugar deste senhor, pederia desculpas ao Presidente, ao país, agradeceria, pegaria o boné. Ir embora é o melhor que ele poderá fazer.

Universidade alemã não confirma pós-doutorado de ministro da Educação

Foto: Divulgação

Após a Universidade de Rosário afirmar que o ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, não terminou seu doutorado na instituição, seu pós-doutorado também foi colocado em xeque. Contatada, a Universidade de Wuppertal (Bergische Universität Wuppertal), onde o professor afirma ter concluído seu pós-doutorado, respondeu que ele não esteve na universidade por todo o período que consta em seu currículo.

Decotelli foi nomeado Ministro da Educação na última quinta-feira, 25.

Segundo a instituição alemã, Decotelli de fato esteve na universidade, para uma pesquisa de três meses em 2016, na cadeira de uma professora que é agora emérita na instituição.

Segundo o currículo Lattes de Decotelli, cuja última edição havia sido feita em 27 de junho no momento desta reportagem, o professor teria obtido seu pós-doutorado na Universidade de Wuppertal entre 2015 e 2017 (sem indicar os meses).

O título de pós-doutor, na academia, não implica em um título formal como mestrado ou doutorado, e requer um trabalho em pesquisa feito por um doutor, no geral, por períodos de pelo menos um ano. Mas o próprio título de doutorado de Decotelli foi questionado na semana passada pela Universidade de Rosário, na Argentina, que afirma que ele não teve a tese aprovada.

A nota enviada pelo departamento de imprensa da Universidade de Wuppertal, em inglês, por e-mail e por mensagem no perfil oficial do Facebook, diz que Decotelli “não obteve um título em nossa universidade”, mas que a universidade não pode fazer declarações sobre títulos obtidos no Brasil. É comum, para universidades, receber professores estrangeiros como pesquisadores e professores visitantes, sem a obtenção de um título específico.

O currículo Lattes é um documento eletrônico usado por pesquisadores brasileiros para registrar sua produção e experiência acadêmica. A plataforma é controlada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), mas o preenchimento é feito pelo próprio usuário.

Doutorado na Argentina

O reitor da Universidade Nacional de Rosário na Argentina, Franco Bartolacci, usou sua conta oficial do Twitter na sexta-feira, 26, para dizer que Decotelli não obteve o título de doutor na faculdade argentina.

“Nos vemos na necessidade de esclarecer que Carlos Alberto Decotelli da Silva não obteve na @unroficial o título de doutor que se menciona nesta comunicação”, escreveu Bartolacci, citando uma publicação do presidente Jair Bolsonaro em que consta a titulação do novo chefe do MEC.

A reportagem procurou o MEC, que enviou um documento da Universidade de Rosário mostrando que Decotelli cursou todos os créditos do curso. Não foi esclarecido se isso basta para lhe conferir o título de doutor. Segundo disse o reitor da universidade argentina em entrevistas, Decotelli de fato cursou o doutorado, mas não concluiu o programa.

Além de doutorado e pós-doutorado, em seu currículo, Decotelli informa ainda que é formado em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e mestre em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No mestrado, surgiram ainda nos últimos dias acusações de que sua tese, obtida em 2008, teria sido plagiada. Em nota sobre o mestrado, o MEC disse que o ministro “refuta as alegações de dolo, informa que o trabalho foi aprovado pela instituição de ensino e que procurou creditar todos os pesquisadores e autores que serviram de referência”, que eventuais omissões são resultado de “falhas técnicas ou metodológicas”. O MEC diz ainda na nota que Decotelli “revisará seu trabalho e que, caso sejam identificadas omissões, procurará viabilizar junto à FGV uma solução para promover as devidas correções”.

A última modificação no currículo de Decotelli foi feita em 27 de junho, após as controvérsias sobre o doutorado. Mas o professor não retirou a titulação de doutorado ou pós-doutorado.

Procurado nesta manhã sobre a titulação de pós-doutorado de Decotelli, o MEC ainda não se manifestou. O espaço segue aberto para manifestações.

Leia a nota completa enviada pela Universidade de Wuppertal.

Carlos Decotelli veio para a cadeira da Prof. Dr. Brigette Wolf para uma pesquisa de três meses em 2 de janeiro de 2016.

Até 2017, ela foi professora de teoria do design, com foco em: metodologia, planejamento e estratégia na Universidade de Wuppertal e é agora emérita.

Ele não obteve um título em nossa universidade. A Universidade de Wuppertal não pode fazer nenhuma declaração sobre títulos adquiridos no Brasil.

*A reportagem foi atualizada para esclarecer as especificidades do trabalho de pós-doutorado, que não está ligado à obtenção de um título formal em universidades.

Exame

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Beto Araújo disse:

    Sem agressões, é no mínimo desagradável se tratando de um ministro de educação.

  2. LUIS 51 disse:

    Quem aguentou O Cachaceiro por 2 mandatos, Dilmanta quase 2 mandatos,aguenta Tiririca 50 mandatos como Presidente!!!

  3. Paulo disse:

    Ninguém está falando de PT, o fato é que esse senhor mentiu descaradamente sobre seu currículo, isso é CORRUPÇÃO seja nesse ou naquele governo. O que não pode é achar que é normal e justificar com um argumento que, já está provado não funciona, porque os defensores da justiça estão fazendo descaradamente atos injustos.

  4. Manoel disse:

    O bom é o gado defendendo mais um mentiroso no governo.
    O mau caratismo é o forte dessa gente.

  5. José disse:

    É igual ao bozo, sem qualificação!

  6. realista disse:

    tem nada não, tivemos um presidente sem nenhum diploma, semi-analfabeto e chaceiro , o que vier é lucro.

  7. FRANCISCO disse:

    Não há problema em ele não ter a titulação que informara, mas asnice é ele pensar que em um mundo interligados não se chegaria o curriculo de uma figura pública.

  8. Neto disse:

    Bom é Mercadante né? Rs

  9. Nelson Maia disse:

    Daqui há pouco vão dizer que ele nem negro é.
    Meu Deus, deixem Bolsonaro governar!

  10. Kátia disse:

    Pense como o danado ri. Será da nossa cara?

  11. Nono Correia disse:

    O curioso é que essa gentalha desse (des) governo odeia educação, mas adora colocar no currículo títulos que não possuem Tudo nesse governo é mentira.

  12. Ivan disse:

    Neste desgoverno sem “Educassāo” tudo é FAKE. É constrangedor ver um militar de alto coturno embusteiro. Aonde chegamos!!!

    • Alta.ir disse:

      Bom governo foi o dos petralhas. Enterraram a educação e arrombaram os cofres do país. PT nunca mais!

Ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, anuncia liberação de recursos para obra de engorda da Praia de Ponta Negra

No segundo dia de visitas técnicas no Rio Grande do Norte, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, anunciou a liberação de R$ 39 milhões em recursos federais para a obra de engorda da Praia de Ponta Negra em Natal.

O início das obras depende de uma regularização nos processos de licenciamento junto ao Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e ao Instituto de Defesa do Meio Ambiente (Idema-RN).

Com informações do G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Parabéns Rogério Marinho. Atualmente o melhor político do RN.

  2. Gustavo disse:

    O início das obras depende de uma regularização nos processos de licenciamento junto ao Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e ao Instituto de Defesa do Meio Ambiente (Idema-RN).
    Esse é o problema. Esses burocratas são avessos ao progresso…

  3. Pepe disse:

    Esta é a chance de Ponta Negra recuperar a beleza perdida.

VÍDEO: Veja a íntegra da posse do Ministro da Comunicações, Fábio Faria

 

O presidente da República, Jair Bolsonaro, empossou nesta quarta-feira (17) o deputado Fábio Faria (PSD-RN) como ministro do Ministério das Comunicações, recriado por Bolsonaro na semana passada.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, compareceram à cerimônia mas não discursaram ao microfone.

Para a recriação da pasta, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, chefiado por Marcos Pontes desde o início do governo Bolsonaro, foi desmembrado em dois: Ministério das Comunicações e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Juliana disse:

    Será porque foi por capacidade ou porque ele. Agora e bravanel

  2. Silvio disse:

    Alô centrão! Quem quer dinheirooooo??? Arrai! Ihiii!!!

  3. Kemps disse:

    Eita!!!!
    A petezada hoje não dorme.
    Kkkk

FOTOS: Com presença de autoridades, Bolsonaro dá posse a Fábio Faria como ministro das Comunicações

Fotos: Reprodução/TV Brasil

Em seu primeiro discurso, Faria reforça tom pacificador e revela prioridade de ampliar a inclusão digital dos brasileiros

O presidente da República, Jair Bolsonaro, deu posse nesta quarta-feira (17) a Fábio Faria no Ministério das Comunicações. Em cerimônia no Palácio do Planalto, o novo ministro revelou algumas das prioridades que deverão nortear sua atuação: a pacificação e a inclusão digital dos brasileiros.

Faria destacou em seu primeiro discurso a transformação e o impacto da pandemia do coronavírus na vida das pessoas e de que forma essas mudanças vão impulsionar novas ações do Governo. Com demandas urgentes como comunicação interpessoal virtual, reuniões por videoconferência, aulas online, home office, telemedicina e tramitação digital de processos, o ministro das comunicações pontuou o que considera prioridade para que a sociedade se adapte à nova realidade.

“Fazer o processo de inclusão digital andar a passos largos, porque ainda há uma grande parcela da população sem acesso à internet, milhões de crianças que não conseguem assistir às aulas online e adultos que não têm como trabalhar remotamente”, frisou o ministro, acrescentando que um dos desafios da sua pasta é democratizar o acesso às tecnologias de vanguarda da comunicação, para conectar todos os cidadãos na chamada sociedade da informação.

Fábio Faria revelou a orientação do Presidente Bolsonaro de que a internet em banda larga chegue a cada cidadão desse país. E sinalizou que o “passo fundamental para esse objetivo é a implementação da infraestrutura para o 5G, que permitirá altíssima potência e qualidade com impacto significativo na economia, além de proporcionar aos brasileiros grande acesso ao conhecimento”.

Perfil pacificador

O novo ministro é conhecido pelo bom trânsito entre os Poderes, característica que mais uma vez ficou clara em seu discurso. “O grave momento exige de nós uma postura de compreensão, de abertura ao diálogo. É preciso, sobretudo, respeito, e que deixemos as nossas diferenças político-ideológicas de lado, para enfrentarmos esse inimigo invisível comum, que, lamentavelmente, tem tirado a vida de milhares de pessoas e gerado danos incalculáveis à economia. É hora de pacificar o país!”, ressaltou Faria.

O ministro ainda sinalizou para a imprensa. Destacou a força de abrangência da TV aberta, o poder e o alcance do rádio e (destacou algo em específico?) dos jornais, “que tanto ajudam a aprofundar as reflexões da sociedade”, somados à internet. Para o ministro, todos compõem o palco da liberdade de expressão, pilar de nossa democracia.

Finalizando o discurso de posse, Fábio elogiou a forma inovadora do presidente Bolsonaro na comunicação direta com a população, por meio das redes sociais, um movimento digital espontâneo, que ele considera com potencial para mudar o Brasil e o mundo.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, compareceram à cerimônia mas não discursaram ao microfone. Segundo Fábio Faria, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) acabou se atrasando.

Fotos: Cedidas

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carlos disse:

    Vamos ver se o SBT vai atacar o Presidente .
    Silvio Santos é muito inteligente , quem entende , entenderá !

  2. Ronaldo disse:

    Prestígio quem tem mesmo é Silvio Santos , kkkkkkkkkkkk !

  3. João Macena disse:

    Nunca votei em Fábio Faria. Não sou radical. Estou torcendo pelo mesmo, no Ministério das comunicações. João Macena.

  4. Raimundo disse:

    Prestígio quem tem é ele!
    Presidente da câmara, do STF, do STJ até do Flamengo foi a posse

  5. Luana disse:

    Lindo, tesão, bonito e gostosão

Ministro da Justiça pede inquérito para apurar charge reproduzida pelo jornalista Ricardo Noblat que associa Bolsonaro ao nazismo

Foto: Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo

O ministro da Justiça, André Luiz Mendonça, anunciou nesta segunda-feira(15) que pediu à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República (PGR) que abram um inquérito para investigar uma charge reproduzida pelo jornalista Ricardo Noblat que associa o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao nazismo.

“Solicitei à @policiafederal e à “MPF_PGR abertura de inquérito para investigar publicação reproduzida no Twitter ‘Blog do Noblat’, com alusão da suástica nazista ao presidente Jair Bolsonaro. O pedido de investigação leva em conta a lei que trata dos crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, em especial seu art. 26”, justificou Mendonça em uma rede social.

Noblat compartilhou uma charge de Renato Aroeira em que Bolsonaro aparece com um pincel e um balde de tinta preta nas mãos após pintar as pontas de uma cruz vermelha, que remete ao símbolo usado em hospitais e ambulâncias. A cruz, então, se transforma em uma suástica, símbolo do regime nazista.

Veja mais – FOTO: “Falsa imputação de crime é crime”. O senhor Ricardo Noblat e chargista estão imputando ao Presidente da República o gravíssimo crime de nazismo”, condena Secom, que anuncia processo

Mais cedo, a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) já havia anunciado que Noblat e Aroeira seriam processados por suposto crime de falsa imputação contra Bolsonaro..

“O senhor Ricardo Noblat e o chargista estão imputando ao Presidente da República o gravíssimo crime de nazismo; a não ser que provem sua acusação, o que é impossível, incorrem em falsa imputação de crime e responderão por esse crime”, escreveu o perfil oficial da Secom.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. MORO 2022 disse:

    Quando Sérgio Moro for o nosso presidente, esses problemas não vão existir.

  2. Cigano Lulu disse:

    O papel do humor na imprensa livre não é outro senão este mesmo: o papel higiênico.

  3. Sorim disse:

    Tem que processar mesmo. De Bolsonaro solta um peido, tem que responder. A justiça é só pra um lado?

  4. Cadê Fátima disse:

    Mito 2022!!
    Ponto final.Tá

  5. Raimundo disse:

    Está certo o ministro, até hj o pr leva porrada todo dia e nunca se defendeu! Está na hora sim de revidar!

  6. Pedro Henrique disse:

    Ministro da Justiça agora virou advogado do presidente. Babão!

  7. O rei do gado disse:

    Metade do brasileiros pensam isso, entre ele, eu!

    • Brasil disse:

      Você tem certeza que é um Deus inexorável. Não vê o avanço nas liberdades individuais promovidos pelo STF, congresso e governadores. Isso foi o que ocorreu quando o nazismo subiu ao poder.

  8. Cabo Silva disse:

    Vale tudo pela toga do STF

Governo revoga MP que permitia ao ministro da Educação escolha livre de reitores

O presidente Jair Bolsonaro revogou, nesta sexta-feira (12), a medida provisória que dava ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, o poder de nomear reitores por escolha própria para universidades federais durante a pandemia do coronavírus.

A MP tinha sido editada na terça (9), e previa essa possibilidade na substituição de todos os reitores e pró-reitores cujos mandatos terminassem ao longo da pandemia. No processo regular, o MEC escolhe o dirigente a partir de uma lista tríplice, montada com os votos de alunos, professores e servidores.

Pela manhã, o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), devolveu a MP dos reitores ao Palácio do Planalto. Com isso, o texto perdeu a validade.

O presidente Jair Bolsonaro revogou, nesta sexta-feira (12), a medida provisória que dava ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, o poder de nomear reitores por escolha própria para universidades federais durante a pandemia do coronavírus.

A MP tinha sido editada na terça (9), e previa essa possibilidade na substituição de todos os reitores e pró-reitores cujos mandatos terminassem ao longo da pandemia. No processo regular, o MEC escolhe o dirigente a partir de uma lista tríplice, montada com os votos de alunos, professores e servidores.

Pela manhã, o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), devolveu a MP dos reitores ao Palácio do Planalto. Com isso, o texto perdeu a validade.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Por isso a melhor faculdade do Brasil ,a USP, ocupa a horrorosa 251 posição no mundo.
    As ideologias implantadas por estes reitores nas faculdades farão o Brasil ficar há cada ano que passa terem sua capacidade de ensino cada vez menor.

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    Uma atitude de bom senso.

Após Bolsonaro reclamar de “minuta de portaria apócrifa”, ministro da Saúde exonera autores de nota sobre acesso a aborto legal durante pandemia

O general Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde Foto: José Dias/PR

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, exonerou autores de nota técnica da pasta que recomendavam a continuidade dos serviços de saúde que garantem o acesso a métodos contraceptivos de emergência e ao aborto permitido em lei durante a pandemia do novo coronavírus.

A demissão ocorreu após o presidente Jair Bolsonaro reclamar nas redes sociais, nesta semana, chamando a nota de “minuta de portaria apócrifa sobre aborto que circulou na internet”.

Foram exonerados Flávia Andrade Nunes Fialho, do cargo de Coordenadora de Saúde das Mulheres, e Danilo Campos da Luz e Silva do posto de Coordenador de Saúde do Homem, ambos da Coordenação-Geral de Ciclos da Vida, que faz parte da Secretaria de Atenção Primária à Saúde da pasta.

Também assinou a nota técnica Maria Dilma Alves Teodoro, diretora-substituta do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas do ministério. O documento foi divulgado em sistema interno pelo ministério e repassado a estados e municípios.

Desde que a nota técnica passou a circular nas redes sociais, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro atacaram o texto, dizendo que o aborto seria ampliado na rede pública de saúde.

O documento, no entanto, cita diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS) para afirmar que os serviços de atendimento à saúde sexual e reprodutiva, como o acesso a contraceptivos e direito ao aborto nos casos previstos em lei, devem ser considerados essenciais e não podem parar devido à pandemia no país.

“Segundo a OMS, as unidades que oferecem serviços de SSSR (saúde sexual e reprodutiva) são consideradas essenciais, e os serviços não devem ser descontinuados durante a pandemia do COVID-19. Tendo em vista a desigualdade social no país, a dificuldade de oferta de alguns serviços de saúde para as populações vulneráveis nos diferentes estados, surge a necessidade de ações equânimes para assegurar o acesso a SSSR de qualidade, com vistas a reduzir a gravidez não planejada e eliminar a violência contra mulher”, afirma a nota técnica.

“Os fatores relacionados acima têm potencial para impactar diretamente na SSSR das adolescentes e mulheres. Portanto, devem ser considerados como serviços essenciais e ininterruptos a essa população: os serviços de atenção à violência sexual; o acesso à contracepção de emergência; o direito de adolescentes e mulheres à SSSR e abortamento seguro para os casos previstos em Lei; prevenção e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis, incluindo diagnóstco e tratamento para HIV/AIDS; e, sobretudo, incluindo a contracepção como uma necessidade essencial”, aponta em outro trecho.

No documento, o Ministério da Saúde orientava as redes de atendimento a manter as ações existentes com o reforço de novas práticas no contexto da pandemia. Entre outras medidas sugeridas estão difundir amplamente informações às usuárias sobre os métodos contraceptivos e como acessá-los; garantir insumos (contraceptivos modernos, materiais educativos e de aconselhamento), monitorar os estoques, capacitar toda a equipe de saúde para abordagem sobre violência sexual.

“Aproveitar a presença de usuárias em qualquer ponto de atenção para ofertar aconselhamento em planejamento sexual e reprodutivo” é um das ações descritas que incomodaram apoiadores de Bolsonaro, segundo postagens nas redes sociais. Outra orientação atacada pelo grupo na internet é “garantir e ampliar a oferta de inserção do DIU de cobre nas maternidades, como ação complementar à Atenção Básica, durante o período pós-parto e pós-aborto imediato”.

Bolsonaro postou, em uma rede social, na última quarta-feira, que o Ministério da Saúde procurava identificar os autores da “minuta de portaria apócrifa sobre aborto que circulou hoje pela internet’. “O MS segue fielmente a legislação brasileira, bem como não apoia qualquer proposta que vise a legalização do aborto, caso que está afeto ao Congresso. Outrossim, como já declarado em inúmeras oportunidades, o Presidente Jair Bolsonaro é contrário a essa prática”. O texto vem com assinatura do ministro interino, Eduardo Pazuello.

Na quinta-feira, após a postagem de Bolsonaro, o Ministério da Saúde divulgou nota oficial para dizer que o documento não tinha “legitimidade” porque o assunto não havia sido “discutido” na pasta, e afirmou que os responsáveis pela elaboração e divulgação não autorizada da minuta seriam identificados.

“A Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS), do Ministério da Saúde, informa que o documento indevidamente veiculado em mídias sociais e meios de comunicação social, referente à minuta da Nota Técnica nº 16/20, elaborada pela Coordenação de Saúde da Mulher (COSMU/SAPS), não foi demandada nem apreciada por esta Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Desta forma, a referida minuta não possui legitimidade desta Secretaria e o assunto em comento não foi discutido no âmbito do Ministério da Saúde. Informamos que as medidas administrativas foram adotadas para identificar a falha processual e os responsáveis pela elaboração e divulgação não autorizada da referida minuta”, diz a nota da pasta.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Clara disse:

    Mistura de perversidade com raiva de mulher…

  2. Cigano Lulu disse:

    Não há um único dia no calendário, desde a posse, que o governo Bolsonaro não tenha gerado notícia negativa. Urucubaca forte passou ali e ficou.

  3. Observando. disse:

    Aborto Legal. O Código Penal, em seu artigo 128, prevê que ele não é punido nos casos de que a gravidez seja fruto de estupro e quando há risco de vida para a mãe. Em 2012, o Supremo Tribunal Federal decidiu ainda que não deve ser punida a interrupção da gravidez em casos de anencefalia.

Após participar de ato no domingo, ministro da Defesa se reúne com Moraes, do STF

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, se reuniu nesta segunda-feira (1º), em São Paulo, com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, relator dos inquéritos que apuram a produção de fake news e o financiamento de manifestações antidemocráticas.

O blog confirmou o encontro com fontes do Ministério da Defesa, segundo as quais Azevedo e Moraes trataram de “assuntos diversos sobre o país”. A reunião entre os dois se deu no final da tarde de segunda, na casa do ministro do STF, na zona sul da capital paulista.

O encontro ocorreu após o ministro da Defesa sobrevoar, com o presidente Jair Bolsonaro, o protesto antidemocrático no domingo (31).

Para fontes do STF, ouvidas pelo blog, os últimos atos do ministro da Defesa, chefe das Forças Armadas, preocupam. Há duas semanas, ele chancelou a nota de Augusto Heleno falando em consequências imprevisíveis se o celular do presidente fosse apreendido por uma decisão do STF.

Depois, houve a participação no protesto de domingo. De acordo com pessoas próximas ao ministro da Defesa, Azevedo fez o sobrevoo das manifestações com Bolsonaro porque se tratava de uma atividade de segurança, e não qualquer ato político.

Para fontes do STF e do Congresso, a participação do ministro da Defesa no ato, além da nota, passam sinais de que as Forças Armadas apoiariam as manifestações e também de endosso aos ataques a ministros do STF, como Alexandre de Moraes — o que a pasta nega.

Por isso, foi bem-visto o gesto de ontem, de aproximação entre o ministro da Defesa e o ministro do STF.

Blog da Andréia Sadi -G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Mordido pela mosca azul?

  2. Sérgio disse:

    O que seria um protesto democrático?
    É um protesto na paz ou uma quebradeira. Acho que estou ficando maluco!
    Se os protestos de Bolsonaro são antidemocrático e os antifas são democráticos, acho que estou doido!

  3. Josiel disse:

    MORDE E ASSOPRA.
    NO MELHOR ESTILO DO "SE COLAR, COLOU!"

  4. MOURÃO JÁ disse:

    Será que já estão nos acertos da posse do General Mourão? Se for, será uma excelente saída para a nação.

    • Maria disse:

      Trocar 6 por meia duzia! Grande saida. Eu penso que os brasileiros ainda vivem nas cavernas ou como diziam, enganavam os indios com eepelhos…

Ministro André Mendonça pede para PF apurar vazamento de dados de Bolsonaro

Foto: Denio Simões/Valor

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, pediu à Polícia Federal abertura de inquérito para investigar o vazamento de supostos dados pessoais do presidente Jair Bolsonaro, seus filhos, ministros, empresário e políticos bolsonaristas.

O vazamento ocorreu na noite desta segunda-feira (1º) pelo grupo de hackers Anonymous Brasil.

Os hackers vazaram supostos dados cadastrais, como endereços e telefones pessoais e de vários contatos de familiares e outros, além de informações sobre suposto patrimônio dos atingidos.

Pouco depois da publicação, a rede social apagou as postagens. O Twitter também baniu o perfil do Anonymous Brasil, por violar as regras da empresa.

Entre as vitimas dos ataques do Anonymous estão o presidente, seus filhos (o senador Flávio Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro); os ministros da Educação, Abraham Weintraub, a ministra da Mulher e Direitos Humanos, Damares Alves, o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) e o empresário Luciano Hang, apoiador do governo.

Douglas Garcia confirmou o vazamento de seus dados e acusou a ação criminosa dos hackers, em rede social. Ele disse que registrará boletim de ocorrência policial sobre a invasão.

Carlos Bolsonaro confirmou o vazamento de seu dados. Ele acusou, numa rede social, “a turma pró- democracia” pelo vazamento, sem apresentar provas.

Procurado, o Palácio do Planalto ainda não havia se manifestado até a última atualização desta reportagem.

Em nota, o Ministério da Mulher e dos Direitos Humanos disse que repudia o vazamento e que se trata de uma violação aos direitos fundamentais.

“Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos repudia a divulgação criminosa de dados, em clara violação aos direitos fundamentais à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem. A divergência de ideias jamais deveria ser justificativa para a prática de ação totalitária e antidemocrática como esta. Que os responsáveis sejam devidamente identificados e processados, nos termos da lei”, afirmou o ministério comandado por Damares Alves.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo disse:

    BG
    E o stf vai deixar investigar????

Ministro da Justiça vê ‘atentado à democracia’ em operação da PF

Foto: Edu Andrade/Estadão Conteúdo

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, divulgou uma nota nesta quarta-feira (27) para dizer que a operação da PF (Polícia Federal) deflagrada para cumprir 29 mandados no inquérito das fake news fere a democracia. Entre os alvos da operação estão deputados ligados ao presidente Jair Bolsonaro.

Na avaliação de Mendonça, os parlamentares têm garantia “a ampla imunidade por suas opiniões, palavras e votos”. “Intimidar ou tentar cercear esses direitos é um atentado à própria democracia”, avaliou o ministro sobre o inquérito que investiga ameaças e difamação contra os ministros do Supremo e suas famílias.

“Vivemos em um Estado Democrático de Direito. É democrático porque todo o poder emana do povo. E a este povo é garantido o inalienável direito de criticar seus representantes e instituições de quaisquer dos Poderes”, escreveu Mendonça.

Mendonça ressalta ainda que “as diligências realizadas pela Polícia Federal nesses casos se dão no estrito cumprimento de ordem judicial” e defende que “que todas as investigações sejam submetidas às regras do Estado Democrático de Direito, sem que sejam violados pilares fundamentais e irrenunciáveis da democracia.”

Leia a íntegra da nota:

“Diante dos fatos relacionados ao Inquérito 4.781, em curso no Supremo Tribunal Federal, pontuo que:

1. Vivemos em um Estado Democrático de Direito. É democrático porque todo o poder emana do povo. E a este povo é garantido o inalienável direito de criticar seus representantes e instituições de quaisquer dos Poderes. Além disso, aos parlamentares é garantida a ampla imunidade por suas opiniões, palavras e votos.

2. Intimidar ou tentar cercear esses direitos é um atentado à própria democracia.

3. De outra parte, esclareço que, em 2019, enquanto Advogado-geral da União, por dever de ofício imposto pela Constituição, defendi a constitucionalidade do ato do Poder Judiciário. Em nenhum momento, me manifestei quanto ao mérito da investigação e jamais tive acesso ao seu conteúdo.

4. Da mesma forma, as diligências realizadas pela Polícia Federal nesses casos se dão no estrito cumprimento de ordem judicial.

5. Assim, na qualidade de Ministro da Justiça e Segurança Pública, defendo que todas as investigações sejam submetidas às regras do Estado Democrático de Direito, sem que sejam violados pilares fundamentais e irrenunciáveis da democracia.

Brasília, 27 de maio de 2020.

André Luiz de Almeida Mendonça
Ministro da Justiça e Segurança Pública”

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. sps disse:

    Atentado a democracia, é uma reunião presidencial, onde se expõe , claramente agravos ao STF, onde passa boiada, quando uma ministra passa colocações sobre prender governadores, que lutam contra a " gripezinha", onde o presidente chama eleitores de bostinha e por aí vai.. Isso atenta contra a democracia. Sem falar no gabinete do ódio.

  2. Marcelo disse:

    Quando atinge gente do Bozo é contra, quando atinge os contrários ao Bozo é a favor. Acho que ele deveria ficar é calado pra não passar vergonha e deixar a PF trabalhar em paz.

  3. Emerson Fonseca disse:

    O Gado Minion, está desorientado, ontem aplaudiu a PF e a Justiça hoje crítica, está é a diferença entre o Gado Minion e seres humanos.

  4. Antonio Turci disse:

    O STF é a nossa Corte Suprema. Sabe o que faz.

  5. Santos disse:

    O presidente cobrou que seus ministros fizessem a sua defesa. Rapadura é doce, mas num é mole não.

    Moro caiu fora logo!

  6. Zé Mané disse:

    Foi só sair da AGU e virar MJ que o terrivelmente evangélico mudou de opinião. Acho que a crítica é facultada a qualquer um mas ameaças com uso da força merecem mesmo investigação e enquadramento.

  7. QUEIROZ 2022 disse:

    Quando as ações eram contra Dilma e Lula tudo era muito legal. Se for contra Witzel e Dória também é muito legal. Por favor alguém dá notícia de Queiroz???

  8. XHÁ DO AMAZONAS disse:

    Oxe!! Mudou de ideia? Amo passado quando foi aberto o processo contra a revista Crusoé ele não se manifestou contra. Agora que pegaram a turma dos Bolsominions ele ficou contra?

  9. Carlúcio disse:

    Isso é briga de facção. Viva a PF ontem, hoje e sempre.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Exatamente, e é por isso mesmo que certas instituições do País JAMAIS podem ser aparelhadas, para não correrem o risco de serem utilizadas por grupos políticos criminosos.

    • Alberto Santos disse:

      Carluxo concordo plenamente com vc amigo, Carlúcio desculpe ai o trocadilho kkkkkkkkkkkkkk.

    • Paulo disse:

      👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

    • Carlão disse:

      Pau que bate em Chico bate em Francisco. Que a PF investigue todos.

  10. Manoel disse:

    Ele defendeu a continuidade desse processo quando era da AGU…O que mudou?

Ministro da Infraestrutura aposta no sucesso na venda de aeroportos

Foto: © Fernando Frazão/Agência Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse nesta segunda-feira (25) que aposta no sucesso do programa de concessões de aeroportos públicos à iniciativa privada. Para o ministro, o projeto de transferir os 43 terminais hoje administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) à iniciativa privada não será afetada pelas consequências econômicas da pandemia da covid-19.

“Por mais surpreendente que possa parecer, digo que nós vamos arrebentar na venda de aeroportos”, disse Freitas durante seminário virtual com investidores do banco Santander, realizado esta manhã (25).

“[Vai ter quem diga] “Como assim? O mercado aéreo parou e vocês vão vender aeroportos?”. E eu respondo, vamos. E vamos vender pra caramba. Vamos vender muito. Vamos vender os 43 aeroportos. Por uma razão simples, ousadia”, disse o ministro, destacando que a oferta brasileira atrairá investidores estrangeiros em busca de boas oportunidades de negócios.

“Todo mundo está tirando aeroportos da praça e nós vamos colocá-los. Seremos praticamente vendedores exclusivos no mundo. Nossos ativos são excelentes e o setor vai retomar [as atividades]”, disse Freitas, acrescentando que, “além de oportunidades atrativas não só em aeroportos, mas em toda a infraestrutura nacional, o Brasil vem criando as condições para oferecer maior segurança aos negócios”.

“Lógico que [o setor aéreo] é o mais atingido pela crise e é o mais vulnerável a uma questão comportamental, mas tanto nós [o governo], quanto as empresas aéreas, vamos vir com os protocolos, os procedimentos de segurança e, então, aos poucos, o movimento vai ser retomado”, apostou Freitas, garantindo que o governo vai extinguir a obrigatoriedade de que 15% do capital do grupo econômico que assuma um aeroporto pertença a uma empresa aeroportuária.

“Vamos acabar com a restrição, permitindo que qualquer um possa operar um aeroporto com o suporte de um operador aeroportuário. Isto abre espaço para os fundos de investimento, fundos de pensão, fundos soberanos. O que já está repercutindo bem no mercado”, disse o ministro, confirmando a realização da sexta rodada de concessão para o primeiro trimestre de 2021, provavelmente, para o dia 21 de março.

Ofertas

A previsão é ofertar, na sexta rodada, 22 aeroportos agrupados em três blocos regionais com as configurações Bloco Sul: aeroportos de Curitiba; Foz do Iguaçu (PR); Londrina (PR); Bacacheri (PR); Navegantes (SC); Joinville (SC); Pelotas (RS); Uruguaiana (RS) e Bagé/RS. Bloco Central: aeroportos de Goiânia; Palmas (TO); Teresina (PI); Petrolina (PE); São Luís (MA) e Imperatriz (MA). Bloco Norte: aeroportos de Manaus; Tabatinga (AM); Tefé (AM); Rio Branco e Cruzeiro do Sul (AC); Porto Velho e Boa Vista.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), antes da crise causada pela pandemia, esses terminais respondiam pela movimentação de 11% de usuários de transporte aéreo. Em 2019, foram 23,9 milhões de embarques e desembarques.

“E já na sequência a gente vem com os aeroportos da sétima rodada, como Congonhas (em SP) e Santos Dumont (no Rio de Janeiro). Quem vai deixar de fazer negócios em Congonhas ou no Santos Dumont? Na Rodovia Presidente Dutra? No Porto de Santos? Então, temos portfólio, excelentes artigos e sofisticação na estruturação [dos contratos], pela forma como estamos tratando o risco, de forma cada vez mais equilibrada”, acrescentou o ministro, citando outros setores além do aeroportuário para reforçar as razões de seu otimismo.

“Estamos muito confiantes. E essa confiança não é desarrazoada. Ela nasce das conversas que temos tido com os investidores. Sabemos que estamos no caminho certo e vamos começar a perceber isso com os primeiros leilões bem-sucedidos. E vamos caminhando a passos lentos para atingir nossa meta de R$ 239 bilhões”, disse Freitas, garantindo que não faltará linhas de créditos. “Há que se ressaltar que não vai faltar crédito para a infraestrutura. A própria iniciativa do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] de atuar na questão das garantias, nesse momento em que o banco está fornecendo linhas de crédito para os diversos setores atingidos, preserva parte do capital para esses projetos de infraestrutura”.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão pagador de impostos disse:

    Vender qualquer bem público nesse momento é um ato criminoso. Vai vender a preço de banana

  2. Luiz disse:

    E essa bucha de São Gonçalo? Sinceramente, tenho pena de quem comprar aquele elefante branco.

Advogado-geral da União até essa segunda-feira, André Mendonça, novo ministro da Justiça, é pastor e tem boa relação com STF

Foto: Reprodução/Globo  News

Nomeado para o Ministério da Justiça, André Mendonça, que até esta segunda-feira (27) ocupava o cargo de advogado-geral da União, tem pós-graduação em direito pela Universidade de Brasília (UnB) e é pastor na Igreja Presbiteriana Esperança, em Brasília.

Ele é doutor em estado de direito e governança global e mestre em estratégias anticorrupção e políticas de integridade pela Universidade de Salamanca, na Espanha. Mendonça também já ganhou o Prêmio Innovare, que premia boas práticas do poder Judiciário.

O novo ministro, que como titular da AGU participou das sessões do Supremo Tribunal Federal (STF) e manifestou as posições da União em processos na Corte, tem interlocução com ministros do tribunal. Ele tinha sido escolhido para o cargo na AGU ainda na transição para o governo de Bolsonaro, logo após a eleição, em novembro de 2018.

Antes de assumir o cargo de ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), Mendonça atuou como corregedor-geral do órgão, entre 2016 e 2018. Ele também já tinha sido diretor do Departamento de Patrimônio Público e Probidade Administrativa da Procuradoria-Geral da União.

Em 2016, assumiu o cargo de corregedor-geral da AGU. Ele já coordenou equipes de negociação dos acordos de leniência celebrados pela AGU e pela Controladoria-Geral da União.

Em 2011, Mendonça venceu o Prêmio Innovare na categoria especial. Ele foi vitorioso por idealizar e coordenar um grupo dedicado à recuperação de ativos desviados em casos de corrupção, que recuperou bilhões de reais aos cofres públicos.

Nome foi cotado para STF

O nome de André Mendonça passou a ser mencionado nos bastidores do governo federal desde julho do ano passado. Na época, ele era cotado para virar ministro do STF, e o presidente Bolsonaro chegou a afirmar que indicaria um ministro evangélico para a Corte Suprema.

“Quantos tentam nos deixar de lado nos dizendo que o estado é laico? O estado é laico, mas nós somos cristãos. Por isso meu compromisso: poderei indicar dois ministros para o Supremo Tribunal Federal. Um deles será terrivelmente evangélico”, declarou o presidente em 2019.

PF fez busca por celular em favela

Ano passado, o nome de André Mendonça esteve no centro de uma polêmica envolvendo a Polícia Federal, que é subordinada ao Ministério da Justiça. A PF montou uma operação para recuperar o celular dele numa favela do Rio.

A corporação chegou a dizer, inicialmente, que o celular era de um delegado da PF, mas depois o próprio então advogado-geral da União comunicou ter perdido o celular, que tinha informações de estado.

Nome não era favorito para Justiça

O nome de André Mendonça não era o preferido de Bolsonaro para a pasta da Justiça. O presidente queria no comando do ministério Jorge Oliveira, atual ministro da Secretaria-Geral da Presidência e amigo íntimo da família Bolsonaro. O próprio Jorge Oliveira resistiu a suceder Moro e aconselhou o presidente a procurar outros nomes.

Para a vaga de Mendonça na AGU foi nomeado Jose Levi Mello do Amaral Júnior.

Saída de Moro

André Mendonça assume o Ministério da Justiça após a saída de Sergio Moro, que deixou o cargo na sexta-feira (24) acusando Bolsonaro de tentar interferir politicamente na Polícia Federal, o que o presidente nega. Um inquérito foi aberto no STF para investigar as declarações.

Além de Mendonça, Bolsonaro nomeou o novo diretor-geral da PF – o anterior, Mauricio Valeixo, foi demitido na sexta-feira passada pelo presidente, o que precipitou a saída de Moro.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. De Olho👀 disse:

    Previsível a indicação. Assim Bolsonaro faz uma média com Toffolli (tá precisando de uma força do STF), de quem André Mendonça é baba ovo.

  2. gusthenrique disse:

    Mas o principal atributo é ser amigo dos filhos do Jair. Assim como o novo chefe da PF.

  3. Cidadão pagador de impostos disse:

    Era assessor de Toffoli no STF.

  4. Genilson Carlos disse:

    Bom dia. Estamos em boas mãos. O ministro é gente boa.

  5. Vitor Silva disse:

    Bom dia. Agora que acabou o BBB vamos todos ler um livro chamado Constituição Federal, sobretudo em seu art. 86, que trata dos crimes de responsabilidade do Presidente da República.

  6. Nildo disse:

    Pastor? Esse sabe engansr as pesosas .

Atitude de Mandetta de confronto com Bolsonaro reduz apoio de militares a ministro

Foto: (Ueslei Marcelino/Reuters)

O apoio que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tinha no núcleo militar do Palácio do Planalto para continuar no cargo perdeu força na noite de domingo (13).

O tom adotado pelo auxiliar presidencial em entrevista concedida à Rede Globo foi avaliado pela cúpula fardada como uma provocação desnecessária, que atrapalha o esforço de se evitar uma troca no comando do Ministério da Saúde em meio à pandemia do coronavírus.

Na entrevista, Mandetta disse que o brasileiro não sabe se escuta ele ou o presidente Jair Bolsonaro sobre como se comportar durante a crise de saúde e alertou que os meses de maio e junho serão os mais duros.

Ele também criticou aglomerações em padarias. Na quinta-feira (9), novamente ignorando as recomendações de isolamento social, Bolsonaro entrou em uma padaria para fotos e cumprimentos a apoiadores.]

Para militares do governo, Mandetta fez um confronto público com Bolsonaro, não obedecendo à hierarquia do cargo, e reascendeu um conflito que havia diminuído de temperatura no final da última semana.

Na segunda-feira passada, o presidente, que já avaliava demitir o ministro após o pico da pandemia, considerou antecipar a decisão. Ele foi, no entanto, convencido pelo núcleo militar a aguardar até junho, para não piorar a crise de saúde.

A avaliação no Palácio do Planalto foi a de que Mandetta desprezou o esforço da cúpula fardada e está preocupado neste momento apenas com a sua imagem pública, em uma eventual tentativa de se candidatar a governador de Mato Grosso do Sul em 2022.

Apesar do incômodo com a postura do ministro, Bolsonaro indicou na noite de domingo (12) que não pretende afastar Mandetta do cargo neste momento. O presidente não quer correr o risco de ser responsabilizado sozinho caso o sistema de saúde entre em colapso.​

Segundo assessores palacianos, no final da tarde de domingo (12), o presidente foi informado que Mandetta havia concedido uma entrevista à Rede Globo naquela tarde.

Segundo relatos feito à Folha, ele assistiu ao conteúdo no Palácio da Alvorada e, para a surpresa de aliados, minimizou as declarações, avaliando que não foram graves.

Nesta segunda-feira (13), perguntado por jornalistas sobre a entrevista, o presidente disse que não assiste à Rede Globo e não quis comentar as declarações do auxiliar presidencial.

A relação entre Bolsonaro e Mandetta nunca foi próxima, sempre foi protocolar. O ministro foi indicado ao cargo pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), aliado de primeira hora do presidente, mas hoje rompido.

Pela falta de afinidade de ambos, Bolsonaro chegou a cogitar a sua substituição em setembro, mas desistiu ao constatar que ele tinha amplo apoio junto ao setor da saúde.

No início da pandemia do coronavírus, o presidente se queixou ao ministro de que ele deveria defender mais o governo e o repreendeu por ter participado de uma entrevista ao lado do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), adversário político de Bolsonaro.

Mandetta modulou sua retórica e passou a pregar a importância de a atividade econômica não parar. Ele, no entanto, não se dobrou à pressão do presidente contra a medida de isolamento social, o que iniciou o embate entre ambos.​

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Amon Carlos de Oliveira disse:

    Eu já teria mandado esse cara pra casa faz tempo, Ele é um provocador, a entrevista ao fantastico da rede globo diz tudo, imagine você ser inimigo politico de alguém, e, seu ministro ir passar o final de semana comendo churrasco com o adversario, é de lascar não?

  2. Júnior disse:

    Esse Ministro é um político sem vergonha, mal caráter, fazendo um papel ridículo que é não respeitar seu superior.
    Qualquer um que botar no lugar dele vai ser melhor. Passou da hora de levar uma canetada !

  3. Mari disse:

    Esse aí coitado, ta com os dias contados.
    E tem que botar pra fora mesmo.
    Aliás, ja passou do tempo, um insubstituível no mundo, ainda tá pra nascer.
    Esse é da corja do Botafogo, não era nem pra ter sido nomeado.
    Mas, tem nada não, o dia dele vai chegar, está bem pertinho.

  4. Jr disse:

    Não sei o porque de tanto mi mi mi! Ele externou uma posição que já conhecida de todos, pública e notória! O problema maior para parte das pessoas não é o que ele falou, mas onde ele falou! Se tivesse dito as mesmas coisas na Band, Record ou SBT não haveria essa indignação toda. Com relação em estar pensando na eleição, o Presidente também está! Nessa história não há inocentes.

  5. Leo disse:

    Isso que esse ministro politiqueiro faz,qualquer profissional de saúde faz,esse idiota apenas segue um protocolo,enganar os otários com palavreado do politiques e só o que ela faz com maestria….

  6. Carlos disse:

    Vejo o contrário, o Bozo psicopata confrontando o Mandetta, o Ministério da Saúde, a OMS e todas as recomendações médicas internacionais. E os burros amestrados surfando na onda, buscando o passaporte para a outra dimensão.

    • Severino disse:

      Mais um que acredita na OMS depois de tudo. Paciência. Não existe unanimidade em muitas recomendações médicas. Paciência.

    • Bento disse:

      Falou o defensor de Mannetta, Witzel Rivotril, Dorinha Égua de Tróia, Pandemaia, Coronacirús, O Poste do Andrade, Dilmanta, Batoré Alcolumbre e o pai dos burros lula o cachaça.
      EEEEiiiiiiiitttaaaaaaaaaa turminha boa essa tua.

  7. Joaquim disse:

    Esse ministro é um político igual aos outros . Só quer holofote

  8. Brasil mostra sua cara disse:

    Pobre Judite, o que esse politiqueiro mandeta faz além de comandar uma equipe que o Terra faria muito melhor, agora te pergunto Judite? Se mandeta morresse o ministério da saúde iria se acabar? Não existe ninguém insubstituível. Ele tá fazendo Ibope pra ser candidato a governador no mato grosso, acorde Judite.

  9. Judite disse:

    Não faça isso ministro, não entre nesse jogo, foco como vc vinha fazendo , foco pelas vidas, precisamos de vc.