Política

Governo vai utilizar mais de 8 mil agentes da segurança pública nas eleições no RN

Fotos: Elisa Elsie

Policiais militares e civis, bombeiros e técnicos do Itep vão atuar em todo o Estado em ações integradas com Forças Armadas, Polícia Federal e Guardas Municipais

O Governo do RN vai empregar mais de 8 mil agentes na operação de segurança para as eleições deste domingo (15). Os agentes de segurança estarão nas ruas nos 167 municípios. O estado tem 1.539 locais de votação e 2,4 milhões de eleitores que terão a segurança garantida pelas forças estaduais, municipais e federais.

“Estaremos em todo o estado com 8.200 mil homens e mulheres da Polícia Militar para garantir a eleição. Deste total cerca de 3 mil estarão em trabalho extraordinário com pagamento de diárias pelo Governo no valor de R$ 2,5 milhões. Este esforço é para garantir o direito da população de exercer a democracia e escolher seus representantes”, afirmou a governadora Fátima Bezerra em entrevista coletiva aos veículos de comunicação na manhã desta sexta-feira, 13, no auditório da Governadoria. “A eleição é um dos momentos mais significativos da democracia, quando a população exerce seu legítimo direito de escolha. Cabe ao estado assegurar os meios e a segurança para isso. Mobilizaremos, inclusive, os mil policiais militares formados nesta semana”, acrescentou a governadora.

O reforço na segurança vai contar com o Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR) agilizando as informações e ações diante das possíveis ocorrência e necessidade de intervenção. A Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Sesed) também vai fiscalizar o cumprimento da Lei Seca, que proíbe a venda e consumo de bebidas alcoólicas em locais públicos no horário das 6 às 18 horas do domingo, dia15. O secretário estadual de Segurança, Francisco Araújo alertou que quem descumprir a Lei Seca será detido e conduzido à delegacia de polícia. O sistema de segurança do Estado (PM, PC, CBM, Itep e Seap) estará atuando integrado às Guardas Municipais em 30 municípios e às Forças Armadas e Federais em 113 municípios.

O policiamento ordinário e o patrulhamento de rotina estarão mantidos pela Polícia Militar. O comandante da PM, coronel Alarico Azevedo confirmou o emprego de todo o efetivo, sendo 3 mil policiais em trabalho extraordinário. “O policiamento começa hoje, permanece amanhã e domingo. Todo nosso efetivo estará em ação cobrindo todo o estado que é subdividido no policiamento da região metropolitana de Natal, policiamento do interior e policiamento rodoviário estadual”, explicou Alarico.

A Polícia Civil também vai atuar com todo o seu efetivo de 650 agentes. No domingo todas as delegacias estarão abertas para o trabalho ordinário e o extra para a eleição. “As delegacias regionais funcionarão no domingo, assim como todas as delegacias em sede de comarca. Algumas cidades contarão com reforço especial. Vamos atuar em parceria com Polícia Federal em Natal, Mossoró, Caraúbas, Pau dos Ferros, Caicó e João Câmara”, afirmou o delegado geral adjunto da Polícia Civil, Ben-Hur Medeiros.

O Corpo de Bombeiros Militar estará também em prontidão, inclusive disponibilizando viaturas extras para atender possíveis ocorrências em todo o Estado como combate e prevenção a incêndio e pânico, atendimento pré-hospitalar de urgência, salvamento e outras atividades previstas, nos locais de votação ou em quaisquer outras áreas, caso necessário. “Estamos integrados a este esforço determinado pela governadora para garantir a tranquilidade nas eleições”, registrou o comandante da corporação, coronel Luiz Monteiro.

O Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep) terá plantões em Natal e Mossoró. O diretor geral Marcos Brandão afirmou que o órgão atuará com equipes de criminalística e perícia para identificação de documentos falsos, possíveis fraudes e irregularidades.

A entrevista coletiva contou ainda com a presença do vice-governador, Antenor Roberto, do secretário de Estado da Administração Penitenciária, Marcos Brandão, comandantes do policiamento da região metropolitana de Natal e do interior, coronéis Raimundo Aribaldo e Castelo Branco, comandante do policiamento rodoviário estadual, coronel Kenedy, além dos diretores de Polícia Civil no interior, delegado Inácio Rodrigues e na Grande Natal, delegado Marcos Geriz.

Opinião dos leitores

  1. Tem que ter muita segurança mesmo, afinal estamos elegendo quem vai nos roubar, com algumas exceções é claro .
    Eita Brasil Véio sem jeito.
    O único a dá jeito é o Véio Bolsonaro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO – Campanha de Prevenção ao Covid-19 da Câmara Municipal de Natal: “A covid ainda não acabou”

A Câmara Municipal de Natal alerta que o coronavírus ainda não acabou, e dá dicas com Campanha de Prevenção ao Covid-19 neste mês de abril.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Homem reage a tentativa de assalto, atropela e mata três criminosos na Grande Natal

Foto: reprodução

Um homem reagiu a uma tentativa de assalto e atropelou três bandidos que morreram ainda no local. O caso ocorreu na manhã de terça-feira (20), na estrada de Campo Limpo, entre os municípios de Arez e Goianinha, na Grande Natal.

Os três bandidos estavam em uma motocicleta e tentaram abordar um casal em outra moto na região. O casal não parou e os homens fizeram disparos com arma de fogo. Em seguida, se depararam com um carro modelo Corsa branco e também atiraram contra ele. Foi aí que, segundo a PM, o condutor reagiu colidindo o veículo com a motocicleta dos bandidos.

O motorista foi socorrido por populares. Nenhuma arma foi encontrada. A Polícia Civil vai investigar o caso. Viaturas da PM e uma equipe do Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) estiveram na região do crime.

Com informações de G1-RN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

TCU diz que governo federal atrasa há 4 meses compra de testes para covid

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Depois de deixar milhões de testes de covid-19 perderem a validade e estimar em apenas 96 mil a quantidade de exames disponíveis em janeiro deste ano, o governo federal atrasa, por pelo menos quatro meses, a compra de 8,2 milhões de um tipo de teste de alta precisão, o RT-qPCR.

A informação faz parte do relatório produzido por fiscais do TCU (Tribunal de Contas da União), documento que será utilizado na CPI da Covid, instalada no Senado na semana passada. O parecer, relatado pelo ministro Benjamin Zymler, começou a ser analisado pelos conselheiros da corte na quarta-feira passada (14).

De acordo com os fiscais, o ministério iniciou o processo de compra de 6,1 milhões desses testes ao valor de R$ 11,25 a unidade, “o menor preço encontrado”. O processo de compra foi iniciado em 7 de novembro do ano passado, mas —em 17 de março— “o pregão para contratação dos kits ainda não havia sido publicado”.

O UOL procurou o Ministério da Saúde para saber se a compra foi concluída desde então, mas não recebeu resposta até a publicação da reportagem.

“A letargia no andamento processual causa preocupação, considerando (…) que a quantidade atual de kits para extração [de RNA], à época, seria insuficiente”, dizem os fiscais, que citam informação do governo sobre a existência de apenas 96 mil testes disponíveis em janeiro de 2021.

“Mais surpreendente é o fato de que, em dezembro de 2020, o Ministério da Saúde tinha 6.887.500 testes em estoque, cujo prazo de validade expiraria entre dezembro/2020 e março/2021, se não fosse a extensão do prazo de validade por meio de Resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)”, diz o TCU, em relatório

Na semana passada, conforme O Estado de S. Paulo, o Ministério da Saúde chegou a um acordo para a troca de exames de diagnóstico da covid-19 que perderem a validade por produtos com prazos mais longos de uso. A ideia é distribuir 1,8 milhão de exames em maio e trocar parte do estoque que pode vencer. São menos 2 milhões de exames vencendo no próximo mês.

Distribuição de testes “sem critério”

Para os fiscais, “a distribuição dos testes a estados, municípios e o Distrito Federal não obedece a nenhum critério ou tampouco está vinculada a qualquer estratégia”.

Em seu voto, o relator Zymler escreveu que “a ausência de uniformidade na realização de testes nas Unidades da Federação demonstra a ausência de critérios para sua aplicação”.

O maior percentual de testes foi no Distrito Federal (19,4%), seguido por Piauí (14,4%) e Roraima (12,0%). Por outro lado, Pernambuco registrou o menor percentual (5,8%), seguido por Acre (6,0%) e Minas Gerais (6,1%).

Ao tribunal o Ministério da Saúde justificou que, “considerando a autonomia dos entes federados, não compete ao órgão garantir, mas somente apoiar a execução das ações” relativas à compra e aplicação dos testes. A pasta disse ainda que repassou aos estados R$ 120 milhões para a aquisição de equipamentos que permitissem a realização dos exames em laboratórios públicos e privados.

Em resposta, o TCU escreveu que “os países com melhores resultados no controle do Sars-CoV-2 compartilham uma característica em comum: a adoção de medidas planejadas e coordenadas centralmente para o controle da disseminação do vírus”.

“As justificativas do Ministério da Saúde, atribuindo as responsabilidades pela aquisição de testes para os estados, não podem prosperar durante a atual situação de emergência de saúde pública”, TCU, em relatório

O tribunal deu prazo de 15 dias para que o Ministério da Saúde “elabore e implemente política nacional de testagem da covid-19, estabelecendo, em especial, quantidade de testes e insumos para testes a serem adquiridos, público-alvo e prazo para o atendimento”.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Os testes saem do estoque apenas se demandados por Estados e Municípios. Comprar mais de algo que encalhou por não ser demandado? São uns putos mesmo…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Maconha é distribuída gratuitamente para quem já se vacinou contra Covid-19 em Nova York

Foto: ANGELA WEISS / AFP

Ativistas pela legalização da maconha causaram sensação nesta terça-feira, dia 20, na ilha de Manhattan, na cidade de Nova York, nos EUA, ao oferecerem a droga para quem recebeu pelo menos a primeira dose da vacina contra Covid-19. No dia 31 de março, o estado legalizou o uso recreativo da erva.

A ideia era comemorar a legalização da maconha recreativa no estado de Nova York, aprovada no final de março, e apoiar a campanha de vacinação neste dia 20 de abril (representado como 4/20 em inglês, que faz alusão ao código para a cannabis), uma data vista por muitos como uma espécie de feriado não oficial da maconha.

— Esta é a primeira vez que podemos nos sentar e distribuir baseados legalmente  — explicou Michael O’Malley, um dos organizadores, oferecendo cigarros da erva preparados com antecedência por voluntários. — Apoiamos o esforço de vacinação do governo federal e também estamos tentando legalizar a cannabis em nível federal.

Do início da distribuição, que começou por volta das 11h (horário local) e durou cerca de cinco horas, uma fila de 50 pessoas, jovens e idosos, se formou na Union Square, a passos de Greenwich Village.

A espera foi curta: dez minutos ao sol, o suficiente para mostrar a carteira de vacinação no papel ou no telefone, e fornecer o endereço de e-mail.

Sarah Overholt, 38, saiu com dois baseados no bolso depois de mostrar seu cartão de vacinas e o de sua mãe de 70 anos. Quanto à vacina, ela disse que “todos deveriam se vacinar e a erva não deveria ser necessária para convencer as pessoas a fazê-lo, mas se funcionar, melhor”. Sarah contou ter recebido a primeira dose da vacina no dia 25 de março e voltará para a segunda dose nesta quinta-feira.

Alex Zerbe, 24, um corretor da bolsa que veio de seu escritório para a praça, concorda. Ele já recebeu suas duas doses, e ele fuma um baseado “uma ou duas vezes ao dia”. Zerbe não precisa ganhar um baseado de presente, pode comprar de outra forma, mas a ideia de receber um baseado como prêmio por ser vacinado “é muito boa”, garantiu.

Na primeira meia hora, foram distribuídos entre 150 e 200 baseados, de um total de 1.500 preparados pelos voluntários.

Diversas marcas norte-americanas, principalmente da indústria alimentícia, lançaram nas últimas semanas promoções relacionadas à vacina: bolinhos fritos, cachorros-quentes ou cervejas são oferecidos em várias partes do país para pessoas que comprovarem ter sido vacinadas contra o Covid-19.

Opinião dos leitores

  1. Eita, em poucos dias Nova York estara em decadencia total. Zumbis estarao andando pelas ruas. Familias inteiras estarao arruinadas. A sociedade entrara em desmantelo. Os indices de violencia atingiram indices nunca vistos. A guerra civil sera inevitavel. Como pode um pais evangelico aprovar uma coisa dessas. É assim que se diz?

  2. Coisa de esquerdista. Melhor é gastar recursos públicos na repressão, afinal aqui no Brasil a polícia não tem crimes pra investigar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: Assaltante foge da PM saltando de carro em movimento durante perseguição; Comparsa é preso

Um assaltante foi preso e outro conseguiu fugir após uma perseguição no bairro Boa Esperança, na cidade de Parnamirim. O fato ocorreu na tarde de terça-feira (20).

Os criminosos tinham acabado de roubar um carro e foram surpreendidos por policiais do Batalhão de Policiamento de Choque.

Uma das cenas impressionantes foi registrada no momento em que um dos bandidos consegue escapar dos PMs com o veículo em movimento e se esconder atrás de outro veículo enquanto a viatura continua a perseguição.

Com informações de Portal B.O.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Em 1 ano, PF investiga mais de R$ 2 bilhões que teriam sido desviados em contratos para combater a Covid

Foto: PF/Divulgação

Após cerca de um ano desde o início da pandemia de covid-19, a Polícia Federal já realizou 76 operações no Brasil investigando contratos suspeitos de desvios em estados e municípios para enfrentar a doença, que totalizam R$ 2.172.642.108. A informação é de um levantamento da própria PF, com dados das ações realizadas de abril de 2020 até o dia 26 de março de 2021.

No total, as investigações levaram a 1.160 mandados de busca e apreensão, 12 prisões preventivas, 135 prisões temporárias contra os suspeitos.

A partir da semana que vem, além da atuação do governo federal no combate à pandemia, a CPI da Covid no Senado também vai investigar a destinação de verbas federais a estados e municípios na área da saúde.

Entre os estados que mais registraram as operações, estão o Rio de Janeiro (6), Amapá (5), Pernambuco (5), Maranhão (5) e São Paulo (5). Destes, o que têm mais valores sob investigação é o Rio de Janeiro: R$ 850.200.000. Não registraram ocorrências os estados do Rio Grande do Norte e do Mato Grosso, além do Distrito Federal.

Além de estados, as operações da PF investigaram diversas compras de municípios. A primeira destas foi a que deu início à série de investigações, deflagrada em abril de 2020, época em que o Brasil ainda não passava de 500 mortes diárias pela covid-19.

Naquele mês, a operação Alquimia realizou mandados de busca e apreensão envolvendo a prefeitura de Aroeiras, no interior da Paraíba, depois de uma investigação nacional que envolveu 12 estados.

Poucos dias depois, foi a vez do estado do Amapá entrar na investigações, após suspeita de superfaturamento na aquisição de insumos pela Secretaria de Saúde para prevenção e combate à pandemia.

As operações dos meses seguintes também envolveram dinheiro encontrado na cueca de um senador, a maior cidade do país, hospitais de campanha e o estado de Amazonas, que seria o primeiro a colapsar após explosão de casos e mortes por covid-19.

A última no período levantado, deflagrada no final de março, foi a que envolveu o escândalo de suposta vacinação de empresários com as doses da Pfizer em Belo Horizonte (MG). Por enquanto, a corporação investiga se a falsa enfermeira que participou do caso realmente aplicou vacinas reais contra a covid-19 nos envolvidos e não doses de soro fisiológico.

Compra de respiradores no Amazonas

O Amazonas foi palco da operação Operação Sangria, instalada para investigar uma suposta organização criminosa dentro do governo estadual que teria realizado compra no valor de R$ 2,9 milhões de 28 respiradores, que vieram de uma loja de vinhos. A operação ainda se desdobrou em outras três fases, sendo a última deflagrada em novembro de 2020.

O governador do estado, Wilson Lima, foi um dos alvos de busca e apreensão, além de outras 14 pessoas ligadas a ele. Na época, o governador alegou inocência e disse ser um dos “mais interessados” que os fatos sejam esclarecidos.

Por causa do escândalo, Lima foi alvo de um pedido de impeachment, que acabou sendo arquivado. A secretária de Saúde, Simone Papais, chegou a ser presa ao lado de outras seis pessoas nessa primeira fase da operação Sangria.

Em posicionamento enviado ao R7, o governo do Amazonas defendeu o compromisso com a transparência de suas compras e disse que segue “mantendo-se à disposição para continuar prestando todas as informações solicitadas pela Justiça, órgãos de fiscalização e controle, como ocorreu a época”.

Aventais hospitalares com custo de R$ 11 milhões em São Paulo

Em agosto, a operação “Nudus” cumpriu seis mandados de busca e apreensão depois que o o TCU (Tribunal de Contas da União) identificou fraudes em duas contratações emergenciais de aventais descartáveis realizadas pela Autarquia Hospitalar Municipal da prefeitura de São Paulo.

As duas contratações, realizadas com dispensa de licitação, somam R$ 11.139.000. Segundo a investigação, foram utilizados recursos federais destinados ao combate à pandemia do novo coronavírus.

Em nota, a prefeitura informou que, por meio da Controladoria Geral do Município, continua trabalhando em conjunto com o TCU e a PF na apuração do caso.  “A sindicância instaurada está em andamento, em fase de instrução, coletando documentos e informações que estão sendo compartilhados entre os órgãos. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) já prestou todas as informações e esclarecimentos necessários, solicitados pelas autoridades responsáveis”, completou.

Dinheiro na cueca de Senador

Em outubro, a operação Desvid-19 teve como um dos desdobramentos a apreensão de R$ 33 mil na cueca do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), durante a investigação do desvio de emendas parlamentares que deveriam ter sido destinados ao combate à pandemia no estado de Roraima.

O valor foi encontrado por agentes da Polícia Federal durante cumprimento de mandados na casa do parlamentar em 14 de outubro, na operação Desvid-19. O senador ficou afastado até fevereiro deste ano.

Em nota divulgada na época do caso, Rodrigues disse que tem “um passado limpo e uma vida decente” e afirmou nunca ter se envolvido em escândalos. “Acredito na justiça dos homens e na justiça divina. Por este motivo estou tranquilo com o fato ocorrido hoje em minha residência”, disse.

Ele depois justificou a ação de esconder o dinheiro na cueca por um momento de pânico depois de ter sido acordado em sua casa por agentes da PF. “Não era dinheiro de corrupção, não era dinheiro ilícito, não era dinheiro ilegal. Jamais desviaria dinheiro público”. De acordo com a defesa do senador, a quantia encontrada na residência tem “origem particular comprovada” e se destinava ao “pagamento dos funcionários de empresa da família”.

Governadores afastados

Em meio a estas investigações da PF, dois governadores foram afastados sob a acusação de atuarem em esquemas de desvios de verba da saúde: Wilson Witzel (PSC-RJ) e Carlos Moisés (PSL-SC). Os dois alegam inocência e se dizem vítima de perseguição.

Enquanto o primeiro segue afastado e sob investigação, enquanto alega inocência e se diz vítima de perseguição, a PGR arquivou recentemente o inquérito contra o governador de Santa Catarina pela compra de respiradores supostamente superfaturados e que não foram entregues. A PF também não encontrou provas para incriminar Carlos Moisés. Ele, porém, continua afastado do governo.

Outra nova fonte de investigações para desvios de verbas deve ser a CPI da Covid, instalada pelo Senado, que, além de investigar ações e possíveis omissões do governo Bolsonaro no combate à pandemia, vai investigar o destino de repasses federais aos estados e municípios.

R7

Opinião dos leitores

  1. Com esse stf fica fácil a vida dos corruptos, eles podem ter a vida devassada, flagrados com o roubo, recuperar o roubo, prender temporariamente os ladrões, em pouco tempo o stf anula todo o processo, devolve o produto do roubo aos ladrões, e ainda temos que indenizar. Bem ao estilo “final de lava jato”. Bando de canalhas, e ainda debocham da nossa cara de palhaço. Aqui no estado o MP nem ao menos move uma palha pra responsabilizar a governadora que entregou adiantado nossos 5 milhões de reais nas mãos de vigaristas, sabe-se lá a troco de que, ou por simples irresponsabilidade burra. E o blog do bg nem cobra.

    1. Lembrando que a maioria dos prefeitos são Ptralhas. Tá explicado esses desvios. Besta de Bolsonaro que liberou dinheiro para esses ladrões. No final ainda será culpado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Enfermeiros são presos após furtarem centenas de vacinas na Argentina

Quatro pessoas foram presas na província argentina de Santiago del Estero por participação no roubo de cerca de 300 doses de vacina contra covid-19. De acordo com as investigações, um casal de enfermeiros responsável pelo furto aplicava os imunizantes na própria casa e cobrava o equivalente a R$ 1.193 a R$ 1.790, na cotação atual.

Dante Daniel Díaz, que tinha acesso ao depósito de vacinas na sede local do Ministério da Saúde, roubava poucas quantidades de doses por vez para aplicar junto com a esposa, Angélica Coronel, no imóvel onde moravam, em Santiago del Estero.

O grande roubo foi realizado há poucos dias, quando o Daniel mentiu para o pessoal do Exército Argentino que custodia o ultracongelador do Ministério da Saúde provincial. Ele disse na ocasião que teria que guardar um lote de vacinas que teria sido devolvido. Sem saber que estava sendo filmado, ele encheu uma caixa com imunizantes, colocou na mochila e saiu.

Após suspeitas da falta de imunizantes e uma recontagem oficial, a chefe de imunização Florencia Coronel confirmou o furto com as imagens das câmeras. Ela denunciou o casal e informou as autoridades.

Na casa dos enfermeiros foram encontradas 268 doses da Sputnik V, outras 14 da Sinopharm e mais uma da Covishield. Também foram achadas outras 510 doses de vacinas sem relação com a covid-19. Todos os imunizantes foram devolvidos ao Ministério da Saúde.

A polícia ainda apreendeu uma arma de fogo, seringas, agulhas, luvas e máscaras descartáveis, além de cremes e cadernos de vacinação contra o novo coronavírus. No local, funcionava uma clínica clandestina de vacinação. A operação ainda encontrou 734.500 pesos.

Ontem (19), mais duas pessoas que agiam junto com o casal foram detidas. Todos são acusados de furto agravado e adulteração de substâncias médicas em prejuízo do Estado.

Após nova recontagem, as autoridades confirmaram a falta de 68 doses da Covishield. Os investigadores informaram que elas teriam sido aplicadas em troca de grandes quantias de dinheiro. A apuração agora tem foco em descobrir a lista de pessoas vacinadas clandestinamente, que também serão detidas uma vez comprovadas as identidades.

Fonte: Época

 

GRANDE PONTO

Opinião dos leitores

  1. Aqui o estoque de reserva deve tá sendo usado pra uso indevido, menos pra imunizar a população. Tudo sem a lupa do mp e alrn. Estarrecedor, no mínimo isso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meio Ambiente

Em carta a Biden, Fátima e outros 23 governadores defendem agenda climática e parcerias com os EUA

O Fórum Nacional de Governadores entregou nesta terça-feira 20 ao embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, uma carta endereçada ao presidente Joe Biden, em que defende a preservação do meio ambiente e manifesta interesse no desenvolvimento de parcerias visando impulsionar o equilíbrio climático, a redução de desigualdades sociais, a regeneração ambiental, o desenvolvimento de cadeias econômicas verdes e o estímulo à adoção de novas tecnologias ambientais.

“Juntos, podemos construir com agilidade a maior economia de descarbonização do planeta. Mas há muito o que reparar, restaurar, curar, construir e inventar para a conquista de um futuro saudável e seguro”, afirmou a professora Fátima Bezerra, que assina a carta, em nome dos demais governadores, encaminhada ao presidente Joe Biden.

O documento “Governadores pelo Clima”, considerado um contraponto às posições do governo federal, é um aceno ao mundo de que os brasileiros, representados por 24 dos 27 chefes de executivo das unidades da federação, cobrindo uma área de 90% do território nacional, defendem uma agenda que inclui a redução dos gases de efeito estufa, a promoção de energias renováveis, o combate ao desmatamento, a proteção e o bem-estar dos povos indígenas, a eficiência na agropecuária, entre outras pautas climáticas. “Essas são ações que, além da remoção de carbono, da proteção da biodiversidade e da redução da pobreza, podem evitar futuras pandemias”, assinalam os governadores.

Para evitar a elevação da temperatura global em 1,5 graus até o final do século – preveem especialistas -, a humanidade precisa reflorestar uma área do tamanho do território dos Estados Unidos. “Nesse desafio, o Brasil pode ampliar o verde da Terra não apenas na Amazônia, mas também em biomas de grande capacidade de captura de carbono, como o Cerrado, a Mata Atlântica, a Caatinga, o Pampa e o Pantanal”, ressaltam os governantes estaduais.

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, elogiou a iniciativa, o compromisso e a preocupação dos governadores com o fortalecimento da agenda ambiental. “A liderança do Brasil nas discussões das questões climáticas e ambientais é realmente essencial para enfrentarmos os desafios globais. Os próximos dias serão muito importantes e estou feliz em receber essa carta, mostrando como essa coalizão dos governadores está comprometida em encontrar soluções. Tenho um compromisso com os Estados e acredito que vamos encontrar novas maneiras de trabalhar juntos. Esse desafio é uma grande oportunidade econômica para o Brasil, que pode ser a superpotência mundial no meio ambiente”, destacou o diplomata, informando que a carta seria enviada à Casa Branca logo depois da reunião, realizada por videoconferência na tarde desta terça-feira, 20 de abril.

O embaixador disse que gostaria de visitar todos os estados brasileiros nesse primeiro ano de mandato e recebeu convite da governadora Fátima Bezerra para que a agenda de visitas começasse pelo Rio Grande do Norte, onde está sendo construído o Museu da Rampa para preservar a história da participação de Natal e das forças aliadas, na Segunda Guerra Mundial.

Apenas os governadores de Santa Catarina, Roraima e Rondônia não assinaram o documento.

AGORA RN

Opinião dos leitores

  1. Outra narrativa contra o Brasil, a CPI vai enquadrar governadores e prefeito ladrões, agora estão opinando sobre o clima, desemprego, comerciante fechando suas portas, e a educação indo pro ralo na mãos de Fátima cadeado.

  2. A variante do inferno vai falar por 3 minutos, depois vai ser humilhado pelos outros chefes de estado.
    Vai ser um dia histórico 👍🏻

  3. BG.
    Enquanto isto o site do detran-rn fora do “ar” a dois dias não se consegue imprimir nada inclusive CRLV, uma vergonha esse desgoverno ptralha de pelegos incompetentes.

  4. Os governadores do nordeste vão para Amazônia e deixar seus Estados sem o dinheiro da pandemia? E o dinheiro dos respiradores será que falaram na carta à Biden. kkkkkkkk .Ísso é uma piada.

    1. São traidores da nossa pátria. Só conversa fiada, pra derrubar o nosso presidente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Anvisa recorre ao STF contra prazo para analisar importação da Sputnik

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) entrou com um recurso ao STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo que a Corte suspenda o prazo para emitir um parecer sobre a importação temporária da vacina Sputnik V até que o órgão obtenha dados suficientes sobre o imunizante. A Anvisa é representada no processo pela Advocacia-Geral da União (AGU).

O recurso da agência questiona uma decisão do ministro Ricardo Lewandowski, que deu um prazo de 30 dias, contados a partir de 29 de março, para a Anvisa decidir sobre a liberação da compra de doses da vacina russa contra a Covid-19 pelo estado do Maranhão. Nesta semana, a liminar de Lewandowski foi estendida ao governo do Ceará.

Recurso

No recurso, a Anvisa afirma que há necessidade de “uma decisão administrativa fundamentada voltada ao melhor interesse público”. O argumento é de que as informações disponíveis para análise são insuficientes. “Até o presente momento, a Anvisa obteve informações apenas da autoridade sanitária argentina (Anmat), por meio do recebimento de Informe, referente à vacina Sputnik V, o qual ainda está submetido à avaliação pelas áreas técnicas da Agência”, diz a agencia reguladora.

Segundo a Anvisa, “no caso da Sputnik V, o relatório técnico da agência sanitária respectiva não foi publicizado e, mesmo com as diligências e pedidos feitos, inclusive junto à Autoridade Russa, não foi possível obtê-lo até o momento”.

“O caso em questão, portanto, é atípico, pois o relatório da autoridade russa para concessão do registro da Sputnik V não é público e não há dados em outras fontes capazes de trazer as informações sobre qualidade, eficácia e segurança para o processo de importação em questão”, afirmou ao STF.

Sputnik V

A agência nacional já recusou, em outra oportunidade, o uso da Sputnik V no Brasil, alegando falta de documentos. Nesta semana, integrantes do órgão estão na Rússia, visitando fábricas e centros de pesquisa envolvidos na elaboração do imunizante no país.

A argumentação central em favor da liberação da Sputnik V é a autorização da vacina russa em outros países cujas agências reguladoras são consideradas de trabalho fidedigno pela legislação brasileira.

A vacina já foi adquirida pelos governadores de estados do Norte e Nordeste e também pelo governo federal. Recentemente, a vacina foi tema de uma ligação entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

CNN BRASIL

Opinião dos leitores

  1. A demora da anvisa em liberar é porquê os governadores do Nordeste compraram 37 milhões de doses da sputinik antes do governo genocida, ai o CAPETÃO não quer psasar outra vergonha, tanto que essa semana fez uma onda ligando Putin pra dizer que foi ele, mas vai passar outra vergonha grande assim como foi com a coronavac. É muita incompetência desse genocida

  2. STF, STJ, CNJ, AGU, MJ, PGR, PF, ABIN estão todos controlados pelo presidente e mesmo assim ele não consegue se livrar da responsabilidade por seus crimes. Ô véio incompetente.

  3. Esses ministros do STF se metem em TUDO. Um tribunal que deveria analisar apenas questões constitucionais. Impressionante esse ativismo judicial.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Quase metade das cidades brasileiras tem problemas para armazenar vacinas

Quarenta por cento das cidades do país não têm geladeira com medição de temperatura e alarme em boas condições, equipamentos fundamentais para armazenar vacinas contra a Covid-19 e diminuir o risco de perda de doses, segundo dados inéditos de uma pesquisa realizada pelo Movimento Unidos Pela Vacina e Instituto Locomotiva e feita com secretários de Saúde de 5.569 municípios.

Um quinto das cidades não tem acesso à internet para o registro da vacinação contra a Covid-19. Dezenove por cento dos postos não têm internet para o registro de imunização; 12% deles sequer possuem computador. Quinze por cento apontam a necessidade de equipar as salas com itens como pia com água, sabonete e papel toalha.

Em 35% dos municípios, foi constatado que a sala de vacinação precisa de adequações. “Nem todos os postos de saúde estão em condições básicas. Alguns municípios são impressionantes em relação a estrutura, mas ao mesmo tempo existe um desafio por uma vacina. Com esses dados, precisamos ver como que a iniciativa privada consegue ajudar as secretarias de saúde”, afirma o presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles.

 

Dois a cada três municípios dizem ter sido muito afetados pelo novo coronavírus. Quanto maior o município, maior o impacto. “O SUS tem necessidades novas por ser uma vacinação única, onde você tem que vacinar rápido. O SUS é uma grande maravilhosa surpresa no Brasil. Em todos os lugares os SUS é igual. Não importa se é um estado menos privilegiado, mais privilegiado. O SUS é tudo igual.”, afirma Maria Fernanda Teixeira, CEO da Ferena,

A falta de imunizante, no entanto, é apontada por 47% dos secretários municipais como o principal desafio para a acelerar o ritmo da vacinação. Os que consideram que terão vacinado todos os munícipes até setembro deste ano somam 16%. Noventa e nove por cento das cidades previram vacinação em domicílio e 67% organizaram postos volantes ou sistema do tipo drive-thru.

O estudo aponta, ainda, que a imunização aos fins de semana precisa melhorar: 48% das cidades contam com unidades abertas sábados e domingos.

Quanto às medidas de prevenção à doença, 98% dos municípios tornaram o uso de máscara obrigatório, 97% realizam campanhas educativas sobre o distanciamento social e 86% adotam restrições para o horário de funcionamento de estabelecimentos e de serviços não essenciais.

Ainda assim, 54% dos municípios apontam a necessidade de campanhas de incentivo para adesão às medidas adotadas. É que nessas cidades, metade ou menos da população está seguindo as recomendações. Nos municípios do Nordeste, 61% afirmam que metade ou menos da população segue as medidas recomendadas.

As entrevistas foram feitas entre 22 de fevereiro e 12 de abril.

CNN BRASIL

Opinião dos leitores

  1. Mas para os ESQUERDOPATAS, o Brasil tinha condições de ter comprado a vacina da Pfizer quando ela pedia menos 70 graus para armazenamento. Seria uma perda de vacina imensa, era inviável para o país que não possui estrutura na saúde sequer para garantir vacinas que exigem temperaturas muito menos rigorosas.
    Se os GOVERNOS DE ESQUERDA que reinaram nesse país durante anos ao invés de gastar bilhões com Copa do Mundo e Olimpíadas tivessem investido na estrutura da saúde, hoje o país estaria mais preparado para enfrentar a pandemia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *