Política

Ministro da Agricultura Wagner Rossi pede demissão

estadão.com.br

O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, enviou carta de demissão à presidente Dilma Rousseff, nesta quarta-feira, 17, após a Polícia Federal anunciar investigação sobre as denúncias contra a pasta. Depois de Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes) e Nelson Jobim (Defesa), Rossi é o quarto ministro a sair do governo em oito meses.

A relação do ministro da Agricultura, Wagner Rossi, com o lobista Júlio Fróes – que teria atuado durante meses dentro do ministério – será investigada pela Polícia Federal. Um inquérito foi aberto na segunda-feira, 15, e o ex-presidente da Comissão de Licitação do ministério Israel Batista já prestou depoimento. Dentre as denuncias que surgiram na imprensa contra o ministério,  estão o uso eleitoral da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e suposto tráfico de influência.

Além disso, o jornal Correio Braziliense denunciou que Rossi teria utilizado um avião de uma empresa que depende de autorizações do Ministério da Agricultura para vender seus produtos. A Ourofino Agronegócio trabalha com agrotóxicos, sementes e saúde animal e colocou à disposição do ministro e de seu filho Baleia Rossi (PMDB-SP), deputado estadual, um avião Embraer Phenon 100 avaliado em US$ 7 milhões.

Leiam a carta de demissão de Wagner Rossi:

Brasília, 17 de agosto de 2011

Neste ano e meio na condição de ministro da Agricultura do Brasil, consegui importantes conquistas. O presidente Lula fez tanto pela agricultura e a presidenta Dilma continuou esse apoio integralmente.

Fiz o acordo da citricultura, anseio de mais de 40 anos de pequenos e médios produtores de laranja, a quem foi garantido um preço mínimo por sua produção.

Construí o consenso na cadeia produtiva do café, setor onde antes os vários agentes sequer se sentavam à mesma mesa, com ganhos para todos, em especial os produtores.

Lancei novos financiamentos para a pecuária, recuperação de pastagens, aquisição e retenção de matrizes e para renovação de canaviais.

Aumentei o volume de financiamento agrícola a números jamais pensados e também os limites por produtor, protegendo o médio agricultor sempre tão esquecido.

Criei e implantei o Programa ABC, Agricultura de Baixo Carbono, primeiro programa mundial que combina o aumento de produção de alimentos a preservação do meio ambiente, numa antecipação do que será a agricultura do futuro.

Apoiei os produtores de milho, soja, algodão e outras culturas que hoje desfrutam de excelentes condições em prol do Brasil.

Lutei por nossos criadores e produtores de carne bovina, suína e de aves que são protagonistas do mercado internacional.

Melhorei a atenção a fruticultura, a apicultura e a produtos regionais, extrativistas e outras culturas.

Apoiei os grandes, os médios e os pequenos produtores da agricultura familiar, mostrando que no Brasil há espaço para todos.

Deus me permitiu estar no comando do Ministério da Agricultura neste momento mágico da agropecuária brasileira.

Mas, durante os últimos 30 dias, tenho enfrentado diariamente uma saraivada de acusações falsas, sem qualquer prova, nenhuma delas indicando um só ato meu que pudesse ser acoimado de ilegal ou impróprio no trato com a coisa pública.

Respondi a cada acusação. Com documentos comprobatórios que a imprensa solenemente ignorou. Mesmo rebatida cabalmente, cada acusação era repetida nas notícias dos dias seguintes como se fossem verdades comprovadas. As provas exibidas de sua falsidade nem sequer eram lembradas.

Nada achando contra mim e no desespero de terem que confessar seu fracasso, alguns órgãos de imprensa partiram para a tentativa de achincalhe moral: faziam um enorme número de pretensas “denúncias” para que o leitor tivesse a falsa impressão de escândalo, de descontrole administrativo, de descalabro. Chegou-se à capa infame da “Veja”.

Tudo falso, tudo rebatido. Mas a campanha insidiosa não parava.

Usaram para me acusar, sem qualquer prova, pessoas a quem tive de afastar de suas funções por atos irregulares ou insinuações de que tinham atuado com interesses menos republicanos nas funções ocupadas. O principal suspeito de má conduta no setor de licitações passou a ser o acusador de seus pares. Deram voz até a figuras abomináveis que minha cidade já relegou ao sítio dos derrotados e dos invejosos crônicos. Alguns deles não passariam por um simples exame de sanidade.

Ainda assim nada conseguiram contra mim. Aí tentaram chantagear meus colaboradores dizendo que contra eles tinham revelações terríveis a fazer, mas que não as publicariam se fizessem uma só acusação contra mim. Torpeza rejeitada.

Finalmente começam a atacar inocentes, sejam amigos meus, sejam familiares. Todos me estimularam a continuar sendo o primeiro ministro a, com destemor e armado apenas da verdade, enfrentar essa campanha indecente voltada apenas para objetivos políticos, em especial a destituição da aliança de apoio à presidenta Dilma e ao vice-presidente Michel Temer, passando pelas eleições de São Paulo onde, já perceberam, não mais poderão colocar o PMDB a reboque de seus desígnios.

Embora me mova a vontade de confrontá-los, não os temo, nem a essa parte p odre da imprensa brasileira, mas não posso fazer da minha coragem pessoal um instrumento de que esses covardes se utilizem para atingir meus amigos ou meus familiares.

Contra mim nem uma só acusação conseguiram provar. Mas me fizeram sofrer e aos meus. Não será por qualquer vaidade ou soberba minha que permitirei que levem sofrimento a inocentes.

Hoje, minha esposa e meus filhos me fizeram carinhosamente um ultimato para que deixasse essa minha luta estóica mas inglória contra forças muito maiores do que eu possa ter. Minha única força é a verdade. Foi o elemento final da minha decisão irrevogável.

Deixo o governo, agradecendo a confiança da presidenta Dilma, do vice-presidente Michel Temer, do presidente Lula e dos líderes, deputados, senadores e companheiros do PMDB e de todos os partidos que tanto respaldo me deram.

Agradeço também a todos os leais colaboradores do Ministério da Agricultura, da Conab, da Embrapa e de todos os órgãos afins. Penso assim ajudar o governo a continuar seu importante trabalho, retomando a normalidade na agricultura.

Finalmente, reafirmo: continuo na luta pela agropecuária brasileira que tanto tem feito pelo bem de nosso Brasil. Agradeço as inúmeras manifestações de apoio incondicional da parte dos líderes maiores do agronegócio e de suas entidades e também aos simples produtores que nos enviaram sua solidariedade.

Deus proteja o produtor rural e tantos quanto lutem na terra para produzir alimentos para o mundo. Deus permita que tenham a segurança jurídica necessária a seu trabalho que o Congresso há de lhes garantir. Lutei pela reforma do Código Florestal. É importante para o Brasil. Outros, talvez mais capazes, haverão de continuar essa luta até a vitória.

Confio que o governo da querida presidenta Dilma Rousseff supere essa campanha sórdida e possa continuar a fazer tanto bem ao nosso país.

Sei de onde partiu a campanha contra mim. Só um político brasileiro tem capacidade de pautar “Veja” e “Folha” e de acumular tantas maldades fazendo com que reiterem e requentem mentiras e matérias que não se sustentam por tantos dias.

Mas minha família é meu limite. Aos amigos tudo, menos a honra.

Wagner Rossi
Ministro de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Carro pega fogo em avenida no bairro Planalto; Bombeiros avaliam causa

Foto: Reprodução

Um veículo, do modelo Renault Kwid, foi tomado por chamas durante a manhã desta terça-feira (28), na Avenida Engenheiro João Hélio, no bairro Planalto, na Zona Oeste de Natal. A ocorrência foi atendida pelo Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte (CBMRN), causando apenas danos materiais, sem vítimas.

De acordo com a corporação, o incêndio foi iniciado por volta 8h e foi encerrado até às 9h pelas equipes. As análises iniciais apontam que o fogo pode ter iniciado através de uma pane elétrica.

Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Jantar de São Pedro será dia 17 de junho

O tradicional jantar que marca o lançamento da Festa de São Pedro será no dia 17 de junho, no Restaurante Tábua de Carne da Av. Roberto Freire.

Esse ano, a Paróquia de São Pedro completa 105 anos, sendo a segunda mais antiga de Natal.

O jantar de adesão terá um motivo ainda mais especial nesse ano: arrecadar recursos para climatizar a Igreja de São Pedro, que ficará ainda mais acolhedora.

As senhas estão à venda na Secretaria Paroquial ao preço de R$ 125,00. Informações pelo telefone: (84) 3615-2816.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Celebridades

Marina Ruy Barbosa encerra contrato com a Globo, diz site

Foto: Reprodução

Marina Ruy Barbosa decidiu não renovar o contrato com a Globo e deixará a emissora no fim de maio. Segundo o Notícias da TV, a atriz chegou a rejeitar um papel de destaque no remake da novela Vale Tudo, que celebrará os 60 anos de casa.

Marina Ruy Barbosa não quis manter o vínculo exclusivo com a Globo para ter maior liberdade na escolha de novos trabalhos. O site afirma, ainda, que apesar de ter gostado de viver uma vilã em Fuzuê, a atriz não queria ter participado da novela e cedeu pela insistência dos produtores.

A atriz de 28 anos de idade tinha carteira assinada com a emissora desde os 9 anos de idade e participou de mais de 15 projetos na Globo. Marina Ruy Barbosa recebia cerca de R$ 350 mil e cachês em torno de R$ 500 mil. Agora, ela está em negociação com uma plataforma de streaming para protagonizar um novo projeto.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Ponto facultativo antecipa fim do prazo de cadastramento de ambulantes para o período junino em Natal

Foto: Roberto Galhardo

Os vendedores ambulantes que ainda não realizaram o cadastro para trabalhar nos logradouros públicos, na comercialização eventual de produtos juninos, terão até a próxima quarta-feira (29) para apresentar a documentação na sede da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos da Prefeitura do Natal. Antes previsto para a sexta-feira (31), o encerramento do cadastramento foi antecipado em função do feriado de Corpus Christi (30), e do ponto facultativo do dia 31, decretado pelo prefeito Álvaro Dias.  O cadastramento teve início no último dia 15, tendo já alcançado um boa quantidade de interessados.

Para fazer o cadastro, os comerciantes informais devem apresentar ao DCPA/Semsur a seguinte documentação: cópia de documento de identificação com foto (RG, CNH), CPF e comprovante de residência. Estarão aptos somente os comerciantes informais que apresentarem a documentação completa no ato do cadastramento, não sendo permitida a reserva de vaga pela ausência de algum documento ou por qualquer outro motivo.

Após concluir o cadastro, os comerciantes  receberão o comprovante para exercer as atividades nos locais determinados. Serão oferecidas vagas em canteiros centrais e logradouros de grandes avenidas de Natal, como Av. Antônio Basílio, no trecho entre a Av. Prudente de Morais/Rua São José, e Avenida Roberto Freire, na zona Sul, dentre outros.

Portal da Tropical

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Kátia confirma pré-candidatura e nega ter articulado adesão a Nilda

Foto: Reprodução

A vice-prefeita de Parnamirim, Kátia Pires, usou as redes sociais para anunciar a confirmação de sua pré-candidatura para disputar as eleições majoritárias em outubro.

Em entrevista ao Diário do RN, Kátia afirmou que sua decisão foi confirmada por uma pesquisa divulgada no último fim de semana. “Nós recebemos com muita alegria a divulgação de uma pesquisa no último domingo, onde a população cita meu nome como a 2a colocada na preferência na corrida a prefeitura de Parnamirim! Isso nos deixa na condição de continuar ouvindo a voz do povo”

Depois de confirmada a pré-candidatura, a curiosidade geral se volta para o vice, mas quando o assunto é a formação da chapa, Kátia Pires não tem pressa e confirma apenas conversas: “Em relação a composição de chapa, estamos conversando com alguns partidos. Ainda está cedo para anúncio de chapa. A prioridade é ouvir a população”

Os partidos são Avante e PRTB, siglas que “defendem a família, o desenvolvimento do município e a dignidade humana; conhecem Parnamirim”, afirma a pré-candidata.

O Diário do RN também questionou Kátia Pires se em algum momento existiu a possibilidade de aliança com a Professora Nilda – pré-candidata que aparece em primeiro lugar nas pesquisas – conforme noticiado por vários blogs da região metropolitana. Kátia negou, mas elogiou a adversária: “Minha pré-candidatura responde a essa pergunta. Respeito a professora Nilda, acho que ela está num momento que ela construiu”

APOIO DA FAMÍLIA
A confirmação da pré-candidatura de Kátia Pires foi publicada nas redes sociais no sábado (25): “Hoje é uma data importante na minha vida… junto com amigos e familiares, decidi que sou pré-candidata a prefeita de Parnamirim”, diz a legenda que acompanha um vídeo que inicia com a narração da filha, a vereadora Carol Pires, que escreve uma carta à mãe.
Em reposta, a atualmente vice e agora confirmada pré-candidata a prefeita de Parnamirim afirma que “Muitas ações precisam ser efetivadas, as pessoas precisam do nosso carinho do nosso olhar e do nosso abraço”.

Diário do RN

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Styvenson: “Nem a família Alves está aceitando mais Carlos Eduardo”

Foto: Reprodução

“Ali é algo meio desesperador, ele estar sozinho, um político como ele, pesado, um político que não sabe fazer as coisas, uma campanha sozinha que já vem de anos aí com esse com esse nome dos Alves nas costas, é complicado ser um político do naipe dele, que nem a família Alves está aceitando mais”. É o que diz o senador Styvenson Valentim (Podemos) sobre o ex-prefeito Carlos Eduardo (PSD), após os ataques aos opositores na disputa à Prefeitura do Natal. Styvenson compõe o arco de apoios do pré-candidato Paulinho Freire (UB), criticado pelo ex-prefeito como um “acordão”.

Na fala, que aconteceu durante evento do PSD, no último sábado (25), Carlos Eduardo se referiu aos apoiadores de Paulinho: “O acordão é esse, onde lá em Brasília, distante dos bairros de Natal, eles lotearam a Prefeitura, é duas secretarias pra deputado tal, é três para senador tal, é quatro para deputados estaduais, vamos arrumar os vereadores e dar mais outra secretaria, mas cometeram um erro grave, deixaram o povo do lado de fora”.

Carlos Eduardo atacou, ainda, o PT, com quem esteve aliado nas últimas eleições, em 2022 para viabilizar sua candidatura ao senado: “O PT quer a Presidência da República, o PT quer o Governo do Estado, o PT quer a Prefeitura Só o seguinte: Natal não é PT, Natal é da liberdade. Nós vamos para as ruas, para as avenidas, para as travessas, para praça pública e vamos derrotar o PT e o acordão que faz contra o povo de Natal”

Segundo o senador Styvenson Valentim, isso mostra a “incoerência” de Carlos Eduardo: “Incoerente. Pior de tudo é incoerência que até semana passada ele estava lá com o PT na campanha com o PT, pedindo voto para Lula, no colo de Fátima, e agora o PT não presta. Mostra aí a ingratidão, mostra aí a forma dele fazer política”.

Para ele, “é estranho” Carlos Eduardo liderar as pesquisas e não ter apoios: “Estranho isso, né? Não é esquisito? É esquisito. O cara lidera tudo, aí vai dizer, ‘não, é só o povo que vê”.

Styvenson complementa: “A campanha não começou ainda. A campanha vai ter tempo de TV, tempo de rádio, vai ter tempo suficiente para mudar o pensamento das pessoas em relação ao que ele deixou Natal atrasado até hoje”.

A forma de Carlos fazer política, de acordo com o senador do Podemos, é responsável pelo “atraso” de Natal. Ele atribui a Carlos Eduardo, “numa época de ouro”, obras que não foram finalizadas na capital, “obras da Copa”. “A incompetência a administrar a cidade como Natal, como a grande capital, não é só limpar ruas não, tem outros problemas muito maiores. Hoje a gente sofre com isso”, ressalta.

Styvenson diz, ainda, não ter se sentido atingido pela fala do ex-prefeito: “Não entrei em defesa porque não me ofende Ele disse que estão loteando secretaria. Se ele está se referindo a mim, eu não quero nada. Eu não vivo da política que ele vive. Meu acordo com Paulinho Freire foi para melhorar, como eu já disse, o que o que ele deixou de fazer. Melhorar a Zona Norte, no caso, calçamento, saneamento”, destaca.

“Pediu para conversar comigo, mas a conversa não saiu do vamos”
O senador explicitou que Carlos Eduardo, durante as tratativas para viabilizar seu arco de alianças chegou, inclusive, a convidá-lo para conversar, confirmando que o ex-prefeito tinha interesse nos partidos que, hoje, apoiam Paulinho e que, agora, ele critica. Styvenson não quis conversar com ele.

“Ele procurou vários que estão apoiando Paulinho hoje para pedir apoio, sentou para conversar, pediu para conversar comigo, mas a conversa não saiu nem do ‘vamos’. Nem precisei disso. Já tinha declarado apoio a Paulinho Freire”, disse.

Isso reflete, para ele, a solidão em que se encontra o ex-gestor da capital.

“Realmente uma espécie de política que ninguém quer estar perto. Então hoje eu consigo observar quem faz política sozinho, né? Não se faz essa política sozinho. Ele procurou o prefeito, procurou o outro senador (Rogério Marinho), procurou um, procurou outro e ninguém foi aderindo a ele. Só com a senadora Zenaide (Maia). Então, ele é o candidato de um apoio só praticamente, né? De uma senadora”, finaliza.

Diário do RN

Opinião dos leitores

  1. Carlos Alves representa tudo de pior que existe na política, ele é a oligarquia Alves, é a prepotência, a soberba, a arrogância, a traição, a preguiça de quem nunca trabalhou, é um estorvo para Natal, esperamos que seja aposentado de uma vez por todas, sofrerá a terceira derrota consecutiva e pedirá música no fantástico. Fora Carlos Alves!

  2. Esse Styvensom quer ser arrochado, mas esta de coloi com essesultrapassados politicos de acordinhos.0 povo sabe as paredes tem ouvidos.

    1. Mossoró deu o exemplo contra as oligarquias, Natal tem que fazer o mesmo, basta de alves.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

VÍDEO: Sindicalistas protestam às 6h da manhã e tira o sossego dos moradores da região

Vídeo: Cedido

Sindicalistas amanheceram nesta terça-feira (28), por volta das 6h, acordando todo mundo na região, protestando contra o governo federal, através de concessão de reajustes.

Pelas imagens, é possível ver um cartaz em que diz ‘IFRN EM GREVE’, além do carro de som alto, atrapalhando a vida e sono dos moradores

A vizinhança toda ficou revoltada, reclamando pela falta de respeito, por ser 6h da manhã.

Opinião dos leitores

  1. O IFRN há muito tempo que deixou de ser referência, o comportamento desses sindicalistas só reforçam a falta de respeito com quem garante os salários deles através dos tributos.

  2. Vão a Brasília protestar lá, porque o aumento de funcionário federal só vai poder vir de lá e deixem de encher o saco da vizinhança

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Lewandowski anuncia hoje diretrizes sobre uso de câmeras corporais por policiais

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, vai lançar, nesta terça-feira (28), as diretrizes nacionais para o uso de câmeras corporais por policiais e outros agentes de segurança.

Os secretários de Segurança Pública de todos os estados e do Distrito Federal estão convidados para a cerimônia no ministério.

O governo avalia que há motivos para o uso das câmeras corporais é que elas reduzem o uso de força e as reclamações relativas à conduta do policial.

O programa será anunciado depois da tentativa do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), de possibilitar que os agentes desliguem os equipamentos, que já são utilizados no estado.

Hoje, todas as câmeras fazem gravação de forma ininterrupta, e os PMs não têm autonomia para escolher o que desejam registrar. São Paulo seguiria um modelo já adotado no Rio de Janeiro e em Santa Catarina e que está em processo de implementação em Minas Gerais, Rondônia e Roraima.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Esse é o pior ministro da justiça de todos os tempos, talvez sua presença na pasta seja mais a proteção dos interesses dos meliantes do que da própria sociedade, esse projeto é justamente para produzir provas contra os policiais, jamais poderemos dar crédito a uma justiça que se preocupa mais com a integridade do bandido do que do próprio policial, mas não é de se ficar perplexo com tantas atrocidades , não esqueçam estamos vivendo um governo conduzido por um criminoso um ex presidiário que talvez se preocupe mais com as demandas dos seus colegas do crime do que com o cidadão de bem desse país , é uma verdadeira tragédia anunciada esse elemento chefiando a nação. Não se poderia se esperar outra situação a não ser essa que estamos vivendo no Brasil de hoje, que Deus tenha misericórdia dessa nação.

  2. Estamos sendo conduzidos por uma quadrilha Hilda , infelizmente ! Temos que eliminar este câncer metastático estrelado e resistente. Mas um dia acaba , espero que seja breve , os idiotas amauroticos continuam incensando, os componentes desta maquiavélica máquina de roubar !

  3. Qual é o plano do governo contra a bandidagem?
    Essa medida é clara contra o policial que vai trabalhar 24 horas e até na hora de cagar terá sua privacidade invadida. Se fosse bom o próprio policial iria providenciar sua câmera.
    Isso é um governo de bandido para bandido.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meio Ambiente

Desmatamento no Cerrado teve um aumento de 68% em 2023, diz MapBiomas

Foto: Getty Images/Paralaxis

O desmatamento no Cerrado teve alta de 68% durante o ano passado em comparação com 2022. Os dados são do Relatório Anual do Desmatamento no Brasil do MapBiomas, divulgado nesta terça-feira (28/5). Foram 1.110.326 hectares destruídos no bioma em 2023.

O desmatamento no Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, na região conhecida como Matopiba, corresponde a 47% de toda vegetação nativa perdida no Brasil ao longo do ano passado. Ao todo, foram 858.952 hectares – um aumento de 59% em relação ao ano de 2022.

Segundo o relatório do MapBiomas, dos 50 municípios que mais desmataram no Brasil em 2023, 33 ficam no Cerrado.

Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. O MAIOR ESTELIONATO ELEITORAL DO PLANETA, NÃO AFIRMOU QUE IRIA RESOLVER TUDO ISSO? NÃO TINHA UM BANDO DE BEZERROS DA ROUANET BERRANDO TODA HORA RECLAMANDO DO BOZO! CADÊ O ESTELIONATÁRIO E OS BEZERROS PRA RECLAMAR? BANDO DE HIPÓCRITAS!🐁🐁🐁🤡🤡🤡🫏🫏🫏😵‍💫😵‍💫😵‍💫

  2. O desmatamento no Brasil caiu 11,6% em 2023. Porém o Cerrado foi o bioma mais atacado, principalmente pela expansão da agropecuária.
    Que tal dar a notícia completa? Jornalismo sério faz bem a sociedade.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Governo Lula estuda elevar tributação de cigarros para ajudar a compensar desoneração

Foto: Gabriela Biló/Folhapress

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estuda elevar a tributação de cigarros. A medida, se adotada, pode ajudar a compensar parte das perdas de arrecadação com a desoneração da folha de pagamento das empresas de 17 setores e dos municípios.

A avaliação de integrantes do governo é de que, apesar de colaborar com a compensação, o impacto previsto para 2024 gira em torno de R$ 1 bilhão, o que é considerado “irrisório” diante do total da desoneração.

O baixo impacto em 2024 se deve à exigência de noventena (90 dias) para que alterações no IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) entrem em vigor. Integrantes da Receita Federal já acenaram ao setor sobre a possibilidade dessa elevação.

O custo da renúncia tributária em 2024 das duas desonerações foi calculado em R$ 25,8 bilhões pelo secretário da Receita Federal, Robinson Barreirinhas.

Nesta segunda-feira (27), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, informou que o governo vai editar uma MP (medida provisória) com as definições para a compensação. Ainda não está certo se a elevação dos tributos sobre o cigarro entrarão no texto.

Folha de S. Paulo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *