Judiciário

Negociatas, propinas e a cúpula do PT no “olho do furacão”: confira o que revela a delação de Palocci

Segredos – O ex-ministro Antonio Palocci já redigiu mais de quarenta anexos com suas revelações (Wilson Pedrosa/Estadão Conteúdo)

No acordo de delação premiada que firmou com a Polícia Federal, o ex-ministro Antonio Palocci envolveu 12 políticos e 16 empresas em transações supostamente criminosas que chegam a mais de 330 milhões de reais — boa parte pagamento de propinas ao PT e a parlamentares. O blog Radar teve acesso a um documento de oito páginas do Supremo Tribunal Federal que confere contornos concretos à principal frente da delação de Palocci, que cumpre em casa e com tornezeleira eletrônica sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Muitas das revelações presentes no acordo foram antecipadas por VEJA em diferentes reportagens publicadas em 2017. O acordo foi homologado pelo ministro Edson Fachin, relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Ele determinou o envio de 22 dos 23 anexos da delação de Palocci a quatro estados: São Paulo, Distrito Federal, Paraná e Rio de Janeiro.

A lista de exemplos envolvendo repasses a campanhas petistas e interesses de empresários é grande, como mostra uma série de publicações do blog Radar nesta quarta-feira, 14. A delação de Palocci não deixa dúvidas: todas as eleições de Lula e Dilma foram financiadas com recursos irregulares de empresas — o que a Lava-Jato já comprovou de diversas formas, é verdade.

Desde que a Justiça homologou a delação de Palocci em três frentes – no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, na Justiça Federal de Brasília e no Supremo – os investigadores da Polícia Federal realizam diligências sigilosas e produzem provas para confirmar os relatos do petista, de modo a marcar uma diferença de “qualidade” no trabalho realizado pela PGR em delações anteriores. É por causa disso que, apesar de Fachin delegar aos juízes locais a retirada do sigilo da delação, o conteúdo continua fechado.

Entre os detalhes que o Radar revela, Palocci afirmou que apenas o PT recebeu para suas campanhas eleitorais 270,5 milhões de reais, entre 2002 e 2014. Foram doações, parte declarada e outra não, de grandes grupos e empresas em troca de favores recebidos, afirma o ex-petista. Palocci associa cada doação a um benefício específico que, segundo ele, teria sido alcançado por determinada empresa. Boa parte dessas negociações era realizada por Palocci em sintonia com o ex-tesoureiro do PT João Vaccari.

O ex-ministro também detalha as negociatas que levaram empresas a destinares recursos a políticos petistas. Nos casos das campanhas presidenciais de Lula e Dilma, são diversos os pedidos dos empresários em troca do apoio financeiro às tentativas de eleições e reeleições da dupla. Para o empresário, o benefício alcançado varia de menor tributação para um setor específico, obtenção de alguma linha de crédito no BNDES para essas empresas a auxílio em fusão de grupos de um mesmo setor a apoio da base governistas a medidas que tramitavam no Congresso.

Há a história bombástica, revelada por VEJA em 2017, de que Lula foi eleito com uma bolada milionária repassada pelo ditador Muamar Kadafi, líder líbio morto em 2011. Segundo o petista, Kadafi deu 1 milhão de dólares, o equivalente a 3,5 milhões de reais à campanha do petista em 2002.

O ex-ministro narra a operação petista, também revelada por VEJA em 2017, para sepultar a Operação Castelo de Areia no Superior Tribunal de Justiça que rendeu 50 milhões de reais em propinas pagas pela Camargo Corrêa na forma de doação eleitoral para Dilma Rousseff em 2010 e políticos petistas, como Gleisi Hoffmann, atual presidente nacional do PT.

Palocci contou que ela recebeu de três empreiteiras 3,8 milhões de reais na campanha de 2010, quando se elegeu senadora pelo Paraná. Como VEJA revelou em 2017, quando o ministro ainda negociava uma possível delação com a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, a empreiteira Camargo Corrêa repassou 1 milhão de reais a Gleisi como parte de um acordo para sepultar a Operação Castelo de Areia no STJ.

Palocci também contou à Polícia Federal repasses milionários, na forma de doações oficiais e via caixa dois na campanha de 2010, para os petistas Fernando Pimentel e Tião Viana, que governaram Minas Gerais e o Acre, respectivamente, e para o ex-senador Lindbergh Farias.

O ex-ministro ainda detalha como a Odebrecht repassou 50 milhões de reais ao PT em troca de vantagens no Programa de Desenvolvimento de Submarino (Prosub). O episódio já foi narrado por Marcelo Odebrecht na delação da empreiteira. A bolada milionária foi repassada à campanha de Dilma em 2014. O dinheiro era para que as liberações de dinheiro do governo no contrato de construção dos submarinos não parassem.

O Radar também mostra que Palocci confirma o repasse de recursos pela empresa Qualicorp ao PT, ao Instituto Lula e a Touchdown, de Luis Cláudio Lula da Silva, 30 anos, filho caçula do ex-presidente Lula. Os pagamentos, segundo o ex-ministro, teriam sido feitos em troca de “benefícios concedidos pelo governo” à empresa na Agência Nacional de Saúde Suplementar. No trecho obtido pelo Radar, não há, porém, valores descritos.

Em março, a Polícia Federal indiciou Lula e o filho Luís Cláudio pelos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de influência por pagamentos para relacionados à empresa de marketing esportivo. A Touchdown passou a ser investigada em 2017, com as delações da Odebrecht na Lava Jato. A investigação descobriu que, ao longo dos anos, a empresa, que tinha capital social de 1 mil reais, recebeu mais de 10 milhões de reais de patrocinadores.

Sobre a delação de Palocci, a Qualicorp enviou a seguinte nota ao Radar: “A Qualicorp é uma companhia de capital aberto, com milhares de acionistas nacionais e internacionais, e todos os seus contratos são auditados por empresas renomadas. Sua atividade é exclusivamente privada e depende da contratação voluntária de cada cliente de plano de saúde. A empresa nunca pleiteou ou obteve qualquer tipo de benefício público e jamais transgrediu a lei. A companhia não comentará supostas acusações do ex-ministro, que foram rejeitadas pelo Ministério Público Federal por ausência de base fática.” O Radar tenta contato com o filho de Lula.

Veja

Opinião dos leitores

  1. É o desespero do moro. Criar factoide para sair da linha de tiro. São denúncias apenas para gerar manchetes e manter o único neurônio da bolsoninhada ocupado. Nem o próprio ministério público quis negociar com o Palocci. Ah, ele tá livre e sabe que a única condição para isso é ficar à disposição do moro.

    1. Moro também foi responsável pelos benefícios distintos às empresas citadas, e que renderam alguns milhões em detrimento do prejuízo em dobro pra o erário público, né abobalhado? Vc ficou sem muito serviço público por essas negociatas, desde segurança, saude, educação; o que você vê faltando no dia a dia.

  2. Com a palavra os adoradores de bandidos. Não se trata de conspiração da mídia , dos EUA ou da direita. A delação foi de um dos fundadores do PT, ex-tesoureiro e ex-ministro. Um dos mais próximos a Lula.
    Dissertem sobre isso, fans cegos de bandidos. Zumbis ideológicos.

  3. Se soltarem esse homem os petista queimam ele, como fizeram com Celso Daniel, pense nos eleitores, isto é uns devotos doidos.

  4. A ESQUERDA VAI ESPERNEAR E DIZER QUE É MENTIRA, QUE PALOCCI, PIOR AINDA SE ACUSA O CHEFE DA QUADRILHA (lula) E SUA PROLE

  5. Um prato cheio pra dr MORO. Pena que não é mais o juiz pra botar na taboca desses caras corruptos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Ex-médico Roger Abdelmassih voltará para a prisão

Foto: Agência O Globo

Condenado a 278 anos, o ex-médico Roger Abdelmassih vai voltar a cumprir pena em regime fechado. A decisão foi tomada nesta quinta-feira pela 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, ao analisar pedido apresentado pelo Ministério Público de São Paulo. Ele foi condenado por crimes de estupro e atentado ao pudor praticados contra mais de 70 pacientes.

O promotor Marcelo Negrini de Oliveira Mattos, da Promotoria de Justiça de Taubaté, argumentou que o estado de saúde de Abdelmassih não requer concessão do benefício de prisão domiciliar. Um atestado feito por perito do Centro de Apoio à Execução atestou que o médico possui condições físicas de continuar a cumprir pena em unidade prisional.

Ele cumpre pena no presídio de Tremembé, no Vale do Paraíba, em São Paulo.

Abdelmassih está em prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica, desde maio passado, quando a juíza Sueli Zeraik, da Vara de Execuções Criminais (VEC) de Tremembé, considerou que o estado de saúde dele era delicado e exigia cuidados constantes, que não seriam possíveis na prisão.

“Está evidenciado nos autos que o sentenciado em questão conta com setenta e seis anos de idade, apresenta quadro clínico bastante debilitado, experimenta atualmente considerável piora em seu estado de saúde, necessita de cuidados ininterruptos, medicação constante e em horários diversificados, exames frequentes e específicos, assim como alimentação especial e vigilância contínua, tanto da área médica como de enfermagem”, escreveu a juíza na época.

Em março de 2020 o ex-médico chegou a receber o benefício da prisão domiciliar por ser considerado integrante do grupo de risco de contrair o coronavírus. A decisão foi revogada em agosto pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pfizer entrega 2 lotes com total de 1,9 milhão de doses de vacina ao Brasil

Foto: Divulgação/Éder Rezende

Chegaram ao Brasil na noite desta quinta-feira (29) 2 carregamentos com 1.895.400 doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer. Os voos vindos de Miami pousaram no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP).

Com estes lotes, a empresa já entregou mais de 27 milhões de doses ao governo brasileiro. Até o dia 1º de agosto, ainda chegarão aproximadamente 3 milhões de doses.

Para agosto, a previsão mais recente do Ministério da Saúde é de 33,3 milhões de doses do imunizante da Pfizer, mais da metade de todas as 63,3 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 que o órgão espera receber.

O órgão publicou na 4ª feira (28.jul) a 1ª estimativa para o mês de setembro. São esperadas aproximadamente 69,5 milhões de doses ao todo, sendo 37,5 milhões da Pfizer, 17,8 milhões da CoronaVac e 14,2 milhões da AstraZeneca. De outubro a dezembro, a previsão é de 316,7 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Dessas, aproximadamente 100 milhões são da Pfizer.

No Twitter, o ministro Marcelo Queiroga anunciou as estimativas de entregas para os próximos meses. “Vamos em frente para acelerar ainda mais essa vacinação no Brasil”, declarou. Na 2ª feira, o país atingiu a marca de 100 milhões de vacinados, considerando a soma daqueles que tomaram a 1ª dose de vacinas de dose dupla aos que receberam imunizantes de dose única.

Poder 360

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Bala perdida atinge prédio no Tirol

Foto: reprodução

Uma bala perdida atingiu o edifício Chateau Saint Emilion no bairro do Tirol na noite desta quinta-feira (29). O edifício fica por trás do Instituto Maria Auxiliadora. O fato ocorreu enquanto ocorria uma intensa troca de tiros em Mãe Luíza . A polícia foi chamada até o local, mas não tem detalhes sobre a ocorrência.

Com informações do Blog de Gustavo Negreiros

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro fala em “indícios fortíssimos” e que “não tem como se comprovar se as eleições não foram ou foram fraudadas”

Foto: reprodução

O presidente Jair Bolsonaro utilizou mais de 30 minutos fez um resumo de seu período à frente da Presidência da República e das bandeiras que defende durante a live transmitida em sua página oficial nas redes sociais nesta quinta-feira (29).

O chefe do Executivo mudou o tom e não falou em “provas” que prometeu para indicar fraudes nas eleições anteriores. Disse que há “indícios fortíssimos ainda em fase de aprofundamento que nos levam a crer que temos que mudar esse processo eleitoral”. Ele havia prometido apresentar o que chama de “prova bomba” que houve fraudes em eleições anteriores.

Nos primeiros 40 minutos de transmissão, Bolsonaro não apresentou nenhum elemento relacionado a supostas irregularidades nos processos eleitorais. “Não tem como se comprovar se as eleições não foram ou foram fraudadas”, disse. Ele está acompanhado de uma pessoa identificada apenas como “Eduardo, analista de inteligência”, que deverá apresentar supostas provas de fraudes nas eleições.

A transmissão está sendo acompanhada por jornalistas de veículos de imprensa, que não foram autorizados a fazer perguntas. A fala inicial de Bolsonaro serviu para que o mandatário repetisse temas que tradicionalmente aborda em suas declarações, como a defesa do voto impresso, chamado por ele de “voto democrático”.

“Nós queremos transparência, queremos a verdade, queremos eleições democráticas, o voto democrático. Quem pode ser contra isso? Quem quer a desestabilização de uma nação poderosa como a nossa? Outros países estão de olho aqui. O nosso fracasso é a vitória deles”, afirmou. Disse também que ganhe quem ganhar a eleição de 2022, “vamos respeitar a vontade popular”.

Bolsonaro também atacou o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Roberto Barroso. “Por que a ferocidade do presidente do TSE em não querer discutir e não querer falar sobre uma contagem pública de votos, ou sobre uma forma de auditá-los?”, questionou.

“Por que o presidente do TSE, na iminência de ver a PEC (proposta de emenda constitucional) da deputada Bia Kicis (PSL-DF) ser aprovada na comissão especial, ele vai para dentro do parlamento, se reúne com várias lideranças partidárias e, no dia seguinte, muitos desses líderes trocam a posição da comissão por parlamentares que se comprometeram a votar contra o voto impresso. Qual foi o poder de persuasão do Barroso? Que poder ele tem?”.

Bolsonaro também falou sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e demonstrou preocupação de o petista ganhar a eleição. “O que nós não podemos admitir é que alguém que não tenha voto, chegue. É justo quem tirou o Lula da cadeia, quem o tornou elegível, ser o mesmo que vai contar o voto numa sala secreta do TSE? Cadê a contagem pública dos votos? Que eu quero eleições no ano que vem, vamos realizar eleições no ano que vem, mas eleições limpas, democráticas, sinceras”.

O mandatário tocou em temas que reverberam em sua base de apoio popular, como a defesa do armamento da população. Ele também reclamou do tratamento que veículos de imprensa adotam em relação ao seu governo e criticou o STF (Supremo Tribunal Federal) pela decisão de reconhecer as responsabilidade de prefeitos e governadores na gestão da pandemia de covid-19.

O presidente ainda afirmou que seu governo está há 2 anos e meio sem nenhum caso de corrupção.

Demonstração de programador

No meio da live presidencial, apareceu em vídeo uma pessoa que se apresentou como Jeferson e “programador”. Disse ser possível alterar o código fonte de uma urna eletrônica. Dessa forma, o eleitor votaria em um determinado candidato, e a foto correta apareceria na tela da urna. Mas no banco de dados seria registrado o voto para outro candidato. O programador não explicou como seria possível invadir todas as urnas eletrônicas, ou mesmo uma delas individualmente.

As urnas são carregadas com os programas que têm os nomes, números e fotos dos candidatos. Esse carregamento é realizado em cerimônia pública, dentro do edifício da Justiça Eleitoral, e fiscalizada por representantes de todos os partidos. Depois, as urnas são lacradas e só são abertas no dia da eleição, quando são ligadas na tomada –mas não na internet. Ou seja, é muito difícil que alguém consiga ter acesso às urnas para fazer a alteração no programa.

Durante a live, Bolsonaro deu um exemplo que alguém pode “desviar 12 milhões de votos”. Para fazer isso a partir de fraudes em urnas, seria necessário ter acesso a milhares de equipamentos.

Também foram apresentados vídeos de eleitores em 2018 dizendo que votaram em Bolsonaro, cujo número era 17, e na tela da urna aparecia “nulo”. Não fica claro como isso pode ter acontecido. Para o presidente, esse tipo de adulteração “aconteceu largamente”. Mas sempre com o cuidado de dizer: “Não temos provas”.

live também utilizou largamente imagens da emissora de TV a cabo GloboNews, de 2018, no início da apuração apontando a vantagem de Bolsonaro e dizendo sobre a possibilidade de vitória no 1º turno. Mas nas próprias imagens fica muito claro que poucas urnas estavam apuradas.

Imagem: reprodução

Essa imagem da apuração de 2018 foi mostrada para tentar demonstrar que Bolsonaro poderia ganhar no 1º turno. Mas, como se observa, ainda faltavam muitos votos para serem apurados (só 57% dos votos estavam escrutinados naquele momento)

Imagem: reprodução

Essa imagem também foi usada por Bolsonaro para tentar demonstrar que houve fraude em 2018. O presidente diz que estava muito à frente e depois não venceu no 1º turno. Mas a apuração é assimétrica e não há como projetar resultados quando ainda faltam muitos votos para serem escrutinados, como demonstra a imagem.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. O Minto mentiu na live, de novo…. disse que apenas 3 países utilizam a votação eletrônica… MENTIRA !!! São 46 países que utilizam… e nem todas utilizam impressão do voto… E as que utilizam o voto impresso, têm recursos financeiros muito superiores ao sistema brasileiro…. Libera o caixa do governo que o TSE compra os equipamentos

  2. Meu Deus, que palhaçada foi essa? (Com respeito a todos os que são palhaços de boa qualidade) o Presidente ultrapassou todos os limites hoje, isso não é possível acontecer, eh brincar com a nossa democracia, eh nos fazer de bobos, ele disse que teria provas e aparece com um bobo falando que as pessoas “ponhava” um voto e aparecia outro, de verdade eu ainda não acredito no que vimos e ouvimos, e aqui não eh a fala de quem votou em outro candidato não! Votei em Bolsonaro em 2018 e meu voto foi computado de forma correta e acabamos por elege-lo, mas a situação do governo tá difícil de entender, não tenho como repetir esse voto no próximo ano, eh uma questão de valorizar meu voto e a nossa democracia, que dia triste para o Brasil.

  3. Como sempre, não falou a verdade e nem apresentou provas concretas, apenas suposições… estórias da carochinha… Respeite a Palavra de Deus e não use a referência bíblica para endossar suas sandices…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Confira programação olímpica do Brasil na noite desta 5ª e manhã de 6ª

Foto: Julio Cesar Guimarães / COB

Confira um resumo da programação dos brasileiros na noite desta quinta-feira e manhã de sexta nas Olimpíadas de Tóquio. Início do atletismo pode ajudar Brasil a conseguir finais dentro dos Jogos. 

Também tem confronto no handebol masculino contra a Argentina valendo classificação e jogo duro contra os EUA no vôlei masculino.

Confira a programação:
20h30 – Hipismo – Marcelo Tosi + Rafael Losano + Carlos Parro

21h15 (quinta) – Salto em altura com Fernando Ferreira e Thiago Braz

21h – Handebol masculino – Brasil x Argentina

21h – Rugby feminino – Brasil x Fiji

22h – Semifinais BMX masculino – Renato Rezende

23h – Judô com Rafael Silva e Maria Suelen

23h05 – Vôlei masculino – Brasil x EUA

0h05 – Vela com Marco Grael e Gabriel Borges

1h24 – Boxe masculino – Keno Machado x Grã Bretanha

2h- Semifinais Canoagem Slalom – Pepê Gonçalves

2h50 – Vela com Martine Grael e Kahena Kunze

3h – Saltos ornamentais – Luana Lira

5h – Boxe feminino – Bia Ferreira x Taipei

5h – Futebol feminino – Quartas de final – Brasil x Canadá

7h – Salto triplo feminino – Nubia Soares

7h16 – Natação – 50m livre com Bruno Fratus

7h39 – Boxe masculino – Quartas de final – Abner Teixeira x Jordânia

8h12 – Atletismo – Revezamento misto 4x400m

8h40 – Natação masculino – 1500m livre com Guilherme Costa

9h – Vôlei de praia masculino – Bruno e Evandro x Polônia

9h15 – Natação – Revezamento 4×100 medley masculino

O Tempo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Incêndio atinge galpão que guarda maior parte do acervo da Cinemateca Brasileira, em SP

Fotos: Twitter/GloboNews/reprodução

Um incêndio atingiu um galpão da Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo, no começo da noite desta quinta-feira. De acordo com o Corpo de Bombeiros, não há vítimas até o momento. Em abril, os funcionários divulgaram um manifesto em que alertavam sobre os riscos de o edifício pegar fogo.

“A possibilidade de autocombustão das películas em nitrato de celulose, e o consequente risco de incêndio frequentemente recebem mais atenção da mídia e do público. A instituição enfrentou quatro incêndios em seus 74 anos, sendo o último em 2016, com a destruição de cerca de 500 obras. O risco de um novo incêndio é real. O acompanhamento técnico contínuo é a principal forma de prevenção. A situação do acervo em acetato de celulose também é crítica”, diz um trecho.

Os bombeiros foram acionados às 18h04 do fogo e foram até o local com 11 viaturas, que agora atuam no combate às chamas.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Camisa do ABC no jogo contra o Flamengo terá homenagem ao campeão olímpico Italo Ferreira

Foto: reprodução

O campeão olímpico e primeiro medalhista de ouro do surfe das Olimpíadas Italo Ferreira será homenageado pelo ABC no jogo contra o Flamengo, que acontece hoje (29) pelas oitavas de final da Copa do Brasil, no estádio Maracanã.

Ao carregar o nome do Rio Grande do Norte e mostrar o orgulho da nossa terra pelo mundo inteiro, o surfista potiguar terá seu nome gravado na camisa oficial de jogo que será usada pelos atletas abecedistas.

Ítalo Ferreira, natural de Baía Formosa, é homenageado pelo Alvinegro não somente por sua vitória, mas por toda a sua história de superação junto com sua família.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Ítalo Ferreira diz que vai surfar com amigos, voltar a treinar e que não quer aglomeração no aeroporto: “espero que a galera se comporte”

Foto: reprodução/CNN Brasil

O campeão olímpico de surfe, Ítalo Ferreira chegou nesta quinta-feira (29) ao Brasil após a conquista em Tóquio. Perguntado sobre qual seria seu cronograma, ele disse que pretende voltar a sua cidade Baía Formosa, no Rio Grande do Norte, para comemorar o título com família e amigos, sem esquecer do campeonato mundial de surfe, que ainda está acontecendo e que tem Ítalo na segunda posição, atrás apenas de Gabriel Medina.

“Quando chegar em casa vou surfar com meus amigos e voltar a treinar, porque dia 10 de agosto tem etapa do México [da WSL, campeonato mundial de surfe]. Esse é outro desafio, estou na vice-liderança do ranking, então tenho grandes chances de conquistar mais um título, é um dos meus objetivos do ano. Mas vou tirar um dia par aproveitar com a família e os amigos”, disse o surfista, que alertou a mãe para não provocar aglomerações na chegada do campeão a sua cidade natal.

“Quando eu ganhei a primeira coisa que falei para minha mãe foi para não levar a galera para o aeroporto. Eu vou chegar la de boa, ninguém vai nem me ver e nós vamos nos encontrar em casa. Mas ela falou que a galera quer me esperar na entrada de Baía Formosa. Só espero que a galera se comporte.”

Questionado sobre como ele passou pelos momentos de pressão durante o campeonato, Ítalo se disse honrado de ter entrado na história olímpica brasileira e que só tomou conta da dimensão de seu feito quando entrou nas redes sociais após a medalha de ouro.

“Não senti pressão, estava feliz e confiante na competição, não estava lá para participar, eu tinha que ganhar aquele campeonato. Depois do evento que eu vi a magnitude do que eu fiz e o quanto repercutiu, me sinto muito honrado de fazer parte dessa história”, disse o primeiro campeão olímpico de surfe da história.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: “Inexiste sobrepreço de 1000% na contratação da Covaxin”, esclarece CGU

O ministro Wagner Rosário, da Controladoria-Geral da União, afirmou há pouco em entrevista coletiva no Palácio do Planalto que não houve sobrepreço no contrato entre a Bharat Biotech, representada no Brasil pela Precisa Medicamentos, e Ministério da Saúde para a aquisição da vacina Covaxin.

Ele informou que o laboratório indiano apresentou uma única proposta no valor de US$ 15 e que, em outros mercados, a Covaxin foi oferecida por valores que variavam entre US$ 15 e US$ 18 a dose. “Além de toda essa verificação, verificamos 57 contratos pelo mundo. Não são contratos das vacinas. E o preço médio de vacinas no mundo é de US$ 13,39”, disse o ministro, citando que obteve essa informação por meio da própria Bharat Biotech.

Rosário disse também que nunca houve oferta da vacina ao valor de US$ 10. Apesar disso, documento do Ministério da Saúde apresentado à CPI afirma que, em uma reunião de 20 de novembro, houve a menção de que a vacina poderia ser ofertada a US$ 10.

“Ali se falou de uma expectativa de preço, não de oferta”, justificou Wagner Rosário, citando que teve acesso às íntegras da reunião realizada no Ministério da Saúde com a direção da Precisa Medicamentos.

O Antagonista

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 1.318 óbitos e 42 mil novos casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil nesta quinta-feira (29):

– O país registrou 1.318 óbitos nas últimas 24h, totalizando 554.497 mortes;

– Foram 42.283 novos casos de coronavírus registrados, no total 19.839.369.

O Ministério da Saúde estima que cerca de 18,5 milhões de brasileiros já se recuperaram da covid-19.

A média móvel de mortes nos últimos sete dias está em 1.069, no menor patamar desde a última semana de fevereiro.

A média móvel de novos casos está em 45.094, também nos níveis observados em fevereiro, antes dos dois picos ocorridos em março e junho.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *