Política

Nem Bolsonaro nem Lula: pesquisa mostra que a liderança é dos indecisos

Foto: iStock/Getty Images

Aos olhos de hoje, a próxima sucessão presidencial tende a repetir a disputa entre Jair Bolsonaro e PT, que deve lançar Lula em 2022. Diferentes institutos mostram o presidente e seu antecessor com ampla vantagem sobre os adversários nas pesquisas estimuladas — aquelas em que os entrevistados são apresentados a uma lista de possíveis candidatos e instados a escolher um deles. Em levantamento realizado pelo Ipespe a pedido da XP, Lula lidera com 40% das intenções de voto, e Bolsonaro aparece em segundo, com 24%. Os demais postulantes registram no máximo 10%. Apesar desses números, o quadro eleitoral ainda pode mudar de forma considerável, já que as mesmas pesquisas revelam que há espaço de sobra para a construção de uma candidatura capaz de romper a polarização. Dois dados são elucidativos nesse sentido. Na pesquisa espontânea, aquela em que não é apresentada a relação de presidenciáveis, a liderança é dos indecisos. Hoje, há mais entrevistados sem candidato do que declarando voto em Lula ou Bolsonaro. Além disso, um quarto da população não está disposto a votar em nenhum dos dois favoritos. Ou seja: há uma massa à espera de uma alternativa.

Se em tese a terceira via pode ser competitiva, na prática ela esbarra em toda a sorte de problemas. Até agora, foram lançados mais de dez balões de ensaio ao Palácio do Planalto, num sinal inequívoco de que o grupo não tem um candidato natural e que seus integrantes, por enquanto, não empolgaram o eleitor e não estão dispostos a abrir mão de seus respectivos projetos em nome da costura de uma grande aliança. Só no PSDB são quatro os presidenciáveis, e todos engatinham nas pesquisas. Parceiro histórico dos tucanos, o DEM também está testando nomes. Recentemente, o PSD passou a flertar com a ideia de filiar ao partido e lançar ao Planalto o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (leia entrevista de Páginas Amarelas com Gilberto Kassab na pág. 9). Já MDB e PSL cogitam as candidaturas da senadora Simone Tebet e do apresentador José Luiz Datena. Há ainda a possibilidade de o ex-juiz Sergio Moro entrar no páreo pelo Podemos. Como ninguém se destaca nesse pelotão, a conclusão é clara: o eleitor que não quer nem Lula nem Bolsonaro anseia por um nome da terceira via, mas até agora não gostou de quase nada do que viu. Encontrar um rosto competitivo para a disputa é o desafio dos centristas.

“O candidato de centro se sai muito bem enquanto permanece uma silhueta vazia ou uma folha em branco”, provoca o cientista político Paulo Kramer, que participou em 2018 da elaboração do plano de governo de Bolsonaro. “A terceira via, por enquanto, é um fantasma, mas precisamos dar carne e rosto para ele até dezembro. É a candidatura que mais ameaça o poder dos dois”, rebate o cientista político Luiz Felipe d’Avila, fundador do Centro de Liderança Pública e entusiasta da construção de um nome capaz de rivalizar com os favoritos. Considerando o quadro atual, políticos e especialistas apostam que uma vaga no segundo turno já está assegurada a Lula. A missão da terceira via seria tomar o lugar de Bolsonaro, que enfrenta um processo de desgaste de imagem em razão da pandemia de Covid-19 e da crise econômica. Seu governo hoje é reprovado por metade da população. De fato, a possibilidade de uma alternativa competitiva preocupa os dois líderes das pesquisas. Lula e Bolsonaro deram declarações recentes desdenhando dos centristas, numa rara sintonia entre eles provocada pelo fato de ambos também serem líderes em rejeição. Tudo o que eles não querem em 2022 é um confronto direto com alguém que tenha mais aceitação e alta capacidade de diálogo com diferentes fatias do eleitorado.

“Na espontânea, os indecisos estão num nível muito alto. A grande maioria ainda não tomou uma decisão firme de escolha do candidato. Pode haver grandes mudanças no quadro a depender da articulação da terceira via e dos resultados econômicos”, afirma o cientista político Felipe Nunes, diretor da consultoria Quaest. Em sua última pesquisa, o instituto perguntou quem o entrevistado preferia que vencesse a eleição. De 1 500 pessoas consultadas, 42% responderam Lula, 28% declararam “nem Bolsonaro nem Lula” e 26% afirmaram Bolsonaro. Houve uma espécie de empate técnico na segunda posição, o que reforça a esperança da terceira via de conquistar uma vaga no segundo turno.

Essa possibilidade, existente no campo teórico, pode se tornar inviável caso os integrantes desse grupo político não cheguem a um acordo. Hoje, a tendência é a pulverização de candidaturas. “O grande desafio da terceira via é vencer a descrença de que não tem chance de ganhar a eleição. Se tiver um nome que a população fala ‘hum, esse tem chances’, ele voa”, diz a presidente nacional do Podemos, deputada Renata Abreu (SP). A parlamentar reconhece que a vaidade dos próprios atores políticos, a maioria estacionada em intenções de votos que não chegam à casa dos dois dígitos, atrapalha as conversas em curso. “Todo candidato hoje se vê do mesmo tamanho. Por que vou abrir mão da minha candidatura em favor de outro nome que tenha o mesmo tamanho que eu? Não necessariamente quem tem vantagem eleitoral neste momento é o candidato com o maior potencial”, frisa Renata.

A eventual costura de um consenso entre os partidos sobre a candidatura da terceira via não encerra os problemas. Longe disso. Faltará o principal: conquistar o eleitor. O grupo que não quer “nem Lula nem Bolsonaro” não é homogêneo. Há de tudo um pouco nesse balaio, inclusive arrependidos de lado a lado. “É difícil encontrar um caminho para a terceira via hoje, já que ninguém consegue emergir de uma maneira clara neste momento até por conta da profusão de nomes cogitados. A gente precisa de tempo ainda para ver como vão se desenrolar a economia, a pandemia e a aprovação presidencial”, avalia Victor Scalet, analista político e estrategista da XP Investimentos.

BALÕES DE ENSAIO – Os nomes testados pelos partidos como alternativas à polarização: o governador João Doria (PSDB), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), o governador Eduardo Leite (PSDB), o ex-ministro Mandetta (DEM), o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), a senadora Simone Tebet (MDB), o senador Rodrigo Pacheco (DEM), o apresentador José Luiz Datena (PSL) e o apresentador Luciano Huck, que já desistiu – Gov. Estado de São Paulo; Twitter @cirogomes; Palacio Piratini; pedro França/Ag. Senado; Cristiano Mariz; Divulgação; raquel cunha/TV Globo

Pesquisa encomendada pelo DEM detalhou o perfil do candidato ideal ao cargo de presidente da República: homem, entre 40 e 60 anos, honesto, com espírito de liderança, experiência política e um olhar para os mais pobres. Eleitores de direita preferem um cristão, conservador, enquanto os de esquerda acham importante um cidadão simples, humilde, “do povo”. Já os de centro querem alguém equilibrado, sensato, centrado e unificador. “A pesquisa aponta muitos caminhos e conclui que no momento nem Lula nem Bolsonaro são exatamente os nomes desse perfil desejado. Existe uma parcela muito grande do eleitorado que não se definiu e deseja um nome que não seja nenhum dos dois que hoje são os mais lembrados”, afirma o presidente do DEM, ACM Neto. Segundo a sondagem do partido, realizada em maio, a via do meio é “estreita” atualmente, mas os dados “indicam um desejo majoritário por uma via alternativa”, capaz de pacificar o país, estimular a retomada econômica e recuperar a credibilidade internacional do Brasil. “É cedo para você dizer que não vai surgir ninguém, que o jogo tá jogado. O país não precisa ser refém da polarização”, acrescenta ACM Neto.

No extenso rol de dificuldades da terceira via, destaca-se também o papel secundário dos políticos do grupo nas redes sociais. O governador de São Paulo, João Doria, conseguiu certo protagonismo ao antagonizar com Bolsonaro no caso das vacinas. Naquela ocasião, a popularidade digital de Doria deu um salto, mas logo recuou para um patamar mais baixo. O mesmo ocorreu com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, outro presidenciável do PSDB. Um relatório da AP Exata, empresa especializada na análise de dados de redes sociais, mostra que Leite bombou na internet no dia seguinte à entrevista em que assumiu a sua homossexualidade, chegando a alcançar 26,8% das menções feitas a presidenciáveis nas redes sociais, superando inclusive Lula (14,3%). A maioria delas foi positiva. Depois, no entanto, o governador retornou ao nível rotineiro de menções, atingindo um índice de apenas 0,3%.

No estratégico campo das redes sociais, Bolsonaro e Lula também sobressaem. Os demais estão muito atrás e não têm nem mesmo um discurso claro — e de apelo — para vender à audiência. “O político que quiser se consagrar vai ter de investir nas redes”, afirma o CEO da AP Exata, Sergio Denicoli. Para políticos da direita à esquerda, a economia será decisiva para as chances de um candidato alternativo e para o resultado da eleição. Em seu pior momento desde que assumiu o mandato, Bolsonaro sabe disso e determinou à sua equipe que abra os cofres públicos e faça o que for possível para acelerar a recuperação econômica. “A economia pode não salvar o Bolsonaro a ponto de ele ganhar a eleição, mas pode salvá-lo no sentido de impedir o surgimento de uma terceira via competitiva”, declara o cientista político Sérgio Praça, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Nem todo mundo, no entanto, é bem-vindo na busca por uma alternativa. Na quarta-feira 25, a deputada Margarete Coelho (Progressistas-PI) finalizou o projeto de lei do novo Código Eleitoral e incluiu de última hora, num texto de 371 páginas, um dispositivo que determina quarentena de cinco anos para juízes, promotores e militares que pretendam se afastar das funções e disputar o voto popular nas urnas. Se aprovada, a regra tem um alvo certo: ela proibirá a candidatura de Sergio Moro, que condenou Lula à cadeia e deixou o governo Bolsonaro acusando o antigo chefe de interferir indevidamente na Polícia Federal. Como o ex-juiz pediu a exoneração do cargo em novembro de 2018 para assumir o posto de ministro da Justiça de Bolsonaro, ele só poderia concorrer em 2023. “Foi um pedido de vários partidos, é um apoio suprapartidário à proposta”, diz Margarete, cuja iniciativa contou com o apoio de legendas de diferentes matizes ideológicos.

A deputada é do Progressistas, o mesmo partido do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e do presidente da Câmara, Arthur Lira. Os três são próceres do Centrão, que aderiu ao governo e promete apoiar Bolsonaro em 2022. Até essa situação, no entanto, pode mudar. O cientista político Antonio Lavareda argumenta que Bolsonaro pode enfrentar mais dificuldades eleitorais caso insista na estratégia de esticar a corda, como fez no caso do voto impresso e das ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma das consequências poderia ser o aprofundamento da perda de apoio entre setores do PIB que o ajudaram em 2018. “Do lado do mercado e das elites, só aprofunda o distanciamento de Bolsonaro, agora não só um personagem complicado, como também um mais que provável perdedor. Essas forças buscarão e estimularão outra solução”, diz Lavareda. Já Paulo Kramer afirma que o presidente tende a se recuperar com o arrefecimento da pandemia, a recuperação econômica e o fortalecimento da articulação política do governo. “O que pode salvar Bolsonaro é a economia e a capacidade dele de mostrar que, sem ele, o PT volta ao poder”, declara Kramer. Com chances, pois ainda falta uma eternidade até a eleição, uma terceira via terá de convencer o eleitor de que o Brasil não precisa necessariamente nem de um nem de outro.

Veja

 

Opinião dos leitores

  1. Percebe-se que você é um lulista mesmo ao fazer tal conclusão… mesmo pensamento tosco dos bolsonaristas…

  2. As pesquisas não colou?estão moldando com a indecisos! Esperando as próxima narrativa. Vem logo 2022 minhas mãos estão tremendo pra votar em Bolsonaro.

    1. Vai perder o voto… e se não surgir um nome forte da 3a via o Luladrão vai se eleger. Só não enxerga quem não quer…

  3. Parece que não colou dizer que o nove dedos era líder nas pesquisas. Agora começou uma nova mentira. Dia 7 veremos o desmascaramento dessa narrativa.

  4. Resumindo a matéria para quem tem preguiça de ler contorciinismos de redação: LULA VAI VENCER COM FOLGA NO PRIMEIRO TURNO 🇧🇷🇧🇷🇧🇷
    Atentai Brasil😂😂😂😂😂

    1. Pra quem lê e não consegue entender, ou não lê, você está certíssimo, igualmente a ter certeza que luladrão é inocente. Não é que você está errado, você é apenas um estúpido mamulengo adorador de corruptos criminosos!

  5. A mídia e os seus financiadores (setores dominantes) encontraram a terceira via. Irão publicar pesquisas onde Lula perde para os indecisos, já que não encontraram candidatos capazes de fazer frente ao candidato do PT. Os indecisos para presidente. Nesse país da esculhambação como forma de vida e de gestão, isso não é uma piada pronta, mas manipulação rasteira para tentar desmoralizar o pleito. Mais uma tentativa golpista da mídia financiada de ajudar a classe dominantes de não deixar que as forças progressistas voltem ao poder. A mídia financiada acaba de lançar os indecisos para presidente. Agora vai? Vai não.

    1. Bolsonaristas e lulistas são todos incapazes de fazer uma leitura correta da situação política… da pena…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VARIANTE ÔMICRON: OMS pede que países mantenham fronteiras abertas para africanos

Foto: Andre Borges/Agência Brasília

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou, neste domingo (28/11), uma nota onde pede que os países reabram as fronteiras para nações africanas. Vários países suspenderam voos do continente após a detecção de múltiplos casos da Ômicron, nova variante do coronavírus.

O comunicado diz que restrições de viagem são importantes para controlar a transmissão do vírus, porém, acabam sendo prejudiciais para o dia a dia dos cidadãos e meios de sustento de cada pessoa. Por outro lado, a OMS recomenda outras medidas de contenção, como a ampliação dos testes e sequenciamento da Covid-19.

Ainda não está claro se Ômicron é mais transmissível quando comparada a outras variantes do SARS-CoV-2 ou se causa sintomas mais graves. No entanto, a OMS já classificou a cepa como uma variante de preocupação.

A nova cepa foi identificada inicialmente na África do Sul. Porém, Reino Unido, Alemanha e Itália já confirmam casos da Omicron. Em uma tentativa de conter a entrada da variante no Brasil, a Anvisa recomendou, no sábado (27/11), a proibição do desembarque de voos com origem ou passagem pela África do Sul, Botsuana, Reino de Essuatíni, Reino do Lesoto, República da Namíbia e República do Zimbábue. No dia seguinte foram incluídos na lista: Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia.

Neste domingo, o presidente da África do Sul, Matamela Cyril Ramaphosa, criticou a decisão dos países de fechar a fronteira para os voos vindos do continente africano por causa da nova cepa do coronavírus.

Para Ramaphosa, a medida é injustificável, discriminatória e ineficaz contra a disseminação da variante.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Bira Marques é reeleito presidente do ABC

Foto: divulgação

Bira Marques foi eleito para mais um mandato como presidente do ABC Futebol Clube. A eleição foi realizada neste domingo (28). O atual presidente, que faz parte da Chapa 2 (ABC no Rumo Certo) venceu com 67,2% dos votos. O vice é Bira é Fred Menezes.

Dos 745 eleitores aptos 431 compareceram para votar na eleição para escolha do presidente do ABC para o próximo triênio, uma abstenção de 42%.

A chapa 01 foi encabeçada por Idamylton Garcia, fundador da organizada Camisa 12 e a chapa 02, o atual presidente Bira Marques.

Os votos dos cessionários de camarotes estão sub judice, mas ainda assim o resultado dos votos apurados na tarde de hoje (28) apontou a vitória da chapa 2, encabeçada por Bira Marques.

CONFIRA O RESULTADO DETALHADO:

TOTAL

Chapa 1 – A Força da Frasqueira

Presidente: 79 votos

Conselho: 81 votos

Chapa 2 – ABC no Rumo Certo

Presidente: 175 votos

Conselho: 185 votos

Brancos

Presidente: 17

Conselho: 06

Nulos

Presidente: 02

Conselho: 01

JUDICIALIZAÇÃO

O juiz do plantão judicial Nilson Roberto Cavalcanti de Melo determinou neste domingo (28), em tutela de urgência, que o ABC, através da Comissão Eleitoral, disponibilize uma urna em separado para que seja realizado o processo eleitoral com os votos da lista de membros de camarotes sub judice. O pedido foi protocolado pelos representantes da Chapa 1 à presidência do clube que tem o candidato Idamylton Garcia à frente.

A medida permitirá que ao final da votação, a apuração dos votos seja contabilizada com e sem os membros da referida lista, divulgando, ao final, o resultado da eleição sem os votos dos membros dos camarotes. Na decisão, o magistrado entendeu que a votação em separado dos membros do camarote seria capaz de garantir a possibilidade do voto até que seja julgado o mérito da demanda.

No pedido, os advogados da Chapa 1 apontam o descumprimento do critério da anualidade de admissão do quadro social do clube. O estatuto do ABC prevê, desde 2017, o dever de informação por parte da instituição, a partir da qual, anualmente, em janeiro, seja dada transparência quanto aos prazos de admissão no quadro social para que fossem rechaçadas “indicações surpresa” em dissonância aos preceitos estatutários.

Ainda no pleito protocolado na Justiça, foi informada a solicitação realizada por conselheiros do clube, por meio de requerimento em 11 de outubro deste ano, as listas de indicações dos membros de camarotes para que fosse possível fiscalizar o cumprimento da anualidade. O documento pedia que fossem publicados os membros dos camarotes possivelmente aptos a participarem da eleição, contudo a Junta Eleitoral indeferiu o pedido.

Há inclusive uma ação ajuizada em agosto deste ano, ainda está pendente de julgamento da medida liminar, para obter essas informações. Contudo, a lista dos aptos a votar foi publicada, mas sem os possíveis aptos dos camarotes. As listas dos camarotes não possuem nenhum comprovante de ratificação publicado nos moldes definidos pela própria comissão, sendo publicadas apenas as listas dos integrantes com datas entre 2016 e 2020, não tendo como avaliar se houve publicações extemporâneas ou com datas retroativas.

BIRA MARQUES

O empresário Bira Marques assumiu o cargo após a renúncia do professor e médico Fernando Suassuna, em abril do ano passado. Ao assuimir o posto, Bira divulgou uma carta aberta para a torcida e conselheiros do Alvinegro pregando “união de todos os abecedistas para enfrentarmos as inúmeras dificuldades e desafios que virão pela frente”.

Portal Grande Ponto

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

VÍDEO: Antes de aparecer morto nas escadarias de Mãe Luíza, homem foi filmado por mulher que o acusava de estupro

O homem que apareceu morto rolando nas escadarias do bairro de Mãe Luíza na manhã deste domingo (28), foi filmado por uma mulher, que revoltada, o xingava, o acusava de estupro, afirmando que ele iria morrer.

Ele foi identificado como João Maria Bento da Silva. O Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep-RN) fez a retirada do corpo do local. De acordo com a polícia, ele teria sido morto por membros de uma facção criminosa e a motivação pode ter sido devido a acusação de estupro. A Polícia Civil deve investigar o caso.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 92 óbitos e 4 mil casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil neste domingo (28):

– O país registrou 92* óbitos nas últimas 24h, totalizando 614.278 mortes;

– Foram 4.043* novos casos de coronavírus registrados, no total 22.080.906.

O Ministério da Saúde calcula que mais de 21,2 milhões de pessoas já se recuperaram da Covid.

*Sem dados de DF, MS, MT e TO, que não divulgam aos domingos

A média móvel de mortes é de 231, já a média móvel de casos é de 9.090.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga: “Principal arma contra a ômicron é a campanha de imunização”

Foto: Sergio Lima/Poder 360

O ministro Marcelo Queiroga (Saúde) disse neste domingo (28) que a principal forma de conter a propagação da nova variante de covid-19, a ômicron, identificada inicialmente na África do Sul, é a campanha de vacinação.

“A principal arma que temos para enfrentar essas situações é a nossa campanha de imunização, em particular o Brasil vai muito bem. Já distribuímos mais de 372 milhões de doses de vacinas e dessas 308 milhões já foram aplicadas”, disse em transmissão ao vivo feita em suas contas oficiais.

Participaram da live, com o ministro: os secretários Rodrigo Cruz (Secretaria-Executiva), Arnaldo Medeiros (Vigilância em Saúde) e Sérgio Okane (Atenção Especializada à Saúde).

Todos eles ressaltaram a importância da vacinação contra a doença. “É extremamente importante que mantenhamos foco na campanha de vacinação e que mantenhamos medidas não-farmacológicas, evitando aglomerações fúteis”, disse Arnaldo Medeiros.

Queiroga afirmou na transmissão que a ômicron preocupa, mas que não é necessário desespero da população. “A variante tem causado atenção das autoridades sanitárias do mundo todo e aqui no Brasil também. Gostaria de tranquilizar os brasileiros, porque os cuidados com essa variante são os mesmos cuidados com as outras”, disse.

O ministro citou em sua live o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que ainda não se vacinou contra a doença. “O presidente Bolsonaro sempre tem dito que é necessário ter todo cuidado com questões relativas à saúde e preservar a nossa economia. Para esse binômio, é necessário cada um fazer a sua parte”, disse.

O chefe do ministério falou ainda sobre as comemorações de fim de ano. Disse que o governo trabalha para que os brasileiros tenham excelentes festas de fim de ano, mas que ainda não é hora de “grandes eventos” em massa.

“Estamos nos aproximando das festas de fim de ano, é uma boa oportunidade para confraternização das famílias, evitando grandes eventos em massa, porque ainda temos uma pandemia. Ficou bem mais controlada graças ao esforço do SUS, mas sabemos que só estaremos seguros quando todos estiverem seguros”, disse.

Poder 360

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Anvisa identifica covid em brasileiro vindo da África do Sul; não há confirmação sobre variante

Foto: PHILL MAGAKOE /AFP – 27.11.2021

Um brasileiro que retornou da África do Sul foi diagnotiscado com Covid-19 e está em isolamento, segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O passageiro desembarcou em Guarulhos no sábado (27), em um voo da Ethiopian Airlines. A agência reforçou que não é possível confirmar se ele está com a variante africana, nomeada ômicron.

O passageiro realizou teste RT-PCR para voltar ao Brasil e apresentou resultado negativo para embarcar, conforme determinam as normas brasileiras para entrada no país.  Após a chegada em São Paulo, ele realizou um novo exame, no próprio aeroporto, que deu positivo para o vírus. O passageiro estava assintomático quando pousou no Brasil, afirmou a Anvisa.

“Diante do resultado, a Agência notificou o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) nacional, estadual e municipal, às 1h07 do dia 28. A Vigilância epidemiológica do Município de Guarulhos também foi acionada para acompanhamento do caso”, disse a Anvisa.

Agora, o passageiro cumpre quarentena em casa e ficará isolado. Fora dos portos e aeroportos, o monitoramento e procedimentos necessários para o caso ficam a cargo dos órgãos de saúde estadual e municipal.

Em nota, a Secretaria de Saúde de São Paulo informou que “mantém o monitoramento do cenário epidemiológico em todo o território estadual. A confirmação de variantes ocorre por meio de sequenciamento genético e, até o momento, não há registros de casos da nova variante B.1.1.529 (Ômicron) no Estado.”

As medidas já conhecidas pela população seguem cruciais para combater a pandemia do coronavírus: uso de máscara, higienização das mãos (com água e sabão ou álcool em gel) e a vacinação contra a Covid-19.

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ômicron causou apenas ‘sintomas leves’ até o momento, diz médica sul-africana que tratou dezenas com a variante

Passageiro faz teste de Covid em aeroporto de Johanesburgo antes de ir para Uganda | Foto: SUMAYA HISHAM / REUTERS

Uma médica sul-africana que já tratou cerca de trinta pacientes com a variante Ômicron da Covid afirmou que eles apresentam apenas “sintomas leves” e que, por enquanto, estão passando pelo período de recuperação sem a necessidade de internação.

Durante os últimos dez dias, Angelique Coetzee, que também é presidente da Associação Médica da África do Sul, recebeu pacientes infectados pela Covid, mas com sintomas incomuns.

– O que os levou a me consultar foi um grande cansaço – disse ela à AFP.

A maioria eram homens com menos de 40 anos e quase metade deles estava vacinada.

Além da enorme fadiga, eles sofriam de dores musculares, tosse seca ou “coceira na garganta”, acrescentou o médico. Poucos tiveram febre baixa.

Em 18 de novembro, Coetzee alertou as autoridades sanitárias para este “quadro clínico que não coincide com a [variante] Delta”, que até agora é a variante predominante na África do Sul. A médica não se surpreendeu, porque o quadro já estava sendo estudado.

Dias depois, em 25 de novembro, pesquisadores sul-africanos anunciaram que haviam identificado a variante B.1.1.529, batizada no dia seguinte de Ômicron pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que possui múltiplas mutações e provavelmente é altamente contagiosa.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Após criticar aglomerações e falta de uso de máscaras, Claudia Leitte faz show para milhares sem proteção em SP

Após fazer críticas a aglomerações e falta de uso de máscaras de proteção contra a Covid-19, a cantora Cláudia Leitte fez um show para milhares de pessoas sem proteção, em São Paulo, no sábado (27). Em um vídeo de maio deste ano, a artista aparece criticando o não cumprimento de protocolos contra a Covid.

Antes do show, a cantora ainda postou nas redes sociais: “Evento realizado com limitação de público, exigência de comprovante de vacina e outras exigências sanitárias estabelecidas pela secretaria de saúde de São Paulo”.

Porém, a flexibilização do uso de máscara ao ar livre em São Paulo que até já foi anunciada, ainda não entrou em vigor. A nova medida passa a valer no próximo dia 11 de dezembro.

As imagens do show feito em meio a pandemia da Covid-19 viralizaram nas redes sociais. Nos vídeos postados pela artista nos stories do Instagram, é possível ver que a maioria do público não está usando máscara. O nome da artista foi parar nos assuntos mais comentados do Twitter neste domingo, 28.

Em clima de aquecimento para o carnaval, Claudia saiu em cima de um trio elétrico na Avenida Francisco Matarazzo, na zona Oeste de São Paulo, sendo a atração principal da Festa Blow Out.

Com informações de Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. Aqui em Natal na Árvore de Mirassol quase 40% do público circulando sem máscara. Fiquei horrorizada!! Já não volto lá.
    Galera acha que pelo fato de estar vacinado não pega nem transmite. Aiai

    1. Nao fui e nao vou. Não vejo que é hora pata festas abertas com aglomeração.
      O prefeito abriu a boca dizendo que era a festa pós pandemia, so se foi a pandemia dele pq ate hj sabemos que estamos em pandemia, não foi decretado que tinha acabado.

  2. Uma declaração feita em maio? Só olhar o cenário naquele mês e olhar hj. Também essa imprensa gosta de causar.

  3. Hipocrisia.
    Em tempos de pouca farinha, primeiro o meu pirão!
    É só uma amostra do que vem por aí com carnatal, réveillon e carnaval.

    1. O Dr. Laís vai ter, se acontecer algo que não queremos, de explicar essas decisões dúbias e fora de contexto que realiza. Quero ver como controlar o povo que vai para o Carnaval? Pedindo carteira de vacinação ao público, alguém regulando a distância entre foliões, vão usar máscara ou está tudo liberado, torce aí galera estudiosa, vamos ver se a reza de vcs funciona.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Anvisa recomenda ao governo barrar viajantes de mais quatro países africanos

Passageiros aguardam em saguão do aeroporto de Joanesburgo depois que diversos países barraram as viagens para a África do Sul – Foto: Phill Magakoe/AFP

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) fez uma recomendação na noite deste sábado (27) para que o governo federal proíba a entrada de viajantas que estiveram, nos últimos 14 dias, em quatro países africanos.

Com isso, a agência ampliou para dez o número de nações do continente na lista de restrições sanitárias.

A medida acrescenta Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia, ao lado de África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. A nova recomendação da Anvisa será avaliada pelo governo na segunda-feira.

O objetivo é tentar evitar a chegada da nova variante da Covid-19, batizada de ômicron pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Detectada no começo da semana, a variante identificada na África do Sul é vista com preocupação pela OMS (Organização Mundial da Saúde) por ter potencial risco de ser mais transmissível que as anteriores.

O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, disse na noite de sexta-feira (27) que o governo vai acatar a primeira recomendação da agência e proibir a entrada de quem passou, nos últimos 14 dias, por África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

“O Brasil fechará as fronteiras aéreas para seis países da África em virtude da nova variante do coronavírus. Vamos resguardar os brasileiros nessa nova fase da pandemia”, escreveu Nogueira no Twitter.

De acordo com Nogueira, a portaria seria publicada nesta sábado, o que ainda não ocorreu. As regras passariam a valer a partir de segunda-feira (29).

FolhaPress

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Capitais do Nordeste serão conectadas pela internet 5G até julho de 2022

Foto: Unsplash/Jakub Pabis

O Nordeste vivenciará um salto de conectividade nos próximos anos, após a conclusão do leilão do 5G. Com os compromissos definidos na licitação, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe serão beneficiados com infraestrutura de telecomunicações, que irá ampliar, exponencialmente, o acesso à internet.

Entre os principais serviços que vão chegar: 5G em todos os municípios, 4G em localidades com pouca (ou nenhuma) conexão e em trechos de rodovias sem cobertura de rede móvel. Muitos olhos estão voltados para a região por registrar o maior ágio do certame.

O leilão de radiofrequências abriu espaço para duas novas operadoras na região; capitais receberão 5G até julho de 2022; e 1.794 sedes municipais serão atendidas até 2029.

Além das operadoras Tim, Vivo e Claro, os nordestinos contarão com os serviços prestados pelas empresas Brisanet e Winity II. No entendimento do ministro das Comunicações, a chegada das novas operadoras é fundamental para ampliar a concorrência e pode implicar na redução dos preços praticados hoje no setor de telefonia móvel. No leilão, a Brisanet arrematou o lote C4 da faixa de 3,5 GHz (gigahertz), que cobre toda a região Nordeste, e pagou R$ 1,2 bilhão por 80 MHz (megahertz) da frequência, cujo preço mínimo era de R$ 9 milhões: um ágio de 13.741%.

Todos os investimentos serão feitos pelas operadoras que arremataram os lotes das faixas de radiofrequência leiloadas: 700 MHz; 2,3 GHz; 3,5 GHz; e 26 GHz. “Nosso propósito ao realizar um leilão não-arrecadatório é permitir que os valores das outorgas possam ser investidos em melhorias diretas para a população. Vamos ampliar a digitalização no Brasil e conectar brasileiros de todas as regiões”, destacou o ministro das Comunicações, Fábio Faria. O valor econômico total obtido com o leilão foi R$ 47,2 bilhões. Do total, R$ 42,4 bi serão revertidos em investimentos e R$ 4,8 bi irão para os cofres da União.

COBERTURA 5G – A mais nova geração de internet móvel chegará a todas as 1.794 sedes municipais do Nordeste, gradualmente, até 2029. As capitais nordestinas serão as primeiras a receber o 5G, até julho do ano que vem. Em seguida, as cidades com mais de 500 mil habitantes serão atendidas até o início de 2023 e, de forma escalonada, a cobertura se estenderá às demais cidades. Os compromissos preveem ainda a cobertura 5G em 1.148 localidades (que não são sede municipais) da região – isso representa 67% das 1.700 localidades priorizadas no Brasil. O Nordeste também concentra 32% de todos os municípios brasileiros que terão 5G.

CONECTIVIDADE EM ESCOLAS – Com a venda da faixa frequência de 26 GHz, o Governo Federal assegurou R$ 3,1 bilhões para investimento em conectividade nas escolas públicas de todo o Brasil. A escolha dos projetos será feita pelo Grupo de Acompanhamento do Custeio a Projetos de Conectividade de Escolas (GAPE), a ser formado por representantes do MCom; da Anatel; do Ministério da Educação; e representantes de cada uma das empresas vencedoras da faixa de 26 GHz. Caberá ao GAPE definir os projetos, detalhando características, critérios técnicos, cronograma de metas e estudos de precificação.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *