“PRIMEIRO TESTE, DEPOIS MOTEL”: Pesquisa diz que mesmo com pandemia, ‘passar do tempo’ foi crucial para que os infiéis voltassem à pista da traição

Foto: iStock

Se a vida dos solteiros já ficou mais complicada em 2020, imagine a de quem é casado, mas adora uma escapada casual. Em meio ao isolamento social e convivendo por mais tempo com o cônjuge, ficou mais difícil sair de casa sem uma boa justificativa — e quase impossível conhecer pessoas novas sem correr o risco de adoecer ou colocar os demais membros da residência em perigo.

Porém, de acordo com dados da plataforma Eveeda, voltada para mulheres e homens que buscam envolvimentos extraconjugais, o passar do tempo foi crucial para que os infiéis voltassem à pista da traição: em junho a empresa realizou uma pesquisa entre os usuários brasileiros e constatou que 76% deles haviam parado de procurar por novos parceiros desde o início da pandemia. Cinco meses depois, em novembro, o número caiu para apenas 27%.

Ou seja: ainda que as mortes causadas pelo coronavírus estejam aumentando no país, muitos consideraram que vale a pena correr o risco.

Duplamente perigoso é mais gostoso?

A pesquisa conduzida pelo site revelou que uma das principais motivações para as puladas de cerca é o frio na barriga: 87% dos usuários responderam que ter um caso na pandemia desperta neles a sensação de adrenalina.

É o caso de Carolina*, de 44 anos, que tem dois filhos. Ela sente que tem uma família feliz, mas que não pode dizer o mesmo do seu casamento. “Tenho certeza de que fui e continuo sendo traída, mas preferi não me divorciar. Não gostaria que meus filhos tivessem os pais separados e temos uma vida financeira estável”, conta.

Ela afirma ainda que começou a trair há sete anos, quando percebeu as evidências da infidelidade do companheiro. No início, conhecia outros homens em bares e na academia, mas hoje seu principal recurso é a internet, por onde já conheceu três parceiros.

Quando a quarentena começou, escolhi apenas um deles para continuar tendo encontros casuais. Não temos nada sério, mas acabamos nos tornando fixos. Quando temos algo marcado, digo ao meu marido que vou participar de um happy hour com as colegas de trabalho ou que vou ficar até mais tarde por lá, já que minhas atividades estão acontecendo presencialmente”.

Apesar disso, Carolina confessa que está ansiosa para que a vida volte ao normal, pois assim poderá variar os amantes como costumava fazer, sem se preocupar em adoecer.

Sede de aproveitar a vida

Quem também decidiu arriscar foi Joana*, que é casada há 20 anos e tem um filho. “Geralmente, quem casa acredita que vai ficar só com aquela pessoa para o resto da vida. Mas o passar dos anos nos torna solitários, carentes”, opina. Ela relembra que o primeiro encontro que teve através da plataforma foi agradável. “Fomos a um restaurante, pedimos um vinho e, depois de algum tempo de conversa, decidimos ir para um motel. Foi maravilhoso”.

A quarentena não a impediu de seguir traindo: reduziu o número de saídas, mas depois de um tempo de conversa com um dos pretendentes, marcaram de se conhecer pessoalmente.

Cada um de nós fez um teste de farmácia e mostrou o resultado para o outro. Só então fomos para um motel”, conta.

Mesmo o teste de farmácia não sendo o mais indicado para esse tipo de situação, uma vez que mostra apenas se a pessoa já desenvolveu anticorpos ao coronavírus — e não se ela está infectada e transmitindo a doença naquele momento — ela garante que se sentiu mais segura. “No fim, temos que aproveitar as oportunidades da vida. Ela passa muito rápido”, justifica.

Quem escolheu esperar

Mônica* tem 32 anos e é psicanalista. É casada há 2 anos, mas está em uma relação séria com seu marido há 15. Ela se considera feliz. “Estou com uma pessoa a quem admiro e amo. Tenho conversas agradáveis com ele e consigo imaginar nós dois envelhecendo juntos”, garante. Ela questiona, no entanto, a monogamia. “Conversamos muito sobre sexo e formatos de relação, mas ainda não conseguimos nos rotular como um casal aberto. Não acredito que ele tenha uma amante fixa, mas sei que não deixaria uma aventura escapar, assim como eu”, reflete.

Monica saiu com outros homens enquanto namorava. “Desenvolvi relações amigáveis, mas sempre tentei evitar o clima de romance”, diz. Ela experimentou o site depois depois de se casar, mas ainda não conseguiu se encontrar com alguém.

“Iniciei algumas conversas, mas não tive coragem de um encontro presencial. Provavelmente só aceitaria fazer isso se já tivesse intimidade com a pessoa e soubesse que ela está adotando o isolamento social e tomando as medidas necessárias para se prevenir. Como não conheço alguém com esse perfil, decidi esperar mais alguns meses”, afirma.

*Os nomes foram trocados a pedido das entrevistadas.

Universa – UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. John Porrada disse:

    LULA NÃO COME MAIS NEM SOPA…AQUELA NOVA NAMORADA DEVE ESTÁ NAS ESTATÍSTICAS…

  2. Antônio Glauber disse:

    Respeito e consideração começa em casa, na família. Se um dos cônjuges traí o outro como pode ter moral para falar de políticos desonestos. A família deveria ser uma entidade sagrada, se pensassemos assim teríamos um Mundo melhor de se viver.

  3. Victorino disse:

    O molusco de 9 dedos levava a amante no avião presidencial nas viagens, inclusive as internacionais.

  4. Calígula disse:

    Conheço muitos que ficam gritando Lula livre e levam gáias.

  5. Francisco Albuquerque disse:

    Conheço um Bolsonarista que traiu a esposa, com 1 rapaz de 19 anos.

COMENTE AQUI