Governo do RN assina contratos com a CEF para investir R$ 29 milhões na saúde e segurança hídrica

Fotos: Elisa Elsie

O Governo do Rio Grande do Norte assinou nesta quarta-feira, 22, contratos no valor de R$ 29,2 milhões com a Caixa Econômica Federal (CEF) para execução de obras nas áreas da saúde, recursos hídricos e agropecuária.

Na sala de reuniões da governadoria, em Natal, a governadora Fátima Bezerra recebeu o superintendente regional e diretores da CEF para a assinatura dos 18 contratos no valor de R$ 29,2 milhões. “Estes contratos trazem benefícios à população. Não medimos esforços para contratação de novas obras, para retomar obras paralisadas e dar continuidade às que estão em curso. De nossa parte não faltará empenho para avançarmos na execução e conclusão das obras. Em dois anos pretendemos inaugurar tudo o que foi contratado hoje”, afirmou Fátima Bezerra, para acrescentar que as ações do Governo precisam ter efetividade e beneficiar toda a população”, destacou Fátima.

Dos 18 contratos, 16 são para a Saúde e dois para perfuração de 215 poços – sendo 135 destinados ao consumo humano de água em comunidades difusas e assentamentos, que hoje são precariamente abastecidas por carros pipa, e 80 poços destinados à produção agropecuária nos municípios das regiões Trairi, Central e Seridó.

Guilherme Saldanha, secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, informou que os 80 novos poços “garantirão a produção, o trabalho e o sustento do homem do campo em três regiões que têm vocação para criação de gado e produção de leite e ajudarão a fortalecer a economia local e do Estado”. Os recursos para este investimento são provenientes de emenda ao Orçamento Geral da União (OGU) de autoria do deputado federal Benes Leocádio.

O secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) João Maria Cavalcanti, explicou que “os recursos contratados serão aplicados na perfuração de 135 poços para dar segurança hídrica às populações que hoje são abastecidas por carros pipa”. Serão investidos R$ 2,873 milhões, oriundos de emenda ao Orçamento Geral da União apresentada pelo senador Jean Paul Prates. “Com este investimento, vamos tirar várias comunidades da situação de colapso no abastecimento de água”, registrou João Maria Cavalcanti.

Na área da saúde, os investimentos – explicou o secretário de Saúde do Estado, Cipriano Maia de Vasconcelos – irão promover melhorias em unidades hospitalares. “Estamos investindo em oito hospitais e no laboratório em Mossoró. São obras de reformas em centro cirúrgico, laboratório, setores de nutrição, lavanderias em unidades hospitalares em todo o RN”, informou o secretário.

Os contratos na área de saúde somam R$ 24 milhões e vão beneficiar os hospitais: Walfredo Gurgel (Pronto Socorro Clóvis Sarinho e Centro de Queimados), Santa Catarina, Regional de Caicó, Regional de Currais Novos, Tarcísio Maia (Mossoró), o de Macaíba, de São José de Mipibu, o João Machado e o Laboratório Regional de Mossoró (Larem).

Na reunião, a CEF esteve representada pelo superintendente regional no RN, José Ricardo Gama; gerente executivo de Governo, Sílvio José Conceição; gerente regional no RN, Maria Izabel Cunha; o coordenador e o gerente geral da agência CEF da Ribeira, Rafael Melo e Walter Santana Melo, e Raysse Lucena. Também participaram do ato de assinatura dos contratos o vice-governador Antenor Roberto, os secretários de Estado: Gustavo Coelho (SIN), George Câmara (adjunto do Planejamento) e o presidente da Caern, Roberto Sérgio Linhares.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Verdade disse:

    Faca de dois gumes para a sociedade; de uma lado o prazer de se ter verba federal aqui para realização de obras e etc.. de outro a canalhice do PT querendo aparecer com essa governadora que vai tentar a reeleição as custas dessas verbas federais que aqui chegam. Abram do Olho !

  2. Verdade disse:

    Emenda do OGU-Orçamento Geral da União. Os Senadores e Deputados foram eleitos com essa prerrogativa parlamentar. E tem mais. Os recursos, todos eles, são públicos, oriundos dos nossos impostos. Graças a Deus Fátima está fazendo o dever de casa bem. E é no Governo Fátima Bezerra que esses contratos estão sendo implementados, geridos.

    Qual o medo de ver essa professora de origem popular gerir bem o poder público?

  3. Santos disse:

    Parabéns governadora! O RN está com a senhora. Viva a governadora.

  4. Fernando disse:

    Vocês são ricos ou burros?

  5. Temer disse:

    É gópi!

  6. PAULO disse:

    Governo Federal abarrotando os cofres do governo do RN de grana,Bolsonaro Melhor Presidente do Brasil …….

    • Aprígio disse:

      É verdade!
      Dinheiro do pré sal,
      Viaturas pra polícia novinhas em folha.
      No governo petralha os polícias empurravam pra pegar pra sair pro trabalho.
      Dinheiro pra saúde.
      Barragen de oiticica.
      Reta tabajara.
      Tudo a todo vapor.
      Acabou o roubo, o dinheiro agora rende, tá chegando em todo oBrasil, obras não para mais, ao contrário, se retoma.
      Da lhe MITO!!
      E estamos só iniciando o segundo ano de mandato.
      Ao final dos quatro anos, temos a reeleição em primeiro turno e MORO pra mais oito anos.
      No final do governo MORO, já estamos no primeiro mundo.
      Tchau corruptos canalhas.
      Esquerdopatas nunca mais.
      Kkkkkkkkkk
      Nem de binóculos, lupa, luneta da Nasa, vcs vão enxergar o poder.
      É só peia braba daqui pra frente.

    • Bento disse:

      Aprígio disse tudo
      Essa é a mais pura realidade.

Operação Calvário: Grupo liderado por ex-governador Ricardo Coutinho desviou R$ 120 milhões da saúde para campanhas políticas; confira alvos

Foto: Reprodução

Novos dados da Operação Calvário foram revelados. Do valor total desviado pelo grupo investigado (R$ 134 milhões), mais de R$ 120 milhões teriam sido destinados a políticos e às campanhas eleitorais de 2010, 2014 e 2018, diz a PF. A quadrilha teria ainda fraudado licitações e concursos públicos, além de ter superfaturado equipamentos, serviços e medicamentos.

“A medida cautelar ajuizada pelo Ministério Público da Paraíba colaciona um extenso material probatório, todo ele apontando o investigado Ricardo Vieira Coutinho como principal líder da Organização Criminosa e responsável direto, tanto pela tomada de decisões dentro do organismos delituoso, quanto aos métodos de arrecadação de propina, sua divisão e aplicação. Segundo as investigações, ele é o chefe do agrupamento que teria se estabelecido no Estado Paraibano”, diz um trecho da decisão judicial.

Segundo a Polícia Federal, foi organizada uma rede de prestadores de serviços terceirizados e de fornecedores que fechavam contratos com sobre-preço na gestão dos Hospitais de Trauma de Mamanguape e do Metropolitano, em Santa Rita.

Para se blindar de fiscalização do Tribunal de Contas do Estado, a quadrilha teria pagado propinas e utilizado contratos de ‘advocacia preventiva’ ou de ‘advocacia por êxito’ para ocultar a movimentação dos valores, diz a corporação.

Confira em matéria na íntegra no Justiça Potiguar quem são os alvos da Operação com mandado de prisão decretado aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. L al ma disse:

    E aqui no rgn quando a Pf chegará!

Witzel pede ao STF que suspenda obrigatoriedade de repasse de royalties para saúde e educação

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. Foto: Wilton Júnior / Estadão

O governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel apresentou ação direta de inconstitucionalidade ao Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar trecho da lei federal que prevê a obrigatoriedade da destinação de royalties do petróleo à saúde e educação. Segundo Witzel, a legislação fere ‘de forma muito grave’ a autonomia financeira do Estado do Rio de Janeiro, que passa por grave crise fiscal.

Os royalties são compensações determinadas por lei aos entes federativos em que ocorrem a extração do petróleo. Por lei, cada Estado deve destinar 75% dos recursos para a educação e os outros 25% para a saúde. A legislação foi sancionada em setembro de 2013 pela então presidente Dilma Rousseff (PT).

No pedido ao Supremo, Witzel argumenta que os dispositivos da lei ‘afetam diretamente – e de forma muito grave – a esfera de interesses do Estado do Rio de Janeiro’ e classifica a obrigatoriedade como uma ‘clara agressão’ à autonomia financeira e federativa do ente da União.

“Tal situação se revela ainda mais tormentosa diante da vigência do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), o que torna o manejo de recursos por parte do Poder Executivo temática ainda mais delicada, especialmente por conta de cenário de profunda escassez”, aponta Witzel.

O Rio de Janeiro acionou o programa de socorro da União por estar em grave crise fiscal. No acordo, o governo federal suspende a cobrança de dívidas com o Estado por três anos, para garantir um alívio nas contas fluminenses. Em troca, o Rio deverá cumprir uma série de exigências para colocar as contas no azul.

Em setembro, o Conselho de Supervisão do RRF deu advertência a Witzel por não estar cumprindo as demandas impostas ao Estado do Rio. O acordo foi assinado em 2017 e a dívida fluminense com a União já chega a R$ 32,5 bilhões.

Desde janeiro, Witzel tenta renegociar a dívida com o governo federal. Em junho, o governador mandou ao ministro Paulo Guedes (Economia) pedido de revisão do plano de recuperação fiscal.

Ao pedir o fim da obrigatoriedade dos repasses à educação e à saúde, Witzel sinaliza que gostaria de utilizar a verba em outras áreas. Segundo o governador, como o Estado é quem sofre o prejuízo da extração de petróleo, é o Estado quem deveria determinar como e onde os recursos da compensação por royalties devem ser alocados.

“Isso não quer dizer, por evidente, que saúde e educação não sejam searas prioritárias, nem que as receitas dos royalties não devam servir também a melhorias nesses serviços públicos, em adição às vinculações orçamentárias já estabelecidas pela Constituição. Pode ser que essa seja, de fato, uma destinação adequada com vista à compensação por danos e transtornos gerados com a atividade exploratória”, argumenta Witzel.

“Mas também é possível que não o seja – até porque os impactos ambientais e socioeconômicos produzidos tendem a ser os mais diversos, espraiando-se por áreas como ordenação urbana, segurança pública e habitação”, aponta.

Fausto Macedo – Estadão

Servidores da Saúde do Município de Natal em greve

Após muitas tentativas de acordo e negociação, sem sucesso, cinco entidades sindicais que representam os trabalhadores em saúde, unificaram o movimento e decretaram greve. Nesta terça-feira (10), a partir das 9h, os servidores públicos municipais da saúde realizarão um grande Ato em frente à Prefeitura de Natal, em mais uma tentativa de negociar as reivindicações com a Prefeitura de Natal!

Os servidores públicos municipais da saúde da Natal paralisaram as atividades em todas as unidades básicas, Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), Hospitais e maternidades Municipais. Os servidores reivindicam a implantação das gratificações, o cumprimento da lei da data-base, que garante a recomposição das perdas salariais e não é cumprida desde 2014.

Há servidores do município que há anos não recebem gratificações como quinquênios, insalubridade e transporte. Os servidores do último concurso não tiveram as gratificações implantadas, recebem apenas o salário base. Os servidores municipais enquadrados no Plano Geral, possuem uma decisão judicial que é descumprida desde outubro de 2018, que atualiza a matriz salarial defasada. São cerca de 8 mil servidores que recebem R$725 de salário base, abaixo do salário mínimo.

“Enquanto o Prefeito Álvaro Dias gasta milhões com shows e decoração natalina, falta gaze e esparadrapos nos hospitais e os servidores são obrigados a trabalhar em condições precárias, com salários defasados e não recebem as gratificações garantidas por lei”, resumiu o movimento.

As informações são do Sinsenat

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão brasileiro disse:

    Os servidores estão certo em reivindicar seus direitos. Mas esse resumo do movimento no último parágrafo não tem nexo, as verbas que são destinadas a cultura e turismo não podem ser desviadas para a saúde e vice-versa.

    • Antídoto para alienados de plantão disse:

      Só lembrando que em várias cidades do interior, os juízes proibiram festas de carnaval até que se resolver-se a falta de insumos nas unidades de saúde

    • Gaius Baltar disse:

      Na verdade a Prefeitura do Natal tem 300 milhões em verbas do orçamento que não têm destinação prevista em lei e o gestor pode dispor delas como bem entender. Na última votação do orçamento na Câmara Municipal foi tentada uma diminuição da verba sem destinação, justamente para evitar que o executivo pudesse usá-la nesse tipo de eventos, mas o projeto não foi aprovado.

Em clima de greve, servidores da saúde de Natal paralisam unidades

Os servidores da saúde de Natal já entraram no clima de greve e estão realizando diversas paralisações nas unidades de saúde. O movimento grevista fez ato no maior serviço de 24h de Natal, o Hospital Municipal, nesta quarta e hoje, na UPA de Pajuçara. Amanhã, será a vez da UPA de Potengi, na Zona Norte de Natal, às 9h.

Os servidores que iniciaram as mobilizações na segunda (02), com um ato na UPA da Cidade da Esperança fortalecem a construção de uma greve unificada que oficialmente começa nesta quinta (5).

Os servidores cobram as gratificações, a aplicação da lei da Data-Base, a implantação da mudança de nível e quinquênio. Sem contar das condições de trabalho, a falta de segurança e o assédio moral das gestões e chefias, pela qual os servidores são submetidos.

Confira o calendário da greve na próxima semana:

10/12 – 8h | Acampamento em frente à Prefeitura do Natal

11/12 – 9h30 | Assembleia unificada no Auditório do Sinsenat.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    É ai que começa o desequilibrio nas finanças de qualquer ente federativo. Penduricalhos concedidos sem dinheiro em caixa. Tava demorando.

RN e Bahia trocam experiências na área da saúde

Foto: Divulgação

Uma equipe da Secretaria Estadual de Saúde da Bahia (Sesab) está no Rio Grande do Norte, nesta segunda (2) e terça-feira (3), para discutir sobre experiências exitosas na área da saúde que possam ser replicadas, em especial as que envolvem a gestão de contratos, cirurgias eletivas, leitos de UTI e regulação.

A subsecretária de saúde da Bahia, Tereza Paim, e sua equipe traçaram um panorama das ações de saúde, mostrando a experiência daquele estado com parcerias público-privadas para realização de exames de imagem (radiologia, tomografia, mamografia e ressonância) e a utilização de um sistema pioneiro para gestão de contratos, criado na Bahia, o SISPC (Sistema de Prestação de Contas).

O secretário de saúde do RN, Cipriano Maia explicou os principais desafios da gestão e também fez uma apresentação sobre as condições de saúde da população e como se encontra a rede estadual de hospitais e unidades de referência. “Nossos principais gargalos, além da área administrativo-financeira, são a lógica dos processos, pois ainda sofremos com a morosidade e a questão de recursos humanos. Mas, próximo ano temos melhores perspectivas com a utilização de alguns recursos federais que ainda não foram executados e liberação de emendas de bancada”, disse.

Ao longo da programação da visita, que segue até amanhã (3), as equipes das duas secretarias se dividirão em grupos, de acordo com os temas principais de discussão: gestão de contratos, cirurgias eletivas, leitos de UTI e regulação.

“Todas estas experiência bem sucedidas da Bahia foram parte de um grande processo de conquistas deles. Estamos aqui para dialogar, estabelecer apoios e discutir os pontos fundamentais a serem trabalhados, para que possamos subir de nível em nossa gestão, principalmente no que se refere a organização dos serviços, dimensionamento de pessoal e aumento da capacidade de gestão”, frisou o secretário adjunto da saúde do RN, Petrônio Spinelli.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PAULO disse:

    OS BAIANOS AQUI SO VÃO APRENDER A FECHAR HOSPITAL ,COM DR CADEADO…..KKKKKKKKKKKKKK

  2. Pronto, falei! disse:

    Experiência de nada com coisa nenhuma!

Servidores Municipais da Saúde de Natal decretam greve geral por tempo indeterminado

Foto: Assessoria de Comunicação do Sindsaúde RN

Em assembleia geral, realizada na manhã desta quarta-feira, 27, os servidores municipais da saúde de Natal decretaram greve geral a partir da segunda-feira (02).

Com fechamento de serviços da atenção básica e o funcionamento apenas parcial dos serviços de unidades 24h. Todas as unidades de saúde do município de Natal, (Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Hospitais e Maternidades) aderiram ao movimento grevista.

O SindSaúde-RN, em nota, diz que “motivo os servidores têm de sobra”. Informa que a prefeitura do Natal se nega a receber os representantes sindicais, a aplicar a Lei da Data-Base e até mesmo a implementar direitos como os quinqüênios, mudanças de nível, adicionais, gratificações e decisões judiciais que beneficiam os trabalhadores.

“Além das perdas econômicas, os servidores são obrigados a trabalhar em condições precárias e até improvisadas, sem medicações básicas, sob assédio moral e ameaçados pela violência urbana que adentra as unidades cotidianamente”, resumiu o sindicato.

A primeira atividade está marcada para segunda-feira, 02, a partir das 9h da manhã, na UPA de cidade da Esperança, onde será realizada uma grande mobilização dos servidores públicos municipais.

Sindicatos que aderiram a greve: Sindsaúde, Sinsenat, Soern, Sindern e Sinfarn.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Juca disse:

    Quinquênio?? É isso ainda existe? No governo federal isso acabou faz 22 anos.

  2. Ednatal disse:

    O que acho muito estranho é os servidores do estado não fazerem o mesmo.
    Há lembrei, os sindicatos são parceiros de Fátima

Governo nomeia 53 novos profissionais para a Saúde do RN

Foto: Reprodução

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte acaba de nomear 53 novos candidatos aprovados em concurso público para provimento de cargos efetivos a serem ocupados na Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). A lista de nomeados foi publicada em edição extraordinária do Diário Oficial do Estado desta terça-feira (19).

Entre os profissionais convocados estão 25 ortopedistas, nove neurologistas, 11 farmacêuticos e oito bioquímicos. Os nomeados devem estar atentos à documentação exigida, aos exames necessários e ao prazo para assinatura do termo de posse que deve ser feita até o dia 18 de dezembro.

A Sesap reforça que vem construindo um Termo Interno de Governança para que, com responsabilidade fiscal e de maneira organizada e planejada, possa continuar nomeando os aprovados no concurso realizado no ano de 2018.

Para conferir a relação dos novos servidores, bem como a documentação necessária, basta conferir o documento anexo ou acessar o site da Sesap (www.saude.rn.gov.br) e buscar pela aba “serviços”.

Saúde disponibiliza novos locais em Natal de vacinação antirrábica

Foto: Divulgação

O Centro de Controle de Zoonoses, da Secretaria Municipal de Saúde, disponibiliza novos locais para a vacinação antirrábica de cães e gatos em Natal. A nova semana segue de 4 a 8 de novembro de 2019, no horário das 8h às 12h.

A Campanha segue com a estratégia porta a porta, pontos fixos e agendamentos pelo telefone 3232 8235, para pessoas que têm mais de cinco animais e condomínios. A vacinação, que iniciou em 19 de agosto, segue até 8 de novembro de 2019 na modalidade porta a porta e pontos fixos.

O objetivo da Campanha é controlar a circulação do vírus da raiva canina e felina e, assim evitar casos de raiva nesses animais e a sua transmissão para humanos, para isso é preciso imunizar o maior números de animais.

Confira os locais de vacinação antirrábica

Distrito Sanitário Leste

Bairro: Petrópolis (Esquema vacinal porta a porta)

Distrito Sanitário Oeste

Bairro: Quintas (Esquema vacinal porta a porta)

Bairro: Bom Pastor (Esquema vacinal porta a porta)

Distrito Sanitário Norte I

Bairro: Pajuçara/Loteamento Nova República e Alvorada (Esquema vacinal porta a porta)

Posto fixo: UBS Pajuçara (4 a 7/11, no horário de 7h às 11h e 13h às 15h)

Distrito Sanitário Norte II

Bairro: Potengi/Conjunto Panorama e Conjunto Potengi (Esquema vacinal porta a porta)

Distrito Sanitário Sul

Bairro: Capim Macio (Esquema vacinal porta a porta)nas Ruas Francisco Simplício, Antônio Nana, Rio grande do Norte, Pompeo, Jácome, São Geraldo, Afonso Magalhães e Da Lagosta.

Bairro: Neópolis (Esquema vacinal porta a porta) nas Ruas Governador Valadares, Martelândi, Muriau, Montes Claros, Monte Carmelo, Sabinópolis, Morjiana Mineira, Pão de Açúcar, José ribeiro de Andrade, Antônio J de Medeiros, Dr Manoel C da Costa, Viginópolis, Alto do Monte Belo, Pantanal e adjacências.

Bairro: Pitimbu (Esquema vacinal porta a porta) nas Ruas Paul Vachet, Dr José Pedro Bezerra, Comandante Monteiro, Rio Gramame, Paranapanema e Avenida Tropical.

Posto Fixo: UBS Satélite (Rua das Carnaúbas, 7789, de 4 a 8/11)

Prefeitura do Natal convoca novos aprovados no Concurso Público da Saúde

A Prefeitura do Natal publicou, no Diário Oficial do Município (DOM) desta sexta-feira (20/09), a chamada de aprovados no concurso público da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A convocação acontece depois que os candidatos nomeados anteriormente não se apresentaram no prazo determinado ou não quiseram assumir as funções e pediram exoneração.

Os cargos contemplados foram: auxiliar de farmácia (3); técnico em enfermagem (15); técnico em enfermagem do trabalho (1); técnico em segurança do trabalho (1); técnico em saneamento (1); técnico em patologia clínica (1); assistente social (2); enfermeiro (5); enfermeiro obstetra (2); farmacêutico (3); farmacêutico bioquímico (1); médico anestesiologista (2); médico cardiologista (1); médico cínico geral (10); médico da estratégia de saúde da família (3); médico gastroenterologista (1); médico geriatra (1); médico ginecologista (2); médico obstetra (6); médico pediatra (9); médico psiquiatra (1); e médico urgencista (2).

Os candidatos nomeados deverão, no prazo máximo, de 30 dias, a partir desta segunda (23/09), comparecer ao auditório da Secretaria Municipal de Saúde, localizada a Rua Fabrício Pedroza, 915, Areia Preta, Natal/RN, CEP: 59014-030, das 8h às 13h, de segunda à quinta-feira, a fim de receberem instruções sobre a documentação necessária para a posse. Sob pena de não assim o fazendo perderem o direito a exercício do cargo.

Os aprovados precisarão apresentar os seguintes exames: hemograma – tipo sanguíneo; glicemia – VDRL – EAS – EPF – TSH – colesterol – triglicerídeos; eletrocardiograma (laudo e parecer do cardiologista); eletroencefalograma (laudo/parecer do neurologista); laudo de sanidade mental com parecer do psiquiatra; audiometria com parecer do otorrinolaringologista; e Raio X do tórax com parecer do radiologista.

Além disso, é necessário apresentar estes documentos: laudo médico (emitido pela comissão competente/CPMSHT/Semad); 01 foto ¾ recente; carteira de identidade e CPF; título de eleitor; certidão eleitoral de antecedentes criminais; certificado de reservista (sexo masculino); diploma de habilitação para o cargo; registro no conselho (quando exigido); certidão de antecedentes criminais (estadual e federal); certidão de nascimento ou de casamento; cartão do PIS ou do Pasep (caso seja inscrito); comprovante de residência; carteira de trabalho (incluindo folha do contrato assinado ou não); cartão de conta corrente do Banco do Brasil (caso tenha); e ato de exoneração ou cópia do requerimento no ato da posse (se servidor público).

A relação com os nomes está no DOM

Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Natal discute construção de novo hospital na capital

Os vereadores da Comissão de Saúde da Câmara se reuniram na tarde dessa segunda-feira (02) e debateram em uma audiência pública, na presença do secretário municipal de Saúde, Dr. George Antunes, e representantes do Conselho Municipal de Saúde e outras entidades, a construção de um novo hospital na capital, com o objetivo de atender e suprir a demanda dos leitos de regulação de pacientes oriundos do sistema de urgência de Natal.

De acordo com o presidente da Comissão, vereador Fernando Lucena (PT), é preciso se pensar uma nova estrutura para evitar que novas mortes ocorram no sistema de saúde.

“Você tem as UPAS lotadas, mortalidade alta, porque as UPAS são unidades de pronto-atendimento, a pessoa sofre um infarto, fica internada 30 e até 60 dias, que era para ficar até 48 horas, porque não existe um hospital de retaguarda para receber esse paciente. A pessoa fica na UPA e acaba inclusive tomando o lugar de outro paciente. É preciso ter um hospital de retaguarda com no mínimo 400 leitos para suprir a demanda do estado. É necessária uma mobilização geral para construção desse hospital para evitar um colapso, colapso que pode acontecer a qualquer hora”, afirmou Fernando Lucena.

O secretário municipal de Saúde, George Antunes, esteve na reunião e destacou a necessidade da construção de um novo hospital. Ele relembrou projetos antigos que já previam a implantação de uma nova estrutura. “Eu fui secretário de estado por duas vezes e duas vezes tentei construir esse hospital. Pela primeira vez em 2009 e agora recentemente, mas não avançou. É preciso que o governo coloque em andamento e entenda a necessidade, pois é um projeto urgente e necessário”, acrescentou George Antunes.

Para o vereador Franklin Capistrano (PSB), é preciso urgência na execução desse projeto. “É preciso construir um novo hospital para desafogar o SUS, as UPAs, principalmente, que estão sem condições de trabalhar por conta da quantidade de pacientes. UPA não é hospital. Urgentemente é preciso construir esse hospital, já existe o local e a Comissão de Saúde da Câmara irá visitar esse local e vamos entrar em entendimento com a Assembleia Legislativa, senadores, deputados e ministério da saúde para que esse hospital venha rapidamente. Não podemos ficar com a saúde estrangulada por conta da falta de leitos de retaguarda”, ressaltou Franklin.

Vereadores discutem Projeto de Lei

Os parlamentares aproveitaram a visita do secretário municipal de Saúde para debater a apreciação do Projeto de Lei N° 36/2019, de autoria do vereador Luiz Almir (sem partido), que trata da garantia de atendimento à população em qualquer unidade de saúde, independente de ser na área de domicílio ou não. Segundo o secretário George Antunes, o município pode ser prejudicado caso o Projeto seja aprovado.

“Recebemos com muita preocupação, pois é um projeto que fere totalmente a lógica do sistema SUS, inclusive com a perda de recursos financeiros da área da saúde pelo município. A lógica que o Ministério da Saúde impõe é a da regionalização, principalmente quando a gente monta as estratégias de saúde da família (USF) para uma determinada população abrangente e também porque temos unidades de saúde estruturadas para atender uma demanda x de habitantes. No momento em que você propõe uma demanda espontânea, essa capacidade de receber esses pacientes fica comprometida. É um risco de não termos qualidade e os profissionais não suportarem a demanda”, enfatizou George Antunes.

O vereador Preto Aquino (PATRIOTA) relatou a necessidade do diálogo quanto ao Projeto de Lei. “É importante que esse projeto venha ser aprovado para o usuário que está fora de área. Mas a gente tem que votar com responsabilidade até porque tem um repasse que o município não poderá mais receber. Agora estamos no bom sentido, numa banca de negociações para encontrar uma forma como o horário estendido de atendimento até 19 horas em cerca de 12 unidades de saúde atendendo a população”, destacou Preto Aquino.

Relatório Anual de Gestão

A Comissão de Saúde também apreciou o relatório anual de gestão referente ao ano 2017. A presidente do Conselho Municipal de Saúde, Maria Dalva, destacou a necessidade de se avaliar o relatório. “O relatório já passou pelo conselho municipal e foi aprovado com ressalvas, porque ele tanto tinha coisas importantes mostrando o que melhorou no município, como também os problemas ainda existentes. O relatório serve para avaliar e dar base para o planejamento do exercício seguinte”, explicou Maria Dalva.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    Primeiro dê condições aos Hospitais já existente.

  2. Lucio disse:

    Por que não pegar a estrutura do PAPI e transformar em um hospital municipal? Acredito que gastaria menos.

VEJA revela paradeiro de Queiroz: teorias conspiratórias à parte, ex-assessor de Flávio Bolsonaro não está escondido da justiça, e trata agravamento de câncer

Por volta das 17h50 do último dia 26, o desaparecido mais famoso do Brasil passou, sem chamar atenção de ninguém, pela porta e se encaminhou para a recepção do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ali são oferecidos consultas e serviços como quimioterapia e radioterapia. De boné preto e óculos de grau, o paciente chegou sem seguranças nem familiares o acompanhando — e ficou sozinho por lá. Antes do compromisso agendado, fez hora na lanchonete e tomou café tranquilamente, sem ser importunado por ninguém. Cerca de uma hora depois, Fabrício Queiroz, o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, sumido desde janeiro, deixou o local. Ao longo dos últimos três meses, VEJA seguiu pistas e entrevistou dezenas de pessoas para identificar seu paradeiro.

Queiroz hoje reside no Morumbi, o mesmo bairro da Zona Sul de São Paulo onde se encontra o Einstein. A proximidade facilita os deslocamentos até o hospital, normalmente feitos de táxi ou Uber. Queiroz, que raramente sai de casa, luta contra o mesmo câncer no intestino que o levou para a mesa de cirurgia no fim do ano passado, pouco antes do estouro do escândalo da movimentação suspeita de 1,2 milhão de reais (600 000 entrando e 600 000 saindo) em sua conta na época em que trabalhava para Flávio Bolsonaro. Sua última aparição pública foi justamente no Einstein. Em 12 de janeiro, ele postou um vídeo na internet em que surgia dançando no hospital durante a recuperação de uma cirurgia. Segundo uma pessoa próxima, a operação não resolveu o problema do tumor. Um possível agravante é o de que Queiroz teria se descuidado por um tempo, para dar prioridade nos últimos meses ao esforço de se manter longe dos holofotes. As “férias” forçadas do tratamento cobraram um preço: há sinais de que a doença continua ameaçando perigosamente seu organismo. Um de seus amigos, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ), trocou mensagens com Queiroz há alguns meses. “Ele escreveu que ainda estava baqueado”, conta. No aspecto físico, Queiroz não aparenta seu delicado estado de saúde. Está apenas ligeiramente mais magro do que no ano passado.

Na movimentada seara de escândalos nacionais, Queiroz surgiu como um cometa e sumiu do espaço sem deixar vestígios. A aparição espetacular, como se sabe, ocorreu no fim de 2018, a partir do momento em que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) detectou em sua conta a dinheirama suspeita. A tese do Ministério Público é a de que ela é fruto de um sistema de coleta e de repasse de dinheiro de funcionários do gabinete do senador Flávio Bolsonaro, quando o Zero Um era deputado estadual no Rio de Janeiro. O órgão identificou também emissão de cheques de Queiroz no total de 24 000 reais para a conta da então futura primeira-dama Michelle Bolsonaro. O enrolado Queiroz enrolou-se ainda mais nas explicações. Mencionou em um primeiro momento lucros de vendas de carros usados e, depois, disse que recolhia parte dos salários dos funcionários do gabinete a fim de contratar mais gente para a equipe do chefe, sem conhecimento do próprio. No caso de Michelle, os depósitos seriam para quitar um empréstimo pessoal concedido a ele por Jair Bolsonaro. Em público, o clã Bolsonaro procurou se distanciar do ex-policial, incluindo o presidente, amigão de Queiroz desde o início dos anos 80, quando se conheceram no serviço militar da Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio. Tal distanciamento, no entanto, está mais no terreno da retórica. Foi do entorno de Bolsonaro a ideia de levar Queiroz para uma entrevista no SBT, no dia 26 de dezembro, para falar sobre o relatório do Coaf e tentar explicar a origem do dinheiro. Não convenceu ninguém, e o presidente, em sintonia com essa percepção, chamou de “roleiro”, em manifestação pública, o velho amigo de pescarias, churrascos e serviços prestados à família. As perguntas foram inevitáveis: Queiroz fazia as transações com ou sem a anuência do filho do presidente? Quais os nomes desses contratados? Não houve respostas. Pressionado, o ex-assessor decidiu sumir do mapa.

O desaparecimento nos últimos meses fez da pergunta “Cadê o Queiroz?” um bordão popular nas redes sociais e entre políticos da oposição sempre que querem cutucar o presidente. “Cabe a ele explicar. Eu também quero saber onde está o Queiroz”, diz Flávio Bolsonaro, ao ser perguntado sobre o tema. Bolsonaro, o pai, sempre entoou a mesma cantilena, terceirizando a responsabilidade dos problemas ao parceiro de longa data. Segundo um dos boatos surgidos para explicar o desaparecimento, Queiroz estaria escondido, fugindo de ameaças de morte para não abrir a boca. Em outra hipótese, neste caso, na direção contrária, teria sumido para escapar do assédio de pessoas interessadas em depoimentos capazes de incriminar os Bolsonaro. Ganharia em troca o fim das encrencas que enfrenta na Justiça e segurança para sua família.

Teorias conspiratórias à parte, o desaparecimento do ex-assessor durante tanto tempo deixou para uma parcela da opinião pública a impressão equivocada de que ele estaria fugindo da Justiça. O fato é que não há nenhuma ordem de prisão contra ele nem mesmo uma determinação para que deponha. Queiroz, sua mulher, suas filhas e Flávio Bolsonaro alegaram diferentes razões para não comparecer ao MP, mas nenhum deles foi denunciado à Justiça por isso. Os promotores também não chegaram a pedir a prisão temporária ou preventiva dos investigados.

Além de Queiroz, outros funcionários do gabinete de Flávio na Assembleia do Rio saíram de cena diante da repercussão do caso. Com os tribunais do Rio sempre contrários à tese de inocência de Flávio Bolsonaro, a defesa apostou suas fichas nas cortes de Brasília. Foram impetrados recursos judiciais no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF). Frederick Wassef, advogado do filho do presidente, alegou a existência de um vício de origem que teria contaminado todo o processo — no caso, o fato de o Ministério Público ter pedido detalhes da movimentação financeira do senador por meio do Coaf antes mesmo de ele figurar oficialmente no rol de investigados.

Essa alegação sofreu sucessivas derrotas até que, em julho passado, o presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, suspendeu todas as investigações criminais que usam, sem autorização judicial, dados detalhados de órgãos como a Receita Federal, o Banco Central e o Coaf. O processo sobre o uso desses dados estava à espera de deliberação do STF desde junho de 2017. Toffoli, no entanto, deu sua decisão oito horas depois de a defesa ajuizar o pedido de suspensão da investigação. Imediatamente, outra suspeita de conspiração ganhou a Praça dos Três Poderes: se no Rio haveria um conluio para fulminar a primeira-família da República, em Brasília haveria um acordo, envolvendo até o Supremo, para blindá-la. Toffoli, obviamente, nega a acusação. O ministro promete levar sua decisão ao plenário do STF até novembro.

De natureza delicada, o caso Queiroz passou a ser prioridade para Jair Bolsonaro antes mesmo de ele tomar posse no Palácio do Planalto. O presidente eleito avaliava que, enquanto a investigação continuasse, ela pairaria como uma sombra sobre o seu mandato, pondo em xeque o discurso de combate à corrupção e atrapalhando a tramitação de projetos considerados prioritários, como a reforma da Previdência. Por isso, o plano de Bolsonaro sempre foi vencer a batalha em duas frentes. No campo jurídico, impedir a condenação do senador Flávio Bolsonaro, acusado de reter e embolsar parte dos salários dos funcionários de seu gabinete quando era deputado estadual no Rio. Na seara política, evitar que a apuração da chamada “rachadinha” seja usada para desgastar o governo e dificultar a sua reeleição. Conhecido por enxergar conspirações por todos os lados, Bolsonaro acredita que setores do Ministério Público e do Judiciário fluminense estão mancomunados para fulminar o seu mandato, em conluio com o governador Wilson Witzel, que tem anunciado aos quatro ventos a intenção de disputar a Presidência em 2022.

O entorno de Bolsonaro se refere à cúpula dos poderes no Rio com termos como “organização criminosa” e “quadrilha”. Desde que o caso eclodiu, bolsonaristas estão em campo para reunir informações desabonadoras sobre promotores e juízes envolvidos na investigação. Em conversas reservadas, Flávio costuma lembrar que, mesmo contra a vontade do pai, carregou Witzel nas costas durante a campanha eleitoral. Graças a sua ajuda, Witzel foi eleito e, uma vez empossado, retribuiu com traição. Tranquilo em relação a seu sigilo bancário, o senador diz que a investigação frustrou seus planos de trabalhar como um articulador do governo no Senado, deixando-o numa posição defensiva. Apesar disso, ele não se coloca como o alvo preferencial da suposta conspirata. “Querem atingir meu pai” é um dos mantras prediletos do primogênito. Flávio jura inocência e diz que não sabia da movimentação financeira milionária de Queiroz. Ele acrescenta que ignorava que o então assessor segurava parte dos salários dos colegas e que não tinha ciência nem mesmo dos nomes de alguns dos funcionários de seu gabinete. A organização dos trabalhos seria tarefa de Queiroz.

Se inúmeras informações desse caso parecem nebulosas, um dado é verdadeiro: a doença do ex-assessor. O alarme de saúde para Queiroz soou com o diagnóstico de câncer no fim do ano passado. Trata-se de uma neoplasia com transição retossigmoide, o mais comum entre os tumores de intestino. Acomete uma a cada dezesseis pessoas até os 90 anos de idade. Ele está localizado no intestino grosso, próximo da saída do reto. Manifesta-se, em geral, por sangramentos. A gravidade é definida não tanto pelo tamanho do tumor, mas se (e quanto) ele atingiu os gânglios linfáticos — há gânglios linfáticos próximo ao reto. Nesse caso, o risco de metástase é alto.

Para cuidar do problema, Queiroz ficou internado de 30 de dezembro de 2018 a 8 de janeiro de 2019 no Einstein. Nesse período, submeteu-se à cirurgia conduzida pelo gastroenterologista Pedro Mello Borges, o mesmo especialista que o atende até hoje. Quando recebeu alta do hospital, o jornal O Globo divulgou a informação de que o tratamento de 133 580 reais havia sido pago em espécie. Metade do valor quitou a conta do hospital e o restante do desembolso foi para a equipe médica. Os dados acabaram sendo confirmado pelo advogado dele, Paulo Klein. Na época, o defensor afirmou que não havia nada de ilegal com a transação em dinheiro vivo e que os gastos eram compatíveis com a renda da família de Queiroz, estimada por ele em aproximadamente meio milhão de reais por ano.

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro continua tendo acesso ao que há de melhor em termos de medicina para esse tipo de tratamento no Brasil. Tome-se como exemplo a unidade visitada por ele na segunda-feira 26. Inaugurado em 2013, o Centro de Oncologia e Hematologia do Einstein consumiu investimento de 32 milhões de reais em equipamentos. São quatro andares distribuídos por 6 500 metros quadrados. Oferece consultas e serviços na área oncológica, como quimioterapia e radioterapia. De acordo com uma pessoa próxima, Queiroz tem sofrido com novos sangramentos. Na hipótese mais benigna, pode ser culpa de alguma lesão no local, causada por tratamentos anteriores. Outra possibilidade, bem mais preocupante, é a de que seja um sinal da volta do câncer. Procurado por VEJA, Queiroz não quis se pronunciar. Por enquanto, permanece calado. Um silêncio que só traz mais suspeitas sobre ele — e a família do presidente.

Veja

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. JUNIN disse:

    Vamos esquecer tudo isso, pois todos fazem isso, ou será que pagam suas milionárias campanhas com dinheiro do próprio bolso??? ora acordem e deixem de babar esse povo que nem do nosso estado é e nem gosta de nós nordestinos!!!!

  2. Thor Silva disse:

    Sei que Palocci, amigo íntimo do Luladrão, está entregando todos os podres dele.

  3. Rômulo© disse:

    É de se estranhar o fato dele estar morando num dos bairros mais nobres de São Paulo e continuar se tratando num dos hospitais mais caros do país. Com certeza aí tem coisa! Quem será que está comprando seu silêncio pagando por isso?

    • Rinaldo disse:

      Quem disso usa, disso cuida, n]ao é mesmo Rômulo?
      Quanta suposições, está mal acostumado, passou muito tempo vendo esse tipo de situação e agora, sem qualquer prova, acusa os outros de usar o mesmo "modus operandi" tão praticado até metade de 2016? Queiroz não tem plano de saúde? Como você sabe que ele não pode bancar o tratamento? Só quem tem cacife alto assim são seus líderes partidário, o resto não? Vá se tratar, seu ódio está comendo seu cérebro

    • Rômulo© disse:

      Rinaldo acho que ódio aqui quem tem é você! Veio vociferando defender este sujeito! Queiroz era um simples assessor, morador de uma viela num local de classe média baixa do Rio de Janeiro (a casa dele já foi objeto de reportagem, procure)! Como ele movimentou milhões de reais? Como agora consegue pagar por todos esses tratamentos? Você acha que planos de saúde meia boca pagam Albert Einstein?! Você tem noção de quanto custa um tratamento como o dele pagando particular? Acorda! Ele só não come capim pela raiz hoje porque seria quase uma confissão de culpa do clã BolsoNero! Melhor para quem tem o rabo preso custear o tratamento em troca de silêncio, mesmo "torcendo" para que ele passe logo para o outro plano! Questão de lógica!

  4. José Araújo disse:

    Alexandre, de queima de arquivo vcs entendem bem, vj o caso Celso Daniel de Diadema sp

  5. José Araújo disse:

    FALA QUEIROZ QUE EU TI ESCUTO

  6. Editor disse:

    Foi por essas e outras que a editora abril quebrou.

  7. Alexandre disse:

    Queima de arquivo , antes que descubra tudo sobre mamata…….kd os eleitores inconformados de Aécio ? anti – corruptoção ?kkk

    • Acorda Brasil disse:

      Desejo que você não precise passar pelo tratamento de um câncer, ou um familiar seu próximo. Tenha bom senso.
      Sim vamos levar do hospital pra uma audiência depois da quimioterapia. Deixa de idiotice.

    • Manoel disse:

      Como assim? Queima de arquivo passando por tratamento de câncer? Se for para dar fim a ele não seira melhor evitar o tratamento? Dificultar o acesso dele a hospitais? O cara está sendo tratado no Albert Einisten e não em hospital do SUS.
      Como a esquerdalha desesperada distorce tudo!
      Podemos concluir que o compromisso com a corrupção e a dependência dos recursos públicos é pior que um câncer nesse país.

Ter um cachorro ou outro animal de estimação faz bem para saúde do coração, diz pesquisa

Ter um cachorro – ou outro animal de estimação – faz um bem danado para o coração. É o que aponta um estudo recém-publicado na revista científica MayoClinic. A pesquisa foi desenvolvida pela equipe do Kardiozive Brno 2030, um projeto estudo sobre saúde cardiovascular realizado no leste europeu.

“Em geral, as pessoas que possuíam qualquer animal de estimação tinham maior probabilidade de realizar atividades físicas, ter uma dieta melhor e o nível ideal de açúcar no sangue”, disse Andrea Maugeri, coautor da pesquisa, em comunicado. “Mas os maiores benefícios de se ter um pet foram notados em quem possuía um cachorro, independentemente de idade, sexo e nível de educação.”

O estudo registrou informações de 2 mil voluntários que vivem na cidade de Brno, na República Tcheca. Tempos depois, os pesquisadores fizeram uma nova avaliação dessas pessoas, analisando o que havia mudado em termos de índice de massa corporal (o famoso IMC), dieta, atividade física, tabagismo, pressão arterial, glicemia e colesterol.

Ao comparar os resultados, os especialistas concluíram que existe, sim, um elo entre ter um companheiro animal (em especial se for um cão) e apresentar melhor saúde cardiovascular. “Os achados do estudo apoiam a ideia de que as pessoas podem adotar, resgatar ou comprar um animal de estimação como uma potencial estratégia para melhorar sua saúde cardiovascular”, comenta Maugeri.

Mas, para que o peludo realmente dê um up no seu bem-estar, é preciso garantir que tanto a sua rotina quanto a dele sejam ativas. Ah, vai: fazer uma caminhada ou dar aquela corrida no parque vai ficar muito mais gostoso, né?

Galileu

 

Peritos do ITEP identificam que 98% dos medicamentos apreendidos no RN eram falsificados e com riscos à saúde

Peritos criminais Leonardo Rego e Lucas Nobre alertam sobre riscos de medicamentos falsificados – Foto – Júlio Rocha

O uso de medicamentos para o estilo de vida em busca de melhorias estéticas para o corpo têm aumentado significadamente nos dias atuais, seja para incremento de massa muscular, emagrecimento, disfunção erétil, entre outros. Porém, os consumidores precisam ficar atentos para não terem prejuízos para a saúde. Pesquisa desenvolvida no Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP-RN) mostra que 98,6% dos medicamentos apreendidos, nos anos de 2017 e 2018 em operações da Delegacia Especializada em Narcóticos, eram falsificados seja por não terem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou não apresentar as substâncias descritas nos rótulos.

O trabalho desenvolvido no Núcleo de Laboratório Central de Perícias Forenses pelos peritos criminais Leonardo Rêgo e Lucas Nobre analisou 144 itens, dos quais apenas 6,3% apresentavam registro da Anvisa na embalagem.

“Na maior parte dos medicamentos analisados, foram identificadas a presença de esteroides anabolizantes (74,3%), seguidos de 22,9% de itens que não continham nenhuma substância ativa. Em 33,3% dos itens analisados, a substância detectada não era condizente com a descrita no rótulo do produto e 10,4% não apresentavam rótulo algum”, enfatizou o perito criminal Leonardo Rêgo.

Não foi detectada nenhuma substância ativa em 46,6% dos produtos que não apresentavam rótulo, sendo o restante (53,4%) apresentando esteroides anabolizantes na sua formulação.

“Esse estudo permitiu traçar um perfil dos medicamentos analisados, no qual foi observado que quase a totalidade era formada por substâncias anabolizantes esteroides”, concluiu o perito criminal Lucas Nobre.

Riscos à saúde

Os medicamentos falsificados podem gerar danos graves a saúde, que pode ir desde a não ação terapêutica pretendida (efeito placebo) a problemas relacionados a reações adversas. A população deve estar atenta ao adquirir produtos farmacêuticos para fugir das falsificações. Portanto, o perito criminal Leonardo Rêgo, que também é farmacêutico, dá algumas dicas do que ser observado na aquisição de um medicamento:

1- Compre sempre em estabelecimentos que contenham alvará para comercialização de medicamentos, como farmácias e drogarias;

2 – Verifique na embalagem a presença do registro do medicamento junto à ANVISA. É um número formado por 13 dígitos.

3 – Verifique se na embalagem do produto há a descrição do farmacêutico responsável, bem como o seu número de inscrição no conselho (CRF);

4 – Só adquira medicamentos que apresentem embalagens em bom estado de conservação e lacrados;

5- Verifique se há alteração no tipo de letra e no texto da embalagem ou da bula.

6 – Se possível, verifique as características físicas do medicamento, quanto ao formato e cor do comprimido, gosto do líquido e embalagem. Em muitos casos, o falsificador não consegue copiar todos os detalhes.

7 – Em caso de dúvida, entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do fabricante do produto.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Roberto disse:

    Exmº Sr. jornalista/Comunicador BG, nota 10 ( digno de comparaçao confiável com qualquer jornalista do S e Se do Brasil ) Vc. ou sua equipe PODERIAM ajudar MAIS a população SE desse o nome de medicamentos pesquisado pelo Itep/RN e nos deixassem MENOS FRAGILIZADOS ( c/risco de contssminsção..). Sou Carioca dsa MB, e me orgulho de estar morando aqui em Natal/RN ( ter escolhido aqui por ter 2 compadres daqui desde os anos 80 ) onde meus 2 filhos se formaram na Cefet e UFRN e derm-me 2 netos. Já a alguns anos acompanho seus blog CONFIO e fico surpreso com os meios de comunicação dos últimos anos que DÃO A NOTICIA ( as vezes como esta profunda e alarmante..) MAS QUASE SEMPRE não vem completa como um texto que deve ter início-meio e fim. Desculpe me alongar MAS acho precioso que NÓS´possamos saber PELO MENOS alguns medicamentos de maaior uso que esta nesta lista condenável aos seus empresários/produtores, Se Nós iremos poder nos precaver ? ?.

Receita para uma vida saudável todo mundo sabe de cor, no entanto, não é tão fácil quanto parece; veja como ter uma rotina que promove bem-estar e saúde

Foto: Getty Images

A receita para uma vida saudável todo mundo sabe de cor: praticar exercícios regularmente, comer bem, dormir o suficiente e evitar o estresse. Seguir essas recomendações, no entanto, não é tão fácil quanto parece – para começar, as interpretações sobre cada uma delas são muitas. Há ainda os fatores individuais, como idade, condição física e relógio biológico. Como saber, então, se estamos no caminho certo?

A medicina pode ajudar na busca do equilíbrio na rotina de cada um, dentro de suas circunstâncias específicas. As horas de sono recomendadas, por exemplo, variam conforme a fase da vida. No início, o corpo tem mais necessidade de descanso; depois passa a exigir cada vez menos enquanto envelhecemos — de 14 horas na primeira infância, diminui para cerca de sete ou oito na terceira idade.

— Não é verdade que existem pessoas que ficam recuperadas dormindo pouco. Dez dias dormindo seis horas por noite já causam um efeito na cognição equivalente a uma noite acordado — explica o ortopedista Lucas Furtado da Fonseca, especialista em Medicina do Esporte e credenciado à rede do plano de saúde premium Amil One .

Noites bem dormidas estão entre os principais ingredientes de uma vida saudável. Ajudam a manter o peso, a regular os hormônios e a prevenir doenças como o diabetes e a depressão. Entre as recomendações dos médicos para manter uma rotina de sono está evitar cafeína, nicotina, álcool e telas de TV e celular perto da hora de dormir. Também é bom não deixar para fazer atividade física no período da noite. Expor o corpo à luz logo cedo ajuda a normalizar o ritmo circadiano, ou seja, o ciclo de atividade biológica.

Exercícios também influem em amplos aspectos da saúde. Além de melhorarem força, sistema cardiorrespiratório e imunidade, reduzem a chance de depressão e aumentam a longevidade. Segundo Furtado, o ideal é fazer 30 minutos de atividade aeróbica cinco vezes por semana e 75 minutos semanais de atividade resistida, com pesos. Um médico do esporte pode ajudar a encontrar os esportes mais adequados ao perfil de cada um.

— É importante começar com metas realistas, tais como dar uma volta no quarteirão ou subir de escada em vez de elevador. Encontrar algo prazeroso dá aderência, faz não desistir. Chamar amigos ou parentes para participar também ajuda — recomenda.

O obstetra Iago Frazão Nogueira, cliente do plano de saúde premium Amil One, conhece bem os benefícios do esporte. Quando entrou na faculdade de Medicina, a vida corrida o afastou da equitação, que praticava desde quando era criança. Há cerca de oito anos, voltou a praticá-la com o mesmo empenho da juventude. Como resultado ganhou resistência e saúde mental para encarar o trabalho.

— Minha especialidade é bastante desgastante e imprevisível. Voltar para a atividade física regular diminuiu muito minha ansiedade e o estresse no dia a dia — afirma o médico, com exames equilibrados aos 49 anos.

Quem faz exercícios de manhã, defende Furtado, pode até pular o café da manhã. Se tiver feito uma refeição à noite com carboidratos complexos, como aipim e batata doce, ainda estará com estoque de glicogênio (a reserva energética do corpo) para gastar. Mas, de novo, vale aqui a regra da adequação. Quem sentir fraqueza deve consumir uma fruta de absorção rápida, como banana ou maçã. E procurar um nutricionista se tiver demandas específicas, como perda de peso ou ter energia para esportes de alto desempenho.

Os hábitos alimentares de hoje contam com carboidratos em demasia, que podem elevar o colesterol e o risco de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. Estudos têm apontado que a fórmula da longevidade passa por um consumo reduzido desse grupo alimentar. Nesse sentido, o especialista em medicina do esporte indica a adoção de dietas balanceadas, que reduzam bastante a ingestão de carboidratos, e alerta que é fundamental consultar um médico ou nutricionista antes de pensar em alterar o cardápio.

Falando em hábitos, vale reforçar a importância de beber água. Furtado recomenda a ingestão de, ao menos, dois litros diários – por volta de 6 a 8 copos. No entanto, é preciso considerar que a quantidade varia de acordo com fatores como temperatura do ambiente, peso, idade e atividades. Praticantes regulares de esportes, por exemplo, precisam de mais hidratação por causa da atividade física.

A recomendação final, mas não menos importante, prega que momentos de lazer tenham destaque na rotina. De acordo com a OMS, cerca de 90% da população sofre com algum nível de estresse. Escutar música, passear na natureza, sair com amigos e família, meditar e até fazer trabalho voluntário já se provaram bons métodos de preservar a saúde.

— A monotonia das tarefas diárias tem efeitos nefastos sobre a personalidade. Nesse sentido, o lazer funciona como um reparador dos desgastes físicos, mentais e emocionais — conclui Furtado.

Hábitos de uma rotina que promove o bem-estar:

Busque sempre dormir bem, tendo, pelo menos, oito horas de sono. Isso ajuda a manter o peso, a regular os hormônios e a prevenir doenças como o diabetes e a depressão;

Evite cafeína, nicotina, álcool e telas de TV e celular perto da hora de dormir;

Pratique exercícios regularmente. O hábito ajuda a melhorar a força, o sistema cardiorrespiratório e a imunidade, reduz a chance de depressão e aumenta a longevidade;

O ideal é fazer 30 minutos de atividade aeróbica cinco vezes por semana e 75 minutos semanais de atividade resistida, com pesos;

Tenha uma rotina alimentar em que os carboidratos não são protagonistas, evitando assim os riscos de elevar o colesterol e de ter doenças neurodegenerativas;

Dê preferência a alimentos frescos e naturais e reduza ao máximo o consumo de alimentos processados;

Beba pelo menos dois litros (de 6 a 8 copos) de água por dia;

Coloque o lazer como prioridade em sua vida, ajudando, assim, a reparar desgastes físicos, mentais e emocionais.

O Globo

 

Após desistências, Prefeitura do Natal convoca novos aprovados em Concurso Público da Saúde

A Prefeitura do Natal publicou, no Diário Oficial do Município (DOM) desta segunda-feira (22), a chamada de aprovados no concurso público da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A convocação acontece depois que os candidatos nomeados anteriormente não se apresentaram ou não quiseram assumir as funções e pediram exoneração. Ao todo, foram 141 candidatos convocados.

Os cargos selecionados foram: auxiliar de farmácia (5); auxiliar de saúde bucal (2); técnico em enfermagem (44); técnico em patologia clínica (10); assistente social (1); biomédico (1); educador social (1); enfermeiro (7); farmacêutico (4); farmacêutico bioquímico (4); fisioterapeuta (1); médico anestesiologista (4); médico clínico geral (6); médico da estratégia de saúde da família (30); médico do trabalho (1); médico obstetra (8); médico urgencista (4); nutricionista (2); odontólogo (3); psicólogo (2); sanitarista (1).

Os candidatos nomeados deverão, no prazo máximo, de 30 dias, a partir desta segunda, comparecer ao auditório da Secretaria Municipal de Saúde, localizada a Rua Fabrício Pedroza, 915, Areia Preta, Natal/RN, CEP: 59014-030, das 8h às 13h, de segunda à quinta-feira, a fim de receberem instruções sobre a documentação necessária para a posse. Sob pena de não assim o fazendo perderem o direito a exercício do cargo.

Os aprovados deverão apresentar os seguintes exames: hemograma – tipo sanguíneo; glicemia – VDRL – EAS – EPF – TSH – colesterol – triglicerídeos; eletrocardiograma (laudo e parecer do cardiologista); eletroencefalograma (laudo/parecer do neurologista); laudo de sanidade mental com parecer do psiquiatra; audiometria com parecer do otorrinolaringologista; e Raio X do tórax com parecer do radiologista.

É necessário apresentar estes documentos: laudo médico (emitido pela comissão competente/CPMSHT/SEMAD); 01 foto ¾ recente; carteira de identidade e CPF; título de eleitor; certidão eleitoral de antecedentes criminais; certificado de reservista (sexo masculino); diploma de habilitação para o cargo; registro no conselho (quando exigido); certidão de antecedentes criminais (estadual e federal); certidão de nascimento ou de casamento; cartão do PIS ou do PASEP (caso seja inscrito); comprovante de residência; carteira de trabalho (incluindo folha do contrato assinado ou não); cartão de conta corrente do Banco do Brasil (caso tenha); e ato de exoneração ou cópia do requerimento no ato da posse (se servidor público).