A surpreendente vantagem de emendar um relacionamento no outro, segundo estudo

GETTY IMAGES

Términos de relacionamento são estressantes. Não deve ser uma surpresa que eles estejam associados a uma diminuição do bem-estar psicológico. E seus amigos bem-intencionados – na esperança de protegê-lo de mais dores – possivelmente o aconselharão a não emendar em um novo relacionamento, principalmente se o próximo amor em potencial for parecido com seu ex.

Há um estigma sobre engatar um relacionamento após o outro. No entanto, algumas evidências sugerem que isso pode na verdade fazer bem. Então, por que o estigma persiste? Como deveríamos lidar com um novo relacionamento posterior a um recém-terminado? E quais são os riscos de encontrar alguém parecido com o amor anterior?

“As pessoas que iniciam novos relacionamentos rapidamente têm melhores sentimentos ligados à vida romântica”, diz Claudia Brumbaugh, psicóloga que estuda relações adultas na Universidade da Cidade de Nova York, nos EUA, mencionando um estudo que avaliou o bem-estar psicológico de pessoas que haviam terminado recentemente.

“Elas se sentiam mais confiantes, desejáveis, amáveis. Possivelmente porque tinham essas características de certa forma ratificadas (com a aprovação do outro). Elas tinham também mais sentimentos de crescimento e independência pessoal. Não houve casos em que as pessoas solteiras exibissem indicadores melhores.”

Brumbaugh diz que, em média, as pessoas pensam que você deve esperar cinco meses antes de entrar em um novo relacionamento; e que namoros quase emendados em um anterior não durarão muito. Isso é o que as pessoas pensam, mas não o que os dados dizem ser melhor para nós.

Em um estudo recente com pessoas que haviam terminado relacionamentos há pouco tempo, aquelas que rapidamente encontraram novos parceiros relataram maior autoestima e bem-estar, além de se sentirem menos ansiosos. Um status de relacionamento relativamente ininterrupto permite que o estilo de vida flua sem grandes problemas na transição de um parceiro para outro.

No entanto, os “rapidinhos” também tendem a ser pessoas que tiveram problemas com insegurança no relacionamento anterior. Pode parecer contraditório que as pessoas que se sentem inseguras também apresentem maior autoestima.

Mas isso pode ter a ver com as “métricas” de um relacionamento que está chegando ao fim e, do outro lado, da situação da autoestima após encontrar um novo parceiro.

Amadurecer após terminar

Um argumento para aguardar um tempo antes de entrar em um novo relacionamento é que precisamos nos curar e amadurecer antes de conhecer alguém novo. Há alguma lógica nisso. Depois de terminar, em média, as pessoas relatam cinco maneiras pelas quais cresceram de alguma forma.

Geralmente, são representadas por afirmações como “me sinto mais confiante” ou “sou mais independente”.

Porém, experimentos como esse dependem de medidas de crescimento autorreferidas, o que significa que algo um pouco mais complicado pode estar acontecendo no fundo.

Posso dizer que me sinto mais confiante, mas estou objetivamente mais confiante? Estudos que analisam como as pessoas relatam o amadurecimento após um evento traumático geralmente mostram que, de fato, não há mudanças. Dizemos a nós mesmos que crescemos por conta de uma tendência cognitiva chamada ilusões positivas.

“As pessoas às vezes inflam essas avaliações para compensar sua autoestima”, diz Ty Tashiro, psicólogo e autor do livro The Science of Happily Ever After (em tradução livre, algo como “A ciência do felizes para sempre”).

“Um rompimento pode prejudicar sua autoestima. Mas se você se diz mais independente, isso faz um contrapeso. Você pode não ser mais independente de fato, mas se sente melhor com o fato de ter sido desiludido.”

Os estudos de Tashiro na Universidade de Maryland mostram que encontrar um novo parceiro e o tempo decorrido desde a separação não tiveram efeito nas pontuações de amadurecimento. Portanto, dedicar um tempo para voltar à cena do namoro não necessariamente o deixará melhor em termos de autoaperfeiçoamento – e você pode estar se enganando ao pensar que cresceu de qualquer maneira.

No entanto, onde você coloca a culpa pelo término, aí sim, afeta o seu crescimento pessoal. Foi sua culpa? Do outro? Algum fator externo?

As pessoas que culpam uma razão de fora, como o trabalho ou conflitos com parentes, também relataram mais crescimento pessoal depois. Aquelas que menos viam crescimento culpavam a si pelo rompimento.

Se alguém amadureceu ou não pode depender das lições aprendidas. Pessoas que relataram maneiras específicas através das quais melhoraram têm maior probabilidade de entrar em relacionamento posterior com maior sabedoria. Tashiro diz que sua resposta favorita foi de um homem que contou ter aprendido a “pedir desculpas”.

“Eu amo isso (esse caso) porque há uma especificidade”, diz. “Soou muito real. Dizer desculpas vai ajudar esse cara em todos os seus relacionamentos no caminho.”

Apegar-se

A forma com que firmamos confiança no outro pode ser descrita, em parte, pelo nosso estilo de apego. Em termos gerais, a maneira com que buscamos suporte de outras pessoas é influenciada por sentimentos de segurança, ansiedade ou fuga.

As pessoas do primeiro grupo, que se sentem segura e firmemente apegadas a seus relacionamentos, provavelmente foram criadas sob um tratamento consistente por seus pais. Elas tendem a confiar nos outros e buscam apoio emocional em seus amigos e parentes.

A teoria do apego fica mais complicada quando olhamos para as pessoas em relacionamentos mais errantes.

Pessoas inseguras em relacionamentos anteriores tendem a começar o próximo mais rapidamente do que os indivíduos seguros, mas por razões diferentes.

A ansiedade ligada ao apego costuma estar por trás de um comportamento vingativo após a dor de um término. Pessoas assim também costumam experimentar mais sofrimento físico e emocional e podem ir a extremos para tentar salvar o relacionamento passado.

Pessoas com uma tendência à fuga, por outro lado, são mais autossuficientes; portanto, podem não estar pensando no ex quando entram em um novo relacionamento.

“Pessoas ansiosas estão sempre preocupadas e com ciúmes, ou demandam atenção, mas não devolvem”, diz Brumbaugh. “Pessoas esquivas se desapegam da intimidade, não gostam dela, mas ainda têm relacionamentos.”

A forma como seus pais te trataram na infância pode afetar seu estilo de apego na idade adulta, mas isso é passível de mudança. Ter pais que não foram calorosos não significa necessariamente que você terá um comportamento esquivo para sempre. Um parceiro gentil pode mudar seu estilo de volta à segurança. No entanto, também existem evidências de que esses estilos são hereditários, portanto pode haver um limite para o quanto eles são influenciados por outras pessoas.

Ver o ex no atual

Normalmente, as pessoas transferem seus estilos de apego de um parceiro para o outro, mas o fazem em maior grau quando o novo parceiro se assemelha ao ex. Assim, algumas das crenças sobre o antigo parceiro são transferidas para o novo.

“Os seres humanos gostam de consistência”, diz Brumbaugh. “Ao encontrar um novo parceiro que se assemelha a um parceiro anterior, você tem consistência. As pessoas que se recuperaram mais rapidamente (de um término) perceberam mais semelhanças entre o ex e o novo parceiro. Não podemos dizer que essas semelhanças existiam objetivamente, porque eram autorrelatadas, mas havia uma semelhança.”

Os casais têm “autoconceitos” sobrepostos, o que significa que eles se veem como parte um do outro. Eles compartilham amizades e hobbies. Esse entrelaçamento de eus pode deixá-los vulneráveis ​​após um rompimento. De repente, eles perderam parte de sua identidade ou alguém com quem eles compartilhavam interesses. Encontrar alguém que possa substituir muitas dessas lacunas facilita a mudança.

Ver semelhanças onde elas podem não existir tem suas vantagens e desvantagens.

“Se meu ex é Sam e eu conheço Bob, algo sobre Bob me lembra Sam. E eu suponho mais do que deveria sobre Bob”, diz Brumbaugh. “Talvez se Sam fosse um bom cozinheiro e muito romântico, eu também espere isso (de Bob). Isso pode criar problemas devido a suposições incorretas. Quero que ele seja tão romântico quanto Sam, e toda vez que ele não é, isso desafia minhas expectativas, podendo ser decepcionante. Mesmo que Bob seja bastante romântico.”

Claramente, um relacionamento imediato não será a cura perfeita para um coração partido. Mas também pode não ser o desastre que seus amigos alarmam, podendo trazer até alguns benefícios psicológicos. Os rompimentos costumam ser dolorosos, e parece que nunca é cedo demais para deixar um pouco de amor voltar à sua vida.

BBC

 

“Eu”, “você” ou “nós”: Pronomes que os casais utilizam dizem muito sobre o relacionamento, diz estudo

ESTUDO ANALISOU LINGUAGEM UTILIZADA POR CASAIS (FOTO: NICHOLAS GITHIRI/ NAPPY)

“Eu”, “você” ou “nós”? O tipo de pronome utilizado por casais diz muito sobre como cada parceiro vê o relacionamento, de acordo com um artigo publicado pela revista Psicologia Social e Ciência da Personalidade. A análise foi feita por uma equipe norte-americana que estudou pesquisas realizadas anteriormente sobre o assunto.

De acordo com os especialistas, quem evita usar o pronome “nós” para falar sobre relacionamentos tende a evitar se apegar ao companheiro, por exemplo. “Os pronomes que os indivíduos usam ao narrar suas experiências anteriores a partir de suas vidas românticas fornecem uma pista sobre seus estilos de apego”, disse em comunicado Will Dunlop, principal autor da pesquisa.

Tipicamente, os estilos de apego são representados por dois fatores: ansiedade (refletindo o grau com que um indivíduo está preocupado e teme perder seu parceiro romântico) e “evitação” (refletindo o grau em que a pessoa se sente desconfortável se aproximando e dependendo de seu parceiro).

Para Dunlop, com mais estudos será possível até prever o comportamento de alguém em um relacionamento futuro se a linguagem for analisada: “Essa é uma maneira relativamente nova e indireta de avaliar o apego evitativo, já que os indivíduos normalmente desconhecem os pronomes que usam”, disse o especialista, que pretende continuar pesquisando o tema.

Galileu

SACANAGEM: Trocar mensagens safadas pode reacender o sexo e até melhorar seu relacionamento, dizem pesquisadores

Se sua vida sexual anda mais monótona, a ciência dá uma dica: troque mensagens cheias de sacanagens com seu amor. Isso pode reacender o fogo e melhorar seu relacionamento.

É o que dizem psicólogos da Universidade Drexel, nos Estados Unidos. Ele pediram a 870 pessoas para preencherem um questionário online sobre satisfação com o namoro e com a vida sexual, e com que frequência costumavam enviar mensagens relacionadas a sexo ou com fotos sensuais aos parceiros pelo celular ou computador. E descobriram: casais que faziam essa troca de mensagens quentes se sentiam mais felizes na cama.

No namoro em geral também. Mas aí dependia do grau de seriedade do relacionamento. Quem vivia um namoro muito sério, desses quase para casar, não sentia falta dessas mensagens mais safadas – e nem se beneficiava delas. Eram felizes no namoro com ou sem elas. Já entre as pessoas cujo namoro não era assim tão sério, as trocas de texto costumavam render um efeito positivo: elas se sentiam mais realizadas com o parceiro do que as que não enviavam esse tipo de mensagem.

Os pesquisadores só não sabem ainda explicar as razões por trás dessas descobertas. Mas garantem: a troca de frases safadas pelo celular deveria ser estudada como uma questão de saúde sexual, com um poder tão excitante que poderia ser até indicada em clínicas especializadas em problemas com sexo.

Super Interessante

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucas disse:

    Quero conhecer alguem pra relacionamento

  2. Lucas disse:

    Quero conhecer alguem

Neymar devolve "escapadinha" de Marquezine e leva duas mulheres para casa, diz jornal

 

17_05_18_510_fileDepois de um começo de temporada perfeito na Europa, Neymar enfrenta as primeiras turbulências em Barcelona. O craque sofre com críticas pela suas atuações dentro de campo e também viu seu namoro com a atriz Bruna Marquezine balançar.

Segundo informações do colunista Leo Dias, do jornal O Dia, o camisa 11 levou duas brasileiras para a sua casa na Espanha no último domingo (8). As moças tiveram passagens de Ipatinga para Barcelona pagas pelo atacante e divulgaram fotos do encontro na web.

09_28_37_50_fileNeymar teria proibido imagens durante o jantar. De acordo com a publicação, um representante do craque ainda cobrou as duas jovens pela divulgação das fotos.

Na última segunda-feira (8), Bruna Marquezine postou uma mensagem misteriosa em seu perfil no Instagram e deu a entender que a relação tinha acabado.

— Passou… É para frente que se olha, afirmou.

Logo depois, Neymar postou uma foto ao lado da namorada e afirmou que o “amor é interminável”. Os fãs do casal comemoram na rede social.

Poprém, essa não é o primeiro de boato de traição que envolve o casal. No mês passado, jornais publicaram que Bruna teria tido um envolvimento com Arthur Aguiar durante as gravações da novela “Em Família”, da Rede Globo.

R7

Policiais fazem curso para lidar com gays

Perfilados no auditório Adauto Belarmino, no 7º andar do Edifício Central do Brasil, dezenas de oficiais da PM e delegados da Polícia Civil acompanharam na terça-feira a execução do Hino Nacional pela travesti Jane Di Castro. Era o início da segunda edição da “Jornada Formativa de Segurança Pública e Cidadania LGBT”, que vai qualificar seis mil policiais civis e militares a lidarem com a diversidade e os direitos de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais.

Uma série de 40 encontros

O projeto pioneiro já capacitou cinco mil agentes, que atuam em delegacias e batalhões da capital, e foi premiado pela União Europeia com a certificação de boas práticas de políticas públicas LGBT. Nesta nova edição, mais seis mil PMs e inspetores da Polícia Civil que trabalham em unidades fora da capital serão treinados.

Durante 18 meses, os agentes participarão de 40 encontros regionais com especialistas formados pelo Programa Estadual Rio Sem Homofobia. Um dos idealizadores da jornada, Cláudio Nascimento afirmou que este é o maior programa de capacitação de policiais sobre homofobia e cidadania LGBT adotado no país.

Cláudio Nascimento, superintendente de direitos individuais, coletivos e difusos da Secretaria estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, anunciou que, até o fim do ano, o estado vai dobrar o número de centros de Cidadania LGBT, com a instalação de quatro novas unidades: duas nos municípios de Queimados e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e uma em Macaé, no Norte-Fluminense. A quarta unidade ainda não tem local definido.

De acordo com o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, a escolha das cidades que receberão os novos centros teve como critério a quantidade de casos de violência praticados contra gays, lésbicas e travestis. Ex-chefe de Polícia Civil, Teixeira diz empregar os registros de crimes de homofobia para nortear a implantação dos centros de cidadania.

De O Globo

Decisão inédita no RN converte união estável em casamento

Os desembargadores da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça decidiram, à unanimidade dos votos, pela conversão em casamento de uma união estável homoafetiva, relativa a um casal que convive como se casados fossem há quase uma década. A decisão configura o primeiro caso na história da jurisprudência potiguar.

Os autores entraram com o pedido de conversão na primeira instância, mas tiveram o pleito extinto sem resolução do mérito ante o reconhecimento da impossibilidade jurídica da pretensão. Ao recorrerem para a segunda instância, a 3ª Câmara Cível, entretanto, entendeu não só pela possibilidade jurídica do pedido, como também, se valendo do art. 515, § 3º, do CPC, adentrou no mérito da ação para julgar procedente o pleito concensual dos Autores (Apelantes).

De acordo com a relatora, desembargadora Sulamita Bezerra Pacheco (juíza convocada), “pensar de modo diferente, é o mesmo que fomentar insegurança jurídica a estas situações (dirimidas pelos Guardiões Máximos Constitucional e Infraconstitucinal), afrontar a dignidade da pessoa humana, discriminar preconceituosamente o optante pelo mesmo sexo, vilipendiar (desrespeitar) os princípios da isonomia e da liberdade, e retirar da família constituída pelo casal homoafetivo a proteção Estatal arraigada na Carta Magna, reduzindo-a a uma subcategoria de cidadão e conduzindo-a ao vale do ostracismo.

Para a julgadora, “a opção sexual do ser humano voltada à formação da família, não deve ser motivo de críticas destrutivas, mas sim de integral proteção estatal, até porque, como há muito apregou o poeta Machado de Assis em seu primeiro romance denominado Ressurreição “Cada qual sabe amar a seu modo; o modo pouco importa; o essencial é que saiba amar””.

Raí e Zeca Camargo têm romance há mais de dois anos, diz colunista

Raí, ex-jogador do São Paulo e forte símbolo sexual entre as mulheres, chocou os holofotes com a notícia do seu relacionamento com Zeca Camargo. Segundo boatos, o casal já está junto há uns dois anos.

Todo mundo sabe que o apresentador só fica no armário durante os programas da TV. Porque nas baladas gay em Sampa, Zeca sempre bomba! Agora, de Raí, pouca gente desconfiava.

Segundo a colunista Fabiola Reipert, do R7, a Globo, que sempre surpreende pela manutenção de estereótipos conservadores, proibiu qualquer vinculação dos nomes de Raí e Zeca Camargo em programas da emissora. A colunista ainda revelou que Zeca ficou bastante irritado com isso, pois os dois têm passado por várias saias justas.

Fonte: Holofote / Bahia Notícias

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcio Palestrino disse:

    Primeiro foi o Júnior Baiano que tinha um caso com a Vera Verão quando era jogador do São paulo, depois foi o Richarlyson q apareceu por lá, e agora o ídolo dos tricolores Raí se revela kkk

  2. Robharvard disse:

    Estou torcendo pelos dois!!!Felicidades!!!

  3. junio costa disse:

    Ja nao é de hoje que isso acontece .Ha um tempo atras  Vampeta ,entao jogador do corinthians saiu na  g magazine ,capa.O ator que fazia a Vera Verao no sbt ,disse em entrevista que estava namorando  um jogador  meio campo do corinthians e da seleção brasileira (na época quem era?)

    • Partisan disse:

      Era o Júnior Baiano! O nome do namorado jogador da Vera Verão veio à tona depois de um caso de violência doméstica, quando a Vera Verão foi dar queixa à polícia.

  4. Marcio miranda pereira disse:

    A vida sexual de cada pessoa só interessa a ela e ao seu parceiro. As evidências são muitas e não precisa ser detetive. Rai entra no programa Bem Estar com programa de emagrecimento, o mesmo projeto que haviam feito com Zeca Camargo no Fantástico. Rai escreveu livros infantis, e todo mundo sabe que Zeca Camargo da palestras sobre livros e escritores na Fenac, Livraria Cultura. Os dois com certeza tem projetos de vida e um contribui com o outro para ficarem cada vez mais ricos. (Marcio Miranda Pereira)

  5. Juliano disse:

    Os dois tem passado por várias sais justas? Como assim? Como não tem uma foto doi dois juntos? Claro que esse tipo de fofoca inventada não tem comprovação.
     

  6. Tri Campeão Continental! disse:

    Todos deviam desconfiar, ele tem fortes ligações com o São Paulo…  kkkkkkkkkkk

  7. wagner disse:

    caraca se for verdade vo mudar de time sou verdao agora kkkkkkkkk
     

  8. Braz disse:

    O que importa é o amor.

    • Fvanderleinando disse:

       deixa de ser preconceituoso para mim e quem tem dignidade o importante e q zeca e um profissional de mao cheia e rai foi um grande jogador e ponto final.

    • Betania disse:

      Todos tem direito de ser feliz! cada um com sua escolha.

Suítes temáticas de ABC e América viram sucesso em motel de Natal

O bom momento do futebol potiguar, com os dois grandes do RN na Série B e Natal como uma das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 está movimentando diversos mercados econômicos com temáticas voltadas para o futebol.

Uma das últimas novidades são as suítes temáticas para torcedores de ABC e América do Status Motel. Quem disse que o torcedor não torce com amor? As suítes sendo o maior sucesso na cidade, inclusive com repercussão fora do Rio Grande do Norte pelo caráter inédito e incentivador para o nosso futebol. Daqui a pouco vai ter a disputa saudável pra saber qual suíte é a mais utilizada.

Piso, paredes e móveis trazem referências aos clubes do coração. A mesa de jantar, por exemplo,  simula um jogo de totó. A roupa de cama também traz escudo e cores dos clubes respectivos.  Toda a decoração, de muito bom gosto, foi assinada pela arquiteta Mariana Paixão.

Há souvenirs para vender como chaveiros, copos e pufes. Além de um mini gramado na entrada. Um dos detalhes mais interessantes é que assim que o cliente abre a porta do quarto, o hino do clube é acionado. Os sócios dos dois clubes, “Sócio Mais Querido” e “Sócio Dragão” têm 10% de desconto na diária.

Serviço

O Motel Status fica na Rua Agnaldo Gurgel Júnior 400 – Candelária.
Site: www.statusmotelnatal.com.br
Reservas: (84) 3217-2577

Microsoft lança rede social só para professores

A Microsoft desenvolveu uma rede social para conectar professores de todo o mundo. A PIL Network (sigla em inglês para Rede de Parceiros na Aprendizagem), que surgiu como projeto da empresa em 2003, hoje conta com mais de quatro milhões de usuários em 119 países.

Segundo o diretor de educação da Microsoft, Emílio Munaro, a meta é dobrar o número de perfis na rede até 2014. “A PIL é um espaço colaborativo, onde professores podem trocar ideias e compartilhar experiências”, diz. “O objetivo é falar de educação como um todo, do comportamento de alunos em sala de aula a questões sobre tecnologia no ensino.”

De acordo com uma pesquisa realizada pela Microsoft, o Brasil está entre os 15 países que mais participam da rede. Para o professor Jorge Cesar Coelho, cadastrado no site há um ano, essa grande participação se justifica pela facilidade de uso das ferramentas da PIL.

“Eu conheço outras redes que oferecem conteúdo educacional, mas geralmente é muito fraco. Elas têm apresentações de PowerPoint e só. Na PIL há mais recursos, que, embora sofisticados, são muito simples de usar”, comenta o professor, que mantém um grupo de discussão com colegas de Índia, Estados Unidos, Arábia Saudita e Taiwan graças às ferramentas de tradução da rede.

Além de converter textos para 36 idiomas diferentes, a PIL apresenta vídeos tutoriais que ensinam como customizar videogames para fins didáticos ou como criar uma rádio digital para ouvir notícias da época de Pedro Álvares Cabral, por exemplo. “Hoje em dia é preciso estimular o aluno, criar jogos para ele passar de fase, usar a tecnologia de forma mais dinâmica”, diz Coelho.

Embora seja destinada a professores, a PIL, assim como outras redes sociais, não está imune a perfis falsos. De acordo com o diretor de educação da Microsoft, existe uma equipe da empresa responsável por fiscalizar os conteúdos publicados na rede, mas não há como comprovar se determinada conta é mantida por um educador de verdade.

Entretanto, segundo o professor Coelho, é possível desconfiar dos perfis fakes. “Quando cadastramos nosso perfil no site, geralmente o atrelamos ao perfil de uma unidade escolar. Se uma pessoa não identifica o lugar onde trabalha, já é considerada suspeita”, diz. “Existe uma espécie de autorregulação, mais ou menos como acontece na Wikipedia”.

* Com informações da Folha

Saiba quais são os acidentes mais comuns na hora do sexo

Quem nunca ouviu uma história de “um amigo” que fez alguma peripécia na “Hora H” e terminou se acidentando ou quebrando alguma coisa? Pois bem, o site OnePoll fez uma pesquisa e levantou os acidentes mais comuns que acontecem na hora do sexo.

O BG trás esses números, no mínimo curiosos, para você.

Acidentes:

40% das pessoas já quebraram algum objeto fazendo sexo em casa
30% das pessoas já se machucaram fazendo sexo
10% das pessoas já caíram da cama fazendo sexo

Lugares mais perigosos:

1. Sofá
2. Escadas
3. Carro
4. Chuveiro
5. Cama
6. Cadeira
7. Mesa da cozinha
8. Jardim
9. Privada
10. Mesa de trabalho

Contusões que mais acontecem:

1. Distensão muscular
2. Dores na coluna
3. Atrito com o carpete
4. Torcicolo
5. Bater cotovelos ou joelhos
6. Hematoma nos ombros
7. Joelho torcido
8. Pulso aberto ou torcido
9. Tornozelo torcido
10. Dedos destroncados

Itens mais quebrados:

1. Estrado da cama
2. Copos
3. Porta-retratos
4. Cadeiras
5. Xícaras
6. Paredes (uou!)
7. Gaveteiro
8. Portas
9. Janelas
10. Vasos

 

Mais de 20% dos americanos preferem internet do que um ano de sexo

É isso mesmo que você leu. Segundo um estudo divulgado na última segunda-feira pelo Boston Consulting Group, se o ~mundo maravilhoso da internet~ fosse um país, ele seria – daqui a quatro anos – a 5ª maior economia do mundo, responsável por um PIB (Produto Interno Bruto) de 4,2 trilhões de dólares.

De acordo com a pesquisa, os únicos países reais que continuariam à frente da Republica da Internet seriam os Estados Unidos, a China, o Japão e a Índia. Outra comparação para deixar tudo ainda mais claro: o Brasil – que vive um momento de expansão ‘nunca visto na história desse país’ – já festejou ao ser apontado recentemente, pelo jornal britânico Guardian, como a sexta maior economia do mundo.

E olha que essa não foi a única descoberta interessante do estudo. Segundo o Boston Consulting Group, o número de usuários da web deve chegar a 3 bilhões de pessoas em 2016 –em 2010, o número estimado era de 1,9 bilhão.

Se isso se concretizar, fico até ansioso para ver a importância que a internet deve alcançar lá. É que na mesma pesquisa, os americanos foram instigados a respondem do que abririam mão para poder navegar a internet: mais de dois terços disseram que abandonariam o café, mas – pasmem – 21% dos americanos abririam mão de sexo por um ano para continuar online.

Fonte: Super

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Danilo lima disse:

    Eu também prefiro a internet!

Pessoas narcisistas e com baixa autoestima são as mais ativas no Facebook

Uma pesquisa feita pela Universidade de West Illinois, nos Estados Unidos, chegou à conclusão de que os membros do Facebook que têm alto volume de amigos em sua rede de contatos apresentam, em sua maioria, traços narcisistas.

A pesquisa foi feita com 300 integrantes da rede social, que preencheram um formulário sobre seu comportamento. Os que tinham maior número de amigos no Facebook, costumavam atualizar seu status várias vezes ao longo do dia e tinham o hábito de se marcar constantemente em fotos foram os que mais demonstraram propensão ao narcisismo.

— O Facebook dá às pessoas que têm uma necessidade premente de se sentir bem sobre si mesmas uma chance de explorá-lo para obter o feedback que desejam e assim se tornarem o centro das atenções — contou ao Mashable o autor do estudo, o professor Chris Carpenter.

Segundo Carpenter, não há uma quantidade de amigos definida, nem uma frequência determinada de posts para enquadrar um internauta como possível vaidoso e narcisista.

— Mas é interessante notar como esses indivíduos usam constantemente os pronomes pessoais “eu” e “mim” em seus textos no Facebook — afirmou Carpenter ao site.

A classificação como narcisista em potencial se baseou na análise de dois comportamentos clássicos, batizados como exibição grandiosa (comum em quem precisa ser o centro das atenções o tempo todo) e busca do merecimento — em que alguém está disposto a fazer de tudo para obter o respeito a que acredita ter direito.

Mulheres se autopromovem com fotos bonitas

Outros estudos nos EUA já mostraram como homens se mulheres se autopromovem de maneiras diferentes no Facebook. Os homens costumam caprichar na autodescrição na seção “Sobre”, enquanto as mulheres preferem postar fotos em que aparecem bonitas e deslumbrantes.

Uma pesquisa feita há dois anos pelo Departamento de Psicologia da Universidade de York, em Toronto, no Canadá, mostrou que internautas narcisistas com baixa autoestima e necessidade de aceitação tendem a ser mais ativos nas redes sociais.

“No caso das fotos do perfil, a maioria pode ter sido selecionada ou retocada justamente para encobrir características indesejáveis da aparência pessoal, procurando mostrar a realização de um novo ‘eu’ em potencial”, diz o estudo.

Fonte: O Globo

Twitter x Facebook: Quem é o maior no Brasil? Confira o comparativo!

O portal Techtudo publicou hoje mais um infográfico interessante a respeito do mundo da tecnologia. Dessa vez o site trouxe um comparando as duas principais redes sociais do mundo: Twitter e Facebook. São várias análises e vários pontos de comparação. Uma das coisas interessantes que se observa na comparação é que, no Brasil, o site do “passarinho azul” ainda é mais forte que o site de Mark Zuckerberg. São 46,3 milhões de usuários contra menos de 30,5. Outra é que a presença das mulheres é maior que a dos homens nas duas mídias sociais.

Confira:

Twitter x Facebook (Infográfico: Techtudo)

 

Mulheres passam 33 anos da vida mal humoradas por causa do cabelo

Sabe bad hair day, quando os seus cabelos adquirem vida própria e, não importa o que você faça, o penteado não fica bom? Uma pesquisa feita com 2 mil mulheres lá no Reino Unido, conta o Daily Mail, constatou que elas acordam nesses dias pelo menos 3 vezes por semana. Fazendo as contas, são cerca de 156 dias por ano de cabelos rebeldes. Considerando a expectativa de vida das mulheres no Brasil — que, segundo o IBGE, é de 77 anos —, são 12.012 dias (ou 33 anos) de insatisfação capilar na vida de uma mulher.

Desesperador, né? E isso, é claro, causa um mau humor danado.

A pesquisa, que foi feita pelo cabeleireiro britânico Mark Hill, aponta que, em um bad hair day, a mulher passa no mínimo 1 hora e 25 minutos irritada e depressiva. E olha só: entre as entrevistadas, 1 em 20 já tinha levado um pé na bunda do namorado por causa dessas crises.

Por outro lado, quando acordam com os cabelos ótimos, 67% das mulheres têm um dia especialmente bom, e 56% são mais gentis do que o normal com as pessoas ao redor.

E vocês aí, sofrem desse mal? E com os homens, será que o efeito é parecido?

Fonte: Ciência Maluca

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos disse:

    E 45 anos mal humoradas e agressivas por conta da menstruação.
    Homen tem de suportar muita coisa ao viver ao lado de uma mulher.
    Se não tivesse aquilo, era inutil.

Livro diz que mulheres devem aceitar infielidade dos homens

O conselho dado no livro The Monogamy Gap é de que as mulheres precisam entender o instinto infiel dos homens. Depois de quatro anos de pesquisa sobre os aspectos da monogamia e 120 entrevistas, o sociólogo norte-americano Eric Anderson concluiu que, assim como a monogamia é um ideal, a maioria dos homens tem predisposição para a traição. As informações são do jornal The Sun.

Segundo o autor, o conceito da monogamia é irracional, pois, na verdade, o apetite sexual masculino é tal que a maioria deles não conseguirá ficar satisfeito se tiver que passar uma vida inteira fiel a uma mulher só. “Acredito que, idealmente, os homens devem ser honestos com as mulheres e confessar seu desejo de trair”, disse ele.

O argumento do escritor é que as pessoas precisam parar de “adorar” a monogamia e começar a encarar a realidade. Ao insistir no conceito, a verdade masculina é ignorada e isso coloca um peso sobre relacionamentos e sobre o casamento. “Eu acredito que seria muito mais fácil se os homens e mulheres aprendessem a aceitar a verdade: que o amor de um homem para uma mulher não é dependente de sua fidelidade. E que o sexo não é necessariamente melhor ou mais emocionante com alguém que você ama”, explicou.

O sociólogo, no entanto, admitiu que a sinceridade pode causar conflitos graves e difíceis de resolver em um relacionamento.

Anderson ressaltou que não quer colocar o homem como vítima de seu próprio corpo. Mas, segundo ele, ao contrário do que as mulheres pensam, o homem pode amar uma mulher e ter sexo sem compromisso com outras, sem que qualquer sentimento seja envolvido. Como exemplo, ele citou os homens que sentem prazer ao ver mulheres nuas em revistas e na internet, sem que sintam qualquer afeto por elas.

Estudos mostram que a testosterona – hormônio masculino que é produzido no cérebro e é associado ao desejo sexual, músculos e ambição – vive em conflito com a ocitocina – hormônio do amor e união – também produzido no cérebro.

Dado que os homens produzem de cinco a dez vezes mais a quantidade de testosterona em comparação com as mulheres, eles são também muito mais propensos a trair.

Fonte: Livros Só Mudam Pessoas

Assistir filme pornô faz bem ao relacionamento?

Se você já achou sua cara-metade, assistir vídeos pornôs faz mais mal do que bem.

O Ciência Maluca, da Super, repercutiu um estudo da Universidade de Denver (EUA), em que pesquisadores pegaram como cobaias 1291 pessoas comprometidas (45% delas assistiam a filmes pornôs com o parceiro, sendo que 77%dos homens e 32% das mulheres contaram que também viam pornografia sozinhos) e descobriram que o pessoal que nunca via os filminhos era mais feliz no relacionamento, mais comprometido, se comunicava melhor e estava mais satisfeito sexualmente.

Foram encontrados certos aspectos positivos no hábito de ver pornografia em casal (adedicação de um ao outro era maior e a vida sexual, mais animada), mas isso vinha com umefeito-colateral considerável: as taxas de infidelidade cresciam. E aí, vai arriscar?