Mãe quer mudar sexo de filho de 6 anos, pai discorda, entra na Justiça, e corre risco de perder a guarda da criança

Foto: Ilustrativa

Um pai iniciou uma batalha judicial nos Estados Unidos para impedir que sua ex-mulher mude o sexo do filho James, de seis anos. O processo tramita em Dallas, no Texas. A mãe veste o menino com roupas de menina desde quando ele tinha três anos de idade e o matriculou na escola com nome de “Luna”.

No processo de divórcio, a mãe que é pediatra, acusou o pai de abuso infantil por não “admitir que James era transgênero” e luta para que o ex-marido perca a guarda compartilhada. Ela quer que ele seja condenado a pagar as consultas do filho para a mudança de sexo o que inclui, além de um terapeuta, a esterilização hormonal a partir dos oito anos.

E a mulher já conseguiu algumas vitórias. O pai foi legalmente impedido de falar com seu filho sobre sexualidade e gênero, tanto do ponto de vista científico quanto religioso, e foi obrigado a oferecer roupas unissex para o filho.

Diagnóstico

O menino foi diagnosticado com “disforia de gênero” por especialista escolhido pela mãe. O termo caracteriza um “transtorno psicológico de identidade de gênero” e quer dizer que a criança se sente desconfortável com o sexo de nascimento. Termos como estes vêm sendo muito utilizados pelas militâncias do movimento LGBT.

O terapeuta confirmou que quando James está só com a mãe, prefere roupas de menina e quer ser chamado de Luna, mas quando está com o pai, só atende por James e escolhe roupas de menino.

Processo judicial

O Tribunal decidirá se a mãe poderá seguir com plano de “castração química” a partir dos 8 anos e se o pai terá o direito de continuar a ver o filho. A castração consiste em tentar bloquear a testosterona, diminuindo drasticamente o desejo sexual e até a ereção. É um procedimento que usa métodos hormonais.

O pai reuniu testemunhos de amigos para tentar convencer a justiça que o filho é um menino, e assim, evitar esse procedimento. Pessoas preocupadas com a decisão final e a repercussão do caso, criaram um site para tentar persuadir a corte de que é preciso esperar e não seguir perigosamente o diagnóstico precoce.

Com informações da Gazeta do Povo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Conceição disse:

    É UMA FRUSRATA POR NÃO TER DADO À LUZ À UMA MENINA E INFLUENCIOU A CRIANÇA DESDE OS TRÊS ANOS DE IDADE, QUANDO ELA NÃO TINHA DISCERNIMENTO PARA NADA. PORTANTO, A DEFESA DO PAI DEVE ALEGAR QUE O FILHO NÃO PODE SER ANALISADO SÓ PELO COMPORTAMENTO ATUAL, DEVIDO À LAVAGEM CEREBRAL SOFRIDA DESDE TENRA IDADE. SE A CASTRAÇÃO QUÍMICA DETÉM A TESTOSTERONA, QUE PROVOCA O DESEJO SEXUAL E A EREÇÃO, É SINAL QUE ISSO EXISTIA DE FORMA INTENSA E PORTANTO ISSO, POR SI SÓ, JÁ DERRUBA A ALEGAÇÃO DE QUE A PESSOA NASCEU TRANSGENERO, JÁ QUE É CAPAZ DE SENTIR DESEJO PELO SEXO OPOSTO. UMA LOUCA QUE PRECISA SER TRATADA.

  2. Katia Benatti disse:

    Pelo amor de Deus, o que está mãe está fazendo é muito grave, ele é só uma criança não entendi e não sabe o que está fazendo. Ele está confuso, se ele quer se vestir como mulher ok, mas trocar de sexo agora ele é muito novo. E se ele crescer e quiser voltar a ser menino?

  3. Maria disse:

    Estamos na era do apocalipse …Jesus disse.:aí daquele que escandalizar um só pequenino.

  4. Joseivandesouzarabelo disse:

    Fim de mundo, a mãe quer se vingar do ex-marido, trocando o sexo masculino para feminino.
    É uma aberração.

  5. João Bustos Moreno Neto disse:

    Em hipótese alguma. Nasceu homem e pronto. Se ela influencia o menino como usar roupas femininas ou bonecas ou se mostrando, é preciso um acompanhamento psiquiátrico para o menor e não impor vontades suas ao garoto. O problema é ela. Psiquiatria nela.

  6. Francisca disse:

    Isso não existe, pois como há medicação para a castração química, há também cura da criança se tornar mais propensa ao sexo de nascença, no caso é de gênero masculino e não feminino.

  7. Ems disse:

    De onde uma criança de 6 anos tem condições de decidir algo de tamanha importância ? O mundo pirou !

  8. Nelson disse:

    Isso é tão absurdo que custo a crer que não seja fakenews

    • Ed tigrão disse:

      O Jean willis tem um projeto igualzinho…onde diz que uma criança de 7 anos pode fazer cirurgia de mudança de sexo…vagabundagem isso…onde uma criança de 6 anos pode decidir?? E nesse caso acima,é visível que a criança está confusa! Com a louca da mãe quer ser menina e com o pai quer ser menino…deixa a criança crescer e escolher!

    • Rute disse:

      Senhor!! Esas mae ja esta com os dois pes no quinto…?
      Que absurdo!!!Induzir o proprio filho a uma "distorcao" de genero e comportamento desea maneira!! Ela odeia esse menino, se ela o amasse nao faria tal coisa!☹

Jovem com 17 anos e oito meses entra na Justiça para tomar posse no Senado

Faltando apenas quatro meses para completar 18 anos, um candidato emancipado foi dispensado do cargo de técnico legislativo do Senado Federal por ser considerado “menor de idade”. Ele precisou recorrer à Justiça para garantir seu direito à posse.

Em sua defesa junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), o jovem alegou que possuía declaração de emancipação, que segundo a legislação vigente, torna o indivíduo plenamente capaz para praticar todos os atos da vida civil, inclusive o de exercer cargo público. Ele também sustentou que o lapso de quatro meses não alteraria em nada suas faculdades mentais. Além de demonstrar que sua investidura no cargo não provocaria um maior número de nomeações daquelas já previstas no edital. Um mandado de segurança foi impetrado contra o diretor da Subsecretaria de Pessoal Ativo do Senado Federal com o objetivo de reverter a situação.

O TRF-1 aceitou as alegações do jovem, que foi reinvestido no cargo. O relator do caso, desembargador federal Néviton Guedes, entendeu que no candidato preenchia todos os requisitos legais para exercer as atividades do posto e devido à emancipação, não houve qualquer ofensa às regras da seleção.

CorreioWeb