“Vamos acabar com o imposto mais cruel que existe no Brasil, o encargo sobre folha de pagamento. Você tira da informalidade”, diz Paulo Guedes

Foto: Adriano Machado/Reuters

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta sexta-feira (22) o fim dos encargos sobre a folha de pagamento de empregados. Segundo ele, esse é o encargo “mais cruel que existe”.

“Vamos acabar com o imposto mais cruel que existe no Brasil, o imposto sobre folha de pagamento. Você tira da informalidade. Você tem, de um lado, o ganho de produtividade do trabalho, o emprego, o salário e contribuições para a Previdência. (Se) Está todo mundo empregado, todo mundo pode pagar”, disse Guedes, durante discurso no Enaex (Encontro Nacional de Comércio Exterior), no Rio.

Durante o evento, o ministro lembrou a situação de turbulência enfrentada por países vizinhos, como Venezuela e Chile. “O caminho do partido único, o caminho do confronto social, do fechamento econômico, não é o caminho”, defendeu.

Para ele, o Brasil está no caminho certo, avançando na velocidade esperada pelo governo, gerando emprego de forma mais rápida que nos últimos anos.

“Nós estamos no caminho certo e vamos melhorar. O mundo está desacelerando, nós estamos acelerando. O mundo está se fechando, nós estamos começando a abrir, depois de 40 anos fechados”, disse o ministro.

Guedes complementou que a abertura da economia será gradual, acompanhada de um processo de reindustrialização, com a reintegração do Brasil às cadeias globais.

Reuters

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco Alves disse:

    É engraçado observar as colocações dos serviçais e seguidores do ex-presidiario e maior corrupto da história da República. O bandido Luladrão assumiu o governo com a economia brasileira passada por FHC de vento em popa, governou por oito anos e, durante esse período detinha 80% do Congresso Nacional (no toma lá dá cá, lógico) nas mãos. Loteou as estatais, ministérios e a Petrobras. Aliou -se ao que havia de pior, de mais retrógrado na política brasileira. Fez parceria com Sarney, Collor, Maluf etc. Ou seja, teve tudo, tudo mesmo, para realizar as reformas que o país necessitava, tais como reforma da previdência, reforma fiscal e reforma política e tributária. Contudo, a sua única preocupação foi com o assistencialismo eleitoreiro, com o aparelhamento do estado, mas, sobretudo com a roubalheira. Terminado o seu governo elegeu uma toupeira e, como já era esperado a economia do país foi para as cucuias! Hoje o que se enxerga, são os seus idiotas úteis e seguidores espernear com as reformas. Esse William que se pronunciou sobre a alíquota do IRPF de 27,5% só pode ser um quadrúpede em gritar somente agora, haja vista que esse valor vem desde Luladrão. Convordo que é um percentual elevado, mas, por quê não exigiu uma redução no governo do bandido?

    • Sandra disse:

      Perfeita sua opiniao! Eh o que penso tambem!

    • Tarcísio Eimar disse:

      Disse tudo, mas é poooouco pra um ptralha entender

    • Vanias disse:

      Pois é….e a turma do barulho não para! O melhor a fazer é mostrar suas mazelas, sua incompetência e bora fazer as reformas apoiando este governo!!

  2. Cristian disse:

    Imposto sobre o consumo, principalmente alimentação é o que é mais importante de ser retirado. O de renda nem aflige a massa pobre, mas todos sem exceção pagam os absurdos sobre feijão, arroz, açúcar…

  3. José disse:

    Devia cortar o imposto de renda. Mas ele continua a fazer do ministério um balcão de negócios para os milionários. Ministro sacana

    • Waldemir disse:

      Se voce acha que ele esta ajudando os empresários e simpkes vire um !!!!!

    • Vanias disse:

      Sacana foi Lula e seus cumpanheiros q colocaram "ministros" na economia p roubarem os nossos impostos!! Imposto caro BEM DISTRIBUÍDO corretamente é bom e precisa mas para a cumpanheirada servia para negociatas, roubalheira e enriquecimento ilícito!! Isso sim é ser sacana!! É sacanagem das boas!!

  4. willian disse:

    O CRUDELÍSSIMO MESMO É O IRPF COM ALÍQUOTA DE ATÉ 27,5% . TIRA ELE IMBECIL !!!!!
    VAI CONVERSAR BOSTA ASSIM NO INFERNO !!!!!!

    • Bento disse:

      O cachaça teve o país nas mãos por 16 anos porque não pediste ao teu bandido de estimação para atender aos teus desejos

    • Vanias disse:

      Cara, presta atenção p não cair em bobeiras!! 27,5% quem paga são os ricos, os q tem renda baixa paga 12% os de renda bem abaixo nada pagam!! Portanto, só reclama quem tem muito, tipo as elites (parlamentares, (esses são elites, já q comem lagostas, tomam vinhos importados etc ás nossas custas) etc ) q ficam instigando o povo como massa de manobra para se beneficiarem pedindo extinção do imposto e aí eles deitam e rolam…vc viu alguma manifestação da esquerda, no tempo de Luladrão contra isso? Teve greves?? Caia na real!!

Planejamento: Prefeitura de São Gonçalo do Amarante divulga calendário da folha de pagamento 2019

Foto: Júnior Santos

Após quitar o 13º salário dos funcionários municipais e confirmar o do mês de dezembro para dia 28, a Prefeitura de São Gonçalo do Amarante/RN já divulgou o calendário da folha de pagamento 2019. A divulgação foi feita nesta quarta-feira, dia 12, pela Secretaria Municipal de Finanças do município.

Vale ressaltar que, apesar da crise financeira que afeta os municípios, a cidade tem realizado o pagamento dos servidores sempre dentro do mês trabalhado, cumprindo rigorosamente o cronograma.

Confira as datas:

Janeiro – dia 31
Fevereiro – dia 28
Março – dia 29
Abril – dia 30
Maio – dia 31
Junho – dia 28
Julho – dia 31
Agosto – dia 31
Setembro – dia 27
Outubro – dia 31
Novembro – dia 30
Dezembro – 13º salário no dia 20 e salário, dia 31

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Adrixas disse:

    Que saudades do calendário de pagamento do Estado…. Só lembranças…só lembranças…

  2. Carlos Santiago disse:

    PARABÉNS….
    QUE INVEJA……

    • Wallace disse:

      Que saudade da ex governadora Wilma, que tinha calendário, que esteja com Deus.

ALTERAÇÃO NA DESONERAÇÃO DA FOLHA: Abramat e CNI falam em retrocesso e piora na competitividade

As alterações na desoneração da folha de pagamentos anunciadas nesta sexta-feira, 27, pelo governo representam um grande retrocesso e colocam ainda mais pressão sobre a competitividade dos produtos brasileiros, afirmou o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Walter Cover.

De acordo com ele, o aumento da alíquota de 1% para 2,5% sobre a receita bruta das fabricantes de material de construção não poderia ter vindo em pior momento e aumenta os custos das empresas em um mercado de demanda baixa.

“Com a alíquota sobre o faturamento passando dos atuais 1% para 2,5%, a duramente obtida desoneração da folha perde o sentido”, criticou Cover. “Praticamente nenhum setor, nenhuma empresa vai optar pelo novo mecanismo e volta tudo como era antes.”

A Medida Provisória 669, publicada nesta sexta no Diário Oficial da União, revisa as regras da desoneração da folha de pagamento adotadas em 2011 para diversos setores produtivos. A partir de junho, as empresas que recolhiam 2% do faturamento para a contribuição da previdência de seus funcionários passarão a pagar 4,5% da receita e as que recolhiam 1%, como é o caso do segmento de material de construção, passarão a pagar 2,5%.

A desoneração da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamentos foi adotada em 2011 para reduzir os gastos com a mão de obra. Naquele ano, o governo passou a desonerar a folha de alguns setores substituindo o imposto de 20% sobre o salário por uma alíquota cobrada do faturamento das empresas, que variava de 1% a 2% dependendo da companhia.

Mudança na desoneração da folha de pagamento piora a competitividade, avalia CNI
    
A mudança no sistema de desoneração da folha de pagamento agrava as dificuldades da indústria, avalia a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em nota, a entidade afirma que recebeu com “extrema preocupação” essa alteração. “Para um setor que vem perdendo a competitividade é mais uma medida de impacto expressivo sobre sua capacidade de enfrentar os desafios da competitividade global”, argumenta a confederação.

A CNI afirma reconhecer a importância do ajuste fiscal, mas aponta que a revisão das alíquotas da desoneração é um retrocesso para a competitividade de muitos setores, em um cenário de forte concorrência internacional. “Tal medida gerará forte impacto para a indústria e para a economia nacional, com consequências inclusive para a manutenção de empregos”, aponta a entidade.

A confederação avalia, ainda, que os problemas que afetam a competitividade da indústria têm se agravado ao longo dos anos, o que reflete na perda de participação industrial no Produto Interno Bruto (PIB). A CNI alerta que custo unitário do trabalho no Brasil “cresceu nos últimos dez anos de forma expressiva, acima de países com quem concorremos diretamente”. A esse custo, adverte a entidade, “acrescenta-se o peso elevado dos encargos que superam o dos nossos competidores”.

Para a CNI, o ajuste fiscal é necessário, mas precisa vir acompanhado de uma agenda que promova a competitividade e melhore o ambiente de negócios. O governo publicou a Medida Provisória 669 no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 27, estabelecendo que, a partir de junho, as empresas que recolhem 2% do faturamento para a Previdência passem a arcar com 4,5%. Já aquelas que pagam 1% terão de recolher 2,5%.

fonte: Estadão Conteúdo

MAIS DE 600 QUE RECEBEM SEM TRABALHAR: MP recebe auditoria feita na folha de pagamento da prefeitura de Mossoró

Os promotores de Justiça do Patrimônio Público de Mossoró receberam do prefeito do município, Francisco José Júnior, documentos referentes à auditoria realizada na folha de pagamento do Executivo.

O titular da 7ª Promotoria de Justiça e Promotor Eleitoral, Fábio de Weimar Thé, disse que o MPRN analisará o relatório, e se forem identificadas irregularidades, serão tomadas providências para garantir uma atuação lícita da Prefeitura de Mossoró. O representante ministerial também informou que o caso ficará sob a responsabilidade da 11ª Promotoria de Justiça.

Veja mais: GRAVE: Prefeitura de Mossoró descobre mais de 600 funcionários que recebem sem trabalhar; MP entra no caso

A auditoria foi realizada pela equipe técnica da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern). A ação resultou em um relatório que foi apresentado à imprensa na última segunda-feira (01).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Leonardo Oliveira disse:

    Mais uma vez o MINISTÉRIO PÚBLICO do RN estará atuante, a fim de desmascarar os fanfarrões, acabar com a farra do dinheiro público em Mossoró. Parabenizo também ao novo prefeito, pela seriedade com que conduz a missão que a população mossoroense lhe confiou.

  2. Felipe Godeiro disse:

    A denúncia contra os cargos fantasmas na CMN foi encaminhada para o MP, vamos aguardar o que vai acontecer. Foi noticiado em muitos blogs e jornais, o presidente da CMN vereador Albert Dikson, faz mais de um ano que tenta esconder e não divulga a lista de todos os cargos comissionados, com suas lotações e respectivas indicações. Não sei o pq de tanto mistério. Já descobriram que existem vários cargos ocupados por pastores conhecidos da cidade, alguns nem na capital moram, até na rádio câmara (que não existe) tem cargos fantasmas. É um absurdo, farra do dinheiro público!

  3. Madruga disse:

    Na Câmara de Natal deve ter uns 1.000.
    Assembleia Legislativa uns 1.500.
    O MP deveria investigar.

  4. Clóvis disse:

    Imagina se o MP resolve investigar a folha do Estado.
    Numa Prefeitura de Mossoró são 600, por aqui seriam quantos?
    Seria esse um dos motivos na dificuldade em pagar o funcionalismo? Se é que de fato essa dificuldade existe?

Folha de pagamento agora será interligada com ponto eletrônico na Sesap

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) publicou na última sexta-feira, no Diário Oficial do Estado (DOE), a Portaria 218/2013, que interliga o ponto eletrônico com a folha de pagamento dos funcionários. Dessa forma, a partir de agora, o salário do trabalhador será descontado automaticamente em cada falta que ele tiver.

A medida será válida para servidores de carreira, comissionados, estagiários, gratificados e cooperados.

Desde abril, está em funcionamento o sistema de ponto eletrônico com leitura biométrica, mas até o momento não vinha atingindo o objetivo de evitar que um funcionário receba seu pagamento sem ter trabalhado.

“Antes era uma perspectiva tão somente educativa, para habituar os funcionários usarem o ponto eletrônico. Doravante, a partir de junho, o ponto se comunica com o nosso sistema de administração. Quando um funcionário deixa de bater o ponto, terá efetivamente o ponto descontado. Antes ele levava só a falta, não tinha prejuízo no vencimento. Agora tem prejuízo”, explicou o titular da Sesap, Luiz Roberto Fonseca, em entrevista à Tribuna do Norte.

Fonseca disse não acreditar que haverá rejeição à medida: “Não acredito nisso. Tivemos mais de seis meses para mostrar aos profissionais que o ponto eletrônico não penaliza o bom profissional. Isso é uma medida que vai ao encontro da expectativa da população. A sociedade espera que o funcionário público, que é pago com nosso dinheiro, arque com a carga horária contratada”. Em abril, o Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed/RN) foi contrário à medida.

O Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do RN (Sindsaúde/RN) se mostrou favorável à nova portaria, mas fez ressalvas. “Não há um controle do servidor. A máquina não fornece um extrato e isso é complicado. Ocorrem erros e ficamos sem defesa”, ponderou a diretora do sindicato, Rosália Fernandes.

Além de interligar o ponto com a folha de pagamento, a Portaria 18/2013 também traz um contrato com a “Hora Certa Relógios de Ponto Ltda” para manutenção dos equipamentos, ao custo de R$ 114 mil.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Betânia disse:

    É muito bom o ponto eletrônico porque o funcionário não pode faltar, mas se por acaso o funcionário passar do seu horário porque as vezes tem muito serviço, o funcionário é reconnhecido ou seja recebe alguma recompensa por isso, porque vocês devem saber quantas horas o funcionário fez de extra.

  2. simone disse:

    os secretários, vereadores, deputados prefeitos cumprem essa regra também

  3. marcos junior disse:

    Não seja imbecil,sergio.Às vezes pode-se cometer pequenos equívocos em português mas o que escrevi corresponde a realidade.Você deve ser um babão do secretário fascista.

  4. João Silva disse:

    O governo tem todo o direito de cobrar assiduidade e pontualidade dos seus servidores, inclusive dos gestores, secretários, acessores, do seu cardume e de todos os seus protegidos. Mas também tem o dever de investir os milhões arrecadados em impostos abusivos, pagos pelos protegidos seus ou alienados admiradores desses heróis passageiros, em Educação, Saúde, Segurança Pública, Infraestrutura, Saneamento Básico, enfim, políticas que fortaleçam o bem estar da população que o colocou nos seu gabinete e que mantém seus salários em alta, e em bem alta. Duvido que o LEGO eletrônico vá pagar justamente aos que trabalham e descontar igualmente dos que só voam.

  5. Sales Freitas disse:

    Engraçado, nos hospitais privados não acontece isso, todos os médicos e outros profissionais de saúde cumprem a carga horária sem reclamação. Só porque é público é uma medida ditatorial? Em todas as esferas do governo nada funciona a contento, quando aparece algo desse tipo tem um carinha se achando que é direito dele de fingir que trabalha. Esse país tem que começar a mudar seus preceitos, aqui se faz passeata por gay, por fumar maconha e por outras coisas que não dar nem para comentar, mais esquece de fazer passeatas pela melhoria de educação, saúde, segurança e por aí vai. Eita mundão de meu Deus. Esse é o nosso país.

  6. Sergio Nogueira disse:

    Todas as vezes que se atira contra a falta de compromisso se lê comentários como o de Marcos "aires" Jr. Tentar mudar um sistema do tipo "finjo que trabalho" é difícil.

  7. marcos junior disse:

    O secretário estadual de saude da vez,com seu estilo falastrão e com aires de ditador,impõe um decreto-lei(dos tempos da ditadura militar) que fere o direito de defesa e do contraditório,norma da constituição federal.É o mesmo que atirar antes e perguntar depois.Como fica o desconto on line de um servidor comprovadamente doente,com atestado médico,que jamais verá seu dinheiro de volta.Os que,por motivo justo,se atrasa?Não se é contra o tal ponto eletrônico desde que seja justo e obrigatório para todos os servidores do estado,sem exceção.