“Vamos disparar daqui a um ou dois meses. Vamos voltar para o trilho”, diz Paulo Guedes

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ao participar da videoconferência com empresários, ao lado de Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira, Paulo Guedes disse que o governo vai apresentar uma proposta de redução de encargos trabalhistas para estimular a geração de empregos no país.

“Vamos soltar duas ondas de crescimento. De produção e emprego. Vem redução de encargo trabalhista. Produzir emprego no país vai ser algo bom”, disse Guedes.

Ele não apresentou detalhes do plano e afirmou que a proposta vem sendo discutida com Bolsonaro.

“Temos uma onda de investimentos, produção e emprego. Vamos disparar daqui a um ou dois meses. Vamos voltar para o trilho, para o caminho da prosperidade turbinado.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nono Correia disse:

    O trilho que estávamos antes da Pandemia, ou seja, pibinho de menos de 2%. Quantas vezes esse embusteiro já contou essa mesma mentira?

  2. Beto Araújo disse:

    Loroteiro profissional.

  3. Chico Corona disse:

    Hihihihi disparar é? …çey

  4. Bruno disse:

    Fizeram reforma da previdência dizendo que iríamos crescer, aumentou desemprego, taxaram as bagagens nos aeroportos pq iria baixar passagens, os preços se elevaram , é uma piada atrás da outra essa turma, não voto mais, trabalham para os ricos.

Guedes: podemos fazer três ou quatro privatizações no segundo semestre

Foto; Evaristo Sá/AFP

O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que não podemos cair novamente “na armadilha de baixo crescimento e endividamento em bola de neve”. Isso pode ser feito se o aumento das despesas orçamentárias forem entendidas como extraordinárias em 2020, e não algo permanente. “Temos três fontes de despesas: a previdência está controlada e os juros estão baixos. Agora, estamos assistindo à luta contra o aumento [dos valores] do funcionalismo público que cresceram acima da inflação”, afirma o ministro em live promovida pelo Itaú BBA.

Guedes tem sido enfático nesse ponto: ele propõe o congelamento dos salários do funcionalismo público em 2020 e 2021. “Se o presidente [Jair Bolsonaro] vetar [o reajuste] como anunciou como faria, pode ser que a gente continue trilhando para o equilíbrio fiscal”, afirma.

Segundo o ministério, ainda é possível que a economia retome a sua pujança. O cenário-base ainda é de uma saída em “V”, isso porque é uma economia flexível: o Brasil perdeu apenas 1 milhão de vagas de trabalho, enquanto os Estados Unidos bateram o maior desemprego da história.

A retomada da economia vai se dar pelo “caso clássico” de recuperação com crescimento do crédito a dois dígitos – crédito imobiliário, para consumo e para empresas. Isso vai acontecer, porque os juros estão baixos. Além disso, vai haver a volta dos investimentos privados nacionais e internacionais em setores de óleo e gás, elétrico e infraestrutura. “Para isso, precisamos de marcos regulatórios”, diz. “Levantar o PIB apenas com investimentos públicos é querer se levantar pelo suspensório ou pelo cinto. Não dá.” Guedes lembra que o marco do saneamento está no Senado e que o de gás está pronto também.

Nesse sentido, se houver uma retomada em “V”, os mercados devem recuperar o apetite no segundo semestre. “Fizemos um levantamento de 159 empresas e subsidiárias que podem ser privatizadas. Em vez de fazer [privatização] de todas, vamos escolher três ou quatro grandes empresas para privatizar no segundo semestre”, diz.

O ministro cita a Eletrobras – que no ano passado foi avaliada em 16 bilhões de reais -, os Correios e a Pré-Sal Petróleo (PPSA), que atua nas frentes de gestão dos contratos de partilha de produção, gestão da comercialização de petróleo e gás natural e a representação da União nos acordos de individualização da produção. “Essa a gente avaliou em 200 bilhões de reais.”

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ralfo bolsonaro bueno penteado disse:

    Vai privatizar a mãe. Até agora não consertou nada. Medíocre

  2. Santos disse:

    Coitado, apunhalado pelas costas.
    Força Guedes!

  3. Juliano bugueiro disse:

    Dólar R$ 10.00

  4. Arthur disse:

    Só no Brasil mesmo querer deixar na mão de estrangeiros um serviço tão estratégico como geração e transmissão de energia.

  5. Cigano Lulu disse:

    Vai, Posto Ipiranga, mostra sua força. Privatiza logo a Caixa Econômica, o Banco do Brasil, o BNB, a Eletrobras. Quanto aos Correios, faça uma "caridade": doe sua massa falida ao Vaticano, ele tem pano pras mangas.

  6. Pedro disse:

    Essa turma que vota no PT, esquece de tudo, inclusive bem recentemente como deixaram o país, desemprego solto, Nove dedos rico, a anta analfabeta dizendo idiotices, Petrobras falida, a gente no caminho de uma ditadura, dinheiro em cueca, filho Ronaldinho, a defunta dona de meio mundo, cobertura triplex, o homem mais honesto do mundo sendo rotineiramente condenado e preso, queriam chegar onde? Esses idiotas que defendem aquele mequetrefe são um bando de idiotas.

    • RICARDO LÚCIDO disse:

      Pedin rapaz ! Muda o disco , a mesma música direto não tem quem aquente . Bita aí um bolero novo

  7. Fica em casa disse:

    Rumo ao churrasco dos 20k 30k 40k e 50k ………..

    • Raimundo disse:

      A cada morte, a esquerda comemora.
      Gostam de usar chavões como churrasco dos 10.000.
      Fascistas não passarão.
      Gado.
      Por falar nisso, os Estados com piores números são governados por opositores de Bolsonaro.
      O que esses governadores estão fazendo além de politicagem?
      O salário de um médico em Cuba é de 200 reais.
      Enquanto isso os adoradores de Fidel, Maduro e Lula sonham com uma pátria bolivariana.
      Resultado de décadas de lavagem cerebral nas escolas…

  8. Torres disse:

    Vamos Brasil, vamos avançar!!

  9. Manoel disse:

    …que a economia retorne a sua pujança?
    Esse ser, responsável pelo pibinho, vivia aonde antes da pandemia?
    Mais um mentiroso do governo fake!

    • Vergonha disse:

      Bom foi o ladrao Lula …deixa de escrever merda vagabundo , seu ladrao preferiu construir estádios ao contrário de hospitais, vou dar uma dica: a carteira de trabalho é azul

    • Neco disse:

      Pibinho, mas positivo. Dilma teve dois anos de -3,5%.
      Fora outro pibinho em pleno ano de Copa.
      Criem vergonha na cara..

    • Webrevenger disse:

      Esse gado só muge numa nota só. Só sabe comparar com o governo do pt, mas não se tocam que tao comparando bosta com merda. Jaja começa a aparecer a rapinagem desse inquilino do planalto, já se vendeu pra turma do Roberto jerfeson. Mas o gado só sabe mugir. Mitooo

    • Raimundo disse:

      Webrevenger.
      O PT é ardiloso.
      Agora petistas estão se passando por isentoes.
      Tática manjada.
      Ou você é militante de Rodrigo Maia ou Doria?
      Por que chamar cidadãos de bem de gado?
      Isso é tática comunista antiga.
      Na América Latina, ou você apoia o comunismo ou não.
      Não venha posar de isentao, que representa uma terceira via.
      Ciro Gomes é aliado do PT e conversa muito, mas não sabe de nada.
      Dória? Que não sabe governar, nem a pandemia em São Paulo consegue controlar?
      A mídia sem dinheiro irritada?

Guedes admite que governo pode emitir moeda para financiar a dívida

Foto: Jorge William / Agência O Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu, nesta quinta-feira, pela primeira vez, que o Banco Central pode emitir moeda e comprar dívida interna para financiar a dívida pública. Ao comentar o assunto, em audiência pública do Congresso Nacional, afirmou que um bom economista não tem dogmas.

— É possível emitir moeda? Sim — disse Guedes.

O ministro desenhou um cenário de inflação zerada e juro baixo para justificar a eventual emissão. A consequência mais clássica da emissão de moeda é o descontrole da inflação ou mesmo uma crise hiperinflacionária.

“Imprimir dinheiro” para financiar o governo é defendido, por exemplo, pelo ex-ministro da Fazenda e ex-presidene do BC Henrique Meirelles.

— Se cair numa situação que a inflação vai praticamente para zero, os juros colapsam, e existe o que a gente chama da armadilha da liquidez, o Banco Central pode sim emitir moeda e pode sim comprar dívida interna — disse Guedes.

Por conta do coronavírus e das medidas tomadas para combater o vírus, a dívida pública deve disparar nos próximos meses, o que levantou questionamentos dos senadores sobre a capacidade do país em financiar as ações.

Guedes disse que o BC pode até mesmo comprar a dívida interna.

— Ele (o BC) pode recomprar dívida interna. Se a taxa de juros for muito baixa ninguém quer comprar título muito longo e aí pode monetizar a dívida sem que haja impacto inflacionário — disse o ministro.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, já se manifestou contrário à emissão de moeda para financiar os gastos do governo no combate à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Guedes afirmou que é preciso prosseguir com as reformas.

— Mas nós sabemos que o mundo espera que as reformas prossigam e que a gente tenha austeridade do ponto de vista de entender que numa crise de saúde não falta dinheiro para a saúde, mas isso não pode virar uma farra eleitoral — completou.

Guedes também afirmou que o BC está usando as reservas internacionais, o que tem reduzido a dívida pública.

O ministro afirmou depois que uma solução para não ser necessário emitir moeda seria o Congresso aprovar uma propsota de emenda à Constituição (PEC) que acaba com boa parte dos fundos públicos e transfere R$ 250 bilhões para reduzir a dívida.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. WellingtonB disse:

    Esse aí não é nem pra falar mais. Tem que voltar pra cadeia e terminar de pagar sua pena.

  2. Cidadão pagador de impostos disse:

    Vai acabar c o plano real

  3. Seridó Sempre disse:

    Quando o Presidente Lula falou em imprimir moeda, o gado ficou mugindo alto… Agora é um silêncio….

Contrapartida à ajuda fiscal aos governadores e prefeitos: Guedes discute com Alcolumbre congelamento de salários públicos por 1 ano e meio

Foto: Reprodução

O governo constrói com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, um texto que estabelece o congelamento dos salários de servidores públicos durante o período de 1 ano e meio, como contrapartida à ajuda fiscal que governadores e prefeitos vão receber da União para o combate da pandemia. Alcolumbre é relator da proposta.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, que nesta segunda-feira teve o papel de super ministro reafirmado pelo governo, tem reunião marcada com Alcolumbre nesta tarde. O encontro foi confirmado por integrantes da equipe econômica, que irá anunciar nesta tarde detalhes de outra estratégia do governo para reativa a economia. Trata-se de uma medida provisória, publicada hoje, para facilitar a liberação de crédito. A previsão é que Guedes e Bolsonaro voltem a se reunir novamente no fim da tarde para dar curso ao fortalecimento da pauta econômica, em meio às crises política e sanitária – motivadas pela saída do ministro Sérgio Moro e o avanço do coronavírus no país.

Há expectativa de que o Senado aprove nesta semana o pacote de ajuda aos estados e município, que não ultrapassaria a casa de R$ 100 bilhões. O tamanho disso depende do quanto estados e municípios estão dispostos a cortar na própria carne.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo disse:

    Só 1 e meio nao resolve nada!
    Juiz e promotor tiveram aumento de 5mil reais ha menos de 6 meses o deles deviam congelar por 10 anos e os demais por no minimo 2 anos.
    É um abismo a diferença salarial privado do publico, isso precisa ser corrigido, nao bastasse a estabilidade e as regalias do funcionalismo inclusive que eu gozo.

  2. Aparecida disse:

    Espero que os valores de prestação de serviços , gasolina, gás de cozinha, tributos etc… também fiquem congelados por um ano e meio. O poder de aquisição tende a diminuir. E o acordo de congelamento tende a se estender para servidores estaduais/municipais. Já que a pandemia atingiu todo o país.

  3. Frank Wilde disse:

    O meu já faz 5 anos.

    • M.D.R. disse:

      Meu salário já faz 10 congelado.
      Em Tio Patinhos, ñ acredito até porque ñ deu reposição da defasagem do IMPOSTO DE RENDA, de 103,96% o MINISTRO então minha nota é ZERO.

  4. Marieta disse:

    Tenha coragem e corte o "voucher " paletó, auxilio gasolina e moradia. Isso daí dá mais de 63 milhões por ano! Tirar da classe trabalhadora é fácil, quero ver ter hombridade de corta dos teus, dos senadores, dos juízes, prefeitos, vereadores, Seja macho, cabra de peia!

  5. Carlão disse:

    Do Executivo é fácil congelar. Agora dos outros poderes, tem que ter BOLAS DE TITÂNIO.

  6. otarocha disse:

    Ja tou com o meu congelado ha 3 anos.O ultimo reajuste q tive ainda tava na ativa.

Guedes reafirma ajuste fiscal em reunião com Bolsonaro e ministros no Alvorada

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Em sinal de apoio àquele que é considerado o último “superministro” de governo, o presidente da República, Jair Bolsonaro, convocou Paulo Guedes, no Alvorada, para defender o ajuste fiscal em uma conversa com ministros de áreas que pedem por novos investimentos neste momento de pandemia.

Essa defesa significa que o governo não está disposto a exceder nos gastos. Os titulares das pastas da Agricultura, Tereza Cristina, e da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, estão na reunião na residência presidencial.

“Essa reunião é um freio de acerto para mostrar que quem está no comando da Economia é Paulo Guedes e ninguém pode fazer nada à revelia”, afirmou, à coluna, um auxiliar do ministro.

A avaliação da equipe de confiança de Guedes é de que com a saída do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, o ministro da Economia ficou mais forte. É que na escala de ministros poderosos do governo, Paulo Guedes posa isolado diante de outros ministros com currículo menor.

A rivalidade com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, ex-auxiliar de Guedes na Economia, já extrapolou as paredes do Planalto. A defesa de Marinho pela liberação de mais recursos públicos para conter os efeitos do coronavírus foi entendida como uma afronta à política de ajuste fiscal.

Em uma comparação que incomoda o governo, o programa pró-Brasil, que prevê investimentos públicos em obras públicas, foi igualado a um novo PAC, o Programa de Aceleração do Crescimento.

CNN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Breno disse:

    Já começaram a escantear Rogério Marinho?

  2. Observando disse:

    Esse ano a meta fiscal ja era. Em 2021 talvez obedecam a meta. Em 2022 ano eleitoral, nunca. Em qual ano eleitoral se obedeceu a meta fiscal?

Guedes fala em ‘passaporte da imunidade’ para curados da Covid-19 e ganha apoio do Ministério da Saúde

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse neste sábado que um “passaporte da imunidade” para pessoas curadas após desenvolverem a Covid-19 pode ser uma possibilidade para que o Brasil possa conseguir, futuramente, tirar profissionais do isolamento em meio à crise causada pelo avanço do novo coronavírus. A ideia ganhou o apoio de João Gabbardo, secretário-executivo e número dois do Ministério da Saúde.

Em transmissão ao vivo com empresários, Guedes afirmou que conversou com “um amigo da Inglaterra” sobre a ideia na manhã deste sábado e disse que enviou informações sobre ela para o ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde.

— Hoje de manhã, conversávamos com um amigo da Inglaterra que criou o passaporte da imunidade. Ele faz 40 milhões de teste e coloca disponível para nós brasileiros, 40 milhões de testes por mês. Já mandei para o ministro Mandetta, para o chefe da Casa Civil, ministro Braga Netto e para o presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, se você fez o teste e deu positivo, você pode circular. Você fez o teste e deu negativo, você tem que ir para casa. Não é agora. Agora nós estamos em isolamento. Nós estamos planejando uma saída, lá na frente e termos esse teste em massa. As pessoas vão sendo testadas, pode ser semanalmente e quem estiver livre, continua trabalhando.

Questionado sobre a possibilidade levantada por Guedes durante coletiva de imprensa promovida pela Saúde, Gabbardo dsse que desconhecia a expressão “passaporte da imunidade”, mas declarou que a pasta é favorável a eventuais medidas neste sentido.

— Isso faz parte do plano do Ministério da Saúde e nós somos totalmente favoráveis a isso — afirmou Gabbardo, justificando: — Nós queremos que o profissional de saúde, se ele estiver com sintomas e ficar isolado, ele pode sair do isolamento um pouco mais cedo se a gente tiver a confirmação de que ele está imunologicamente com segurança para sair de casa e voltar para o trabalho. Vamos ter uma parte da nossa população que já terá passado da transmissão e poderá ter contato com a sociedade. Isso é muito importante.

Gabbardo, que subsituiu Mandetta neste sábado, fez referência principalmente a profissionais de saúde ao falar sobre o “aval” para circular após a garantia imunológica. O secretário-executivo também mencionou que as pessoas já imunizadas após terem sido acometidas pela Covid-19 poderiam ter contato com grupos de risco, sem a ameaça de acabarem transmitindo o vírus.

— Ela pode ter contato com o idoso, com a criança, pode ir à escola, pode ir ao trabalho. Porque ela não vai mais ter possibilidade de transmitir a doença, porque ela já teve e não existe, pelo menos até o momento, nenhuma comprovação de que alguém possa ter uma reinfecção. E mesmo que possa ter uma reinfecção, ele já vai ter anticorpos, uma imunidade que com certeza vai ser positiva para o enfrentamento da doença — afirmou Gabbardo.

Apesar das projeções para as próximas ações relativas aos cuidados com a pandemia, Gabbardo e outros responsáveis pela Saúde reafirmaram, durante a entrevista coletiva, a importância do isolamento para este momento. A avaliação é de que ao menos cinco unidades da federação (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Amazona e o Distrito Federal) podem estar em transição para uma fase de “aceleração descontrolada” do contágio pelo novo coronavírus.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Aloízio disse:

    "Ou seja, *se você fez o teste e deu positivo, você pode circular*. Você fez o teste e deu negativo, você tem que ir para casa." Essa eu não entendi.

  2. Rogério Rocha disse:

    A questão é saber se o grande amigo deixa chegar aqui esse teste.

  3. Dig Dong disse:

    É outra coisa.
    Em outros tempos as amizades era pro lado dr Cuba e Venezuela.
    Da lhe Mito!

    • Ed disse:

      Kkkkkkkkkk. Só rindo mesmo. Enquanto o grande aliado, EUA, rouba nossos equipamentos, Cuba manda médicos para a Europa.

Guedes diz que Brasil vai sofrer ‘impacto’ do coronavírus, mas que crise é passageira

Foto: Reprodução/Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (12) que o Brasil “vai tomar o impacto” da crise gerada pelo coronavírus, mas que ela é “passageira”.

Guedes fez o comentário ao ser questionado pelos jornalistas sobre a nova disparada do dólar que, nesta quinta, chegou pela primeira vez a R$ 5.

Na semana passada, o ministro afirmou que, se fizesse “muita besteira, o dólar poderia bater em R$ 5”.

Nesta quinta, o ministro esclareceu que, quando fez a declaração na semana passada, não estava se referindo apenas a ele ou ao governo, mas “ao Congresso, Senado, Câmara, Presidência da República, ministros, opinião pública informada pela mídia”. De acordo com Guedes “todos nós somos responsáveis” pela instabilidade que se reflete na disparada da moeda norte-americana.

Em seguida, o ministro defendeu que as disputas políticas envolvendo o governo Bolsonaro e o Congresso deem lugar a “um mutirão de solidariedade” para superar a atual crise.

“É uma crise passageira, uma pandemia, como foi dito do ponto de vista de saúde pública. Tem uma onda de impacto, um período de difusão, e depois ela cede também com força. Já está acontecendo isso na China. Vamos tomar o impacto agora”, disse Guedes.

Na quarta, em mais um capítulo da disputa entre Planalto e parlamentares, o Congresso derrubou veto do presidente Jair Bolsonaro e elevou o limite de renda para a concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

De acordo com o governo, esse aumento vai gerar um impacto de R$ 20 bilhões nas contas públicas apenas neste ano.

Para Guedes, que informou que o governo vai recorrer à Justiça e ao Tribunal de Contas da União (TCU) para tentar reverter a decisão sobre o BPC, a derrubada do veto foi um “sinal do Congresso Nacional” em um momento de disputa sobre as regras do orçamento impositivo – em que o Executivo e Legislativo competem pela prerrogativa de definir a destinação de recursos públicos.

“A nossa avaliação é que, se há algum espaço agora, é para justamente remanejar o orçamento para essas prioridades [área de saúde, por conta do coronavírus]”, disse.

“É hora de explorarmos as disputas? De jogamos os poderes uns contra os outros por pequenos deslizes de comentários? Ou é hora de tentarmos interpretar corretamente o que está sendo transmitido e tentarmos construir a saída juntos”, questionou.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. IBMENDONCA disse:

    Parece que o posto Ipiranga tá em crise…

  2. Ricardo disse:

    Impressionante a falta de informações que as pessoas tem em se referir ao dólar a 5,00 reais como fosse culpa interna e essa falta de esclarecimento é uma lástima.

    • Chico da Burra disse:

      Não é falta de informação meu amigo! É oposição sem argumento querendo utilizar-se de qualquer meio para derrubar o governo e tentar voltar ao poder, digo, à roubalheira!!!

  3. Observando disse:

    Reforma Trabalhista. Reforma Previdencia. E agora Reforma Tributaria, que vai tirar dos ricos e dar aos pobres. Agora vai.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      "Tirar dos ricos e dar aos pobres" ??????????????? será que o que os fatos estão mostrando não é o contrário não ??.
      Eu só vejo os "tubarões" cada vez mais ricos e a classe média e o povão empobrecendo e perdendo direitos conquistados com muita luta.

  4. Bruno disse:

    Kat acredita mesmo é nós petralhas

  5. Vitor Silva disse:

    É triste, mas tbm didático: ontem Fábio Wajngarten fez piada com o coronavírus, hoje o resultado de seu exame deu positivo.

    Bolsonaro é outro que não se atém aos fatos, atacou a imprensa e chamou a pandemia de "fantasia"

    A realidade vai esmagando as fake news desse (des)governo

  6. Kat disse:

    Suposições…. Não fala nada com nada!!
    Disse que o dólar não chegarão a 5,00 reais e se chegasse era pq o governo tinha feito muita besteira..olha aí!!! Que a crise passa com as reformas, tudo balela. Queria muito que fosse verdade, não acredito mais em nada desse desgoverno.

    • Antenado disse:

      Então se mude para a Venezuela. Lá vc não vai ouvir falar, vai ver “in loco”.

Guedes diz que vai acionar STF contra votação do Congresso que eleva gasto em R$ 20 bilhões

Foto: (Wilson Dias/Agencia Brasil)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (12) que o governo vai acionar o STF (Supremo Tribunal Federal) para questionar a votação feita pelo Congresso que amplia os gastos obrigatórios do governo em R$ 20 bilhões ao ano.

Ao afirmar que o Executivo está preparado para enfrentar “exacerbações indevidas” da crise e que a ansiedade no mercado é natural, Guedes disse que será feita liberação imediata de recursos para o sistema de Saúde e que há espaço para medidas emergenciais.

Nesta quarta-feira (11), numa derrota do governo, o Legislativo derrubou um veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à ampliação do BPC (benefício assistencial a idosos carentes e deficientes).

O Ministério da Economia estima um aumento de aproximadamente R$ 20 bilhões nas despesas por ano. Em dez anos, a alta nos gastos públicos pode chegar a R$ 217 bilhões.

“Nós vamos ao Supremo, nós vamos ao TCU (Tribunal de Contas da União) argumentando pela Lei de Responsabilidade fiscal. Você não pode criar R$ 20 bilhões de despesas sem dizer de onde vem os recursos. É proibido pela lei. Nós não temos capacidade de executar algo que pode ser ilegal”, disse.

Guedes afirmou que a decisão do Congresso derruba a expectativa de manter a correção do rumo da economia brasileira. Segundo ele, o governo quer que esses recursos sejam usados na situação de emergência na qual o país se encontra.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Kat disse:

    Pobre não viaja para trazer coronavÍrus, esse epidemia veio com a elite, que pode viajar com o dólar nas alturas.

  2. ACM disse:

    Quando quiseram implantar um sistema para viabilizar a auditoria da urnas eletrônicas, imprimindo o voto, Gilmar Mendes Proibiu, alegando que "faltava orçamento" e a "despesa não tinha previsão de onde viria". Aí vem os deputados e senadores SEM COMPROMISSO COM O PAÍS e aprovam a bagatela de R$ 20 BILHÕES SEM previsão orçamentária, NEM previsão de onde viria essa micharia. O STF vai permitir??? Segue a cachorra onde os parlamentares não tem respeito e compromisso com o povo e o destino do país.

  3. Fábio disse:

    Paulo Jegues já deu p vc! Vaza!

  4. Rivanaldo disse:

    Mais um dia de turbulência nos mercados. Nem 10h da manhã e dólar já bateu R$ 5,00. Bolsonaro e Guedes continuarão minimizar a crise? Que falta faz ao Brasil um estadista para orientar o país em época de incertezas.

    E as manifestações que Bolsonaro convocou, seguirão mantidas? Gado contrai corona vírus?

  5. Vitor Silva disse:

    Ações p/ conter o coronavírus pelo mundo:
    EUA: cancela voos da Europa por 30 dias;
    Reino Unido: anuncia pacote bilionário para turbinar sistema de saúde (coisa de R$ 73 bilhões);
    Itália: trancou todo o país;

    Brasil: para Guedes a saída é aprovar "reforma" administrativa e tributária

Coronavírus e desaceleração mundial afetam cotação do dólar, diz Guedes

Foto: Adriano Machado/Reuters

A despeito da alta do dólar nesta quinta-feira, que atingiu novo recorde de R$ 4,662 no início da tarde mesmo após intervenções do Banco Central, o ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou o patamar da moeda americana como “normal”, afirmou que o câmbio é “flutuante” e que sua flutuação agora será num nível mais alto. Para o ministro, a crise do coronavírus e a possível desaceleração da economia mundial explicam parte desse movimento.

– Lembra o câmbio flutuante? Que flutuava entre R$1,80 ou R$ 2,20 ? A flutuação dele agora é num nível mais alto: R$ 3,60, R$ 4,60. Não sabemos. É o câmbio flutuante. Só que ele flutua num patamar mais alto. É simplesmente Isso – afirmou o ministro, que participou de uma reunião com empresários na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista, junto com o presidente Jair Bolsonaro.

Questionado se a moeda americana poderia chegar a R$ 5, Guedes afirmou que isso só seria possível se fosse feita “muita besteira”.

– Isso aí era perfeitamente previsível. Pô. Mas tá indo para R$ 4,30 ou R$ 4,40, tem o coronavírus, a desaceleração da economia mundial (…). Se fizer muita besteira ele pode ir pra esse nível. Se fizer muita coisa certa, ele pode descer.

O ministro frisou que a agenda de reformas precisa ser implementada para acalmar a moeda americana. No entanto, em ano eleitoral, como em 2020, a tramitação dessas propostas no Congresso costuma ser mais lenta.

– Claro que quanto mais rápido você apresentar as reformas, mais rápido você recupera a confiança e o dólar acalma. Preocupa o nível? Quando sobe rápido preocupa. Por isso que o Banco Central vende um pouco. Mas é natural – disse.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Andreilson disse:

    Falou o Paulo Jegues

    • manezinho disse:

      Mais um dilmista que entende de economia…. saia de blogs ideologicos. va estudar economia de verdade.

  2. Leo disse:

    E tem gente q acredita nesse embuste, capacho de banqueiro e especulador?
    Primeiro era tirar Dilma q o dólar voltava pra 2 reais. Mentira. Depois era só aprovar a reforma trabalhista q tdo ficaria as mil maravilhas. Mentira de novo. Depous era só aprovar a reforma da previdência q virariamos a Suécia. Nada e o povo pobre e trabalhador perdendo os seus direitos.
    O bom é q a classe média paneleira se achava rica reclamando com dólar a 2,5 reais agora nem na Agentina pode mais….
    Agora esse senhor q enganar mais quem?
    Mas dizem q se fizer arminha e pensar bem forte o dólar baixa.

    • Higino disse:

      Deixa de ser babaca, atordoado e abobalhado. A economia do mundo está desacelerada por causa do coronavírus, isso, além da roubalheira de mais um trilhão de reais pela quadrilha esquerdalha são os maiores entraves da alavancagem da economia brasileira. Mais nada. As engrenagem da economia estão até bem azeitadas, restando ainda, segurança jurídica e umas reformas. Só após essas mudanças, iremos ter condições perfeitas e ideais para os investidores. O resto é tolice de de babaca petralha liso e desinformado, que serve de massa de manobra pra ladrões de dinheiro público.

    • IBMENDONCA disse:

      Pipipipipipi
      Minion detectado!!!!

Guedes diz que Brasil vai abrir compras do governo a estrangeiros

Foto: Bianca Rothier/GloboNews

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (21) que o Brasil vai anunciar a adesão a acordo internacional de compras governamentais de forma a permitir um tratamento isonômico aos estrangeiros interessados em participar de licitações e concorrências públicas no país.

“É o acordo pelo qual nós agora passamos a admitir empresas de fora também para todas as compras que a gente fizer, um tratamento isonômico. O Brasil está querendo entrar para primeira liga, primeira divisão de melhores práticas. E isso realmente é um ataque frontal à corrupção”, afirmou a jornalistas, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos.

“Um tema importante na campanha do presidente Bolsonaro foi acabar com a corrupção. E nós sabemos que boa parte da corrupção foi permitida exatamente com coisas de governo: empreiteiras, obras governamentais, coisas desse tipo”, acrescentou.

O ministro não informou, porém, a data em que o Brasil irá aderir oficialmente ao acordo.

O que é o acordo sobre compras

O Acordo sobre Compras Governamentais (GPA, na sigla em inglês), mantido pela Organização Mundial do Comércio (OMC), estabelece para os países signatários uma série de compromissos em matéria de transparência e acesso aos mercados nacionais de compras públicas. Seus integrantes ficam obrigados a dar isonomia de tratamento entre empresas nacionais e estrangeiras em contratações para a aquisição de bens, serviços e obras.

Atualmente, são 42 os signatários do GPA, incluindo os 27 países da União Europeia e o próprio bloco europeu. Segundo o Ministério da Economia, o Brasil, como a maior parte dos países em desenvolvimento, não é signatário, mas desde 2017 participa do grupo como membro observador.

Segundo reportagem do Valor Econômico, o governo pretende aproveitar a presença de megainvestidores nesta semana, em Davos, para fazer o anúncio, e mostrar que o país está comprometido com a agenda de liberalização. O que, quando e como o Brasil abrirá suas licitações ainda será definido em negociação técnica com a OMC.

(mais…)

Ex-ministro de Temer, assessor de Guedes é denunciado por fraude em aportes da Funcef

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago, atualmente assessor especial do ministro da Economia, Paulo Guedes, está entre os 29 denunciados pela força-tarefa da Operação Greenfield por fraudes nos principais fundos de pensão de empresas estatais e privadas.

De acordo com os investigadores da Procuradoria da República no Distrito Federal, os 29 gestores dos fundos Petros (Petrobras), Funcef (Caixa Econômica), Previ (Banco do Brasil) e Valia (Vale) participaram de investimentos irregulares da Sete Brasil.

A empresa – que seria responsável pela construção de sondas para a exploração do pré-sal – recebeu aportes por meio de um fundo de investimento específico. As operações, segundo o Ministério Público, causaram um prejuízo de R$ 5,5 bilhões.

À época da aprovação dos aportes, Colnago participou do conselho deliberativo da Funcef. Ele também foi ministro do Planejamento durante o governo do ex-presidente Michel Temer.

Outro lado

Conalgo afirmou, em nota, que está à disposição da força-tarefa da Greenfield para prestar os esclarecimentos relacionados à gestão dos fundos de pensão.

Ele aponta “que todas as atividades exercidas como membro do Conselho Deliberativo do Fundação dos Economiários Federais (Funcef) ocorreram em consonância com o regimento interno e demais normas legais”.

Diz ainda que está em tramitação, na Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), processo no âmbito administrativo de semelhante teor, no qual já apresentou defesa.

Procurado, o Ministério da Economia não havia se manifestado até o momento da publicação desta notícia.

Mudança de cargos

Nesta quinta-feira, Guedes realocou integrantes da equipe técnica da pasta, conforme portaria publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira.

Colnago, que estava no comando da Secretaria Especial de Fazenda, foi exonerado do cargo para assumir a chefia da Assessoria Especial de Relações Institucionais do órgão, responsável pela interlocução com o Congresso Nacional, entre outras atribuições.

O cargo de chefe da Assessoria Especial de Relações Institucionais vinha sendo exercido por Caio Megale, que hoje foi exonerado.

O atual diretor de programa do Ministério da Economia, Jeferson Luis Bittencourt, também deixou o cargo. Ele é o novo secretário especial adjunto da Secretaria Especial de Fazenda, no lugar de Colnago.

Valor

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Disse disse:

    O Bolsonaro LADRÃO gosta de quadrilha, nao é a toa que formou uma dentro de casa…..E agora está expandido pelo Brasil com b minúsculo……BOLSOTRALHAS SÓ ENXERGAM O NARIZ DE LULA, MAIS NAO ESQUECEM DE ENGOLIR A MERDA DESSE CANALHA MELIANTE…..E HAJA PAPO cheio de BOSTA…,

    • Ana disse:

      Realmente o Bolsonaro fala muita besteira mesmo, e pior que é só abrir a boca. Mas roubar Roubar com R maiúscula isso ninguém pode negar que o LULADRAO vou imbatível, CINCO TRILHOES, esse foi o estrago feito pela quadrilha do PT, se vc acha pouco e que nossa país está bem, entendo porque vc tá defendendo lula com tanta veemência, por dois motivos basicos: ou fazia parte da boquinha e perdeu ou não sabe contar.

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    Quem for podre que se quebre , seja quem for. Quem tem bandido de estimação é mulher de vagabundo !!

  3. Ojuara disse:

    O valor do rombo só na Petros, foi de TRINTA BILHÕES FEITA PELA QUADRILHA DO PT QUE ADMINISTRAVA OS FUNDOS. SE CONTAR TODOS DEVE CHEGAR QUASE A CEM BILHÕES. IMAGINE BRASIL AFORA O QUE ESSES FDP FIZERAM, POR ISSO O PAÍS TÁ QUEBRADO.

  4. Minion alienado disse:

    Mais um para conta.

  5. Observando disse:

    Colgano Livre.

    • Paran disse:

      Como tem fundos de pensões envolvidos, a petralhada prefere não comentar, não tem conhecimento sobre a causa. Hehehe

    • Ojuara disse:

      Paran, os PTralhas não tem conhecimento pouco né, porque eles é que administravam, quebrou todos eles, agora os funcionários e que estão pagando o pato do roubo dos PTralhas. Na Petrobras, que eu conheço, os funcionários vão pagar a dívida durante DEZOITO ANOS(18) ANOS. E os valores são exorbitantes para cada um, Isso é um absurdo sem tamanho, vc pagou uma previdência a vida inteira trabalhando, qdo se aposenta e quer usufruir, toma no fundo devido a esses ladrões do PT, sob o comando de LULADRAO roubaram BILHÕES DOS FUNDOS DE PENSÃO.

Brasil está ‘a caminho do upgrade’, diz Guedes sobre nota de crédito do país avaliada como positiva

Foto: Reprodução/TV Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (12) que o Brasil está a caminho de um “upgrade” pelas agências de classificação de risco.

Guedes deu a declaração ao comentar a revisão da perspectiva da nota de crédito do Brasil, de estável para positiva, anunciada pela agência Standard & Poors nesta quarta-feira (11).

O rating brasileiro permaneceu em BB-. A mudança da perspectiva deixa o Brasil mais próximo de subir na classificação concedida pela agência nos próximos meses.

A economia brasileira ainda está dois degraus distantes grau de investimento, sob a classificação da S&P.

A marca, perdida em 2015, é uma espécie de “selo de bom pagador” que assegura a capacidade do país de honrar seus compromissos financeiros.

“Então, a expectativa nossa é que estamos já a caminho do ‘upgrade’. Isso normalmente leva dois anos, mas acho até que vamos conseguir antecipar. Se mantivermos nosso ritmo de reformas, o Brasil vai retomar o crescimento acelerado muito rapidamente”, afirmou o ministro a jornalistas.

Segundo Guedes, a Standard & Poors “está só percebendo a efetividade das reformas que estamos implementando”.

“O Brasil está com o menor déficit dos últimos cinco, seis anos. A taxa de juros está desabando. O Brasil esta reacelerando. Vocês viram que os investimentos estão sendo retomados. O ritmo de crescimento esperado para o ano que vem já é mais do que o dobro do ritmo desse ano”, disse Guedes, após almoço com deputados da Frente Parlamentar da Indústria de Máquinas e Equipamentos.

Decisão da S&P

A agência justificou a decisão de melhorar a perspectiva brasileira diante da aprovação da reforma da Previdência, da expectativa do avanço de outras medidas fiscais e de um crescimento mais acelerado, o que pode “melhorar a posição fiscal do Brasil no médio prazo (próximos três anos).”

A S&P disse ainda que a revisão reflete uma expectativa de melhora da nota para o país nos próximos dois anos se essa agenda avançar. A agência estima que o Produto Interno Bruto (PIB) do país vai crescer 1% neste ano e de 2% no ano que vem.

G1

 

Resultado do Datafolha mostra que Guedes está no rumo certo, diz Planalto

Foto: Reprodução

Os resultados da pesquisa Datafolha, divulgados no domingo (8), mostrando que a queda na popularidade do presidente Jair Bolsonaro foi estancada, indicam que a política econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes, está no rumo certo.

A avaliação foi feita ao blog por assessores presidenciais. Segundo eles, o levantamento reforça a confiança do presidente em Paulo Guedes.

“A velocidade da recuperação da economia ainda não é a que desejamos, mas estamos no rumo certo. Melhor ir devagar para depois acelerar com segurança”, disse ao blog um assessor presidencial.

Para ele, a pesquisa divulgada neste fim de semana mostra uma retomada da confiança da população na melhora da economia, o que vai se refletir mais à frente em melhora da avaliação do próprio presidente.

O Datafolha mostrou que, após oito meses de queda, a popularidade do presidente se manteve estável.

“É o primeiro passo para uma melhora”, afirmou outro assessor presidencial. Ele lembrou que, em outros governos, a economia foi acelerada artificialmente, o que gerou uma boa avaliação presidencial mas que, logo depois, caiu de novo.

Paulo Guedes chegou a ter sua política econômica questionada dentro do governo exatamente pela demora na reação do crescimento econômico do país.

Porém, desde a divulgação do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, quando o Brasil cresceu 0,61%, o ministro da Economia ganhou pontos positivos no governo. Agora, com a pesquisa Datafolha, ele teve sua posição ainda mais reforçada.

Nesta segunda-feira (9) foram divulgados dados da pesquisa Datafolha sobre a aprovação dos ministros do governo Bolsonaro.

De acordo com o levantamento, Guedes é o segundo ministro mais conhecido pela população (80% dos entrevistados disseram conhecê-lo), e só fica atrás do ministro da Justiça, Sergio Moro (93%).

Entre os que dizem conhecer os ministros, 39% consideram a atuação de Guedes ótima ou boa. Nesse quesito, o titular da Economia só perde para a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves (43%) e para Sergio Moro (53%).

Blog do Valdo Cruz – G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Florisvaldo disse:

    A quem interessa pesquisa do Datafolha e do Ibope que durante o anos de 2002 a 2016 foram financiados para dar números positivos ao governo?
    A quem interessa essas pesquisas que ninguém sabe onde foi feita e ninguém viu os pesquisadores?
    O Datafolha até fechar a contagem do último voto em 2018 dava vitória a todos os postes, menos que Bolsonaro ganharia.
    Qual a credibilidade que um instituto de pesquisa desse tem? Só mesmo a globo para levar ao ar suas "pesquisas". Precisa dizer mais?

  2. Ivan disse:

    Guedes tá errado, sabe de nada…Certo mesmo era Mantega e Ciro Gomes, quando diziam q a política econômica de Chavez levaria a Venezuela à condição de Potência econômica…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, petistas admiradores de criminosos de colarinho branco, vc são ilários…kkkkkkkkk

    • Ludovico fon Míssil disse:

      Certos eram os nossos desenvolvimentistas-keynesianos-unicampistas.
      Acreditam que se aumenta o nível dá água da piscina, tirando baldes da parte funda
      para despejar na superfície. Tira dinheiro de um canto, bota no outro que ele se multiplica.

  3. Barba ruiva disse:

    Só aqueles velhos 30% que apoia o presidente chibata! P quem anda nos seus carros importantos aqui em Natal,deve tá achando ótimo. Mas eu sei que essa galera come ovo p arrotar caviar!

    • Ricardo disse:

      Depois de querer dividir as pesssoas com base na etnia, sexo, região, comportamento sexual, classe social, os esquerditas agora querem também dividir as pessoa com base na faixa etária. E é bem típico de um esquerdista a inveja (nunca revelada, escondida sobre o manto do discurso da igualdade), manifestada no ressentimento contra quem pode dirigir um carro melhor.

    • Ricardo disse:

      Vcs estão desesparados com a possbilidade da economia engrenar.

  4. Verdade disse:

    kkkk A política econômica deve estar certíssima. Gasosa ultrapassando os R$ 5,00. Salário mínimo com reajuste sem aumento real. Cortes em todas as áreas sociais usando o argumento da política de ajuste prejudicando unicamente a população. Mercado interno chegando a recessão, retração e depressão. Essa crise, a recessão, a depressão são as justificativas pra vender todos os bens móveis, imóveis e estatais. Pense num kamikase essa política.

    • Ricardo disse:

      -A gasolina está a esse preço para que a Petrobras possa ser recuperada da pilhagem petista.
      -A regra do salário mínimo são aquelas criadas pelo PT.
      -Algumas áreas estão, de fato, sofrendo cortes. Fruto de um orçamento engassado por despesas vinculadas.
      -Não estamos em recessão, muito menos em recessão. Recesão deixou Dilma.
      -Estamos numa lenta e consistente retomada do crescimento.

    • Ricardo disse:

      *-Não estamos em recessão, muito menos em depressão. Quem lançou o Brasil numa depressão foi Dilma.

    • JUNINNNN disse:

      O preço da gasolina depende também dos impostos estaduais. olha o preço da gasolina em outros estados.

  5. Del disse:

    MORO presidente 2022 e Guedes vice, Bolsonaro será aspone.

    • Ludovico fon Míssil disse:

      Arruma aí um lugar pro Tarcísio e pra Damares também.
      Ou deixa todos nos respectivos ministérios.
      Biroliro sabe escolher, né?

Guedes diz que democracia no Brasil nunca esteve tão forte

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O processo de transformação do Estado brasileiro é difícil e doloroso, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta terça-feira (26), em conferência no Peterson Institute for International Economics, em Washington.

Guedes ressaltou que essa transformação ocorre em meio a uma democracia vibrante. “Estamos transformando o estado brasileiro. É um trabalho doloroso, é duro”, disse. Ele acrescentou que muito do que se ouve sobre o Brasil é ruído e deve ser ignorado. “O que vocês ouvem fora é que há uma bagunça. Não prestem atenção nisso. [O Brasil] é uma democracia vibrante, com poderes independentes”, ressaltou, acrescendo que no país a democracia nunca foi tão forte como atualmente.

O ministro também afirmou que não há escândalos de corrupção no país e acrescentou que o Brasil não vai queimar florestas ilegalmente e que respeita o acordo de Paris.

Ontem, ao responder sobre convulsões políticas na América Latina, Guedes fez uma declaração polêmica ao dizer que considera inconcebível um novo AI-5 no Brasil, mas as pessoas não devem se assustar se alguém pedir um AI-5 caso haja radicalização no Brasil.

Hoje, ele defendeu o direito da população de se manifestar pacificamente, “sem quebrar a rua toda”. “A democracia é barulhenta. Nós respeitamos e valorizamos isso. Não temos problemas com manifestações públicas”, disse. Guedes enfatizou ainda que é preciso respeitar quem foi eleito e que a disputa pelo poder deve se dar nas Eleições.

Durante a conferência em Washington, Guedes defendeu as medidas econômicas que estão sendo adotadas pelo governo, como a reforma da Previdência, considerada emergencial, o ajuste fiscal, a descentralização das receitas públicas com maior distribuição entre estados e municípios, privatizações, e as reformas administrativa e tributária.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ze Negão disse:

    ONDE ISSO GUEDES? ONDE EXISTE DEMOCRACIA NESTE PAIS QUE SE VOTA OBRIGATORIAMENTE E USAM DINHEIRO PUBLICO PRA FAZER CAMPANHAS BILIONÁRIOS? TÁ VIAJANDO PRA ONDE SEU INFELIZ?

“Vamos acabar com o imposto mais cruel que existe no Brasil, o encargo sobre folha de pagamento. Você tira da informalidade”, diz Paulo Guedes

Foto: Adriano Machado/Reuters

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta sexta-feira (22) o fim dos encargos sobre a folha de pagamento de empregados. Segundo ele, esse é o encargo “mais cruel que existe”.

“Vamos acabar com o imposto mais cruel que existe no Brasil, o imposto sobre folha de pagamento. Você tira da informalidade. Você tem, de um lado, o ganho de produtividade do trabalho, o emprego, o salário e contribuições para a Previdência. (Se) Está todo mundo empregado, todo mundo pode pagar”, disse Guedes, durante discurso no Enaex (Encontro Nacional de Comércio Exterior), no Rio.

Durante o evento, o ministro lembrou a situação de turbulência enfrentada por países vizinhos, como Venezuela e Chile. “O caminho do partido único, o caminho do confronto social, do fechamento econômico, não é o caminho”, defendeu.

Para ele, o Brasil está no caminho certo, avançando na velocidade esperada pelo governo, gerando emprego de forma mais rápida que nos últimos anos.

“Nós estamos no caminho certo e vamos melhorar. O mundo está desacelerando, nós estamos acelerando. O mundo está se fechando, nós estamos começando a abrir, depois de 40 anos fechados”, disse o ministro.

Guedes complementou que a abertura da economia será gradual, acompanhada de um processo de reindustrialização, com a reintegração do Brasil às cadeias globais.

Reuters

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco Alves disse:

    É engraçado observar as colocações dos serviçais e seguidores do ex-presidiario e maior corrupto da história da República. O bandido Luladrão assumiu o governo com a economia brasileira passada por FHC de vento em popa, governou por oito anos e, durante esse período detinha 80% do Congresso Nacional (no toma lá dá cá, lógico) nas mãos. Loteou as estatais, ministérios e a Petrobras. Aliou -se ao que havia de pior, de mais retrógrado na política brasileira. Fez parceria com Sarney, Collor, Maluf etc. Ou seja, teve tudo, tudo mesmo, para realizar as reformas que o país necessitava, tais como reforma da previdência, reforma fiscal e reforma política e tributária. Contudo, a sua única preocupação foi com o assistencialismo eleitoreiro, com o aparelhamento do estado, mas, sobretudo com a roubalheira. Terminado o seu governo elegeu uma toupeira e, como já era esperado a economia do país foi para as cucuias! Hoje o que se enxerga, são os seus idiotas úteis e seguidores espernear com as reformas. Esse William que se pronunciou sobre a alíquota do IRPF de 27,5% só pode ser um quadrúpede em gritar somente agora, haja vista que esse valor vem desde Luladrão. Convordo que é um percentual elevado, mas, por quê não exigiu uma redução no governo do bandido?

    • Sandra disse:

      Perfeita sua opiniao! Eh o que penso tambem!

    • Tarcísio Eimar disse:

      Disse tudo, mas é poooouco pra um ptralha entender

    • Vanias disse:

      Pois é….e a turma do barulho não para! O melhor a fazer é mostrar suas mazelas, sua incompetência e bora fazer as reformas apoiando este governo!!

  2. Cristian disse:

    Imposto sobre o consumo, principalmente alimentação é o que é mais importante de ser retirado. O de renda nem aflige a massa pobre, mas todos sem exceção pagam os absurdos sobre feijão, arroz, açúcar…

  3. José disse:

    Devia cortar o imposto de renda. Mas ele continua a fazer do ministério um balcão de negócios para os milionários. Ministro sacana

    • Waldemir disse:

      Se voce acha que ele esta ajudando os empresários e simpkes vire um !!!!!

    • Vanias disse:

      Sacana foi Lula e seus cumpanheiros q colocaram "ministros" na economia p roubarem os nossos impostos!! Imposto caro BEM DISTRIBUÍDO corretamente é bom e precisa mas para a cumpanheirada servia para negociatas, roubalheira e enriquecimento ilícito!! Isso sim é ser sacana!! É sacanagem das boas!!

  4. willian disse:

    O CRUDELÍSSIMO MESMO É O IRPF COM ALÍQUOTA DE ATÉ 27,5% . TIRA ELE IMBECIL !!!!!
    VAI CONVERSAR BOSTA ASSIM NO INFERNO !!!!!!

    • Bento disse:

      O cachaça teve o país nas mãos por 16 anos porque não pediste ao teu bandido de estimação para atender aos teus desejos

    • Vanias disse:

      Cara, presta atenção p não cair em bobeiras!! 27,5% quem paga são os ricos, os q tem renda baixa paga 12% os de renda bem abaixo nada pagam!! Portanto, só reclama quem tem muito, tipo as elites (parlamentares, (esses são elites, já q comem lagostas, tomam vinhos importados etc ás nossas custas) etc ) q ficam instigando o povo como massa de manobra para se beneficiarem pedindo extinção do imposto e aí eles deitam e rolam…vc viu alguma manifestação da esquerda, no tempo de Luladrão contra isso? Teve greves?? Caia na real!!

Paulo Guedes promete taxa Selic a 4% em 2020

Foto: Adriano Machado/Reuters

Nesta sexta-feira(22), no Encontro Nacional de Comércio Exterior, no Rio de Janeiro, o sempre falante e confiante Paulo Guedes deu dois recados importantes:

Os juros caem mais ainda em 2020, o que vai levar a uma economia de 96 bilhões de reais ao Tesouro.

*Disse que a Selic pode cair a 4% (hoje, está em 5%)

* As turbulências em torno da reforma administrativa são normais: “Há silêncio em ditadura. Democracia faz barulho. O que não pode haver é quebradeira”.

Lauro Jardim – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Emmanoel do Nascimento Costa disse:

    A população que saber se os juros do cartão é empréstimos vão a cair é ficar próximo dos 4%..Na realidade taxa Selic 4% até agora só está sendo bom para empresários e governo e povo?

  2. Bosco disse:

    A taxa Selic cai e o combustível, feijão, pão, leite, tomate, juros do cartão… Não tem nada a comemorar! Prefiro acreditar em papai Noel.

  3. MZK disse:

    4% Pra que se os bancos não acompanhar