Política

Guedes demite secretário de Fazenda após crise do Orçamento e promove mudanças no ministério

Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

O ministro da Economia, Paulo Guedes, teve duas importantes baixas e trocas na sua equipe nesta terça-feira (27), em meio à pressão do Centrão para recriação do extinto Ministério do Planejamento, diante da crise na elaboração do Orçamento de 2021.

O secretário especial de Fazenda da pasta, Waldery Rodrigues Júnior, foi demitido do cargo. Ele tinha uma função equivalente à do antigo ministro da Fazenda. Todas as decisões orçamentárias passavam por ele. Estavam subordinados a Waldery a Secretaria de Orçamento Federal e o Tesouro Nacional, responsáveis respectivamente pela elaboração do Orçamento e pelo “cofre” do governo.

O Orçamento de 2021 foi alvo de embates após o Congresso subestimar as despesas obrigatórias para superestimar as emendas parlamentares. Segundo os congressistas, a manobra teve aval da equipe econômica. Porém, depois, a área fiscalista do ministério comunicou que teria de cortar parte das emendas, sob risco de o presidente Jair Bolsonaro cometer crime de responsabilidade se não fizesse. Waldery faz parte dessa ala.

O impasse gerou uma crise política e Guedes e sua equipe saíram desgastados. O Centrão, que virou base aliada do presidente Bolsonaro, tem pressionado pela volta do Ministério do Planejamento. Eles alegam que a fusão da Fazenda e do Planejamento no atual Ministério da Economia centralizou demais os poderes na mão de Guedes. Antes, o Orçamento era negociado com as duas pastas, e não somente com uma, como é agora. O Planejamento, historicamente, era mais sensível às demandas políticas.

Demitido nesta terça, Waldery já balançou no cargo no ano passado, quando defendeu congelar aposentadorias e pensões por dois anos para liberar recursos ao Renda Brasil, o programa social estudado pelo governo para substituir o Bolsa Família e outros. Na época, Bolsonaro ameaçou dar “cartão vermelho” a Waldery e chegou a pedir a cabeça do secretário. Guedes conseguiu contornar a situação.

Atual secretário do Tesouro assume Fazenda

Guedes promoveu o atual secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, para o comando da Secretaria Especial de Fazenda, no lugar do Waldery. O assessor especial de relações institucionais Jefferson Bittencourt deve ficar com o Tesouro Nacional.

Funchal assumiu o Tesouro em agosto do ano passado, após Mansueto Almeida pedir demissão do cargo para seguir para a iniciativa privada. Antes, Funchal foi diretor de Programas da pasta e secretário de Fazenda do Espírito Santo, um dos poucos estados com as contas públicas equilibradas.

Bittencort é o atual assessor especial de Guedes para negociações e votações no Congresso. Ele auxiliava o ministro na ponte com os parlamentares. Antes, foi secretário-adjunto de Fazenda. Assim como Funchal, faz parte da ala fiscalista do ministério.

Assessora da reforma tributária também deixa governo

Outra baixa na equipe econômica foi da assessora especial do ministro para assuntos tributários, Vanessa Canado. Ela pediu demissão alegando motivos pessoais. A decisão já estava tomada desde o início do ano, mas tinha sido postergada a pedido de Guedes.

No ministério, ela era responsável por coordenar a reforma tributária do governo, em conjunto com o secretário especial da Receita Federal, José Tostes, que continua no cargo.

Vanessa vinha sofrendo críticas de alas internas, pois antes de ir para o ministério ela colaborou com a proposta de reforma tributária da Câmara, que é mais ampla que a do governo. Guedes quer fazer uma reforma fatiada, tornando facultativa a adesão de estados e municípios. O ministro também afirma que a proposta da Câmara pode resultar em aumento de carga tributária.

Gazeta do Povo

Opinião dos leitores

  1. Quem manda (e sempre mandou) no Brasil é o centrão véi de guerra. Só os fanáticos, os idiotas e os abestalhados em geral não querem admitir isso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Guedes diz que, após aprovação do Orçamento, governo deve antecipar benefícios de aposentados

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (25) que, após o Congresso aprovar o Orçamento, o governo deve “disparar imediatamente” a antecipação de benefícios de aposentados e pensionistas.

O ministro falou nesta quinta à comissão temporária do Senado que acompanha as medidas de enfrentamento à pandemia de Covid-19. A antecipação de benefícios, segundo o ministro, faz parte de um conjunto de medidas para auxiliar a população em situação de vulnerabilidade a lidar com os efeitos da pandemia.

“Aprovado o Orçamento, se os senhores aprovarem o Orçamento hoje [quinta-feira, 25], podemos disparar imediatamente a antecipação dos benefícios de aposentados e pensionistas. Mais R$ 50 bilhões vem de dezembro para agora. Vamos proteger os mais vulneráveis, e os idosos, nessa segunda grande guerra contra o coronavírus”, afirmou Guedes.

O ministro disse que a medida não causará impacto fiscal, porque se trata de antecipação do pagamento já previsto.

Ele citou também o adiamento na cobrança de impostos, para auxiliar pequenos empresários durante o momento mais grave da pandemia.

“Da mesma forma, ontem [quarta] anunciamos o diferimento dos impostos do Simples, são milhões e milhões de empresas e trabalhadores que foram atingidos brutalmente com o recrudescimento da pandemia e com o reinício do lockdown”, disse Guedes.

No início do mês, Guedes já tinha dito que o governo avaliava antecipar o 13º de benefícios que aposentados e pensionistas recebem do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Valor do auxílio emergencial

Na sessão, Guedes ouviu da oposição críticas sobre o valor do novo auxílio emergencial. O governo definiu um valor médio de quatro parcelas de R$ 250, a partir de abril. A oposição quer um valor maior. Guedes admitiu que é preciso fortalecer a ajuda aos mais pobres, mas ressaltou que, antes, deve ser encontrada uma maneira de compensar a despesa.

“Se você aumenta esse valor [do auxílio] sem as fontes de recursos, você traz de volta a inflação de dois dígitos, com juros altos, e o resultado é desemprego em massa, e o imposto mais cruel sobre os mais pobres, a inflação. Temos que trabalhar para aumentar isso, o Renda Brasil [programa social que o governo tentou criar], que é um aperfeiçoamento do Bolsa Família. O Renda Brasil poderia ser melhor ainda”, concluiu.

G1

Opinião dos leitores

  1. Grande Ministro da Economia Sr Paulo Guedes, o gurú.
    Nunca vi uma equipe Ministerial de alto gabarito, como estou vendo no governo do Presidente Jair Bolsonaro.
    O homem é pau de dar em doido.
    É mais forte que fumo de rolo de Arapiraca.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes faz afago ao Congresso, defende vacinação em massa e descarta imposto

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou o auxílio emergencial como “um instrumento muito efetivo” e defendeu a vacinação em massa para que “38 milhões de brasileiros [os ‘invisíveis’] possam trabalhar para ganhar a própria vida”. Ele também agradeceu ao Congresso pela aprovação da PEC Emergencial, promulgada na segunda-feira, disse que as novas lideranças do Congresso ajudaram a “destravar a pauta de reformas”. Guedes afirmou, ainda, que não irá “cair na armadilha” de aumentar impostos.

As afirmações foram feitas em entrevista exclusiva à CNN, com o âncora Márcio Gomes e o analista político Igor Gadelha, gravada na segunda-feira (15). Veja abaixo alguns dos principais tópicos abordados pelo ministro.

Auxílio emergencial

“Eu queria começar agradecendo o Congresso. Acabo de ter a informação de que o Congresso promulgou a PEC Fiscal. Isso era importante porque, como você diz, a coisa começa com o auxílio emergencial, que foi um instrumento muito efetivo. Nós protegemos 64 milhões de brasileiros durante a primeira grande onda da pandemia, e nós temos que agora renovar os esforços, porque essa tragédia continua entre nós.”

Troca de comando no Congresso

“É importante deixar claro para todo mundo que é a política que dispara essas ondas de reformas. Nós tínhamos que esperar justamente a troca de comando na Câmara dos Deputados e no Senado para podermos encaminhar [as reformas]”.

Vacinação em massa

“O que vem pela frente? Vacinação em massa. Porque os 38 milhões de invisíveis, que nós descobrimos, são pessoas que têm que trabalhar de manhã para comer à noite. Então, elas precisam dessa vacinação, porque está indissociável a economia da saúde. Economia e saúde andam juntos, são indissociáveis. Então, se nós quisermos que esses 38 milhões de brasileiros possam trabalhar para ganhar a própria vida, eles têm que ser vacinados. A vacinação em massa é um passo indispensável, porque ela permite que haja uma redução dramática do desemprego informal.”

Tomar a vacina

“Já queria ter vacinado. Já queria ter vacinado. Eu acho ótimo. Sou candidato a vacinar, quero me vacinar.”

Andamento das reformas

“Considerando todos os fatores, nós temos um Congresso reformista. Ele já avançou com a reforma da Previdência, fizemos a cessão onerosa. Nós estamos fazendo muita coisa que estava parada. Eu acho que nós temos conseguido um coeficiente de 70% de aprovação das medidas que mandamos. 70% parece um número razoável, incluindo o fogo amigo. O que é satisfatório para fazer a economia se mover.”

Reforma administrativa

“A [reforma] administrativa está pronta para ser aprovada. Ela é uma reforma leve e suave. Como eu disse, ela já conseguiu, para os três níveis da Federação, economizar uns R$ 140, R$ 150 bilhões em salários, que nenhuma reforma administrativa teria potência para fazer isso em tão curto tempo. E, ao mesmo tempo, em nível federal, ela permite uma economia de outros R$ 300 bilhões.”

Reforma tributária e alta de impostos

“A [reforma] tributária é um pouco mais complexa, e justamente nós não queriamos cair na armadilha que estava preparada para fazer aumento de impostos. Nós estamos há 40 anos aumentando os impostos no Brasil. Toda vez que há um déficit, nós aumentamos os impostos.

O nosso raciocínio na tributária foi exatamente o seguinte: a economia brasileira teve dois anos de recessão, em 2015 e 2016, ou seja, a base de arrecadação caiu bastante. Tivemos de novo em 2017, 2018 e 2019, um crescimento de 1%, 1,3%, 1,4%. È um crescimento baixo, ou seja, continua reprimida a arrecadação. Então, seria um contrassenso, baseado nesse déficit que está lá, você tentar aumentar os impostos para fechar o déficit.

Muitos críticos, inclusive, despreparados, estavam reclamando o tempo inteiro, que nós devíamos estar aumentando os impostos, porque tem um déficit, etc. Despreparados porque você não deve aumentar impostos no meio de uma recessão. Se não, você agudiza a recessão.”

Troca no comando da Petrobras

“O que nós dissemos ao presidente é que isto tem um custo econômico pesado. Então, resultado: se o objetivo era baixar o preço do combustível, o que aconteceu com isso [a troca do presidente da Petrobras] foi que os mercados começaram a subir o câmbio, a Petrobras perdeu valor, e o presidente mesmo falou: ‘Mas, peraí, eu quero fazer isso organizadamente’.

Aí, mostrou-se ao presidente que tem contratos, e o presidente, o CEO da Petrobras, na verdade, que é o Castello Branco, não terá seu contrato renovado. Por quê? Quer se mexer nessa governança? Isso é uma questão em aberto aí para o futuro. Vamos ver como esse novo presidente da Petrobras vai enfrentar esse problema ali na frente.”

Lava Jato

“A Lava Jato não foi uma ficção. Aconteceram uma porção de coisas. Pode ter tido arbritrariedades de um lado, ou do outro, mas a verdade é que bilhões foram devolvidos. Se bilhões foram devolvidos, bilhões foram roubados. Tem diretor da Petrobras que devolveu US$ 100 milhões. Muita coisa aconteceu e, realmente, tinha uma grande liderança política à frente disso tudo.”

Futuro econômico

“Eu acho que daqui até o fim do governo –ao contrário do que está sendo dito, que vai ser cada vez mais difícil, porque a base do governo é instável… Eu acho o contrário. Eu acho que o governo ficou dois anos para montar sua base de sustentação parlamentar. E justamente ela acaba de destravar a pauta de reformas.”

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Infelizmente, não vejo com otimismo as reformas pautadas por esse governo, principalmente essa reforma administrativa que, em sua essência, retira direitos dos servidores públicos.
    Como condição e para ganhar o apoio popular, foi aprovada a PEC emergencial que garante o auxílio emergência e proíbe os entes federativos conceder aumento salarial ao servidor público por 15 anos.
    Sou servidor público estadual há 12 anos, nunca tive aumento, nunca mudei de nível e ganho exatamente o mesmo que ganhava no primeiro mês de trabalho, e agora com a garantia de passar mais 15 anos sem aumento.
    Será que o servidor público não é cidadão? Não tem família? Não contribui para economia? Mas se engana quem pensa que o servidor não vota e seus familiares também.
    Como o ministro da economia disse “Vamos jogar uma granada na mão do inimigo (o servidor público).
    Sei que a ideia desse governo é sucatear o serviço publico do Brasil, para assim precarizar o serviço ofertado pelos governos e impulsionar a narrativa que deve privatizar tudo.
    Veja os correios que mesmo dando lucro vai ser privatizado, não para economizar, mas para atender interesse do mercado.
    O Grande problema do serviço público no Brasil são os cargos comissionados (Presidentes, diretores, coordenadores e tantos outros cargos comissionados) ocupados na sua GRANDE MAIORIA com indicação política, apadrinhados, incompetentes, por arranjos políticos que são colocados lá não para atender o interesse comum, que é servir o cidadão mais para fazer politicagem.
    Em contraponto vamos assistir daqui a pouco algumas categorias politizadas conseguir aumentos consecutivos e o judiciário recebendo auxílios e mais auxílios, e reajustes passando o dedo no nariz da grande maioria dos servidores.
    Triste do nosso país e do nosso povo…

  2. Não podiam ter focado na vacinação em massa,quando as primeiras ofertas foram ofrrecidas.
    Omissão cruel….!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes fala em novas ações para ajudar economia na pandemia e cita criação de ‘seguro-emprego’

 (Foto: Edu Andrade/Ascom/ME)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (11) que o governo vai anunciar novas medidas para conter os efeitos econômicos da pandemia da Covid-19 no país.

Segundo o ministro, as medidas “vêm ai” e devem ser anunciadas pelo presidente Jair Bolsonaro em breve.

Sem citar detalhes, Guedes falou na criação de um “seguro-emprego”. De acordo com o ministro, a medida funcionaria com o pagamento de R$ 500 ao mês, por até 12 meses, para evitar demissões.

“Por que não dar R$ 500 para ter um seguro emprego? Em vez de esperar alguém ser demitido e dar R$ 1 mil, vamos evitar a demissão pagando R$ 500 antes. Um seguro-emprego”, disse Guedes.

“Em vez de uma cobertura de quatro, cinco meses, como é hoje o seguro-desemprego, vamos fazer uma cobertura de 11 meses, 12 meses pela metade do custo”, completou o ministro durante encontro da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa.

O valor do seguro-desemprego recebido pelo trabalhador demitido depende da média salarial dos últimos três meses anteriores à demissão. No entanto, o valor da parcela não pode ser inferior ao salário mínimo vigente, que hoje é de R$ 1,1 mil.

O trabalhador recebe entre três e cinco parcelas, dependendo do tempo trabalhado. São três parcelas do seguro-desemprego se comprovar no mínimo seis meses trabalhado; quatro parcelas se comprovar no mínimo 12 meses; e cinco parcelas a partir de 24 meses trabalhados.

Guedes não deu mais detalhes sobre como funcionaria o “seguro-emprego”. A ideia, entretanto, é parecida com o programa adotado no ano passado e que permitiu a redução de salários e a suspensão de contratos de trabalhos.

Nesse programa, que vigorou até dezembro de 2020, o governo pagava parte do salário desses trabalhadores pelo governo e, em troca, a empresa se comprometia a não demiti-los por um período.

Durante a participação no evento, Guedes voltou a dizer que deve relançar o programa de redução de salários e suspensão de contratos.

O ministro afirmou ainda que a economia brasileira está se recuperando e que, nos próximos dias, o governo vai anunciar a arrecadação de fevereiro, que foi recorde.

“A arrecadação é algo que devemos anunciar no máximo na semana que vem. A arrecadação, em fevereiro desse ano, recorde histórico para fevereiros. A economia voltou em ‘V’, está começando a decolar de novo. Vacina em massa de um lado, para o retorno seguro ao trabalho, e, de outro lado, girar a economia. É isso que estamos olhando para a frente”, disse.

G1

Opinião dos leitores

    1. Se você consegue ser melhor que ele, pede pra ficar no lugar dele.

    2. Realmente Paulo Guedes não é corrupto igual ao Guido Mantega.

    3. Infelizmente meia dúzia de seis gostaria que voltasse aquela política sebosa que a gente vivia no Brasil.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes pede ao Congresso a aprovação de uma reforma administrativa como contrapartida para o auxílio emergencial, para país não virar uma Venezuela

Foto: Reprodução/Redes sociais

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil mergulhará no caos se não aprovar a PEC Emergencial, com suas contrapartidas, para retomar o pagamento do auxílio emergencial. Em entrevista a Thiago Nigro, do podcast da consultoria Primo Rico, Guedes criticou a possibilidade de o Congresso aprovar a proposta de emenda à Constituição sem proibir reajustes salariais no serviço público, por exemplo. Essa é ideia de parte dos parlamentares, que já derrubaram a sugestão do governo de eliminar os pisos de gastos com saúde e educação. Segundo ele, o Brasil corre o risco de repetir a situação de países vizinhos que enfrentam grave crise econômica por conta do descontrole fiscal.

“Seguramente, para virar Argentina, [serão necessários] seis meses. Para virar Venezuela, um ano e meio. Se fizer errado, vai rápido. Quer virar Estados Unidos ou Alemanha, dez ou 15 anos na outra direção”, afirmou o ministro. Em seguida, Guedes ressaltou que havia exagerado na estimativa. “Estamos falando para muita gente. Estou exagerando. É bem mais moderado. Leva uns três anos para virar Argentina e uns cinco ou seis anos para virar Venezuela”, ponderou.

Guedes cobrou do Congresso a aprovação de uma reforma administrativa como contrapartida para o auxílio emergencial. “Vamos prorrogar o auxílio. Estamos empurrando dívidas para nossos filhos e netos. Mas me dá uma reforma administrativa aqui, que não tenha salários tão altos para os entrantes [no serviço público]”, disse o ministro. “É guerra, mas você não faz sacrifício nenhum?”

Para o ministro, só é possível empurrar a dívida para frente se houver compensações. “Tentou empurrar custo para futuras gerações, juros começam a subir, acaba o crescimento econômico, começa a confusão, o endividamento em bola de neve, a confiança do investidor desaparece, interrompe a criação de emprego, renda e inovação, aumenta o desemprego, caminho da miséria, caminho da Venezuela, caminho da Argentina. Está muito claro, caminho da esquerda, e tem o caminho da direita. Sem nenhuma conotação ideológica e política, por acaso é verdade.”

Guedes, que poucas entrevistas tem dado a veículos de imprensa, participou por duas horas do podcast da consultoria Primo Rico. Segundo ele, o podcast tem mais audiência que os principais jornais do país.

“Curto prazo de hoje para daqui a seis meses, vacina, vacina, vacina, vacina em massa. Para a recuperação ser sustentável, todo mundo poder voltar ao trabalho, vamos dar um pouco de auxílio emergencial para quem ainda não se reequilibrou. Por outro lado, vamos acelerar e aprofundar as reformas. Senão, a economia capota ali na frente de novo”, defendeu. Ao elogiar os apresentadores do programa, Guedes disse que “aparentemente” é um “fracasso” na comunicação. “Chuto dez e entra uma. E ainda dizem que eu não chuto”, brincou.

O ministro afirmou que não pretende pedir para deixar o cargo. “Se ele [Bolsonaro] confia no meu trabalho e eu conseguir executar meu trabalho, tudo bem. Se ele não confiar, eu sou demissível em 30 segundos”, disse Guedes.

Congresso em Foco

Opinião dos leitores

  1. Essa Reforma administrativa defendida por Guedes não afeta o alto escalão apenas os servidores Públicos que recebem menos com altas promessas de crescimento e desenvolvimento econômico Ao dizer "virar Argentina, [serão necessários] seis meses. Para virar Venezuela, um ano e meio." demonstra despreparo e desconhecimento pois Observem o Tamanho do Brasil e quantidade de recursos Naturais Exportações.. comparados da Argentina ou Venezuela; com o objetivo de Amedrontar as pessoas sem o conhecimento para expor uma proposta de difícil aceitação que altera a constituição

  2. Reforma trabalhista para aumentar os empregos, o povo cedeu a vontade do empresariado, o que me fez lembrar da frase de uma criatura batizada, algo do tipo: mais direitos ou mais empregos? Vão ter que escolher. Veio a reforma da previdência para o pais não quebrar, só lembrando que a ameaça de quebra do Brasil é decenal e trazida a tona toda vez que se quer aprovar algo importante, pois sim, a reforma foi feita e aquele trabalhador de baixa renda, sem uma boa assistência médica e que não conseguia emprego após os 55 anos, por causa da idade, terá de trabalhar mais 10, e a crise continua. Hoje, guedinho, aquele que, bem antes da pandemia já disse ao povo para ir se acostumando com dólar acima dos 5 reais, lembra? Hoje, a ameaça é outra, se bem que, para aqueles dotados de um pouquinho, um tiquinho apenas, de inteligência, já vislumbraria a imagem do futuro distópico que estava sendo desenhado muito antes de 2016. Hoje, a ameaça é "virar Venezuela", como os principais cartuchos de ameaças já foram usados, restou ao nosso guedinho, procurar no fundo do baú, mais algum bicho papão, para assustar o povo e impulsionar sua agenda econômica e ajudar o povo brasileiro. Para aqueles que ganham a média do cidadão brasileiro, não tenham dúvidas, você, talvez já esteja na Venezuela, só ainda não sabe.

  3. Flávio Bolsonaro para Ministro da Economia! Esse faz milagres, com pouco dinheiro. Com 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) de salário mensal, líquidos, conseguiu comprar uma "casinha", em Brasília, por 6.000.000,00 (seis milhões de reais), com pequena entrada de 3.000.000,00 (três milhões de reais) e o restante financiado pelo BRB (estatal), a juros "exorbitantes" de 4.6%, decrescentes até 3.5% ao ano. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (rindo no meio do choro).

  4. Venezuela esse senhor deixou os aposentados no Chile e o aposentado do Brasil com a reforma da previdência.
    Ele só Enrica. Os bilhões de créditos “podres” do BB adquiriu por meio de seu banco por uma ninharia.

  5. Mesma conversa mole da reforma da previdenica e da reforma trabalhista. So fazem retirar direitos, com a promessa de crescimento e desenvolvimento. Ministro que nao dá nada. So tira.

  6. Paulo Guedes vai arranjar um excelente emprego quando sair do governo, pois o desempenho dele é excelente.
    Façam arminhas.

  7. E OS 5 MILHÕES DE REAIS DESVIADOS DA COMPRA DOS RESPIRADORES PELO DESGOVERNO FATIMA BEZERRA,VAI FICAR NO ESQUECIMENTO??? O POVO QUER SABER!!
    ALÔ MPF,ALO PF !!!!!!

  8. Guedes foi pedir ajuda ao "Primo Rico", essa galera que faz palestra motivacional pra "ficar rico", os famosos "Gurus da Internet"já perdeu até um apt por falta de pagamento…estamos bem assessorado.

    1. Entendi , a culpa é de quem está 2 anos no poder , NÃO É DA QUADRILHA PTRALHA? Que ficaram 16 saqueando os cofres públicos, deixa de ESCREVER MERDA VAGABUNDO

    2. Ô pessoa burra da peste este Brasil. Entende tudo errado. Vai estudar mulé e deixa de ser desaforada.

  9. Esse banqueiro incompetente tá mais perdido que cego em tiroteio. O cara está completamente desorientado, sem rumo, sem pauta econômica. Faz o que melhor convém ao seu chefe desequilibrado. O Brasil está numa situação lamentável. Moral da história: quem passa, mete a mão sem pena da população.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Plano de Guedes é aprovar auxílio emergencial em 3 semanas

(Foto: Marcos Corrêa/PR)

Depois do “consenso” fechado entre os presidentes da Câmara, do Senado, e ministros, o governo tentará aprovar a proposta que viabilizará o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial em três semanas.

Segundo o Broadcast/Estadão apurou, esse é o prazo com que a equipe econômica trabalha para a aprovação do que o ministro da Economia, Paulo Guedes, chama de “novo marco fiscal”, que seria composto pela inclusão, na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do pacto federativo, de uma cláusula de calamidade pública (uma espécie de PEC de Orçamento de Guerra, semelhante à aprovada no ano passado).

Isso permitirá retirar os gastos do auxílio emergencial de regras fiscais, como o teto de despesas, mas criaria condicionantes, como medidas automáticas de contenção de gastos. Como mostrou o Estadão na edição do último sábado, o alcance das medidas ainda está em discussão entre o Ministério da Economia e a área política devido à urgência para a aprovação da “PEC da guerra”. Medidas mais duras poderão ficar para uma segunda PEC fiscal, para ser votada até o fim de julho.

Na sexta-feira, 12, após a reunião com Guedes que selou o acordo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que apresentaria ao colégio de líderes uma proposta do texto, que, para o governo, deverá ser aprovado pelo Congresso Nacional até o início de março. Com isso, a expectativa é que a primeira parcela do novo auxílio seja paga ainda no próximo mês.

Outras duas parcelas pelo menos estão previstas – em abril e maio – e possivelmente outra em junho, a depender da evolução da pandemia. As parcelas deverão ser de R$ 250, a um custo total de R$ 30 bilhões. No ano passado, o auxílio começou a ser pago em parcelas de R$ 600, depois reduzidas para R$ 300.

Pacheco disse que é “fundamental” que haja uma cláusula de calamidade pública na PEC do pacto federativo para “fazer a flexibilização necessária a fim de viabilizar o auxílio emergencial no Brasil”, da forma como defende Guedes.

Respaldo

A inclusão da cláusula de calamidade pública no pacto federativo é vista pela equipe econômica como o respaldo necessário para o pagamento do novo auxílio. A avaliação é que isso demonstra o compromisso do governo com a saúde e com a responsabilidade fiscal e permite o combate à pandemia sem “estourar” o Orçamento público.

Como mostrou o Estadão, a equipe econômica do governo trabalha para incluir na “PEC de Guerra” a criação da figura do “estado de emergência fiscal”, pelo qual o Estado ou o município que declarar a emergência, com base em critérios definidos na proposta, poderá acionar medidas de contenção de gastos automaticamente por dois anos.

A PEC pode prever ainda que as mesmas práticas cobradas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sejam praticadas pelos tribunais de contas estaduais e municipais.

Infomoney

Opinião dos leitores

  1. Ministro q deixou os aposentados chilenos na miséria, enquanto ele se tornou banqueiro. Crápula. O inferno te aguarda.

  2. Plano de Jegues é acabar com tudo!
    Vai sobrar nada, N A D I N H A!
    NEM MATÉRIA PRA O BG POSTAR DEFENDENDO!

  3. Leite moça para relaxar! Brincadeira de criança ! Guedes quer pegar a Gadolândia de surpresa ! Estou fora , afinal Jacaré ? no seco anda .

  4. Pra esse Governo, quanto mais demorar para tomar ações (auxílio emergencial e vacinas), melhor que morre mais gente.

    Lembrando aos nordestinos aqui do Blog que o Auxílio ajuda e muito a economia da região…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Gastos com pandemia não podem passar para futuras gerações, diz Guedes

Foto: © Edu Andrade/Ascom/ME

Os gastos com o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (covid-19) não podem ser empurrados para as gerações futuras, disse hoje (10) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele defendeu que as discussões sobre a retomada do auxílio emergencial sejam acompanhadas da responsabilidade fiscal, com a busca de uma fonte de recursos para financiar a recriação do benefício.

O ministro deu a declaração após se reunir com a presidente eleita da Comissão Mista de Orçamento do Congresso, deputada Flávia Arruda (PL-DF), e o relator do Orçamento de 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC). Segundo Guedes, o dinheiro para bancar uma nova rodada do auxílio emergencial terá de vir do próprio Orçamento deste ano, em vez de ser financiado pelo aumento da dívida pública.

“Temos o compromisso com as futuras gerações do Brasil. Temos que pagar pelas nossas guerras. Se estamos em guerra com o vírus, temos que arcar e não simplesmente empurrar esse custo para as gerações futuras”, afirmou o ministro.

Argumentando que a economia e a saúde caminham juntas, Guedes disse que os presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, estão empenhados em conciliar as demandas sociais com a responsabilidade fiscal. “Esse compromisso de sensibilidade social e de responsabilidade fiscal é justamente a marca de um Congresso reformista, de um governo determinado, e de lideranças políticas construtivas que temos hoje no Brasil”, disse.

Diálogo

Flávia Arruda e Bittar fizeram uma visita ao Ministério da Economia após a confirmação nos cargos e a instalação da CMO. A presidente da comissão disse que terá conversas diárias com a equipe econômica até a votação do Orçamento de 2021, enviado ao Congresso em agosto do ano passado, mas não aprovado até hoje.

Ao sair da reunião, a deputada reafirmou o compromisso com a vacinação em massa e a recuperação da produção e do consumo. “O fundamental neste momento do país é priorizarmos a vacina, a distribuição de renda e a retomada dos empregos e da economia”, afirmou.

A votação do Orçamento deste ano está prevista para ocorrer até o fim de março, quando vence a CMO com presidência da Câmara dos Deputados, que deveria ter sido instalada em março do ano passado. No fim de março, a atual CMO dará lugar a outra comissão, presidida pelo Senado, que discutirá a Lei de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento de 2022.

Em relação ao Orçamento de 2021, Bittar não deu detalhes sobre a proposta. O relator disse apenas que não fará especulações em torno das propostas de recriação do auxílio emergencial e que o parecer será apresentado depois de debates, levando em conta a responsabilidade fiscal defendida pela equipe econômica.

“O que podemos afirmar é temos que aprovar um Orçamento nesse momento de crise que, ao mesmo tempo, continue olhando para os brasileiros que permanecem precisando do Estado e também acene com a retomada da austeridade fiscal. Esse é o princípio”, declarou Bittar.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Para existir futuras gerações, a atual geração terá que continuar existindo, e para isso acontecer tem que ter investimentos, seu jumento.

  2. Bem coerente esse demente …..! Morre o máximo agora no presente pra resguardar os do futuro!

  3. Dr. Paulo vai dar um show daqui pra frente.
    Reforma que espera 30 anos, passou hoje.
    Vai destravar o país e não tem quem segure.
    Kkkkkkkkkkkkk

    1. Em que? Em enrolação? A única coisa que ele vai fazer vai ser mandar um projeto pra aprovar uma nova CPMF!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes celebra criação de 142 mil empregos no país no acumulado de 2020 mesmo com pandemia, e diz que prioridades para 2021 são saúde, emprego e renda

Foto: Adriano Machado/Reuters

Depois do país criar mais de 142 mil empregos em 2020, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que além de manter o compromisso com a geração de emprego, a prioridade do Brasil em 2021 será com a saúde e a renda.

“Voltando o Congresso (após as eleições da Câmera dos Deputados e do Senado), temos condições então de atacar saúde, emprego e renda, que são nossas prioridades para o ano de 2021”, afirmou o ministro, nesta quinta-feira (28), em coletiva de imprensa para comentar o resultado do Caged de 2020.

Na ocasião, Guedes comemorou o resultado acumulado de 2020. “A grande notícia para nós é que em um ano terrível, em que o PIB caiu 4,5%, criamos 142 mil novos empregos”, disse.

Segundo o ministro, o resultado positivo só foi possível por causa das medidas emergenciais, em especial pelo programa do BEM, que permite a redução da jornada e salário ou suspensão de contrato em comum acordo entre empregado e empregador.

“Fechamos o ano com 30 milhões de empregos com carteira assinada sendo que 11 milhões foram preservados pelo BEM”, disse ao lembrar também do programa do auxílio emergencial, que serviu de renda ou complemento para 64 milhões de brasileiros no ano passado.

Além disso, Guedes afirmou que os dados de desemprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados também nesta quinta confirmam o avanço e recuperação da economia brasileira no formato de “V”, como previa a equipe econômica.

“A população ocupada brasileira subiu 4 milhões quando se compara o trimestre de setembro, outubro e novembro com o anterior. Desses 4 milhões de novas posições, quase 1 milhão foi de carteira assinada. Isso confirma os dados que já tinham saído pelo Caged quando dissemos que após aquela queda inicial forte, estávamos recuperando e criando empregos”, argumentou.

Enquanto o Caged tem uma base de dados que identifica as informações dadas pelas instituições empregadoras de contratações e demissões, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do IBGE, traz um termômetro também das pessoas que estão buscando emprego.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Esse governo é f… conseguiu na PANDEMIA aumentar o número de empregados mesmo com fechamento quase que total das cidades em alguns momentos PELOS GOVERNADORES.
    Parabéns Paulo Guedes e equipe.!!!!!!
    Os esquerdopatas ficam doidos com a capacidade do governo federal em superar as dificuldades.

  2. 142.000/14.100,000= 0.01
    0.01 x 100=1%
    Ou seja, o Brasil inteiro gerou 1% de emprego pra massa de mais 14,1 milhão de desempregados em 2020.
    As novas regras trabalhistas comparada as anteriores fazem os números melhorar, pois tem gente com carteira assinada, mas não tem emprego certo nem garantia de renda e por aí vai.
    As narrativas não mudam a realidade que é triste e cruel.
    Só podemos pedir misericórdia de Deus do que está por vir daqui pra frente.

  3. Um réu em ações penais e improbidade administrativa à frente da câmara dos deputados. Agora o negócio vai ter andamento. Chefe do centrão, o bloco menos confiável que já orbitou pela presidência da república. Agora o Brasil sai do prego! Aguardem os próximos escândalos!

    1. Nunca vi você reclamando do centrão quando dava sustentação política a esquerda.
      Nunca vi você reclamar das ações imorais do botafogo que engavetou todos os projetos que beneficiava o povo e combatia a corrupção e o foro privilegiado.
      Aí já julga e quer adivinhar o futuro?
      Que tal olhar o passado de corrupção incontrolável ao qual o país estava submetido? Isso não conta?

    2. Já admitiu a derrota da esquerda, amigo? Cadê a frente parlamentar? MST, Boulos, nhonho, Ciro, FHC, Calça colada, frouxo, e CIA. Não vão conseguir derrubar o réu cheio de ações?

    1. ainda que bolsonaro tivesse cagando ouro, só por causa de Paulo Guedes, eu votaria contra!!
      em 2022

    2. Deixe de conversar besteira. No mínimo vc é um frustrado que fez concurso e não passou. Por isso não pensa em milhares de pais e mães de família que se esforçaram para passar em um concurso público e correm o risco de ficarem desempregados , caso haja a privatização.

    3. Ôxe, e o banco vai precisar de empregados não???? Pq iria demitir??? E o país precisa manter estatais apenas p/segurar empregos públicos??? Responde aí Mpj…

    1. Kkkkkkkkkkk. Veremos! Torço mesmo pra que o MINTOmaníaco cumprisse pelo menos 10% do que prometeu quanto às privatizações, ajuste fiscal, reforma tributária e administrativa… Mas acho que a única coisa que vai acontecer depois que Lira (mais um corrupto do centrao ganhar a presidência da camara) vai ser continuar aprovando leis que prejudicam o combate a corrupção, não vai mover um dedo pra aprovar a prisão em segunda instância, e não vão aprovar reforma nenhuma! Aguardem!

    2. Sim, Mané.. tem esse risco. Melhor isso do que o continuísmo a Rodrigo Maia.
      Adoraria que fosse Van Hatten.
      Prefiro esperar (sentado mesmo).
      Chegou a hora das coias ficarem mais claras.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

‘Todo dia, desde o início, tem conversa’, critica Guedes, sobre pedidos de impeachment de Bolsonaro

Foto: Adriano Machado / Reuters

O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou nesta terça-feira quem pede o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Ao lado de Bolsonaro, ele disse que o movimento é uma “sabotagem” à democracia brasileira.

— Isso é uma tentativa de descredenciamento, uma sabotagem à democracia brasileira. O presidente foi eleito com 60 milhões de votos, voto popular. Todo dia, desde o início, todo dia tem conversa — disse o ministro, em transmissão ao vivo para investidores internacionais, acrescentando: — Quando um cara ganha, deixa o cara governar, vamos ajudar, vamos tentar dar certo.

Guedes ironizou os motivos dos pedidos de impeachment contra o presidente.

— Primeiro é impeachment porque derrubou um passarinho, depois é impeachment porque deu um tapa na cabeça da ema, depois é impeachment porque teve um assassinato no Maranhão, depois é impeachmet porque morreu um indígena. Isso é um descredenciamento da democracia brasileira. Nós viemos aqui justamente com a convicção da forma da democracia brasileira — afirmou Guedes.

Num momento em que o governo tenta eleger o deputado Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara, Guedes disse que a Casa está sendo comandada por o que considera uma aliança de centro-esqueda”. Para ele, essa aliança controla a pauta da Casa. Durante a gestão de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o governo conseguiu aprovar, entre outras propostas, a reforma da Previdência.

— Não é razoável, era uma disfuncionalidade do nosso regime político, que o presidente e seus aliados, que têm maioria no Congresso, tenham a pauta controlada por uma aliança de centro-esquerda. O atual presidente da Câmara fez uma aliança política de centro-esquerda — disse Guedes, para quem a eleição dos aliados do governo irá “desobstruir” a pauta.

O ministro aproveitou para criticar o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Para Guedes, o grupo político de Biden “maltratou” o ex-presidente Donald Trump.

— Na maior democracia do mundo os caras estão lá e não sabem até agora se a coisa vai funcionar bem ou mal. Porque um presidente foi eleito e foi tão maltratado durante quatro anos que agora quem votou nele vai maltratar o outro que está chegando também. Agora estão lá “vamos unificar”. Unificar como? Vocês investiram na separação e no ódio por quatro anos. Quem semeia vento colhe tempestade — disse.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. A partir de fevereiro vocês irão ver os projetos que estavam parados por conta daquele canalha do nhonho que não colocava em pauta serem votados.
    Aí sim o país vai começar a mudar, aguardem e verão.

  2. Ze gado e seus personagens.
    Homi vai tomar um banho lavar as virilhas e os suvacos homi, como é que tu aguenta o dia todinho escrevendo em nome de bem 10 codinome sem tomar banho.
    Por caridade.
    Daqui a pouco vc tá fedendo a gambá morto a tapas.
    Aí depois vc volta.
    Vc faz isso todos os dias sem ganhar nada é??
    Homi, vc ainda não percebeu que isso não adianta em nada.
    Vc sozinho contra a torcida do Flamengo todinha aqui no blog.
    Não fique chateado tá?
    É somente uma pergunta.

    1. Você escreveu, escreveu, e não deu pra entender nada.
      Que droga andas usando, xerife?
      É somente uma pergunta.

    2. Olhe a onde tem um ponto de interrogação que vc entende.
      Interrogação é esse símbolo aqui ó!
      ? ? ? ? ? ?
      ATENTENDEU MEU CONSELHO ? ? ?
      faça isso homi, se não daqui a pouco so resolve se vc for num lava jato.
      beleza Queiroz ? ? ?
      * ze gado
      * manoel
      *pixuleco
      *natalense
      * uel
      * tico de adauto
      * etc etc etc…
      Tá muito manjado, todo mundo ja percebeu sua infantilidade e meninice.
      um forte abraço!
      ***Mito reeleito em primeiro turno.***
      2022.

  3. 15 milhões de leite condensado, outros milhões de chicletes, outros milhões de batata frita. Até alfafa!!!
    Aí eu pergunto: Que larica é essa, mermão?!
    O que será que andam fumando no Palácio do Planalto pra dar essa fome louca por guloseimas?
    Eu também quero!!!?

  4. Será q Jegues aprovou os 15 milhões para a conpra de leite condesando?
    Será q a gadolandia revebeu umas latimhas tb?
    Mas uma ajudinha para a continuação do auxílio pandemia nada!
    Bandidos.

    1. Inventa outra! Essa já foi por terra! Não demorou 5h. Vai procurando outra narrativa!

    2. -De volta para prancheta
      -E o que faremos, Cérebro
      -A mesma coisa que fazemos todas as horas INVENTAR UMA MENTRIA PRA DERRUBAR O MITO
      -Por que não requentamos o Queiróz?
      -Cala a boca, burrro.

  5. Paulo Guedes é o maior mico que já se instalou no ministério da economia .Homem de mercado , sem perfil ou competência para gestão econômica . Além de despreparo técnico notável , é pior ainda no aspecto político . Me digam um coisa que essa criatura fez no aspecto econômico que tenha sido resultado de estudo planejamento ou diretriz de governo . Enquanto Tonho já queima em fogo brando , Guedes vai dando trombada e seguindo na sua incompetência , PIXU , entende de economia , pois terminou o curso técnico em contabilidade e foi aprovado com louvor . Aí papai !

  6. É isso aí Ministro. Falar a verdade dóii mas é necessário. A oposição vive somente para inviabilizar o governo federal. Não aguentam passar muito tempo na ab$tinência. Atiram para tudo quanto é lado naquela de colar…colou. Mas o povo está com o Presidente para o que der e vier. Vamos que vamos. Se precisar, estaremos novamente nas ruas.

    1. Acho que o BG já entendeu perfeitamente qual é a realidade do leite condensado. Portanto, não tem graça publicar. Só mais uma narrativa desmantelada kkk

  7. Leite Condensado é uma delícia, se eu pudesse comprava 15 milhões em leite condensado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes pede ao Congresso para ‘destravar’ privatizações para garantir retomada sustentável da economia brasileira

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu que o Congresso Nacional “limpe a pauta” e acelere as privatizações neste ano. Para ele, esta é a forma de garantir uma retomada sustentável da economia brasileira.

Guedes fez uma aparição surpresa na coletiva de imprensa da Receita Federal, que apresentou os dados da arrecadação brasileira em 2020 nessa segunda-feira (25/1). Na ocasião, voltou a dizer que a economia brasileira está se recuperando em V da crise da covid-19, mas ressaltou que o país precisa avançar com a vacinação em massa e com as reformas econômicas para transformar a recuperação cíclica atual, baseada em consumo, em uma recuperação sustentada, baseada em investimentos.

O ministro não comentou a renúncia de Wilson Ferreira Junior, que decidiu trocar a Eletrobras pela BR Distribuidora por entender que o clima não é favorável para a privatização da estatal neste ano. Porém, destacou que é preciso acelerar o projeto de privatizações. Ele ainda cobrou a votação dos marcos regulatórios que prometem trazer investimentos privados para o país.

Por conta disso, Guedes pediu para o Congresso Nacional “limpar a pauta” neste ano. “Vamos limpar a pauta. Está lá todo o destravamento da nossa retomada”, afirmou. O ministro reconheceu que foi preciso mudar a ordem de prioridades no ano passado, por conta da pandemia de covid-19, mas reclamou que há pautas importantes paradas tanto na Câmara, quanto no Senado.

Em outras ocasiões, Guedes já acusou o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de ter interditado a agenda de privatizações de estatais como a Eletrobras por conta de um acordo com partidos de oposição. Guedes também credita a Maia o travamento das discussões da reforma tributária, já que o presidente da Câmara não aceitou pautar uma proposta de recriação da CPMF. Porém, nesta segunda-feira, o ministro disse que o debate sobre a reforma tributária foi interrompido porque o governo não concorda com aumento de impostos.

Com a perspectiva de mudança no comando da Câmara e do Senado e por entender que “o Congresso é reformista”, Guedes disse, no entanto, que espera retomar a agenda de reformas assim que o Congresso retomar os trabalhos legislativos, o que deve ocorrer na próxima semana.

Com Correio Braziliense

Opinião dos leitores

  1. Nem toda estatal precisa autorizacao do congresso para privatizar. Lenga lenga. Incompetente.

  2. Reforma tributária no entender de Paulo Guedes se resume a tentar empurrar goela abaixo do contribuinte brasileiro a CPMF. Rediscutir a distribuição do bolo tributário, rediscutir o pacto federativo, para acabar com a dependência dos Estados e Municípios em relação ao Poder central, nem pensar.

  3. Isso eh só fingimento do Guedes… O MINTOmaníaco não mexe um dedo pra privatizar NADA! Sequer a TV estatal ele privatiza (pra privatizar essa TV que ele tanto criticava,basta um decreto do inepto: não precisa de autorização do congresso)… Como o MINTOmaníaco está distribuindo a rodo cargos pro Centrao ele não vai privatizar NADA!

  4. Nunca passara! O Congresso e o povo brasileiro não acredita mais em uma palavra do Guedes. Ele é fraco, não sabe dialogar. Colocasse hoje um feirante daria aula pra ele no ministério da economia.
    Governo sem credibilidade. Essas palavras são só para os ignorantes tontos que acreditam serem jogadores da bolsa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

“A economia e a saúde andam juntas. O Brasil está tentando comprar todas as vacinas”, diz Guedes, defendendo vacinação em massa

Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta segunda-feira a vacinação em massa da população contra a Covid-19 como necessária para a recuperação da atividade econômica neste ano.

— A volta segura ao trabalho é importante, e a vacinação em massa é decisiva. A vacinação em massa é um fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia logo à frente — disse Guedes, em entrevista à imprensa sobre o resultado da arrecadação de impostos de 2020.

Até agora, o governo iniciou a distribuição de 2 milhões de doses produzidas pelo laboratório Astrazeneca em parceria com a universidade de Oxford importadas da Índia. Essa vacina também será produzida pela Fiocruz no Brasil.

Também estão sendo aplicadas pouco mais de 10 milhões de doses produzidas pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

— Estamos começando a vacinação em massa, que vai garantir o retorno seguro ao trabalho. A economia e a saúde andam juntas. O Brasil está tentando comprar todas as vacinas. Estamos tentando adquirir todas as vacinas — disse Guedes, parabenizando a Fiocruz, o Butantan, a Anvisa, as Forças Armadas e os profissionais de saúde.

Para o ministro, saúde e economia “andam juntas”. Por isso, afirma, a vacinação em massa, o retorno seguro ao trabalho e a votação de propostas econômicas pelo Congresso são necessários para destravar a economia.

— Limpar a pauta logo na volta no Congresso, destravar o horizonte de investimentos, transformar esse empurrão na economia à base do consumo numa retomada sustentável de crescimento pela reformulação dos marcos regulatórios é crítico. A nossa agenda é clara. Nós temos que acelerar as privatizações, reduzir as alíquotas de impostos — disse Guedes.

Ao contrário do discurso adotado por parte do governo ao longo da pandemia, que defendeu a volta à “normalidade” e ao trabalho apesar do aumento no número de casos da doença e de mortes, Guedes pediu que as pessoas se cuidem.

— Espero que todos se cuidem. Saúde e vacinação em massa são críticos, são fatores críticos de desempenho econômico também. Então, para que a economia possa voar novamente, nós precisamos acelerar essa vacinação em massa — disse.

Guedes aproveitou também para pedir a aprovação de projetos e reformas pelo Congresso após a volta ao trabalho dos parlamentares, a partir da semana que vem.

— Sempre houve essa perspectiva que a saúde e a economia andam juntas e nós precisamos enfrentar esses dois desafios simultaneamente — afirmou.

Sem citar nomes, o ministro criticou quem “sobe em cadáveres” para fazer política.

— Tem muita gente subindo em cadáveres para fazer política. Isso não é bom. A população e os eleitores vão saber diferenciar isso lá na frente — afirmou o ministro.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Fortes mesmo kkkkkkkk são o pingunço de nove dedos , a analfabeta da Anta, o vampiro de Recife, a amante, Lilindenberg, Ze Geraldo, Haddad, Manuela D'avila, Falcão, e os demais derrotados do PT.

  2. A globo tentando livrar a cara do Guedes. O Brasil miliciano com a política entreguista e exploradora de Guedes está acabado. A globo tenta dissociar o Guedes do bolsonaro, mas são obras da mesma engenharia. Um ataca om povo enquanto ser humano e o outro ataca os seus direitos e sua dignidade.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

‘Vacinação gratuita, voluntária e em massa’ é o que o país precisa para que a “asa da saúde bata ao mesmo tempo da asa da recuperação econômica”, diz Guedes

Foto: Marcos Corrêa/PR

O capítulo mais importante no combate à pandemia de covid-19 está para começar com a vacinação em massa, disse há pouco o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em apresentação do balanço de fim de ano da pasta, ele defendeu a liberação de R$ 20 bilhões para o programa de imunização.

“O capítulo mais importante vem agora, que é a vacinação em massa. São mais R$ 20 bilhões para a vacinação em massa dos brasileiros”, declarou o ministro. Guedes defendeu que a imunização seja opcional, mas ressaltou que as vacinas são importantes para sustentar a retomada da economia, garantindo a volta da população ao trabalho presencial.

“O retorno seguro ao trabalho exige a vacinação em massa da população brasileira. É uma vacinação voluntária e o que o governo tem que fazer é disponibilizar todas as vacinas para a população de forma voluntária e gratuita. Qualquer brasileiro pode escolher a vacina que ele quer tomar, não paga pela vacina e escolhe a vacina se quiser tomar. Essa vacinação gratuita de forma voluntária para os brasileiros é o que nós precisamos para que a asa da saúde bata ao mesmo tempo da asa da recuperação econômica”, afirmou.

Auxílio emergencial

O ministro elogiou o auxílio emergencial. Segundo Guedes, o Brasil privilegiou a proteção da população no início da pandemia e conseguiu implementar um programa de transferência de renda mais rápido que muitos países, promovendo a inclusão bancária por meio da tecnologia. “Diversos países desenvolvidos ainda mandam cheque para a casa das pessoas”, disse.

Emprego

Guedes também elogiou o programa de suspensão de contratos e de redução de jornada durante a pandemia, que segundo ele, ajudou a preservação do emprego formal. Ele citou as estatísticas do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que registra as contratações e demissões de postos com carteira assinada, e disse que o país pode encerrar o ano zerando a perda de empregos registradas durante a pandemia de covid-19.

De janeiro a outubro, o Caged registrou a perda de 171,1 mil postos de trabalho formais. Até setembro, a eliminação de vagas estava em 558,6 mil. “Não sei se conheço outros países que conseguiram [em 2020] manter 33 milhões de empregos formais”, declarou.

Guedes citou ainda o programa de crédito que ajudou cerca de 650 mil micro, pequenas e médias empresas e também mencionou ajuda a setores da economia, como aviação, como fatores que também ajudaram na preservação de empregos.

Reformas

Apesar do aumento de gastos públicos em 2020, Guedes reiterou a defesa do compromisso com as reformas estruturais depois da pandemia. Destacou que, mesmo com a paralisação das discussões no Congresso nos últimos meses, a equipe econômica conseguiu recentes vitórias, como a aprovação da nova Lei de Falências, do projeto de ajuda a estados em troca de um plano de ajuste fiscal, da liberalização da navegação de cabotagem e da autonomia do Banco Central (aprovada pelo Senado e em discussão na Câmara).

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Aliás, depois que o indigitado saiu, a curva ascedente de óbitos se estabilizou?
    É só uma correlação, viu? Relação de causalidade? Quem sabe.
    A se pensar.

  2. Ou seja, Mutreta pulou fora (ou foi 'pulado') quando a bomba (igual ao resto do Mundo) estava explodindo.

  3. Vc compara períodos em que uma das médias comparada parte praticamente do zero, cotejando com uma área de platô. Compara o periodo de ascenção com o de estabilidade em mortes diárias.
    aliás, nisso o pior foi lá por fins de julho. Bem 'honesta' a sua comparação.

  4. Hô Véio macho é Paulo Guedes.
    A vacina vai ser gratuita, disponibilize logo e pare de pagar auxílio emergencial, o governo vai economizar E deixe que os governos estaduais e municipais se virem, para manter a máquina pública.
    #Bolsonaro tem razão

  5. O ministro acordou inspirado . O governo de Tonho deu uma guinada depôs da ação profícua , rápida e eficiente do excelente governador Dória . Tonho está uma manteiga . Antes tarde do que nunca .

  6. Em *03/06* o atual ministro da saúde do Brasil foi nomeado como interino. Certo? CERTO!
    Nesse dia o Brasil tinha um acumulado*32,5 mil óbitos por covid registrados.
    Considerando que a primeira morte foi registrada em 12/03* conta mais ou menos 81 dias entre as duas datas.
    Se dividirmos 32500/81, pelas continhas dá 401 mortes/dia, em média só por covid 19.
    Se contarmos que de 04/06 até hj 17/12, se passaram 193 dias e o Brasil tem mais 152,3mil óbitos registrados por covid19, fazendo novamente as continhas….?
    152300/193, dá 789 mortes/dia, em média.
    Comparando, até hj, se nada mudou na matemática 783 é quase o dobro de 401.
    Ou seja, comparando o periodo antes e depois da nomeação do ministro Pazuello e considerando o advento de "tratamentos precoce" com a Cloroquina, Ivermectina, terapia com Ozônio e outras cositas más no mesmo periodo, o número médio de mortes/dia por covid 19 praticamente DOBRIU, na atual gestão da pasta Ministério da Saúde.
    Se isso significa que o presidente tem razão na forma como está conduzindo a crise do covid19, não sabemos mais o que significa ele estar errado.
    Chega logo vacina!

    1. Quando eu vejo essa campanha ignomioosa contra a cloriquina e outros medicamentos (ozônio é só um espantalho de picaretas que tentam jogar na mesma vala medicamentos empricamente válidos) para uso PRECOCE, a gente sabe que é politica mesmo que está de discutindo com gente insidiosa. E comparar o período de ascenção da doença com o de platô é pura vigarice.
      Vai ver as mortes per capita na Europa.

    2. Vc compara períodos em que uma das médias comparada parte praticamente do zero, cotejando com uma área de platô. Compara o periodo de ascenção com o de estabilidade em mortes diárias.
      aliás, nisso o pior foi lá por fins de julho. Bem 'honesta' a sua comparação.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes nega ‘briga’ com TCU e diz que pode fixar meta para as contas públicas em 2021

Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes negou nesta quinta-feira que haja uma “briga” entre a equipe econômica e o Tribunal de Contas da União (TCU) e admitiu, pela primeira vez, que o governo pode fixar uma meta para o resultado das contas públicas em 2021. A chamada meta fiscal de 2021 é flexível, o que bem gerando críticas do TCU do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

— Agora, a economia se firmando e voltando, nós já teremos possibilidade, vamos conversar com o TCU sobre isso, de rever as previsões de receitas e aí podemos então anunciar uma meta — disse o ministro.

Mais cedo, Maia criticou a estratégia do governo de adotar uma meta fiscal flexível no Orçamento e disse que o resultado do PIB do terceiro trimestre foi “baixo” por causa da “desorganização do governo”.

Em abril, o governo decidiu adotar uma meta flexível como resultado das contas públicas no próximo ano. Isso ocorreu porque, para 2021, os técnicos da equipe econômica estão com dificuldades para fazer projeções, tendo em vista as incertezas do cenário causada pela pandemia, em que as previsões mudam a cada semana.

Para evitar revisões consecutivas do número caso a economia tenha um desempenho diferente do que o previsto hoje pelo governo, a decisão foi adotar uma meta flexível, que deve ser atualizada a cada dois meses, sem necessidade de autorização do Congresso. A autorização prévia dos parlamentares para essa mudança está no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, que traz os parâmetros para o Orçamento, e que ainda não foi votado.

— No início do ano, houve um colapso da atividade econômica, com a pandemia, era muito difícil fazer estimativas das receitas. As receitas caíram. Com a queda das receitas, ficava muito difícil dizer qual era o déficit. Nós simplesmente botamos uma meta de gastos para respeitar o teto de gastos e caindo a receita nós ficamos com uma meta flexível — disse Guedes.

Em outubro, porém, o TCU aprovou um alerta ao governo federal sobre a ausência de uma meta fiscal fixa no projeto da LDO de 2021. Segundo o tribunal, ao não definir esse indicador, o governo poderá desrespeitar a Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

— Não há nenhum problema entre o Ministério da Economia e o TCU. O TCU é um parceiro confiável. Ele está sempre examinando nossas contas, nos ajuda. O que aconteceu foi o seguinte — disse Guedes.

O ministro justificou a decisão de enviar uma meta flexível, dizendo que quando essa decisão foi tomada, o Brasil estava “em meio” à pandemia.

— Quando nós enviamos a LDO, o Brasil ainda estava em meio à pandemia. Naquela ocasião, você não podia estimar ainda as receitas, você tinha que continuar com a meta flexível para o ano que vem, tanto que o próprio TCU tinha se manifestado de que só em 2022 voltariam as metas — disse o ministro.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

“Nunca o Brasil criou tantos empregos. Parabéns às empresas, aos trabalhadores e vamos em frente”, celebra Guedes, sobre recorde e retomada

Foto: Adriano Machado/ REUTERS

O ministro da Economia Paulo Guedes comentou a respeito da criação de 394.989 vagas com carteira assinada em outubro, divulgado nesta quinta-feira (26), pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Para o ministro, a notícia é “extraordinária”. “Nunca o Brasil criou tantos empregos. Parabéns às empresas, aos trabalhadores e vamos em frente. Continuar protegendo a saúde e fazendo o retorno seguro ao trabalho”, afirmou.

Segundo Guedes, o resultado mostra a retomada da economia brasileira em V, como gosta de dizer o ministro, em um ritmo acelerado. “Esse mês de outubro foi o mês em que geramos mais empregos na série histórica do Caged. Desde 1992, o Brasil não criava tantos empregos em um mês. Tivemos quase 400 mil empregos”, ressaltou.

Bruno Bianco, secretário especial de Previdência e Trabalho, disse que o governo fez a lição de casa no pré-pandemia, ao aprovar “em conjunto com o Congresso nacional e sob a orientação do presidente e nosso ministro, reformas fundamentais para o Brasil”.

“Nós fizemos uma reforma da previdência histórica, que acabou com privilégios e fez a maior reforma da história do Brasil, se não do mundo. Uma economia de quase R$ 1,2 trilhão com as quatro medidas que aprovamos. Tudo isso nos deu fôlego e nos propiciou passar por essa pandemia de uma maneira melhor”, afirmou Bianco.

A pandemia do novo coronavírus também foi citada por Guedes, como 2020 sendo um ano que afetou “tragicamente as família brasileiras, derrubou os empregos, atingiu familiarmente e pessoalmente todos nós”. No entanto, o ministro reitera a “resiliência” do governo ao saber fazer o distanciamento social, ao mesmo tempo que não deixou a economia de lado.

“Nessa recessão, que nos jogou no fundo do poço, nós não perdemos o rumo. Soubemos manter a economia girando para proteger os nossos empregos e as nossas empresas e estamos gerando emprego em alta velocidade. Podemos terminar o ano tendo perdido zero empregos no mercado formal. Zero”, exaltou Guedes.

“Se terminamos o ano, como é bastante possível, com zero perda de empregos no mercado formal, terá sido um ano histórico”, completou.

R7

Opinião dos leitores

  1. Kkkkk . Aqui ? Acolá ? Adonde ? Pelas caridades . Inicialmente Mummmmmmm, para não perder o costume . Depois Mummmm novamente . Eita que o gado ? véio está com soluço ! Será que o gado que MAMADEILA DE PILOCA ? Quer ? CHEGA NETANIAS , LIGEIRO CRIATURA . Trás logo meu caldo de cabeça de CANGULO . CALIGULA ! Quem era ara aquele rapaz musculoso cheio de tatuagem ? Outro sobrinho neném ?

    1. Se milhões perderam o emprego antes da pandemia é obvio que quando retorna as vagas reabrirão, ainda mais final do ano.
      Só acredita nessa conversinha a boiada.

    2. O saldo anual negativo tá em 170 mil;.
      Novembro deve virar.
      Dezembro, tipicamente cai muito.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes anuncia que vai para o “ataque” com privatizações e reformas

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira (23) que inicialmente o governo trabalhou para reduzir despesas e, nos próximos dois anos, seguirá com agenda de reformas e privatizações.

“Dedicamos esse primeiro ano, um ano e meio, para atacar as grandes despesas do governo, jogamos na defesa. Nos próximos dois anos, vamos para o ataque. Vamos para as privatizações, para a abertura, para simplificação, reforma tributária, a reindustrialização em cima de energia barata”, disse o ministro, ao participar do 3º Encontro O Brasil Quer Mais, evento virtual organizado pela International Chamber of Commerce Brazil (ICC).

Segundo ele, os três maiores gastos que o governo conseguiu controlar foram com a Previdência, juros da dívida pública e salários de servidores. Explicou que os “privilégios” nas aposentadorias foram vencidos por meio da reforma da Previdência, houve redução dos juros da dívida pública e congelamento de salários de servidores.

Além disso, ele citou a reforma administrativa enviada pelo governo ao Congresso Nacional. “O mais difícil foi o controle de gastos que está sendo implementado há algum tempo. Falta agora o movimento final: pacto federativo, desindexando, desvinculando, desobrigando despesas, travando essas despesas e entregando os orçamentos públicos à classe política”, afirmou.

O ministro da Economia disse, ainda, que na agenda da equipe econômica figuram a abertura da economia brasileira para o comércio internacional, por meio de acordos comerciais e a aprovação de reformas.

Ele afirmou que espera avançar em reformas onde há consenso político para aprovação, após passar o período de eleições municipais.

“Acho que daqui até o fim do ano vamos aprovar uma pauta comum onde há acordo na Câmara, no Senado e no Poder Executivo”, disse. Segundo o ministro, “bons candidatos” para a aprovação são projetos como de Lei de Falências, o marco regulatório do gás natural e cabotagem, Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, com medidas para controle de gastos, e a independência do Banco Central.

Segundo Guedes, a reforma tributária e as privatizações não avançaram, mas o governo levará essa agenda adiante. “Acho que estamos muito próximos da reforma tributária. A razão de não ter saído ainda é que a política é que dá o timing [momento certo]”, enfatizou.

Retomada da economia

Mais cedo, em outro evento virtual, Guedes reafirmou que a “economia brasileira está voltando com força”. Ele citou que a retomada surpreendeu organismos internacionais e economistas brasileiros.

“São os fatos que nós temos. Existem muitas narrativas. Mas contra os fatos, as falsas narrativas se dissolvem. O fato hoje é que todas as regiões do Brasil estão criando empregos, todos os setores estão criando empregos. A economia brasileira voltou em V [rápida recuperação, após a queda] como nós esperávamos para surpresa de organizações internacionais”, disse, no seminário virtual Visão do Saneamento – Brasil e Rio de Janeiro, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Ele citou que, no início da pandemia de covid-19, economistas chegaram a prever queda da economia brasileira em mais de 10% e recuperação lenta. “É importante recuperar essas narrativas falsas e colocarmos os fatos”, explicou. Ele citou o crescimento do emprego, aumento das exportações de produtos agrícolas e agroindustriais, retomada da construção civil e expansão do crédito e do consumo.

Pandemia

O ministro reafirmou que as contaminações por covid-19 estão diminuindo, mas pode estar havendo um “repique”. “A doença desceu, é um fato. E agora parece que está havendo um repique, mas vamos observar. São ciclos”, disse.

Segundo o ministro, quando as contaminações pelo novo coronavírus diminuíram, “as pessoas saíram mais, interagiram mais, se descuidaram um pouco. “Pode ser que tenha voltado um pouco. Estamos entrando no verão, vamos observar um pouco em vez de já começar a decretar que a doença está aí [em uma segunda onda]”, finalizou.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. No principal não mexe! Reforma política! Para que tanto depurado, senador, vereador… agora mexer no pobre é fácil, vender o que tem é foi construído com suor e mais fácil ainda…

  2. É isso aí dr Paulo.
    Tem que vender tudo mesmo.
    As Reformas é preciso, que o diga a desgovernadora Fátima do PT.
    Fez uma reforma da previdência aqui no RN, pior do que a do governo Bolsonaro.
    Esquerdalhada cretina

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes diz estar bastante frustrado por ainda não ter feito privatizações: “precisamos recompor o nosso eixo político para conseguir”

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (10) que está bastante frustrado por ainda não ter feito privatizações. Ele participou da abertura do evento Boas práticas e desafios para a implementação da política de desestatização do Governo Federal, na Controladoria-Geral da União (CGU), em Brasília.

“Estou bastante frustrado com o fato de a gente estar aqui há dois anos e não ter conseguido vender uma estatal. Até por isso um dos nossos secretários foi embora. Entrou outro com muita determinação e mais juventude. Quem sabe ele aguenta o tranco e vai conseguir entregar mais. Isso é lamentável”, disse, referindo a Salim Mattar que deixou a Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercado em agosto e deu lugar a Diogo Mac Cord de Faria.

Guedes disse que a estrutura atual do Estado foi moldada na época do regime militar, com investimentos em infraestrutura, e agora é preciso remodelar o país para uma “ordem democrática, com ação descentralizada”.

“A estrutura do estado foi montada durante um regime politicamente fechado, o regime militar, que desenhou um plano de aprofundamento da infraestrutura. Foi um legado que o regime militar deixou”, disse.

Para o ministro, o Estado não está conseguindo atender a sociedade em suas demandas por segurança pública, saúde e saneamento. “As empresas estatais, ao longo do tempo, alguns avançaram e outras se perderam. Temos o caso típico de água e saneamento, que agora nós fizemos o marco regulatório, que é um avanço, vai trazer muito recursos para a área”, disse.

Guedes acrescentou que “não é razoável” que o Brasil tenha 100 milhões de pessoas sem esgoto e 35 milhões sem água corrente em casa. “Enquanto isso, as tarifas de água e esgoto subiram, os salários do funcionalismo nessas empresas subiu também. A única coisa que caiu foram os investimentos em água e esgoto”, argumentou.

“Evidentemente quando há uma situação dessas de esgotamento, tem que ir rapidamente em outra direção e nós não temos essa velocidade e isso inclui o nosso governo”, disse.

Entretanto, o ministro disse que esse processo de mudança na estrutura do Estado é irreversível. “Uma sociedade aberta não quer um Estado com a estrutura atual. O Estado está aparelhado, não está eficiente, não consegue fazer as metas universais de fraternidade pela ineficiência e politização dessas ferramentas”, disse.

Guedes afirmou ainda que acordos políticos têm impedido as privatizações. “Tem acordo político na Câmara, no Senado, que não deixa privatizar. Precisamos recompor o nosso eixo político para conseguir fazer as privatizações prometidas durante a campanha [da eleição para presidente]”, disse.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Pros corruptos quanto mais estatais e estado melhor pra roubar e desviar…Espero q Guedes consiga convencer o PR e seus asseclas no congresso disso…caso contrário, perderemos mais uma vez o bonde da história!!!

  2. Para haver melhora em quase todo serviço público deve haver privatizações es , entendo que não temos a menor necessidade de uma máquina tão pesada , cheia de cabides de emprego , precisamos de órgãos enxutos que atendam as demanda da sociedade com rapidez e presteza, um exemplo claro é o Banco do Brasil .

  3. Faz dois anos q esta no governo. Sempre prometendo privatizacoes em 60, 90, 120 dias. Ele sabe q centrao nao vai deixar privatizar nada. Precisam das estatais. Vive dizendo q daria para arrecadar 1 trilhão de reais. Sei….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *