Galileu destaca estudo de biólogos da UFRN, publicado em revista britânica, que identifica 13 regiões distintas da flora amazônica

Distribuição espacial das 13 sub-regiões florísticas identificadas para a Amazônia, de acordo com estudo feito por pesquisadores da UFRN (Foto: Karla Souza / Arquivo pessoal)

A floresta amazônica contém 13 regiões diferentes, cada qual com espécies de plantas particulares. É o que diz um novo estudo desenvolvido com mais de 5.000 espécies de árvores e de arbustos publicado na revista britânica Journal of Ecology. No trabalho, realizado por dois biólogos do Departamento de Ecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Karla Juliete Silva-Souza e Alexandre Souza, as regiões distintas foram chamadas de sub-regiões florísticas. Algumas das sub-regiões são grandes e dividem a Amazônia entre áreas a leste, a oeste e a norte (no planalto das Guianas). Outras regiões são pequenas e periféricas, contendo espécies de vegetações vizinhas como o cerrado, que penetram pelas bordas na Amazônia.

Para realizar o estudo, os pesquisadores compilaram um banco de dados, idealizado e batizado por Alexandre Souza de Caaporan (floresta bonita em tupi), contendo a distribuição geográfica de mais de 5.000 espécies de árvores e de arbustos encontrados na região. Eles aplicaram técnicas de estatística espacial sobre os dados, mapearam as sub-regiões e também construíram outro banco de dados contendo informações do ambiente para cada local onde as espécies foram registradas. Análises da compilação das informações permitiram aos cientistas investigar os fatores responsáveis pela distribuição e delimitação das várias “Amazônias”. Os resultados sugerem que a distribuição das sub-regiões está associada a ações humanas e a fatores ambientais, como variações do solo, regime de chuvas e inundação pelos rios.

Pioneirismo: divisão por composição de espécies

O estudo constitui a primeira divisão espacial da flora amazônica feita com base em dados de composição de espécies. “A delimitação e mapeamento de sub-regiões de espécies animais ou vegetais é muito importante para planejamentos de conservação da biodiversidade de uma região, pois permite aumentar o número de espécies protegidas. Isso acontece porque passa a ser possível a distribuição de áreas de proteção nas diversas sub-regiões identificadas”, explica Karla Souza.

Tentativas anteriores de divisão da Amazônia foram realizadas com base na aparência da vegetação, observação das predominâncias de ervas, arbustos ou árvores e se as plantas perdiam ou não as folhas na estação seca. Apesar do valor e da utilidade desses primeiros mapas produzidos, o presente estudo mostrou que várias sub-regiões florísticas distintas podem ter a mesma aparência. “Mapas baseados na aparência da vegetação não devem ser usados como indicativo da biodiversidade e não são eficazes nos esforços para aumentar o número de espécies protegidas”, adiciona Karla.

A floresta amazônica forma a região biologicamente mais rica do planeta. Ela cobre vastos 7.500.000 km² em nove países, o que equivale a 40% da América do Sul. Ela abriga um quarto da biodiversidade global e é uma das principais forças do funcionamento climático e biogeoquímico da Terra. A crescente perda e fragmentação de florestas devido à invasão de assentamentos e agricultura extensiva na Amazônia traz consequências para as populações humanas e demais formas de vida no planeta. As populações humanas dependem de forma direta ou indireta dos serviços produzidos pela biodiversidade da floresta amazônica, seja pela estabilização do regime climático ou pela utilização de espécies para produção de medicamentos, alimentos, cosméticos e outros produtos.

Impacto das mudanças climáticas

O mapeamento de sub-regiões florísticas da Amazônia produzido no estudo poderá ser utilizado para guiar os esforços de conservação da biodiversidade das plantas amazônicas. “A relevância que encontramos de fatores como o regime de chuvas e temperatura na explicação da distribuição espacial das sub-regiões alerta para um profundo impacto que as mudanças climáticas podem ter na organização espacial da flora amazônica. O aumento da frequência de anos secos na região deve promover a expansão de certas sub-regiões e a contração de outras, ameaçando a área disponível para milhares de espécies de árvores continuarem a viver e a prestar os seus serviços à humanidade”, analisa Alexandre Souza.

Galileu

 

Globo demite ao menos 30 jornalistas, maioria de “O Globo” e “Extra” e extingue versão impressa da Galileu

Foto: Reprodução

O grupo de comunicações Globo demitiu ao menos 30 jornalistas nessa terça-feira (19). Também foi anunciado o fim da versão impressa da revista Galileu, voltada para a área de ciências. A última edição da revista chegará às bancas em dezembro e, a partir de janeiro, a Galileu será totalmente digital. Segundo apurou o Poder360, a revista Época também pode ser extinta no início de 2020.

A maioria dos funcionários demitidos trabalhava nos jornais O Globo e Extra. Diversas editorias do O Globo sofreram alterações, sendo Economia, Sociedade e Nacional preservadas, por serem as editorias que mais vendem assinaturas, de acordo com relatos de funcionários. As editorias mais impactadas foram Esporte e Segundo Caderno.

Ainda segundo relatos de funcionários, a editora-chefe da Galileu, Giuliana de Toledo, também foi demitida. A lista inclui ainda toda a equipe de arte da revista e outros funcionários, tais como motoristas. Uma lista parcial com 29 nomes circula em grupos de aplicativos de mensagens. O grupo Globo não comentou o assunto e não confirmou os nomes contidos nessa lista.

Poder 360

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucian disse:

    Qualquer negócio só está bom, quando está contratando gente.
    Demitindo em massa e rebaixando salários é sinal claro de que i negócio não vai bem, está sem fôlego.
    Não foi por falta de aviso, Bolsonaro disse ainda na campanha.
    VOU CORTAR A BOQUINHA e CORTOU.
    agora, quem passar por derradeiro, feixe a porteira.

  2. Cruzado Jacobino disse:

    Grande dia!

  3. RCMelo disse:

    Reflexo de um mau jornalismo sem isenção.

  4. Caboclo disse:

    A GLOBO se tornou TENDENCIOSA de forma aberta e declarada, alguma dúvida nisso?
    Desde o dia que Bolsonaro foi dar entrevista na emissora e lá afirmou que ela seria tratada da mesma forma que as demais, SEM PRIVILÉGIO EXTRA, a coisa mudou.
    No dia seguinte, o jornalista do Jornal Nacional, foi ao ar ler uma nota onde afirmou:
    “O faturamento do grupo globo quanto ao recebimento dos recursos públicos é de apenas 4% (quatro) do montante”.
    Passados 10 meses do ano de 2019, a realidade bate a porta da globo e o que vemos é uma emissora CONTRA O GOVERNO, CONTRA O PRESIDENTE, cujo faturamento É, e MUITO, DEPENDENTE DOS COFRES PÚBLICOS, tanto que vem, como nunca antes na história da emissora, ocorrendo demissões em massa.
    Assim como as “eficientes” e poderosas Odebrecht, Camargo Correia, Eike Batista, JBS e muitas outras, agora sabemos que TODO SUCESSO ESTAVA BASEADO NOS BILHÕES QUE RECEBIAM DOS COFRES PÚBLICOS e dos favorecimentos público, NÃO era questão competência empresarial. Se alguém acha que não, é só olhar o que essas empresas eram até 2016 e o que são hoje.

  5. Daniel disse:

    O fim desse lixo chamado grupo globo está proximo!!

  6. Cidadão Atento disse:

    A IGREJA UNIVERSAL DO REINO DE DEUS AGORA ENCHE OS COFRES DE VEZ, APOIANDO UM ANTICRISTO QUE PREGA E ESPALHA ÓDIO, DESAMOR E CONFLITOS COM TUDO E TODOS, INCLUSIVE SE ALIANDO AOS PAÍSES QUE MAIS VIVEM EM GUERRA NO MUNDO TODO: OS ESTADOS UNIDOS E ISRAEL.
    QUEM PROVAR QUE ESTOU MENTINDO, DOU O BRAÇO A TORCER E AS MÃOS A PALMATÓRIA.

    • Manoel disse:

      Né isso! Eu TB prefiro o Lulaladrao… Bendita época que nosso dinheiro financiava ditaduras opressoras na África, Cuba, Venezuela, Bolívia, Síria… Saudades dessa alma mais honesta que era só paz , amor e dinheiro nos bolsos dele!

    • Bento disse:

      Chora não cidadão desatento.
      Vou pedir perdão por você já que tu não sabes o que diz.
      Te ensinaram errado quando você estava em formação, disseram meu filho siga o cachaça, ele
      é alma mais pura do universo.
      Acreditaste e aí esta uma criança com problemas, não desenvolveu o intelecto e segue cegamente o encantador de jumentos.
      Lamentável,mas, vou torcer por sua recuperação, você esta doente.
      Comece aprendendo com a definição de "CARÁTER" aí com certeza você entenderá o resto.
      Boa Sorte.

  7. Yuri disse:

    E alguns diziam que a Globo não precisava de dinheiro público kkkk só tenho pena dos desempregados, mas quero que a Globo afunde cada vez mais.

  8. Luciana Morais Gama disse:

    O grupo Globo tá ladeira abaixo.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      ….e quem está enchendo as burras de dinheiro público é a Record (dos pastores milionários) e o SBT.
      Segue o jogo …

    • Paulo disse:

      BG
      Só pregam o que não presta, as novelas são um acinte a FAMÍLIA Brasileira, degradação total, promiscuidade e degeneração contaminando as crianças e os jovens com tudo que não presta. Existe maior constrangimento do que os País com seus filhos assistindo novelas?.

Enigma astronômico de Galileu é decifrado depois de 400 anos

venusjupitergalileogettyO planeta Vênus está mais próximo da Terra do que Júpiter e brilha mais forte que o astro gasoso durante a noite. Entretanto, este fato, por si só, não explica todo o seu destaque no céu. Há uma razão perfeitamente plausível para entendermos como os olhos percebem a luz em comparação com a realidade óptica de um telescópio, de acordo com o jornal The Independent. Quando observado a olho nu, Vênus aparenta ter uma “coroa radiante” que a faz parecer oito a dez vezes maior do que Júpiter.

O astrônomo italiano Galileu Galilei foi o primeiro a perceber que esta “coroa” estaria relacionada à percepção humana ou, como ele descreveu, um “impedimento dos olhos”, a qual seria eliminada pelos telescópios. Mas, para ele, este impedimento seria uma interferência no modo como as luzes das estrelas são processadas pelo olho humano.

Entretanto, cientistas agora mostram que este efeito é causado pela forma como células sensíveis à luz nos olhos respondem às imagens de intensidades diferentes em um cenário escuro. Vênus aparece maior porque sua imagem é exagerada pelo centro visual do cérebro. Assim, é criada uma “coroa radiante” mais resplandecente que de Júpiter, segundo o estudo publicado pela National Academy of Sciences.

Eles acreditam que o efeito influencia o modo como enxergamos porque a retina humana e o cérebro estão sintonizados para responder aos contrastes de objetos de luz contra um fundo escuro. “Galileu foi o primeiro a afirmar que nosso olho distorcia a realidade. Ele conseguia ver que Vênus parecia ser muito maior que Júpiter quando visto a olho nu – e que o oposto seria verdadeiro quando visto através de um telescópio”, disse Jose-Manuel Alonso, da New York College of Optometry.

Terra