Com novo juro da Caixa, financiamento imobiliário pode ser reduzido em mais de R$ 100 mil

Foto: Pixabay

A redução das taxas de juros para crédito imobiliário anunciada pela Caixa Econômica Federal na quarta-feira leva a taxa máxima de 9,5% para 8,5% ao ano, enquanto a mínima sai de 7,5% para 6,75% ao ano, a menor praticada no mercado. Simulações mostram que a queda pode, em alguns casos, reduzir em mais de R$ 100 mil o preço final de um financiamento.

A medida abrange contratos de financiamento atualizados pela Taxa Referencial (TR), que atualmente está zerada, mas não atinge as modalidades corrigidas pela variação do IPCA.

Portabilidade: Juro menor favorece migração de financiamento da casa própria. Saiba como é

Em um crédito para imóvel de R$ 1 milhão, considerando prazo de 30 anos, o valor final passaria de R$ 2.370.271,93 para R$ 2.231.279,55 tomando como base a taxa máxima. A economia seria de R$ 138.992,38. Pela taxa mínima, essa redução seria de R$ 105.915,34.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Eudes disse:

    Pela lei, é pra esse tipo de presídio que se encaminha o preso que progride do regime fechado para o semiaberto. Qual o problema. A propósito, até concordo com quem sugeriu a pedreira em vez da agrícola.

Polícia Civil prende homem envolvido no roubo de mais de R$ 100 mil a uma empresa da CEASA

Policiais civis da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos (DEFUR) prenderam em flagrante, na sexta-feira (14), Jackson Firmino Lira da Silva, vulgo “Catita”. Ele confessou à polícia ter participação, junto com Judson Bezerra de Araújo Batista, no roubo de uma quantia de R$ 110.000,00 (cento e dez mil reais), a um homem que iria utilizar este dinheiro para efetuar o pagamento de funcionários da empresa da Central de Abastecimento do Rio Grande do Norte (Ceasa), onde trabalhava.

Após a vítima relatar o roubo à Delegacia de Plantão ainda na sexta-feira, a DEFUR iniciou as investigações do caso constatando que um grupo criminoso que atuava em roubos a veículos, residências, cargas estava ultimamente migrando para crimes de maior impacto envolvendo até mesmo caixas eletrônicos. Um dos investigados era Judson, que já responde pelo crime de roubo, inclusive sendo investigado por participar de uma seqüência de roubos a residências no bairro de Candelária e vários roubos a uma rede de Farmácias para a qual trabalhava.

Ao ser apresentada fotografia de Judson para as vítimas, ele foi imediatamente reconhecido como um dos assaltantes. Um dos comparsas dele, conhecido através da investigação era Jackson “Catita”, funcionário da empresa vitimada, que sabia da existência do dinheiro e conhecia a rotina da vítima. Jackson confirmou sua participação aos policiais no momento de sua prisão.

Na residência de Judson Bezerra, foram apreendidos diversos relógios, bebidas e outros objetos com indícios de serem fruto de roubos, além de uma arma de fogo de uso restrito. Porém ele conseguiu escapar da ação policial. A polícia tentou localizá-lo realizando diligências durante todo o dia e noite no dia do roubo, mas ele não foi encontrado. A Polícia Civil solicita que qualquer informação sobre o paradeiro de Judson seja repassada ao Disk Denúncia anônimo, número 181.