Mais uma prisão para Paulo Preto

Ao condenar Paulo Preto por peculato no Rodoanel, a juíza Maria Isabel do Prado decretou uma nova prisão preventiva.

Para justificar a medida, apontou “reiteração delitiva em suposta lavagem de capitais e movimentação financeira em contas bancárias no exterior”.

“Os novos fatos revelados surpreenderam este Juízo, visto que, mesmo após a propositura da ação penal, bem como, outras investigações e ações penais, e mesmo durante a vigência das medidas cautelares diversas da prisão, Paulo Vieira de Souza estaria reiterando condutas delitivas, a fim de ocultar valores supostamente ilícitos, como tentativa de se esquivar da aplicação da lei penal”, escreveu.

A nova ordem de prisão se soma a outra, decretada em fevereiro, no âmbito da Lava Jato. Antes, Paulo Preto estava em recolhimento domiciliar, concedida pelo STF.

O Antagonista

Investigação sobre Paulo Preto prorrogada

Gabriela Hartd prorrogou ontem, por mais 20 dias, a investigação sobre Paulo Preto na Lava Jato de Curitiba. A juíza determinou o encerramento do inquérito até o dia 20 de março.

Preso desde o dia 19 na 60ª fase da operação, Paulo Preto ainda deverá depor sobre a suspeita que disponibilizava dinheiro em espécie no Brasil para a Odebrecht subornar políticos.

O Antagonista

Lava-Jato aponta que Aloysio Nunes recebeu cartão de conta suíça abastecida com propina por Paulo Preto

O ex-ministro Aloysio Nunes teria recebido um cartão de crédito de uma conta de Paulo Preto, abastecido com propina da Odebrecht .Foto: Adriana Lorete / Agência O Globo

A Polícia Federal ( PF ) deu início, na manhã desta terça-feira, à 60ª fase da Operação Lava-Jato , que investiga um esquema de pagamento de R$ 130 milhões de propina pela Odebrecht a políticos por meio de operadores financeiros e contas no exterior. O ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza , conhecido como Paulo Preto e apontado como operador do PSDB , foi preso em São Paulo. Além de cumprir o mandado de prisão, policiais federais fizeram buscas em 12 endereços no estado, ao menos um deles ligado ao ex-ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB).

Ex-chanceler no governo de Michel Temer, Aloysio é investigado por ter recebido, no Natal de 2007, um cartão de crédito vinculado a uma conta mantida por Vieira na Suíça e que era utilizada para movimentar propina, segundo o Ministério Público Federal (MPF). O cartão foi entregue ao político em um hotel de Barcelona, na Espanha. Ainda de acordo com os investigadores, o cartão foi emitido um mês após a Odebrecht ter enviado para essa conta cerca de 275 mil euros. A força-tarefa da Lava-Jato não informou que uso Aloysio fez do cartão.

Deputado estadual, deputado federal e senador pelo PSDB, Aloysio era secretário-chefe da Casa Civil da gestão de José Serra no governo de São Paulo em 2007, quando teria recebido o cartão de crédito ligado a Vieira. No fim do ano passado, ele aceitou indicação feita pelo governador João Doria para presidir a Investe SP, agência de promoção de investimentos do governo de São Paulo.

Iniciada a partir de delações de executivos da Odebrecht e de doleiros, a operação desta terça-feira aprofunda a investigação sobre o funcionamento do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, chamado pelos investigadores de “departamento de propina”. Segundo os procuradores, Vieira disponibilizaou R$ 100 milhões em espécie para o esquema de corrupção, que teve a participação de mais três operadores: Rodrigo Tacla Duran, Adir Assad e Álvaro Novis.

Triangulação entre operadores

Num primeiro momento, Vieira repassou os R$ 100 milhões a Assad a partir do segundo semestre de 2010. Assad, por sua vez, entregou os valores para Novis, que pagava a propina a mando da Odebrecht. De acordo com a Lava-Jato, neste período, a construtora pagou valores indevidos a gerentes e diretores da Petrobras, como Djalma Rodrigues, Maurício Guedes, Roberto Gonçalves, Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco e Sérgio Machado.

Para pagar o “empréstimo” de Vieira, a Odebrecht transferiu milhões de dólares para as contas de Duran no exterior, também segundo a Lava-Jato. Cabia a ele chegar à Vieira o valor devido, descontadas suas comissões e as de Assad. O cálculo dos procuradores é que, até 2017, foram movimentados R$ 130 milhões ao todo só por meio desse esquema. Era esse o saldo de contas controladas por Vieira na Suíça no início daquele ano.

No primeiro trimestre de 2017, quando foi tornado público o acordo da Odebrecht com a Procuradoria Geral da República (PGR), Vieira encerrou as contas suíças e transferiu o dinheiro para Bahamas, impedindo assim o bloqueio dos valores.

A operação recebeu o nome de “Ad Infinitum”. Segundo a PF, o nome da operação remete ao fato de “o caso parecer tratar de mais uma repetição do modo de atuação de alguns integrantes da organização criminosa, remetendo a um ciclo criminoso que nunca termina”.

Ao contrário do que acontece em outras fases da Lava-Jato, Vieira não deve ser enviado imediatamente a Curitiba para ser ouvido pelos investigadores que pediram sua prisão. Como também responde a processos em São Paulo, ele deve comparecer a audiências do caso na capital paulista e viajar para o Paraná na sexta-feira.

Réu por cartel e desvios de R$ 7,7 milhões

Vieira já é réu em dois processos que correm na Justiça Federal de São Paulo. No caso mais avançado, ele é acusado de participar do desvio de R$ 7,7 milhões em verbas de indenização para famílias que viviam no traçado do Rodoanel, um anel viário construído pelo governo paulista na última década.

Na segunda ação, ele é investigado por fazer parte de um cartel formado pelas mesmas construtoras investigadas pela Lava-Jato para dividir oito obras viárias contratadas pelo governo paulista a partir de 2004. As investigações levaram Vieira à prisão em abril e maio de 2018, mas ele acabou solto por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, esses fatos não entram no objeto da investigação desta terça-feira, que apura apenas a suposta lavagem de dinheiro para a Odebrecht.

Procurada, a defesa de Vieira disse que ainda não teve acesso a qualquer documentação desta investigação e que, por isso não iria comentar a prisão do seu cliente.

Aloysio também já havia sido citado na Lava-Jato. Em outubro do ano passado, o STF arquivou um inquérito em que o então ministro era acusado de ter recebido R$ 500 mil da Odebrecht, via caixa dois, para sua campanha ao Senado em 2010.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. nasto disse:

    Não se aproveita um cabra desses. Todos comprometidos com a roubalheira, com a sacanagem, com a propina. Onde vamos PARAR ?> Todo dia surge uma noticia de safadeza.

  2. Ceará-Mundão disse:

    Esse sujeito foi motorista do Marighella, aquele vagabundo comunista sobre o qual foi feito um filme, estrelado pelo petista Wagner Moura e pago com o nosso dinheiro, via Lei Rouanet. Será que ele foi representado nesse filme? Ou "esqueceram" dele porque ele hoje está escondido no PSDB? Hipócritas e mentirosos.

  3. raimundo disse:

    esta ai o objetivo da Ação Libertadora Nacional tomar o poder para se servir dele este ex ministro era o braço direito de Marighella . Esquerda hipócrita

  4. LAMPIÃO disse:

    MOTORISTINHA DE MARIGUELA.
    "DIZE-ME COM QUEM ANDAS, QUE TE DIREI QUEM ÉS".

  5. Flávio Andrade disse:

    Até quando esses políticos vão nos roubar,quando nos falta tudo! Não temos saúde, educação, segurança e lazer ,não temos nada. Só temos a obrigação de pagar impostos para bancar a farra desses baluartes da moralidade.

    • Lorena Galvão disse:

      Quando o povo Brasileiro, aprender a votar sem pedir nada em troco, ou melhor não vender o voto a estes canalhas amigo.

    • Lorena Galvão disse:

      Comentário perfeito.

Justiça Federal mantém liberdade de Paulo Preto, ex-diretor da Dersa

Foto: Sérgio Lima/Folhapress – 29.08.2012

A Justiça Federal em São Paulo negou o pedido de prisão preventiva do ex-diretor da empresa estatal paulista de Desenvolvimento Rodoviário (Dersa), Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto. Desta forma, o ex-colaborador de gestões do PSDB no governo paulista continua em liberdade, conforme decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, que havia concedido o benefício de habeas corpus a Paulo Preto na última sexta-feira (11).

Na segunda-feira (14), a procuradora da República Adriana Scordamaglia apresentou um novo pedido de prisão preventiva à Justiça Federal porque o réu não havia comparecido a uma audiência do processo que seria realizada na 5ª Vara Federal Criminal em São Paulo naquele mesmo dia. A Justiça Federal entendeu, no entanto, que o réu não havia sido corretamente intimado da audiência.

“Deixo de aplicar ao réu medida cautelar adequada à garantia da instrução criminal e aplicação da lei penal exclusivamente em razão de que, conforme certidão negativa de fls. 2715/verso, não consta dos autos a formal intimação pessoal do acusado acerca do ato, a qual pode ser suprida pela intimação de sua defesa para atos diversos do interrogatório, especialmente quando a própria defesa confirma a ciência do acusado, mas é necessária para aplicação de medidas cautelares ou de revelia no processo penal”, justificou o juiz na decisão divulgada nesta terça.

O ex-diretor da Dersa tinha sido preso no início do mês pela Polícia Federal em São Paulo acusado de desvios em obras do Rodoanel em São Paulo. “Sem prejuízo da regular intimação dos defensores constituídos já realizada, expeça-se também a intimação pessoal do réu Paulo Vieira de Souza para comparecimento às audiências designadas para os dias 18 e 25 de maio de 2018, por oficial de justiça”, acrescentou a decisão.

R7, com Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Pai Gilmar quer soltar todos os bandidos. Onclusive tentou soltar o Lula juntamente com os petistas Lewandovsky e Toffoli e o primo do Collor, aquele Marco Aurélio. Mas não deu. A maioria do STF barrou o golpe petista.

  2. Kgb disse:

    E algum louco acha que tucano fica preso? Nós temos pai Gilmar, seus bobinhos. ..