Ministério da Justiça e Segurança Pública prorroga por seis meses atuação da Força Nacional na Penitenciária Federal de Mossoró

Foto: Fred Carvalho/G1

É destaque no portal G1-RN. O Ministério da Justiça e Segurança Pública prorrogou por seis meses a permanência da Força Nacional na Penitenciária Federal de Mossoró, no Oeste potiguar. As equipes devem permanecer no local pelo menos até 18 de agosto. A portaria publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (3) é assinada pelo ministro Sérgio Moro. Mais detalhe aqui em reportagem completa.

FOTO: Oitocentos militares do Exército realizam operação para garantir transferência de integrantes do PCC para penitenciária federal em Mossoró

Foto: Inter TV Costa Branca

Uma operação de segurança para a transferência de detentos para a Penitenciária Federal de Mossoró, na região Oeste potiguar, vindos de presídios em Presidente Venceslau e em Presidente Bernardes, no interior de São Paulo, conta com a presença de oitocentos militares do Exército brasileiro nesta quarta-feira (14)

A operação batizada de ‘Tranca Forte’, realiza a transferência de 22 presos, integrantes da facção criminosa PCC. Ainda não se sabe quantos virão nem quem são os presos.

Conforme decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, os militares devem permanecer em Mossoró até o dia 27, segundo publicação feita no Diário Oficial da União na edição desta quarta.

A Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia, também deve receber parte dos presos. E uma outra parte dos detentos segue para a Penitenciária Federal de Brasília, que fica no Complexo Penitenciário da Papuda.

Descoberta de plano de fuga

A transferência de integrantes do PCC ocorre após o governo paulista ter descoberto um plano de fuga para os chefes e ameaças de morte ao promotor que combate a facção no interior de São Paulo.

A facção atua dentro e fora dos presídios brasileiros e internacionalmente.

Com acréscimo de informações do G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. justiceiro disse:

    Se o RN já ta uma merda, imagine com essa galera do PCC trazendo lucro e investimento para nós?!

  2. Manoel disse:

    Acho que o amigo Bruno lira não estendeu quem estava sendo transferido amigo trata se de uma organização criminosa que estava planejando o resgate de seu líder e iria gasta aproximadamente 100 milhões de reais deu para vc entender o porquê desse contingente das forças aramadas.

  3. Ricardo Carvalho disse:

    Imagine quando chegar o momento da transferência do mais perigoso de todos os chefes de organizações criminosas, Lula! kkkkkkkkkkkkkkk

  4. Bruno Lira disse:

    Um absurdo! Tudo isso para transportar bandidos? Meu Deus do céu. O presidente está tratando muito bem esses malfeitores.

    • Acorda Brasil disse:

      O que nobre amigo não entende é que o aparato é pensando, antes de tudo, considerando a segurança dos agentes públicos. O número de contingente é divulgado de propósito para desencorajar qualquer tentativa de resgate.

    • Valdemir disse:

      Verdade Bruno, milhares de pessoas nos corredores de hospitais, aguardando cirurgia, outras morrendo sem assistência por falta de recursos. Enquanto uns bandidos desses fazendo o estado gastar o suficiente pra diminuir o sofrimento de muitos. Algo tá errado, num caso desse em que o bandido jamais se corrigirá, o certo era jogá-lo numa jaula com leões ou jacarés famintos, se sobreviver, joga nos mares da Patagônia pra ver o que acontecerá.

IFRN oficializa parceria com Penitenciária Federal para dar aula a apenados

Os detentos do Presídio Federal de Mossoró são oficialmente alunos do Instituto Federal do Rio Grande do Norte. Nessa terça-feira (24) foi formalizado o acordo de cooperação educacional entre a instituição e a penitenciária, que oficializa o projeto “De Olho No Futuro”, que tem como objetivo garantir certificados de ensino médio e superior para os apenados.

Dez internos da penitenciária já fazem, à distância, o curso de graduação em Gestão Ambiental. As aulas começaram há seis meses e, por ser pioneiro, o projeto está em constante fase de adaptação. A penitenciária tem uma série de regras para garantir a segurança tanto dos apenados quanto dos trabalhadores. “Eles têm restrição para manipular livros e acesso à internet, dentre outras coisas. Estamos nos adaptando ao máximo à rotina do presídio”, explicou o professor Augusto César Fialho Wanderley, que é coordenador da turma especial para os detentos e também pesquisador em segurança pública no sistema prisional.

O projeto

Segundo a lei nº 12.433, de 29 de junho de 2011, a pessoa que cumpre a pena em regime fechado ou semiaberto pode abater, por trabalho ou por estudo, parte do tempo de execução. Para cada 12 horas de frequência escolar ou três dias de trabalho, essa pessoa tem o direito a reduzir um dia do tempo de privação de liberdade. “Acreditamos muito, enquanto gestores e educadores, que a educação realmente é o instrumento mais eficaz de transformação social, de qualificação e inserção no mercado de trabalho”, afirmou Alexsandro de Oliveira, diretor-geral do Campus EaD do Instituto.

Tudo começou quando, por incentivo da pedagoga da penitenciária, Jussara Oliveira, os detentos fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio, ainda em 2016, inscreveram as notas para o curso de Gestão Ambiental Presencial do Campus Mossoró do IFRN e foram aprovados: “Tivemos dez alunos aprovados no curso, que era presencial. Surgiu então a necessidade de levar o conhecimento até eles. Encaramos o desafio e não desistimos deles, que querem aprender”, disse Jailton Barbosa, diretor-geral do Campus Mossoró.

A pedagoga atua como intermediadora entre o campus e os detentos, trazendo materiais, direcionando o conteúdo e levando provas, testes e atividades. Para Jussara, a garantia de uma boa educação é uma forma de ressocializar pessoas condenadas à prisão: “ela possibilita que, ao retornar à sociedade após quitar sua dívida com a justiça, os ex-presidiários tenham outras opções que não o regresso à criminalidade. Uma boa formação profissional e educacional proporciona melhores alternativas de inserção social e de remuneração, prevenindo a reincidência”, disse.

O curso

A parceria entre a penitenciária e o campus não é nova. Desde a criação do presídio federal, as instituições mantêm projetos voltados ao ensino dos apenados. “A ampliação da parceria é muito importante, pois permite a oferta de cursos a distância para os internos, a oportunidade de capacitação para servidores de ambas as instituições, bem como a possibilidade de desenvolvermos projetos de ensino, pesquisa e extensão em ambientes do sistema prisional”, destacou Jailton.

O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental, na modalidade a distância, tem como objetivo formar profissionais com competência para compreender e analisar criticamente as atividades tecnológicas, econômicas, produtivas e sociais que possam causar impactos ao meio ambiente, e propor alternativas preventivas e/ou corretivas, de solução e/ou de prevenção, para a melhoria e conservação da qualidade ambiental