Saúde

Ministério da Saúde supera marca de 100 milhões de vacinas distribuídas

FOTO: BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira (2) ter superado a marca de 100 milhões de doses de vacinas contra covid-19 distribuídas a unidades da federação por meio do PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Segundo a plataforma Localiza SUS, até esta manhã, 90 milhões de vacinas já haviam sido entregues e outros 12,8 milhões estavam em processo de envio e distribuição, totalizando 102,9 milhões. A vacinação contra covid-19 no Brasil começou em 18 de janeiro.

A repartição das vacinas se dá de acordo com critérios populacionais, observando os grupos prioritários estabelecidos pelo ministério.

Com base nisto, São Paulo foi o estado que mais recebeu doses até o momento (23,5 milhões), seguido de Minas Gerais (10,7 milhões) e Rio de Janeiro (9,7 milhões).

O imunizante da AstraZeneca — seja produzido pelo Instituto Serum da Índia (primeiras doses), pela Fiocruz ou importado pelo consórcio Covax Facility — agora são os que mais foram distribuídos no país: 52,3 milhões de doses.

A CoronaVac teve 47,2 milhões de doses enviadas aos estados e Distrito Federal. Da Pfizer/BioNTech, foram 3,3 milhões.

O Brasil já aplicou 68,2 milhões de doses de vacinas contra covid-19, das quais 45,9 milhões de pessoas receberam apenas a primeira dose. Outros 22,3 milhões completaram o esquema vacinal.

R7

Opinião dos leitores

  1. O que significa isso em relação a População do Brasil que já passa de 211,7 milhões de habitantes?
    Sem falar da SEGUNDA DOSE NECESSÁRIA E URGENTE.

    1. sabe ler e fazer contas amigo? cade o resto das vacinas entregues aos estados e municipios? não vi ninguem da imprensa canalha falando dessa diferença de vacinas aplicadas e entregues…

    2. Significa que distribuímos aproximadamente 1/3 das doses necessárias para a imunização de 70% da população

    3. Oi Darwin, a última projeção do IBGE estima que 24,2% da população tem menos de 18 anos, então a população vacinável é maior que 70%, sem falar que a vacina da Pfizer já foi aprovada para uso em crianças de 12 a 18 anos nos EUA e deve ser aprovada para tal em breve no Brasil.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CLOROQUINA E OUTROS: “Ministério da Saúde nunca fez uma indicação direta de tratamento”, diz secretária em CPI, que cita nota orientativa e autonomia médica

Foto: Reprodução/CNN Brasil

Questionada sobre quais estudos científicos teriam orientado a recomendação de uso da cloroquina e outros medicamentos sem comprovação científica para tratamento de pacientes com Covid-19, a médica Mayra Pinheiro disse que o Ministério da Saúde nunca fez uma indicação direta de tratamento para o novo coronavírus.

“O Ministério criou um documento juridicamente perfeito, que é a nota orientativa número 9, que depois se transformou na nota orientativa 17, em que estabelecemos doses seguras para que os médicos brasileiros, no exercício da sua autonomia, pudessem utilizar esses medicamentos com consentimento dos seus pacientes”, afirmou.

“Se o senhor me perguntar o que os médicos brasileiros e do mundo que vem fazendo esse tratamento off label utilizaram como referencial, eu trouxe aqui e deixo à disposição mais de 2400 artigos impressos mostrando as evidências que tantos nós queremos.”

VEJA MAIS:  Secretária do Ministério da Saúde em CPI nega que recebeu ordem e diz que ‘toda doença deve ser tratada precocemente’

Com CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Eu acreditei na ‘midia’, quando disseram que não havia comprovação ciêntifica. Mas como pode a referida médica levar 2400 artigos sobre a eficácia de alguns fármacos, que não são a cura, mas podem reduzir o tempo de internação. Ou seja, esse papo de “não se deve contrariar a ciência”, vale só quando convém. Reposicionamento de fármacos sempre foi e sempre será comum na pratica clínica. Abutres.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde autoriza liberação de recursos para 44 leitos de UTI covid ao RN; mais 10 estados foram beneficiados com outros 367

FOTO: HOSPITAL UNIVERSIITÁRIO DE BRASÍLIA / AGÊNCIA BRASIL

O Ministério da Saúde publicou uma portaria nesta terça-feira (20) liberando recursos para 411 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de atendimento exclusivo para pacientes vítimas da covid-19. A medida beneficia 11 Estados do país.

São Paulo é o Estado com o maior número de vagas autorizadas: 106. Também terão ajuda com novos leitos o Amazonas (30), Bahia (40), Ceará (64), Espírito Santo (12), Minas Gerais (34), Mato Grosso do Sul (5), Pernambuco (18), Paraná (12), Rio de Janeiro (29), Rio Grande do Norte (44), Rio Grande do Sul (15) e Santa Catarina (2).

A autorização consiste na ajuda finaceira do governo no custeio dessas estruturas. O ministério repassa mensalmente as verbas, em caráter temporário. Para esses 411 leitos a União deve desembolar R$ 19.728.000,00 apenas neste mês de abril.

De acordo com a portaria, os recursos que serão destinados a Estados e municípios sairão do programa de Atenção à Saúde da População para Procedimentos em Média e Alta Complexidade, do Ministério da Saúde.

R7

Opinião dos leitores

  1. Estranho né?! Pensei que o governo do MINTO já tinha mandado trilhões de dólares ou quatrilhões de Euros para o RN! Se estão ainda enviando dinheiro é pq o Estado ainda precisa não?

  2. Seria bom publicar o relatório do TCU que aponta que o governo não reservou recursos para o combate a covid para 2021. Só pra não ser assessoria do governo. Isso é preocupante. Depois o governo aparece misturando números que leva os incautos a delírios que não é a realidade. O TCU diz que não foi reservado recursos para o combate a covid em 2021.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Saída de Fernando Azevedo e Silva do Ministério da Defesa teria sido opção de Bolsonaro, destacam blogs no grupo Globo

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A demissão do ministro da Defesa, Fernando Azevedo Silva, deu-se numa conversa rápida entre ele e Jair Bolsonaro. O general entrou no gabinete presidencial no Palácio do Planalto por volta das 14h e ouviu de Bolsonaro que precisava do cargo. Ao todo, foram três minutos de reunião.

Foi o resultado de muitos meses de desacertos. Bolsonaro, por exemplo, pediu mais de uma vez a Azevedo e Silva que o comandante do Exército, general Edson Pujol, fosse demitido. Azevedo e Silva resistiu o quanto pôde e segurou Pujol em seu cargo.

Bolsonaro também costumava reclamar com o general Azevedo e Silva que precisava de demonstrações públicas de apoio das Forças Armadas. E culpava Azevedo e Silva por não tê-las.

Na aposta de aliados de Azevedo e Silva, um ministro palaciano — militar — pode ocupar a vaga do Ministério da Defesa. Esse nome ainda não foi divulgado, mas Braga Netto, da Casa Civil, é cotado.

Com informações de Lauro Jardim – O Globo e Blog da Andréi Sadi – G1

Opinião dos leitores

    1. Ainda com 9 dedos na cabeça? Meu amigo, cada comentário idiota aqui viu

  1. O governo de Bolsonaro está sendo igual aquele jogo chamado resta 1 : vai sobrar só ele mesmo …. kkkkkkkkkkk

  2. A melhor saída para a nossa nação será o afastamento do presidente por falta de capacidade inclusive mental. Mourão é a melhor opção e mais segura para o povo brasileiro.

    1. Tu sabe de nada!!
      O homi teve 57 milhões de votos aí vc vem assim sem mais nem menos….A melhor solução….homi vai te catar!!!

  3. Pq será que o MINTOmaníaco quer tanto demonstrações de "apoio" das forças armadas? De que ele tem medo? Só pq a família rachadinha tá sendo investigada?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde altera critérios de confirmação de mortes por covid e faz registro nas últimas 24 horas diminuir; veja mudanças


Foto: Arte/G1

Nesta terça-feira (23), dia em que o Brasil bateu novamente o recorde de mortes por Covid-19 confirmadas em 24 horas, o Ministério da Saúde alterou a ficha dos pacientes no Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe).

A informação é de técnicos responsáveis por preencher diariamente as atualizações sobre novos óbitos causados pela doença. Segundo esses técnicos, os dois principais impactos da nova ficha foram:

a falta de aviso prévio por parte do Ministério da Saúde às secretarias – ao contrário do que ocorreu em julho de 2020, quando havia ocorrido a última mudança;

e a exigência de preenchimento obrigatório de novos campos (veja, abaixo, quais são) – para os técnicos, isso pode aumentar o atraso entre a ocorrência das mortes e o registro delas no sistema, para que constem do balanço oficial diário.

O Sivep-Gripe é o sistema oficial onde todas as novas hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) devem ser compulsoriamente notificadas desde 2009 (leia mais a final da reportagem). Em 2020, com a pandemia do novo coronavírus, ele passou a ser usado também como a fonte oficial das mortes confirmadas por Covid-19.

A TV Globo procurou o Ministério da Saúde para confirmar se a mudança foi combinada com as secretarias estaduais e municipais, mas não havia recebido retorno até a última atualização desta reportagem.

Em nota enviada à TV Globo, a secretaria-executiva do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) afirmou que os novos campos já estavam sendo discutidos anteriormente, mas ocorreu “falta de comunicação adequada” no momento em que a mudança foi oficialmente instituída.

“Por este motivo, solicitamos a retirada desses campos como obrigatórios por enquanto”, diz o conselho.

Saiba quais são as mudanças

A nova ficha distribuída às vigilâncias de saúde municipais e estaduais trouxe uma série de mudanças. Foi incluído, por exemplo, um campo para informar se o paciente pertence a uma comunidade tradicional. Outros campos, por outro lado, foram excluídos – caso do histórico de viagem internacional.

Outras alterações, no entanto, devem afetar mais diretamente o trabalho de preenchimento do sistema, como a obrigatoriedade de informar:

o número do Cartão Nacional de Saúde (Cartão SUS);

se o paciente é brasileiro ou estrangeiro;

e se já foi vacinado contra a Covid-19.

Todos esses campos inexistiam na versão anterior da ficha, em utilização desde julho de 2020.

Além disso, o campo do número do CPF, que antes era considerado “essencial”, passa a ser obrigatório. Caso o paciente não tenha o CPF em mãos, é obrigatório preencher o Cartão Nacional do SUS. A única exceção para essa obrigatoriedade refere-se aos pacientes declarados indígenas na ficha.

Instabilidade na terça-feira

Nesta quarta-feira (24), pelo menos dois governos estaduais e um municipal relataram que houve queda na notificação de novas mortes devido às mudanças no sistema.

Em São Paulo, o governo afirmou que “a medida pegou os municípios de surpresa, fazendo com que muitas cidades não conseguissem registrar todos os óbitos no sistema nacional oficial”.

“Além disso, muitas cidades reportaram à Secretaria de Estado da Saúde instabilidade do sistema desde a tarde de ontem [terça], também dificultando a inserção de dados.”

Na terça, São Paulo confirmou 1.021 óbitos, principalmente por causa do represamento no fim de semana, que é mais alto do que nos dias úteis.

Nesta quarta, porém, foram 281 óbitos confirmados em 24 horas, número mais baixo para este dia da semana desde 17 de fevereiro – e bem inferior à média móvel registrada nesta terça, de 532 mortes diárias. Com a queda na produtividade, a média também caiu para 484.

Em Mato Grosso do Sul, o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, afirmou que as 20 novas mortes confirmadas em 24 horas não representam a “realidade”.

“Nós estamos tendo muito mais óbitos que esses anunciados hoje. Mas é porque o sistema, chamado Sivep, está com oscilação, está dificultando a inserção de dados, e certamente amanhã nós vamos ter um número elástico de óbitos, já que a nossa média móvel já ultrapassou a 30 óbitos por dia”, afirmou o secretário de Saúde de MS, Geraldo Resende.

“E a gente sabe que esse número de hoje está a menor do que o que aconteceu nos últimos dias por essa oscilação do sistema do Ministério da Saúde.”

No Rio Grande do Sul, a Prefeitura de Porto Alegre também confirmou em nota “que enfrenta problemas para inserir dados sobre o coronavírus no sistema Sivep-Gripe, do Ministério da Saúde” e que a situação ocorre desde terça-feira.

Segundo a prefeitura da capital gaúcha, “a instabilidade possivelmente tem causado represamento nos dados”, já que hospitais da cidade também submetem dados ao sistema.

A prefeitura diz que “apura mais informações sobre o atraso” e que o “Ministério da Saúde informou ao município que ‘estão tentando localizar o problema e resolver o quanto antes'”.

Impacto na contagem de mortes

A ficha do Sivep-Gripe é válida para todos os hospitais e vigilâncias municipais do país. A ficha do paciente vai sendo preenchida conforme o ele evolui e novas informações são obtidas – como o resultado de exames, a necessidade de internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ou de ventilação mecânica, além da data da alta ou do óbito.

Segundo técnicos que são usuários do Sivep, em mudanças anteriores da ficha, não houve necessidade de preenchimento retroativo de novos campos para pacientes que já constavam do sistema.

Coordenador do InfoGripe – plataforma da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que desde antes da pandemia já usava o Sivep-Gripe para rastrear os casos de SRAG no Brasil –, Marcelo Gomes explica que a mudança vai afetar no atraso de notificação de casos e de óbitos.

Segundo ele, “é uma mudança que facilita a limpeza de duplicidades e identificação de casos suspeitos de reinfecção, mas o impacto na ponta é muito grande por conta da falta de acesso fácil ao CPF e CNS de todos os pacientes internados”.

Ele explica que “diversos pacientes buscam atendimento apenas com RG, tornando a ausência de acesso ao CPF importante. Nesses casos, torna-se necessário o agente de saúde pesquisar o CNS do paciente, caso já tenha sido cadastrado ou efetuar o cadastro do CNS caso contrário”.

Para Gomes, a mudança “tende a atrasar ainda mais o registro, aumenta a carga de trabalho, por ter que buscar o CNS do paciente que não apresentar CPF, e corre-se o risco de perda de registros por conta disso”.

G1

Opinião dos leitores

  1. A ditadura queria esconder ao surto de meningite e o Bozo quer agora reeditar essa "façanha" com a Covid-19. Não cola!!!
    #ForaBolsonaro

  2. Maus fácil seria fazer como a Correia dó Norte. Não tem covid-19 e pronto. Se não tem não tem mortes. 🤔🤔

    1. Se tiver um GENOCIDA nessa pandemia é sua Governadora, que recebeu muito dinheiro do Governo Federal e não providenciou UTI suficiente para a população, ainda fechou as que abriu. Mais de 500 morreram sem acesso a uma UTI, isso é que poderia ser chamado de Genocídio.

  3. Muito bom, tem gente morrendo de diversas doenças e infectados com a covid. Tem que separar morte por covid e morte com covid.

    1. Incluir CPF como obrigatório é querer esconder os fatos? Entendi. Obrigado por nos iluminar com sua sabedoria e inteligência.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde considera região Sul epicentro da pandemia no país

VEJA REPORTAGEM EM VÍDEO AQUI

O Ministério da Saúde considera a região Sul o epicentro da crise sanitária no país. Diante deste cenário, os governadores Carlos Moisés (PSL), de Santa Catarina, Ratinho Jr. (PSD), do Paraná, e Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul, solicitaram à pasta que seus estados tenham prioridade na disponibilização de vacinas contra a Covid-19.

Além disso, os três governadores decidiram unir forças para combater o coronavírus. Eles fizeram um acordo para formar uma espécie de “sistema interestadual de saúde”.

Isso se dará com o compartilhamento de informações, medidas de combate e utilização de sistemas de saúde entre os estados. Eles também vão disponibilizar medicamentos, insumos e equipamentos.

Levantamento da CNN mostra que o Brasil tem pelo menos 17 unidades da federação que estão em colapso em razão da alta de demanda por vagas de alta complexidade em razão da pandemia.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Moro aceitou convite para ministério de olho em vaga no STF, apontam supostos diálogos

Foto: Agência Brasil

Novas mensagens apreendidas na “operação spoofing” apontam que o ex-juiz Sérgio Moro aceitou o convite para ser ministro da Justiça e Segurança Pública no governo Jair Bolsonaro para adquirir “maior quilate para indicação futura ao Supremo Tribunal Federal”.

A revelação consta em uma troca de mensagens entre procuradores da autodenominada “força-tarefa da Lava Jato”, que foi incluída em nova petição da defesa do ex-presidente Lula enviada ao STF. A conversa ocorreu em 31 de outubro de 2018, dias após a vitória de Bolsonaro no segundo turno da eleição presidencial

O procurador Athayde Ribeiro disse aos colegas que Moro teria passado o dia reunido com os delegados da Polícia Federal Maurício Valeixo e Igor Romário de Paula (ambos levados à Brasília por Moro). O ex-juiz teria confidenciado aos delegados que poderia aceitar o convite para ser ministro da Justiça de olho em uma vaga no STF.

“A tendência é aceitar o convite que tb dará maior quilate para indicação futura ao STF”, afirmou Athayde. “Cara teimoso”, respondeu a procuradora Laura Tessler. Já a procuradora Jerusa Viecili disse que Moro aceitaria ser ministro por uma possível vaga no STF e previu pedidos de nulidade de ações da “lava jato”: “Vão chover alegações de nulidade nos processos. LJ vai ladeira abaixo, no meu ponto de vista”.

Para a defesa de Lula, mesmo após Moro deixar a magistratura para assumir o ministério da Justiça, “em um pleito diretamente influenciado pela atuação do ex-magistrado, a 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba continuou a serviço do ‘lavajatismo'”.

Conforme os advogados, juíza substituta Gabriela Hardt assumiu provisoriamente o cargo deixado por Moro e passou a estabelecer contatos com a “força-tarefa”. Depois, o juiz Luiz Antônio Bonat, “que veio a assumir a titularidade da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba após uma intensa articulação da ‘força-tarefa'”, passou a ser chamado pelo codinome de “New Russia”, em referência ao “Russo”, apelido de Moro entre os procuradores.

Leia a íntegra da conversa:

31 Oct 18

• 15:17:14 Athayde News… Estive com Pace o qual informou que a Russia passou a tarde ontem com Igor e Valeixo.. A tendência é aceitar o convite que tb dará maior quilate para indicação futura ao STF.. (evidente que é off)

• 15:17:42 Athayde em se concretizando quero lançar a campanha #DeltanPGR

• 15:18:09 Laura Tessler Pqp

• 15:18:21 Laura Tessler Cara teimoso…

• 15:19:11 Laura Tessler Quem poderia ir para a vaga do Moro? Tem como monitorar alguém para ocupar a vaga dele? Não da pra deixar que venha um louco vaidoso

• 15:25:52 Jerusa Vai aceitar ser MJ por uma possível futura vaga no STF. Vão chover alegações de nulidade nos processos. LJ vai ladeira abaixo, no meu ponto de vista.

Consultor Jurídico

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde assina contrato de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V

Foto: Maxim Shemetov/Reuters

O Ministério da Saúde assinou nesta sexta-feira (12) um contrato para adquirir 10 milhões de doses da vacina Sputnik V, que serão importadas da Rússia pelo laboratório União Química.

O cronograma da pasta prevê que 400 mil dessas doses cheguem até o final de abril, 2 milhões em maio e o restante, até o fim de junho.

O imunizante ainda não tem registro ou autorização para uso emergencial junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Em entrevista coletiva mais cedo, o gerente-geral de medicamentos da agência, Gustavo Mendes, disse que o laboratório não enviou resposta às exigências feitas pelo órgão regulador, mas que a Anvisa segue aberta para discussão.

“A expectativa é que os próximos passos sejam tomados pela empresa”, afirmou ele.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

    1. Imagina os governadores do Nordeste que conseguiram 39 milhões da mesma vacina? Ô buscado de esquerdista bom, ou pelo menos melhor que o palerma do Pazuello.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde confirma acordo com a Moderna para compra de 13 milhões de vacinas contra a Covid-19

 Foto: REUTERS/Eduardo Munoz

O Ministério da Saúde informou à CNN nesta sexta-feira (5) que fechou acordo com a Moderna para compra de vacinas contra a Covid-19 produzidas pela farmacêutica americana.

Ao todo, o acordo prevê 13 milhões de doses da vacina no segundo semestre de 2021.

Segundo integrantes da pasta, o acordo foi fechado durante a reunião do secretário-executivo do ministério, Elcio Franco, com representantes da Moderna na manhã desta sexta (5).

Os auxiliares do ministro Eduardo Pazuello ressaltaram que o contrato ainda não foi fechado. A previsão é de que a assinatura ocorra nas próximas semanas após ajuste dos termos.

Confira o cronograma previsto de entrega das doses da vacina:

Total: 13 milhões de doses em 2021

Até final de julho: 1 milhão de doses

Até final de agosto: 1 milhão

Até final de setembro: 1 milhão

Outubro e dezembro: 10 milhões

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Julhoooo?? Kkkkk, esse ministério da saúde é uma piada. Ainda bem que o presidente DORIA, tomou a frente e possibilitou vacina para os brasileiros.

    1. Eh só esse “argumento “ que vc tem pra defender seu MINTOmaníaco? Kkkkkkk. A limitação intelectual parece ser condição sine qua non pra ser bolsopetista!

    2. Mais uma vez o Bozo cancela o pronunciamento que ia fazer na tv….
      O Mito é um frouxo mesmo…..
      Ser uma vaca sebosa de um covarde como o Bozo é o fundo do poço da decadência

  2. Massa! Assim quem sabe não sofreremos tanto na terceira onda, pq agora na segunda a pilha de mortos vai pra conta do MINTOmaníaco!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Com repasse federal de R$ 89,3 milhões, Ministério do Desenvolvimento Regional autoriza início de obras na linha ferroviária de Natal e anuncia investimentos em Recife e João Pessoa

(Foto: Adalberto Marques/Ascom MDR)

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) autorizou, nesta quarta-feira (10), o início das obras no sistema de transporte de passageiros sobre trilhos da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em Natal (RN). Também foram anunciados repasses para Recife (PE) e João Pessoa (PB). O investimento federal nas ações será de aproximadamente R$ 89,3 milhões.

O maior montante – R$ 58,3 milhões – será investido na implantação da Linha Branca, em Natal. O empreendimento, que já teve início autorizado, será composto por 24 quilômetros de via, com quatro estações. As cidades de São José de Mipibú e Nísia Floresta serão beneficiadas com a iniciativa – o trecho começa na última estação da Linha Sul. A previsão é de que cerca de 6,8 mil passageiros utilizem o serviço diariamente com o acesso à capital, além de apoiar o turismo na região.

De acordo com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, os investimentos fazem parte do processo de modernização e ampliação do sistema de trens urbanos de Natal. “Esse ato que fazemos aqui hoje responde a uma reivindicação da população, que vai ter a capacidade de se locomover com conforto para o trabalho e para as suas casas. Há mais de 10 anos não havia investimento em novas linhas, apesar de todas as necessidades e demandas apresentadas. O governo do presidente Jair Bolsonaro tem compromisso com aqueles que mais precisam da ação do Estado”, ressaltou Marinho.

Recife e João Pessoa receberão R$ 31 milhões

Também foram anunciados investimentos nas linhas em Recife e em João Pessoa.

Na capital pernambucana, R$ 21 milhões serão destinados para a recuperação de coberturas das estações e implantação de acessibilidades para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida na Linha Sul.

Já em João Pessoa, o repasse de R$ 10 milhões será utilizado na implantação de quatro desvios que permitirão a redução no tempo de espera e trarão mais conforto e segurança aos passageiros.

O presidente da CBTU, José Marques, ressaltou o empenho do Governo Federal para atender também aos outros estados, como Pernambuco e Paraíba, que têm a operação do sistema ferroviário sob a coordenação da entidade. “O Ministério tem dado todo o apoio em relação a todos os projetos, seja na expansão da malha ferroviária, como no início dos trabalhos da Companhia em Brasília”, destacou.

Opinião dos leitores

  1. Esse é o cara q tirou os direitos do trabalhador. Se elege nem pra técnico de time de futebol de botão.

  2. Ôôôôhh…véi bom da gota serena.
    Kkkkkkkkk.
    Primeiro turno babacas.
    O Nordeste agora é Bolsonaro.
    Tchau queridos

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde negocia compra de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V

Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Estadão Conteúdo

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, anunciou nesta sexta-feira (5) a intenção de comprar 10 milhões de doses da vacina Sputnik V importadas da Rússia. A informação foi divulgada pelo ministério.

A compra, no entanto, só vai ser concretizada se a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberar o uso emergencial da vacina e se o governo considerar o preço “competitivo”.

Elcio comunicou a intenção a representantes do laboratório União Química, que deverá produzir o imunizante no Brasil, em uma fábrica no Distrito Federal.

O ministério também disse que, num momento posterior, pretende comprar doses da Sputinik V fabricadas pelo laboratório em território nacional.

O interesse do governo pela Sputnik V aumentou depois de a Anvisa ter retirado a exigência de estudos de fase 3 conduzidos no Brasil para aprovação de uso emergencial das vacinas contra a Covid-19. A fase 3 é quando a vacina é testada em larga escala, com milhares de voluntários, para avaliar sua segurança e eficácia.

Até então, os estudos da fase 3 tinham que ter sido feitos obrigatoriamente no país, o que não aconteceu com a Sputnik V.

Após a decisão da Anvisa, o governo sinalizou também interesse na vacina Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech. Somando as compras iniciais da Sputnik e da Covaxin, o governo estima obter 30 milhões de doses.

Andamento das vacinas

Quatro desenvolvedores fizeram testes no país: a Pfizer, a Johnson, Oxford e a Sinovac. Até agora, apenas as vacinas de Oxford e da Sinovac foram aprovadas emergencialmente e estão sendo aplicadas na população.

Dessas duas, só a Oxford publicou resultados preliminares em uma revista científica de seus testes de fase 3.

A Pfizer ofereceu doses ao país, mas ainda não teve aprovação de uso emergencial da Anvisa e as negociações com o governo federal têm enfrentado obstáculos.

A Sputnik V e a vacina do laboratório Moderna têm estudos de fase 3 com resultados publicados em revistas científicas, mas conduzidos fora do país.

G1

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ministério do Desenvolvimento Regional aplicará R$ 393 mil no diagnóstico de falésias no RN

Foto: Reprodução/Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte

O Ministério do Desenvolvimento Regional anunciou nesta quarta-feira (23) uma parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para a realização de um diagnóstico da situação das falésias no estado. Serão aplicados R$ 393,7 mil no projeto.

O trabalho será realizado nas praias de Pipa, em Tibau do Sul, e Barra de Tabatinga, no município de Nísia Floresta. O relatório preliminar será entregue pela universidade no primeiro trimestre de 2021 e deverá apontar soluções para evitar desmoronamentos e aumentar a segurança de moradores e turistas que frequentam a região.

Em novembro, um casal e uma criança morreram ao serem atingidos pelo desmoronamento de parte de uma falésia, na Praia de Pipa, um dos principais pontos turísticos do estado, distante 80 quilômetros de Natal.

Erosões

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) divulgou ontem (22) um estudo inédito sobre as áreas vulneráveis à erosão hídrica em todo o país.

O trabalho gerou mapas que foram disponibilizados por meio da plataforma do Programa Nacional de Levantamento e Interpretação de Solos. Os dados poderão ser usados para elaboração de políticas publicas.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

‘Sei que o sr é um homem honrado’, diz Álvaro Antônio a Ramos em pedido de desculpas por ‘ato injusto e impensado’

Foto: Jorge William / Agência O Globo

Antes de ser demitido por ter enviado uma mensagem com ataques ao ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, o agora ex-ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio usou o mesmo grupo de WhatsApp de ministros do governo Jair Bolsonaro para pedir desculpas ao colega, dizendo saber que ele é um “homem honrado”. “Mais uma vez peço que me perdoe pelo ato injusto e impensado da minha parte”, complementou. Ele enviou o texto na noite de terça-feira, horas depois de ter chamado Ramos de “traíra” no aplicativo de mensagens. Mas a retratação não evitou que o presidente decidisse demiti-lo, na tarde de quarta.

“Caros colegas, venho neste mesmo espaço me desculpar com o Ministro Ramos. Tomei uma iniciativa inadequada após ouvir algumas conversas. Como disse o próprio Ministro Ramos a [sic] pouco e pessoalmente comigo, q forma mais adequada seria procurá-lo e relatar o ocorrido. Mas creio que todos nós em algum momento da vida agimos erroneamente, foi o meu caso. Ministro Ramos, sei que o Sr é um homem honrado. Mais uma vez peço que me perdoe pelo ato injusto e impensado da minha parte. Um abraço fraterno!”, escreveu Álvaro Antônio.

Na primeira mensagem, o então ministro do Turismo pediu desculpas aos colegas por “utilizar este espaço com objetivo que não seja a construção de um Brasil melhor”. E disparou contra Ramos: “O Sr deveria ter aprendido na sua própria formação militar que não se joga um companheiro de guerra aos inimigos, não se pode atirar na cabeça de um aliado…Ministro Ramos, o Sr é exemplo de tudo que não quero me tornar na vida, quero chegar ao fim da minha jornada EXATAMENTE como meus pais me ensinaram, LEAL aos meus companheiros e não um traíra como o senhor (sic)”.

O agora ex-ministro destaca no texto que como deputado apoia a candidatura de Bolsonaro desde 2016 e questionou qual a atuação de Ramos neste período. “Quem estava na campanha eram os conservadores que hoje o senhor ataca sem parar, de forma covarde”, escreveu. Leia a mensagem na íntegra.

Bolsonaro se irritou ao ver a exposição de mais uma briga entre integrantes do governo. Após o episódio no qual o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chamou Ramos de “Maria Fofoca” após a colunista do GLOBO Bela Megale revelar enfrentamentos entre ele e a ala militar do governo, o presidente pediu em uma reunião ministerial que as rusgas fossem resolvidas de forma reservada.

Ao ser chamado para o Planalto na tarde de quarta-feira, Álvaro Antônio se encontrou com Ramos e os dois bateram boca. Testemunhas relataram ao GLOBO que o clima ficou “tenso” e houve “gritaria”.

O Globo

Opinião dos leitores

    1. Com esse imbecil do Minto pode fazer laranjal, só não pode ocupar a vaga do centrão. E o gado idiota aplaude.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Bolsonaro diz que atual ministro da Justiça é ‘muito melhor’ que Moro, e cita recorde de apreensões de drogas, de recursos, prisões de bandidos e outros pela PF

Foto: Reprodução / TV Brasil

O presidente Jair Bolsonaro fez críticas ao ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, nesta quinta-feira (8), durante solenidade de encerramento dos cursos de formação da Polícia Federal, em Brasília.

Segundo Bolsonaro, o atual titular da pasta, André Mendonça, é “muito, mas muito melhor do que o outro que nos deixou há pouco tempo”.

“E a prova está aí: recorde de apreensões de drogas, de recursos, de prisões de bandidos, entre outros. Isso é muito bom para todos nós, isso dá esperança para o Brasil.”

Uma das críticas a Moro, que deixou o cargo no fim de abril, foi a de que ele demorou para liberar o curso de formação de policiais federais. André Mendonça teria tido papel importante na autorização.

“Quando houve a troca de ministro estava em voga aceitar ou não vocês que faziam parte do concurso anterior. Nós conseguimos sensibilizar o ministro da Economia e conseguimos fazer com que vocês viessem fazer o curso e ingressar na PF”, afirmou o presidente, que disse ainda que no ano que vem serão abertas duas mil novas vagas.

Bolsonaro também afirmou que, ao contrário de governos anteriores, não tem dado motivo para a PF ir atrás de seus ministros.

O presidente também citou que um de seus filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), é formado pela corporação. “Também tenho um filho na PF. O 03. E ele muito me orgulha. Ele atualmente é parlamentar, mas tem um saldo muito positivo”, comentou.

Ele também analisou que o trabalho da PF no combate à corrupção, principalmente durante a Operação Lava Jato, fez a população olhar de uma maneira diferente para os políticos. “E isso fez com que eu me elegesse presidente.”

O ministro da Justiça, André Mendonça, falou um pouco antes. Ele afirmou que Bolsonaro sempre exigiu que o ministério garantisse autonomia e condições para desempenhar seus trabalhos.

André Mendonça teve liberação dos médicos para acompanhar a cerimônia. Em meados de setembro, ele foi diagnosticado com uma inflamação no coração e teve de ser internado.

R7

Opinião dos leitores

  1. Vindo da boca do presidente isso é elogio. Com todo o arrumadinho e maracutaias que fez com os investigados da lava jato e juizes, Bolsonaro ainda se preocupa com o seu principal adversário nas eleições, a verdade. Ele hoje é o principal cabo eleitoral de Moro, e não perde a oportunidade de falar merda.

    1. Taí um candidato que não mete medo no Bolsonaro, o tal do Moro tá com a moral tão em baixa e tão preocupado com o Brasil que vai imitar o Jean Willys e vai se exilar em outro país.

  2. Não faz muito tempo e o Sérgio Moro era o cara perfeito ! Vá acreditar nessa cambada de políticos. A raça mais desprezível do mundo !

  3. O marreco de Maringá prendeu o opositor do miliciano (sem provas), elegeu o rei do gado e depois, foi descartado.

    1. "sem provas": É com muito prazer que lhe confiro o seu CRP – Certificado de Retardado Petista. Honraria somente conferida a poucos, companheiro.

    2. Moro não foi descartado!
      Apenas OPTOU em sair do governo por divergências na gestão da PF.
      Marrecos existem no sítio de Atibaia e gado é o animal que a JBS,[ empresa muito conhecida da Dilmanta, íntima de Luladrão e Temer(sóclise)], utiliza em suas falcatruas.
      E miliciano é o soldado dos sindicatos, contratado com $ do trabalhador, controlados por Stedle, José Plástica Dirceu, Luladrão e cia PeTralha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Agricultura confirma foco de peste suína clássica no Piauí

Foto: Divulgação/ Governo federal

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou nesta segunda-feira (5) um foco de Peste Suína Clássica (PSC) no Piauí. O diagnóstico foi confirmado pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Pedro Leopoldo (MG), por técnica de diagnóstico molecular (RT-PCR em Tempo Real).

O caso ocorreu no município de Parnaíba, norte do estado, em criatório de suínos para subsistência. Segundo o ministério, o estado é localizado fora da zona reconhecida como livre de PSC pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

“A ocorrência já foi notificada pelo Ministério à OIE e não há justificativas para restrições ao comércio internacional de suínos e seus produtos”, afirmou a pasta por meio de nota. O último foco de PSC no Piauí havia sido encerrado em novembro de 2019.

O ministério informou ainda que a propriedade em que se identificou o foco da doença foi interditada e o serviço veterinário estadual está adotando os procedimentos determinados pela pasta para eliminação do foco, incluindo sacrifício dos suínos e desinfecção da propriedade afetada, além de investigações para rastreamento de provável origem e vínculos epidemiológicos.

Peste Suína Clássica

A Peste Suína Clássica (PSC), também conhecida como febre suína ou cólera dos porcos, é uma doença viral, altamente contagiosa, que afeta somente suínos e javalis. Não oferece riscos à saúde humana e não tem impacto na saúde pública.

O estado do Piauí faz parte da zona não reconhecida como livre de PSC, juntamente com outros 10 estados (AL, AM, RR, PA, AP, MA, CE, RN, PB, PE).

Os limites entre as zonas livre e não livre de PSC são protegidos por barreiras naturais e postos de fiscalização, onde procedimentos de vigilância e mitigação de risco para evitar a introdução da doença são adotados continuamente.

A zona livre de PSC do Brasil concentra mais de 95% de toda a indústria suinícola brasileira.

Toda a exportação brasileira de suínos e seus produtos são oriundas da zona livre, que incorpora 15 estados brasileiros e o Distrito Federal (RS, SC, PR, MG, SP, MS, MT, GO, DF, RJ, ES, BA, SE, TO, RO e AC), e não registra ocorrência da doença de PSC desde janeiro de 1998.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ministério da Economia autoriza concurso para 207 cargos temporários

Foto: Ilustrativa

O Ministério da Economia autorizou a realização de concursos públicos para 207 cargos diversos de caráter temporário. Destes, 107 serão destinados ao Depen (Departamento Penitenciário Nacional), órgão subordinado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, para atender a encargos temporários de obras e serviços de engenharia destinados à construção, à ampliação e à reforma de complexos penais.

As outras 100 vagas serão direcionadas a SPPE (Secretaria de Políticas Públicas de Emprego) e a Sepec (Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade), nas funções de coordenador de análise de prestação de contas temporário, analista, agente de apoio de prestação de contas temporário e analista de instauração de tomada de contas especial.

O aval para criação dos concursos consta em portarias publicadas no DOU (Diário Oficial da União) nesta terça-feira (6).

O prazo para a publicação dos editais de abertura de inscrições para os processos seletivos será de até seis meses, contados a partir a da publicação das Portarias.

Para os cargos destinados ao Depen, a duração dos contratos, bem como as possíveis prorrogações vão seguir as normas dispostas no art. 4º da Lei nº 8.745, de 1993. Já para as demais vagas, os contratos serão de até quatro anos, podendo ser prorrogados.

Assinaram as portarias o secretário especial de desburocratização, gestão e governo digital do Ministério da Economia Caio Paes de Andrade, e o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública Tarcio Issami Tokano.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *