Esporte

BRINCADEIRA: Sistema de Wi-fi para torcedores na Arena das Dunas e mais cinco estádios OFF

Dos 12 estádios que vão sediar jogos da Copa do Mundo, seis não terão reforço do sinal de internet com redes sem fio (wi-fi), por falta de acordo entre as operadoras de telefonia e as administrações dos estádios. Na Arena Corinthians (São Paulo), Arena Pernambuco (Recife), Arena das Dunas (Natal), no Estádio Castelão (Fortaleza), Mineirão (Belo Horizonte) e na Arena da Baixada (Curitiba), os torcedores contarão apenas com o reforço nas antenas de telefonia móvel para transmissão de voz e dados (3G e 4G).

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) alega que não houve autorização para instalar as estruturas. O diretor-executivo da entidade, Eduardo Levy, disse que os estádios optaram por ter rede própria de wi-fi para, provavelmente, usá-la em rede comercial.

A administração da Arena Castelão, em Fortaleza, disse que nunca recebeu proposta formal de  operadora para a instalação de wi-fi no estádio. “As empresas de telefonia instalaram as antenas para uso das redes 3G e 4G que funcionam a contento. Nunca fizeram uma proposta para se chegar a um acordo real de instalação de rede wi-fi”, informou a assessoria de imprensa do Castelão. A administração do estádio oferece acesso gratuito a rede wi-fi para profissionais de imprensa que atuam na cobertura dos jogos, mediante distribuição prévia de logins e senhas.

A concessionária que administra o Mineirão esclareceu que cedeu, há mais de um ano, uma área exclusiva com mais de 200 metros quadrados (m²) para instalação dos equipamentos e disponibilizou a infraestrutura do estádio para passagem de cabos, instalação de antenas e alimentação elétrica. “Este acordo comercial foi validado pela concessionária com valor inferior ao que era pago anteriormente pelas operadoras à antiga administradora do estádio”, informou. A concessionária também reiterou que estará aberta à negociação para a instalação das opções de rede wi-fi após a solução de pendências nos contratos com as empresas de telefonia.

A Arena Pernambuco informou que, na realização dos jogos do Náutico e em outros eventos, oferece rede wi-fi para diversos serviços operacionais, área de imprensa e de público. Mas o serviço será desligado durante a Copa do Mundo, por solicitação da Fifa. Já a Secretaria Especial da Copa de Pernambuco (Secopa-PE) disse que conta com rede de internet sem fio em todas as áreas exigidas pela Fifa, mas a rede não abrange a área de espectadores. “A negociação entre a empresa Claro e o administrador do estádio (Consórcio Arena Pernambuco) não se confirmou para essa área, já que não se trata de uma exigência da Fifa para o Mundial”, diz a Secopa-PE.

A Agência Brasil também procurou as administrações da Arena Corinthians (São Paulo), da Arena da Baixada (Curitiba) e da Arena das Dunas (Natal), mas não obteve resposta dos estádios.

Apesar de ainda não ter conseguido instalar a rede wi-fi em seis estádios, a expectativa das operadoras de telefonia é positiva. “A rede wi-fi é um complemento. É um plus em um projeto eficiente que foi feito para celular”, disse Levy destacando que o projeto é superior ao feito para as Olimpíadas de Londres.

Após participar de audiência pública no Senado, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse ter sido informado de que a administração Arena Corinthians manifestou interesse em instalar wi-fi, mas cobrar pelo serviço.

Segundo Paulo Bernardo, o governo não vai intervir na negociação entre as operadoras de telefonia e os administradores dos estádios para a instalação do wi-fi, pois essa é uma questão comercial e privada. “É uma negociação privada, e o governo não vai fazer lobby nem para o dono do estádio nem para as teles”, disse o ministro.

Apesar disso, o ministro tem feito elogios públicos à solução encontrada pelo governo do Distrito Federal – que é responsável pelo Estádio Nacional Mané Garrincha – para a questão. “Esse estádio fez acordo com cinco empresas. Cada uma [das operadoras] paga R$ 2,5 mil por mês. Isso significa R$ 12,5 mil de receita mensal.”

Em diversos momentos, o ministro tem ressaltado a importância de redes sem fio para o aumento da capacidade de transmissão de dados nos estádios. “Quando você vai no réveillon no Rio, no carnaval no Rio, na Bahia, em Recife, fica muito difícil usar rede de dados. Todo mundo quer usar, quer mandar foto para a mamãe no Facebook. Mas isso sobrecarrega a rede. É para melhorar isso que se precisava dos pontos de wi-fi”, diz o ministro.

Nos outros estádios – Brasília (Mané Garrincha), Rio de Janeiro (Maracanã), Salvador (Arena Fonte Nova), Cuiabá (Arena Pantanal), Manaus (Arena da Amazônia) e Porto Alegre (Beira-Rio) – a rede wi-fi estará disponível.

Com a rede wi-fi, o usuário pode acessar a internet gratuitamente, do interior dos estádios. O acesso será livre e sem senhas. Basta ativar o wi-fi do smartphone. A ideia é reforçar o sinal nos estádios durante os jogos, quando muitos torcedores querem acessar as redes de dados e de celulares.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

SindiTelebrasil diz que Arena das Dunas e mais cinco estádios impedem instalação de wifi das operadoras

Representantes das operadoras de telefonia móvel aproveitaram audiência pública do Senado para reiterar críticas a administradoras de seis estádios que têm colocado dificuldades para a instalação de equipamentos. Isso, nas opiniões manifestadas por representante do setor, poderá comprometer a prestação dos serviços nos estádios durante a Copa do Mundo. A maior dificuldade tem sido a autorização para a instalação de rede wifi, equipamento que aliviaria a demanda por serviços móveis em grandes aglomerações, por possibilitar conexões sem fio a partir da rede de telefonia fixa.

Segundo o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), devido à falta de autorizações, ainda não foi possível instalar as estruturas nos estádios de São Paulo, Curitiba, do Recife, de Fortaleza, Natal e Belo Horizonte. De acordo com a entidade, os clientes das operadoras de celular terão acesso gratuito às redes wifi instaladas por elas nos estádios.

“Para ampliar a capacidade das redes em locais de alta concentração, pode-se usar o wifi. Mas, no caso dos 12 estádios existentes, seis optaram por ter rede própria de wifi para, provavelmente, usá-la em rede comercial”, disse o presidente do SindiTelebrasil, Eduardo Levy.

O representante das operadoras citou o Estádio Nacional Mané Garrincha como referência, já que as autorizações e disponibilização de espaço foram feitas com antecedência. “Nele, todas as empresas se uniram para implantar uma rede única, a exemplo do que foi feito em Londres [durante as Olimpíadas de 2012]”. Ele explica que cada estádio precisa de cerca de 300 antenas para dar conta da demanda. “Mas além disso precisamos também de uma área com cerca de 200 metros quadrados para instalação de equipamentos”.

De acordo com o presidente da Claro, Carlos Zenteno, a situação “mais urgente” é a dos estádios entregues por último – em especial, o de Porto Alegre, entregue em março, e o de Curitiba, entregue em abril. “Temos poucas semanas para instalar toda uma complexidade de equipamentos. O tempo está contra nós, mas [caso as empresas recebam as autorizações] vamos correr e fazer de todo o necessário para garantir qualidade [do sinal] nos estádios”.

Presidente da Vivo e ex-presidente da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), Antonio Carlos Valente disse que os atrasos na entrega de infraestrutura em alguns estádios já comprometeu a realização de testes. “No Paraná e em São Paulo, não será possível fazer testes de desempenho do sistema antes dos jogos”, disse ele.

Sobre o sinal em aeroportos, Valente disse que a telefonia móvel de quarta geração (4G) já instalou “soluções paliativas” nos aeroportos Santos Dumont e do Galeão (ambos no Rio de Janeiro), e nos de Congonhas (São Paulo), Salvador, Fortaleza, do Recife e de Brasília. “Estão em andamento as negociações para os aeroportos de Confins [em Minas Gerais], Porto Alegre, Curitiba, Natal, Manaus e Cuiabá, além de Viracopos e Guarulhos [ambos em São Paulo]. Em todos esses ainda dependemos de espaço, de negociações ou de ambos”, disse ele.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Anatel diz que vai multar empresas por não atingirem metas de conexão à internet móvel

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, disse ontem (17) que as operadoras de telefonia móvel deverão ser multadas por não terem atingido as metas estabelecidas pela agência para o serviço de conexão à rede de dados. “Vamos abrir um processo e elas poderão apresentar suas alegações”, disse.

Uma avaliação divulgada ontem pela Anatel mostrou que a taxa de acesso à rede de dados das quatro empresas analisadas (Vivo, Claro, TIM e Oi) ficou em 95%, enquanto a meta da agência é 98%.“Está abaixo da meta, mas não dá para dizer que o serviço está em declínio, tem uma estabilidade nos últimos meses”, disse Rezende.

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) informou que as empresas estão empenhadas em aprimorar a qualidade dos serviços e apresentaram desempenho melhor que a meta definida para indicadores de acesso à rede de voz, de qualidade da ligação de telefônica e de estabilidade da conexão à internet. A entidade também informou que a Anatel registrou diminuição no número de reclamações sobre falhas de rede no call center da agência.

“O SindiTelebrasil alerta para a necessidade de se estabelecer alavancas para estimular a expansão dos serviços, com qualidade e cobertura adequada de sinais e retirar os entraves à instalação de antenas previstos em diversas leis municipais”, diz a nota da entidade.

Da Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *