Esporte

Colômbia reabre estádios ao público com 25% da capacidade a partir desta terça-feira em municípios onde as UTIs estejam com ocupação abaixo de 85%

Estádio Metropolitano de Barranquilla — Foto: Reuters

O Ministério da Saúde da Colômbia anunciou que encerrará depois de quase 15 meses a proibição de público em eventos esportivos que não estejam em cidades muito afetadas pela pandemia. A medida autoriza o uso de 25% da capacidade em municípios onde as unidades de terapia intensiva (UTI) estejam com ocupação abaixo de 85%.

Uma das cidades que estarão habilitadas é Barranquilla, ao norte, onde a Colômbia disputará o jogo das eliminatórias sul-americanas da Copa do Mundo de 2022, contra a Argentina, na terça-feira que vem, em 8 de junho, quando a nova disposição começará a valer. Apesar de o país ter batido recordes de casos e mortes pelo vírus nos últimos dias, Fernando Ruiz, encarregado do ministério, afirma que “praticamente todas as cidades da costa norte da Colômbia já passaram deste terceiro pico” da pandemia.

Em relação às competições de clubes, nenhum time colombiano passou às oitavas da Libertadores. Mas dois disputam a próxima fase da Copa Sul-Americana. O América de Cáli recebe o Athletico-PR em 13 de julho, e o Junior Barranquilla joga em casa contra o Libertad, do Paraguai, no dia seguinte.

Em proporção a sua população, a Colômbia é o quarto país com mais mortes pelo novo coronavírus na América Latina e Caribe, atrás de Peru, Brasil e México. Quase 90 mil pessoas morreram pela pandemia e mais de 3,4 milhões se infectaram.

Protestos contra o governo atrapalharam recentemente a disputa de partidas pela Copa Libertadores na Colômbia. Além disso, manifestações contrárias à organização da Copa América no país forçaram a mudança da sede dupla somente para a Argentina, até que foi proibida também no outro país e acabou sendo confirmada no Brasil.

Globo Esporte

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Paes recua e diz que vai revogar público em estádios no Rio de Janeiro

 Foto: Alexandre Loureiro/Reuters

O prefeito Eduardo Paes voltou atrás e anunciou que vai revogar a presença do público nos estádios do Rio.

A volta da torcida às arquibancadas constava das novas regras contra a Covid-19 publicadas nesta quarta-feira (13) em uma resolução conjunta das secretarias de Saúde do estado e do município.

Em uma rede social, Paes escreveu:

“A decisão de liberar os estádios com uma ocupação máxima de 1/10 está correta tecnicamente, de acordo com nossa secretaria de saúde. No entanto, obviamente trata-se de medida quase impossível de ser fiscalizada. A medida será revogada.”

A reabertura das arquibancadas seria com restrição da capacidade, dependendo da classificação de risco para Covid-19 da região, divulgada toda sexta-feira pelo município.

O último boletim, divulgado no dia 8, trazia 18 bairros com risco alto — caso dos três principais estádios do Rio.

O painel de Covid-19 registrava, na manhã desta quarta-feira (13), 15.664 mortos na capital, com 175 mil casos. Em todo o estado, eram quase 27 mil óbitos e 465 mil casos.

As mortes por Covid-19 no RJ estavam com tendência de alta (+115%), segundo o mesmo boletim.

Nesta quarta, 140 pacientes com suspeita ou confirmação da doença aguardavam transferência — 62 para uma vaga na UTI e 78 para enfermaria.

Outras regras

A resolução tratava ainda do funcionamento de boates, cinemas e teatros. Ao anunciar o recuo nos estádios, Paes não esclareceu se essas medidas serão mantidas.

Casas noturnas devem interditar a pista de dança e proibir pessoas em pé entre as mesas, independentemente da classificação de risco.

Se o estabelecimento ficar em uma região com risco moderado, poderá ter metade da capacidade; com risco alto, 25%; e risco muito alto, não deve abrir.

Nas últimas semanas, no entanto, flagrantes mostraram estabelecimentos lotados e a maioria sem máscara — como em festas de pré-reveillon.

Veja as restrições em outros setores.

Cinemas e teatros

devem ampliar o horário de funcionamento, a despeito da classificação;

risco moderado: metade de capacidade;

risco alto: 1/3 da capacidade;

risco muito alto: 1/4 da capacidade, com distanciamento de 2 metros.

Supermercados e farmácias

risco moderado: sem restrições;

risco alto: 2/3 da capacidade;

risco muito alto: metade da capacidade e ampliação obrigatória do horário.

Shoppings

risco moderado: 3/4 da capacidade;

risco alto: 2/3 da capacidade;

risco muito alto: fechado, exceto para entrega em domicílio.

Fecham em risco muito alto

Além de shoppings e boates, essas atividades e locais não podem funcionar se o bairro estiver em risco muito alto:

Ambulantes e feirantes;

Estádios e ginásios;

Clubes;

Museus;

Galerias e exposições de arte;

Aquário;

Conferências, convenções e feiras comerciais.

Medidas permanentes e sugestões

A resolução reforça os cuidados básicos de higiene, como a limpeza constante de superfícies, o uso de álcool para as mãos e a obrigatoriedade de máscaras.

O texto cita ainda “medidas recomendáveis”.

Evitar ao máximo o convívio com pessoas estranhas ao ambiente doméstico e a proximidade com pessoas do convívio cotidiano que circulam por ambientes externos;

Priorizar atividades ao ar livre, mantendo distanciamento social;

Adotar o regime de teletrabalho;

Deslocar-se pela cidade a pé, bicicletas, patinetes ou patins, como medida para evitar aglomerações no transporte público;

Realizar a autonotificação via app, em caso de sintomas respiratórios.

G1

Opinião dos leitores

  1. Impossivel. Revoga-se uma lei ou uma decisão previamente tomada. Não se pode revogar pessoas. O que ele pretende é proibir a presença do público. Os nativos e amantes da língua portuguesa agradecem.

  2. Incrível como só é proibido nessa pandemia brasileira as aulas em escolas públicas e público reduzindo no futebol. Enquanto isso, o restante pode.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Governo do RJ autoriza retorno de público a estádios e eventos

Foto: Alexandre Vidal / Marcelo Cortes / Flamengo

O Governo do Rio de Janeiro publicou na última terça-feira (6), em edição extra do Diário Oficial do RJ, um decreto em que autoriza o retorno de público aos estádios para partidas de futebol e eventos previamente autorizados pelo Estado.

A determinação se contrapõe com a decisão do Estado que no mesmo decreto prorrogou as medidas de isolamento social para a prevenção do novo coronvírus até o dia 20, como a proibição a população em permanecer em praias, lagoas ou rios.

Segundo o Governo do Estado, o “retorno dos torcedores aos estádios de futebol seguirá legislação específica”. Outros eventos esportivos, comícios, passeatas ou qualquer evento que tenha aglomeração de público continua suspenso.

O Governo também reforçou que continua proibida a visita a pacientes com o novo coronavírus na rede pública e privada de saúde do Rio de Janeiro.

Segundo o painel do Governo do Estado, o RJ já registrou 275.415 casos do novo coronvaírus, que resultaram em 18.883 mortes. A letalidade da doença é de 6,86% no território fluminense.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Ministério da Saúde aprova estudo da CBF para volta de 30% do público no Brasileiro

Foto: Antonio Scorza

O Ministério da Saúde aprovou o estudo enviado pela CBF para a volta de até 30% do público aos estádios do Brasil, nos jogos do Campeonato Brasileiro da Série A, a partir de outubro.

Segundo a reportagem apurou, a entidade já recebeu o aval do órgão, através de ofício do Ministro Eduardo Pazuello, que endereçou documento ao presidente Rogério Caboclo.

A única exigência é que cada município ou estado adote a sua política sanitária e um protocolo de saúde. A CBF entende que a liberação deve ser feita de forma uniforme em todo o Brasil.

O processo de liberação para a volta parcial do público aos estádios de futebol do Rio terá novos capítulos essa semana no Rio. Depois de a Prefeitura do Rio anunciar na última sexta-feira que pretende ter 20 mil pessoas no Maracanã em outubro, autoridades municipais, estaduais e federais se encontram na próxima quinta-feira para avaliar os dados apresentados pela CBF ao Ministério da Saúde.

O documento leva em consideração o que foi enviado pela CBF. Mas a entidade ainda tem sua participação aguardada na reunião. A Comissão Médica da CBF ainda não foi convidada para tratar do assunto.

Vale lembrar que decreto de sábado do governador em exercício, Claudio Castro, ainda proíbe o público em eventos no Rio até o dia seis de outubro.

O Globo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

STF libera venda de cerveja em estádios de futebol

Foto: Reprodução UOL

O plenário do Superior Tribunal Federal (STF), em julgamento virtual encerrado ontem (5) decidiu que é constitucional uma lei estadual que autoriza a venda de bebida de baixo teor alcoólico em recintos esportivos e criou inédita jurisprudência sobre o tema. Na prática, isso significa que novos estados poderão autorizar a venda de cerveja em estádios de futebol sem argumentar que isso é inconstitucional, como fez o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Por enquanto, a venda só está autorizada, porém, em estados que têm legislação específica sobre o tema. O STF, porém, ainda deve discutir o tema no plenário físico. A íntegra da decisão ainda não foi publicada.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Deviam proibir a polícia de dar guarda aos estádio, o povo é soberano, vai quem quer, e corre o mesmo risco de beber cerveja. Não usar dinheiro que poderia está sendo investido pra coibir assaltos, roubos, assassinato de pessoas inocente, pra gastar cuidando de vândalos dos estádios. Quem quiser ir pra essa bagunça de estádio, assuma os riscos, foda-se.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

MPRN e órgãos de segurança lançam campanha pela paz nos estádios

Reunindo representantes de várias instituições, o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) lançou nesta terça-feira (18) a campanha pela paz nos estádios e realizou uma coletiva de imprensa para apresentar as providências que estão sendo tomadas para garantir a ordem e a segurança para os torcedores, dentro e fora dos estádios. Com o mote “Vista-se de Paz e vá ao estádio”, a arte que ilustra a campanha foi assinada pelo chargista Rodrigo Brum (@rabiscosdobrum) e está disponível nas redes sociais do MPRN.

Todos os detalhes aqui no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Campanha pela paz? Não seria melhor dar um abraçaço nas "torcidas" criminosas? Sinceramente, dói quando rio.

  2. Estou com uma dúvida.
    Como é que a justiça proibiu a torcida organizada do América de frequentar estádios por 10 jogos e a PM vai fazer a escolta destes marginais, desculpa, torcedores?

  3. PRONTO, agora tudo ficou resolvido! Com essa campanha os partícipes conseguiram desasnar e, para combater a iniquidade dos bandidos das duas facções, nada melhor do que enxugar gelo! Foi por conta de atitudes dessa natureza que o grande Leonardo da Vinci certa feita falou: "Quando falares dos quadrúpedes põe alguns homens entre eles entre eles"….
    Tampouco faltou quem desse coice e relinchos. relin

  4. Muito bem CIRITIBA JÁ, vc falou a verdade, Simplismente a verdade, nada mais que a verdade.
    O problema amigo é que o estado (Leia-se secretaria de segurança e governo) não tem moral. Bastava por na cadeia, os chefes dessas gangs, para cada arruaça, um membro preso. Ou mesmo quem sabe, proibir deles circularem nos estádios. Foi de torcida desorganizada pau, fácil.

  5. Dinheiro público gasto em vão! Enquanto não houver prisões e punições severas isso nunca vai acabar. Lembro ao MPRN que não estamos em um país de primeiro mundo.

  6. a unica campanha que daria certo era prender estes bandidos,. eles estão rindo a toa com esta idiotice de campanha, quem já viu bandido se importar com estas besteiras, é igual a caminhada pela paz, não vale NADAAAA

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

MPRN lança nesta terça campanha pela paz nos estádios

Foto: Ilustrativa

“Futebol é a alegria do povo brasileiro. É o esporte da paixão, que reúne multidões. Nem sempre o resultado é o esperado, mas o amor pelos nossos clubes supera qualquer tropeço”.

Essa é a mensagem que o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, a Defensoria Pública Estadual, as Polícias Civil e Militar e a Federação Norteriograndense de Futebol querem reforçar em campanha de paz nos estádios que será lançada nesta terça-feira (18).

O objetivo da ação é que o bom torcedor volte a frequentar as praças esportivas e que incentive um familiar ou amigo a ir junto vibrar pelo seu time.

Nesta terça-feira (18), às 11 horas, os representantes das instituições envolvidas realizarão coletiva de imprensa na sede do MPRN, em Candelária, para apresentar as providências que estão sendo tomadas para que a chegada e a saída desse bom torcedor dos estádios aconteça de forma ordeira e segura.

Opinião dos leitores

  1. Tadim, que povo inocente, pensar que irão sensibilizar esses marginais com atitudes e palavras bonitas. Eu já fiz minha parte deixando de ir aos estádios. E vou esperar agora as autoridades tomarem as providências cabíveis, tratando esses bandidos, não com esse mimimi.., e sim no cacete e na porrada.

  2. Paliativo DESNECESSÁRIO. 90% dos torcedores não se envolve em brigas
    Tem que BANIR dos ESTÁDIOS os VÂNDALOS que aparecem em vídeos nas brigas;
    Tem que PRENDER os BANDIDOS que marcam brigas nas ruas, tem muitos vídeos identificando esses criminosos;
    Por essas e outras medidas que não levam a nada prático que vivemos a sensação de IMPUNIDADE e completa INSEGURANÇA.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

PM e Poder Judiciário traçam estratégias sobre segurança em estádios em Natal

FOTO: PM/ASSECOM/REPÓRTER: CB GLAUCIA

A Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte participou, nessa terça-feira (11), de uma reunião com os demais órgãos de Segurança Pública e o Poder Judiciário do Estado para traçar estratégias de atuação para coibir a violência nos estádios durante os jogos de futebol.

Durante a reunião foram discutidos pontos importantes para inibir a violência nos estádios de futebol durante os jogos, principalmente os que possuam algum risco para a ordem pública.

Foi decidido, ainda, que o Poder Judiciário atuará durante os eventos desportivos com o Juizado do Torcedor, disponibilizando a presença de um juiz e de uma estrutura mínima em conjunto com as arenas nos principais eventos, especialmente em jogos de alto risco.

Participaram da reunião representando a Polícia Militar, o Coronel PM Fábio Araújo, Subcomandante do Policiamento Metropolitano, Coronel PM Enos Sousa, Corregedor da Polícia Militar do RN, e o Tenente Coronel PM Marlon Góis, Comandante do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque).

Opinião dos leitores

  1. Só tem uma coisa que marginal respeita, cassete e bala!!! Cumprir a lei é para Cidadão de bem!!!!!

  2. Esqueceram de chamar os clubes que são os principais responsáveis pela sustentação dessas torcidas( quadrilhas) organizadas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

MPRN e PM traçam estratégias para coibir violência nos estádios; torcida organizada é suspensa

Foto: Divulgação

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e a Polícia Militar traçaram novas estratégias para coibir a violência de torcidas organizadas nos estádios potiguares. Após reunião na manhã desta sexta-feira (7), na sede da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), ficou definido que a torcida Ontem, Hoje e Sempre, do América Futebol Clube, está suspensa de acessar as praças esportivas nas próximas 10 partidas do time. Essa quantidade é relativa a jogos realizados no Estado, sendo o América mandante ou visitante, e por quaisquer competições que o clube participe.

A suspensão foi aplicada pela Polícia Militar e tem por base um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado junto ao MPRN e à Federação Norteriograndense de Futebol (FNF) em setembro de 2014. Uma cláusula do TAC estabelece que, caso a torcida organizada se envolva em atos de violência ou que coloquem em risco a ordem pública, serão aplicadas medidas educativas de advertência e suspensão de comparecimento aos estádios. Essa medida de suspensão pode ser aplicada de 2 a 10 jogos, tendo esta torcida do América recebido a punição máxima de acordo com termo acordado.

Com essa medida, já a partir do próximo jogo envolvendo o América, não será permitido o acesso de torcedores que usem camisas, bonés, faixas ou qualquer outro material que faça alusão a essa torcida organizada. A próxima partida do clube no RN será a final do 1º turno do Campeonato Estadual, marcada para a quarta-feira (12), contra o ABC Futebol Clube, no estádio Frasqueirão.

Leia matéria completa com todos os detalhes aqui no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Só ameniza se proibir a entrada e se vandalizar na o presidente da torcida exclue o mesmo da torcida e se continuar cadastrado responsabiliza o presidente da torcida

  2. Sou policial e acho essa decisão insuficiente, apenas proíbe o acesso com camisetas etc. todos os vândalos vão entrar com camisetas normais e badernar, o correto seria pegar o cadastro da organizada e proibir a entrada da pessoa cadastrada como torcida tal …
    Minha humilde opinião aceito quem descorda e digo sem sobra de dúvida, poderá acontecer confronto na decisão de ABC XAmerica só não posso da a certeza mas analizem

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

MPRN expede recomendação para coibir confronto de torcidas em estádios

FOTO: ILUSTRATIVA

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) expediu uma recomendação para coibir o confronto de torcidas em estádios do Estado. A principal medida sugerida é a proibição do acesso nas praças esportivas do torcedor que esteja trajando camisas de times rivais e com histórico de violência das torcidas, quando não estejam envolvidos no jogo. Matéria completa aqui, no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. O Ricardo foi certeiro. Esses semideuses só podem estar de brincadeira com uma ideia ridícula dessas. Mas é isso, eles tem que ao menos se pronunciar pra justificarem o saque mensal ao erário.

  2. Caro Bruno, na maioria das capitais onde a policia não consegue mais controlar o vandalismo, os jogos dos clássicos é de uma única torcida a que o time tem mando de campo é simples e fácil, não precisa de memem do MPRN

  3. Eu queria ganhar o salário que esses caras ganham para ter essas idéias geniais. Como que ninguem nunca pensou que a culpa era da camisa? é só proibir de usar a camisa que o delinquente nem sai de casa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

VÍDEO: “Novo modo” de torcer nos estádios volta a viralizar nas redes sociais

 

Ver essa foto no Instagram

 

Novo jeito de torcer, na visão do genial @marceloadnet0 ???????? #fabioazevedotv #futebol #torcida #humor

Uma publicação compartilhada por Fabio Azevedo (@fabioazevedotv) em

Um vídeo resgatado de alguns anos, do humorista Marcelo Adnet, que ironiza as restrições impostas pela Fifa e órgãos associados ao modo de torcer, voltou a viralizar nas redes sociais nesta semana.

No último final da semana, o Vasco venceu o São Paulo no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro. No segundo tempo, o jogo teve uma breve paralisação da arbitragem após um canto homofóbico de torcedores com a frase “Time de viado”. O caso, inclusive, saiu dos gramados e foi parar no Superior Tribunal de Justiça Desportiva(STJD), que pediu posicionamento do clube sob ameaça de multa ou até perda dos pontos.

Sem dúvida, um grito desnecessário e desrespeitoso, mas,  a recomendação da CBF (ainda muito recente), sob alerta de punição, tem revoltado torcedores e provocado muita discussão. Para a grande maioria, será necessária uma longa campanha para conscientização em meio a uma “questão cultural”.

Homofobia é crime e tem o repúdio do cidadão brasileiro. Enquanto o povo ainda se educa, e a senhora CBF não realizar uma campanha de vergonha, não apenas recomendações ou avisos internos, o torcedor terá que se reciclar e se adaptar ao novo modo de torcer.

Vídeo acima reproduzido via instagram do jornalista do Fox Sports, Fábio Azevedo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cade abre investigação sobre suposto cartel em obras de estádios da Copa de 2014; Arena das Dunas entre eles

O estádio Mané Garrincha, em Brasília, é uma das sedes da Copa de 2014 suspeitas de terem obras influenciadas por cartel — Foto: Marcela Lemgruber/G1

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu processo para investigar um suposto cartel em obras de construção e reforma de instalações esportivas destinadas à Copa do Mundo de 2014. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (17) pelo órgão de defesa da concorrência.

Segundo o Cade, a investigação começou com o acordo de leniência (espécie de delação premiada para empresas) com a construtora Andrade Gutierrez e executivos e ex-executivos da empreiteira.

No acordo a empresa apresentou informações e documentos que apontavam indícios de conluio entre concorrentes de licitações destinadas a obras em estádios de futebol para realização do mundial de futebol.

As empresas investigadas por suposta participação no cartel em licitações de estádio da Copa do Mundo de 2014 são: Andrade Gutierrez, Carioca Engenharia, Camargo Corrêa, OAS, Queiroz Galvão, Delta, Grupo Odebrecht e Via Engenharia, além de 36 pessoas físicas relacionadas à essas empresas.

Segundo informou o Cade, até o momento, há indícios de que os contatos entre concorrentes teriam se iniciado com a definição do Brasil como sede do mundial pela FIFA, em outubro de 2007, tendo se intensificado no segundo semestre de 2008. “O cartel teria atuado, pelo menos, até meados de 2011, quando foram assinados os contratos referentes às obras públicas dos estádios de futebol para a Copa do Mundo”, informou o órgão.

A investigação apura oito licitações:

Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília;
Arena Amazônia, em Manaus;
Arena Pernambuco, em Recife;
Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro;
Estádio Mineirão, em Belo Horizonte;
Arena Castelão, em Fortaleza;
Arena das Dunas, em Natal e
Arena Fonte Nova, em Salvador.

A superintendência do Cade investiga também licitações complementares aos certames principais, que podem ter sido afetadas pelos acordos ilícitos.

Petrobras

A Superintendência-Geral do Cade também abriu o processo para investigar um suposto cartel em obras de edificações especiais da Petrobras.

Nesse processo, é investigada a participação das empresas Carioca Engenharia, Construbase, Construcap, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Hochtief do Brasil, Mendes Júnior, Racional, Schahin Engenharia, WTorre, além de 23 pessoas físicas ligadas às companhias.

Segundo o Cade, o cartel teria atuado na licitação para construção do Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (Novo Cenpes); do Centro Integrado de Processamento de Dados da Tecnologia da Informação (CIPD); ambos no Rio de Janeiro, e da Sede da Petrobras de Vitória, no Espírito Santo.

Esse caso também começou com um acordo de leniência, desta vez com a Carioca Engenharia.

De acordo com o Cade, a superintendência identificou evidências de que as empresas envolvidas trocavam informações sensíveis durante reuniões para a distribuição de obras.

Versões das empresas

Procuradas, a Carioca Engenharia e a Queiroz Galvão informaram que não iriam comentar.

Em nota, a Andrade Gutierrez informou que apoia toda iniciativa de combate à corrupção, e que visa a esclarecer fatos ocorridos no passado. “Cabe ressaltar que os processos abertos agora são fruto da colaboração da empresa” (veja a íntegra da nota mais abaixo).

A Camargo Corrêa informou que foi a primeira grande empresa a firmar acordo de leniência com o Cade e informou que a “não participou de contratos de construção de obras da Copa do Mundo de 2014”.

A Odebrecht informou em nota que os processos “integram a contínua colaboração que a empresa se comprometeu a dar à Justiça e aos órgãos de fiscalização e controle no Brasil” e lembrou que para os temas citados já assinou com o Cade Termos de Cessação de Conduta (TCCs).

O Consórcio Minas Arena divulgou a seguinte nota: “A respeito da notícia de instauração de inquérito administrativo pelo Cade para investigar condutas relacionadas aos estádios da Copa 2014, é importante esclarecer que a apuração não abrange a Minas Arena e seus acionistas, os quais não se encontram nem mesmo relacionados dentre as pessoas notificadas para apresentação de defesa no processo. Importante deixar claro também que a versão pública da nota técnica do Cade que respaldou a abertura do inquérito descreve que o então consórcio Minas Arena não participou de tentativa de cartel.”

Até a última atualização desta reportagem, o G1 tentava contato com a Construbase, Construcap, OAS, Hochtief do Brasil, Racional e Schahin Engenharia.

Íntegra da nota da Andrade Gutierrez:

A Andrade Gutierrez informa que apoia toda iniciativa de combate à corrupção, e que visa a esclarecer fatos ocorridos no passado. A companhia assumiu esse compromisso público em um manifesto veiculado nos principais jornais do país e segue colaborando com as investigações em curso dentro dos acordos de leniência firmados com o Ministério Público Federal (MPF), com a Controladoria Geral da União (CGU), com a Advocacia Geral da União (AGU) e com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Cabe ressaltar que os processos abertos agora são fruto da colaboração da empresa. A Andrade Gutierrez incorporou diferentes iniciativas nas suas operações para garantir a lisura e a transparência de suas relações comerciais, seja com clientes ou fornecedores, e afirma que tudo aquilo que não seguir rígidos padrões éticos será imediatamente rechaçado pela companhia.

Integra da nota da Camargo Corrêa:

A Construtora Camargo Corrêa foi a primeira grande empresa a firmar acordo de leniência com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no âmbito da Operação Lava Jato e reafirma seu compromisso de colaboração permanente com as autoridades. A empresa esclarece que não participou de contratos de construção de obras da Copa do Mundo de 2014.

Integra da nota da Odebrecht:

Os referidos processos abertos pelo CADE integram a contínua colaboração que a empresa se comprometeu a dar à Justiça e aos órgãos de fiscalização e controle no Brasil, o que abrange o CADE. Para estes temas em questão a empresa já firmou com o CADE Termos de Cessação de Conduta. A Odebrecht já usa as mais recomendadas normas de conformidade em seus processos internos, inclusive relativos à defesa da concorrência, e segue comprometida com uma atuação ética, íntegra e transparente.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Podiam incluir também nestas investigações o aeroporto Governador Aluisio Alves,em São Gonçalo de Amarante.

  2. SÓ AGORA…. ??????TAO DE SACANAGEM, ALIÁS CONTINUAM DE SACANAGEM!!!!!AÍ EU PERGUNTO : MUDOU O QUE NESSE PARDIEIRO????

  3. Só o CADE não sabia,,pq todo mundo já sabia, porém como envolvia figurões locais e nacionais, todo mundo fazia que não via. Se apertar essa copa e as olimpíadas, foi bilhões e bilhões desviados pelos barões de sempre. CADE, MPF, PF, Justiça arrefecem as mangas porque tem muito trabalho pra fazer e muito corrupto pra prender.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Saiba o que funcionou e o que falhou nos estádios da Copa; Arena das Dunas em alta

Com jogos de sete dos oito grupos da Copa do Mundo encerrados, todos os estádios brasileiros destinados à competição já foram testados. Os palcos do Mundial não apresentaram, aparentemente, nenhum problema grave, mas torcedores e repórteres relataram alguma falhas .

O UOL Esporte resolveu listar o que deu certo e o que deu errado na estreia dos estádios na Copa do Mundo. Confira:

Arena das Dunas

O que deu certo: De um modo geral, a arena foi aprovada em todos os quesitos, seja por torcedor brasileiro ou pelos estrangeiros. Acesso fácil ao estádio, limpeza e segurança receberam os principais elogios; o cardápio das lanchonetes também foi aprovada.

O que deu errado: Alguns torcedores se queixaram do sinal de celular, que apresentou instabilidade. Falta de mais postos de venda de cerveja também foram cobrados por torcedores.

ITAQUERÃO

O que deu certo: O estádio do pontapé inicial do Mundial não teve tantos pontos positivos, mas se destacou na questão da acessibilidade. Além do bom funcionamento do “Expresso da Copa”, as catracas de entrada funcionaram bem. Poucas filas foram verificadas e o acesso foi elogiado por torcedores.

O que deu errado: No Itaquerão, palco da estreia do Brasil na Copa, os pontos negativos foram vários. Os problemas começaram na véspera, com a internet instável no centro de mídia e nas áreas comuns. Nos bares, as bebidas não estavam geladas e, em pouco tempo, as comidas acabaram, deixando os torcedores ainda mais irritados. Com a bola rolando, os refletores se apagaram.

Veja mais clicado aqui

UOL

Opinião dos leitores

    1. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkķkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  1. AINDA BEM QUE O GOVERNO FEDERAL, DILMA, LULA E O PT, NÃO ORGANIZAM E NEM VENDEM COMIDA E BEBIDA NOS ESTÁDIOS. O QUE DEPENDE DELES A COPA É MIL.

  2. Fui ao jogo ontem e foi um verdadeiro espetáculo. Tinha vários vendedores de cerveja, não tinha fila em nenhum momento, e o meu celular pegou 100%. Pessoas educadas, nem parecia Natal. Até agora um espetáculo bonito de ver.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Borderôs: Confira percentual de gastos em estádios da Copa

O jornalista Rubens Lemos apresenta nesta quarta-feira(21), em seu Blog, o resultado de levantamento em borderôs de jogos das dez arenas da Copa. Como critério, foram consideradas todas as despesas, desde custos operacionais a descontos de federações estaduais. Na ocasião, foram usadas de três a cinco partidas por sede, com exceção do Itaquerão. A Arena das Dunas foi desconsiderada porque a maioria dos seus jogos dá prejuízo, o que causaria uma distorção. E a Arena da Baixada ainda não tem relatórios financeiros disponíveis.

O ponto mais alarmante levantado pelo jornalista diz respeito aos estádios geridos por empreiteiras ou por governos, que têm os maiores custos. Nas mãos de um consórcio formado pela Odebrecht e pela OAS, a Fonte Nova é o caso mais absurdo com despesas que mordem 69% das receitas em jogos do Bahia e Vitória. Em seguida, estão estádios como Maracanã (47%), Castelão (57%) e Mané Garrincha (53%). Os dois primeiros também são administrados por concessionárias com liderança de empreiteiras – a Odebrecht, no caso da praça carioca. Já a arena brasiliense é responsabilidade do governo do Distrito Federal.

Esses números chamam atenção quando confrontados com os percentuais pagos por Corinthians e Internacional. A estreia do Itaquerão teve um custo de 21,4% da renda total – R$ 650 mil de uma renda de R$ 3 milhões.

Confira quanto gasta percentualmente cada estádio da Copa-2014 com despesas em geral: Arena Amazônia: 43%; Arena Pantanal: 38%; Arena Pernambuco: 26,8%; Beira-Rio: 23,6%; Castelão: 57%; Fonte Nova: 69,2%; Itaquerão: 21,44%; Mané Garrincha: 53,2%; Maracanã: 46,8%; Mineirão: 26,8%.

OUTRO DADO

Pelas últimas contas, feitas às vésperas da abertura do Mundial de Futebol de 2014 no Brasil, a construção ou remodelação dos estádios onde os jogos vão decorrer custou cerca de 2.900 milhões de euros, um valor que representa uma derrapagem global de 66% a mais do que os gastos previstos em 2010. Com as obras concluídas ou à beira da conclusão, como alguns entregues recentemente ainda se encontram, (na realidade), o Brasil passa a ter metade dos 20 estádios mais caros do planeta, segundo um estudo realizado pela empresa KPMG. O ranking elaborado pela empresa coloca o Estádio Mané Garrincha em 3º lugar, atrás apenas do Wembley e do Emirates Stadium, ambos no Reino Unido. Cada lugar do estádio de Brasília custou 6.700 euros.

Com acréscimo de informações do Blog Rubens Lemos, no Portal No Ar

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

SindiTelebrasil diz que Arena das Dunas e mais cinco estádios impedem instalação de wifi das operadoras

Representantes das operadoras de telefonia móvel aproveitaram audiência pública do Senado para reiterar críticas a administradoras de seis estádios que têm colocado dificuldades para a instalação de equipamentos. Isso, nas opiniões manifestadas por representante do setor, poderá comprometer a prestação dos serviços nos estádios durante a Copa do Mundo. A maior dificuldade tem sido a autorização para a instalação de rede wifi, equipamento que aliviaria a demanda por serviços móveis em grandes aglomerações, por possibilitar conexões sem fio a partir da rede de telefonia fixa.

Segundo o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), devido à falta de autorizações, ainda não foi possível instalar as estruturas nos estádios de São Paulo, Curitiba, do Recife, de Fortaleza, Natal e Belo Horizonte. De acordo com a entidade, os clientes das operadoras de celular terão acesso gratuito às redes wifi instaladas por elas nos estádios.

“Para ampliar a capacidade das redes em locais de alta concentração, pode-se usar o wifi. Mas, no caso dos 12 estádios existentes, seis optaram por ter rede própria de wifi para, provavelmente, usá-la em rede comercial”, disse o presidente do SindiTelebrasil, Eduardo Levy.

O representante das operadoras citou o Estádio Nacional Mané Garrincha como referência, já que as autorizações e disponibilização de espaço foram feitas com antecedência. “Nele, todas as empresas se uniram para implantar uma rede única, a exemplo do que foi feito em Londres [durante as Olimpíadas de 2012]”. Ele explica que cada estádio precisa de cerca de 300 antenas para dar conta da demanda. “Mas além disso precisamos também de uma área com cerca de 200 metros quadrados para instalação de equipamentos”.

De acordo com o presidente da Claro, Carlos Zenteno, a situação “mais urgente” é a dos estádios entregues por último – em especial, o de Porto Alegre, entregue em março, e o de Curitiba, entregue em abril. “Temos poucas semanas para instalar toda uma complexidade de equipamentos. O tempo está contra nós, mas [caso as empresas recebam as autorizações] vamos correr e fazer de todo o necessário para garantir qualidade [do sinal] nos estádios”.

Presidente da Vivo e ex-presidente da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), Antonio Carlos Valente disse que os atrasos na entrega de infraestrutura em alguns estádios já comprometeu a realização de testes. “No Paraná e em São Paulo, não será possível fazer testes de desempenho do sistema antes dos jogos”, disse ele.

Sobre o sinal em aeroportos, Valente disse que a telefonia móvel de quarta geração (4G) já instalou “soluções paliativas” nos aeroportos Santos Dumont e do Galeão (ambos no Rio de Janeiro), e nos de Congonhas (São Paulo), Salvador, Fortaleza, do Recife e de Brasília. “Estão em andamento as negociações para os aeroportos de Confins [em Minas Gerais], Porto Alegre, Curitiba, Natal, Manaus e Cuiabá, além de Viracopos e Guarulhos [ambos em São Paulo]. Em todos esses ainda dependemos de espaço, de negociações ou de ambos”, disse ele.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

CNPG emite nota reforçando a proibição de venda de bebida nos estádios e critica tentativa de liberação da Assembleia Legislativa do RN

O Conselho Nacional dos Procuradores Gerais de Justiça (CNPG), através da Comissão de Prevenção e Combate à Violência nos Estádios, emitiu nota na tarde desta quarta-feira, dia 05/02/2014, reiterando que se mostra imperioso “manter a proibição de venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol”.

A restrição ao consumo de bebidas no interior dos estádios constitui uma diretriz de segurança, foi adotada em ação conjunta dos Ministérios Públicos Estaduais, por intermédio de Protocolo de Intenções entre o CNPG e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), se deu em razão da escalada de violência, que colocava em risco a segurança e integridade dos torcedores, segundo o CNPG, contribuiu para o retorno das famílias aos estádios, mas proposições de lei promovidas pelas Assembleias Legislativas dos estados da Bahia e do Rio Grande do Norte surpreenderam os integrantes da Comissão.

Para a Comissão de Prevenção e Combate à Violência nos Estádios, do CNPG, iniciativas legislativas dessa natureza demonstra “patente que se está priorizando a visão econômica em detrimento da segurança, dando como certa a abolição das medidas restritivas ao consumo de bebidas alcoólicas, desprezando e aniquilando as conquistas e resultados alcançados”, traz a nota.

MPRN

Opinião dos leitores

  1. Essa proibição é descabida, o torcedor tem o direito de consumir o que ele quiser e tem vontade. Só a favor da liberação de bebidas alcoólicas nos estádios e arenas de futebol.

  2. Isso é uma palhaçada pois ano passado todos nos vimos que a violência não diminui por conta da cerveja e quem quer beber bebe do lado de fora. Só fica proibido de beber dentro do estádio. Quem vai pra brigar briga do mesmo jeito, quem vai p assistir termina e vem embora.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *