Política

ALIANÇA PSB/PT: “Tirar Bolsonaro do poder é o que vai nos unir em 2022”, diz Paulo Câmara, governador de Pernambuco, que acredita que só Lula pode vencer o presidente

PAULO CAMARA – Leo Caldas/.

A um ano e meio de concluir seu segundo mandato de governador de Pernambuco, Paulo Câmara se prepara para abraçar um projeto ousado: construir as pontes que permitam a aliança do PSB, seu partido, com o PT com vista às eleições presidenciais. Não por acaso, foi por Recife que o ex-presidente Lula começou seu périplo no Nordeste em busca de apoio político. Não será um casamento fácil. A relação entre os dois partidos sempre foi pendular. Em 2014, os socialistas se afastaram dos petistas para lançar Eduardo Campos como candidato ao Planalto. O ex-governador morreu em um acidente de avião durante a campanha e foi substituído por Marina Silva, que acusou o PT de jogo sujo durante as eleições. No segundo turno, o partido apoiou Aécio Neves (PSDB). Anos depois, marchou com a oposição em favor do impeachment de Dilma Rousseff. Mesmo no quintal do governador, a convivência entre as duas agremiações é pouco amistosa. Câmara, no entanto, antevê que essas diferenças serão superadas a partir do instante em que todas as forças políticas se conscientizarem de que existe um único adversário a ser batido: Jair Bolsonaro. Aos 49 anos, o governador tem bons índices de popularidade e acredita que, no momento, apenas Lula tem condições de vencer o presidente da República nas urnas. Nesta entrevista a VEJA, ele defende a formação de uma frente de oposição, diz que apoiar o impeachment de Dilma foi um erro e que o governo federal é um desastre.

O PSB estará ao lado do PT nas eleições do ano que vem? Desde a redemocratização, o PSB caminhou muito mais ao lado do PT do que como oposição. Em 2018, na minha reeleição, o PT estava nos apoiando. A gente tem tido esse cuidado de conversar com os partidos progressistas, que estão conscientes da grande tarefa para 2022 que é combater a forma como o Brasil vem sendo administrado. O PT tem clara a posição de oposição ao governo Bolsonaro. Nós também.

Quais são as dificuldades para estabelecer desde já essa aliança? Há uma diretriz do PSB de só discutir alianças em 2022. Mas as portas estão abertas. Não apenas ao PT, mas a todos os partidos do campo progressista que queiram conversar sobre um Brasil melhor. A aliança com o PT é uma das alternativas. A possibilidade de aliança com o presidente Lula é real. Ele continua sendo o político mais popular no Nordeste. Aqui ele é imbatível. O que vai nos unir em 2022 é tirar o presidente Bolsonaro do poder e mudar tudo que está acontecendo no Brasil.

O senhor acredita na inocência do presidente Lula? Os processos dele foram anulados. O necessário agora é fazer o que a Justiça determinou: que sejam iniciadas as apurações, sem contaminação, seguindo o que diz a lei. Agora o ex-presidente vai ter todo o direito de defesa, que não deram a ele antes. A parcialidade do ex-juiz Sergio Moro foi demonstrada e reconhecida pela Justiça.

Tudo o que a Lava-Jato descobriu sobre corrupção envolvendo o ex-presidente, portanto, deve ser desconsiderado? Os processos judiciais é que vão dizer. Algumas ações já foram arquivadas e outras estão no mesmo caminho. É preciso imparcialidade e respeito aos ritos da Justiça, como aconteceria com qualquer cidadão e como a Constituição preconiza.

“A candidatura do Lula é uma opção contra a forma como o Brasil vem sendo administrado. O país fez avanços importantes durante os governos do ex-presidente”

O PSB apoiou e votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff. Isso não é uma contradição? No meu entendimento, não do PSB, o impeachment não fez bem para o Brasil. Com a assunção do presidente Temer não houve a pacificação. Houve apenas uma mudança de rota fruto de um processo que terminou sem resultar em melhoria do país. O país piorou com a chegada do Temer. E a gente vê também que foi um processo traumático e o crime de responsabilidade que tanto foi propagado não se configurou. O partido sempre teve discussões em relação a isso. Aqui em Pernambuco já fizemos esse debate e acreditamos que o impeachment da presidente Dilma foi ruim para o Brasil.

Quais os argumentos para convencer o eleitor a dar uma segunda chance a Lula e ao PT? A candidatura do Lula é uma opção contra a forma como o Brasil vem sendo administrado. O país fez avanços importantes durante os governos do ex-­presidente. A desigualdade na Região Nordeste foi diminuída nesse período. Houve obras estruturantes e uma preocupação efetiva com a redução da pobreza, além de políticas públicas que chegavam a todos. Houve claramente ações de crescimento do país e respeitabilidade internacional — o que não existe mais.

Qual a avaliação que o senhor faz do governo Bolsonaro? É um absoluto retrocesso, um desastre. Não há mais política de educação. A saúde foi esse desastre que a pandemia mostrou. São quase 600 000 vidas perdidas. Segurança também é assunto que não existe no âmbito federal. E não há pautas que pensem a economia a curto, médio e longo prazo. Todos sabemos que a economia é muito baseada em expectativas. O Brasil vive expectativas negativas. Vivemos um momento muito difícil e que vai exigir esforço em 2022 para unificar este país contra o atual governo. Destruir é muito fácil e rápido.

O senhor vê riscos à democracia? É preocupante ver essas agressões contra o Supremo Tribunal Federal, governadores e prefeitos. Mas confiamos nos poderes constituídos e sabemos que, mesmo tendo uma pessoa que não está à altura do cargo de presidente, o país vai superar tudo isso. Depreciar a imagem pública de pessoas e instituições não encontrará eco na sociedade. O Brasil é maior que isso.

Parte da bancada do seu partido apoiou o voto impresso, defendido pelo presidente Bolsonaro. Isso não é outra contradição? Quem defende pautas bolsonaristas está fora de sintonia com o que pensa o PSB. Aqui não é lugar para pessoas que pensem desse jeito. O PSB é um partido progressista, que sempre lutou por liberdade e justiça, pela pauta de direitos humanos. Quem acha que pode flertar com o bolsonarismo ou com qualquer ação autoritária pode ter certeza de que o caminho não é pelo PSB. Pessoas que insistem em continuar defendendo esse tipo de pauta no PSB com certeza não vão ter lugar.

Até que ponto a politização das polícias militares preocupa? Essa questão da politização é grave e nós, governadores, devemos estar muito atentos. É um risco, uma ameaça. Em Pernambuco, tratamos essa questão de maneira muito clara e rígida junto aos comandos. Não vamos admitir a politização e isso está sendo colocado claramente para todos os comandantes.

Mas um dos casos mais emblemáticos ocorreu justamente em Pernambuco, onde duas pessoas foram atingidas por tiros de bala de borracha durante uma manifestação contra o governo Bolsonaro. Essa ação foi desastrosa, não obedeceu a nenhum tipo de padrão operacional e deixou duas pessoas com lesões permanentes. Tivemos o cuidado de apurar tudo, afastamos os envolvidos e fizemos alterações no alto-comando. Ficou muito claro nesse episódio que nossa gestão não vai admitir que a polícia extrapole suas prerrogativas. Esses fatos não podem se repetir. Não podemos afirmar, porém, que isso que aconteceu no Recife tenha sido uma ação influenciada pela extrema direita ou por grupos ligados ao bolsonarismo.

O senhor diz que o Nordeste é lulista. O Auxílio Brasil não pode inverter essa tendência? Esse Auxílio Brasil é uma ideia do governo federal para de alguma forma influenciar as eleições de 2022. A população não quer migalhas e auxílio, quer emprego e possibilidade de os filhos estudarem. E gestores que tenham cuidado com a saúde da população. O que se tem de discutir no Brasil não é apenas a instalação do auxílio, que é importante e necessário neste momento que estamos vivendo com o desemprego, o aumento da fome e da miséria. Torna-se necessário discutir também a porta de saída, e a gente não vê nenhuma discussão. O governo não fez estudo ou debate, não conversou com ninguém. Não procurou alternativas que vislumbrassem o que a população realmente quer: emprego e serviços públicos de qualidade.

A pandemia vai influenciar no resultado das urnas? São quase 600 000 vidas perdidas. Todos conhecemos pessoas que infelizmente não resistiram. Hoje vemos uma conscientização maior sobre o uso de máscaras, o respeito ao distanciamento social e aos horários restritos. A pandemia está muito viva na vida das pessoas. E as marcas dela também. Esse é um debate que não pode estar ausente em 2022 diante da gravidade da Covid. A gente tem de ter a responsabilidade de contar a verdade desse processo, o que poderia ter sido feito e não foi, todas as omissões que ocorreram. Isso vai estar presente, não tem como não estar, apesar da vacina. A gente tem de ter a responsabilidade, como gestor público, de nunca mais deixar acontecer fatos graves como vimos no Brasil neste período.

As pesquisas mostram que a maioria do eleitorado não quer Bolsonaro nem Lula. O senhor acredita numa alternativa aos dois, a chamada terceira via? Sempre há espaço para a apresentação de candidaturas. A história recente do Brasil mostra isso. Algumas surgiram de repente e outras são fruto de discussão. Lula foi eleito presidente depois de disputar e perder três eleições. Fernando Henrique Cardoso foi eleito a partir de experiência no Ministério da Fazenda com o Plano Real. Bolsonaro foi eleito dentro do ambiente conturbado que estava no Brasil. Evidentemente que pode surgir uma terceira via.

O senhor defende a criação de uma frente de oposição? O adversário em 2022 é Jair Bolsonaro. Isso é muito claro. Vamos estar abertos a discussões contra a forma como o Brasil vem sendo administrado, até porque a gente entende que está claro o mal que o presidente tem feito ao povo brasileiro. O PSB tem muito a contribuir no debate em 2022, seja em aliança com o PT ou o PDT, seja em movimentos que possa realizar. Temos de ter a capacidade de fazer uma grande frente pela civilidade, pelos valores democráticos e pela melhoria da vida do povo com políticas públicas inclusivas. Não tenho dúvida de que derrotar o presidente Jair Bolsonaro e todos aqueles que o apoiam é uma causa em favor do povo brasileiro e das futuras gerações. O que não podemos admitir é o Brasil continuar mais quatro anos sendo governado desta forma, no improviso, sem planejamento, com políticas públicas que têm feito mal à população.

Veja

Opinião dos leitores

  1. E muito triste um governador de Estado preferir votar num cidadão condenado por corrupção que nem homem honesto. Bolsonaro tem seus defeitos mas não é corrupto.

  2. Homi!!!
    Juntando o teu partido, PT, PSOL, PDT, MDB, PSDB o diabo que tiver na esquerda, Bolsonaro ganha de vcs todinhos concorrendo por um partido nanico, vcs vão vê.
    O POVO ACORDOU MEU CARO.
    o votinho de cabresto, JÁ ERA!!!
    Hoje, vcs só tem o voto da militância, o restante dos brasileiros, NÃO VOTA EM QUADRILHA DE LADRÕES.
    o único que poderia encostar no Bolsonaro é dr Sérgio Moro, mas está fora graças a um jabuti votado pela Câmara dos deputados.
    Kkkkkkkkk
    É melhor jair se acustumando, vai até 2026 no mínimo.
    Dia 07 de setembro vcs vão vê a força do povo contra vcs.
    Bando de desonestos atrás de roubarem.
    Canalhas.

  3. Oxente! Será que esse homi não lê pesquisas? Lá diz que o PR perde pra todo mundo, até pro Mandetta..

  4. Essa corja de governadores do PT todos unidos em um só projeto a volta da roubalheira e da corrupção essa vagabundagem do PT não vai mais próspera, corja de canalhas , cadê os 37 milhões do consórcio nordeste? Cadê os respiradores? O dinheiro da COVID o quê vocês fizeram bando de irresponsáveis e incompententes.

  5. Bolsonaro e luladrão são duas faces da mesma moeda, Impunidade, mentiras, roubalheira, incompetência, hipnotismo de idiotas são as armas desses pilantras.

  6. LULADRAO não ganha mais nem pra síndico de condomínio. Votar em um bandido declarado, no mínimo a pessoa é pior que ele.

  7. Pelo contrário: Lulaladrão só consegue ser lembrado pq o MINTO está fazendo um governo péssimo e só quer se reeleger para se proteger dos diversos crimes cometidos por ele e pela família das rachadinhas. E o inverso também, o presidente inepto só ganha mais apoio pq o do outro lado é um ladrão inveterado de um partido que já deveria ter sido extinto.

  8. esse pobre coitado ta doido pra ter acesso a butija…. deve ta passando fome. Com lula dono da chave da butija, o “povo” desse tipo aí, vai ter acesso ao que bem interessa.

    1. Falando em fome: Sai da bolha e vê que quase 19,3 milhões de irmãos nossos estão vivendo em pobreza extrema. Eu sei que você vai dizer que a culpa é cdo STF e governadores, mas para um pouco pra pensar se o país não parece um trem sem maquinista.

    2. Seja sincero André vc entregaria a chave de sua casa a um bandido declarado, condenado e preso? Só se vc for pior que ele, aí tudo bem.

    3. José Soares, eu não lido com nenhum tipo de bandido: ladrão, miliciano, rachador de dinheiro público…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Redes sociais adotam medidas para impedir fake news nas eleições 2022

Foto: Pixabay

A poucos meses do início das campanhas eleitorais, as redes sociais começam a executar novas iniciativas para tentar barrar a disseminação de informações falsas, as fake news. O fenômeno marcou as eleições brasileiras de 2018, com ataques maciços à Justiça Eleitoral e contra candidatos que concorriam à Presidência.

O aplicativo de mensagem rápida Whatsapp foi a principal ferramenta para divulgação de notícias enganosas. Um estudo feito pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS-Rio) concluiu que, nas eleições de 2018, ferramentas de mensagens instantâneas “passaram a ser importantes instrumentos de divulgação de conteúdo político e eleitoral” pela ação de robôs sociais – difusores automatizados de mensagens. A falta de fiscalização e políticas públicas que pudessem impedir esse compartilhamento rápido, no entanto, tornou o aplicativo um terreno fértil para a proliferação de informações falsas.

A experiência fez com que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adicionasse uma resolução que proibiu a propaganda eleitoral por meio do disparo em massa de mensagens instantâneas sem o consentimento de quem a recebia. A medida também retirou a possibilidade de contratação de serviços que

Em abril de 2020, o WhatsApp restringiu o compartilhamento de conteúdos na plataforma, agora uma mensagem que tenha sido encaminhada mais de cinco vezes, chamada de “frequentemente encaminhada”, passou a só poder ser encaminhada para uma única conversa por vez. Isso levou a uma redução global, também observada no Brasil, de 70% no número de mensagens frequentemente encaminhadas no aplicativo, segundo a Meta.

Para 2022, a plataforma afirmou, por meio de nota, que vai apresentar “soluções ainda mais robustas do que trouxemos aos brasileiros nas eleições locais de 2020”, mas não especificou quais. Em 2020, além de restringir o compartilhamento de mensagens, o aplicativo firmou uma parceria com o TSE para as eleições municipais, criando um chatbot para que as pessoas tirassem dúvidas sobre a votação e desenvolveu um canal para receber denúncias de contas suspeitas de realizar disparos em massa. A aliança também incluiu um pacote de figurinhas para incentivar a participação dos jovens no processo eleitoral.

Com relação aos disparos em massa, a Meta afirma que o WhatsApp segue reforçando a atuação para enfrentar esse abuso e que seus sistemas de detecção estão bem mais avançados.

Sérgio Lüdtke, editor-chefe do Projeto Comprova, uma coalizão de 33 veículos de comunicação para combater desinformação, entende que essas soluções estão longe de acabar com a disseminação de informações enganosas e falsas, mas são bem-vindas.

“Quando o WhatsApp limita o número de compartilhamento, tudo isso vai criando dificuldades, criando obstáculos para desinformação, mas não são obviamente medidas que vão conter ou que vão reduzir isso.  A internet é muito fluida. Onde você fecha uma porta, eles vão procurando outras saídas, então é um trabalho que não tem fim. A gente pode comparar isso com enxugar gelo, mas é preciso que gente enxugue gelo, e eu acho que as soluções para isso, elas também são múltiplas, e elas precisam ser enfrentadas por múltiplos atores e de uma forma não necessariamente coordenada”, explica Lüdtke

A desinformação, segundo o jornalista, também já não é tão facilmente identificada. Se antes as agências de checagem lidavam com informações que continham dados falsos ou eventos que foram modificados, não é isso mais a grande base de desinformação. Basta uma pessoa lançar uma dúvida sobre um fato verdadeiro, uma informação pela metade ou uma notícia descontextualizada para criar uma convicção.

“Lançando a dúvida, você, de certa forma, reforça convicções, reforças certezas que as pessoas já têm. Então, sendo a desinformação um processo, que começa com o isolamento  das pessoas – não precisa ser um isolamento físico, mas isolamento digital, onde ela passa a se envolver com pessoas que têm a mesmas ideias, grupos que já estão formando alguma convicções sobre algumas coisas, sem espaço para o contraditório, sem que essa bolha possa receber informações de fora – as pessoas vão sendo isoladas, vão recebendo ali uma dose diária de desinformação ou de dúvida que vai forçando a formação de uma determinada certeza e, daqui a pouco, qualquer coisa serve de reforço. É muito sutil aquilo que é desinformação.”, detalha o editor do Comprova

O que torna o combate à desinformação ainda mais difícil. Por exemplo, além do Whatsapp, o conglomerado Meta, dono do Facebook e Instagram, também lançou um programa em conjunto com o TSE para direcionar os usuários das duas redes sociais a uma página do site da Justiça Eleitoral sempre que visualizarem alguma postagem que trate das eleições. A iniciativa teve início em dezembro de 2021 e já havia sido tomada anteriormente para postagens relacionadas a pandemia de covid-19, onde um rótulo direciona as pessoas para o site da Organização Mundial da Saúde (OMS).

No entanto, se essa pessoa vê o TSE como um ator de interesse, o jornalista entende que para essa pessoa isso não vai resolver. Aos olhos dela, vai direcionar o leitor para uma fonte que é interessada, que aos olhos dele não é uma fonte com credibilidade e por isso não tem grande efetividade.

O Twitter também é uma rede social que faz uso de ferramentas para tentar conter conteúdos que vão contra a política da plataforma. Na última 2ªfeira (17.jan), anunciou a testagem de um novo botão no Brasil, Filipinas e Espanha, de “misleading information”, ou seja, informação enganosa. O novo mecanismo de denúncia de informações potencialmente enganosas já havia sido liberado para outros três países e tem como objetivo analisar se esta ferramenta é efetiva na denúncia em tempo real. Por estar em teste, pode ser que a rede social não tome medidas em relação a todas as denúncias recebidas, assim como não poderá responder a cada uma delas.

Ademais, a plataforma tem regras e políticas que determinam conteúdos e comportamentos permitidos no Twitter. Tendo inclusive regras específicas para proteger as conversas em torno de processos eleitorais.

Segundo a política de Integridade Cívica da plataforma, as pessoas não podem usar o serviço para manipular nem interferir em eleições ou outros atos cívicos. Isso inclui publicar ou compartilhar conteúdo que suprima a participação ou induza as pessoas ao erro sobre quando, onde ou como participar de um ato cívico.

As consequências da violação da política dependem da gravidade e do tipo de violação e do histórico de violações anteriores das contas. As providências tomadas podem incluir: exclusão do tweet, modificações do perfil, marcação, bloqueio da conta e suspensão permanente.

Donald Trump foi uma das pessoas a ter a conta suspensa permanentemente. O ex-presidente dos Estados Unidos utilizou a palavra patriotas para falar sobre um grupo de pessoas que invadiram o Congresso americano em 6 de janeiro de 2021, o que a plataforma entendeu como um ” risco de prolongamento da incitação à violência”.

Se nessa ocasião, o uso indevido da rede social foi claro, Lüdtke destaca que é necessário cautela na hora de suprimir aquilo que entendemos como desinformação.

“Toda vez que a gente fala em criar esse tipo de obstáculo para desinformação, cingir a possibilidade de disseminação de determinadas mensagens, a gente na outra ponta tá reduzindo também a liberdade de expressão. É cada vez mais difícil delimitar o que é desinformação e o que não é desinformação. Muito difícil, tanto é que várias tentativas de legislar, regular a questão sempre bate nessa tecla ‘como a gente conceitua? O que é exatamente desinformação?'”, indaga.

Telegram

Na mira do TSE, outro aplicativo que poderá passar por mudanças no Brasil é o Telegram. A Corte discute a possibilidade de banir a ferramenta no Brasil, por não ter tido um retorno sobre as ações adotadas pelo aplicativo de mensagens para combate à desinformação eleitoral. O tema deverá ser discutido pelos magistrados em fevereiro.

SBT News

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MP vê possível difamação de Ernesto Araújo contra Fábio Faria

Fotos: Sergio Lima/Poder 360

O Ministério Público do Distrito Federal se manifestou pela rejeição parcial da queixa-crime do ministro das Comunicações, Fábio Faria, contra o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo.

Faria entrou com um processo contra seu ex-colega de governo por calúnia, injúria e difamação na última quinta-feira (20), na 7ª Vara Criminal de Brasília, motivado por declarações feitas por Araújo durante o programa ConversaTalk no mês passado.

A promotora de Justiça Maria Dalva Borges Holanda apresentou parecer contrário à acusação de crime de calúnia, mas orientou que, com declínio de competência para um dos Juizados Especiais de Brasília, prossiga o processo de difamação, “cuja pena máxima em abstrato seria inferior a dois anos de detenção”.

A queixa-crime de Fábio Faria foi motivada por declaração de Araújo, no programa Conversa Talk, de que o atual ministro das Comunicações teria “entregado o 5G para a China”.

A decisão promotora de Justiça afirma que “atribuir a um ministro de Estado a prática de pautar suas ações para atender interesses de um Estado estrangeiro” pode ser “fato ofensivo a sua honra objetiva”, configurando, em tese, crime de difamação. Faria anunciou a abertura do processo através das redes sociais na última quinta-feira (20). “Enquanto a gente trabalha pelo Brasil, uns só atrapalham. A partir de agora, mentiras e teorias esdrúxulas, fruto de criações mentais, serão tratadas na Justiça”, disse.

Por outro lado, a promotora citou um “pacífico entendimento” do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios que diz que o crime de calúnia não pode ser configurado por afirmações vagas e genéricas.

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

VÍDEO: Bandidos atiram em veículo que levava família para o aeroporto

Uma família inteira e um motorista foram vítimas de uma tentativa de assalto, na madrugada do dia (21) de novembro do ano passado, na rodovia que dá acesso ao aeroporto Aluísio Alves, entre as cidades de Macaíba e São Gonçalo do Amarante.

Bandidos que surgiram do matagal as margens da rodovia tentaram parar o carro atirando, os tiros atingiram os vidros laterais e o para-brisa deixando todos que estavam no veículo em pânico. O comando Geral da PM confirmou o fato registrado em 2021 e que todas medidas de segurança no perímetro foram tomadas.

Portal BO

Opinião dos leitores

  1. Acho que a informação da Polícia está equivocada. Esse acontecimento é bem mais antigo, deve ter acontecido no início de 2021.

  2. A verdade sobre esse aeroporto no fim do mundo um dia vai aparecer. Alguns se deram muito bem, obrigado. É melhor ficar Calado.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Anac dá primeira autorização para entrega comercial usando drones

Foto: Anac

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concedeu a primeira autorização para uma empresa utilizar drones para entregas comerciais. A contemplada foi a companhia Speedbird Aero, que poderá utilizar aeronaves não tripuladas em suas operações de entrega de produtos.

A Speedbird Aero utilizará a aeronave pilotada remotamente chamada DLV-1 NEO. Poderão ser carregadas cargas de até 2,5 quilos em um raio de até 3 quilômetros. A autorização contempla áreas rurais e urbanas.

Mas a licença envolve uma série de requisitos e parâmetros de segurança. Entre eles estão não sobrevoar pessoas, manter distância de fontes de interferência eletromagnética e respeitar as alturas máximas e mínimas fixadas pela ANAC.

O processo de análise do pedido durou oito meses. Técnicos da ANAC acompanharam quatro ensaios com a empresa, sendo três voltados para observação das características físicas do equipamento e outro para analisar a atuação operacional.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. A Anvisa autorizou
    Agora podemos pedir
    Vai ter Delyvery com força
    Para toda população assistir
    PIXU como é sincero e não pode ser diferente
    Vai pedir um par de algemas para entregar ao presidente
    Chega Bg ! PIXU está com a gota.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 238 óbitos e 157 mil casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil neste sábado (22).

– O país 238* óbitos nas últimas 24h, totalizando 622.801 mortes;

– Foram 157.393* novos casos de coronavírus registrados, no total 23.909.175;

*Sem dados do DF e MT que não divulgam aos sábados. São Paulo admitiu subnotificação neste sábado devido a problemas para inserção de dados no sistema.

Dessa forma, a média móvel de óbitos dos últimos sete dias ficou em 261 e a média móvel de casos é de 133.350.

O ministério da Saúde calcula que mais de 21,8 milhões de pessoas já se recuperaram da Covid.

Opinião dos leitores

  1. Vai facilitar muito para o PT entregar os pãos com mortadela da compra de votos da eleição desse ano

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Iate Clube do Natal sobe 3 vezes ao pódio no Campeonato Brasileiro da Classe ILCA, antiga Classe Laser

Foto: cedida

O Iate Clube do Natal subiu três vezes ao pódio no 48º Campeonato Brasileiro da Classe ILCA, em edição foi realizada pelo Iate Clube da Paraíba, na raia de Intermares, em Cabedelo-PB. O campeonato chegou ao fim neste sábado (22).

Ao final da série de 10 regatas e 5 dias de competição, conquistaram excelentes resultados para o Iate Clube do Natal os atletas e sócios:

Geraldo Dantas, 2º lugar na Grand Master Radial (ILCA 6);
Thales Varela, 2º lugar na Great Grand Master Radial;
Thelmo Varela, 3º lugar na Master Standard (ILCA 7);
Rodrigo Almeida 4º lugar na Master Standard;

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga: Não queremos obrigar, mas convencer pessoas a tomarem vacina contra a Covid-19

Foto: Igo Estrela/Metrópoles

Em evento na capital do Amazonas, Manaus, na manhã deste sábado (22/1), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que não é a favor da obrigatoriedade da vacinação contra a Covid-19.

Equipes do Ministério da Saúde realizaram ações em todas as capitais da região para promover a imunização e a testagem em massa contra a doença. De acordo com a pasta, os estados têm baixos índices de imunização.

Durante o evento, Queiroga incentivou a população a buscar as unidades de saúde para receber a segunda dose e a dose de reforço. O ministro também afirmou que não concorda com a obrigatoriedade do imunizante, mas disse acreditar que convencer as pessoas a se protegerem é o melhor caminho.

“Não queremos obrigar as pessoas a tomar vacina, queremos convencer as pessoas a tomar a vacina. Não precisamos de tanto tensionamento, de discutir tantas questiúnculas pequenas e laterais, quando na verdade precisamos nos unir em torno de um objetivo em comum, que é acabar a pandemia”, defendeu.

Queiroga também criticou a obrigatoriedade do cartão de vacina para entrada em estabelecimentos e participação em eventos, o chamado passaporte sanitário.

“Quando eu assumi o Ministério da Saúde, as pessoas chegavam lá quase chorando por vacina. E hoje as vacinas estão aí, essas vacinas têm que estar aplicadas no braço dos brasileiros. Precisa um esforço nosso, não é só querer criar passaporte disso, passaporte daquilo, achando que vai ampliar a cobertura de vacina”, afirmou.

O ministro, que é médico cardiologista, também disse que sempre convenceu, sem imposições, os pacientes a realizarem tratamentos. “Nunca consegui nada com meus paciente obrigando por lei eles a fazerem as coisas. Sempre foi pelo convencimento”, ressaltou.

Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. A Paraíba de muitos mestres
    é gente de qualidade
    Já presenteou o Brasil
    Com grandes personalidades
    Que pena Paraíba
    O que aconteceu
    Nos mandar essse incompentente para desespero meu e seu
    Mas sara perdoadas Paraíba
    Em breve isto vai passar
    esse ministro negacionista
    Na prisão vai terminar .

    1. Se preocupem não Pixuleco e Bento a partir de 2022 vcs estão no ministério da Venezuela 🤭🤭🤭🤭🤭

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro diz que zera imposto federal sobre diesel, se PEC que modifica tributos sobre combustíveis passar no Congresso

Foto: Maria Isabel Oliveira / Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que está sendo negociada com o Congresso para baixar impostos sobre combustíveis autoriza e não “impõe” a redução dos tributos pela União e pelos Estados, como já havia indicado o secretário executivo da Casa Civil, Jônathas Castro, em um podcast publicado pela pasta nesta sexta-feira (21).

“A PEC autoriza, não impõe, que o presidente da República e os governadores diminuam, ou zerem, os valores do PIS/Cofins/Cide e ICMS dos combustíveis”, disse, em publicação em suas redes sociais.

Ao site Foco do Brasil, Bolsonaro disse ainda que se a PEC passar no Congresso, no “segundo seguinte à promulgação eu zero o imposto final do diesel no Brasil”.

Opinião dos leitores

  1. Tem que baixar geral, não so o diesel. Tem que mudar a politica de preços, desvincular do preço do barril internacional.

  2. Quem tem capacidade de raciocínio sabe essa medida não resolve. A política atual só beneficia os acionistas e prejudica a população.

  3. Saci Pererê deu pinote
    Mula sem cabeça apareceu
    A Caipira esta fumando
    A Cuca escafedeu
    Para acreditar nesse doido
    Somente sendo demente
    Falta muito pouco tempo
    Para nos livrarmos desse indolente
    Vai ser na urna e de lavada
    Vamos botar ele para prisão
    Com Lula assumindo o comando da nação .
    Um país como o nosso
    que tem como padroeira NOSSA SENHORA APARECIDA
    não merece ser governada
    por um presidente genocida.
    PIXU está rimando com força!
    Ai papai PIXU não pode deixar de tomar leite de cabra.
    Bora pro cercado gadolândia !

  4. O desespero tá grande ! Eh tanta mentira e medida populista que cada dia parece mais com o primeiro governo de DilmAnta… A única esperança de lulaladrao não voltar eh Moro…

    1. Vá arrumar um emprego VAGABUNDO , tomar um sol na praia vadio , deixa de defender POLÍTICO .. tudo BANDIDO

    2. Brasil não precisa se preocupar c minha vida financeira e laboral tá! Mas uma coisa eu digo, muita gente vai perder a boquinha quando o MINTOmaníaco das rachadinhas perder as eleições viu! A milícia digital dele vai ter que procurar outra fonte de renda e outro político pra babar e idolatrar… Kkkkkkk.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Homem flagrado vendendo certificado de vacina falso questiona: ‘Não tomou vacina por quê?’

Mesmo flagrado cometendo um crime ao vender comprovantes de vacinação falsificados no Rio de Janeiro, um cambista fez questão de aconselhar a equipe do RJTV a se imunizar contra a Covid.

“Agora, se o senhor quiser mesmo, o certo é o senhor tomar a vacina, entendeu? Tem que tomar a vacina. Não tomou a vacina por quê?”, questionou o homem, que oferecia o cartão na Quinta da Boa Vista, na Zona Norte, perto do Bioparque.

Cartões de vacinação falsificados com o timbre da prefeitura de Mesquita-RJ, usados para acessar locais onde é necessário comprovar a vacinação, são vendidos por até R$ 200 em plena luz do dia no Rio. Os flagrantes do RJ1 aconteceram em pelo menos dois lugares: na Uruguaiana e na Quinta da Boa Vista.

Prisões e flagrante

Nesta sexta-feira (21), PMs do 5º Batalhão (Gamboa) prenderam quatro homens que vendiam ingressos e comprovantes falsos de vacinação próximo ao AquaRio.

No Centro, com uma câmera escondida, uma equipe de reportagem do RJTV filmou o vendedor negociando o comprovante de vacinação.

“Cartão de vacina, meu amigo, estou vendendo a R$ 200 aí. Vem em branco, assim.”

O vendedor mostra um cartão de vacinação no celular e afirma que o cartão é o mesmo dado nos postos de saúde. Segundo ele, o próprio comprador deve preencher.

O que dizem as autoridades

  • Polícia Civil afirmou que a Delegacia do Consumidor possui investigações sobre o assunto.
  • Guarda Municipal afirmou que, a partir das imagens veiculadas, iria verificar a conduta dos agentes que estavam no local.
  • Polícia Militar afirmou que os crimes exibidos são cometidos de forma velada em ações encobertas, o que dificulta a identificação dos autores. A PM afirmou que mantém o patrulhamento nas áreas turísticas do Rio.
  • Prefeitura de Mesquita afirmou que desconhece e condena a prática de falsificação de documento de vacinação e que isso é caso de polícia.
  • Bioparque do Rio afirmou que segue o decreto municipal e que permite o acesso com o comprovante de vacinação e um documento com foto dos visitantes.

g1

Opinião dos leitores

  1. Agora vão prender o povo por vender papel.
    Fechem logo todas as papelarias.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Após aprovação da CoronaVac para crianças, diretores da Anvisa recebem novas ameaças: ‘O preço que você vai pagar será altíssimo’

Foto: Evaristo Sá/AFP/13-09-2021

Minutos após a aprovação do uso da vacina CoronaVac em crianças, na tarde de quinta-feira (20) , diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) começaram a receber ameaças e ofensas em seus e-mails institucionais.

Em um deles, encaminhado à quinta diretoria, uma pessoa que se identifica como Nilza acusa os funcionários da agência de colocarem “vida inocentes numa grande roleta russa”. E diz que servidores da agência serão vítimas de uma “maldição”: “(…) o preço a ser pago será terrível não quero estar na sua pele e oro a Deus em desfavor de todos que tem causado dor e sofrimentos ao seu próximo, lembre se o próximo pode ser dentro de sua família (sic.)”

Em outro e-mail em tom ameaçador, enviado às 14h de quinta-feira, o remetente acusa os servidores da agência de falta de “amor à pátria” e também diz que “o preço que o servidor vai pagar será altíssimo”. “Com certeza não usará esse experimento nós filhos e netos de vcs” (sic.)”.

Em sua live semanal, no dia 16 de dezembro, o presidente Jair Bolsonaro ameaçou divulgar os nomes dos técnicos que aprovaram a vacina contra Covid da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos.

— Não sei se são os diretores e o presidente que chegaram a essa conclusão ou é o tal do corpo técnico, mas, seja qual for, você tem o direito de saber o nome das pessoas que aprovaram aqui a vacina a partir dos cinco anos para o seu filho — disse Bolsonaro.

Desde então, técnicos e diretores da Anvisa têm sofrido ameaças e perseguições, por e-mails e nas redes sociais, por causa da atuação da agência na vacinação infantil. Ao todo, os funcionários da agência já receberam mais de 300 e-mails ameaçadores.

No último dia 20 de dezembro, três dias após a fala do presidente da República, a Polícia Federal abriu um inquérito para investigar o caso.

As últimas ameaças, na tarde de quinta-feira, foram encaminhadas minutos após a Anvisa aprovar, por unanimidade, a autorização emergencial da CoronaVac para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos.

Nesta sexta-feira, o Ministério da Saúde anunciou que vai utilizar as doses da Coronavac na imunização de crianças e adolescentes. A decisão vem um dia após o governo de São Paulo iniciar a vacinação de crianças com imunizante, o que mobilizou governadores de outros estados a pressionarem o Ministério da Saúde pela liberação imediata da vacina.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Esses Naristas agressivos são minoria e intimidam a maioria. Estamos na contagem regressiva para o fim desse atraso social e intelectual do povo brasileiro.

  2. Acredito que a coronavac seja a menos prejudicial a saúde, usa tecnologia bastante conhecida e testada, as que utilizam terapia genética são uma incógnita.
    Mas toda cautela é pouco.

  3. “Orar em desfavor”, esses malucos inventam de tudo. São os verdadeiros terroristas. Falta pouco pra nos livrar dessa corja.

    1. Um pouquinho mais do que quatros e meio.
      De repente passa homi.
      😂😂😂😂😂😂😂

  4. Lula e o MST braço direito de tudo que não presta, disse que tocaria fogo no Brasil.
    Eu acho que tem esquerdopata nisso aí. Que seja investigado e punido o ou os engraçadinhos.

    1. Já tá ficando sem graça. Se chove, esse cara fala em Lula. Até na festa do socialite em Dubai ele deu um jeito de mencionar lula. sai daí

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *