Esporte

CBF e clubes rejeitam volta de público e ingressam com ação contra o Flamengo

FOTO: DELMIRO JUNIOR/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e 19 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro decidiram que os jogos vão continuar sem a presença de público até que haja permissão de todas as prefeituras para realização de jogos com torcedores nos estádios. E propuseram que o retorno das torcidas aos estádios brasileiros acontecerá de forma simultânea para todos os times.

A decisão foi tomada, nesta quarta-feira (8), durante uma reunião na sede da entidade, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Em nota, a CBF informou que “os 19 clubes participantes do Conselho Técnico decidiram, por unanimidade, que somente haverá o retorno de público às partidas da Série A do Campeonato Brasileiro quando as autoridades públicas de todas as cidades dos clubes participantes autorizarem, garantindo a isonomia total na competição.”

Ainda segundo a entidade, haverá uma nova reunião no próximo dia 28 para deliberar sobre o tema. Até lá, a CBF e os clubes vão pleitear junto às autoridades sanitárias locais que permitam a presença de público.

Na reunião, também ficou decidido que eles ingressariam com uma ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para tentar derrubar a liminar concedida ao Flamengo, que permite a presença de público em três jogos da equipe, que servirão de eventos-teste.

As partidas, que tiveram a anuência da prefeitura do Rio de Janeiro, terão ocupação de 35% a 50% da capacidade total do Estádio do Maracanã.

Dessa forma, o time rubro-negro foi o único que não participou da reunião e se pronunciou negativamente sobre o encontro. Em nota oficial, afirmou que a situação é uma “questão de suma importância, tanto no relacionamento dos clubes com seus torcedores como também na sobrevivência financeira das entidades desportivas”.

Apesar da liberação das autoridades em algumas cidades do país, como Belo Horizonte, os jogos do Campeonato Brasileiro de 2021 ainda não tiveram a presença de público.

A ideia dos dirigentes, que participaram do encontro, é manter os jogos no Brasil sem a participação de torcedores até que todas as prefeituras liberem a realização dos eventos com torcida.

À CNN, o presidente da Comissão Nacional de Médicos de Futebol (CNMF), Jorge Pagura, afirmou que a CBF preza pelo equilíbrio técnico e, por isso, não vai apoiar a retomada dos torcedores em apenas determinadas regiões do país.

E reiterou que a presença de torcida precisa ser autorizada pelos órgãos responsáveis.

“A reunião é para avaliar e discutir os aspectos de equilíbrio técnico em caso de autorização para uma eventual presença de público aos estádios, pois passamos o primeiro turno inteiro sem a participação dos torcedores. Precisa que os aspectos de equilíbrio técnico sejam preservados, lembrando que a liberação sempre dependerá das autoridades”, explicou.

O equilibro técnico tão apontado por Pagura está relacionado principalmente às partidas entre Flamengo e Grêmio pela Copa do Brasil. Isso porque no jogo de ida, no qual o time gaúcho foi o mandante, a entrada de torcedores não foi autorizada pelas autoridades.

Já a partida da volta, que acontece no próximo dia 15, é um dos três jogos que a prefeitura do Rio autorizou a presença do público.

A CBF e os clubes vão pedir também que sejam suspensas as rodadas do Campeonato Brasileiro nas quais as equipes sinalizem com a utilização de liminar para contar com público nos estádios.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Omi até na Argentina, Uruguai, Paraguai, e a pqp, locais que até a vacinação está bem mais atrasada que o Brasil, já voltaram o público só aqui q esse bando de burro ainda quer impedir, BORA VOLTAR A VIVER BANDO DE MEDROSO ! Vão se esconder embaixo da cama p o virus n ver eh ?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Após pico em março, mortes por covid no Brasil estão em queda há 6 meses

Foto: Andre Coelho/Getty Images

O número mensal de mortes por data real por covid-19 está em queda desde que atingiu o pico, em março deste ano, quando foram 80.831 vítimas da doença. Nós meses seguintes, o total mensal vem caindo sucessivamente, até que chegou em setembro ao menor número desde novembro de 2020.

Números de cada mês:

  • Março: 80.831;
  • Abril: 76.464;
  • Maio: 54.205;
  • Junho: 47.677;
  • Julho: 27.811;
  • Agosto: 16.998;
  • Setembro: 10.534.

Os dados referem-se às datas em que realmente ocorreram as mortes, e não às datas em que foram notificadas. O número de notificações é divulgado diariamente neste site do Ministério da Saúde. Já as mortes por data real são divulgadas uma vez por semana pelo Ministério da Saúde em boletim epidemiológico. A edição mais recente traz dados até 18 de outubro.

É possível que os números mais recentes aumentem nos próximos boletins, à medida que as autoridades identificam as datas das mortes. Esse dado pode demorar até 16 meses para ser conhecido.

De 603.465 mortes confirmadas até 18 de outubro, 588.936 têm a data real conhecida pelo Ministério da Saúde. Ou seja, ainda não se sabe exatamente em que data aconteceram 2,4% das mortes registradas até a última data de atualização dos dados.

Em março, durante o mês de pico da pandemia, o país atingiu o maior número de mortes ocorridas em 24 horas. No dia 29 de março de 2021, o Brasil teve 3.434 vítimas, de acordo com a atualização mais recente. O maior número de notificações em 24 horas só foi registrado 10 dias depois, 8 de abril, com 4.249 mortes reportadas em 1 dia.

Poder 360

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

“Nazista é a sua mãe”, reponde Roger do Ultraje a médica potiguar

O cantor Roger Moreira, do Ultraje A Rigor, respondeu à médica potiguar Roberta Lacerda chamando a mãe dela de nazista.

A discussão começou quando um seguidor do músico disse que não tomou a vacina contra a Covid por opção. Roger então defendeu a liberdade individual do seguidor afirmando que ele teve a escolha. A médica então sugeriu que Roger, se o nazismo fosse hoje, seria um dos militares que estava apenas seguindo ordens. O cantor rebateu dizendo que cabe processo e emendou chamando a mãe de nazista.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil tem 108,8 milhões de pessoas totalmente imunizadas contra a covid-19

O Brasil atingiu a marca de 51,02% da população totalmente imunizada contra a covid-19. Em números, significa que 108.844.291 receberam as duas doses ou o imunizante de aplicação única.

O número de habitantes parcialmente imunizados, ou seja, com ao menos uma dose das vacinas disponíveis é de 152.816.363, correspondendo a 71,64% da população.

Nas últimas 24 horas, foram registradas 1.167.980 aplicações. As primeiras doses foram aplicadas em pouco mais de 170 mil pessoas. Já 706.095 receberam a 2ª aplicação da vacina.

Estadão Conteúdo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes: mudanças no teto não abalam fundamentos fiscais do país

As mudanças no teto federal de gastos para financiar parte do Auxílio Brasil não abalarão os fundamentos fiscais do país, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em declaração conjunta ao lado do presidente Jair Bolsonaro, ele disse preferir ter a gestão avaliada com uma nota mais baixa para ajudar a população mais vulnerável.

“Entendemos os dois lados, mas não vamos tirar 10 em política fiscal e zero em política social. Preferimos tirar 8 em fiscal, em vez de tirar 10, e atender os mais frágeis”, afirmou o ministro. “Nós preferimos um ajuste fiscal um pouco menos intenso e um abraço do social um pouco mais longo. É isso que está acontecendo.”

Acompanhado de Bolsonaro, Guedes negou ter pedido demissão do cargo, após quatro secretários terem pedido exoneração. O presidente visitou o Ministério da Economia para aliviar as tensões após a decisão do governo de encaminhar ao Congresso uma proposta que muda o período de cálculo do teto de gastos para acomodar o benefício de R$ 400 do Auxílio Brasil que vigorará até o fim de 2022.

Diário do Poder

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Filiação de Moro ao Podemos é marcada para 10 de novembro

O ex-ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro deve se filiar ao Podemos em evento marcado para o próximo dia 10 de novembro, em um centro de convenções de Brasília. A informação foi antecipada pelo site O Antagonista e confirmada pela Folha.

A princípio, a filiação ainda não deve confirmar a candidatura do ex-responsável pela Operação Lava Jato à Presidência no ano que vem, embora dirigentes do partido afirmem que referências nesse sentido serão inevitáveis.

No início do mês, Moro, que vive em Washington (EUA), esteve no Brasil para uma rodada de conversas políticas, quando deixou encaminhada sua filiação ao partido.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Vocês não conhecem as ruas, disse Bolsonaro a Guedes e equipe ao defender Auxílio Brasil de R$ 400

Uma das reuniões sobre o Auxílio Brasil teve uma bronca de Jair Bolsonaro dirigida a Paulo Guedes e equipe.

Enquanto o ministro da Economia e seus auxiliares diziam que estaria de bom tamanho fixar o valor do novo Bolsa Família em menos do que R$ 400, o presidente da República respondeu que eles defendiam isso porque não conhecem as ruas, não tratam com o povo.

No encontro, Bolsonaro também lembrou que é ele quem manda e que todos devem seguir suas ordens.

Painel/Folha de S.Paulo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Dólar cai e bolsa reduz perdas após pronunciamento conjunto de Guedes e Bolsonaro

Foto: AMANDA PEROBELLI/REUTERS – 19/10/2021

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, e o dólar tiveram uma recuperação após encontro entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, no início da tarde desta sexta-feira (22).

Com as especulações em torno da permanência de Guedes no cargo, o mercado registrou queda da Bolsa e alta do dólar pela manhã. Mas, quando Bolsonaro disse ter plena confiança no ministro, o Ibovespa parou de cair, enquanto no câmbio o dólar recuou a R$ 5,62.

O dólar à vista recuou 0,77%, a R$ 5,6244 na venda, depois de chegar a tocar R$ 5,7551, no pico do dia, alta de 1,53%. Apesar da desvalorização nesta sessão, a moeda americana encerrou a semana com alta de 3,115%, a mais acentuada desde a semana finda em 9 de julho deste ano (+4,01%).

A decisão também minimizou perdas das ações brasileiras, mas o principal índice da Bovespa registrou a pior semana desde o início da pandemia.

O Ibovespa teve baixa de 1,24%, aos 106.399,07 pontos, nova mínima desde novembro passado, após ter chegado a cair mais de 4,5% durante a sessão. Na semana, contabilizou perda de 7,19%, a maior desde o início da pandemia no país, em março do ano passado.

No pior momento do dia, às 13h, o Ibovespa desabava 3,4%, aos 104.069,17, o menor patamar do ano. No mesmo momento, o dólar comercial se valorizava 0,99% e era vendido por R$ 5,723.

Na abertura do pregão, o Ibovespa tinha baixa de 1,6%, aos 106.004,17 pontos, buscando novas mínimas desde novembro de 2020. Na véspera, após ter caído 2,75%, o índice já havia acumulado perda de 6% na semana e obtido o menor fechamento em 11 meses.

As movimentações pessimistas ocorrem em meio à possibilidade de ocorrência de gastos públicos acima do teto, e ganharam fôlego com os pedidos de demissão do secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e do secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt.

Nesta manhã, Guedes cancelou participação em evento da Abras (Associação Brasileira de Supermercados), alegando despachos internos, e aumentou as preocupações sobre sua permanência no comando da Economia.

Diante da série de fatores negativos, investidores continuam impondo sobre os preços riscos maiores de abandono da responsabilidade fiscal com o furo do teto de gastos para pôr de pé o Auxílio Brasil, programa idealizado para substituir o Bolsa Família com pagamentos no valor de R$ 400.

R7

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Governo do RN cria novos batalhões e companhias da Polícia Militar

Foto: Demis Roussos/Governo do RN

A governadora Fátima Bezerra oficializou nesta sexta-feira (22), por meio de decretos, a criação de novas unidades para a Polícia Militar, que passa a contar com mais dois batalhões e quatro novas companhias. Os documentos foram assinados na presença do vice-governador Antenor Roberto, do Secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), coronel Francisco Araújo, e do comandante da Polícia Militar do RN, coronel Alarico Azevedo.

A criação das novas unidades faz parte do projeto de reorganização e reestruturação operacional da Polícia Militar. “Essa medida vai proporcionar uma atuação mais estratégica e específica nas regiões, a fim de garantir o fortalecimento das ações integradas de segurança em todo nosso estado”, disse Fátima Bezerra.

Com a publicação, passam a existir o 14° BPM, com sede na cidade de João Câmara, o Batalhão de Policiamento Ambiental, com atuação em todo o território potiguar, as Companhias Independentes de Polícia Militar nas cidades de Alexandria, Apodi e Ceará-Mirim, e mais a Companhia de Música da PM.

“Este é um momento importante para a segurança pública do Estado, em especial para a Polícia Militar. Isso significa mais investimentos na formação profissional, na valorização dos policiais, mais viaturas, mais equipamentos de proteção individual, mais armamentos e uma melhor infraestrutura”, destacou o titular da Sesed.

Nesta semana, foram oficializadas a criação do 13° Batalhão da PM na cidade de Currais Novos (com a criação das Companhias de Parelhas e Lagoa Nova), e mais a criação da Companhia Independente de Polícia Militar em Patu.

Abaixo, confira as novas unidades operacionais da PMRN e suas respectivas áreas de atuação:

Unidades

– 14° Batalhão de Polícia Militar, sediado na cidade de João Câmara (com uma Companhia de Polícia Militar na Cidade de Touros e um pelotão na cidade de São Miguel do Gostoso e duas Companhias de Polícia Militar na sede do Batalhão em João Câmara);

– Batalhão de Policiamento Ambiental (com uma Companhia de Policiamento Ambiental na Cidade de Mossoró, uma na cidade de Caicó e outra na sede do Batalhão);

– 2° Companhia Independente de Polícia Militar sediada na cidade de Alexandria (com pelotões nas cidades de Alexandria, Martins e Marcelino Vieira);

– 6° Companhia Independente de Polícia Militar sediada na cidade de Apodi (com pelotões nas cidades de Apodi, Felipe Guerra e Rodolfo Fernandes);

– 7° Companhia Independente de Polícia Militar sediada na cidade de Ceará-Mirim (pelotões nas cidades de Ceará-Mirim, Maxaranguape e Taipu);

– Companhia de Polícia de Música (sede em Natal).

Áreas de atuação

14º BPM: João Câmara, Bento Fernandes, Caiçara do Norte, Jandaíra, Jardim de Angicos, Parazinho, Pedra Grande, Poço Branco, São Bento do Norte, São Miguel do Gostoso e Touros.

2ª CIPM: Alexandria, Antônio Martins, João Dias, Marcelino Vieira, Martins, Pilões, Serrinha dos Pintos e Tenente Ananias.

6ª CIPM: Apodi, Rodolfo Fernandes, Itaú, Felipe guerra e Severiano melo.

7ª CIPM: Ceará-Mirim, Ielmo marinho, Maxaranguape, Pureza, Rio do Fogo e Taipu.

Batalhão de Policiamento Ambiental: com atuação em todo o estado.

Companhia de Polícia de Música: com atuação em todo o estado.

Opinião dos leitores

  1. Bote a polícia na rua p proteger a população pq estamos cansados de tantos roubos e assaltos.
    Agora q vem campanha vão correr p maquiar tudo.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gastronomia

Programa Papo de Fogão visita Galante e Bananeiras na Paraíba e traz receitas preparadas pelos Chefs Cumpade João e Allan Lima

O Papo de Fogão dessa semana visitou duas cidades da Paraíba em busca de receitas que trazem todo sabor da culinária nordestina com uma pitada contemporânea.

Bode é bom demais, né não? E pra trazer todo sabor dessa carne tão apreciada no nosso nordeste, fomos até Galante/PB aprender com o Chef Cumpade João, da Casa de Cumpade, uma receita especial: Palmas para o bode!

Lá em Bananeiras/PB, fomos recebidos pelo Chef Allan Lima, do Grãos do Brejo cafeteria e bistrô, vai fazer uma sobremesa que é deliciosa e super fácil de preparar: Peteca do brejo! A Peteca de Banana é uma iguaria que faz parte do Patrimônio Cultural e Imaterial de Bananeiras.

Fique ligado, é neste fim de semana.

SÁBADO
BAND NORDESTE
Alagoas, 07h
Maranhão, 10h30

TV CORREIO/RECORD
Paraíba – 13h30

DOMINGO⠀
RIO GRANDE DO NORTE
TV TROPICAL/RECORD – 10h

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

Foto: Agência Brasil/Arquivo

O problema da escassez de mão de obra, que já vinha sendo sentido em alguns mercados específicos nos últimos meses, agora acende um sinal amarelo no radar da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Pesquisa da entidade aponta falta ou alto custo do trabalhador qualificado entre as preocupações de 11,5% dos empresários no terceiro trimestre. O percentual, ficava em torno de 5% antes da pandemia, mas passou a oscilar entre 9,5% e 8,7% e agora deu o novo salto.

A última vez que o número atingiu patamar semelhante foi no primeiro trimestre de 2015, no início da série histórica.

Segundo Marcelo Azevedo, gerente de análise econômica da CNI, a dificuldade com a mão de obra é uma preocupação que costuma crescer em momentos de atividade mais forte. A diferença agora é que o gargalo chega em um momento atípico e se soma a outras dificuldades, como a falta de matéria prima na pandemia.

“Tem outros problemas afetando a indústria, mas este é um alerta porque é algo que leva tempo para ser resolvido. Precisa de treinamento e é custoso. O ensino brasileiro tem deficiência forte e as empresas são forçadas a treinar”, diz Azevedo.

O fenômeno da falta de mão de obra atingiu os EUA na pandemia e também preocupa alguns setores empresariais brasileiros, que receiam estar diante de um cenário com alguma semelhança.

Apesar do desemprego, negócios nas indústrias de construção, calçados, confecções, náutica, farmacêutica e restaurantes relatam diferentes níveis de dificuldade para preencher vagas novas ou reabertas. A avaliação é que os trabalhadores demitidos podem ter migrado para outras cidades ou atividades no último ano.​

Painel S.A. – Folhapress

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *