Comportamento

Lésbicas e DSTs: a saúde sexual das mulheres que transam com mulheres; entenda os riscos e conheça os métodos de proteção

Imagine a cena: duas mulheres estão no quarto, trocando carícias, cheias de tesão, tiram a roupa e então… Uma delas vai até a cozinha pegar o rolo de plástico filme para colocar sobre a vulva da parceira e garantir que elas façam sexo seguro.

Pois é, uma cena que não parece nada sexy, nem prática. Mas que tem sido a principal orientação que mulheres lésbicas encontram sobre prevenção de doenças que podem ser transmitidas no sexo. Isso, quando encontram alguma orientação. Porque existe também uma ideia geral de que em uma transa com duas vaginas, não há risco de transmissão.

“É mito que as mulheres lésbicas estão protegidas contra as ISTs [infecções sexualmente transmissíveis], e é muito importante falar sobre isso”. As palavras da ginecologista Bruna Wunderlich lembram que sexo entre mulheres pode, sim, transmitir doenças e que a falta de informação sobre isso só aumenta a exposição a riscos.

Um estudo do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids, de 2012, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, mostrou que só 2% das lésbicas se previnem contra as ISTs. Algo que passa pela desinformação, mas também pela ausência de métodos de proteção desenvolvidos especificamente para elas.

E, apesar da prevenção dificilmente acontecer, os riscos são reais: uma pesquisa realizada pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) em 2017 com 150 mulheres que se relacionam mulheres mostrou que 47,3% delas tinham algum tipo de IST.

Os motivos para esse assunto ainda ser tabu passam pela invisibilidade e preconceito em relação às relações lésbicas e também à sexualidade feminina. E para combater isso, reunimos aqui as principais informações sobre as doenças, prevenção e também acompanhamento ginecológico.

As doenças e o sexo

Antes de começar, é preciso explicar que hoje em dia se usa a expressão Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) ao invés de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), porque às vezes a pessoa pode ser infectada, mas não manifestar a doença. Mas como popularmente é muito mais comum se ouvir falar de DSTs, vamos usar esse termo, para facilitar a compreensão.

Existe um imaginário de que a transmissão de doenças está ligada à penetração durante o sexo. No entanto, essa é só uma das formas possíveis de passar uma doença. Sexo oral, contato entre mucosas e com o sangue são outras.

“Sífilis, herpes genital e verrugas genitais têm a ver com contato de mucosa. E todas as vezes que eu tenho contato de mucosas, seja entre dois órgãos sexuais ou da boca com um órgão sexual, isso transmite”, explica Thais Machado Dias, médica de família e comunidade do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde e do Instituto Iris.

Então, para não reforçar preconceitos, é importante destacar que falar em transmissão de DSTs não tem a ver com a orientação sexual das pessoas (heterossexual, bissexual, homossexual, entre outras) e sim com as práticas sexuais. O que isso quer dizer?

Quer dizer que existem infecções que são transmitidas pela prática da penetração, outras pela prática do sexo oral e outras pelo contato da mucosa, ou por mais de uma dessas formas juntas. E tanto pessoas heterossexuais quanto homossexuais podem ter qualquer uma dessas práticas, afinal a sexualidade humana é complexa e pode envolver um monte de práticas.

Mulheres lésbicas podem usar acessórios ou os dedos para penetração, assim como um casal heterossexual pode praticar o sexo oral. Além disso, podem se envolver com mulheres bissexuais, que se relacionam ou relacionaram com homens. E existem ainda mulheres lésbicas e bis trans que não passaram por redesignação sexual e têm um pênis.

Por isso, para analisar os riscos de contágio de doenças, é importante pensar em como elas são transmitidas, não na orientação sexual das pessoas. É importante destacar essa diferença para não se reforçar estereótipos e preconceitos como os homens gays sofreram na década de 1980 com a descoberta da aids, por exemplo.

Na tabela abaixo, mostramos as principais formas de transmissão das DSTs mais comuns.

Lésbicas e DSTs (Foto: Carolina Herreira)

Vale ressaltar que quando falamos de sangue, estamos falando tanto de transar menstruada, quanto de machucados que possam estar ativamente sangrando.

“A transmissão das doenças aumenta quando há uma fissura ou um corte que rompa a base da mucosa”, diz a ginecologista Thaila Maia. Então se houver um machucadinho na vulva, na boca ou no dedo, o risco fica maior.

Sobre o HPV, Thais Machado Dias explica que existem dezenas de tipos desse vírus e o mais visível e fácil de diagnosticar são as verrugas genitais. E quando as verrugas estão presentes, o risco de transmissão do vírus aumenta.

Por fim, todas as entrevistadas disseram que sim, é possível a transmissão do HIV, vírus responsável pela AIDS, entre mulheres. No entanto, isso é pouco comum, pois a concentração do HIV nos fluidos vaginais é muito menor do que no esperma.

E como fazer a prevenção?

Certo, então as relações entre mulheres podem transmitir DSTs. Mas como é feita a prevenção?

Aí está o desafio: não existem métodos pensados especificamente para o sexo lésbico. “É muito frustrante porque, mesmo que não tenhamos tanta chance de pegarmos AIDS, temos risco de pegar outras doenças, como sífilis ou HPV, mas não temos nenhum tipo de método que nos proteja”, diz a estudante, L.M., 22, que preferiu não se identificar.

Ela conta que já leu formas alternativas, como cortar camisinha ou luvas cirúrgicas para proteger a vulva, mas considera os métodos ruins. “Isso não é nada prático e também ninguém gosta de ficar lambendo uma luva cirúrgica. Algumas camisinhas têm gosto, sim, mas ainda falta a questão da praticidade: ninguém com tesão vai ficar desmontando e cortando camisinha, e tendo cuidado de não deixar sair do lugar”, explica.

A camisinha feminina, inclusive, também não resolve a questão, pois ela protege apenas o canal vaginal e não a área externa da vulva. Sem falar no quanto é um produto difícil de encontrar: la é oferecida gratuitamente em unidades de saúde, mas em farmácias nem sempre estão disponíveis.

A médica Thais Machado afirma que “são instrumentos adaptados e que as mulheres relatam que são desconfortáveis”. Ela sugere que, além de usar esses métodos de prevenção improvisados, a mulher use o olhar para identificar se há alguma ferida ou verruga na parceira. A médica também recomenda fazer acompanhamento ginecológico constante e a troca de exames com a parceira.

Mas ela lembra: “Não existe sexo 100% seguro. Existe um sexo mais seguro e não seguro em si. A gente vai transitando nessa zona cinzenta entre o polo da segurança e de insegurança total”.

Para evitar entrar nessa zona da insegurança total, veja na imagem abaixo quais são as opções de cuidado para prevenir DSTs que as lésbicas têm à disposição atualmente no Brasil.

Lésbicas e DSTs (Foto: Carolina Herreira)

O dental dam, mencionado no gráfico, é um produto usado por dentistas. Uma espécie de lenço de látex que é colocado sobre a boca para isolar os dentes. Em alguns países, ele já é vendido especificamente para o sexo entre mulheres. Mas no Brasil ainda é difícil de encontrar.

Já a calcinha de látex é hoje produzida no Brasil pela Azza Hotelaria com o nome de Calcinha de Vênus. Ela é um lingerie de renda, mas a frente é feita de látex transparente para permitir a sensibilidade tanto no sexo oral quanto no contato entre vulvas. Segundo a fabricante, cada calcinha pode ser usada até oito vezes, com higienização com sabão neutro. Os preços variam de acordo com o modelo e tamanho, indo de R$ 10 a R$ 28 e os pedidos podem ser feitos pela página de Facebook do produto.

Ginecologia sem preconceito

Falar de prevenção de doenças sem falar em acompanhamento médico é impossível. E no caso das mulheres lésbicas, surge aí mais um desafio: o preconceito dos profissionais de saúde.

A jornalista Camila Ramos, 30, teve de lidar com isso. Em uma consulta com um novo ginecologista, quando disse que tinha namorada, ouviu do profissional: “então sai daqui”. Ele acabou falando para ela ficar, mas passou o resto da consulta agindo de maneira preconceituosa.

“Ele perguntou se eu já tinha tido relação heterossexual. Como achei que fosse relevante para a consulta, respondi que sim. A resposta dele foi: ‘Poxa, mas foi tão ruim assim?’, conta. Camila chegou a entrar com uma denúncia administrativa contra o médico, mas acabou não levando o processo para frente. O episódio, no entanto, até hoje gera medo nela quando vai procurar um ginecologista.

Além das questões morais e simbólicas do preconceito dos profissionais de saúde, muitas mulheres lésbicas deixam de ir ao ginecologista por conta da realização de exames desnecessários ou de forma violenta.

“Estudos mostram que as relações entre pacientes lésbicas e seus profissionais de saúde podem representar grandes barreiras para o rastreio das doenças ginecológicas”, afirma afirma a ginecologista Bruna. Segundo ela, os profissionais não têm conhecimento do risco das doenças nesta população, falham em obter um histórico sexual completo e não promovem um ambiente acolhedor para que as lésbicas se sintam à vontade para contar sobre sua orientação sexual. “Ou seja, o profissional da saúde é grande parte do ciclo que perpetua a violência e discriminação contra essas mulheres”, afirma.

É importante ressaltar que mulheres que transam com mulheres precisam fazer acompanhamento médico como qualquer mulher. “A gente tem preconizado há alguns anos que qualquer pessoa com vida sexual ativa tem que fazer o rastreamento de doenças sexualmente transmissíveis uma vez por ano”, explica a média Thais.

Um dos exames que podem ficar um pouco diferente para as lésbicas é o papanicolau. As especialistas afirmam que qualquer pessoa que já teve penetração, mesmo que há muito tempo, precisava fazer esse exame. Para fazê-lo é usado um espéculo (aparelho médico inserido na vagina para permitir a visualização e coleta do exame).

“Se essa mulher nunca colocou nada na vagina dela voluntariamente, nem um vibrador, nem um dedo, não vou ser eu que vou colocar um espéculo. E a gente tem que pensar na penetração de uma maneira mais ampliada e não falocêntrica”, diz Thais. Ela ainda complementa que depois de dois exames de papanicolau normais, com um intervalo de um ano entre eles, a mulher pode repetir a cada três anos.

Se a mulher nunca teve penetração, é feito apenas o exame físico sem a inserção do espéculo. Por isso, é muito importante que o médico pergunte à mulher se ela já teve ou não penetração antes de examiná-la.

Existe ainda uma outra questão a ser lembrada que é o planejamento familiar. “Prestadores de serviços de saúde reprodutiva e serviços de planejamento familiar devem considerar que qualquer paciente, mesmo que esteja grávida, pode ser lésbica ou bissexual”, afirma Bruna Wunderlich.

– Este conteúdo foi originalmente publicado no site da revista AZMina.

Globo, via Marie Claire

 

 

 

Opinião dos leitores

  1. "E existem ainda mulheres lésbicas e bis trans que não passaram por redesignação sexual e têm um pênis."
    Homi , explica isso direito…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Auxílio taxista: profissionais de Natal relatam dificuldades para receber benefício

Foto: Ediana Miralha

O pagamento do “auxílio-taxista” teve início em todo o país nesta terça-feira (16), mas um grupo de profissionais da capital potiguar não conseguiu receber a parcela de R$ 1 mil do benefício. Natal conta com 1.010 táxis cadastrados. O registro da Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU), responsável pelo cadastramento dos beneficiários na capital, aponta que 517 condutores receberam a primeira parcela.

Ailton Oliveira atua como taxista há 22 anos. Ele diz estar com toda a documentação em dia, mas ainda não recebeu o auxílio. “Até agora nada. Estou em dia. Minha licença vence em 2024, mas até agora, não recebi nada”, afirma Ailton Oliveira. De acordo com o Ministério do Trabalho e Previdência (MTP), têm direito ao benefício donos de concessões e taxistas que atuam como auxiliares.

Para receber, o profissional tem de preencher os seguintes requisitos:

– Estar com CPF e Carteira Nacional de Habilitação (CNH) regularizados;

– Ter registro para exercer a profissão, emitido pelo órgão competente da localidade da prestação de serviço até 31 de maio de 2022;

– Ser motorista de táxi titular de concessão, permissão, licença ou autorização emitida pelo poder público municipal ou distrital em efetivo exercício da atividade profissional,

– Ser motorista de táxi com autorização emitida pelo poder público municipal ou distrital, em efetivo exercício da atividade.

Segundo a STTU, diversas reclamações estão sendo recebidas pela pasta e, em alguns casos, o problema está em regularização da documentação exigida pelo Governo Federal. “Temos até o dia 11 de setembro para enviar a última lista. Muita gente que veio aqui estava com a CNH vencida, outros problemas”, explica Daliana Bandeira, titular da STTU.

G1 RN

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Mulher é condenada a 34 anos de prisão por usar o Twitter na Arábia Saudita

Foto: Reprodução/Daily Mail

A estudante Salma al-Shehab, de 34 anos e mãe de dois filhos pequenos, fez posts nas redes sociais questionando o direito de guarda das mulheres pelos seus maridos na Arábia Saudita. Ela também retuitou postagens que pediam pela libertação de defensores de direitos humanos que estavam presos. E isso teve uma consequência: 34 anos de prisão e depois mais 34 anos sem poder viajar.

Shehab estudava na Universidade de Leeds, na Inglaterra, e voltou em dezembro de 2020 para a Arábia Saudita, com a intenção de levar seus filhos e marido com ela para o Reino Unido, segundo informações do jornal britânico “The Guardian”. Nessa viagem ela foi interrogada pelas autoridades sauditas e acabou presa por causa de sua atuação no Twitter.

E não é como se ela fosse uma grande influenciadora, viu? A conta de Shehab no Twitter tinha menos de 2 mil seguidores, e seu perfil no Instagram por volta de 150.

A ESHOR condenou a decisão da Justiça saudita, dizendo que essa foi a condenação mais longa dada a qualquer ativista. Eles também questionaram a validade do julgamento dela.

g1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Campanha de Bolsonaro pede ao TSE troca da foto da urna para uma em que ele está sorrindo

Foto: Reprodução

A campanha do presidente Jair Bolsonaro pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para substituir a foto do candidato que será exibida na urna. Na primeira imagem enviada ao TSE, Bolsonaro está com um semblante sério, enquanto na nova foto ele aparece sorrindo.

O registro de candidatura à reeleição de Bolsonaro foi enviado ao TSE no último dia 10 — o prazo se encerrou no dia 15 de agosto. O candidato a vice na chapa é o general da reserva Walter Souza Braga Netto (PL), ex-ministro da Defesa.

O pedido de alteração de fotografia consta no processo de registro de candidatura de Bolsonaro e entrou no sistema do TSE nesta quarta-feira (17). No documento, os advogados do presidente afirmam que o requerimento também foi entregue fisicamente no último dia 15.

g1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Governo projeta R$ 7,3 bilhões em investimentos ao leiloar Congonhas e outros 14 aeroportos hoje

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O aeroporto de Congonhas, o segundo mais movimentado do país, será concedido ao setor privado em leilão nesta quinta-feira (18), na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), região central da capital paulista. Outros 14 aeroportos também fazem parte da sétima rodada de concessões aeroportuárias do governo federal.

A expectativa do Ministério da Infraestrutura é que os vencedores do certame invistam R$ 7,3 bilhões na modernização dos terminais ao longo dos 30 anos de concessão.

O leilão está dividido em três blocos. Juntos, os aeroportos são responsáveis por 16% do tráfego de passageiros do país, cerca de 30 milhões por ano, segundo dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), de 2019, período pré-pandemia.

Santos Dumont

Por causa da divisão, a empresa que der o maior lance ficará com todos os terminais do bloco. Além de São Paulo, outros cincos estados serão contemplados: Amapá, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará e Rio de Janeiro.

O Aeroporto Santos Dumont (RJ) também estava previsto para fazer parte desta rodada de concessão. No entanto, a privatização do terminal deve ocorrer somente no próximo ano, quando será realizada também a relicitação do aeroporto do Galeão.

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Prefeito de São Rafael diz que ação de Carlos Eduardo na justiça pode ficar sem adutora que levará água para o município

O prefeito do município de São Rafael, Reno Marinho, veio nas redes sociais nessa quarta-feira (17) fazer duras críticas ao ex-prefeito de Natal e candidato ao Senado, Carlos Eduardo Alves (PDT). Em vídeo, Reno fala sobre a ação que Carlos Eduardo ingressou na Justiça Eleitoral de investigação judicial eleitoral contra seu adversário na disputa pela vaga ao Senado, o ex-ministro Rogério Marinho (PL).

A ação questiona o motivo de tantos recursos terem sidos canalizados para o Rio Grande do Norte e seus municípios durante a gestão do ex-ministro no Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

Essa artimanha pode prejudicar os municípios do RN que estão recebendo benefícios. Como a própria São Rafael, ressalta o prefeito, que pode ter um convênio para construção de uma adutora comprometido.

“Isso só comprova o que todos já sabiam: o desprezo de Carlos Eduardo pelo RN. O desrespeito dele com os municípios e seus prefeitos”, afirmou Reno.

LEIA TAMBÉM: BOMBA: Álvaro Dias, Allyson Bezerra e mais de 100 prefeitos do RN soltam nota repudiando Carlos Eduardo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Marinha emite alerta de ondas de até 2,5 metros no litoral do RN

Foto: Eros Sena

A Marinha do Brasil emitiu um alerta de ondas de até 2,5 metros no litoral do Rio Grande do Norte. Confira a seguinte previsão meteorológica:

1) AVISO DE RESSACA entre Salvador (BA) e Touros (RN), a partir das 12h do dia 17 de agosto, com ondas de Sudeste e Leste de 2,5 metros de altura, válido até as 21h do dia 20 de agosto do corrente ano.

As previsões meteorológicas descritas pela Marinha, poderá ocorrer no período das 12h do dia 17 de agosto até as 21h do dia 20 de agosto e referem-se ao Aviso de Mau Tempo, divulgado pelo Centro de Hidrografia da Marinha (CHM).

A Marinha do Brasil mantém todos os avisos de mau tempo em vigor no site.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Bolsonaro diz que vai tornar definitivo o valor de R$ 600 do Auxílio Brasil

 

O presidente Jair Bolsonaro disse nessa quarta-feira (17) que vai tornar definitivo o valor de R$ 600 do Auxílio Brasil.

“Vamos nos socorrer do parlamento mais uma vez”, afirmou o presidente durante evento com prefeitos em Brasília.

Opinião dos leitores

  1. Exclusivo. Empresários bolsonaristas defendem golpe de Estado caso Lula seja eleito; veja zaps

  2. palhaçada com a cara de quem acorda de 5 da manha todo dia pra ganhar 900 depois dos descontos!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Advogados intermediaram plano de fuga de Alcaçuz, diz secretário

Foto: Magnus Nascimento

Um plano de fuga na Penitenciária Rogério Coutinho Madruga, que faz parte do Complexo de Alcaçuz, contava com a intermediação de dois advogados ligados ao crime, segundo apurou e divulgou a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), nesta quarta. Seis presos vão responder a uma sindicância e poderão ter as penas aumentadas. Os advogados foram presos na Operação Carteiras, do Ministério Público do RN.

“Detectamos que havia uma comunicação de advogados com várias lideranças. Todo preso que o advogado falava, ele cometia uma falta disciplinar, então ele teria que ser transferido para aquela determinada cela, que era a do isolamento. Percebemos que havia algo anormal: presos que não davam problemas começaram a cometer faltas e irem para as celas. E ainda relacionamentos com advogados que foram presos na operação do Ministério Público”, disse Pedro Florêncio, secretário da Seap.

O plano era “engenhoso”, nas palavras de Pedro Florêncio. A situação funcionava da seguinte forma: os presos cometiam faltas disciplinares de forma intencional para serem enviados à uma cela específica, a do isolamento. As faltas poderiam ser ofensas à policiais penais, desobediências a procedimentos, xingamentos e materiais inapropriados. Uma vez na cela, começava-se o trabalho, com serragens das grades e ocultação do material no lixo fora da cela. Era de lá que eles fugiriam, utilizando-se de “teresas”, cordas formadas por lençóis torcidos.

“Eles iriam romper a cela serrando a grade, lançando a teresa e teria o apoio já do outro lado porque já havia comunicação dos advogados de como se daria a fuga e o resgate. Teria um ou mais carros esperando eles lá fora. Naquele momento tinham seis presos, e nessa cela, dois fugitivos de Alcaçuz do ano passados, recuperados, estavam lá. E um dos que estavam coordenando essa fuga era um que falou com a advogada presa recentemente”, cita.

Os seis homens presos que participavam da operação de violação da cela não necessariamente eram os que iriam fugir.

LEIA TAMBÉM: OAB-RN emite nota sobre operação que investiga atuação de advogados em Alcaçuz

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Rafael Motta vira penetra no lançamento da campanha de Fátima Bezerra em São Gonçalo do Amarante

Foto: José Aldenir

O deputado federal Rafael Motta, candidato a senador pelo PSB, continua sendo forçando a barra para ser visto ao lado da governadora Fátima Bezerra e para dizer que é o candidato que tem o apoio do PTismo no estado. Na tarde/noite de desta quarta-feira, 17, ele deu mais uma de penetra.

A cena aconteceu em São Gonçalo do Amarante, durante a mobilização para apresentação da governadora como candidata à reeleição.

Valendo-se do fato de contar com o apoio de 15 vereadores no município, Rafael Motta apareceu sem ser convidado e colocou o seu carro no meio do comboio. A iniciativa do candidato a senador causou muito constrangimento, obrigando os correligionários da governadora a tentarem impedir o avanço do carro de Motta.

Para tentar aparecer, Rafael não se constrange em dar uma de peru, repetindo o que fez no almoço dos governadores por ocasião da visita do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Natal.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

MOSSORÓ: Allyson sobe o tom e diz que agora é que está com vontade mesmo de pedir voto para Rogério Marinho

Foto: Reprodução

Na tarde dessa quarta-feira (17), o Prefeito de Mossoró Allyson Bezerra (Solidariedade) realizou uma passeata pelo Abolição IV, juntamente com os seus candidatos a deputado estadual e federal, Jadson e Lawrence Amorim (Solidariedade) respectivamente, o seu candidato ao Governo do Estado, Fábio Dantas (Solidariedade) e o vice Ivan Júnior (União Brasil) e o seu candidato ao Senado, Rogério Marinho (PL).

A passeata encerrou na praça do bairro com um grande discurso de cada um deles. Em sua fala, o Prefeito Allyson ressaltou a indignação das atitudes do ex-prefeito de Natal e candidato ao Senado, Carlos Eduardo Alves (PDT).

“Em Mossoró ele não tem vez, se eu já estava com vontade e empolgado para trabalhar para esse baixinho, se depender de mim, ele vai dar uma surra de voto em Mossoró, tô com Sangue no olho e o sangue azul. Aqui em Mossoró aquele camarada que não conhece Mossoró, que não conhece a realidade do nosso Município, não pode ter voto, pois quem vota nele provavelmente não conhece e não sabe, então onde tiver aqui, eu vou fazer questão de chegar, de apresentar e de pedir para mudar o voto para Rogério Marinho” ressaltou Allyson com muita força e vontade em seu discurso.

Opinião dos leitores

  1. Exclusivo. Empresários bolsonaristas defendem golpe de Estado caso Lula seja eleito; veja zaps

  2. Kkkk, pedi até eu peço, quero ver conseguir os votos, kkkkkk, cada uma q o cara ver , antes tava pedindo sem vontade vera?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *