Saúde

Vacina oral para Covid-19 gera proteção contra doença e transmissão do vírus

Foto: Pixabay

Pesquisadores da Universidade de Sorbonne, na França, e da Universidade Católica de Córdoba, na Argentina, desenvolveram uma vacina oral contra a Covid-19. De acordo com os cientistas, o imunizante é termoestável — ou seja, que mantém a eficácia sem a necessidade de refrigeração constante —, e apresentou boa eficácia na proteção contra a doença, inclusive na transmissão do coronavírus. O imunizante, testado em camundongos e hamsters, “induziu a uma robusta resposta imune neutralizante na mucosa”. Isto seria, apontam os pesquisadores, o ponto chave para reduzir a propagação do vírus.

Os resultados do trabalho foram publicados na plataforma bioRxiv*, que reúne trabalhos ainda não revisado por pares.

De acordo com os pesquisadores, o desafio era criar uma vacina bem aceita pela população e com uma cadeia logística simples, eficaz na prevenção da doença e na transmissão dela.

Os cientistas usaram como base da vacina uma partícula semelhante ao coronavírus: envelopes (a capa que protege o material genético) derivados de retrovírus (e-VLPs) que foram desenvolvidos para gerar anticorpos neutralizantes. Como o sistema imune trabalha procurando possíveis estruturas perigosas para o organismo, este envelope seria adequado para estimular a produção de anticorpos neutralizantes, afirmam os autores do estudo.

E para que estas estruturas semelhantes ao vírus não fossem degradadas ao chegar no estômago — por ser uma vacina de via oral — os pesquisadores utilizaram proteínas do parasita intestinal Giardia lamblia para gerar resistência ao processo de digestão.

No estudo, os cientistas também usaram vacinas injetáveis para comparar a eficácia do imunizante oral. Eles observaram que as vacinas injetáveis apresentaram bons níveis de indução de anticorpos. O resultado foi ainda melhor com a mostra que tinha proteínas de Giardia. Quando a vacina foi administrada de forma oral, as que não tinham a proteína de Giardia não demonstraram resposta imunológica, o que levou os autores do estudo a acreditarem que o composto tinham sido degradados na digestão.

O trabalho mostra que os níveis de anticorpos foram maiores nos animais vacinados por via oral com o imunizante que possuía proteínas do parasita intestinal, do que os que receberam a dose intramuscular. Os autores afirmam também que este tipo de imunizante foi capaz de desencadear a produção de anticorpos neutralizantes nas mucosas, o que seria um passo fundamental para diminuir a transmissão do coronavírus.

“Concluímos que nossa vacina e-VLP administrada por via oral termoestável pode ser uma adição valiosa ao arsenal atual contra o Sars-CoV-2, em uma estratégia de vacinação autônoma de primeira-reforço (1ª e 2ª doses) ou como um reforço para vacinas existentes”.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Essa é uma boa notícia para os crédulos, esse povo que quer desacreditar tudo, pagodear, desmerecer, não devia nem passar perto dessa possibilidade. Tem uma turminha aí que torce o nariz, passaram tanto tempo na lama, que acreditar nisso é sujeira.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Terceira dose de CoronaVac multiplica proteção em até cinco vezes, mostram estudos

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

Uma terceira dose de CoronaVac para quem já completou o esquema vacinal contra a Covid com o produto do laboratório chinês Sinovac é eficaz para aumentar a imunidade contra o coronavírus. A conclusão está em dois estudos divulgados pelo fabricante na terça-feira e comentados pelo Instituto Butantan, parceiro na produção do imunizante no Brasil, nesta quarta-feira.

As pesquisas foram feitas na China com dois grupos de voluntários, adultos e idosos, e com dois diferentes intervalos de aplicação da terceira dose. Os artigos estão publicados na plataforma medRxiv, em forma de pré-print, ou seja, ainda sem a revisão de outros cientistas.

Em um estudo, pessoas de 18 a 59 anos tomaram a dose adicional após seis meses da conclusão do esquema normal de vacinação (com duas doses).

— E mostrou o que nós já sabemos: que com duas doses existe uma imunização e, após seis meses, se se recebe uma dose adicional, a resposta é multiplicada de três a cinco vezes — disse Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, durante entrevista coletiva do governo estadual de São Paulo nesta quarta.

Já no outro estudo, foi avaliada a resposta em pessoas com mais de 60 anos. Nesse grupo, a aplicação da terceira dose foi feita mais tarde, oito meses depois do esquema de duas doses estar completo.

— A resposta foi até mais substancial: foi de cinco a sete vezes superior à resposta após as duas doses — contou ainda Covas.

Segundo o diretor do Butantan, a segurança de tomar uma terceira dose também foi acompanhada nos trabalhos, e os resultados não demonstraram que haja risco em nenhum dos grupos.

— Não houve mudança do perfil de segurança da vacina, que é a vacina, neste momento, mais segura entre todas que estão sendo utilizadas — afirmou.

Para Dimas Covas, as conclusões dos estudos não determinam que uma dose adicional seja necessária neste momento para quem tomou a CoronaVac. São úteis, porém, para “preparar uma revacinação”.

— São resultados que confirmam a efetividade de uma dose adicional. Isso não quer dizer que está sendo proposta uma dose adicional. Isso depende de outros fatores, inclusive com relação ao problema da circulação de variantes. São dois estudos importantes, dois primeiros estudos a serem divulgados. Existem outras vacinas que estão realizando o mesmo tipo de estudo, mas ainda não houve divulgação.

De acordo com Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do estado, a aplicação de doses adicionais já está sendo planejada para o ano que vem, como uma “prerrogativa” para todos os moradores de São Paulo, “independentemente do imunizante” que tenham tomado na campanha de 2021 contra a Covid. Para isso, ele diz, a equipe da pasta tem acompanhado os resultados dos estudos nesse sentido com todos os produtos.

No final de julho, o Ministério da Saúde anunciou que encomendou um estudo para avaliar uma dose adicional de vacina para aqueles que tomaram CoronaVac. O trabalho, em parceria com a Universidade de Oxford, deve ficar pronto em novembro. A pesquisa medirá os resultados de um reforço com a própria CoronaVac e também com outros imunizantes, da Janssen, da Pfizer e da AstraZeneca, segundo anunciado pelo governo federal.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. O Uruguai está usando a terceira dose da Pfizer para quem tomou as 2 primeiras da coronavac. A verdade é que muitas pessoas já foram contaminadas ou morreram depois da segunda dose da vacina da coronavac.

    1. Já o Chile, vem usando Coronavac e o números só caem. Teve um surto a cerca de 3 meses, mas foi devido ao afrouxamento das medidas restritivas mas depois que essas medidas foram endurecidas, os casos voltaram a cair. Outro exemplo, são os profissionais de saúde, os casos de infecção diminuíram bastante.

  2. Estudos de quem? Dos seus fabricantes e vendedores, interessados em faturar com esse placebo? É sério isso? Melhor tomar chá de eucalipto com limão e alho ou então uma dose de cana com limão e mel-de-abelha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Estudo da ‘PaqueTá Vacinada’: primeiros resultados indicam que vacina da AstraZeneca garante alto nível de proteção já após primeira dose

Foto: Brenno Carvalho em 20-06-02021 / Agência O Globo

Os primeiros resultados do estudo “PaqueTá Vacinada”, que testou a presença de anticorpos contra o coronavírus em toda a população da Ilha de Paquetá para depois vaciná-la completamente, indicam que o imunizante confere um nível satisfatório de proteção coletiva após a primeira dose, na interpretação da Secretaria municipal de Saúde. Segundo as informações recém-levantadas pelo instituto responsável pela pesquisa, a Fiocruz, e divulgadas em primeira mão pelo GLOBO, o grupo de pessoas que já tinham se vacinado antes do dia da imunização em massa — seja com a injeção inicial, seja com a injeção de reforço — apresentou 90% de soropositividade para os anticorpos contra o patógeno causador da Covid-19, o SARS-Cov-2.

— Isso mostra que a vacina já confere um alto nível de proteção após a primeira dose. É um resultado positivo para a vacinação, que nos chamou a atenção — diz o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

A Fiocruz também descobriu que 40% dos adultos que ainda não tinham tomado a vacina apresentaram indícios da presença do coronavírus nos testes sorológicos — ou seja, tinham ou já tiveram contato com o patógeno.

Um dos propósitos do estudo era saber se a vacina produzida pelo Instituto Butantan já conferia um bom nível de proteção coletiva após a primeira dose ou se isso só acontece depois da segunda.

Antes da vacinação em massa na ilha, que aconteceu no último dia 20, 1971 habitantes do bairro já tinham tomado pelo menos a primeira dose da vacina, e 1344 já tinham tomado também a segunda. Os 1,5 mil moradores restantes foram imunizados naquele dia.

A força-tarefa de testagem, que aconteceu nos três dias anteriores, teve adesão de 70% dos moradores, ou 2.759 pessoas. Elas foram divididas em três grupos: os menores de 18 anos, necessariamente ainda não vacinados; maiores de 18 anos já vacinados; e maiores de 18 anos ainda não vacinados.

Submetidos ao teste rápido, crianças e adolescentes tiveram seu resultado divulgado ainda no “dia D” de vacinação: 21% deles apresentaram positividade para a presença do coronavírus — ou seja, tinham ou já tiveram contato com o patógeno.

Os demais públicos foram testados por um exame sorológico que exige coleta de sangue e por isso leva mais tempo para apresentar conclusão. A previsão inicial era de que os resultados desses testes só seriam divulgados 30 dias após o dia da realização do estudo, mas a Fiocruz adiantou a entrega.

Agora, o próximo passo é testar novamente a população da cidade após a aplicação da segunda dose, que acontecerá no dia 20 de agosto. O objetivo é comparar os resultados dos novos exames com os testes anteriores.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Vacina ? Eu pensei que fosse a Sputnik V que a Sra Governadora Fátima vai comprar em parceria com o consórcio Nordeste.

    1. E você é um verme sem gado , eis seu pavor da ivermectina. O que tem haver vacina com cloroquina e ivermectina muar ? Você foi alfabetizado pela mesma escola de Dilma ?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Estudo da ONU aponta que Brasil é líder na proteção de florestas

Foto: Banco de imagens/Estadão Conteúdo

O Brasil é o país do mundo que mais dedica território à proteção de vegetação nativa. A afirmação é da Organização das Nações Unidas (ONU), publicada em estudo sobre Áreas Protegidas no Planeta, que considera como terras protegidas as unidades de conservação, parques nacionais, estações hidrológicas e também aquelas destinadas a povos tradicionais, como os indígenas. Entre as dez maiores nações do mundo em extensão territorial, o Brasil está na liderança como o país que mais protege florestas. O ranking preparado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) foi publicado na revista Oeste. Nele, o Brasil lidera com 30% da área protegida, ao lado da Austrália, que tem 20%, China, com 15,6%, Rússia, com 11,2%, e os demais países com 10% ou menos de proteção. Segundo o doutor em Ecologia e presidente da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, a proteção ambiental brasileira é quase três vezes maior em comparação com as demais nações.

“Isso não é conhecido e nem reconhecido. Não se fala disso aqui dentro e muito menos lá fora. Eu quase diria que para alguns é importante esconder essa realidade. Essa realidade precisa ser conhecida, temos que conhecer como a própria ONU declara no seu relatório sobre as áreas protegidas do mundo que o Brasil tem a maior rede de áreas protegidas terrestres do planeta, o Brasil representa 6% das terras do mundo, sua extensão territorial, mas das áreas protegidas ele é 12%. Isso precisa ser conhecido para que, num segundo momento, seja reconhecido”, afirma. A extensão das áreas protegidas pelo Brasil equivale a 54% de todo o território europeu. Se projetarmos a dimensão territorial das áreas protegidas do nosso país na superfície da Europa, 15 países ficariam cobertos pela mata. No debate da sustentabilidade, a pauta do desmatamento segue no radar. Nesta semana, uma pesquisa feita pela Coalização Brasil, Clima, Florestas e Agricultura mostrou que 90% dos executivos já utilizam dados de desmatamento para tomar decisões nos negócios. Segundo Evaristo de Miranda, esse tema precisa de gestão. “É um tema que temos que gerir, mas ele é apenas um dos componentes do grande tema da gestão das florestas, da gestão da Amazônia, do desenvolvimento sustentável que compõe com tudo isso”, diz. Novos estudos sobre proteção ambiental estão sendo feitos pela Embrapa com dados do Cadastro Ambiental Rural e do Censo, e a expectativa é que eles sejam publicados nas próximas semanas.

Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. Nao tem link pro estudo pra gente ler? Que conveniente, nao sou burro igual 98% dos brasileiros, vou acreditar quando eu achar esse estudo, ja to procurando a 3 dias e ainda nao econtrei, um estudo dessa importancia acredito que seria facil de achar né? Manda o link pra gente conferir.

  2. Os lacradores, ongs ,Macron, PT, PSOL, essa cambada toda de esquerdista. Eles vão a loucura

  3. Respeitem a inteligencia do. Brasileiro. Só pode ser mais uma MENTIRA DO BOLSONARO E SEUS APOIADORES. Não somos cegos nem surdos. Um governo que o ministro do meio ambiente vende madeira de desmatanento ilegal e um presidente terraplanista e louco que mata a populaçao do Brasil é obvio que acham que tal mentira vai enganar o povo brasileiro. Esta noticia para mim e FALSA: – Em Tempo: Eu sei que você não vai publicar meu comentário más pelo menos vai conhecer minha opinião.

    1. Vc tem razão, esse estudo é de 2008, quando LULA governava o Brasil!
      A Jovem pan é uma agência de extrema direita e seu objetivo e apoiar o genocida fascista Bolsonaro!

  4. Essa notícia dada pela ONU vai matar um bocado de fumador de maconha que se dizem ambientalistas, pense num chute nos escritos desses malandros

    1. Qual é o preconteito retardado ai no brasil contra fumar uma planta? Um bando de cachaceiro inutil pro planeta, burros pra caralho que nunca estudaram porra nenhuma na vida enxendo o saco sem ter argumento algum, aqui na frança todo mundo fuma inclusive vende em lojas na rua msm, entao faz favor de me esclarecer, o que um infeliz energumeno como vc quer dizer quando vc fala “fumador de maconha” ?

  5. O Brasil, sob o governo Bolsonaro, está causando inveja ao resto do mundo. Campeão em vacinação, nosso país está recuperando sua economia com rapidez e dando exemplo aos demais países. Pergunte a um argentino o que ele está achando.

  6. Já ja chega setembro e começa o: fogo na Amazônia! Afinal de contas é o período natural de maior incidência de incêndios naturais. Mas vão culpar o presidente de novo, por causa de um efeito natural anual. Pqp

  7. Kkkkk O que é que eu vou dizer lá em casa? Qual será a narrativa dos propagadores se Fake News? Só vai restar continuarem a tocar fogo na Amazônia na época da estiagem. Alô GloboLixo, alô Leonardo Di Caprio, se pronunciem.

  8. Só para alguns esquerdopatas, fumadores da erva maldita, a culpa do desmatamento e do governo Bolsonaro.
    O que falta é verba paras as ONGs fileiras, que viviam na mordomia.
    Hô Véio arroxado é Bolsonaro.

  9. Acabou com as narrativas dos torcedores políticos radicais, das ONGS estrangeiras e da imprensa doente e ideológica, que querem entregar a Amazônia…Mas no Brasil atual, fatos são menos importantes que narrativas..
    Para os torcedores do quanto pior melhor…ONU fascista ou comunista? Kkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO – (IMAGENS FORTES): Sete estudantes morrem após grade de proteção ceder em universidade na Bolívia

Foto: Reprodução/Twitter

Ao menos sete estudantes morreram e outros cinco ficaram gravemente feridos ao despencarem do quarto andar da Universidade de El Alto, na Bolívia, depois que a grade de proteção entre os jovens e o vão livre caiu. Acidente aconteceu nesta última terça-feira (2/3).

O corrimão de metal cedeu por causa da grande pressão causada pelo número de pessoas que tentavam ter acesso a uma assembleia, convocada na manhã da tragédia. A idade das vítimas varia de 20 a 24 anos.

Em vídeos publicados nas redes sociais (veja AQUI em matéria na íntegra) é possível ver o exato momento em que os jovens caem no térreo do prédio, com piso de cimento. Outros, se agarram desesperadamente a colegas, em meio a gritos.

O ministro do Governo (Interior), Eduardo del Castillo, recomendou a abertura de uma investigação sobre o fato.

Correio Braziliense

 

 

Opinião dos leitores

  1. Não feito pra isso. Ficam se aglomerando onde nem em condições normais deveria, aí inventam de aglomerar logo agora, dá é nisso mesmo, morre de COVID, mesmo q indiretamente

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Vacina de Oxford garante 100% de proteção contra casos graves de covid em 22 dias

Foto: Reprodução/CNN Brasil

Novo estudo produzido pela Universidade de Oxford sobre o imunizante contra coronavírus desenvolvido em parceria com a farmacêutica AstraZeneca revela que a vacina é 100% eficaz contra casos graves da doença 22 dias após a aplicação da primeira dose. O resumo do artigo foi publicado nesta terça-feira (2) pela revista científica Lancet — a versão completa deve ser publicada na semana que vem.

Além da alta eficácia contra o agravamento da doença, a vacina de Oxford tem 76% de eficácia contra as formas mais moderadas e leves da covid-19 também em 22 dias. Ou seja, os pesquisadores conseguiram comprovar que, 22 dias após receber a vacina, o sistema imunológico humano consegue produzir uma boa resposta ao coronavírus.

“O impacto na saúde pública é fantástico. A resposta imune é rápida, são ótimos dados”, afirmou à CNN Sue Ann Clemens, uma das autoras do estudo e responsável pela coordenação dos testes com a vacina de Oxford no Brasil, que já aplica o imunizante e aguarda a chegada de matéria-prima para garantir a produção deste no país, através da Fundação Oswaldo Cruz.

Os dados revelam, ainda, que a vacina é mais efetiva com intervalos mais longos entre as aplicações da primeira e segunda doses, e reforça a recomendação do Comitê de Imunização do Reino Unido para que o espaço de até três meses entre elas. “As pessoas já estão protegidas 22 dias após receberem uma única dose da vacina”, celebrou Andrew Pollard, investigador-chefe dos estudos da vacina de Oxford.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Apesar de início da vacinação contra covid, secretário de saúde do RN alerta: ‘precisamos manter as medidas de proteção individual e coletiva’

Foto: Elisa Elsie/ASSECOM/RN

No lançamento do processo de vacinação iniciado nesta terça-feira(19), o Governo do Estado assinou com os municípios termo de cessão de 1000 tablets para utilização nas mais de 700 salas de vacinação espalhadas pelo RN. O equipamento vai permitir a efetiva alimentação do sistema RN + Vacina. Ainda esta semana Fátima Bezerra vai tratar junto ao Ministério da Saúde sobre novas remessas da vacina. “Não descansaremos um só minuto enquanto toda população não for vacinada. Saúdo a ciência para vencermos a pandemia. O início da vacinação é momento de celebrar a vitória da vida, contra o negativismo”, encerrou.

A importância dos municípios seguirem as recomendações da Sesap e do Ministério da Saúde na aplicação da vacina foi ressaltada pelo secretário de Estado da Saúde Pública, Cipriano Maia. “Todos os municípios são chamados à sua responsabilidade. E precisamos manter as medidas de proteção individual e coletiva, usar máscara, higienizar constantemente as mãos, evitar aglomerações e respeitar o distanciamento social”, alertou o secretário.

Ele ressaltou a firmeza na orientação da governadora Fátima Bezerra desde o início da pandemia e a dedicação e compromisso dos profissionais de saúde e de diversos setores, assim como o engajamento da sociedade, dos poderes constituídos, Ministérios Públicos, empresas e sociedade civil. “Agradecemos o espírito de cooperação, a somação de esforços para fazer o melhor”, pontuou o gestor.

Os municípios da região metropolitana de Natal começaram a receber as vacinas ainda na manhã desta terça-feira. Até o final da tarde vários outros municípios poderão receber seus lotes nas regionais de saúde e dar largada à vacinação.

O ato na Escola de Governo contou com a participação do vice-governador Antenor Roberto, senador Jean Paul Prates, dos secretários de Estado de Gestão e Metas, Fernando Mineiro, do Desenvolvimento Econômico, Jaime Calado, do Trabalho, Habitação e Ação Social, Iris Oliveira, da Administração, Virgínia Ferreira, da Comunicação, Guia Dantas, comandante do Corpo de Bombeiros Miliar, coronel Luiz Monteiro, sub comandante da Polícia Militar, coronel Zacarias Mendonça, adjuntos da Saúde, Maura Sobreira e da Infraestutura, Haroldo Filho, coordenador da Defesa Civil Estadual, tenente-coronel Marcos Carvalho, coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais) da UFRN, Ricardo Valentim, diretor do Itep, Marcos Dantas. Também participaram os prefeitos de São Gonçalo do Amarante, Paulo de Souza, e Ceará Mirim, Júlio César. As gestões de Natal, Parnamirim e Macaíba enviaram representantes da área da saúde.

Opinião dos leitores

  1. Melhor governo do RN de todos os tempos.
    Trabalhou incansavelmente com a ciência e responsabilidade. Tomando as medidas necessárias para cuidar do combalido e sangrado RN e de sua populaçao sofrida.
    Parabéns governadora professora Fátima Bezerra.

  2. Mais uma vez o governo, Mente, Engana, e NÃO Esboça o Menor Interesse em Combater com Efetividade a disseminação do covid-19. diante de uma população Irresponsável, FALTA CORAGEM, DETERMINAÇÃO e VONTADE POLÍTICA, para EXIGIR da população o ISOLAMENTO e Distânciamento Social. Além de FECHAR TUDO que NÃO é ESSENCIAL. Que DEUS tenha MISERICÓRDIA de NÓS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Infecção anterior por coronavírus oferece menos proteção contra nova variante

Foto: Reuters

Infecções anteriores com coronavírus podem oferecer menos proteção contra a nova variante inicialmente identificada na África do Sul, afirmaram cientistas, nesta segunda-feira, embora esperem que as vacinas desenvolvidas ainda funcionem.

Estudos também descobriram que a nova variante se liga com mais força e prontidão às células humanas. Isso ajuda a explicar por que parece estar se espalhando aproximadamente 50% mais rápido do que as versões anteriores, disse o importante epidemiologista sul-africano Salim Abdool Karim.

A variante 501Y.V2 foi identificada por especialistas sul-africanos em genômica no final do ano passado. Ela levou as infecções locais por Covid-19 a um novo pico diário acima de 21.000 casos no início deste mês.

É uma das muitas novas variantes descobertas nos últimos meses, incluindo as encontradas inicialmente na Inglaterra e no Brasil, que deixaram cientistas preocupado que estivessem acelerando a disseminação da Covid-19.

“Estudos de soro convalescente sugerem que os anticorpos naturais são menos efetivos”, disse Abdool Karim, introduzindo a pesquisa, “(mas) dados atuais indicam que a nova variante não é mais severa”.

Cientistas e políticos britânicos expressaram preocupação de que as vacinas atualmente em uso ou em desenvolvimento possam ser menos eficazes contra a variante.

Especialistas falando com um painel virtual na segunda-feira disseram que ainda não havia uma resposta clara à essa pergunta e que os estudos estão em andamento.

Mais cedo, especialistas sul-africanos afirmaram que, uma vez que as vacinas induzem uma ampla resposta imunológica, é improvável que as mutações na proteína spike anulem completamente o efeito.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. A primeira variante do vírus que apareceu foi na Inglaterra logo após a aplicação da vacina, agora passaram para a África e irão esquecer a variante da Inglaterra. Estão querendo encobrir o que fazendo isso?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: CEO da Moderna diz que proteção de vacina da companhia pode durar anos

Foto: JOSEPH PREZIOSO / AFP

O CEO do laboratório americano Moderna, Stephane Bancel, afirmou nesta quinta-feira que a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela companhia oferece proteção contra o novo coronavírus “por anos”. Ainda não há, contudo, dados científicos sobre a duração da imunidade gerada por imunizantes e pela infecção natural pelo Sars-CoV-2.

A fórmula da Moderna já foi aprovada pelos Estados Unidos, Canadá, Israel e União Europeia (UE). Segundo um estudo publicado na revista científica New England Journal of Medicine respaldou a eficácia de 94,1% calculada pelos ensaios clínicos da Moderna, mas não há dados sobre quanto tempo durará imunidade proporcionada pela fórmula.

A pandemia da Covid-19 impôs um grau de emergência no desenvolvimento de vacinas, aprovadas em regime emergencial em diferentes países. Como a condução de ensaios clínicos e os procedimentos de farmacovigilância demoram anos, a duração da imunidade desenvolvida pelas vacinas ainda não é conhecida por cientistas e pelas reguladoras de saúde.

— O cenário de pesadelo descrito na mídia há alguns meses, com vacinas funcionando por apenas um mês ou dois está, na minha visão, fora de cogitação — disse Bancel, em um evento organizado pelo grupo financeiro Oddo BHF. — O decaimento dos anticorpos gerados a partir da vacina em humanos ocorre de forma bem devagar. Acreditamos que haverá proteção por alguns anos, potencialmente.

Bancel disse, ainda, que a companhia deve apresentar em breve dados que comprovariam a eficácia de sua vacina contra as variantes do Sars-CoV-2 identificadas no Reino Unido e na África do Sul. O CEO da Moderna tambénm prevê que a oferta global de doses do imunizante pode chegar a 1 bilhão neste ano.

A previsão inicial para 2021 era de 500 milhões, e foi atualizada para 600 milhões na última segunda-feira. Bancel não detalhou, no entanto, como a companhia ampliaria a produção em 400 milhões de unidades. A declaração foi feita apenas um dia após a aprovação da fórmula pela União Europeia. A Moderna integra a Covax Facility, coalizão global liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que visa universalizar o acesso às vacinas.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. É simples. Dá audiência J.Dantas! Sabe aquela história de querer ver o circo pegar fogo? Nenhum dos que falam essas bobagens aqui, podem falar mal da "porralouquice" de Bolsonaro! É tipo, o sujo falando do mal lavado!

  2. Zezinho do gado fraco, quem deve vacinar alguém contra alguns políticos é o povo e a justiça, pelo que sabemos essa vacina foi instituída por 57 milhões de brasileiros, complementada pela justiça, o que foi feito parcialmente. Agora, a Vcs só resta a caminhada do voto, está difícil, quem sabe com argumentos e qualidade a coisa melhore.

  3. Essa vacina é muito boa, porém ela não tem eficácia contra o pior vírus, o vírus da bozolândia.
    Esse vírus da ignorância, será derrotado com a democracia.

    1. Será que ela curaria o maior ladrão do mundo, luladrao e faria com que ele devolvesse todo o dinheiro desviado, roubado, usado em corrupção??????
      Seria excelente essa vacina. Kkkk

    2. Fico me perguntando como um blog que se diz "sério e responsável", permite e da voz a idiotas 24h por dia????… Como se Lula e Bolsonaro, soubessem da existência desses robôs e contratados de suas militâncias…O auxilio e a pandemia está contribuindo para a proliferação de idiotas ideológicos. Isto não é liberdade de expressão, é lixo e idiotice nos olhos dos leitores sérios… lamentável!

    3. Fique em casa e só procure um médico quando você estiver sentindo falta de ar! Siga as orientações da esquerda e da imprensa, e a vacina vc toma o placebo chinês.

    4. Pode chorar que Bolsonaro assinou o decreto liberando as lágrimas da esquerda.
      O Véio é bom, o Véio é espetacular

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Com invasões, queimadas, despejo de resíduos e crimes ambientais, Guarda Municipal reforça patrulhamento em Zonas de Proteção de Natal

Foto: Divulgação

As Zonas de Proteção Ambiental (ZPAs) da capital potiguar estão contando com um patrulhamento regular do Grupamento de Ação Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Gaam/GMN). A medida tem o objetivo de combater possíveis invasões, queimadas, despejo irregular de resíduos e crimes ambientais contra a fauna e a flora desses habitats.

De acordo com o coordenador do Gaam/GMN, Isaac Cruz, os guardas municipais estão patrulhando semanalmente todas as 10 ZPAs da capital. As rondas acontecem com foco em detectar irregularidades de qualquer tipo que possam afetar o meio ambiente do local. “Nessa segunda-feira, percorremos 8 das 10 ZPAs da capital potiguar, bem como suas áreas de influências. Sempre buscando prevenir e combater crimes ambientais”, informou.

A titular da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social (Semdes), Mônica Santos, ressaltou que o patrulhamento para proteção dessas áreas é de vital importância para Natal, pois a qualidade de vida do natalense está diretamente ligada a essa preservação onde o meio ambiente é o gerador da qualidade da água, do clima e do ar que se respira. “A preservação dessas áreas deve ser uma preocupação de toda a sociedade. A Guarda vem fazendo sua parte de patrulhar e fiscalizar. É preciso que o cidadão também faça a sua parte de respeitar as normas de proteção ambiental e de denunciar ao nosso patrulhamento qualquer tipo de ilegalidade”, solicitou.

Entre os delitos mais comuns flagrados pelos guardas em áreas de preservação, estão o despejo de resíduos sólidos de construção civil, lixo urbano, acesso de pessoas não autorizadas em área de dunas, invasões, retirada de areia, derrubada de cercas de isolamento, construções irregulares, entre outros. Para denunciar a prática de crime ambiental, o cidadão pode ligar para o número 190 do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) e informar o tipo de delito e o local para que os guardas municipais sejam acionados e inibam a ação criminosa. O infrator flagrado cometendo crime ambiental responde administrativa e criminalmente pelo crime cometido.

ZPAs

Natal conta com 10 Zonas de Proteção Ambiental (ZPAs) que estão resguardadas pelo seu atual Plano Diretor, sendo cinco delas regulamentadas através de legislações específicas. Somadas as suas respectivas áreas, as 10 ZPAs de Natal representam aproximadamente 34% da área total do município.

ZPA 01

Sun Valle (Zona Sul e abrange o conjunto Sun Valle no bairro Pitimbu)

ZPA 02

Parque das Dunas (Zona Leste e refere-se ao Parque Estadual das Dunas de Natal)

ZPA 03

Rio Pitimbu (Zona Sul e visa proteger o Rio Pitimbu)

ZPA 04

Guarapes (Fica nos bairros dos Guarapes e Planalto na Zona Oeste visando proteger o campo dunar)

ZPA 05

Lagoinha (Zona Sul no bairro de Ponta Negra garantindo um ecossistema de dunas fixas e lagoas)

ZPA 06

Morro do Careca (localizada no bairro Ponta Negra na Zona Sul com o intuito de proteger o Morro do Careca e áreas adjacentes)

ZPA 07

Forte dos Reis Magos (Zona Leste no bairro do Santos Reis e tvisa proteger o campo dunar e o mangue do Rio Potengi)

ZPA 08

Estuário do Rio Potengi (Zona Norte e visa proteger o ecossistema de manguezal localizada à margem do Rio Potengi, abrangendo também o Rio Jundiaí)

ZPA 09

Rio Doce (abrange dunas e lagoas ao longo do rio Doce, no bairro de Lagoa Azul, na Zona Norte)

ZPA 10

Mãe Luíza (localizada no bairro de mesmo nome e busca proteger as encostas dunares adjacentes ao Farol de Mãe Luiza, na Zona Leste).

Opinião dos leitores

  1. A ZPA 3 do rio Pitimbu, mesmo abastecendo quase metade de Natal, continua a receber dejetos (fezes) ao longo do seu percurso. Muito mais barato que tratar a água totalmente poluída é preservar suas margens mesmo que tenha que se pagar para isso. Falta de compromisso e irresponsabilidade de todos os governantes.

  2. Na Zpa 05 em alagoinha é só dejetos despejados a céu aberto e nunca ninguém tomou providências. Tem 2 protocolos abertos por mim nos anos de 2017 e 2019 e até agora nem visita ao local houve.

  3. As margens do rio doce sofrem com várias invasões que vão de extremós ao Rio Potengi. Completo abandono pelas autoridades responsáveis.

  4. Um vergonha, um verdadeiro lixão! Descaso das autoridades, do MP. Estão despejando tudo, entulho, lixo, móveis velhos., Etc. A degradação é visível né ninguém faz nada!

  5. Basta ir a mãe Luiza, todos os dias novas casas são construídas em direção ao parque das dunas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Bolsonaro prorroga ação dos militares na proteção da Amazônia até abril de 2021

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou nesta quarta-feira (4) um decreto que prorroga até o final de abril de 2021 o emprego dos militares das Forças Armadas na ação da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na Amazônia Legal, do qual participam desde maio deste ano.

“A atuação dos militares se dá na faixa de fronteira, nas terras indígenas, nas unidades federais de conservação ambiental, em outras áreas federais e, mediante requerimento do respectivo governador, em outras áreas dos estados da Amazônia Legal”, informou nota da Secretaria-Geral da Presidência.

Segundo o comunicado, as Forças Armadas atuam na região em ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais desde maio.

Na véspera, o vice-presidente e coordenador do Conselho da Amazônia, Hamilton Mourão, havia defendido a permanência dos militares até o próximo ano e que as operações na Amazônia venham a prosseguir até o final do governo Bolsonaro.

O aumento nas queimadas e no desmatamento na região, constatado por dados oficiais, tem sido alvo de críticas dentro e fora do país. Mourão foi escalado pelo governo para melhorar a atuação do governo para a área.

CNN Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Decisão do Conama que tirou proteção de manguezais e restingas volta a valer após desembargador derrubar liminar

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Adriano Machado/Reuters

O desembargador federal Marcelo Pereira da Silva, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), aceitou um recurso da União e restabeleceu, nesta sexta-feira (2), a validade das decisões do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) que tiraram a proteção de manguezais e restingas.

Na segunda-feira (28), o Conama, órgão presidido pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, revogou quatro resoluções e flexibilizou regras de proteção ambiental. No dia seguinte, a Justiça Federal do Rio suspendeu essas revogações, em uma liminar (decisão provisória) que atendia a pedido feito em ação popular.

A União, no entanto, recorreu da decisão que suspendeu as revogações. Agora, com a decisão desta sexta-feira do desembargador Marcelo Pereira da Silva, prevalecem as normas que haviam sido alteradas pelo Conama, flexibilizando as medidas de proteção ambiental.

Revogações do Conama

As mudanças feitas pelo Conama que voltam a valer nesta sexta-feira incluem:

A revogação de duas resoluções que restringiam o desmatamento e a ocupação em áreas de preservação ambiental de vegetação nativa, como restingas e manguezais. As regras valiam desde março de 2002.

Liberação da queima de lixo tóxico em fornos usados para a produção de cimento.

Derrubada de outra resolução que determinava critérios de eficiência de consumo de água e energia para que projetos de irrigação fossem aprovados (entenda as resoluções abaixo).

O Conama é o principal órgão consultivo do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e é responsável por estabelecer critérios para licenciamento ambiental e normas para o controle e a manutenção da qualidade do meio ambiente.

Trechos da decisão desta sexta

No despacho desta sexta, o desembargador diz que a União argumenta, entre outras coisas, que:

a liminar anterior não foi “suficientemente fundamentada”;

“defendeu que as decisões do Conama são colegiadas e representam a efetivação do princípio democrático” e que a revogação ocorreu com a presença do Ministério Público Federal;

a pauta era “discutida desde 2014 com amparo em critérios técnicos destinados a disciplinar a regulamentação do novo Código Florestal”;

a liminar “representaria intervenção judicial indevida na esfera de competência do Poder Executivo” e que não há “qualquer ameaça de dano ao meio ambiente”.

Resolução 302/2002

Tema: preservação de áreas no entorno de reservatórios d’água

O que previa: dispunha sobre os parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente (APPs) de reservatórios artificiais e o regime de uso do entorno. Ela determinava uma faixa mínima de 30 metros ao seu redor dos reservatórios como APPs. É o caso de represas como a Cantareira, em São Paulo. A resolução impedia a exploração da área para habitação e usos econômicos, buscando garantir a preservação e qualidade da água.

O que mudou: a resolução foi revogada.

Impacto: “Uma vez perdendo esses critérios, nós teríamos uma possibilidade, primeiro, de expansão imobiliária, segundo, de não recuperação dessas APPs”, disse Carlos Bocuhy, presidente do Proam (Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental)

Resolução 303/2002

Tema: proteção dos manguezais e faixas de restinga do litoral brasileiro

O que previa: protegia toda a extensão dos manguezais e faixas de restinga do litoral brasileiro, determinando tais como Áreas de Preservação Permanente (APP). Era complementada pela resolução 302/2002 e alterada pela resolução 341/2003.

O que mudou: a resolução foi revogada.

Impacto: “O único instrumento jurídico efetivo utilizado pelo MP-SP para proteção das restingas é a resolução 303/2002. Uma vez revogada essa resolução, nós perdemos a proteção da faixa dos 300 metros a partir da praia-mar, e isso significa um grande boom imobiliário de resorts, de empreendimentos em todo o Brasil que seriam beneficiados com esse desguarnecimento de um compartimento ambiental importantíssimo”, analisa Carlos Bocuhy, presidente do Proam (Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental)

Resolução 284/2001

Tema: Licenciamento ambiental para irrigação

O que previa: A resolução 284/2001 padronizava o licenciamento ambiental para empreendimentos de irrigação, determinando como a água deveria ser utilizada nas atividades agropecuária. A resolução como era antes da revogação, priorizava projetos com “equipamentos e métodos de irrigação mais eficientes, em relação ao menor consumo de água e de energia”.

O que mudou: a resolução foi revogada.

Resolução 264/1999

Tema: utilização de fornos para queima de resíduos

O que previa: vetava a utilização de fornos rotativos de produção de cimento para queima de resíduos domiciliares brutos, resíduos de serviços de saúde e agrotóxicos, entre outros.

O que mudou: Foi revogada e uma nova foi aprovada. Na sessão, os conselheiros do Conama analisaram o processo nº 02000.002783/2020-43, e com ele foi aprovada a queima de resíduos agrotóxicos e de lixo tóxico.

Impacto: O argumento usado na reunião para defender a resolução foi que a queima dessas substâncias vai diminuir a quantidade de resíduos sólidos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a queima de lixo tóxico seja feita em ambientes controlados, já que podem causar danos à saúde da população.

G1

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Projeto de vacina de Oxford contra COVID-19 poderá oferecer nível duplo de proteção, imune contra vírus, com anticorpos e linfócitos T e ‘células assassinas’ contra infecção

Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP

As pesquisas em curso da Universidade de Oxford para desenvolver uma vacina contra a COVID-19 indicam que esta ofereceria o nível duplo de proteção buscado pelos cientistas, informa a imprensa britânica.

Questionada pela AFP, a universidade respondeu apenas que parte dos resultados sobre a segurança da vacina será publicado na revista médica The Lancet na próxima segunda-feira.

De acordo com o jornal Daily Telegraph, a primeira fase dos testes clínicos em humanos demonstrou que a vacina gera uma resposta imune contra o vírus, com anticorpos e linfócitos T, “células assassinas” contra a infecção.

“É a combinação dos dois que esperamos que proteja as pessoas”, afirmou uma fonte ao Daily Telegraph. “É um momento importante, mas ainda resta um longo caminho por percorrer”.

Os resultados, classificados como “extremamente promissores” por uma fonte anônima de alto nível citada pelo jornal, ainda não permitem saber qual seria a duração da proteção oferecida pela vacina.

O projeto, em parceria com o laboratório Astrazeneca, é considerado um dos mais promissores entre as várias pesquisas em curso no planeta.

A Universidade de Oxford, que também tem o projeto financiado pelo governo do Reino Unido, estabeleceu uma associação com o laboratório farmacêutico para a fabricação e distribuição da vacina em desenvolvimento, para que possa estar disponível de maneira rápida e em larga escala em caso de sucesso.

A vacina desenvolvida pelos pesquisadores de Oxford é baseada em um adenovírus modificado, que geralmente afeta os chimpanzés.

De acordo com a universidade, “gera uma resposta imune forte com apenas uma dose e não é um vírus que se replica, portanto não pode causar uma infecção contínua no indivíduo vacinado”.

Os testes da Universidade de Oxford estão direcionados atualmente a 4.000 voluntários no Reino Unido, aos quais serão adicionados outros 10.000.

Também começou a ser testada no Brasil, onde 5.000 participantes poderão ser beneficiados.

Os cientistas esperam comprovar a eficácia da vacina no outono (hemisfério norte, primavera no Brasil).

Estado de Minas, com AFP

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Assintomáticos podem ter uma proteção imunológica mais fraca contra o Sars CoV-2, aponta estudo

Foto: Reprodução/Visual Science

Pacientes assintomáticos infectados pelo Sars CoV-2 podem ter uma resposta imunológica mais fraca do que aqueles que desenvolvem os sintomas – como febre, tosse, ou qualquer consequência da Covid-19 – sugerem pesquisadores chineses na revista “Nature Medicine”.

O estudo descreve as características imunológicas e clínicas de 37 assintomáticos na China. Eles tiveram a infecção pelo coronavírus detectada em um teste com coleta de amostras no nariz e na garganta. O monitoramento ocorreu antes de 10 de abril de 2020 no distrito de Wanzhou, localizado no município de Chongqing.

Esses pacientes sem sintomas foram identificados dentro de um grupo de 178 pessoas com o teste positivo para o novo coronavírus. Entre os 37 assintomáticos, 22 eram mulheres e 15 homens, com idades entre 8 e 75 anos (média: 41 anos).

O autor da pesquisa, Ai-Long Hua, da Universidade Médica de Chongqing, disse que descobriu que esses pacientes, isolados no hospital, tiveram uma duração média de excreção viral de 19 dias. Já entre os pacientes com os sintomas, o tempo médio foi de 14 dias. Essa duração da excreção não significa, no entanto, que eles possam contagiar mais outras pessoas. Essa informação e suas consequências ainda precisam ser avaliadas, segundo os cientistas.

Oito semanas após a alta hospitalar, os níveis de anticorpos neutralizantes, que a priori dão imunidade ao vírus, diminuíram 81,1% nos pacientes sem sintomas, em comparação com 62,2% nos pacientes com sintomas.

Para avaliar a resposta imune, os pesquisadores mediram algumas substâncias (citocinas e quimiocinas) no sangue. Eles observaram baixos níveis em pacientes assintomáticos, o que mostrou uma resposta anti-inflamatória reduzida.

Esses dados, bem como análises anteriores de anticorpos neutralizantes, destacam os riscos potenciais do uso de “passaportes de imunidade” – liberação da quarentena a pacientes já infectados – e, portanto, eles defendem a aplicação continuada de medidas preventivas comuns de saúde.

Bem Estar – G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

“Você tem a impressão de que a Suprema Corte não gosta de mim?”, ironiza Trump, após programa de proteção a filhos de imigrantes em situação irregular ser mantido

Foto: NICHOLAS KAMM / AFP

Em uma das mais duras derrotas sofridas pelo presidente Donald Trump na Suprema Corte, a Justiça derrubou seus planos de acabar com um programa que protege da deportação jovens filhos de imigrantes em situação irregular nos Estados Unidos.

Numa decisão apertada, por cinco votos a quatro, os juízes deram razão às decisões judiciais em instâncias inferiores, considerando “arbitrária” a posição defendida pelo Departamento de Segurança Interna, que em 2017 defendeu o fim do programa conhecido como Ação Diferida para Chegadas na Infância (Daca, na sigla em inglês).

Ao comentar a decisão, Trump disse no Twitter que “essas decisões horríveis e politicamente carregadas vindas da Suprema Corte são tiros de escopeta na cara de todas as pessoas que se orgulham de serem chamadas republicanas ou conservadoras. Precisamos de mais juízes ou perderemos nossa segunda emenda e tudo mais”, e pediu que as pessoas votem nele em novembro.

Depois ironizou:

“Você tem a impressão de que a Suprema Corte não gosta de mim?”

Foi a segunda derrota do presidente na Suprema Corte em menos de uma semana: na segunda-feira, o tribunal decidiu ser ilegal demitir uma pessoa porque ela é homossexual ou transgênero.

Proteção legal

Criado em 2012 pelo então presidente Barack Obama, a Daca era uma espécie de proteção a pessoas que entraram irregularmente nos EUA quando ainda eram crianças, muitas vezes acompanhadas pelos pais. O plano prevê a concessão de um visto que permite estudar e trabalhar por dois anos, com possibilidade de renovação, muito embora não sirva de garantia para a regularização migratória ou mesmo a residência permanente.

Para ter acesso ao benefício, a pessoa tem que ter chegado aos EUA com menos de 16 anos, vivido no país de forma ininterrupta por um determinado período, não ter antecedentes criminais e ter pelo menos o Ensino Médio ou ter servido nas Forças Armadas. O programa foi uma forma do governo Obama colocar em prática um projeto de lei apresentado em 2001, o Ato de Desenvolvimento, Apoio e Educação para Menores Imigrantes, que jamais foi aprovado no Congresso.

Por conta da sigla em inglês desse projeto, “DREAM”, as pessoas que foram aceitas na Daca passaram a ser chamadas de “Dreamers”, “sonhadores” em inglês. Estima-se que 700 mil pessoas tenham sido beneficiadas.

Ataque contra Daca

Contudo, ao assumir a Presidência em 2017, o presidente Donald Trump disse que iria suspender a Daca, como parte de sua ampla proposta de revisão do sistema migratório dos EUA.

Em setembro daquele ano, em um memorando de apenas uma página, o então secretário de Justiça, Jeff Sessions, afirmou que a Daca era inconstitucional, e que deveria encerrá-la para evitar ser alvo de processos — um deles, liderado pelo Texas, defendia que o programa deveria ser imediatamente fechado. Por outro lado, 15 estados e o Distrito de Columbia, onde fica a capital, Washington, entraram com uma ação contra o presidente.

Mas a visão da Casa Branca não encontrou respaldo na Justiça: tribunais consideraram que o governo, ao derrubar a Daca, violava as leis federais que regem a elaboração de políticas públicas, dando razão a grupos de defesa dos imigrantes.

Enquanto uma decisão definitiva não era tomada, milhares de pessoas foram colocadas em uma espécie de limbo, sem saber se poderiam ficar nos EUA ou se seriam deportadas. Muitos dos “dreamers” chegaram ao país ainda bebês, e não guardam qualquer laço com seus países de origem, sem contar o fato de já terem uma vida estabelecida na sociedade americana. Muitos chegaram a lutar em conflitos como no Afeganistão e no Iraque.

O caso chegou à Suprema Corte no ano passado, tendo como base duas questões: se as decisões das instâncias inferiores têm o poder de revisar uma decisão de Trump e se o governo deu razões suficientes para pôr fim ao programa. Como se viu hoje, a decisão foi contrária às intenções de Trump.

Depois da Justiça, a questão retorna ao Congresso, que há quase duas décadas debate a medida, algo que pode se tornar mais um tema delicado para os republicanos. A Daca é um programa que tem grande aprovação entre os americanos, mas, ao mesmo tempo, se insere em um dos pilares da candidatura de Trump, a imigração.

Isso põe ainda mais pressão sobre os governistas que também buscam permanecer em seus cargos na Câmara e no Senado, e que enfrentam problemas relacionados à visão do público sobre Donald Trump, hoje com taxas de aprovação em queda livre.

O Globo

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Câmara Municipal de Natal derruba veto a PL que cria equipamentos de proteção nas pontes

A Câmara Municipal de Natal realizou nessa terça-feira (16), mais uma Sessão Ordinária virtual. Na pauta foram apreciados dois vetos do poder Executivo a Projetos de Lei, que foram derrubados pelos vereadores. Entre eles, o veto ao projeto de Lei N° 34/2019, de autoria da vereadora Carla Dickson (PROS), que cria em Natal a Lei Ponte Para a Vida.

A matéria recomenda a instalação de equipamentos de proteção nas pontes, viadutos e passarelas da capital potiguar com altura superior a 20 metros. “Esse projeto se preocupou justamente com o preservar vidas. O fato de preservar vidas, já mostra a dimensão da sua importância, uma vez que depois do surgimento, sobretudo da ponte Newton Navarro, nós em Natal tomamos conhecimento de muitos casos de suicídio. A partir daí surgiu à ideia do que poderia ser feito para preservar as pessoas. Então através de que, de protetores e inclusão de telas”, ressaltou a vereadora Eleika Bezerra (PSL), que subscreveu o projeto.

Outro veto do poder Executivo discutido pelos vereadores, e que foi derrubado pelo colegiado, foi o do projeto de Lei Nº 54/2019, de autoria do vereador Preto Aquino (PSD), que institui no município, o programa Boa Visão para Idosos, que tem como objetivo detectar doenças oftalmológicas nas pessoas da terceira idade.

Líder do Executivo, o vereador Kleber Fernandes (PSDB) explicou a importância da derrubada dos vetos. “Em comum acordo com o Executivo, nós conseguimos a consensualização para liberação da bancada e, consequentemente, a derrubada do veto, de forma consensual e amistosa. Então, isso vai beneficiar a população, já que esses projetos virarão realidade na cidade de Natal pela sua importância para a segurança e para a saúde dos idosos”, explicou Kleber.

O plenário da Casa também aprovou, em segunda discussão, o projeto de Lei Nº 105/2018, de autoria da vereadora Ana Paula (PL), que trata sobre a realização de cursos de formação em gestão escolar e certificação de gestão de diretores e vice-diretores da rede municipal de educação do município de Natal. Ficará a cargo da Secretaria Municipal de Educação, promover a capacitação desses profissionais.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *