A geração de mulheres que põe o orgasmo em primeiro lugar

(Elisa Riemer/CLAUDIA)

Em 1949, a filósofa Simone de Beauvoir escreveu em Segundo Sexo, obra que se tornaria referência para os movimentos feministas: “Na cama, a mulher aguarda o desejo do homem, espera, por vezes ansiosamente, seu próprio prazer”. Naquele momento, as mulheres lutavam pelo direito de trabalhar e, nas décadas seguintes, com a pílula anticoncepcional, ganharam mais autonomia para planejar a gravidez.

Hoje, não esperam mais pelo próprio prazer e guiam, elas mesmas, essa busca. Com a reinvenção do feminismo, na última década, estimulado pela discussão de ideias nas mídias sociais, uma nova geração de mulheres adentra a vida adulta com outras perspectivas sobre a sexualidade – mais centradas nelas e menos preocupadas em atender a convenções ultrapassadas.

Concentradas na faixa dos 20 aos 40 anos, se insurgem contra a violência nas relações, o descaso e a ignorância sobre o que lhes dá prazer. Além de poder decidir, elas querem gozar. Há um deslocamento sobre a percepção da sexualidade, que passa a incluir as mulheres no papel de protagonistas e tem o consenso como base na hora do sexo. Assim, não seria exagero afirmar que elas abrem frente para uma nova revolução sexual.

“Ainda que nas décadas passadas tenha se iniciado uma revisão comportamental, a grande mudança aconteceu nos últimos anos. A mulher não se expressava. Agora se permite fazer escolhas sem tanta culpa nem estereótipos”, afirma Heloísa Buarque de Hollanda, professora aposentada de sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e autora do livro Explosão Feminista: Arte, Cultura, Política e Universidade (Companhia das Letras).

Se antes as conversas sobre sexualidade feminina ficavam confinadas a grupos de amigas, com o que a socióloga chama de a “explosão” elas passaram a compartilhar experiências via redes sociais. Essa ampliação permite que o debate vá, pouco a pouco, atingindo diferentes perfis e gerações de mulheres.

“Hoje, até a mãe de família mais recatada tem acesso à internet, e sua cabeça já começa a mudar ao ter contato com as filhas, que vivem este momento”, explica Heloísa. Nesse espaço recente, por vezes, elas percebem que não são as únicas a enfrentar certas situações e a estar insatisfeitas com suas experiências sexuais. Ao mesmo tempo, trocam vivências positivas.

Após um relacionamento que não lhe trazia nenhum prazer e a deixava insegura para explorar o próprio corpo, a carioca Roberta publicou um pedido de ajuda em um grupo de Facebook que reúne mulheres de todo o Brasil. Conforme descrevia no post de 2016, Roberta não conseguia ter orgasmos e cada relação sexual era um fiasco.

“Na época, eu tinha um namorado que rechaçava masturbação feminina, sentia nojo de sexo oral feminino e não se importava com meu prazer”, conta a jovem de 24 anos, estudante de pedagogia.

No entanto, suas questões eram ainda mais complicadas, remontando à infância – aos 8 anos, havia sido estuprada por um primo; aos 14, a relação que entendia como a do fim de sua virgindade também acontecera à força. Dali em diante, todas as suas experiências sexuais a lembravam das violências.

O contato com outras mulheres, ao vivo e virtualmente, fez com que despertasse para o impacto dessas vivências em sua sexualidade e a repensar a forma como a conduzia. “Passei a me masturbar, encontrei prazer no sexo ao me relacionar com homens com pensamentos mais abertos e me assumi bissexual. Agora, sou muito mais plena”, afirma. O nome dela e o de outras mulheres que compartilharam suas experiências com a reportagem foram trocados para preservar a privacidade delas.

A geração de Roberta admite a possibilidade de experimentar diferentes práticas sexuais e de não se limitar a identidades de gênero e orientação sexual predefinidas. “Surge a noção de sexualidade fluida, mais aberta à diversidade e mais livre de tantos estereótipos sobre o que é sexo”, aponta Carolina Ambrogini, coordenadora do Projeto Afrodite, que orienta mulheres sobre sexualidade e está instalado no Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Romper com os estereótipos implica novas formatações para relações sexuais – isto é, foge ao protocolo que entende sexo apenas sob o ponto de vista das relações heterossexuais e da penetração – e para os papéis de gênero desempenhados. Em busca de parceiros que façam sentido, os nativos digitais usam ainda a tecnologia, o que inclui tanto os aplicativos de relacionamento quanto o envio e recebimento de sexts (termo em inglês para as mensagens e fotos de cunho sexual, mais populares entre os jovens).

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calixto Silva disse:

    Ninfomaníaca, é isto que as mulheres precisam ser, igual aos homens, que buscam o seu prazer sexual a qualquer custo, não importa como, com quem ou com o que, o importante é sentir prazer. Essa coisa de que não pode isso não pode aquilo é passado, na visão destas feministas.

  2. Patricinha disse:

    É claro! Sempre! O homem é objeto de prazer para ser muito usado por mulheres.

Lésbicas e DSTs: a saúde sexual das mulheres que transam com mulheres; entenda os riscos e conheça os métodos de proteção

Imagine a cena: duas mulheres estão no quarto, trocando carícias, cheias de tesão, tiram a roupa e então… Uma delas vai até a cozinha pegar o rolo de plástico filme para colocar sobre a vulva da parceira e garantir que elas façam sexo seguro.

Pois é, uma cena que não parece nada sexy, nem prática. Mas que tem sido a principal orientação que mulheres lésbicas encontram sobre prevenção de doenças que podem ser transmitidas no sexo. Isso, quando encontram alguma orientação. Porque existe também uma ideia geral de que em uma transa com duas vaginas, não há risco de transmissão.

“É mito que as mulheres lésbicas estão protegidas contra as ISTs [infecções sexualmente transmissíveis], e é muito importante falar sobre isso”. As palavras da ginecologista Bruna Wunderlich lembram que sexo entre mulheres pode, sim, transmitir doenças e que a falta de informação sobre isso só aumenta a exposição a riscos.

Um estudo do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids, de 2012, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, mostrou que só 2% das lésbicas se previnem contra as ISTs. Algo que passa pela desinformação, mas também pela ausência de métodos de proteção desenvolvidos especificamente para elas.

E, apesar da prevenção dificilmente acontecer, os riscos são reais: uma pesquisa realizada pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) em 2017 com 150 mulheres que se relacionam mulheres mostrou que 47,3% delas tinham algum tipo de IST.

Os motivos para esse assunto ainda ser tabu passam pela invisibilidade e preconceito em relação às relações lésbicas e também à sexualidade feminina. E para combater isso, reunimos aqui as principais informações sobre as doenças, prevenção e também acompanhamento ginecológico.

As doenças e o sexo

Antes de começar, é preciso explicar que hoje em dia se usa a expressão Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) ao invés de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), porque às vezes a pessoa pode ser infectada, mas não manifestar a doença. Mas como popularmente é muito mais comum se ouvir falar de DSTs, vamos usar esse termo, para facilitar a compreensão.

Existe um imaginário de que a transmissão de doenças está ligada à penetração durante o sexo. No entanto, essa é só uma das formas possíveis de passar uma doença. Sexo oral, contato entre mucosas e com o sangue são outras.

“Sífilis, herpes genital e verrugas genitais têm a ver com contato de mucosa. E todas as vezes que eu tenho contato de mucosas, seja entre dois órgãos sexuais ou da boca com um órgão sexual, isso transmite”, explica Thais Machado Dias, médica de família e comunidade do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde e do Instituto Iris.

Então, para não reforçar preconceitos, é importante destacar que falar em transmissão de DSTs não tem a ver com a orientação sexual das pessoas (heterossexual, bissexual, homossexual, entre outras) e sim com as práticas sexuais. O que isso quer dizer?

Quer dizer que existem infecções que são transmitidas pela prática da penetração, outras pela prática do sexo oral e outras pelo contato da mucosa, ou por mais de uma dessas formas juntas. E tanto pessoas heterossexuais quanto homossexuais podem ter qualquer uma dessas práticas, afinal a sexualidade humana é complexa e pode envolver um monte de práticas.

Mulheres lésbicas podem usar acessórios ou os dedos para penetração, assim como um casal heterossexual pode praticar o sexo oral. Além disso, podem se envolver com mulheres bissexuais, que se relacionam ou relacionaram com homens. E existem ainda mulheres lésbicas e bis trans que não passaram por redesignação sexual e têm um pênis.

Por isso, para analisar os riscos de contágio de doenças, é importante pensar em como elas são transmitidas, não na orientação sexual das pessoas. É importante destacar essa diferença para não se reforçar estereótipos e preconceitos como os homens gays sofreram na década de 1980 com a descoberta da aids, por exemplo.

Na tabela abaixo, mostramos as principais formas de transmissão das DSTs mais comuns.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Euzim disse:

    "E existem ainda mulheres lésbicas e bis trans que não passaram por redesignação sexual e têm um pênis."
    Homi , explica isso direito…

Estudo nega que homens se excitem mais facilmente do que as mulheres

Imagem: fizkes/iStock

A excitação sexual não depende do gênero nem da orientação sexual, segundo um estudo do Instituto Max Planck de Cibernética Biológica, localizado em Tübingen (sudoeste da Alemanha), que indica que os diferentes comportamentos podem ser causados por motivos culturais, sociais e até mesmo legislativos.

O estudo, publicado pela revista americana “Proceedings of the National Academy of Sciences”, afirma que “não há diferenças em nível neurobiológico” no grau de excitação sexual sentido por homens e mulheres diante de imagens eróticas. Os resultados diferem da maioria das pesquisas já realizadas até o momento neste âmbito.

Para chegar a esta conclusão, os responsáveis pelo trabalho analisaram dados de 61 pesquisas realizadas em diversos laboratórios e países, com um total de 1850 indivíduos analisados. Nessa amostragem havia uma comparação por gênero e orientação sexual, assim como uma série de diferentes nacionalidades.

“Os resultados desses estudos mostram que não há diferenças de gênero na resposta cerebral aos estímulos visuais de caráter sexual”, afirma a nota do Instituto Max Planck de Cibernética Biológica.

Todos esses estudos mediam a “reação espontânea e incontrolável” das pessoas analisadas diante de fotografias e vídeos eróticos, por meio de imagens por ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla em inglês), um método não invasivo que quantifica a atividade cerebral pelo consumo de oxigênio nas diferentes regiões.

A nova análise, no entanto, encontra diferenças na reação dependendo da orientação sexual: “Os heterossexuais reagiam mais fortemente aos estímulos visuais do que os homossexuais”, explicou o neurologista Hamid Noori, responsável pelo estudo.

Também foram percebidas diferenças no grau de excitação dependendo do tipo de estímulos. As fotografias davam lugar a uma “categoria mais ampla de excitação em diferentes áreas do cérebro” do que os vídeos.

O estudo questiona as pesquisas anteriores, que indicavam “diferenças de gênero em excitação e desejo” e fomentavam “a estendida aceitação” de que “o cérebro masculino está mais orientado ao sexo do que o feminino”.

De acordo com o instituto alemão, as diferenças na conduta de homens e mulheres podem ocorrer devido a “influências sociais”, como a família, o colégio e as amizades, ao tabu sexual em “muitas culturas” e às legislações, que “contribuíram para alienar as mulheres dos seus próprios desejos sexuais”.

“O reconhecimento de que nos comportamos da mesma forma no que se refere à excitação pode ajudar a quebrar tabus e clichês”, argumentou o centro de estudos.

UOL, via EFE

Mulheres são melhores em esconder a infidelidade, diz estudo

Imagem: Getty Images

Cientistas revelaram que as mulheres podem julgar se um homem é infiel só de olhar para o rosto dele, mas os homens são menos capazes de identificar uma mulher traidora.

Pesquisadores da Universidade da Austrália Ocidental reuniram um grupo de 1.500 pessoas e mostraram imagens de 189 adultos caucasianos (101 homens e 88 mulheres), tendo perguntado-lhes antes se tinham sido infiéis com seus parceiros.

Os entrevistados foram então solicitados a classificar esses rostos em uma escala de 1 a 10, em que 1 significa “nem um pouco provável de que seja infiel” e 10 “extremamente provável”.

O resultado, publicado na revista Royal Society Open Science, foi que “tanto homens quanto mulheres foram precisos ao avaliar a probabilidade dos homens, mas não das mulheres, traírem e roubarem o parceiro de outro”.

Os cientistas queriam analisar não apenas se homens e mulheres poderiam identificar uma possível infidelidade um no outro, mas também se era possível detectar um possível “ladrão de parceiro” do mesmo sexo.

Eles citaram pesquisas mostrando que 70% das pessoas em mais de 50 culturas relataram uma tentativa de roubar o parceiro de outra pessoa e 60% disseram que tiveram sucesso.

Os resultados “não foram o esperado”, os cientistas admitiram. Os homens foram capazes de identificar possíveis ‘caçadores furtivos’ entre outros homens, mas mesmo quando outras mulheres estavam julgando, a fêmea da espécie era inescrutável.

“Homens e mulheres mostraram uma precisão acima da média para os rostos masculinos, mas não para os rostos das mulheres. Portanto, a infidelidade percebida pode, de fato, conter algum núcleo de verdade nos rostos masculinos”, escreveram os cientistas.

O que faz as mulheres suspeitarem que os homens possam estar traindo?

De acordo com a pesquisa, isso se resume principalmente à masculinidade percebida, embora os pesquisadores tenham se deparado com outro resultado inesperado, sugerindo que não são os homens mais bonitos os que mais traem.

“Surpreendentemente, embora os homens mais atraentes tenham sido classificados como mais infiéis, eles eram menos propensos a se envolver na caça de parceiros alheios”, disse o estudo.

Universa UOL, via AFP

Pílula anticoncepcional afeta as emoções das mulheres, sugere estudo

PÍLULA ANTICONCEPCIONAL (FOTO: MARCOS SANTOS/ USP IMAGES)

Um novo estudo publicado na revista Frontiers in Neuroscience traz evidências que uma das implicações do uso da pílula anticoncepcional é de prejudicar o reconhecimento de emoções em mulheres que a utilizam.

O psicólogo cognitivo Alexander Lischke explica que, apesar das evidências, não há motivo para pânico. Segundo ele, muitos dos efeitos que seu time de especialistas encontrou ainda são apenas “deficiências sutis”, ou seja, quase imperceptíveis.

Os efeitos causados pela pílula anticoncepcional nas mulheres pode variar muito. Mudanças no corpo, mente, humor e bem-estar são alguns exemplos. Segundo o portal Science Alert, cerca de 100 milhões de mulheres em todo mundo utilizam a pílula contraceptiva como forma de evitar a gravidez ou para controlar a menstruação.

Para o estudo, as participantes tiveram de identificar algumas emoções humanas. De acordo com os pesquisadores, as mulheres que estavam sob efeito da pílula anticoncepcional tiveram dificuldade na hora de reconhecer algumas das emoções que lhe foram dadas.

Ainda em fase de desenvolvimento, o estudo contou com apenas 94 participantes na Alemanha, mas já se destaca entre outras pesquisas feitas anteriormente por focar na saúde mental, controle e reconhecimento das mulheres.

Além dessa pesquisa, outros estudos feitos anteriormente sugerem que o uso da pílula pode prejudicar a habilidade das mulheres em lidar com as próprias emoções e de terem empatia por outras pessoas. Das 94 mulheres que participaram do estudo, 41 utilizava o contraceptivo e 53 não estava fazendo o uso do medicamento. Após responderem perguntas sobre menstruação, empatia e o uso do contraceptivo em si, elas participaram da próxima fase da pesquisa.

EXEMPLO DE IMAGEM UTILIZADA NO TESTE “LENDO A MENTE NOS OLHOS” (FOTO: KAWATA ET AL., 2014/ REPRODUÇÃO)

Chamado de “’Reading the Mind in the Eyes” (Lendo a mente nos olhos, em tradução livre) o teste consiste em testar a habilidade de identificar algumas expressões em imagens preto e branco, variando entre as mais fáceis e difíceis. Depois, os pesquisadores notaram que as mulheres que faziam uso do contraceptivo regularmente eram quase 10% piores no teste com imagens mais complexas.

“Como os contraceptivos orais funcionam suprimindo os níveis de estrogênio e progesterona, faz sentido que os contraceptivos orais também afetem o reconhecimento de emoções das mulheres”, explica Lischke. Em entrevista ao portal ScienceAlert, o pesquisador conta que, apesar dos resultados, ainda não há informações precisas sobre os efeitos da pílula na vida das mulheres.

Galileu

 

Advogado é preso em Natal suspeito de cooptar, por meio de redes sociais, mulheres com a intenção de abusar sexualmente de seus filhos

Foi preso na manhã dessa quinta-feira, 7 de fevereiro, na cidade de Natal (RN), um homem de 38 anos, suspeito de cooptar, por meio de redes sociais na internet, mulheres com a intenção de abusar sexualmente de seus filhos. A operação, denominada Jocasta, foi realizada com o apoio da Unidade de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil da Polícia Federal (Urcop) e com a cooperação e operacionalização pela Polícia Civil do Estado do Paraná e pelo Grupo de Atuação Especializado de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio Grande do Norte, a pedido do Ministério Público do Paraná, que investiga o caso. Além da prisão preventiva, determinada pelo Juízo da comarca de Mallet, foram cumpridos mandados de busca e apreensão no escritório de advocacia do investigado.

As investigações duraram cerca de dois meses e foram conduzidas no MPPR pela Promotoria de Justiça de Mallet, no Sudeste paranaense. Foi apurado que o homem, que se identificava como advogado, entrava em contato com mulheres que tinham filhos e as convencia a expor as crianças na internet, por meio de fotos e vídeos.

Para chegar ao suspeito, o Ministério Público contou com a colaboração de serviços de inteligência nacionais e internacionais. Também foram realizadas escutas especializadas com as crianças vítimas dos abusos.

O caso teve início a partir do recebimento de denúncia, pela Promotoria de Justiça, de que uma mulher estava abusando sexualmente do filho de oito anos, bem como teria tentado matá-lo. Ela foi presa preventivamente e já denunciada pelo MPPR pelos crimes de estupro de vulnerável e tentativa de homicídio.

Outras vítimas – No curso das investigações, novas vítimas crianças estão sendo identificadas, inclusive no município de Mallet. Ficou demonstrado que outra mulher da cidade, por exemplo, conhecida da primeira, estava auxiliando o referido homem com informações acerca das investigações, bem como se apurou haver fortes indícios de que ela envolvia a filha, de oito anos, em atos libidinosos e cenas de sexo explícito ou pornografia com o homem. Essa mulher também foi presa preventivamente, nesta quarta-feira, 6 de fevereiro, e poderá ser denunciada por estupro de vulnerável, aliciamento de criança ou adolescente e favorecimento pessoal.

A Promotoria de Justiça identificou outras vítimas, em outros estados, e está procedendo aos devidos encaminhamentos aos Ministérios Públicos locais para a adoção das providências necessárias.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Andinho disse:

    Deveria ser divulgado o nome e a foto desse ser repugnante, um crápula dessa espécie não merece proteção de ninguém, a primeira a vir a público exigindo punição e o eliminando dos seus quadros era a OAB.

  2. José Fortaleza disse:

    Tinha que ser o MP de outro estado, mais especificamente do Paraná, pq se depender do inoperante MPRN, os crimes continuariam impunemente.

    • LUTEMBERG DE SOUZA PESSOA disse:

      Muito provavelmente o nobre causídico, cujo nome a reportagem omitiu, deve degustar bons uísques em companhia dos nobre membros do parquet, então, como poderiam investigá-lo?

DISPUTA MULHERES: Pabllo Vittar fica na frente de Deborah Secco e Sabrina Sato na lista de ‘mais sexy de 2018’

Fotos: Reprodução/Intagram/Montagem

Surpresa na disputa das mulheres brasileiras mais sexy de 2018 na eleição feita pela revista “Isto é gente”, Pabllo Vittar ficou na 13ª posição do ranking, segundo o resultado divulgado nesta quarta-feira. Na lista das 25 mais do ano, a famosa drag queen aparece na frente de nomes como Deborah Secco (17ª colocada), Giovanna Ewbank (18ª), Giovanna Lancellotti (20ª), Giovanna Antonelli (21ª), Taís Araújo (23ª), Flávia Alessandra (24ª) e Sabrina Sato (25ª).

O primeiro lugar na disputa que contou com milhares de votos na internet ficou com a funkeira Tati Zaqui, seguida por Paolla Oliveira, Bruna Marquezine, Lívia Andrade, Marina Ruy Barbosa, Cleo Pires, Flávia Pavanelli, IZA, Anitta, Fluvia Lacerda, Isis Valverde e Juliana Paes.

A campeã Tati Zaqui comemorou a vitória com um texto no Instagram falando de aceitação. “Ganhamos com mais de 73 mil votos! Meninas, nós, magrinhas, podemos, sim! Quantas vezes nessa vida já ouvi piada por ser magra demais? Nem por isso deixo que as coisas me abalem. Eu danço mesmo, mostro mesmo, fotografo nua mesmo. Porque eu me amo, sim. E se eu mudo ou deixo de mudar algo em meu corpo, é quando sinto vontade e não por pressão de uma sociedade hipócrita que criou voz através da internet”, desabafou.

A funkeira Tati Zaqui venceu a disputa da mulher mais sexy de 2018 Foto: Reprodução/Instagram

A lista

Confira a lista das 25 mulheres mais sexy de 2018:

1) Tati Zaqui

2) Paolla Oliveira

3) Bruna Marquezine

4) Lívia Andrade

5) Marina Ruy Barbosa

6) Cleo Pires

7) Flávia Pavanelli

8) Iza

9) Anitta

10) Fluvia Lacerda

11) Isis Valverde

12) Juliana Paes

13) Pabllo Vittar

14) Camila Queiroz

15) Carol Nakamura

16) Erika Januza

17) Deborah Secco

18) Giovanna Ewbank

19) Ana Clara

20) Giovanna Lancellotti

21) Giovanna Antonelli

22) Luísa Sonza

23) Taís Araújo

24) Flávia Alessandra

25) Sabrina Sato

Extra O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. LEANDRO disse:

    Não sei quem é mais jumento. ….aquele que votou em um homem para mulher mais sex ou quem divulgou que um macho ganhou para algumas mulheres como mais sex…..vai se tratar……..

  2. Dedé disse:

    Isso é uma aberração, mulher é mulher e não um cabra desse com cara de maracujá azedo!

  3. Manoel disse:

    Pablo Vittar, a famosa mulher de tromba!!! Deve ser sexy pra pra algum doente igual a ele!!!

  4. Sergio Nogueira disse:

    Existe a categoria "Mulher com ovos"?

  5. Uthred Bebaburg disse:

    Kkkkkkkkkkkkkkkki
    Esse é o verdadeiro voto de protesto.
    Pra chocar e agredir.
    Kkkkkkkkkkkkkk

  6. PABLO disse:

    AMIGO! NADA DO MEIO INTERATIVO NO BRASIL É PRA SE LEVAR A SERIO.

  7. LUTEMBERG PESSOA disse:

    Duas aberrações. Tanto esse ser figurar entre as mulheres, uma vez que é macho (pelo menos, biologicamente falando) e essa "dama" que ficou em primeiro lugar. Isso dá bem uma medida da triste realidade em que a sociedade está mergulhada.

  8. Charles disse:

    É o fim do mundo.

  9. Luladrão disse:

    Esse é o Brasil depois do PT. Que vergonha! Temos que pedir desculpas as verdadeiras mulheres brasileiras.

    • Manoel disse:

      Não colega, esse é país hipócrita q elegeu um doido.

    • LULADRÃO disse:

      Quer dizer que o certo foi eleger um ladrão e sua quadrilha petista e mais os apoiadores do crime ? Se conforme porque a sua boquinha acabou.

  10. Ivanildo disse:

    É Pablo vitar é mulher?

  11. Roberta bafo de maconha disse:

    Essa comissão julgadora também deve achar Tammy Gretchen o homem mais paulêra do mundo. essa imprensa dá cada vacilo na credibilidade.

Arméli Brennand será secretária de Mulheres, Cidadania e Direitos Humanos

A promotora de Justiça aposentada Arméli Brennand será a nova secretária de Mulheres, Cidadania e Direitos Humanos (SMDH) do Rio Grande do Norte. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (3) pela governadora eleita Fátima Bezerra, que explicou o reordenamento a ser feito no âmbito da atual Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc): “Faremos alguns ajustes no Governo e um deles será o desmembramento da Sejuc em Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e SMDH. Duas pastas importantes para o efetivo funcionamento da política penitenciária e também para a garantia de direitos das pessoas”.

Não serão criados novos gastos na estrutura de Governo. Um dos cargos já existentes na estrutura do estado, de secretário extraordinário, e o cargo de secretário da Sejuc, serão ocupados pela Seap e SMDH.

Arméli Brennand declarou que “honrada pela indicação, assumo, em sintonia com o Governo eleito, o compromisso de formular e executar políticas públicas de promoção dos Direitos Humanos e das Mulheres, da comunidade LGBTQl, da igualdade racial, da juventude e das pessoas com deficiência, numa atuação assentada na ampla discussão e participação popular”.

Perfil

Arméli Marques Brennand atuou até a sua aposentadoria como promotora de defesa da Criança e do Adolescente e continua sendo uma das principais referências da área no Rio Grande do Norte. Ela é especialista em Direito Sanitário e coordenadora Adjunta do Comitê de Juristas pela Democracia

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. joao ligeiro disse:

    Pra que essa Secretaria? Essa Arméli Brennand- que não deve ser parente de Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand o consagrado artista brasileiro, até pela sua performance de finesse, devia se aquetar, e gozar do seu alto salário de promotora aposentada, e que recebe em dia; esse negócio de política LGTBI é coisa que deve vir naturalmente do povo, não a instituição pública impor goela abaixo. A própria política já é uma discriminação. de onde já se viu criar direito exclusivo por uma orientação sexual?

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Bacana, já que ela é aposentada do Ministério Público com certeza vai abrir mão do salário de secretária para ajudar o RN.

  3. JOAO disse:

    É FACIL ENTENDER SE NÁO ENTENDER PROCURE UM MÉDICO.CAROS NORTERIOGRANDENSE A FALTA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES E UMA CONTA MATÉMATICA O LEGISLÁTIVO TEM SUPERAVIT DE DINHEIRO COM SALÁRIOS EM DIA-COM 2133 FUNCIONÁRIOS O SEDE DA ASSEMBLEIA NÁO CABE 150 FEZ ATÉ DOAÇÁO DE AMBULANCIA-O JUDICIÁRIO TEM SUPERAVIT DE DINHEIRO-O EXECUTIVO É O EXECUTIVO?????????-ALO NORTERIOGRANDENSES PERGUNTE COMO FAZ O GOVERNADOR DA PARAIBA-NA PARAIBA QUEM MANDA ÉO GOVERNADOR-O RIO GRANDE DO NORTE É UM ESTADO AZARADO-SE VENDER SEUS ATIVO LOGO VOLTA A SER A MESMA COISA-A PARAIBA NÁO ACEITOU A COPA DO MUNDO-EM RAZÁO DE VER QUE NÁO ERA NECESSÁRIO GASTAR MILHOÉS-E DESVIAR DINHEIRO ' CORRUPÇÃO'-(NÁO ~E JOSÉ E HENRIQUE)

  4. Fernando Melo filho disse:

    Boa tarde pra mim Robson foi a queda e Fátima será o coice para nosso estado.

    • paulo martins disse:

      Resumo da ópera: preparem-se os potiguares para enfrentar o pior a partir de 2019. Quem (tiver a sorte de) sobreviver verá.

    • Vitor Freire disse:

      A má criação desta gente, vê-se neste comentário de um estúpido que não respeita a vontade da maioria dos norte riograndenses.

Pesquisa aponta que mulheres estão vendo o sexo casual como algo comum e sem tabus, e que preliminares são 100% fundamentais em qualquer tipo de relacionamento

Foto: shutterstock

O que é fundamental para um homem no sexo pode ser diferente do que é fundamental para uma mulher, por isso, muitas vezes é difícil saber agradar a parceira . Para entender melhor o que elas desejam na cama, o aplicativo de relacionamento ParPerfeito realizou uma pesquisa com solteiros, e os resultados indicam caminhos de como satisfazer uma mulher no sexo.

De acordo com a pesquisa, para 100% das mulheres (isso mesmo, foi unanimidade) as preliminares são fundamentais na hora do sexo e 78% dos homens concordam com isso. Ao analisar dos dados da pesquisa que indica como satisfazer uma mulher , Marina Simas, consultora de relacionamento do ParPerfeito, afirma que esse resultado não é uma surpresa.

“As preliminares acabam sendo um momento íntimo que as mulheres prezam muito, pois ajudam na estimulação e a chegar ao orgasmo. Para os homens também é importante, mas a pesquisa esclareceu perfeitamente como isso se trata de um elemento fundamental do ponto de vista feminino”, analisa Marina.

Outro dado de destaque é as mulheres também estão vendo o sexo casual como algo comum e sem tabus, tanto que 80% das participantes afirmam que têm esse tipo de relação frequentemente. Para a especialista, com a popularização dos aplicativos de relacionamento ficou mais fácil conhecer pessoas com os mesmos objetivos e afinidades, e isso ajuda as pessoas a terem mais encontros casuais .

Como satisfazer uma mulher quando não rola química?

O homem que se preocupa demais em fazer de tudo para rolar a famosa química pode relaxar porque 60% das mulheres acreditam que esse tipo de afinidade só vai acontecendo com o tempo. Segundo a consultora de relacionamento, é preciso, sim, ter compatibilidade na cama, mas o homem só vai conhecer os gostos da parceira com a convivência e o amadurecimento da relação.

“A questão da química levar tempo é um dos pontos apontados na pesquisa, porque nem sempre é comum se levar em conta as necessidades das pessoas em pouco tempo junto. Uma parceria é feita de trocas e é fundamental se doar para conhecer o parceiro ou parceira”, conclui.

Quando questionadas sobre o perfil ideal de parceiro para uma relação sexual, 30% das entrevistadas acreditam que o importante, antes de partir para o sexo, é ter algum envolvimento com o parceiro ou já ter saído para alguns encontros. Já para 39% dos homens, o principal aspecto é a parceira ser fisicamente atraente.

IG

Fotos de mulheres usando ‘sutiãs’ de frutas viralizam no Instagram

Não, você não leu errado. A nova tendência das redes sociais é chamada de “pineapple boobs” ou “fruit bra” — algo como “seios de abacaxi” e ” sutiã de frutas”, em português. Essa ideia consiste em, basicamente, publicar fotos cobrindo os seios com frutas, em especial, o abacaxi . E, acredite, muita gente está aderindo à essa moda.

Reprodução/Instagram/almastrobaek. A tendência chamada de ‘pineapple boobs’ é, basicamente, publicar fotos usando abacaxis ou outras frutas como ‘sutiã’

Apesar de boa parte das mulheres que entraram na onda de publicar as fotos estarem usando abacaxis, essa não é a única fruta escolhida para fazer parte da tendência. Na falta deles, também aparecem sutiãs improvisados com outras frutas, que vão desde cocos, mamões, abacates, melancias e até mesmo bananas.

Boa parte das mulheres que compartilham seus “sutiãs” com as hashtags #pineappleboobs e #fruitbra estão na praia e usando biquíni. E, se antes o que estava fazendo sucesso entre as roupas de banho era usar o ” upsidown biquini “, ou seja, usar a parte de cima do biquíni de cabeça para baixo , agora é fazer uma verdadeira ressignificação das frutas.

Construindo essa tendência, estão modelos como Valentina Fradegrada, que costuma sempre inovar na forma de usar os biquínis, e Sophie Kasaei, que decidiu ir além e usar as frutas para compor todas as peças da roupa de banho. Até alguns homens decidiram entrar na brincadeira para mostrar que as frutas podem, sim, ser úteis para muitos propósitos — inclusive, diversão. Confira algumas ideias:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

?? @fashionnova

Uma publicação compartilhada por Valentina Fradegrada (@valentinafradegrada) em

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

3 of my 5 a day ?? ?

Uma publicação compartilhada por Sophie Kasaei (@sophiekasaei_) em

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Eat your pineapples. #pineappleboobs #pineapples #fruit #fruits #eatyourfruits #seaside #sea #sunset #seasidesunsets #instadaily #pictureoftheday #healthyfood #smile #vacation?

Uma publicação compartilhada por ?? ?? (@rochwene) em

Conta no Instagram dedicada às fotos dos ‘fruit bras’

Reprodução/Instagram/fruitbra. Os ‘pineapple boobs’ ganharam até uma conta no Instagram para compartilhar fotos de mulheres que aderiram à moda

Apesar de ser algo que está chamando bastante atenção agora, os “sutiãs de fruta” não são algo recente. No fim de 2017, surgiu uma conta no Instagram dedicada à compartilhar imagens de internautas que seguem essa tendência. As imagens geralmente são enviadas por mulheres, que decidiram entrar de cabeça nessa moda e marcar a página para ter a foto publicada nas redes.

A grande popularidade dessa tendência com as fotos dos sutiãs improvisados se dá, principalmente, porque em boa parte dos países do hemisfério norte ainda é verão e as pessoas estão aproveitando as praias. Aqui no Brasil, essa ideia ainda não é tão conhecida, mas será que com a chegada dos dias quentes a moda pega por aqui?

Delas – IG

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rflamas disse:

    Bom de mais. Come as frutas e …

  2. Boca de Feno disse:

    Vou faser uma photo açim

TERRÍVEL(E TEVE OUTRAS MONSTRUOSAS):'Colocaram ratos na minha vagina': mulheres denunciam tortura na ditadura de Pinochet

2013-645181892-2013-644971743-20130911131603811afp.jpg_20130911.jpg_20130912Quatro ex-prisioneiras que dizem ter sido vítimas de estupro e abuso sexual durante o regime militar chileno deram seu testemunho nesta semana, jogando luz sobre fatos obscuros nos 27 anos de medo, vergonha e um suposto pacto de silêncio entre os militares. As autoras da denúncia relataram torturas como estupro até com animais.

As queixas, apresentadas em maio, foram possíveis graças a um acordo internacional assinado pelo Chile que impede que delitos elevados à categoria de crimes contra a humanidade sejam prescritos.

As autoras da denúncia — Nieves Ayress, Carmen Holzapfel, Soledad Castillo e Nora Brito Cortez — alegam que a tortura sexual tem um componente de gênero e dizem ter sofrido mais maus-tratos por serem mulheres. Elas contam terem sido chamadas de cadelas, prostitutas, além de violentadas diversas vezes por homens que as introduziam objetos e animais na vagina e no ânus.

— Colocaram ratos na minha vagina, cachorros me estupraram — relatou a educadora e ativista comunitária Nieves, que foi presa junto com seu pai e irmão em 1974 por ser militante socialista.

A mulher contou ainda que seus captores a amarravam nua com seu pai e irmão, que na época tinha 15 anos, e diziam que o pai a violentaria.

— Os militares faziam uma fila e me forçavam a fazer sexo oral com todos e ejaculavam no meu corpo e me banhavam de esperma — disse. — Cortaram a minha barriga com uma faca e também faziam cortes com lâminas de barbear nos meus seios e colocavam cabos elétricos e álcool.

Após declarar na segunda-feira perante o juiz, Nieves, hoje com 66 anos e residente de Nova York, foi submetida a uma avaliação psiquiátrica e psicológica e passou por exame físico para checar se havia marcas da violência. Ela foi libertada em 1976 e forçada ao exílio.

MULHERES EXIGEM REFORMA DO CÓDIGO PENAL

As autoras da denúncia também exigem uma reforma do Código Penal chileno, datado de 1874. De acordo com a legislação atual, a tortura e outras violações aos diretos humanos podem ser julgados como crimes que incluem penas menores.

A ação incluía originalmente vários homens que foram alegadamente violados mas, em seguida, desistiram de seguir adiante com o caso.

— Os homens acham ainda mais difícil de reconhecerem a condição de violentados durante o processo de tortura — disse Cristian Castillo, chefe do Campo pela Paz Villa Grimaldi, uma organização de defesa dos direitos humanos.

Castillo disse que “não há duvida de que novos casos de torturadores e estupradores podem aparecer com os depoimentos de colegas que especificamente denunciam este crime contra a humanidade como é a violência sexual”.

A ditadura do general Pinochet (1973-1990) deixou um saldo oficial de 40.018 vítimas, incluindo presos políticos, torturados e 3.095 mortos. Cerca de 70 soldados e vários civis cumprem penas de prisão em centros especiais.

As mulheres dizem que, caso os autores não sejam identificados, o Estado chileno é responsável pelo crime porque os agentes repressivos eram funcionários públicos.

Nieves disse que não viu os torturadores, somente o coronel Manuel Contreras, considerado o líder mais cruel da polícia secreta do regime militar e quem ordenava a tortura.

— As outras meninas que foram presas comigo viram os torturadores — garantiu.

As queixas não são fáceis de comprovar porque a maioria das provas foi eliminada com o tempo.

O Globo

FOTOS(Imagens): Circuito interno de vigilância flagra duas mulheres saindo de casa de empresário assassinado em Macaíba

videoDivulgação G1-RN

O G1-RN teve acesso exclusivo de imagens gravadas pelo circuito interno de vigilância de um vizinho que mostram o momento em que duas garotas deixam a casa onde o corpo do empresário Eumar de Freire de Farias, de 56 anos, foi encontrado com golpes de punhal. O crime foi cometido nessa terça-feira (25), em Macaíba. Ao portal, o delegado Normando Feitosa confirmou a autenticidade do vídeo e revelou que as duas pessoas que aparecem na gravação já foram identificadas e estão sendo procuradas pela polícia. Mais informações em http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2014/03/camera-filma-garotas-saindo-da-casa-de-empresario-morto-no-rn-veja-fotos.html

Veja mais: Peritos da Força Nacional colhem digitais em carro de empresário assassinado em Macaíba; Polícia suspeita latrocínio

Mulheres se sentem mais atraídas por homens com rostos grandes, diz pesquisa

ÍndiceAs mulheres se sentem mais atraídas por homens com rostos grandes, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Administração de Cingapura. Mas não tendem a vê-los como parceiros de longo prazo. Os dados são do jornal Daily Mail.

O levantamento analisou mais de 150 homens e mulheres solteiros, entre 18 e 32 anos, durante um evento de encontro rápido, com interações que duravam três minutos. Os rapazes classificados como mais dominantes pelas pretendentes tinham rostos mais amplos e elas revelaram interesse em um segundo encontro e relação de curto prazo com eles.

A possível explicação para o interesse em envolvimento curto é que homens com rostos mais largos são percebidos como mais dominantes e também agressivos. Inicialmente, podem ser características desejáveis, mas se tornariam menos atraentes com o passar do tempo.

Terra

Confira os cinco erros mais comuns das mulheres na academia

Não consegue perder peso mesmo após passar horas na academia regularmente? De acordo com Andrea Metcalf, especialista em estilo de vida saudável e colunista do jornal Huffington Post, pode ser que você esteja se exercitando da forma errada. Veja abaixo os cinco erros que podem estar te impedindo de entrar em forma.

Não malhar pesado

Embora muitas mulheres entendam os benefícios do treinamento de força, algumas ainda evitam os halteres. O treinamento com peso, especialmente para mulheres com mais de 40 anos, pode ajudar a transformar o corpo e aumentar a massa muscular magra. Andrea aconselha a aumentar a carga ou a repetição até sentir o cansaço muscular.

Se apoiar

Há corrimãos em todos os equipamentos aeróbicos na academia, incluindo as esteiras. No entanto, se segurar enquanto faz cardio impede que os músculos de estabilização atuem. Isso significa que você está gastando menos calorias em seu treino. De acordo com Andrea, o ideal é não se apoiar e manter o abdômen contraído. “Mas lembre-se, é melhor se segurar e ir soltando a barra gradualmente do que cair”, alerta a especialista.

Ignorar o espelho

“Algumas vezes não gostamos do que vemos no espelho e, portanto, o evitamos a todo custo”, diz Andrea. Mas se olhar durante o exercício é uma ótima maneira de corrigir a postura e entender o funcionamento do corpo. “Os homens fazem isso o tempo todo. Eles se concentram em assistir seus movimentos. Pare de pensar que eles estão te observando, e observe você a sua forma de se exercitar”, aconselha.

Consumir poucas proteínas

Homens têm o costume de tomar suplementos com proteína após o treino. “Mas mulheres não percebem o impacto do consumo de proteína, que ajuda a repor e reconstruir os músculos. Isso ajuda o metabolismo a queimar mais calorias e remodelar os músculos”, explica Andrea. Segundo a especialista, é preciso consumir pelo menos 15 gramas de proteína após o treino.

Perder o foco

É comum ver mulheres lendo ou assistindo TV enquanto estão fazendo exercícios aeróbicos. “A multitarefa não é errada, mas quando você lê ou assiste TV em uma esteira você queima consideravelmente menos calorias, devido à falta de padrões de movimento focados”, diz Andrea. Segundo ela, prestar atenção no padrão do exercício e aumentar o ritmo em pequenos intervalos aumenta a capacidade aeróbica e queima mais calorias do que na atividade com ritmo constante.

O Globo

Irã proíbe homens e mulheres que não se conhecem de conversarem por chat

2013-665610640-Mideast-Iran_20131121O Irã proibiu homens e mulheres que não se conhecem de conversar por chat. Em sua página oficial, o líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, afirmou considerar a prática imoral.

“Devido à imoralidade que habitualmente se aplica nesses casos, não está permitida”, argumentou.

Pouco depois, usuários de aplicativos como Instagram e Viber sofreram problemas de conexão durante horas na segunda-feira. Mais tarde, no entanto, o veto teria sido levantado e as redes voltado a funcionar, segundo a agência Efe.

A decisão veio dias depois que as autoridades iranianas bloquearam o WeChat, um aplicativo de mensagens que permite a usuários de smartphones a acessar as redes sociais.

No início deste mês, Abdolsamad Jorramabadi, secretário de uma comissão que analisa conteúdo criminoso na web, declarou que a censura a aplicativos como WeChat, Viber e WhatsApp será estendida até que o Irã desenvolva as suas próprias ferramentas. Segundo ele, aplicativos como esses são perigosos devido à troca de conteúdos criminosos.

As autoridades em Teerã bloquearam o acesso a muitos sites e redes sociais, incluindo Facebook e Twitter, usados por ativistas para organizar protestos após a controversa eleição presidencial de 2009.

Ionicamente, muitos funcionários iranianos, incluindo o presidente Hassan Rouhani, têm contas no Facebook e no Twitter ativos.

Rouhani, que tem 163 mil seguidores no Twitter, havia prometido flexibilizar o policiamento do Estado na vida privada das pessoas.

O Globo

Mulheres acham sem graça anúncios de conotação sexual – a menos que estejam associados a produtos caros

O imaginário sexual explorado com frequência em anúncios de TV e revistas, geralmente para estimular a compra de novos produtos, não tem chamado muito a atenção de mulheres. Segundo uma nova pesquisa, elas tendem a considerar as propagandas sem graça e desagradáveis, a menos que o preço tenha um valor elevado.

Publicada na “Psychological Science”, da Associação da Ciência Psicológica, a pesquisa revela que a reação negativa diante das imagens sexuais pode ser amenizada se o sexo é representado como algo altamente valorizado, se está pareado com produtos de preço alto, que podem transmitir exclusividade.

No experimento, homens e mulheres viram anúncios com relógios. Em alguns, o produto foi apresentado com imagens de sexo explícito, enquanto que em outros, foi mostrado com uma grande cadeia de montanhas. É importante ressaltar que em um dos anúncios o relógio custava US$ 10 e em outro, US$ 1.250.

Eles memorizaram o dígito 10 antes de olhar o anúncio, uma distração para evitar que eles pensassem muito sobre a propaganda. Então, depois de falar o código, os participantes falavam de suas reações emocionais diante do anúncio.

De maneira geral, as mulheres que viam a imagem sexual com um relógio barato avaliavam o anúncio mais negativamente. Homens, por outro lado, tiveram reações semelhantes aos anúncios de sexo, independentemente do preço anunciado do relógio.

Os pesquisadores observam que o preço só fez diferença para as mulheres em relação aos anúncios que incluíam imagens sexuais, e não quando exibidas imagens da cadeia de montanhas.

– Só uma exposição rápida do anúncio foi o suficiente para trazermos à tona teorias da economia sexual. Isto sugere que o processo ocorre num nível profundo e intuitivo – comentou Kathleen Vohs, pesquisadora da Escola Superior de Gestão Carlson da Universidade de Minnesota.

O Globo