Copa do Mundo: funcionários podem ou não ter folga nos jogos? Entenda!

Álbuns de figurinhas completos, jogadores convocados e contagem regressiva: 28 dias para a Copa do Mundo da Rússia! O evento é realizado a cada quatro anos e mesmo aqueles que não acompanham e não torcem para nenhum time de futebol, entram no clima ‘Verde e Amarelo’ para participar da festa. Afinal, é o Brasil!

No entanto, além da apreensão de um novo 7×1, muitos brasileiros estão preocupados também em como acompanhar o mundial, já que alguns jogos acontecem durante a semana e em horário comercial. A má notícia para quem estava na expectativa de conseguir uma folga, é que as empresas não têm obrigação de liberar os funcionários.

O advogado trabalhista, Leandro Fraga, esclarece que, apesar da sensação de feriado, os jogos não traduzem modificações no dia-a-dia do trabalho. Por isso, não é obrigatório dar folga ou liberar os funcionários, a não ser que o empregador faça um acordo e queira liberar.

“A Copa do Mundo faz parte da cultura dos brasileiros, então temos uma tendência a acreditar que é feriado, mas não é. Os jogos não traduzem nenhum tipo de modificação do dia-a-dia do trabalho, então o empregador não tem nenhuma obrigação de liberar seus funcionários. O fato de sair mais cedo ou entrar mais tarde vai de cada empregador e é uma questão simplesmente de acordo entre as partes”, afirma.

Para o funcionário que conseguir sair da empresa apenas para acompanhar os jogos na condição de voltar depois, o advogado faz um alerta: não consumir bebidas alcoólicas. Segundo ele, ir para o local de trabalho sob efeito de álcool pode ser motivo até mesmo para demissão por justa causa.

“O principal cuidado do empregado é com relação à bebida, principalmente se tiver que voltar para o trabalho depois. Às vezes toma uma cerveja na empolgação, mas se tem que voltar depois, não pode beber. Isso, inclusive, seria motivo para uma justa causa. Caso ele seja liberado e não retorne depois do jogo, como combinado, poderá ter o dia de trabalho descontado”, conclui Fraga.

Folha Vitória

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Foda-se a copa

    • JCabral disse:

      Ganhando ou perdendo??? Qual a diferença??? Vou continuar sendo brasileiro, morando num pais que a cada dia sai do 3º Mundo para baixo, tendo que viver com salário mínimo e os nossos defensores das cores verde e amarelo, ficando mais ricos.

    • Paulo Roberto disse:

      Isto!!!

WhatsApp aumenta tempo para apagar mensagem enviada errado; entenda

Foto: CanalTech

Quem já mandou mensagens e se arrependeu terá um tempinho extra para voltar atrás no WhatsApp com a função apagar mensagens para todos.

Isso porque, segundo informações divulgadas pelo WABetaInfo, o aplicativo de mensagens ajustou o tempo máximo que os usuários têm para excluir mensagens de forma definitiva para que ninguém possa ler ou visualizá-las.

No caso de mensagens que foram enviadas em uma sessão de conversa, não há alterações, pois o aplicativo continua a oferecer a função de deletar publicações no período máximo de 1 hora, 8 minutos e 16 segundos.

No entanto, em situações em que a ordem de exclusão não eram enviadas imediatamente, o WhatsApp oferecia 1 dia (24 horas) para que o comando fosse enviado para o serviço online de mensagens. Agora, com a mudança, o tempo máximo para que isso seja feito passa a ser de 25 horas, 8 minutos e 16 segundos.

Um exemplo prático desta situação é quando uma mensagem é deletada em um momento em que o aparelho móvel está em uma área onde não há conexão com a internet. Em tais situações, o pedido de remoção fica pendente até que o aparelho volte a se conectar à web, e é exatamente este o período de tempo de 25 horas que o WhatsApp oferece para que a efetivação do comando seja realizada. Caso o prazo seja ultrapassado, a mensagem é enviada.

Ainda de acordo com o que foi divulgado pelo site, essa ampliação de tempo de deletar mensagens para todos já está em vigor para os usuários de Android e Windows Phone. Ainda não há previsão de quando o novo prazo entrará em vigor para o iOS.

Terra, com CanalTech

Novo golpe com pornô atinge até 7 milhões de pessoas; entenda

Cerca de 60 aplicativos da Google Play Store foram infectados com um novo tipo de malware, chamado AdultSwine. A descoberta foi feita pela CheckPoint, empresa especializada em segurança digital com sede em Israel. Os apps, que na maioria eram voltados para crianças, continham o código malicioso que mostrava propagandas pornográficas. Após a divulgação do problema, na última semana, o Google removeu os programas de sua loja oficial.

Além das imagens inapropriadas, o AdultSwine também usava os aplicativos para mostrar assinaturas de serviços falsos e encorajar a instalação de softwares, como antivírus, para aumentar o desempenho do celular. A companhia de segurança estima que os apps foram baixado entre três e sete milhões de vezes.

AdultSwine faz com que anúncios inapropriados apareçam em jogos para crianças na Play Store (Foto: Reprodução/CheckPoint)

O malware tinha como alvo as crianças, visto que grande parte dos aplicativos onde estava inserido eram jogos para o público infantil. O curioso é que alguns desses softwares utilizavam nomes de personagens e games famosos, como Minecraft, Bob Esponja, Angry Birds, Star Wars ou Lego.

Ao instalar o app com o código do AdultSwine, o celular passava a mostrar anúncios dentro da própria ferramenta ou no navegador. As propagandas eram divididas em três tipos: de cunho pornográfico, de alertas de vírus e com proposta de assinatura de serviços premium. Um dos anúncios exibidos dizia que o celular estava infectado por um vírus. Ao clicar no aviso, o usuário era direcionado para a página de download do app Goldness Browser. Assim, uma criança que estivesse jogando era exposta a este tipo de conteúdo.

Além disso, é curioso o fato de que o malware trabalha de forma “inteligente”, evitando suspeitas ao não mostrar as propagandas em redes sociais. O Google já retirou todos os aplicativos infectados da Play Store, mas vale ficar atento. Se você tem alguns dos apps abaixo instalado no aparelho, a recomendação é excluí-los por completo.

Aplicativos infectados pelo AdultSwine:

(mais…)

Novo tipo de internet será mais rápido e mais barato; entenda

Foto: Reprodução/Pond5)

Distribuir Internet em alta velocidade e sem a necessidade de cabos pode ser possível no futuro graças aos estudos de cientistas da Universidade de Glasgow, na Escócia. Os pesquisadores desenvolveram uma técnica que utiliza luz para transmitir dados pelo ar, fora de uma rede de fibra ótica convencional.

Até então, fótons – partículas de luz que carregam energia e informação – só serviam como meio de conexão confinados em uma rede cabeada. A novidade abre espaço para que, futuramente, a velocidade de transmissão via Wi-Fi seja equiparável ao da fibra ótica, de maneira prática e mais barata, sem a necessidade de cabeamento. Nas linhas a seguir, entenda melhor como funcionaria a tecnologia.

Como funciona

O time de especialistas testou com sucesso um método que permite “dobrar” a luz no ar para desviar de obstáculos. Mesmo sem o direcionamento provocado pela camada de vidro da fibra ótica, o sinal de Internet em forma de fótons percorreu cerca de 1,6 km em zona urbana em velocidade superior a 1 Gbps e foi capaz de manter as informações intactas.

Atualmente, redes de fibra ótica atingem velocidades de transmissão na casa dos 10 Gbps. A tecnologia em desenvolvimento promete desempenho equiparável, com custo menor e sem a necessidade da instalação de cabos.

Segundo os cientistas, a descoberta expande as possibilidades de uso da luz para transmitir sinal de Internet pelo ar. Além de não depender de fibra ótica, que responde pelo alto custo da conexão de banda larga no mundo, a nova técnica permite armazenar mais dados em cada fóton, indo além dos usuais 0 e 1 da comunicação binária.

Limitações

A tecnologia desenvolvida na Escócia permite usar luz para transmitir Internet em locais com muitos obstáculos, porém não é capaz de atravessar paredes – ao contrário do sinal do Wi-Fi comum. A tendência é que a novidade seja menos efetiva dentro de prédios e casas.

Ainda assim, os cientistas defendem ao menos duas grandes vantagens na descoberta. De acordo com os estudiosos, a tecnologia permitiria acelerar a entrega de dados em zonas rurais e obter banda larga em qualquer lugar com um investimento mínimo em cabeamento.

Vale lembrar que a técnica para uso de fótons no ar como meio de transmissão de Internet está em fase de pesquisa. Portanto, ainda não há previsão de lançamento no mercado.

 

 

Sul do Brasil pode receber jogos da Copa do Mundo de 2030; entenda

Torcida durante a partida entre Brasil e Chile, válida pela Eliminatória da Copa do Mundo da Russia 2018, no Estádio Arena Allianz Parque em São Paulo (SP) – 10/10/2017 (Ivan Pacheco/VEJA.com)

O Sul do Brasil pode voltar a fazer parte de uma Copa do Mundo. Organizadores da campanha para sediar a competição em 2030 admitiram que estudam envolver a região Sul do país no projeto. O obstáculo, por enquanto, é político, com presidentes da região resistindo à ideia de usar o território brasileiro no torneio.

A campanha para 2030 começou com Uruguai e Argentina, como forma de celebrar os 100 anos dos Mundiais da Fifa – o primeiro foi realizado em 1930 em território uruguaio. Mas diante da constatação de que faltariam estádios e o custo para promover o torneio poderia ser pesado, foi fechado um entendimento para que o Paraguai também faça parte da candidatura. O acordo foi estabelecido entre os governos dos três países.

Ainda assim, existem dúvidas sobre a capacidade dos três países do Cone Sul em receber o novo modelo de Copa do Mundo. A partir de 2026, serão 48 seleções, em um evento que vai exigir dezenas de campos de treinamentos, hotéis e, claro, um número maior de estádios.

A reportagem apurou que entre integrantes da cúpula da Conmebol existe a ideia de que o Sul do Brasil poderia ser envolvido no projeto. Entre os cenários sob debate de alguns dirigentes estão o uso de campos de treinamento e bases para seleções ou até mesmo estádio para algumas partidas da primeira fase, ajudando a reduzir a pressão sobre o número limitado de arena nos três países.

Somente em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, há duas arenas modernas em condições de receber uma Copa do Mundo. O estádio Beira-Rio, do Internacional, que aliás foi palco de partidas no Mundial de 2014, além da Arena Grêmio. Em Curitiba, no Paraná, a Arena da Baixada, do Atlético Paranaense, também se enquadra nos critérios da Fifa.

O que parte dos dirigentes defendem, porém, não é alvo de consenso político. No governo do Uruguai, a presidência é contrária à inclusão dos brasileiros na “festa”. Na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), um envolvimento é ainda considerado como prematuro. Além disso, colocar o Brasil em uma candidatura oficial poderia ser um obstáculo, já que se criaria questionamentos depois de pouco tempo de um Mundial no país.

O que a CBF espera é que seleções estrangeiras escolham o Sul do Brasil como eventuais sedes e que a região seja base para parte da organização. O temor dos sul-americanos é de que, com uma candidatura frágil, poderão perder a ocasião, principalmente se tiverem de concorrer contra a China. Pequim já indicou que quer a Copa do Mundo e, desde já, começa a participar da Fifa como patrocinadora.

Inchaço

O que os sul-americanos também reconhecem é que a nova dimensão da Copa com 48 seleções tem criado um desafio até mesmo para México, Canadá e Estados Unidos, que querem o evento em 2026.

Pelo novo plano da Fifa, as 48 seleções serão repartidas em 16 grupos de três seleções cada. Se a entidade admite que o Mundial expandido vai garantir um aumento de renda de 1 bilhão de dólares, ela também vai exigir uma nova estrutura para receber um número recorde de atletas e de torcedores. De acordo com a Fifa, pelo menos 12 sedes serão necessárias.

A proposta de proliferar sedes, porém, vai contra a ideia de entidades do esporte que, diante de críticas, vêm tentando minimizar o impacto desses megaprojetos.

Uma decisão sobre a sede de 2026 será tomada em maio de 2020, ainda que os norte-americanos queiram antecipar uma votação. Para 2030, a decisão poderia ser tomada em quatro anos, ou seja, um ano antes da realização da Copa do Mundo do Catar, em 2022.

Veja

 

‘Brinquedo do momento’ pode pegar fogo assim como os smartphones; entenda

Os spinners, brinquedos do momento encontrados em quase qualquer lugar hoje em dia, podem trazer um risco oculto, caso sejam alimentados de baterias: como qualquer dispositivo eletrônico, eles podem esquentar e acabar explodindo ou pegando fogo. Como relata o Mashable, duas pessoas nos Estados Unidos tiveram problemas com os dispositivos enquanto eles carregavam. Em um dos casos, o fogo atingiu até o tapete.

O problema é que esse tipo de brinquedo é usado por crianças de diversas idades, inclusive as muito pequenas, e, em caso de explosão, pode causar ferimentos. Por esse motivo, a Comissão de Segurança dos EUA decidiu investigar o produto e ofereceu algumas dicas para as pessoas.

“Os consumidores devem ficar próximos aos produtos enquanto eles estão carregando. Fora isso, nunca carregue um produto durante a noite, enquanto estiver dormindo. Por fim, siga sempre as instruções da fabricante e use o carregador original, projetado especificamente para seu dispositivo”, relata o órgão em comunicado.

Olhar Digital – UOL

WhatsApp protege fotos íntimas de todos os brasileiros; entenda

WhatsApp possui 120 milhões de usuários brasileiros (Foto: Carolina Ochsendorf/TechTudo)

O WhatsApp concluiu o processo de criptografar todas as mensagens, iniciado em abril de 2016. Um ano depois, o mensageiro alcançou a marca de 100% das mensagens com codificação, uma maneira que, segundo a empresa, impede que bisbilhoteiros tenham acesso ao conteúdo e o teor do que é trocado pelo aplicativo.

“Ninguém tem acesso às suas mensagens, nem mesmo o WhatsApp”, afirma o engenheiro de segurança Ehren Kret. O especialista cita dados do Instituto Datafolha, de que 94% dos brasileiros consideram a criptografia como um fator importante de segurança, enquanto 71% dos entrevistados admitem enviar dados sigilosos por meio do aplicativo.

Os responsáveis pelo mensageiro revelaram hoje (31), em São Paulo, que atualmente 120 milhões de brasileiros têm o WhatsApp instalado e o utilizam mensalmente. Mais da metade dos habitantes do país – 206 milhões, segundo índice do IBGE no ano passado – estão no programa, uma propriedade do Facebook na internet.

O processo de criptografia codifica as mensagens para que somente o autor e o destinatário saibam o que estava escrito. Ainda segundo Kret, seriam necessários “milhões de anos” e um poder computacional astronômico para quebrar a segurança de apenas uma mensagem, e por isso é praticamente impossível derrubar a segurança do mensageiro.

Questões referentes ao uso policial do WhatsApp vêm à tona porque, na próxima sexta-feira (1º de junho), o Supremo Tribunal Federal começará as discussões sobre a constitucionalidade do bloqueio do mensageiro, como já aconteceu em outras ocasiões no país.

Os representantes do mensageiro não comentam quais serão as providências do mensageiro caso o STF determine a instalação de uma back door, espécie de porta dos fundos que permita a agentes policiais ler as conversas das pessoas. “A última coisa que queremos é um novo bloqueio”, responde o encarregado jurídico Mark Khan. Ao mesmo tempo, ele lembra que o WhatsApp é uma organização americana e que “nem nos Estados Unidos nos sujeitamos à criação de uma back door”.

Apesar de não conseguir acessar o conteúdo das conversas – sejam elas individuais ou em grupos –, o WhatsApp registra informações que se mostraram úteis para investigações policiais no passado. Khan explica que é possível saber o dia e horário em que um usuário esteve online pela última vez, informação importante quando há uma suspeita de sequestro ou desaparecimento de uma criança.

Além disso, os criadores do mensageiro sabem a partir de qual dispositivo o acesso foi feito (se foi um celular Android, um iPhone ou um dispositivo com Windows, por exemplo) e a lista de contatos, que fica salva no smartphone mas é replicada também na nuvem.

No mundo, aproximadamente 1,2 bilhão de pessoas utilizam o mensageiro a cada mês.

Globo, via Techtudo

 

ALERTA: Nova função do WhatsApp pode ser perigosa; entenda

Por interino

A atualização mais recente do WhatsApp trouxe um novo recurso: o status. Parecido com o Instagram Stories e com o Snapchat, as fotos e vídeos ficam disponíveis por até 24 horas no mensageiro. No entanto, é preciso tomar cuidados para não ser alvo de ataques ou roubos, já que o status do WhatsApp, por padrão, é público. Ou seja, qualquer pessoa da sua lista de contatos tem acesso. Para fazer a mudança, é preciso ir na privacidade do app e escolher quem pode ou não ver o conteúdo que você posta.

Embora o WhatsApp tenha criptografia e recursos de segurança, como a verificação em duas etapas, também pode estar vulnerável a ataques de ransomware. Confira, na lista abaixo, cuidados que é preciso ter para não cair em nenhum golpe ou ataque.

1) Status Público

Colocar um vídeo no status do WhatsApp significa que todas as pessoas que estão salvas na sua agenda irão vê-lo. É preciso tomar muito cuidado, principalmente se você usa o mesmo aparelho na sua vida pessoal e profissional. Na sua lista de contatos, podem existir pessoas em quem você não tem tanta confiança para expor informações mais íntimas ou privadas, por isso, vale ficar sempre atento ao conteúdo que coloca no status.

Para te ajudar a manter o cuidado, há como mudar a sua privacidade e escolher quais pessoas podem ter acesso aos seus vídeos. Lembre-se que, por padrão, o status está público.

2) Conteúdo compartilhado

Com atividades parecidas com o Instagram e Snapchat, o WhatsApp parece estar se tornando uma rede social. Isso, no entanto, pode ser um perigo para quem não toma os cuidados necessários. Os pais de crianças ou menores de idade que possuem smartphones, por exemplo, precisam ter atenção redobrada, já que eles podem ter números de estranhos salvos na agenda e, sem perceber, podem estar expondo suas informações para pedófilos, criminosos cibernéticos e sofrer ataques de bullying. Sem cuidados e atenção devida, os jovens são os mais vulneráveis a ataques.

3) Ransomware, roubos e sequestros

Se você compartilhar o status do WhatsApp com todos os seus contatos, e caso tenha o celular roubado ou perdido, os cibercriminosos podem descobrir onde vive, qual escola seus filhos frequentam ou quando está em férias. Dessa forma, é mais “fácil” planejar um roubo, sequestro ou fazer alguma chantagem.

4) Aplicativos piratas

Quando algum app está em alta, os hackers são especialistas no desenvolvimento de malware, aproveitando o desejo dos usuários de utilizarem novas redes sociais. Esse é mais um motivo, além dos citados acima, para ser cauteloso e cuidadoso quando for baixar algum aplicativo ou postar algum conteúdo.

É importante prestar atenção nos aplicativos que alegam adicionar funcionalidades ao status do WhatsApp, como, por exemplo, prometer que você ainda verá fotos depois de 24 horas. Esses aplicativos são, em grande parte, mal-intencionados e atraem as pessoas afirmando ser capazes de ignorar alguma função do app original. Usar algum app pirata pode trazer ransomware para o seu dispositivo.

5) Golpe

Assim como o Instagram Stories e o Snapchat, o WhatsApp também pode se tornar uma vitrine de publicidade, já que quanto maior o número de usuários, maior a visibilidade de uma determinada marca. A propaganda, entretanto, pode ser mais do que vender um produto, ou seja, os hackers podem aplicar golpes por meio de comerciais. Cuidado com propagandas que prometem viagens muito baratas e as que pedem para fazer algum tipo de cadastro para participar de promoção ou sorteio – provavelmente, isso é um golpe.

Dica

Uma dica para ter maior privacidade e segurança é fazer uma limpa na sua agenda de contatos. É recomendável apagar os números de pessoas com as quais você não fala há muito tempo e que já podem, inclusive, ter mudado de telefone, bem como o número de estabelecimentos que, às vezes, salvamos na agenda para consultar depois. Assim, somente amigos e familiares que estão na sua agenda terão acesso aos seus status. Caso tenha alguma dúvida, confira os tutoriais para celulares Android, iPhone (iOS) e Windows Phone.

Além disso, assim como em qualquer rede social, é preciso ter cuidado para não expor muitos detalhes de sua vida para outros usuários. É importante ficar atento e saber quais pessoas tem acesso a você. Para ter mais segurança, uma dica é mudar as suas redes sociais para contas privadas, o que torna possível ter o controle de quem vê o que você posta.

Globo via Techtudo

VÍDEO de 2013 mostra Malafaia falando dos R$ 100 mil; tire suas conclusões

Por interino

Alvo de um mandado de condução coercitiva, o pastor Silas Malafaia publicou em rede social um vídeo de mais de três anos atrás e escreveu o seguinte:

“Mais uma prova [de inocência]. Veja a minha fala no dia 7 de julho 2013 diante de 20 mil pessoas sobre a oferta que recebi. Isso não é corrupção!”

Assista. Contextualizo em seguida.

A suspeita a ser esclarecida pela Polícia Federal é se Malafaia teria “emprestado” contas correntes de uma instituição religiosa sob sua influência com a intenção de ocultar a origem ilícita dos valores.

Malafaia hoje nega que tivesse conhecimento de que os valores eram frutos de um esquema desvendado pela PF em que um Diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral detentor de informações privilegiadas a respeito de dívidas de royalties oferecia os serviços de dois escritórios de advocacia e uma empresa de consultoria a municípios com créditos de CFEM junto a empresas de exploração mineral (65% da chamada Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais – CFEM – tem como destino os municípios).

No vídeo acima, da época em que recebeu o cheque de R$ 100 mil, Malafaia se refere à “oferta” feita por um advogado de Santa Catarina que tinha acabado de vencer uma causa.

Segundo o relato, um outro pastor foi quem comunicou a Malafaia que o advogado queria lhe fazer a oferta porque, dois anos antes, Malafaia, embora tenha dito que não se lembrava muito bem, havia rezado pela vitória do advogado, a pedido do mesmo pastor.

A causa, da qual Malafaia não demonstra no vídeo saber qualquer detalhe, pode ter sido justamente uma das cobranças judiciais de roylaties nas quais consistia o esquema de corrupção.

O advogado, ainda segundo o relato, pegou um avião numa terça-feira, foi ao escritório de Malafaia e lhe deu o cheque de R$ 100 mil.

O vídeo talvez não chegue a provar a inocência de Malafaia, mas obviamente quem tem de provar sua culpa é a PF.

De todo modo, para acreditar que ele sabia de tudo, parece ser necessário, também, acreditar que, por onipotência ou descuido, ele não viu problema algum em falar para milhares de pessoas da “oferta” durante um culto filmado; ou que, fingindo não saber o que sabia, nem conhecer quem conhecia, falou justamente para ter um álibi razoável se e quando o esquema fosse descoberto.

Enquanto a investigação não avança, o leitor acredite no que quiser.

Felipe Moura Brasil – Veja

http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/video-de-2013-mostra-malafaia-falando-dos-r-100-mil-entenda/

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ramos CS disse:

    Li alguns comentários preconceituosos aqui, como sempre era o que se esperava, principalmente quando se trata de um de um crente, no caso esse crente é o pastor Silas Malafaia, que ao longo da sua trajetória de vida tem sofrido calunias e a imprensa adora pegar estas calunias e fazer o maior estardalhaço, não é o caso deste blog "blog do BG", até que soube dar a notícia sem discriminação, apesar de ter escrito "o leitor tire as suas conclusões" , mais vamos lá, não era muito de se esperar que a imprensa fosse boazinha com o Pr.Silas Malafaia, até porque ele é um cara que mexe com muita gente quando defende as suas convicções religiosas e científicas, então acusadores quando lerem alguma notícia sobre pastor ou qualquer outra pessoa publica deem o benefício da dúvida, isto é legal, o que não é legal é sair por aí acusando e rotulando de ladrão, isto é ilegal é crime, cuidado com o que dizem e falam de uma pessoa que vcs só conhecem de ouvir falar, cuidado, por que vcs depois terão que arcar com as conseqüências do que falaram da tal pessoa mencionada.

  2. Faro Fino disse:

    Mais um SANTO DO PAU OCO que apoiou Cunha e Aécio.

  3. disse:

    Falta pegar o casal da Igreja Plenitude, o Negão da Mundial e a cereja do bolo Edir Macedo.

  4. Carla disse:

    O povinho pra gostar de dinheiro é político e pastor. O pior é que no final de tudo nen leva para a tal vida eterna.

  5. Botelho Pinto disse:

    O Mala feia é um santo. Já tem um defensor muito competente como Alexandre Frota. Agora vai…pro brejo de vez.

  6. Blue disse:

    Pode isso Arnaldo?

  7. José disse:

    Acho que o pastor tem todo direito de se defender. Agora, se a pf provar algo errado que puna. A lei é para todos. Infelizmente todos já fazem comentários condenando antes da decisão da justiça.

  8. Carlos disse:

    "Tá algemado, em nome de Jesus!"

  9. Sultão do Seridó disse:

    A meu ver foi exagero as conduções coercitivas de Lula e Malafaia… A injustiça que bate a nossa porta sempre é mais dolorida…É aquela velha história de um dia levaram meu vizinho, e como não tinha nada a ver acabei não me importando, de tanto não me importar poderão evar aquele que não se importa… Muito poder exige muita moderação e responsabilidade….

  10. Jadson disse:

    Haaaa ladrão!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

WhatsApp para de funcionar em smarts antigos; entenda

whatsapp-androidWhatsApp estendeu suporte para alguns modelos de celular (Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo)

O WhatsApp anunciou em seu blog oficial que pretende estender o suporte para alguns celulares das marcas BlackBerry e Nokia. De fato, a confirmação veio por meio de um update na postagem publicada em fevereiro deste ano, quando a fabricante anunciou este suporte pela primeira vez.

O apoio será estendido até 30 de junho de 2017 apenas para os smartphones com os sistemas BlackBerry OS, BlackBerry 10, Nokia S40 e Nokia Symbian S60. Desta forma, ficam de fora os aparelhos com Android 2.1 e 2.2, Windows Phone 7 e a dupla iPhone 3GS/iOS 6, que terão o suporte encerrado ao final de 2016, como planejado anteriormente.

Na prática, os usuários destes sistemas terão o acesso bloqueado no final de dezembro de 2016. Este é um aviso do mensageiro para que as pessoas atualizem os seus respectivos celulares, caso queiram continuar usando o app no próximo ano.

“Caso você utilize um destes aparelhos, nós recomendamos que troque por um aparelho Android, Apple ou Windows Phone mais atual antes do fim de 2016 para que possa continuar usando o WhatsApp”, diz o texto oficial. A justificativa do mensageiro para o fim do suporte é que os sistemas mais antigos já não possuem a capacidade necessária para os recursos futuros do WhatsApp.

Globo, via Tecnoblog

WhatsApp pode ficar liberado para alguns usuários; entenda

whatsapp-1462324267572_615x300Alguns usuários do país podem continuar conseguindo se conectar ao WhatsApp após o bloqueio do app que será feito nesta terça-feira (19). O que acontece é que algumas pessoas acessam o aplicativo por Wi-Fi empresarial, que podem usar endereços estrangeiros para acessar a rede; já outras não são clientes das operadoras que receberam a ordem para bloquear o acesso ao WhatsApp. Cerca de 2 milhões de pessoas enquadram-se neste caso.

Usuários de operadoras como Algar, com cerca de 1,7 milhões de usuários de banda larga fixa e linhas de celular em São Paulo, Minas Gerais e no Centro-Oeste do país; Sercomtel, com 226 mil usuários em Santa Catarina e Paraná; e Porto Seguro Conecta, que tem 80 mil celulares em DDD 11, 12, 13, 19 e 21, podem continuar com acesso normal ao app, como aconteceu em maio deste ano, quando o Whatsapp ficou fora do ar por 25 horas.

Em maio, as grandes empresas de telefonia móvel e fixa do Brasil receberam a ordem para bloquear o aplicativo. Vivo e Net bloquearam em toda a rede de banda larga fixa, o que impediu o acesso por Wi-Fi. Vivo, Claro, Oi, Tim e Nextel também bloquearam o app. Essas empresas respondem por 256,2 milhões de linhas de celulares.

Nesta terça-feira, tanto a assessoria do WhatsApp quanto operadoras como Vivo, Claro e Oi dizem que ainda não receberam nenhum pedido de corte de acesso ao WhatsApp.

Vale lembrar que usuários de fora do Brasil têm acesso normal ao WhatsApp, que só foi bloqueado por operadoras nacionais.

Olhar Digital, UOL

Ministério da Cultura pode criar “Netflix Brasileiro”; entenda

ondemandNos próximos dias, o Ministério da Cultura pode discutir um projeto que já está em pauta internamente: o lançamento de um serviço on demand para exibição de filmes brasileiros.

Segundo a revista Veja, o projeto está sendo chamado de “Netflix Brasileiro”, e pode lançar em cardápio on demand e de graça vários títulos do cinema nacional. Ainda será definido se esta iniciativa será feita em parceria pública-privada ou se o Ministério geraria a plataforma sozinha.

O fato é que o serviço só teria filmes nacionais e não seria cobrada qualquer taxa para o acesso. Se aprovado, a nova plataforma deverá ser lançada no ano de 2016, com uma grande divulgação por parte do Governo Federal.

Em tempo

As operadoras de TV por assinatura querem que o Ministério de Cultura regulamente a Netflix. Executivos da Oi e da Vivo, no recente congresso da Associação Brasileira de TV por Assinatura, defenderam que o serviço pague impostos e tenha regras como as operadoras também possuem.

O Ministério da Cultura não comentou o fato. Já a Netflix respondeu as operadoras, dizendo que está com os seus impostos em dia no Brasil.

UOL

Perdeu seu smartphone Android? É só procurar no Google; entenda

Busca-no-Google-1260x710Você já conhece o Gerenciador de Dispositivos, que permite localizar seu smartphone Android, bloqueá-lo e até apagar seus dados remotamente. É um recurso embutido no Android 2.2 e superior, e o Google criou uma forma bem esperta de acessá-lo.

Digite “find my phone” no Google, e você verá quase imediatamente um mapa com a localização do celular, junto à opção de fazê-lo tocar no volume máximo.

Há alguns requisitos: você precisa estar logado no navegador com a mesma conta Google do seu smartphone, e você precisa usar o Google em inglês. O recurso funciona fora dos EUA, no entanto: basta ir em google.com/search?hl=en&q=find+my+phone para testar.]

Find-my-Phone-no-Google-970x546Ou seja, pode ser questão de tempo até que o Google entenda buscas em português como “cadê meu celular” ou “cadê meu Galaxy”. E quem sabe o Bing possa fazer o mesmo para Windows Phones, que têm o recurso Localizar Meu Telefone há anos.

Em meu teste, o Gerenciador de Dispositivos não conseguiu encontrar o celular (estou tendo problemas com isso!), mas ele fez o aparelho tocar bem alto, mesmo sem um chip – ele só estava conectado ao Wi-Fi.

Find-my-Phone-no-Google-2E ao clicar no mapinha, você é levado para android.com/devicemanager, onde você pode bloquear o dispositivo: é possível mudar a senha remotamente, colocar uma mensagem na tela de bloqueio, e até exibir um botão Ligar – a outra pessoa pode tocá-lo para discar um número e entrar em contato com você.

Para usar tudo isso, abra o app Config. Google no seu smartphone, toque em “Segurança” e ative as opções “Localizar remotamente o dispositivo” e “Permitir bloqueio e limpeza remotos”.

Ativar-gerenciador-de-dispositivos-no-Android-970x497No mês passado, o Android Wear também ganhou suporte ao Gerenciador de dispositivos, permitindo usar um relógio inteligente para encontrar seu smartphone – basta dizer “OK Google, iniciar Encontrar smartphone”.

Para tudo isso funcionar, seu smartphone precisa estar ligado e conectado via rede móvel ou Wi-Fi; senão, os comandos só serão enviados quando ele estiver online novamente. [Google+ via El Androide Libre].

UOL, via Gizmodo

Entenda o ENEM

ENTENDA O ENEM!

A população, os estudantes e, até mesmo, muitas escolas tradicionais ainda não entenderam e nem muito menos se adaptaram ao estilo ENEM, por isso ainda nos deparamos com tantas dúvidas em relação ao processo.

O ENEM segue modernos processos avaliativos da Europa, depois usados também pelos EUA, e agora no Brasil. Posso afirmar que esse método é muito bem intencionado. Todavia, o nosso governo cometeu, na minha singela opinião, vários equívocos no nosso ENEM, como:

1) 45 questões na prova de Matemática (25% da prova);

2) 40 questões de Português, quando as demais matérias possuem entre 5 a 15 questões, no máximo (Física, Química, Biologia, História, Geografia, Inglês/Espanhol, Sociologia, Filosofia, Artes e Educação Física);

3) Não ter provas discursivas (apenas a redação);

4) Número exagerado de questões (180), para apenas 2 dias do exame;

5) Excesso de conteúdo em todas as matérias, para pouquíssimas questões cobradas nas provas;

6) Nível bem abaixo do cobrado pelos antigos vestibulares das Federais.

Listei aqui as principais discórdias, pois há muitas outras. Assim, considero que os maiores erros são técnicos.

Por que priorizar matemática para um aluno que deseja uma área de humanas ou biomédica? Por que apenas duas matérias representam 50% do exame, em detrimento de outras 10 matérias? Por que mudar de 60 questões por dia (com 4 alternativas) para 90 (com 5 alternativas) e no mesmo período de tempo? É um processo avaliativo de vários conhecimentos ou uma prova contra o tempo?

Desejo expressar ainda que concordo que Matemática e Português sejam duas matérias essenciais na vida escolar. Todavia, considero um exagero no número de questões (50% da prova).

É, amigos, são questionamentos que nós, que vivenciamos a educação, não conseguimos entender.

Em contrapartida, o ENEM possui algo fantástico e avançado, que poucos até do ramo conhecem e entendem, que é a utilização da TRI (Teoria de Resposta ao Item) no seu processo de correção. A TRI oferece argumento (nota) a cada questão do ENEM, diferente da UFRN que tinha argumento por prova. Assim, dois alunos que acertaram a mesma quantidade de questões em uma prova, desde que não sejam as mesmas questões, jamais terão o mesmo argumento. Outro fator importante da TRI é que a prova é dividida em questões fáceis, medianas e difíceis, além disso, a TRI não dará um argumento alto para os famosos “chutes”. Dessa forma, o aluno que acertou uma questão difícil e errou uma fácil terá um argumento bem mais baixo do que o outro que acertou a fácil e errou a difícil, é o método “antichute”! Assim, “chutar” as últimas questões da prova, por falta de tempo, será FATAL para o seu resultado, em virtude da existência de questões fáceis entre elas (logo, essas fáceis que o aluno errará, por falta de tempo, prejudicará o seu argumento naquelas medianas e difíceis que acertou).

Portanto, resolver as 90 questões por dia dentro do tempo é, sem dúvidas, o maior problema enfrentado pelo aluno no ENEM. Quando o aluno não está treinado para isso, é muito comum que ele não tenha tempo para responder às 45 questões de matemática, por exemplo. É aí que surge o problema da TRI, o aluno terá que “chutar” 10 a 20 questões, geralmente as últimas da prova, e assim os erros das questões fáceis chutadas baixarão em muito o seu argumento.

ENEM é isso, tem novidades e quem não se adaptar terá dificuldades.

Por fim, a minha dica principal é ter disciplina, estudar diariamente em casa (não adianta apenas assistir a aulas, tem que dominar o básico da matéria e isso é feito em casa), e fazer muitos e muitos simulados – não só de matemática durante o ano.
Usufrua do lado positivo do ENEM!

Professor Miranda Junior

Palestrante e especialista em ENEM

Prof. instrutor de Inglês instrumental

ENEM e concursos

[email protected]

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco Aldeci disse:

    Finalmente eu entendi como funciona o ENEM. Muito boa a explicação do Professor Miranda.

  2. Sonia Rego disse:

    Muito bem explicado como funciona esse método seletivo ENEM. Parabéns Prof. Miranda muito esclarecedor e oportuno seu texto.

  3. Gustavo Coutinho disse:

    Muito legal as dicas do Professor Miranda

Estadual 2014 começa dia 12 de janeiro; veja como será disputado

ÍndiceA Federação Norte-riograndense de Futebol (FNF) anunciou realizou na manhã dessa quarta-feira a apresentação prévia do Campeonato Estadual e informou que a competição começa no dia 12 de janeiro, quando será iniciada a fase de classificação, sem a presença dos representantes do Estado na Copa do Nordeste, América e Potiguar de Mossoró.

Na ocasião, a fase inicial vai se estendida até o dia 5 de fevereiro, quando será conhecido o campeão, o primeiro clube classificado para Copa do Brasil de 2015 e também o clube rebaixado para segunda divisão, uma vez que a competição será dividida em dois grupos: capital e interior.  Sendo assim, enquanto os líderes de cada grupo disputarão a vaga na competição nacional, os dois últimos participarão do confronto da “morte”.

Na segunda fase, intitulada octogonal final, com as presenças de América e Potiguar de Mossoró, está prevista para ser iniciada no dia 9 de fevereiro, e funcionará da seguinte maneira:

Dividida em dois turnos, as equipes vão ser enfrentar entre si na Copa RN e Taça Cidade do Natal;

Ao final delas, quem somar o maior número de pontos será considerado campeão do turno;

Se cada um dos turnos apontar um vencedor diferente, como aconteceu em 2013, os clubes realizarão a final do Estadual em duas partidas, com os mandos de campo a e vantagem de obter dois resultados iguais sendo do representante que obtiver o melhor índice técnico na classificação geral.

Por fim, a segunda fase tem o final previsto para o dia 13 de abril.

Com informações da FNF via Tribuna do Norte