Jornalismo

Pavilhão Rogério Coutinho Madruga inaugurado há menos de um mês tem primeira rebelião

Os presos do Rio Grande do Norte promoveram mais uma “quebra-quebra” dentro das unidades prisionais do estado. Desta vez, o local do motim foi o presídio Rogério Coutinho Madruga, que tem 88 detentos. Na tarde deste domingo (6), colchões e toda a estrutura hidráulica das celas foram destruídas pelos presos.

De acordo com a vice-presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte, Vilma Batista, o motivo aparente para o motim foi a falta de regalias para os presos da unidade, que não têm acesso a equipamentos de som ou televisão e também não podem receber alimentação dos parentes. Hoje, em dia de visita, os detentos quebraram os vasos sanitários, chuveiros e as pias das celas e chegaram a tentar queimar os colhões, mas não conseguiram porque não havia isqueiros. Com isso, os detentos optaram por destruir o material.

Na opinião da sindicalista, a estrutura do novo pavilhão ainda não é adequada e a quantidade de agentes penitenciários é insuficiente. Além disso, ela acredita que a aplicação do novo regime, da forma como foi proposta, não poderia ser realizada da forma como ocorreu. “Tiraram os presos do pavilhão 4, onde eles faziam de tudo, e colocaram lá, sem estrutura médica, sem treinamento para os agentes para o novo regime”, ponderou Vilma Batista.

O grupo de intervenção formado por agentes penitenciários foi acionado não houve feridos. A situação na unidade já está controlada. A reportagem da Tribuna do Norte tentou o contato com a Coordenação do Sistema Penitenciário, mas não obteve êxito.

O pavilhão Rogério Coutinho Madruga foi inaugurado pela primeira vez em 2010, ainda na gestão do então secretário de Justiça e Cidadania Leonardo Arruda. Contudo, a unidade, que fica localizada na lateral do pavilhão 4 de Alcaçuz, foi interditada menos de um mês após a inauguração devido a falta de estrutura. Há menos de um mês o pavilhão voltou a receber os detentos.

Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Justiça de SP autoriza penhora de 25% do dízimo da igreja do pastor Valdemiro Santiago para pagar dívidas de aluguéis atrasados

Foto: divulgação/Igreja Mundial

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou recurso e manteve a decisão de primeira instância que determinou a penhora de 25% do faturamento do dízimo da Igreja Mundial do Poder de Deus, do pastor Valdemiro Santiago, para cobrir despesas de aluguéis atrasados de um templo na Zona Norte da capital paulista.

Para dar cumprimento da penhora de R$ 117 mil, a juíza Ana Claudia Dabus Guimarães e Souza, da 2ª Vara Cível da cidade, nomeou um administrador judicial para ficar responsável pela arrecadação dos recursos.

Na sentença, a juíza autorizou que a penhora aconteça, inclusive, durante os cultos, em valores em espécie, na boca do caixa ou através de arrecadação bancária ou eletrônica da Igreja Mundial.

“Nem se alegue que a receita oriunda do dízimo não poderia ser objeto de penhora, uma vez que ainda que não se tenha finalidade lucrativa, certo é que não se pode desprezar tais valores, geralmente significativos, em detrimento dos credores que há anos aguardam a satisfação de seu crédito”, declarou a magistrada.

Em abril de 2020, a Igreja Mundial havia argumentado no processo que a pandemia do coronavírus fechou os templos da entidade, que sofreu uma queda brusca de arrecadação dos dízimos.

O g1 procurou a defesa do pastor Valdemiro Santiago e da Igreja Mundial, mas não recebeu retorno até a última atualização desta reportagem.

Outras dívidas de aluguel da Igreja

Esta não é a primeira sentença desfavorável ao fundador da Igreja Mundial por causa de aluguéis atrasados de templos. Em junho de 2021, a Justiça paulista já tinha autorizado a quebra do sigilo bancário do apóstolo Valdemiro, que é réu em um processo por falta de pagamento de aluguel na cidade de Carapicuíba, na Grande São Paulo.

O proprietário cobrava cerca de R$ 241 mil em aluguéis não pagos pela igreja de Valdemiro.

Em 10 de fevereiro de 2021, a juíza Monica Di Stasi, da 3ª Vara Cível de São Paulo,  também havia autorizado a quebra de sigilo do pastor e de Mateus Machado de Oliveira, em um outro processo que cobrava aluguéis atrasados da igreja na cidade de Guararema, no interior paulista.

Para evitar a quebra de sigilo do pastor, a Igreja Mundial do Poder de Deus depositou em juízo mais de R$ 55 mil referentes a aluguéis atrasados.

Após o pagamento dos aluguéis atrasados, a igreja pediu à juíza que o autor pudesse sacar o dinheiro e que o processo fosse extinto, já que perdeu a causa de existir, que era a cobrança do débito.

g1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Vitória do bem contra a ganância”, diz Bolsonaro após decisão de Mendonça sobre ICMS

Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou os estados do país ao comemorar a decisão do ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu, nesta sexta-feira (13/5), as políticas estaduais sobre o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide no óleo diesel. O tema abriu uma disputa entre a União e os governos estaduais.

Durante agenda em São Paulo, Bolsonaro disse que a decisão de Mendonça é “a vitória do bem contra a ganância”. A decisão de Mendonça foi proferida a pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). Nesta sexta, o governo federal pediu para que o Supremo suspendesse a decisão do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que definiu as alíquotas do ICMS sobre o diesel. No fim da tarde, Mendonça aceitou a tese.

VEJA MAIS: Mendonça derruba decisão do Confaz sobre ICMS do diesel

“Essa nova vitória de hoje, a vitória do bem contra a ganância, ajuda a todos nós. Eu espero, nos próximos dias, com as mudanças que fiz há poucos dias no MME [Ministério de Minas e Energia], que nós consigamos mexer com a Petrobras, fazer com que ela cumpra um dispositivo constitucional que fala do fim social da empresa. Não podemos ter uma empresa que tem um lucro acima de 30%”, afirmou o presidente.

“Não vai existir mais — espero que o pleno ratifique isso — cada estado ter um percentual. E também se dá previsibilidade e redução do valor dos mesmos. Então, uma boa notícia, porque o governo federal fez a sua parte”, completou.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gastronomia

Programa Papo de Fogão recebe o influencer gastronômico Luiz Sérgio e Kátia Nascimento, do Nautilus Genipabu

O Papo de Fogão dessa semana volta ao RN para trazer duas receitas surpreendentes e que, certamente entrarão no hall das suas preferidas para servir aos amigos.

O influencer gastronômico, Luiz Sérgio, de Natal/RN, do Colecionando Sabores ficará encarregado de nos ensinar o preparo do nhoque de jerimum com carne de sol na nata.

Enquanto a Kátia Nascimento, do Nautilus Genipabu, passa a dica da refrescante Geladinha, a caipirinha de cerveja!

Só não pode perder.

SÁBADO
Band Nordeste
MARANHÃO, 7h
CEARÁ, 8h
ALAGOAS, 10h

PARAÍBA
TV CORREIO/RECORD – 13h30

DOMINGO⠀
RIO GRANDE DO NORTE – TV Tropical – 10h

Ou no nosso canal do YouTube http://youtube.com/c/PapodeFogao

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Novo marqueteiro de Lula é acusado de participação em esquema de corrupção


Foto: Ag. A Tarde

Marqueteiro escolhido para conduzir a campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições deste ano, o publicitário Sidônio Palmeira é alvo de uma ação civil pública de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público do Estado da Bahia.

O objeto da ação é um contrato firmado em 2006 entre a Câmara Municipal de Salvador e um consórcio formado pela Leiaute Comunicação, agência da qual Sidônio é sócio, e pela CCA Comunicação e Propaganda. O caso foi revelado nesta sexta-feira (13) pela revista Veja e confirmado pela Folha.

A Promotoria acusa o consórcio de receber R$ 7,5 milhões da Câmara de Salvador por serviços de publicidade que não teriam sido prestados. O contrato inicial era R$ 2 milhões, mas teve o valor majorado por meio de aditamentos.

A defesa do publicitário contesta a acusação, afirma que os serviços foram prestados e que o consórcio não foi instado a comprová-los por qualquer órgão de controle ou fiscalização antes da apresentação da ação. Ainda segundo a defesa, o reajuste do valor se refere à prorrogação da vigência do contrato.

A ação civil pública foi movida pelo Ministério Público em 2018 e tramita na 5ª Vara da Fazenda Pública de Salvador, que ainda não julgou o caso. Ainda não houve análise pelo juiz da admissão ou não do processo.

A representação teve como base uma auditoria do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, que detectou supostas irregularidades na licitação vencida pelo consórcio e também no cumprimento do contrato.

A Promotoria alega que o consórcio entre CCA e Leiaute teria sido constituído depois da licitação, que aconteceu em maio de 2006. Também aponta que a publicidade da Câmara Municipal não teria sido veiculada, ou seja, o objeto do contrato não teria sido cumprido.

Também houve questionamentos de supostas irregularidades no aditamento dos contratos pela Câmara de Salvador.

A Folha entrou em contato com o Ministério Público do Estado da Bahia, mas a promotora responsável preferiu não se pronunciar sobre o caso.

Em nota, a defesa da Leiaute e de Sidônio Palmeira afirma que o consórcio existia desde maio de 2005 e promoveu alteração contratual em novembro daquele ano para abranger a possibilidade de participação em licitação da Câmara.

Sobre a suposta não veiculação da publicidade, a Leiaute informou que “nunca tinha sido intimada para apresentar qualquer documentação” sobre a prestação de serviços e que este questionamento foi feito apenas à Câmara Municipal de Salvador, que não encaminhou o material comprobatório.

A defesa afirma ter incluído no processo cerca de 800 páginas de material que comprovam a prestação de serviço, além de 17 mídias em CDs que foram apresentadas ao juiz.

“Assim, há prova que não houve qualquer enriquecimento ilícito ou desvio”, informou a defesa, que também alega que todos os aditivos têm respaldo legal e foram celebrados com a chancela da procuradoria da Câmara Municipal.

Na defesa, os advogados de Sidônio alegam que o publicitário foi acionado na condição de sócio -administrador, mas não há ato que justifique a inclusão no polo passivo. Para que fosse responsabilizado, diz a defesa, “seria necessário que se apontasse um único ato seu, se partícipe fosse, a prática de algum ato, ainda que não fosse a conduta contida no verbo, mas demonstrativa de participação intelectual, o que efetivamente não ocorre”.

Presidente da Câmara Municipal de Salvador quando os contratos foram assinados, o ex-vereador Valdenor Cardoso afirmou à Folha que os recursos foram pagos por serviços devidamente prestados.

“Era um contrato comum de publicidade, não tinha nada demais. Tudo foi dentro da legalidade. Estranho é essa história ressurgir mais de dez anos depois para atingir a campanha de Lula”, afirmou Cardoso, que atualmente ocupa o cargo de ouvidor-adjunto do governo Rui Costa (PT).

Com 34 anos de atuação no mercado, a Leiaute Comunicação é a principal prestadora de serviços de publicidade do Governo da Bahia. Ela possui a maior fatia de um consórcio com outras três empresas que detém o principal contrato de publicidade da gestão Rui Costa.

Sidônio Palmeira esteve à frente das campanhas vitoriosas de Jaques Wagner (PT) ao Governo da Bahia em 2006 e 2010 e das campanhas do governador Rui Costa em 2014 e 2018.

FolhaPress

Opinião dos leitores

  1. Essa pesquisa que foi publicada hoje, se saiu aqui ne blog não vi. Pesquisa Ipespe: Lula tem 44%; Bolsonaro, 32%; Ciro, 8%; Doria, 3%; Janones, 2%; Tebet, 1%

  2. Se é ladrão tá trabalhando pra campanha certo. A campanha do maior ladrão do Brasil! Lula.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Mulher faz festa de ‘descasamento’ após fim de noivado para evitar multas contratuais com empresas de eventos

Foto: arquivo pessoal

Depois do fim de um relacionamento de 13 anos, a servidora pública Kallynca Carvalho dos Santos se deparou com um problema: a festa de casamento que estava marcada. Com contratos assinados com empresas de eventos, ela resolveu fazer uma festa de “descasamento” para fugir das multas de rescisão.

Moradora de Curitiba, a jovem de 29 anos disse até ter tentado cancelar os serviços contratados, mas que o valor das multas a fizeram mudar de ideia. Com isso, ela resolveu fazer uma festa à fantasia, com convites à venda por R$ 200.

Ela preferiu não revelar qual seria o prejuízo total. Mas contou que, pelo contrato, teria que pagar multa de 40% sobre o valor total, além de arcar com “despesas, honorários de profissionais, taxas de administração, lucros cessantes, perdas e danos, custos e gastos já firmados” para a execução dos serviços contratados.

O noivado terminou sete meses antes da data marcada para o casamento, previsto para 21 de maio. Ao todo, 200 pessoas estavam convidadas para a festa, que seria em um salão de festas que simula um castelo, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba.

Após dois anos de restrições causadas pela pandemia, o setor de eventos vive um período de retomada e planeja voltar – ou superar – nos próximos meses os patamares de antes da crise sanitária.

O sonho de casamento

Kallynca contou que, desde pequena, sonha com o próprio casamento, com esse dia tão especial. A reserva do castelo foi uma surpresa feita a ela pela mãe e pelo avô.

“Meu avô me criou, e ele e minha mãe queriam fazer para mim um dia de princesa. Minha mãe me falou que os dois tinham dado um jeito para realizar meu sonho. Logo depois, meu avô faleceu. Então, não tive como compartilhar essa alegria com ele”, contou.

A servidora pública começou a planejar os outros detalhes da cerimônia. Mas, com o passar do tempo, algumas dúvidas sobre o relacionamento surgiram. A jovem não chegou a provar o vestido de noiva.

O quase cancelamento

Depois do término, Kallynca começou a cancelar tudo que estava marcado. A surpresa veio quando ela foi informada do valor da multa do local onde a festa seria feita.

Ao saber dos valores, a mãe da jovem sugeriu manter o evento. As duas, então, resolveram fazer uma festa à fantasia.

A festa terá o jantar, bebidas, além de uma refeição da madrugada. Cada convite custa R$ 200.

Até agora, dos 200 convites disponíveis, 50 foram vendidos. Kallynca contou que foi um desafio organizar tudo, uma vez que a produção do evento ficou em cima da hora.

“Eu também precisei definir o valor do convite. Não foi a parte do dinheiro em si, mas fiquei pensando que eu deixaria em aberto algo que meu avô deixou para mim. Não acho justo eles tentarem realizar um sonho meu e eu ter desistido”, contou.

Mesmo com todo o trabalho, ela acredita que a realização da festa se tornou um marco para a vida dela.

“A partir do momento que eu tive essa decisão, foi engraçado como mudou muita coisa na minha vida, no sentido de eu sempre fazer tudo me preocupando com o que iam achar. Quando eu fui mandando meu textinho de descasamento, foi muito engraçado como eu comecei a conhecer história de outras mulheres. Que seja um momento de reviravolta. Temos que aproveitar”, disse.

Setor de eventos

A Associação Brasileira de Promotores de Evento (Abrape) disse esperar que, nos próximos meses, os números do setor de eventos, de cultura e entretenimento retornem ao patamar anterior à pandemia.

Nos últimos dois anos, a organização calcula que 98% dos eventos do país tenham sido impactados pela pandemia.

Para que haja recuperação, projeta a Abrape, o setor precisa movimentar cerca de R$ 355 bilhões até 2023.

Segundo a associação, o setor de eventos é responsável por 4,3% do PIB nacional, movimentando mais de R$ 270 bilhões, por ano.

g1

Opinião dos leitores

    1. Tu já fostes abandonado? tu sabes o que é ser rejeitado? Deixa a mulher viver a dor dela, amargurado.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Mendonça derruba decisão do Confaz sobre ICMS do diesel

Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal André Mendonça concedeu, na noite desta sexta-feira (13), liminar que derruba a decisão do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) sobre a política de ICMS dos estados sobre o diesel. A liminar suspende a eficácia das cláusulas quarta e quinta do convênio ICMS 16/2022, do Confaz e de seu anexo II.

Assim, não se admitirá mais 27 alíquotas diferentes de ICMS, o que representa uma uniformidade e redução do valor do combustível e menor flutuação dos preços. Volta, portanto, a valer o comando da Lei Complementar 192/2022, com uma tributação equilibrada e proporcional.

Pedido

A AGU (Advocacia Geral da União), a pedido da Presidência da República, acionou o STF (Supremo Tribunal Federal) contra suspensão de convênio do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) que definiu política de ICMS dos estados sobre o diesel.

André Mendonça é o relator da ação.

A AGU alegou que o convênio do Confaz adota “um heterodoxo ‘fator de equalização’ de carga tributária para cada estado”, para “adaptar a arrecadação de ICMS dos Estados e DF ao novo modelo de tributação monofásica”.

“A presente ação direta se destina a impugnar as cláusulas quarta e quinta, bem como o respectivo Anexo II, do Convênio ICMS nº 16, de 24 de março de 2022, celebrado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária, que ‘disciplina a incidência única do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias’ e sobre ‘Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação’ [ICMS] sobre óleo diesel e define as alíquotas aplicáveis”, diz a ação direta de inconstitucionalidade que a AGU protocolou no STF.

Os secretários estaduais de Fazenda aprovaram dia 24 de março o “Convênio ICMS”, que disciplina a cobrança do imposto para o óleo diesel. A proposta cria uma alíquota com custo padrão fixo por litro e prorroga o congelamento do imposto estadual sobre gasolina, etanol e gás de cozinha por mais 90 dias. Assim, a medida segue em vigor até 30 de junho, e as novas normas passam a valer no dia seguinte: 1º de julho.

A decisão foi tomada em reunião extraordinária do Confaz. Pelo acordo, a alíquota estadual para o litro de óleo diesel S10, o mais difundido no país no momento, foi fixado em um teto de R$ 1,006, calculado com valor de referência de novembro do ano passado.

Segundo a AGU, a forte assimetria das alíquotas de ICMS “enseja problemas que vão muito além da integridade do federalismo fiscal brasileiro”.

“Onerando sobretudo o consumidor final, que acaba penalizado com o alto custo gerado por alíquotas excessivas para combustíveis – que são insumos essenciais, e, por isso, deveriam ser tratados com modicidade – e com a dificuldade no entendimento da composição do preço final desses produtos”, afirmou a AGU.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Blog pró Rogerio Marinho e Bolsonaro, tendencioso e parcial. A imprensa deveria deixar de ser torcedora de politicos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Justiça Eleitoral encerra testes e diz que ninguém conseguiu fraudar votos nas urnas eletrônicas

Foto: ABDIAS PINHEIRO/SECOM/TSE

O Tribunal Superior Eleitoral concluiu nesta sexta-feira (13) os testes públicos de segurança nas urnas eletrônicas para as eleições deste ano. De acordo com a Corte, especialistas da área de tecnologia de todo o país fizeram 29 ataques e nenhum deles conseguiu alterar votos ou afetar a totalização dos votos.

Nesta última fase, investigadores que encontraram vulnerabilidades nos testes de novembro do ano passado voltaram ao TSE para verificar se as medidas de segurança adotadas foram suficientes para resolver os problemas. Os chamados testes de confirmação começaram na quarta-feira (11).

As equipes de ataque reúnem professores universitários, hackers, especialistas em tecnologia e integrantes da Polícia Federal. Eles recebem acesso aos softwares utilizados nas urnas e aos equipamentos físicos que compõem o sistema eleitoral. Em seguida, podem elaborar planos para tentar superar camadas de segurança. No ano passado, a fase de análise e ataques durou seis dias.

Em 2021, dos 29 ataques, cinco conseguiram explorar alguma falha de segurança. Nos meses seguintes, o TSE fez alterações e implementou barreiras, que, de acordo com a Corte, foram consideradas suficientes nos testes realizados nesta semana, impedindo acesso dos hackers ao sistema de coleta e totalização dos votos.

Em uma das falhas, em 2021, especialistas da PF conseguiram invadir o sistema do TSE. Agora, na nova etapa, a tentativa fracassou e o ataque foi interrompido. Em outra, o invasor tentou sobrepor um teclado de impressora 3D na urna eletrônica. O TSE entendeu que, por essa via, não se pode prejudicar o resultado do pleito, mas avalia reduzir o tamanho da cabine de votação em eleições futuras.

O general Heber Portella, representante das Forças Armadas na comissão de segurança das eleições, visitou a sala de testes da Justiça Eleitoral e conversou com peritos da Polícia Federal. Para a corporação, todas as vulnerabilidades que estavam identificadas foram resolvidas.

O juiz-auxiliar da presidência do TSE, Sandro Nunes Vieira, afirmou que os testes foram repetidos exaustivamente. “Ao tentar ingressar na rede, os peritos da Polícia Federal foram expulsos e os kits que eles usavam foram inutilizados. O nosso controle sobre a rede foi validado neste teste de confirmação”, afirmou.

Opinião dos leitores

  1. Minha única preocupação com essa urna eletrônica, são com as teclas 1 e 3, vou apertar tão forte, que espero que estejam reforçadas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

VÍDEO: Mulher entra em farmácia durante assalto e, sem perceber, entrega receita a criminoso

Uma cliente de uma farmácia no bairro Amaralina, em Salvador (BA), interagiu com um ladrão de forma diferente durante um assalto nessa quarta-feira (11). Sem perceber o roubo em andamento, ela entregou uma receita médica para o criminoso, que estava atrás do balcão após render funcionárias do local.

Ao receber papel, o suspeito volta ao espaço em que as atendentes estão e direciona a compradora ao recinto, seguindo com a ação criminosa. Após pegar todo o dinheiro do caixa, ele põe a quantia em sacolas da própria drogaria e vai embora tranquilamente.

Além do dinheiro, cuja quantia é estimada em R$ 180, o assaltante também levou os celulares das funcionárias e remédios.

Não houve feridos durante a ação. O assalto foi registrado na 28ª Delegacia Territorial, naquele mesmo bairro.

Com informações do Diário de Nordeste e O Povo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 139 óbitos e 25 mil casos nas últimas 24h

Foram divulgados os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil nesta sexta-feira (13), de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass):

– O país registrou 139 óbitos nas últimas 24h, totalizando 664.780 mortes;

– Foram 25.609 novos casos de coronavírus registrados, no total 30.664.739;

A média móvel de óbitos nos últimos sete dias é de 98. A a média móvel de novos casos é de 17.262.

O ministério da Saúde calcula que mais de 29,7 milhões de pessoas já se recuperaram da Covid.

Opinião dos leitores

    1. Um galego no o cercadinho kkkk estou com covidkkkkkll referência aos doentes, ah cabra ruim

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Rogério Marinho viaja em nova linha de trem da Grande Natal inaugurada por ele e dá recado a adversários: “É trabalho que chama”

Foto: divulgação

O pré-candidato ao Senado e ex-ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho (PL) visitou nesta sexta-feira (13) a nova estação do VLT da Grande Natal, localizada no bairro de Cajupiranga, em Parnamirim, na Grande Natal.

Após a visita, o pré-candidato embarcou em um trem e seguiu viagem para o centro da cidade, percorrendo a nova rota da Linha Branca CBTU, que entrou em operação nesta semana, pouco mais de um mês após a inauguração da expansão do sistema.

A estação havia sido inaugurada por Rogério Marinho no dia 30 de março, no último ato público dele enquanto ministro do Desenvolvimento Regional. O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi a Parnamirim, participou da solenidade e chegou a fazer a viagem inaugural da nova rota, em fase de testes.

Adversários vinham criticando o fato de que, apesar da inauguração, a estação ainda não estava funcionando. O pré-candidato a deputado federal Fernando Mineiro e a pré-candidata a deputada estadual Divaneide Basílio, ambos do PT, chegaram a gravar um vídeo no local chamando a obra de “trem fantasma”, sugerindo que Rogério Marinho e Bolsonaro haviam inaugurado uma obra inacabada.

Nesta sexta, Rogério foi ao local para provar que a obra está pronta e funcionando. “Tem mais desenvolvimento chegando, hein… Visitei a estação de trem de Cajupiranga que saiu do papel quando estávamos à frente do MDR. E tem mais: deixamos tudo prontinho e encaminhado pra que até setembro Natal tenha a maior… Eu disse a maior… Rede férrea do Nordeste. É trabalho que chama. É desenvolvimento que chega!”, destacou o ex-ministro.

98 FM Natal

Opinião dos leitores

  1. Rogério Marinho terá meu voto e de toda minha família em reconhecimento ao que ele fez pelo RN enquanto Ministro do governo Bolsonaro.

  2. Grande Rogério Marinho, futuro Senador.
    O nosso MESSIAS Terreno, fará do Rogério Marinho um guardião do Senado Federal.
    Toda honra e glória ao nosso MESSIAS, de ontem, hoje e sempre.

    1. Irei dirigir quase 300 km dia 02 de outubro, pasmem, para dar os votos mais acertados: o MITO e MARINHO!

  3. Para derrotar Ro´gerio Marinho, voto em qualquer UM. Na véspera da eleição vejo quem está melhor colobado nas pesquisas, e dou meu voto.

    1. Só não estão bem os desempregados deixados pela política desastrada de vcs, comandada pelo marginal e depois pela anta e os analfabetos que a universidade põe nas ruas.

    2. Mulher pelo visto vc vive de vento e preguiça, passa o tempo todo nesse blog, nas poucas vezes que venho aqui, pois trabalho bastante e vivo bem, sempre encontro vc escrevendo besteira, tenha dó, ninguém aguenta mulher chata.

    3. Lembro também do rombo na petrobras feito pelo nove dedos. Esqueceu? Não acredito.

    4. Mais um bom motivo para se votar nele. O que, só para ficar num exemplo, seria do teletrabalho, vital na pandemia, sem a sua regulamentação pela reforma. O resto foi só mudança para a meia-dúzia de contatos intermitentes, e outras regulações que na prática já era praxe.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *