Por cima de pau e pedra governo Dilma quer a volta da CPMF

Nas pegadas da aprovação, na Câmara, do projeto que disciplina os investimentos em saúde pública, Ideli Salvatti informa de onde sairá a verba extra: do seu bolso.

Em entrevista às repórteres Vera Rosa e Tânia Monteiro, a ministra declara, sem titubeios, que vem aí um novo imposto.

O subfinanciamento da saúde foi estimado pelo ministro Alexandre Padilha (Saúde) em R$ 45 bilhões anuais.

A proposta enviada pela Câmara ao Senado anota coisas definitivas sem definir muito bem as coisas.

O texto carrega um sucedâneo da CPMF, apelidado de CSS. Mas os deputados cuidaram de derrubar a base de cálculo, inviabilizando a cobrança.

Num instante em que governadores e congressistas se descabelam em busca de fontes alternativas, Ideli injeta no debate um quê de fato consumado:

“É um novo imposto”, diz a coordenadora política de Dilma Rousseff, em timbre peremptório.

Supondo-se que a ministra esteja ecoando Dilma, é a primeira vez que o governo admite em público algo que só era urdido em segredo.

Na semana passada, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), tornou-se destinatário de uma carta assinada por 22 governadores.

O texto pede a definição de “novas fontes” para a saúde. Em reunião com os signatários, Maia comprometeu-se a constituir uma comissão.

Segundo Ideli, é essa comissão que irá “resgatar” a base de cálculo da nova CMPF, viabilizando a cobrança por meio de um novo projeto de lei.

O imposto da saúde, afirma Ideli, não virá neste ano. É coisa para 2012. “Você não pode trabalhar desonerando de um lado e onerando de outro”, diz a ministra.

Vivo, Garrincha perguntaria: “Já combinaram com os russos?” Como se recorda, 2012 é ano de eleições municipais.

O calendário conduz a uma segunda interrogação: o que fará Ideli para convencer os “russos” a aprovarem na beira das urnas um tributo que rejeitaram agora?

Josias de Souza

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Enrique Robledo disse:

    Todo mundo sabe que os impostos são muito altos e só uma pequena parte deles retorna como investimento para a sociedade, agora um imposto mais sem vergonha que a CPMF (Contribuição Provisória sobre o Movimento Financeiro) ou (CSS como querem chamar agora) eu nunca vi, cada vez que vc movimenta o seu dinheiro vc perde, é uma coisa totalmente ridícula para um pais que deveria promover os investimentos e as contas transparente no lugar de fomentar a movimentação financeira ser por fora das instituições bancárias, que é o que acaba acontecendo. Absurdo.

COMENTE AQUI