Reportagem conta superação de filha de diarista aprovada em medicina na UFRN

Fotos: Cleíldo Azevedo/Inter TV Cabugi

É destaque no portal G1-RN. Desde o resultado do Sistema Unificado de Seleção (Sisu), divulgado na terça-feira (28), a família de Raíssa Nascimento, de 21 anos, vive momentos de um sonho de infância da jovem. Moradora do bairro Guarapes, localidade pobre da Zona Oeste de Natal, e filha de diarista e pai de desempregado, ela foi aprovada no curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o mais concorrido da instituição.

“Eu tive muita ajuda da família, das minhas primas, dos meus professores, muito apoio. Principalmente quando se trata de uma pessoa negra, pobre e da periferia, se você não tiver ajuda de terceiros, você não vai pra frente. Foi difícil, foi. Mas a gente vai tentando e no final consegue”, disse Raíssa, que sempre estudou em escola pública.

Leia reportagem na íntegra aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fernando Antônio Ribeiro Bastos disse:

    A mediocridade de muitos com a ignorância e a famigerada radicalização política, faz com que alguns tentem apagar o BRILHO desta grande batalhadora e vencedora Raíssa. Parabéns, siga seus objetivos e que Deus ilumine seu caminho.

  2. mauricio disse:

    A classe médica pira, pois sobquerem seus filhos filhos la, ninguem quer cotas mas tb não querem melhorar a educação, então no momento só existe essa maneira de se ter uma chance

    • Dilma disse:

      Deixa de ser idiota, conheço centenas de médico que vieram de pobreza extrema, hoje fazem parte da elite. E não tem esses objetivos equivocados

  3. Ana Maria disse:

    Parabéns, sucesso você com certeza sera uma excelente profissional, desejo toda felicidade nessa nova trajetória profissional.

  4. Mily disse:

    Parabéns Raíssa! Sucesso em sua caminhada.

  5. Verdade disse:

    Chora não Bolsominiom.

    Evidente que todos não são iguais, mesmo a lei tentando garantir. "Todos são iguais perantea lei." Art.5 da CF.

    Essas são algumas possibilidades possíveis graças as conquistas das quotas, dos incentivos dos amigos, da existência mesmo precária das escolas públicas e da educação como direito.
    Parabéns linda.

    A sua força mostra que a realidade social individual e desa família pode mudar. tem determinação de superar os obstáculos.

    • Minion de Peixeira disse:

      Essa nobre moça prova justamente que não se precisa de vitimização ou quotas.

    • Dúvida disse:

      Verdade, ninguém é igual perante a lei como diz na CF, mas se as pessoas quiserem e lutarem ai sim podemos TODOS sermos iguais, basta parar de vitimização e com esta palhaçada.

      No momento que diz que negros precisam de cotas, ai sim é onde está o racismo, pois se tiver um negro e um branco, ambos pobres, qual a diferença? o negro será menos inteligente que o branco?

      Ou se um negro que sempre estudou em escola privada, que os pais tem uma renda de mais de R$30.000,00 mensais, e o loirinho do olho azul, favelado, filho de catador de latas, com notas iguais ao do negro não entrar na faculdade/concurso por motivo de cotas.

    • Verdade disse:

      Chora não BêBê.

      Rayssa só passou em medicina devido o apoio da família, da escola pública, de seus professores e dos amigos.

      Com tudo isso sem a existir a escola pública, educação enquanto direito, e a política de QUOTAS essa menina não teria passado em medicina ou outro curso.

    • Romualdo disse:

      Ela usou duas cotas, tomem tento, competir com quem estuda no ar-condicionado e é bem nutrido é de lascar.

  6. Bento disse:

    Parabéns nao existe lutas sem sacrifício.
    Agora a Vitória para coroar o esforço dela e de todos para atingir o objetivo

  7. natalsofrida disse:

    Alguém conhece algum negro que foi impedido de estudar?
    Muda Brasil! Somos todos brasileiros, negros, brancos etc, essa ideologia de separar o Brasil, não cola mais. Conheço muitos brancos, pardos e mestiços, que passaram pelos mesmos problemas, sem essa de vitimização.
    Vamos mudar a cabeça desses jovens, essa de tentar separar os de cor dos brancos não é legal
    Parabéns a nossa conterrânea.

    • Mily disse:

      Ótima colocação!

    • JBS disse:

      Existe diferença sim…..no Natal shopping ou UFRN sou negro, só na minha vizinhança é que não tem diferença, pois somos todos pobres. Racismo e preconceito ela vai passar na UFRN sim…sou do direito e senti na pele. O Brasil nunca foi igualitário ou justo. Vai ler imbecil…

  8. BOSCO disse:

    Sou pai ! Conheço de perto uma história similar! Que Deus a abençoe e a cubra de graças! Um sonho realizado !

  9. Souza disse:

    Parabéns à essa jovem. Com certeza será uma excelente profissional.
    Pessoas como essa é que merecem toda ajuda que possa ser oferecida.

COMENTE AQUI