Conselho passa a considerar plataformas digitais, entre elas Google e Facebook, como veículos de mídia

Google Foto: Justin Sullivan / Bloomberg

Uma resolução aprovada nesta terça-feira pelo Conselho Executivo das Normas Padrão (Cenp) — órgão que engloba entidades como a Associação Nacional de Jornais (ANJ) e Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e define regras comerciais para o mercado publicitário — passa a considerar plataformas digitais on-line como veículos de comunicação.

Na resolução, publicada no site da entidade, são reconhecidas como “veículos de divulgação ou comunicação (…)” as seguintes categorias: Internet-busca, Internet-social, Internet-vídeo, Internet-áudio e Internet-display, remetendo a plataformas on-line como Google, Facebook, YouTube, Instagram e afins.

O texto da resolução afirma que a nova classificação é feita “sem prejuízo do reconhecimento consagrado (…) quanto aos veículos de divulgação ou comunicação existentes”, e diz que ela se justifica devido à “identificação dos veículos surgidos em consequência do desenvolvimento tecnológico”.

Em comunicado enviado ao GLOBO, o presidente do Cenp, Caio Barsotti, diz que a instituição viu esse “indicador como mais preciso para definir o elenco mínimo de recursos técnicos de serviços de informações de mídia”.

“Com esta resolução, o Cenp poderá esclarecer, se questionado, se determinada empresa é ou não veículo de divulgação nos termos da lei 4680/65”, na qual o texto se baseia, diz Caio.

O objetivo da decisão é reforçar o modelo publicitário do país, explica o executivo. “As novas referências tornam mais transparente e flexível o relacionamento entre anunciantes e agências, promovendo o compliance às normas-padrão e leis federais”, esclarece.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Até o arcaico Cenp admite oficialmente que a "velha imprensa" (aquela cheia de vícios e afeita à carteirada, desde os tempos de Gutenberg) enfim capitulou.
    Alguma dúvida?

Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão pede apuração do assassinato de cinegrafista em Mossoró

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) solicita às autoridades do Estado do Rio Grande do Norte que investiguem as circunstâncias que levaram ao assassinato do cinegrafista José Lacerda da Silva, de 50 anos, na noite de domingo, 16.

Lacerda trabalhava há mais de 11 anos na TV Cabo Mossoró, TCN Canal 10.

Segundo a Polícia Militar, o cinegrafista foi atingido por vários disparos nas proximidades do supermercado Queiroz, no bairro Belo Horizonte, na cidade de Mossoró, interior do Estado. Ainda não há suspeitos para o crime.

Lacerda é o quarto profissional de comunicação morto neste ano. A Abert manifesta sua preocupação com a escalada da violência e espera que o crime seja esclarecido e os seus autores responsabilizados.

Brasília, 17 de fevereiro de 2013.

DANIEL PIMENTEL SLAVIERO
Presidente

A ABERT é uma organização fundada em 1962, que representa 3 mil emissoras privadas de rádio e televisão no país, e tem por missão a defesa da liberdade de expressão em todas as suas formas.