Diversos

FOTOS: Peça de metal misteriosa é achada no deserto nos EUA

Fotos: Utah Department of Public Safety

O que era uma inspeção de rotina na vida selvagem virou uma missão quase extraterrestre quando policiais do Departamento de Segurança Pública (DPS) de Utah (oeste dos EUA) encontraram um artefato misterioso no meio da zona rural do estado.

Os policiais da patrulha aérea voavam de helicóptero na última quarta-feira (18), ajudando a Divisão de Recursos da Vida Selvagem a contar carneiros selvagens no sudeste de Utah, quando avistaram algo que parecia saído do filme “2001: Uma Odisseia no Espaço”.

“Um dos biólogos avistou a peça depois que voamos diretamente sobre ela”, contou o piloto Bret Hutchings à rede KSL, afiliada da CNN. “Ele falou assim, ‘opa, opa, volta ali, volta ali!” E eu fiquei pensando o que era aquilo. E ele [o biólogo] disse que tinha algo no solo, que a gente precisava ver!”

E lá estava a peça: entre as rochas avermelhadas do deserto, um artefato de metal prateado e brilhante projetando-se do chão. O piloto Hutchings calculou que tivesse “entre 3 e 3,6 metros de altura”. Não parecia algo que havia caído aleatoriamente no chão, mas sim que havia sido plantado ali.

“A gente brincou que, se um de nós desaparecesse de repente, o resto tinha de sair correndo”, afirmou.

Ainda assim, o piloto acredita que a peça foi provavelmente colocada ali por um artista, e não por um alienígena.

“Imagino que seja algum artista new wave ou algo assim ou, você sabe, alguém que era um grande fã (de ‘2001: Um Odisseia no Espaço’)”, opinou, referindo-se a uma cena do filme de Stanley Kubrick de 1968 em que um artefato negro aparece no deserto.

Ainda assim, é ilegal instalar estruturas ou arte sem autorização em terras públicas “não importa de que planeta você seja”, disse o DPS de Utah em um comunicado divulgado segunda-feira (23)

A localização do artefato não está sendo divulgada, e ainda não está claro quem (ou o quê) o colocou lá, disse o DPS.

Desde ontem, o departamento do governo responsável pela administração fundiária está decidindo se uma investigação mais aprofundada é necessária.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Um excêntrico foi lá fincou a peça e está dando gargalhadas, enquanto isso tem otário que não conhece a rua em que mora.

  2. Os Et's são cismados com os EUA, essas coisas só acontecem por lá …tu acha? Eu acho escândalo!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEOS: Mulher desaparecida por dois anos é achada viva boiando no mar na Colômbia

Angélica Gaitán achada boiando no mar na Colômbia Fotos: Reprodução

Uma mulher desaparecida por dois anos foi achada boiando a cerca de 2,5 quilômetros de uma praia em Puerto Colombia (Colômbia) por um pescador no último sábado (26/9).

Angélica Gaitán, de 46 anos, estava com hipotermia e bastante debilitada quando foi resgatada por Rolando Visbal. A mulher havia perdido contato com a família havia dois anos.

De acordo com a imprensa local, Angélica estava no mar havia oito horas. A colombiana chegou a um hospital da cidade em estado de choque.

O paradeiro dela e o que fez nos dois anos de desaparecida estão sendo investigados pela polícia.

A rádio RCN informou que Angélica se jogou no mar para escapar dos abusos físicos e psicológicos que ela sofria do ex-marido, com quem ficou por 20 anos. O relacionamento não tinha o apoio da família dela, que vive em Bogotá, a capital do país.

“Os maus-tratos começaram na minha primeira gravidez. Ele agia violentamente comigo. A violência continuou na segunda gravidez, mas não podia sair de casa porque as meninas eram pequenas. Eu o denunciava, ele era preso, mas voltava para casa 24 horas depois, e se repetiam as agressões”, comentou Angélica à rádio.

A família veio de Bogotá para dar apoio a Angélica, que estava vivendo com as filhas em um abrigo em Barranquilla para fugir do ex.

“Eu renasci”, disse ela.

Extra – O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *