Diversos

FOTOS: Tesouros de dois navios dos séculos 14 e 18 são achados no mar

Fotos: Reprodução/ISEAS – Yusof Ishak Institute/Facebook

Descobertos em 2015 por uma equipe de mergulhadores, dois navios naufragados tiveram seus artefatos identificados por cientistas pela primeira vez após seis anos de estudo dos destroços. Os naufrágios ocorreram nos séculos 14 e 18, próximos à Ilha de Pedra Branca, no leste de Cingapura.

Segundo os pesquisadores do Conselho do Patrimônio Nacional de Cingapura e do Insituto Yusof Ishak ISEAS, que guiaram as investigações subaquáticas, o primeiro navio naufragado continha cerâmicas chinesas, como pratos verdes do tipo Longquan e tigelas de porcelana do século 14. O carregamento em questão é o maior da Dinastia Yuan (1271 – 1368) já recuperado em um navio.

Já o segundo veículo marítimo carregava não apenas cerâmicas, mas outros artefatos como instrumentos de percussão e contas de vidro. Havia ainda âncoras e nove canhões, que costumavam estar presentes em navios mercantes e eram utilizados para defesa bélica e sinalização.

Os pesquisadores acreditam que a embarcação era um navio mercante chamado Shah Munchah. Ele havia sido construído na Índia e naufragou em 1796 durante um trajeto da China ao território indiano. “Se [o veículo] tivesse sobrevivido mais 23 anos, teria certamente feito escala no porto restabelecido de Cingapura”, conta Michael Flecker, diretor da equipe de arqueologia do ISEAS, ao South China Morning Post.

Os achados revelam ainda que Cingapura era um importante centro comercial nas rotas marítimas globais que conectavam o Oceano Índico ao Mar do Sul da China — isso mesmo antes da chegada dos colonizadores britânicos em 1819.

O Império Britânico se expandiu na Ásia durante os séculos 18 e 19 por meio do comércio da Companhia das Índias Orientais. Grande parte da carga chinesa no segundo naufrágio era destinada para um eventual embarque para a Grã-Bretanha, segundo Flecker explica à agência de notícias AFP.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS E VÍDEO: Diversas caixas de cigarro são encontradas boiando no mar em Tibau e PM, Marinha e PF são acionadas

Fotos: Cedidas

Populares encontraram no início da manhã desta quinta-feira(20) várias caixas com maços de cigarro boiando no mar, na praia das Emanuelas, em Tibau, no Oeste potiguar.

A Polícia Militar foi acionada ocasião, e recolheu parte das caixas. Logo após, a Marinha e a Polícia Federal também foram acionadas.

Vídeos enviados pelos policiais mostram as carrocerias de duas caminhonetes da PM cheias de caixas. A quantidade de cigarros recolhida até agora não foi informada. A origem do material será investigada.

Vídeo abaixo:

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

EUA e China instalam porta-aviões no mar e aumentam tensões

Foto: Markus Castaneda/US Pacific Fleet

A atividade militar no Mar da China Meridional aumentou durante o fim de semana quando um porta-aviões chinês entrou na região depois de um grupo de ataque expedicionário da Marinha dos Estados Unidos encerrar seus exercícios.

Os EUA e as Filipinas estavam se preparando para exercícios conjuntos, enquanto o secretário de defesa dos EUA propunha maneiras de aprofundar a cooperação militar entre Washington e Manila depois que a China concentrou seus navios em águas disputadas.

O jornal estatal chinês Global Times disse neste domingo (11) que o primeiro porta-aviões do país, o Liaoning, navegou no Mar da China Meridional neste sábado, após completar uma semana de exercícios navais em torno de Taiwan.

Não houve anúncio oficial da posição de Liaoning, mas o tabloide chinês reproduziu imagens de satélite publicadas pelo veículo americano The War Zone que trata de questões militares.

A chegada do Liaoning ao mar da China Meridional ocorreu depois que um grupo de ataque expedicionário da Marinha dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Theodore Roosevelt e pelo navio de assalto anfíbio USS Makin Island, realizaram exercícios na região um dia antes.

Os dois navios de guerra foram acompanhados por um cruzador, destroieres e navios anfíbios menores. As embarcações também transportaram centenas de forças terrestres da 15ª Unidade Expedicionária da Marinha americana, além de helicópteros de apoio e caças F-35.

“Essa força de ataque expedicionária demonstra plenamente que mantemos uma força preparada para combate capaz de responder a qualquer contingência, evitar agressões e fornecer segurança regional e estabilidade para um Indo-Pacífico livre e aberto”, disse o capitão da Marinha dos Estados Unidos, Stewart Bateshansky, do Esquadrão Anfíbio 3, em um comunicado.

O Global Times apresentou a opinião de um especialista militar chinês, Wei Dongxu, dizendo que os exercícios da Marinha americana foram uma provocação.

Os exercícios do transportador chinês “podem estabelecer posições defensivas marítimas mais amplas, salvaguardar as regiões costeiras da China e manter as atividades militares dos EUA sob controle”, diz o texto, que cita Wei.

Mas um analista norte-americano descreveu a presença de Liaoning no mar da China Meridional como normal durante a primavera, quando as condições climáticas favorecem o treinamento. “O Liaoning vai até lá nesta época do ano [para praticar] defesa aérea e treinamento real de fogo”, disse Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro de Inteligência Conjunto do Comando do Pacífico dos EUA.

Exercícios conjuntos EUA-Filipinas

Nesta segunda-feira (12), mais de 1.700 soldados dos EUA e das Filipinas iniciaram exercícios militares por duas semanas, informou a Reuters, citando o chefe militar filipino, tenente-general Cirilito Sobejana.

Os exercícios se concentrarão em testar a prontidão das tropas americanas e filipinas para responder a eventos como ataques extremistas e desastres naturais, disse o relatório.

Eles acontecem depois que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, propôs a seu homólogo em Manila, Delfin Lorenzana, maneiras de estreitar os laços entre os militares dos EUA e das Filipinas, disse um comunicado do Pentágono.

As propostas incluíam maneiras de “aumentar a consciência sobre eventuais ameaças no Mar da China Meridional” e vêm depois da “recente concentração de navios militares da República Popular da China nos recifes de Whitsun “, na zona econômica exclusiva das Filipinas nas Ilhas Spratly.

Washington e Manila estão amarrados por um tratado de defesa mútua, que autoridades disseram que poderia entrar em cena no caso de qualquer ação militar chinesa contra navios do governo filipino em torno do recife de Whitsun.

O secretário de Relações Exteriores das Filipinas, Teodoro Locsin Jr., postou no último sábado (10) que trabalhará para que qualquer ataque a navios civis dos filipinos acione o pacto de defesa mútua, informou a CNN Filipinas.

Os comentários de Locsin foram feitos depois que uma equipe de notícias filipina disse na semana passada que seu barco fretado foi perseguido por barcos de guerra chineses enquanto se aproximava de um banco de areia na área disputada de Spratly, de acordo com a reportagem da CNN Filipinas.

“Temos um sério compromisso em ajudar Taiwan a se defender. Temos um sério compromisso com a paz e a segurança no Pacífico Ocidental. E, neste contexto, seria um grave erro alguém tentar mudar essa realidade pela força”. (Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken)

A China reivindica quase todo o Mar da China Meridional de 1,3 milhão de milhas quadradas como seu território, enfrentando reivindicações das Filipinas e de outras nações. Nos últimos anos, Pequim transformou regiões disputadas em ilhas artificiais com a instalação de fortalezas militares.

Pequim acusa Washington e outras marinhas estrangeiras de alimentar tensões na região, enviando navios de guerra como o atual grupo expedicionário liderado pelo porta-aviões Roosevelt.

Tensões em Taiwan

As tensões se estendem até as margens do nordeste do Mar da China Meridional, onde fica a ilha de Taiwan. Pequim reivindica a ilha democrática e autogovernada de quase 24 milhões de habitantes como seu território, embora os dois lados tenham sido governados separadamente por mais de sete décadas.

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu que Pequim nunca permitirá que Taiwan se torne formalmente independente e se recusou a descartar o uso da força, se necessário, para unificar a ilha com o continente.

Antes de se mudar para o Mar da China Meridional no fim de semana, o porta-aviões chinês Liaoning vinha exibindo sua força militar em Taiwan na última semana, segundo a mídia estatal chinesa.

O Exército de Libertação do Povo flanqueava Taiwan com o Liaoning e suas escoltas operando no Oceano Pacífico a leste, além de aviões de guerra a oeste, fazendo incursões na zona de defesa aérea autodeclarada de Taiwan.

Analistas disseram que os exercícios foram um aviso a Taipei e Washington de que Pequim não toleraria nenhum movimento pela independência de Taiwan e estava preparada para agir militarmente para evitar que isso acontecesse.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse, no domingo, que Washington mantém o compromisso de defender Taiwan. “O que é uma preocupação real para nós são as ações cada vez mais agressivas de Pequim contra Taiwan”, disse Blinken no programa Meet the Press, da NBC.

“Temos um sério compromisso em ajudar Taiwan a se defender. Temos um sério compromisso com a paz e a segurança no Pacífico Ocidental. E, neste contexto, seria um grave erro alguém tentar mudar essa realidade pela força”, disse Blinken.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO E VÍDEO: Mancha verde na água do mar assusta moradores e banhistas na praia de Tabatinga, no litoral sul potiguar

Foto: Reprodução

O G1-RN destaca em reportagem uma mancha verde vista na praia de Tabatinga, em Nísia Floresta, na manhã desta sexta-feira (15), assustou banhistas e frequentadores do litoral Sul da região metropolitana de Natal. Vídeos foram feitos por algumas das testemunhas por volta das 10h30. De acordo com o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema), uma denúncia foi registrada.

Segundo o G1-RN, equipes foram até o local pela manhã e coletaram o material, que passará por análise durante o fim de semana. Segundo Iracy Wanderley, subcoordenadora de Planejamento e Educação Ambiental do Idema, os técnicos relataram que também há um odor forte no local.

Matéria completa com vídeo AQUI.

Opinião dos leitores

  1. Interessante investigar se Nove Dedos, JANJA ou a Anta não estão escondidos em tabatinga. Bom chamar mesmo a inteligência da polícia.

  2. Deve ter sido algum Petista que fez necessidade fisiológica na praia.
    Comeu muito capim e deu uma diarréia .
    Francisco de Assis tava na praia

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bombeiros buscam adolescente que desapareceu no mar em Natal; outras duas pessoas foram salvas na mesma ocorrência

O Corpo de Bombeiros busca um adolescente de 16 anos que desapareceu no mar da praia de Areia Preta, na Zona Leste de Natal, nesta sexta-feira (20). De acordo com o órgão, as buscas foram suspensas no fim da tarde em função da baixa luminosidade e serão retomadas neste sábado (21), às 8h.

Segundo a corporação, o jovem entrou na água com outras duas pessoas e os três se afogaram. Duas delas foram resgatadas pelas próprias pessoas na praia.

Quando os bombeiros chegaram ao local, após serem acionados por banhistas, apenas uma ainda estava desaparecida.

Com acréscimo de informações do G1-RN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Praias podem sobreviver ao aumento do nível do mar, aponta novo estudo

Nem todas as praias devem sumir com a elevação do nível do mar; entenda (Foto: Derek Thomson / Unsplash)

Uma equipe internacional de cientistas, formada por acadêmicos de Reino Unido, França, África do Sul, Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos, publicou um estudo na revista Nature Climate Change discordando de uma pesquisa publicada em março que dizia que metade das praias do mundo poderia se extinguir até 2100 em decorrência das mudanças climáticas. Para eles, existe, sim, a possibilidade de as faixas de areia “migrarem” para a terra conforme o nível do mar sobe e a linha costeira recua.

Segundo os pesquisadores, com os dados globais e métodos numéricos disponíveis hoje, é “impossível” fazer tais previsões globais e de amplo alcance. O novo estudo diz que as praias próximas a penhascos e estruturas como paredões provavelmente irão desaparecer no futuro devido ao aumento do nível do mar, pois elas não conseguiriam realizar esse movimento de migração.

No entanto, aquelas que são apoiadas por planícies costeiras baixas, lagoas rasas, pântanos e dunas têm chance de conseguir migrar como resultado da elevação do nível do mar. Nesses casos, o litoral recuará, mas as praias provavelmente permanecerão, embora um pouco elevadas e voltadas em direção à terra, mas certamente não sendo “extintas”.

O novo artigo afirma que não há atualmente informações disponíveis sobre o número de praias ao redor do mundo que se enquadram em cada uma das categorias e, assim, não daria para quantificar a proporção que desaparecerá até 2100. “Novos métodos são necessários para prever os impactos da elevação do nível do mar na costa. Isso exigirá melhores conjuntos de dados da morfologia costeira e melhor compreensão dos mecanismos da resposta da costa em determinados cenários”, disse Andrew Cooper, professor de estudos costeiros da Universidade de Ulster, na Irlanda do Norte, e principal autor do novo artigo. “À medida que o nível do mar aumenta, o recuo da costa deve, e vai, acontecer, mas as praias sobreviverão. A maior ameaça à existência delas são as estruturas de defesa costeira que limitam sua capacidade de migração”, disse, em nota.

Já segundo o coautor Gerd Masselink, da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, é importante acompanhar essa evolução. “O nível do mar está subindo atualmente e continuará subindo a uma taxa crescente por muitos anos. Isso levará a mais erosão costeira e é crucial que possamos antecipar a perda futura de terras e levar isso em consideração na gestão e no planejamento para evitar colocar mais edifícios e infraestrutura em perigo”, alertou.

Galileu

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO: Guarda-vidas resgatam adolescentes arrastados pelo mar na praia de Pipa

Guarda-vidas do Corpo de Bombeiros Militar do RN resgataram, na tarde desse domingo (18), dois jovens que foram arrastados pela correnteza no mar da Praia de Pipa, litoral sul potiguar.

Foi por volta das 12h30 que os bombeiros militares visualizaram um grupo de pessoas em uma área perigosa e com arrecifes. A princípio, a guarnição foi orientar e advertir os banhistas, todavia, ao chegar no local, eles mergulharam na água e fizeram o trabalho de resgate.

Sem complicações, os dois garotos foram atendidos e liberados pelos bombeiros.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Guarda-vidas resgatam adolescentes arrastados pelo mar no litoral sul potiguar Guarda-vidas do Corpo de Bombeiros Militar do RN resgataram, na tarde de domingo (18), dois jovens que foram arrastados pela correnteza no mar da Praia de Pipa, litoral sul potiguar. Foi por volta das 12h30 que os bombeiros militares visualizaram um grupo de pessoas em uma área perigosa e com arrecifes. A princípio, a guarnição foi orientar e advertir os banhistas, todavia, ao chegar no local, eles mergulharam na água e fizeram o trabalho de resgate. Sem complicações, os dois garotos foram atendidos e liberados pelos bombeiros. #CBMRN #Ligue193 #CorpoDeBombeiros

Uma publicação compartilhada por Corpo de Bombeiros Militar RN (@corpodebombeirosrn) em

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Novo tremor na dorsal meso-oceânica, de magnitude 5.0, é registrado a 1.560 km de Natal nesta sexta-feira

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está representado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho mostra a localização da estação NBMO.

Nesta sexta-feira(16), às 00:08 UTC, ocorreu um novo tremor na dorsal, desta vez de magnitude 5.0. Esse sismo foi registrado por diversas estações da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR) sendo a estação mais próxima a de Morrinhos-CE (NBMO), operada pelo LabSis/UFRN.

O evento teve o epicentro localizado a aproximadamente 1.235 km a NW de São Pedro e São Paulo (portanto, fora do limite das 200 milhas ou 370 km da Zona Econômica Exclusiva), a 1.246 km a N de Acaraú, a 1.316 km a N de Fortaleza, a 1.370 km a NNE de São Luís , a 1.455 km a NNW de Fernando de Noronha e a 1.560 km a NNW de Natal.

Figura 2. Sismograma parcial do dia 16/10, de NBMO. O evento está em verde na parte superior do sismograma.

Fonte: LabSis/UFRN, USGS, RSBR
Joaquim Ferreira

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEOS: Mulher desaparecida por dois anos é achada viva boiando no mar na Colômbia

Angélica Gaitán achada boiando no mar na Colômbia Fotos: Reprodução

Uma mulher desaparecida por dois anos foi achada boiando a cerca de 2,5 quilômetros de uma praia em Puerto Colombia (Colômbia) por um pescador no último sábado (26/9).

Angélica Gaitán, de 46 anos, estava com hipotermia e bastante debilitada quando foi resgatada por Rolando Visbal. A mulher havia perdido contato com a família havia dois anos.

De acordo com a imprensa local, Angélica estava no mar havia oito horas. A colombiana chegou a um hospital da cidade em estado de choque.

O paradeiro dela e o que fez nos dois anos de desaparecida estão sendo investigados pela polícia.

A rádio RCN informou que Angélica se jogou no mar para escapar dos abusos físicos e psicológicos que ela sofria do ex-marido, com quem ficou por 20 anos. O relacionamento não tinha o apoio da família dela, que vive em Bogotá, a capital do país.

“Os maus-tratos começaram na minha primeira gravidez. Ele agia violentamente comigo. A violência continuou na segunda gravidez, mas não podia sair de casa porque as meninas eram pequenas. Eu o denunciava, ele era preso, mas voltava para casa 24 horas depois, e se repetiam as agressões”, comentou Angélica à rádio.

A família veio de Bogotá para dar apoio a Angélica, que estava vivendo com as filhas em um abrigo em Barranquilla para fugir do ex.

“Eu renasci”, disse ela.

Extra – O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Sismógrafos registram nesta quinta novos tremores na dorsal meso-oceânica, de magnitude 5.7, a 1.925 km de Natal; especialistas explicam questionamento sobre tsunami

Nesta quinta-feira(24) q ocorreram dois novos tremores na dorsal meso-oceânica. O primeiro evento, de magnitude 5.7, ocorreu às 00:27 UTC. O segundo evento, de magnitude 4.8, ocorreu às 01:01 UTC a 27 km a W do primeiro. O evento de magnitude 5.7 ocorreu a aproximadamente 982 km a NNW de Ascensão, a 1.185 km a ESE de São Pedro e São Paulo (portanto, fora do limite das 200 milhas ou 370 km da Zona Econômica Exclusiva), a 1.575 km a ENE de Fernando de Noronha, a 1.925 km a ENE de Natal, a 1.980 km a ENE de Recife e a 2.235 km a ENE de Fortaleza.

O mapa de localização epicentral do evento de magnitude 5.7 está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. A estrela vermelha mostra o epicentro. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR).

O registro dos eventos na estação RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Sismograma (parcial) de RCBR do dia 24/09 UTC. O evento de magnitude 5.7 está em vermelho na parte superior do sismograma. O evento de magnitude 4.8 está em azul na parte superior do sismograma.

Embora a magnitude não seja muito grande, eventos na dorsal sempre levantam a questão que sempre se coloca é se o tremor não pode provocar um tsunami. Para que isso ocorra, de forma perceptível, teríamos de ter magnitude acima de 7.5 e o movimento na falha sísmica tem que ser do tipo reverso ou normal, o que causaria um levantamento ou afundamento brusco do soalho oceânico. No caso do evento o movimento da falha sísmica é do tipo transcorrente, um tipo de movimento em que há somente deslizamento horizontal de um lado da falha em relação ao outro. O mecanismo focal, obtido a partir do tensor de momento sísmico, está mostrado na Figura 3.

Figura 3. Mecanismo focal do sismo.

Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

‘Estamos navegando num mar tormentoso’, diz Fux, em discurso no Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

Foto: Jorge William / Agência O Globo

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, comparou nesta terça-feira que o momento atual do pais a um “mar de tormenta”, sem especificar a qual setor se referia. As palavras foram ditas em um discurso no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que também comanda. É a primeira sessão de Fux no conselho. Na semana passada, ele tomou posse na presidência do STF e do CNJ.

— O momento é fácil? Não. O momento não é fácil. Mas o tempo é sábio e ele sabe que não pode separar o inseparável. Então, quem sabe os nossos destinos se cruzaram para que, juntos, possamos enfrentar este momento tormentoso, momento muito tormentoso, diria mesmo um mar de tormenta. Muito embora naveguemos hoje pela internet, estamos navegando também num mar tormentoso. Mas tenho certeza de que, com o apoio de todos, vamos fazer essa travessia e tenho certeza de que estamos mto mais perto do porto do que do naufrágio. Que Deus nos ajude — discursou.

Na sessão, Fux apresentou cinco eixos de atuação para os próximos dois anos, quando comandará o STF e o CNJ: a proteção dos direitos humanos e do meio ambiente; a garantia da segurança jurídica conducente à otimização do ambiente de negócios no Brasil; o combate à corrupção, ao crime organizado e à lavagem de dinheiro, com a consequente recuperação de ativos; o incentivo ao acesso à justiça digital, e o fortalecimento da vocação constitucional do STF.

O Globo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEO: Participante de festa em barcos de luxo joga notas de R$ 50 no mar no litoral de SP

Notas são exibidas em vídeo durante festa com embarcações de luxo — Foto: Reprodução

Um dos participantes de uma festa realizada no mar com dezenas de barcos de luxo em Guarujá, no litoral de São Paulo, foi flagrado jogando notas de R$ 50 na água durante o evento. As imagens, obtidas pelo G1 nesta sexta-feira (18), mostram o homem mostrando um maço de dinheiro durante a celebração, que reuniu aproximadamente 350 pessoas. (ACESSE VÍDEO AQUI EM MATÉRIA NA ÍNTEGRA).

O evento ocorreu na tarde de quinta-feira (17), no Canto do Tortuga, localizado no bairro Enseada, desrespeitando as medidas de prevenção ao novo coronavírus, como o uso de máscaras de proteção e o distanciamento social. Um video (veja acima) mostra um homem jogando diversas notas no mar. Já outro participante da festa comemora a ostentação.

Em seguida, o rapaz que joga as notas vira para quem está filmando e entrega uma grande quantidade de supostas cédulas de R$ 100 e R$ 50 a ele. Outras imagens mostram as embarcações reunidas e centenas de banhistas celebrando em meio a música alta e bebidas. Além de lanchas, iates e motos-aquáticas, duas escunas foram vistas com dezenas de pessoas.

Segundo apurado pelo G1, para participar da festa nas escunas, as pessoas compraram ingressos, que na quinta pela manhã já haviam esgotado. Os barcos de luxo funcionavam como uma espécie de ‘camarote’ e não precisaram pagar para participar do evento, que reuniu ao menos dois DJs. Durante a festa, uma empresária da região também celebrou seu aniversário.

O evento foi divulgado pelas redes sociais e teve centenas de confirmações de presença. Até a última atualização desta reportagem, os organizadores da festa não foram localizados.

Proibição

Conforme os decretos municipais de enfreamento à Covid-19, em Guarujá, está proibida a aglomeração de pessoas e também a locação de embarcações e motos náuticas.

Em nota, a prefeitura ainda informa que enviou equipes da Força-Tarefa, da Guarda Civil Municipal (GCM), além de fiscais de postura e comércio para impedir a festa no fim da Praia da Enseada, no Canto do Tortuga. A operação contou, também, com o apoio da Polícia Militar.

A Capitania dos Portos de São Paulo informou que também foi acionada para fazer a retirada e as autuações das pessoas que estavam no mar. Já na areia, as equipes dispersaram os participantes, apreenderam bicicletas e identificaram uma marina que locou embarcações e será devidamente responsabilizada conforme os decretos. A multa varia de R$ 300 a R$ 9 mil.

Dezenas de barcos foram flagrados em festa no mar em Guarujá, SP — Foto: Reprodução/Jimmi Drone Guarujá

O órgão reiterou que duas equipes de Inspeção Naval da Capitania foram direcionadas ao local a fim de verificar o cumprimento da Lei sobre a Segurança do Tráfego Aquaviário e das Normas da Autoridade Marítima. A ação de fiscalização permanece em andamento. A Marinha do Brasil enfatiza que disponibiliza o telefone 185 para denúncias e emergências náuticas.

Covid-19 na Baixada Santista

A festa ocorre após a Baixada Santista registrar aumento de casos e mortes por Covid-19. Esta alta no número de confirmações foi contabilizada duas semanas após um fim de semana ensolarado, com estradas e praias lotadas na região. Segundo o último levantamento realizado pelo G1 com as nove prefeituras, a Baixada soma mais de 52.323 confirmações e 1.925 mortes causadas pelo vírus.

G1

Opinião dos leitores

  1. E segue a briga de quem roubou ou rouba mais ou menos. Parabéns, tudo farinha do mesmo saco. Muda os cachorros mais …… Prá.

  2. Eita mané mané, isso de fato é uma ostentação idiota e descabida, ridículos nós encontramos em todas as classes sociais, recantos e níveis, não acredito ser de um rico, mais sim um abestalhado. E veja que temos muitos, uns votam no PT, outros no MDB, PSDB E por aí vai, só para corroborar o que vc falou, mais não pensou. Esse buraco começou com nove dedos e a Anta enriquecendo seus filhos apaniguados, os ronaldinhos da vida, copiadores de teses, sócios de grandes empresas, aqueles que no passado catavam excremento de rinoceronte e hoje são ricos. E vc já viu o babaca do lulinha falando e fazendo besteira em uma lancha, cercado por meninas de família boa? Está no YouTube. Vai lá obtuso.

  3. Dinheiro fácil roubado da Petrobrás durante os desgovernos petistas. Devemos sempre lembrar que o PT no poder promoveu o maior roubo do mundo. Devemos lembrar sempre da delação de Palocci, de Marcos Valério, de Sérgio Cabral e muitos outros.

  4. Cara cagada e cuspida da elite brasileira, de familia tradicional cristã e bolsonarista fervorosa.
    Tem uns perrapados que seguem essa turma.
    Caminhamos para um buraco cada vez mais fundo.

    1. Ideal é que essas reuniões sejam realizadas no sitio de Atibaia ou no triplex de Guarujá. Só gente honesta…!!
      Vá lá mané?

    2. Cristão que nem o Lula? Ou o Maduro podre? Ou o Fidel Castro paredon? Ou o médico argentino Tche Guevara? Ou a Anta Dilma guerrilheira?
      Parece que os esquerdistas retiraram as faltas no evento…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

FOTO: Secretaria descarta intoxicação por óleo em turista de MG que teve manchas no corpo após banho de mar na Bahia

Foto: Arquivo Pessoal

A Secretaria Municipal de Saúde de Ilhéus, no sul da Bahia, onde o turista de Minas Gerais sofreu manchas no corpo após tomar banho de mar, descartou nesta terça-feira (5) o quadro de intoxicação pelo óleo que atinge as praias do litoral nordestino.

De acordo com o boletim, o diagnóstico inicial de Anderson Gabriel é de queimadura de primeiro grau. Os exames feitos por ele não tiveram alterações e as costas dele apresentam quadro de descamação. Ele foi internado na segunda (4), no Hospital Regional Costa do Cacau após um mal-estar, com vômitos e náuseas.

De acordo com o coordenador da Vigilância em Saúde da cidade, Gleidson Souza, a queimadura não tem relação com as manchas de óleo que atingiram a cidade. Ele disse ainda que o turista já teve melhora no quadro de mal-estar nesta terça.

“A queimadura não tem relação epidemiológica com o óleo. O paciente não tem sinais de intoxicação clássico do petróleo, não teve nenhuma alteração nos exames. No momento ele está com bom estado geral, orientado, sinais vitais normais. Sem sinal de intoxicação”, descreveu Gleidson.

O G1 questionou ao coordenador se há informação sobre o que causou a queimadura no turista. Segundo Gleidson, as causas da queimadura ainda estão sendo apuradas.

Em entrevista ao G1, no domingo (3), Anderson Gabriel contou que caminhava sozinho na praia quando decidiu tomar um banho de mar. O turista conta que ficou dentro da água por cerca de 40 minutos e saiu quando o corpo começou a arder.

“Eu estava fazendo uma caminhada na areia. Aí na hora que eu fui tomar um banho de mar, fiquei uns 40 minutos dentro da água. O meu corpo começou a coçar e queimar, e eu saí da água. Na praia eu não vi óleo, mas quando eu cheguei em casa, que eu fui tomar banho, começou a sair uma água escura [do corpo] e a bucha ficou muito oleosa”, lembrou Anderson.

O coordenador da Vigilância disse que a esponja usada por Anderson foi analisada, mas que vestígios de óleo não foram encontrados. Ele pontuou ainda que uma análise da água também está sendo feita.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

NOVO PENTE-FINO: Marinha descobre que óleo ficou mais tempo no mar e decide ampliar buscas por navios suspeitos

Foto: STRINGER / REUTERS

Na busca por um responsável pelo vazamento do petróleo que contamina a costa do Nordeste , o universo de navios-tanque sob investigação será ampliado. Novas análises químicas produzidas pela Marinha mostram que o óleo que aportou nas praias permaneceu mais tempo na água do que se sabia até agora. Diante dessa constatação, os investigadores decidiram ampliar a quantidade de navios a serem buscados.

Até então, o foco estava em 30 embarcações de dez países que navegaram na altura da costa nordestina, numa distância de 800 quilômetros, entre 1º de agosto e 1º de setembro. Um novo pente-fino será feito, em busca de navios com as mesmas características e que trafegaram pela área no mês de julho. A expectativa é que mais 30 navios sejam investigados.

Enquanto a Marinha expande o universo de embarcações a serem investigadas para definir a origem do vazamento, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sugeriu no Twitter que o Greenpeace estaria por trás do derramamento. Salles, sem citar provas, insinuou que uma embarcação da ONG teria passado próxima ao litoral brasileiro no período em que o desastre se deu.

A tragédia do vazamento de petróleo já contaminou 233 localidades em todos os estados do Nordeste e segue sem a identificação dos responsáveis. A primeira detecção de óleo, com comunicação às autoridades, foi feita em 2 de setembro. Já são 53 dias de contaminação.

A estratégia do governo do presidente Jair Bolsonaro é lançar dúvida e culpa sobre a Venezuela. Perícias feitas pela Petrobras e por universidades federais mostram que o petróleo tem DNA venezuelano, sem que isso signifique que o vazamento seja responsabilidade do governo ou de alguma empresa venezuelana. Na noite de ontem, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fez um pronunciamento em cadeia de rádio e TV para dizer que o governo vai acionar a Organização dos Estados Americanos (OEA) para que o regime de Nicolás Maduro dê uma explicação sobre o petróleo.

A Marinha foi foi designada para chefiar o Plano Nacional de Contingência, acionado diante da gravidade da tragédia ambiental. A Força é responsável pela mais ampla investigação a respeito do que de fato ocorreu. Entre os investigadores, não há qualquer certeza sobre quem são os responsáveis pelos vazamentos. Tanto que o atual estágio da investigação é de afunilamento de hipóteses e de refinamento dos dados científicos usados na apuração.

O GLOBO revelou ontem que o Centro de Hidrografia da Marinha passou a considerar, com base em dois novos estudos, que o foco do vazamento se deu a uma distância menor do que a levada em conta até então. Os estudos mostram uma distância entre 270 e 600 quilômetros do litoral, tendo como ponto de partida os estados da Paraíba, Pernambuco e Alagoas. Até então, as estimativas variavam entre 600 e 800 quilômetros.

Dados mais precisos passaram a evidenciar, por outro lado, que o óleo permaneceu na água por mais tempo do que o considerado até então. Primeiro, o Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira considerou, a partir de análises químicas, que o petróleo havia vazado no mar dez dias antes de aportar nas praias. A partir dessa constatação, foram buscadas as embarcações que trafegaram numa área específica entre 1º de agosto e 1º de setembro. Agora, um novo laudo mostra que o óleo permaneceu na água por mais tempo. Por isso, um novo escopo de navios foi definido, com navegação em julho.

A expectativa é que cerca de 30 novos navios entrem no radar das investigações. O levantamento deve ser concluído nesta semana.

– É comum que os navios informem atipicidades vistas na navegação. Nós não recebemos, porém, nenhum tipo de comunicação sobre coisas estranhas dos navios que passaram por essas rotas — afirma o capitão de mar e guerra Gustavo Calero Garriga, comandante do Centro Integrado de Segurança Marítima (Cismar), unidade responsável pela frente de investigação que cuida da análise do tráfego de navios-tanque.

Segundo Garriga, são analisados fatores como alteração de velocidade e de rumo dessas embarcações. As autoridades portuárias dos dez países de onde partiram os 30 navios inicialmente averiguados já foram contatadas para fornecer dados. O mesmo deve ocorrer com a nova leva de embarcações.

– Levantamos também históricos de poluição ambiental por esses navios – diz o capitão.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Salles agora insinua que foi o Greenpeace o culpado pelo óleo. Acreditar que o Greenpeace derramou o óleo no nordeste é fácil pra quem acreditou em mamadeira de piroca e kit gay.

    1. É bem possível Inocente útil. Essas ONGs não recebem mais dinheiro dos brasileiros. Essa Ptralhada só acredita em papai Noel. Bando de Ptralhas.

    2. O unico fato relacionado ao Greenpeace é que eles estavam proximos a area do derramamento na epoca que houve o fato. Nao ha como afirmar que foram eles, porem eles sao responsaveis por lançarem produtos que poluíram as ruas de Brasilia com oleo e lixo. Tanto que foram presos por crimes ao meio ambiente, isso é fato. Greenpeace parece ser meio fajuta quando poluem o meio ambiente, será que sao movidos apenas por interesses politicos e dinheiro?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Venezuela nega responsabilidade por petróleo na costa brasileira, ministro do Meio Ambiente rebate justificativa e confirma “grande investigação”

Foto: Adema/Governo de Sergipe

A empresa estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA) informou nesta quinta-feira (10) que, até o momento, nenhum de seus clientes ou subsidiárias relatou a ocorrência de vazamento de petróleo de origem venezuelana próximo à costa brasileira.

Em nota divulgada esta manhã, a petrolífera afirma não haver evidências de derramamentos de óleo nos campos de petróleo da Venezuela que possam ter atingido a região Nordeste, causando danos ao ecossistema marinho brasileiro.

“Reiteramos que não recebemos nenhum relatório no qual nossos clientes e/ou subsidiárias relatam uma possível avaria ou vazamento nas proximidades da costa brasileira, cuja distância com nossas instalações de petróleo é de aproximadamente 6.650 km, via marítima”, sustenta a PDVSA.

Também nesta quinta (10), o ministro do Petróleo da Venezuela, Manuel Quevedo, descartou a hipótese de que a PDVSA ou o Estado venezuelano tenham qualquer responsabilidade pelo petróleo que atinge a costa brasileira.

Em Brasília, durante reunião ordinária do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) realizada nesta quinta, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reafirmou que as autoridades brasileiras ainda desconhecem a origem do óleo, embora, segundo ele, o resultado das análises técnicas realizadas pela Petrobras apontem a “compatibilidade” entre o resíduo recolhido no litoral nordestino e o óleo venezuelano.

“A Marinha identificou todos os barcos que trafegaram pela costa brasileira e está investigando para saber qual é o possível barco [que pode ter derramado o óleo no mar]”, comentou o ministro, mencionando uma das três principais hipóteses para explicar a origem da substância: um vazamento acidental em alguma embarcação ainda não identificada; um derramamento criminoso do material por motivos desconhecidos ou a eventual limpeza do porão de um navio.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participa da reunião do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). – Marcelo Camargo/Agência Brasil

“O que sabemos é que o óleo não é brasileiro. E que a comparação das amostras é compatível com um derramamento de óleo venezuelano que houve no passado. Ou seja, tudo indica que é óleo venezuelano. Como este óleo chegou a nossa costa é a grande investigação”, disse Salles, referindo-se as apurações a cargo da Polícia Federal (PF), da Marinha e de órgãos ambientais.

Em nota enviada à Agência Brasil, o Ministério do Meio Ambiente esclarece que a indicação de origem venezuelana do petróleo se baseia em análise laboratorial. O ministério, no entanto, esclarece que nenhuma autoridade ou funcionário público afirmou que o caso seja de responsabilidade do Estado venezuelano ou da PDVSA.

“A hipótese aventada é que pode ter sido derramado a partir de navios que trafegaram ao longo da costa brasileira, e não necessariamente de campos do governo ditatorial venezuelano”, informa a pasta.

Agência Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Médico potiguar e mais três mergulhadores desaparecem no mar, ficam 13 horas à deriva e são resgatados no Grande Recife

Foto: Reprodução

Quatro mergulhadores desapareceram no mar na tarde do domingo (6) e foram encontrados na madrugada desta segunda-feira (7), na Região Metropolitana do Recife. Eles relataram que ficaram cerca de 13 horas à deriva, até serem resgatados (veja vídeo AQUI).

Os quatro homens saíram do Cabanga Iate Clube, no Recife, para realizar um mergulho técnico com o Rebreather, aparelho que possibilita que o mergulhador inspire novamente o gás expirado. O grupo seguiu para o naufrágio Corveta Camaquã, localizado a aproximadamente 37 quilômetros da costa, na posição relativa à Coroa do Avião, no município de Itamaracá.

O médico cirurgião potiguar Alan Filgueira fazia parte do grupo. Segundo ele, o mergulho aconteceu normalmente, o problema foi na hora que eles voltaram à superfície e perceberam que havia algo errado, pois o barco estava distante.

“À deriva, foram 13 horas, a gente solto, derivando em direção à praia. De mergulho, foram aproximadamente duas horas. A gente subiu por volta das 13h30 e o barco estava distante”, contou, nesta segunda, ao chegar de volta ao Cabanga.

Equipes da Marinha e o helicóptero do Corpo de Bombeiros participaram das buscas. O quarteto foi encontrado a 15 quilômetros da posição de onde desapareceram, segundo a Capitania dos Portos. Os outros três mergulhadores preferiram não falar com a TV Globo. Os quatro passam bem.

O mergulho

Os quatro mergulhadores estavam acostumados a esse tipo de incursão. Um deles, tem mais de 20 anos de experiência. Como a Corveta Camaquã fica a 56 metros de profundidade, chegar à superfície exige descompressão, explicou Filgueira. Segundo ele, uma forte correnteza, que não havia sido identificada na rota, provavelmente causou o acidente.

“Quando a gente desceu, não tinha corrente. Provavelmente, dentro do mergulho, a corrente cresceu e nós não sentimos. Quando a gente voltou a subir no cabo, vimos que estava correndo bastante água e que o barco estava muito longe”, disse.

Para Figueira, a boia que serve de referência para o barco localizar os mergulhadores pode ter afundado, dificultando o trabalho da equipe náutica. Ele relatou que conseguia ver o barco, mas, por causa da distância, a tripulação não conseguia encontrar o grupo.

“A gente viu o barco, porque ele é grande. Vimos quando começaram a fazer o padrão de busca, mas a melhor opção foi soltar o cabo e derivar até a praia. […] Passamos muito tempo em alto mar”, afirmou.

O grupo foi encontrado na altura da praia do Janga, em Paulista, por um barqueiro que estaria ajudando nas buscas com outra embarcação, segundo o Corpo de Bombeiros. O helicóptero do Corpo de Bombeiros chegou a ser utilizado para auxiliar nas buscas.

G1 – PE

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *