Polícia

Com corda no pescoço e pedaço de madeira encravado no olho, corpo de homem é encontrado boiando no rio Mossoró

Foto: Marcelino Neto

A Polícia Civil confirmou o encontro de um corpo de um homem, com várias marcas de violência, na manhã desta segunda-feira (31), por volta de 6h30, boiando no rio Mossoró, na região Oeste potiguar.

Segundo a Polícia Civil, o corpo foi encontrado com uma corda no pescoço e um pedaço de madeira encravado no olho. A polícia e o Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) foram acionados ao local, nas proximidades da avenida Leste-Oeste, e o corpo foi recolhido.

Segundo a polícia, a suspeita é de que o crime tenha ocorrido há vários dias. O caso ainda será investigado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEOS: Mulher desaparecida por dois anos é achada viva boiando no mar na Colômbia

Angélica Gaitán achada boiando no mar na Colômbia Fotos: Reprodução

Uma mulher desaparecida por dois anos foi achada boiando a cerca de 2,5 quilômetros de uma praia em Puerto Colombia (Colômbia) por um pescador no último sábado (26/9).

Angélica Gaitán, de 46 anos, estava com hipotermia e bastante debilitada quando foi resgatada por Rolando Visbal. A mulher havia perdido contato com a família havia dois anos.

De acordo com a imprensa local, Angélica estava no mar havia oito horas. A colombiana chegou a um hospital da cidade em estado de choque.

O paradeiro dela e o que fez nos dois anos de desaparecida estão sendo investigados pela polícia.

A rádio RCN informou que Angélica se jogou no mar para escapar dos abusos físicos e psicológicos que ela sofria do ex-marido, com quem ficou por 20 anos. O relacionamento não tinha o apoio da família dela, que vive em Bogotá, a capital do país.

“Os maus-tratos começaram na minha primeira gravidez. Ele agia violentamente comigo. A violência continuou na segunda gravidez, mas não podia sair de casa porque as meninas eram pequenas. Eu o denunciava, ele era preso, mas voltava para casa 24 horas depois, e se repetiam as agressões”, comentou Angélica à rádio.

A família veio de Bogotá para dar apoio a Angélica, que estava vivendo com as filhas em um abrigo em Barranquilla para fugir do ex.

“Eu renasci”, disse ela.

Extra – O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *