Esporte

COPA DO BRASIL – 3ª FASE: ABC encara a Chapecoense-SC

Foto: Reprodução

Em sorteio na tarde desta sexta-feira(23), o ABC conheceu seu adversário na terceira fase da Copa do Brasil, a Chapecoense-SC, que retorna à elite do futebol nacional nesta temporada.

As equipes vão se enfrentar em jogos de ida e volta, sem o critério de desempate do gol qualificado. O primeiro duelo será realizado em Santa Catarina. O alvinegro decide em casa.

Ao todo, serão 16 confrontos.

Veja demais duelos: 

Santos x Cianorte

Bahia x Vila Nova

Palmeiras x CRB

São Paulo x 4 de Julho

Fluminense x Bragantino

Ceará x Fortaleza

Grêmio x Brasiliense

América-MG x Criciúma

Athletico Paranaense x Avaí

Atlético-MG x Remo-PA

Corinthians x Atlético – GO

Internacional x Vitória-BA

Cruzeiro x Juazeirense-BA

Flamengo x Coritiba

Vasco x Boavista-RJ

 

Opinião dos leitores

  1. Passamos pela gloriosa estrela solitária e agora vamos à vitória sobre o índio condá… Só um detalhe procurei o nome Japekanga Football City na lista dos confrontos e não encontrei. 😉

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Diá fala em favoritismo do Vasco contra o ABC nesta quinta, pela Copa do Brasil, mas acredita na classificação

Foto: Luciano Marcos/ABC F.C.

O ABC não tomou conhecimento do Palmeira e venceu o adversário nesse domingo (1), no Frasqueirão, pelo placar de 8 a 0. O jogo foi válido pela 3ª rodada do segundo turno do Estadual e o resultado manteve o Clube do Povo com 100% de aproveitamento e na liderança do returno da competição.

Francisco Diá falou sobre a partida e destacou a superioridade do Alvinegro. “Imprimimos um ritmo forte do começo ao fim, se dar espaço, sem dar chances ao adversário, e acredito que o placar, se tivéssemos forçado mais um pouquinho, teria sido até maior. Precisamos desse saldo de gols para caminhar em busca da classificação e, se possível, conquistar o primeiro lugar”, comentou o técnico.

Agora, o treinador já esquece o Estadual e quer foco total na decisão contra o Vasco/RJ pela Copa do Brasil. Diá sabe das dificuldades que a equipe encontrará, mas garante um ABC competitivo.

“A nossa equipe está consciente da sua capacidade e do que pode fazer. Sabemos que o Vasco é um gigante do futebol brasileiro, principalmente jogando no Maracanã, com casa cheia. É um adversário muito difícil, qualificado e é favorito. Nos resta descansar os jogadores, corrigir algumas coisas que vimos no jogo de hoje, e preparar bem o time para esse confronto importante, ver o que teremos de melhor para ir com uma equipe competitiva e tentar essa classificação”, destacou.

O confronto contra o Vasco/RJ está marcado para a próxima quinta-feira (5), às 21h30, no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ).

Com ABC

Opinião dos leitores

  1. Conversa.
    O ABC é favorito sim, o Vasco está vivendo uma crise sem precedentes na história além de ter um time medíocre onde o melhor jogador é Marcos Júnior, que jogou no América e depois no próprio ABC.
    Diá está fazendo o papel dele passando a responsa pro time carioca mas sabe que o alvinegro potiguar vive um melhor momento.
    O ABC só não se classifica diante do Vasco se conseguir ser pior que ele, mesmo o jogo sendo no maracanã.

  2. Diá, excelente treinador, é raposa velha. Tirou carta de seguro ao jogar o favoritismo do jogo para o Vasco. Aqui pra nós e todo mundo, dizer que o time do Vasco é qualificado e um gigante do futebol brasileiro é uma piada. O time no Campeonato Carioca, um dos mais fracos tecnicamente, não consegue ganhar do Cabofriense, do Bangu, do Resende. Só para falar dos pequenos. Em tempo, sou vascaíno (decepcionado).

  3. Excelente treinador. Fico imaginando se ele tivesse um plantel melhor, com certeza conseguiria o impossível, pois conhece profundamente o futebol.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Tucanos avaliam que goleada anula discurso adversário

 7xqmlwdpeb_30zd7t25nh_fileFoto: Reuters

A campanha do candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, avalia que a derrota acachapante do Brasil contra a Alemanha deve anular as tentativas do governo Dilma Rousseff de explorar politicamente a realização do evento em solo nacional. O comitê tucano vai apenas esperar o “luto” em razão do fiasco em campo passar para retomar as críticas à política econômica.

A ideia agora é que, ao falar do campeonato, Aécio credite o sucesso extracampo ao povo brasileiro, e não ao governo.

O tucano deve insistir que o legado da Copa poderia ter sido muito melhor se o governo tivesse entregado as dezenas de obras previstas. Os estrategistas tucanos, porém, não acreditam que as discussões sobre o tema sobrevivam até outubro, mês das eleições.

Cuidado

Enquanto não passar a euforia, os agentes políticos do PSDB estarão pisando em ovos nos próximos dias para não deixar escapar frases infelizes que possam ferir o fragilizado torcedor e serem exploradas nos programas eleitorais de TV pela situação, que já acusa seus opositores de serem “pessimistas”.

Segundo assessores, Aécio tem dito nas reuniões internas que o torcedor não pode sentir “cheiro de oportunismo político” ou o tiro sai pela culatra.

Aécio foi pelo menos duas vezes a estádios durante esta Copa. A primeira no Maracanã, no Rio de Janeiro, onde viu a Alemanha se classificar para a semifinal contra a França.

O candidato tucano à Presidência não divulgou a agenda à imprensa. Horas depois do jogo, publicou em uma rede social foto com a filha Gabriela, que o acompanhou ao lado do empresário Alexandre Acciolly.

Na terça-feira, 8, Aécio foi ao Mineirão, em Minas, sua terra natal. Também não divulgou a agenda. Alguns assessores chegaram até a negar que ele estivesse no estádio. No fim, confirmaram que o tucano esteve na arquibancada ao lado de outros políticos mineiros, até porque o filho de um aliado publicou foto com Aécio no Mineirão em uma rede social.

Críticas

O candidato a vice-presidente na chapa de Aécio, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), afirmou que Dilma “caiu no ridículo” ao tentar explorar o futebol desde o início dos jogos como se a gestão dela tivesse algo a ver com o que se passa no campo. Na véspera do fiasco do jogo contra Alemanha, a presidente chegou a divulgar uma foto imitando gestos de Neymar.

— A Dilma acabou caindo no ridículo fazendo aquele gesto do ‘tóis’ porque tentou explorar o sofrimento do Neymar (quando ele ficou de fora dos jogos ao quebrar uma vértebra) e também porque tentou pegar carona na esperança do povo brasileiro.

Aloysio aposta que diante da derrota da seleção anfitriã, “agora ela vai deixar morrer o assunto Copa, você vai ver”, apostou.

— Agora as pessoas vão voltar para suas vidas normalmente, para os seus problemas e voltaremos a discutir sobre inflação, obras inacabadas e novos projetos para o País.

Virar a página

Existe uma corrente dentro da equipe da campanha de Aécio defendendo deixar que o assunto Copa morrer o mais rápido possível. Esse grupo diz que a agenda da Copa é de Dilma e só interessa a ela.

Há outra corrente que defende uma posição mais agressiva de Aécio. Sem tratar do que aconteceu no gramado, pois isso todos concordam internamente que é um tema pertencente ao torcedor e não aos políticos, o candidato deveria aproveitar para criticar até o que deu certo na Copa. É preciso, segundo esse grupo, criticar a oportunidade perdida para que mais obras de infraestrutura fossem concretizadas no País. Nesse aspecto, dizem, não há sucesso na Copa, e sim fracasso.

R7

Opinião dos leitores

  1. Na verdade o sucesso da Copa se deve ao Governo. Já o fracasso da Seleção pode ter sido por causa da oposição, que "secou" o time do Brasil.

  2. É ridícula essa tentativa da oposição de tentar vincular o futebol à política…Será que eles lançam suas sementes em blogs como esse pra sondar a percepção popular acerca do assunto?

  3. Entendo que quem explorou politicamente a Copa foi a oposição que apostou todas as suas fichas no caos dos aeroportos, estádios, vias de acesso…
    A Copa foi perfeita, elogiada por todos os estrageiros, o que seria motivo de vexame do Brasil para mundo, virou motivo de orgulho para nós brasileiros.
    O fracasso da seleção não pode ser creditado a Dilma.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *