Cientistas temem que chicungunha repita febre amarela e se instale em florestas

O ‘Aedes aegypti’ é o mosquito transmissor da dengue, zika e chicungunha Foto: PAULO WHITAKER / Reuters

O vírus chicungunha segue o caminho da febre amarela e ameaça se tornar silvestre no Brasil. Uma vez instalado nas florestas, ele se tornaria impossível de erradicar no país, pois, diferentemente da febre amarela, não existe vacina.

As matas serviriam como fonte perene da doença, que se espalhou pelas cidades brasileiras e causa epidemia urbana no Rio, alertam os autores da descoberta, cientistas dos institutos Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e Pasteur, na França.

Publicado na revista científica “Plos Neglected Tropical Diseases”, o estudo tem implicação direta no controle da infecção.

Como a febre amarela, a chicungunha é causada por um vírus de origem africana, e desembarcou no Brasil como uma doença humana. A forma urbana de ambas as febres é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti .

Mas o grupo liderado pelo entomologista da Fiocruz Ricardo Lourenço, um dos maiores especialistas do país em insetos transmissores de doenças, descobriu que duas espécies de mosquitos silvestres comuns no estado do Rio são capazes de transmitir o chicungunha.

— Existe a forte possibilidade de que os mosquitos silvestres já estejam infectados. É um grave problema de saúde pública, pois vai dificultar ainda mais o combate à doença — afirma Lourenço, chefe do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários do IOC. — Mais do que nunca, vigilância sanitária é crucial, e ela também precisa ser feita nas matas, com mosquitos e macacos.

Lourenço e seus colegas coletaram em matas do estado do Rio mosquitos silvestres das espécies Haemagogus leucocelaenus e Aedes terrens . Ambas são comuns e encontradas em grande parte das florestas da América do Sul, da Mata Atlântica à Amazônia.

Em laboratório, os pesquisadores infectaram os mosquitos com o chicungunha e viram que este se multiplicava nos insetos e era passado adiante apenas três dias após terem contraído o vírus.

— Nosso próximo passo é descobrir se os macacos ou outros animais silvestres brasileiros podem funcionar como reservatórios do chicungunha, a exemplo do que aconteceu com a febre amarela — explica Lourenço.

Este mesmo grupo de pesquisadores já havia alertado em 2014, antes da detecção dos primeiros casos de chicungunha, que os Aedes aegypti e albopictus poderiam transmitir o vírus.

A febre amarela é uma enfermidade que acompanhou a escravidão. Os navios negreiros do século XVII trouxeram da África o vírus e o mosquito Aedes aegypti , seu transmissor.

A febre era inicialmente urbana, mas o vírus se espalhou e, nos anos 1930, a forma silvestre foi descrita no Vale do Canaã, no Espírito Santo.

O vírus tornou-se capaz de infectar os mosquitos silvestres, que se tornaram o principal reservatório; os insetos o transmitiram para suas vítimas preferenciais, os macacos, que se tornaram hospedeiros.

Epidemia silvestre

Mas não é o homem que morre da doença do macaco. É o macaco que morre da doença do homem. A epidemia de febre amarela iniciada em 2016 é silvestre.

Já o chicungunha — descoberto na África, em 1952 — chegou ao Brasil, aparentemente, em 2014.

Em países africanos há surtos simultâneos das formas urbana e silvestre. Os macacos africanos são suscetíveis a eles. Porém, os primatas brasileiros são de outras espécies e não se sabe se apresentam vulnerabilidade.

Se o Aedes aegypti é um inimigo formidável, presente em quase 90% dos municípios brasileiros, os mosquitos silvestres têm hábitos de vida que também os tornam extremamente difíceis de combater.

Eles põem seus ovos em ocos de árvores e conseguem sobreviver mesmo em temperaturas mais frias.

O Globo

 

[VÍDEO] Prefeitura de Parnamirim comprou 10 mil camisas que matam o mosquito da dengue; faltou só o certificado de garantia

Polêmica grande em Parnamirim com a compra de um Kit de prevenção contra o Aedes Aegypti.

Na sessão da Câmara Municipal nesta terça-feira 8, o vereador Antônio Batista, do PMDB, garantiu que Parnamirim já possui um sistema de prevenção à picada do mosquito Aedes aegypti: uma camisa que pode ser lavada 30 vezes que, ainda assim, protege as pessoas e ainda mata o inseto. De acordo com ele, a camisa faz parte de um kit que será entregue aos alunos da rede municipal.

Pra contextualizar, essas camisas fazem parte de um lote de 10 mil camisas comprados pela Prefeitura de Parnamirim que afastam o mosquito. Mas, pelo visto, faltou o certificado de garantia de que a vestimenta realmente funciona.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Roberto Carlos disse:

    Homi, seu minino! O ex-Prefeito Agnelo, deve tá se bulino todim no túmulo!
    Não porquê ele fosse um exemplo de correção; mas sim, porquê num teve essa idéia quando foi Prefeito!
    E tá agora vendo, lá d.. ……. … ……..! O vereador Batista "Grande Sumidade" defendendo essa grande solução, para o fim definitivo da Dengue, Chicungunha e Zica; em todo o mundo.
    O melhor de todo, foi ver a cara dos edis, Parnamirinenses, frente a esse absurdo.

  2. Val Lima disse:

    Rapaz não tenha dúvida !!! Essa vai parar no Fantástico da Rede Globo….kkkkk

  3. entediado disse:

    bota camisinha contra picadura de mosquito.

  4. João Alcantara de Melo disse:

    Absurdo! Não sei como a população de Parnamirim elege uma criatura dessas. Não sabe nem falar direito. Absurdo!!!! O bom é que essa camisa não só repele, mas mata o mosquito! Kkkkkkkkkkk meu Deus! Estamos perdidos, a PresidentA diz que A mosquita é que pica, aí vem um vereador desse e sai com essa explicação para o absurdo gasto de 800 mil reais em 10 mil camisas e 10 mil revistas… Não seria melhor investir esse dinheiro em ações de combate ao mosquito. Ministério público não atua em Parnamirim Pq tem muitos interesses na prefeitura!!!! Acorda PARNAMIRIM.

  5. Suely Roriz Pantoja disse:

    Era so o que faltava!

  6. Laís disse:

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Não têm mais o que inventar essa prefeitura! DESESPERADOS ??????

  7. FDP disse:

    Isso é só mais uma, vai lá na Secretaria de Trânsito e vê onde está sendo feito esse "monitoramento", deve ser no mesmo lugar onde foi parar o dinheiro dessas camisas.
    Prefeitura instala câmeras de monitoramento no litoral
    http://www.parnamirim.rn.gov.br/newsItem.jsp?p=3407

  8. Francisco de Assis Xavier disse:

    Bruno, uma pergunta, porque até hoje o MPRN não atua contra a Prefeitura de Parnamirim? já existe varios motivos para atuar e nada faz, estão todos na mão do Prefeito

  9. Verdade seja dita disse:

    Conta outra que já estou quase dormindo.

  10. Márcio Macedo disse:

    Só pode ser uma brincadeira do vereador. Kkkkkkkk

  11. lima disse:

    Piada, já vi de tudo na vida.