Política

Vereador Luciano Nascimento faz doação de cadeiras de rodas e de banho nas Upas de Natal

Foto: Reprodução

Preocupado também com o lado social dos Natalenses, o vereador Luciano Nascimento (PTB), utilizou quase R$ 4.000,00 em recursos próprios para doar 04 cadeiras de rodas e 04 cadeiras de banho para as Upas do Potengi, Pajuçara, Cidade da Esperança e Satélite.

As cadeiras foram entregues aos Diretores das Unidades, pessoalmente pelo o Vereador Luciano, onde cada UPA recebeu 01 cadeira de roda e 01 cadeira de banho.

“O nosso dever, além de legislar, também é promover o bem estar social do nosso povo”, concluiu o parlamentar.

 

Opinião dos leitores

  1. Parabéns vereador LUCIANO NASCIMENTO por mais uma ação solidária,onde quem ganhar é toda população de natal

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Operação Fura-fila: MPRN oferece mais 4 denúncias contra vereador e ex-secretários por fraudes no sistema do SUS

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) ofereceu quatro novas denúncias contra o vereador Diogo Rodrigues da Silva, de Parnamirim, e ex-secretários municipais de Saúde e Assistência Social por fraudes no sistema de marcação de consultas e exames do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado. Ao todo, Diogo Rodrigues já é réu em oito processos distintos. O esquema fraudulento do grupo foi alvo da operação Fura-fila, deflagrada pelo MPRN no dia 20 de abril passado. As participações de outras pessoas no suposto esquema ainda seguem sob investigação.

O vereador Diogo Rodrigues da Silva, ainda antes de se eleger em 2020, teria montado o esquema de inserção de dados falsos no Sistema Integrado de Gerenciamento de Usuários do SUS (SIGUS), sistema informatizado utilizado pela Sesap e por alguns municípios do Estado para regular a oferta, autorização, agendamento e controle de procedimentos ofertados pelo SUS, burlando a fila do SUS. A suspeita é que ele teria como braço-direito no esquema a própria companheira, Monikely Nunes Santos, funcionária de um cartório em Parnamirim.

Além de Diogo e Monikely, desta vez foram denunciados: Jadna Amaral Alves, Gleide Elissa Lopes de Oliveira Macedo, Jessica Gomes de França, Joison de Medeiros e Paula Francinete de Medeiros. Outras seis pessoas já haviam sido denunciadas pelo MPRN e já são rés em processos: Eliege da Silva Oliveira, Gleycy da Silva Pessoa, Anna Cely de Carvalho Bezerra, Alberto de Carvalho Araújo Neto, Maria Célia Rodrigues da Silva, e Bruno Eduardo Rocha de Medeiros.

Diogo Rodrigues e Monikely Nunes foram denunciados pelo MPRN por corrupção passiva, peculato, inserção de informações falsas em banco da dados da administração pública e lavagem de dinheiro. O vereador também responde pelo crime de fraude em licitação. Outras pessoas também estão sendo investigadas pelo MPRN.

O caso

As investigações do MPRN foram iniciadas em 2019, após denúncias de servidores da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap). Na apuração, o MPRN descobriu que desde 2017 a organização criminosa inseria dados falsos e alterava informações legítimas. Essas invasões na ferramenta de regulação interferem na sequência de elegibilidade de procedimentos médicos gerenciados pelo Sistema. Desta forma, o grupo furava a chamada “fila do SUS”, propiciando vantagens indevidas aos fraudadores.

Com o apoio da Polícia Militar, a operação Fura-fila cumpriu dois mandados de prisão preventiva, um mandado de prisão temporária e ainda outros 22 mandados de busca e apreensão nas cidades de Natal, Parnamirim, Mossoró, Caicó, Monte Alegre, Areia Branca, Brejinho, Frutuoso Gomes, Rafael Godeiro e Passa e Fica. Também houve o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na cidade de São Paulo. Ao todo, 27 promotores de Justiça, 42 servidores do MPRN e 90 policiais militares participaram da ação.

MPRN

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Operação Fura-fila: MPRN denuncia vereador de Parnamirim e ex-secretários municipais por fraudes no sistema do SUS

Foto: Ilustrativa

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) denunciou um vereador e ex-secretários municipais de Saúde e Assistência Social por fraudes no sistema de marcação de consultas e exames do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado. Ao todo, oito pessoas já são rés em quatro processos distintos que resultaram da operação Fura-fila, deflagrada pelo MPRN no dia 20 de abril passado.

As participações de um deputado estadual e de outras pessoas no suposto esquema ainda estão sob investigação. O vereador Diogo Rodrigues da Silva, da cidade de Parnamirim, é apontado como suposto cabeça do esquema. Ainda antes de se eleger em 2020, ele teria montado o esquema de inserção de dados falsos no Sistema Integrado de Gerenciamento de Usuários do SUS (SIGUS), sistema informatizado utilizado pela Sesap e por alguns municípios do Estado para regular a oferta, autorização, agendamento e controle de procedimentos ofertados pelo SUS, burlando a fila do SUS. A suspeita é que ele teria como braço-direito no esquema a própria companheira, Monikely Nunes Santos, funcionária de um cartório em Parnamirim. Diogo Rodrigues e Monikely Nunes foram denunciados pelo MPRN por corrupção passiva, peculato, inserção de informações falsas em banco da dados da administração pública e lavagem de dinheiro.

O vereador também responde pelo crime de fraude em licitação. Somadas apenas as quatro denúncias já oferecidas pelo MPRN e recebidas pela Justiça potiguar, Diogo Rodrigues responde 300 vezes por corrupção passiva, 300 vezes por peculato, 476 vezes por inserção de informações falsas em banco da dados da administração pública, 83 vezes por lavagem de dinheiro e uma vez por fraude em licitação. Além de Diogo Rodrigues e Monikely Nunes, o MPRN já são réus em processos após a denúncia do MPRN: Eliege da Silva Oliveira, ex-secretária de Saúde de Ielmo Marinho; Gleycy da Silva Pessoa, secretária de Saúde de Brejinho; Anna Cely de Carvalho Bezerra, secretária de Assistência Social de Brejinho; Alberto de Carvalho Araújo Neto, secretário de Saúde de Arês; Maria Célia Rodrigues da Silva, mãe do vereador Diogo Rodrigues; e Bruno Eduardo Rocha de Medeiros, que foi sócio da Medeiros e Rocha LTDA, empresa responsável pelo SIGUS. O MPRN ainda apura o suposto envolvimento do deputado estadual Manoel Cunha Neto, conhecido por Souza. Ele é investigado pela prática de peculato eletrônico, falsidade ideológica e corrupção passiva. Outras pessoas também estão sendo investigadas pelo MPRN.

Veja o caso AQUI em matéria completa no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. isso tudo não vai da em nada, caso haja algum problema , é so recorrer ao STF ai estar tudo resolvido isso é coisa tola

  2. Se fura fila de procedimento e marcação de operações, imagina de vacinas. É por isso que a vacinação está atrasada por faixa etária. Está na hora do MP identificar esses furas filas e cobrar 20 mil reais por cada dose de vacina tomada mediante fraude. Vale até pagar uma empresa por produtividade, pagando um percentual de 20% da arrecadação das indenizações. A sociedade agradeceria imensamente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Vereador na região metropolitana de João Pessoa, na PB, quer instituir o “Dia do Corno” em município: “todos nós somos”

(Foto: Reprodução/Vídeo

Um projeto inusitado foi apresentado na Câmara Municipal de Santa Rita pelo vereador tucano Luciano Serrano, mais conhecido por Nininho do Bode, que quer instituir no município o “Dia do Corno”.

O Projeto de Lei de 066/2022 apresentado pelo vereador que institui o “Dia do Corno” como símbolo folclórico no município já foi enviado para a Comissão de Constituição e Justiça da Casa para ser apreciado.

A Câmara de Santa Rita tem 19 vereadores e Nininho do Bode espera contar com a aprovação dos pares ao seu projeto de lei. O vereador está no primeiro mandato e foi eleito em 2020 com 656 votos.

Santa Rita fica localizada na região metropolitana de João Pessoa e possui 133.927 habitantes, sendo o terceiro maior colégio eleitoral do Estado com 92.936 eleitores e como tantos outros tem grandes problemas estruturais de saúde, educação e moradia.

Entrevista

O vereador Nininho do Bode comentou, em entrevista ao comunicador Ben-Hur Pedro nessa quarta-feira (26), disse que se não fosse legal a apresentação do tema, ele não teria apresentado o projeto. “Se não fosse legal, a gente não apresentava.”

Questionado se é corno, Nininho do Bode não se esquivou. “Todos nós somos.”

Com Paraíba Online e Click PB

Fontes:

https://www.clickpb.com.br/politica/vereador-que-propos-o-dia-do-corno-em-santa-rita-diz-que-projeto-e-legal-e-se-declara-incluido-no-grupo-todos-nos-somos-307484.html

 

Opinião dos leitores

  1. Reforma política urgente.
    Diminuir as vagas no Congresso, nas Assembléias legislativas, câmaras municipais, redução dos números de municípios urgente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PT afasta vereador de Minas que abriu caixão lacrado de idoso que morreu com suspeita de Covid-19

Foto: Reprodução/G1

O Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu afastar o vereador de Santa Bárbara do Leste (MG) investigado por ter quebrado o protocolo sanitário de prevenção à Covid-19. Wlliam Faria aparece em um vídeo abrindo o caixão de um idoso, de 92 anos, para mostrar que ele não teria morrido pela doença.

Em nota, a direção executiva do PT de Minas Gerais informou que o vereador foi afastado imediatamente e responderá no Conselho de Ética do partido em um processo que poderá “culminar com a sua expulsão”. (Confira a nota na íntegra mais abaixo)

“Num dos momentos mais delicados vividos por toda a população mineira e brasileira em função da pandemia do novo coronavírus, a atitude do vereador representa uma ação violenta e desnecessária, além de ser uma grave ameaça à segurança sanitária”, diz a nota.

Procurado pelo G1, o vereador Wlliam Faria disse que ainda não foi informado sobre a decisão do partido e só vai se pronunciar após ser comunicado do afastamento.

Entenda o caso

O vereador foi chamado no cemitério por familiares que questionavam o protocolo e queriam velar o idoso. Ele abriu o caixão, que estava lacrado, com um facão e tocou na sacola que envolvia o corpo do idoso, quebrando todos os protocolos sanitários de prevenção à Covid-19.

Segundo o Hospital Irmã Denise (Casu), José Vieira do Carmo morreu com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e com sintomas de Covid-19.

De acordo com a família do idoso, ele fez o teste rápido e deu negativo. O homem fez um segundo teste PCR, que ainda não saiu o resultado. Por ser diagnosticado com suspeita de Covid-19, o corpo do idoso foi levado para a funerária e depois encaminhado ao cemitério.

“Nós não podemos enterrar um cidadão com dúvida. Não é simplesmente pegar um cidadão e empacotar ele e falar que é Covid. A gente tem que ter certeza do que está fazendo”, afirmou o vereador em entrevista ao MG1 nesta segunda-feira (26).

A Polícia Civil informou que foi instaurado um inquérito e o parlamentar está sendo investigado por crime de infração de medida sanitária preventiva e por violação de urna funerária. O presidente da Câmara de Santa Bárbara do Leste disse que a conduta do vereador também será apurada por uma Comissão Parlamentar de Inquérito.

Confira na íntegra a nota divulgada pelo PT

A direção executiva do PT de Minas Gerais decidiu afastar imediatamente o vereador William Faria, de Santa Bárbara do Leste, em razão do lamentável fato ocorrido no último domingo (24/5), quando o parlamentar violou um caixão lacrado durante o funeral de um homem que faleceu com suspeita de Covid-19. O procedimento de lacre é uma determinação sanitária do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado de Saúde.

Num dos momentos mais delicados vividos por toda a população mineira e brasileira em função da pandemia do novo coronavírus, a atitude do vereador representa uma ação violenta e desnecessária, além de ser uma grave ameaça à segurança sanitária.

Após o afastamento, o vereador responderá no Conselho de Ética do PT-MG, como determina o estatuto partidário, em um processo que poderá culminar com a sua expulsão.

G1

Opinião dos leitores

  1. kkkkk foi porque ele não fez a coisa certa, era para ter roubado o caixão primeiro ai depois que poderia abrir, isso é norma do PT.

  2. lula fez pior ainda…. dizendo que esse virusss foi uma benção para derrubar BOLSoNARo e nada foi feito. Como acreditar nesse partido???

  3. Não há dúvidas que o Grande vereador foi inconsequente, mais abrir procedimento !!! Para que? Quais são as penalidades previstas? Nesse partido, tantos já roubaram, mentiram, vandalizaram e nada ocorreu, sinceramente, como é difícil ser pequeno, mesmo no PT.

  4. Roubar dinheiro público pode né pt. Desvio de dinheiro, superfaturamento nas dispensa de licitação e omissão na contrução de hospital de campanha e uti pode também

  5. Os moradores dessa cidade tem que afastar esse IDIOTA de vez de lá! O retardado fica falando em respeitar o morto quando ele mesmo vai abrindo o caixão ! Um jumento desses queria o que fazendo isso? Exumar o defunto na frente de todos para descobrir o motivo da morte é isso?

    1. errou quem desviou o dinheiro que veio do Governo Federal para combater o COVID; ou fez compras superfaturadas ou comprou aparelhos danificados, que nunca funcionaram.

  6. O mais curioso nesse caso, é que essa atitude insana desse petista é muito semelhante ao comportamento de alguns bolsonaristas. Esse é o resultado de tanta loucura e fanatismo, dos dois lados.
    Seria cômico se não fosse trágico.

    1. O vereador é do PT. Acho até que ele errou de partido. Rsrsrs

    2. O que Bolsonaro tem com isso? Procure sua turma do PT e vá abraçar seu líder condenado

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Vereador do PT abre caixão com facão para provar que homem não morreu de COVID-19

(Foto: Reprodução redes sociais)

O vereador William Faria (PT), de Santa Bárbara do Leste, em Minas Gerais, chocou os moradores de sua cidade nesse domingo (25/4), quando usou um facão para abrir um caixão lacrado, com o corpo de um homem de 92 anos, que morreu depois de apresentar os sintomas da COVID-19. O vereador alega que o homem não morreu por COVID-19 e sim por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

O lacre no caixão revoltou o vereador, que contestou o procedimento adotado pela Prefeitura de Santa Bárbara do Leste, alegando que o idoso merecia um funeral digno, e não ser sepultado envolvido em plásticos.

O rompimento do lacre do caixão foi filmado e o vídeo postado nas redes sociais do vereador. O vídeo ganhou muitos compartilhamentos e foi visto por policiais civis, que agora estão investigando o vereador por crime de Infração de Medida Sanitária Preventiva (Art. 268 do Código Penal).

De acordo com a Polícia Civil, o fato de o atestado de óbito atribuir a causa da morte à síndrome respiratória e não por COVID-19, se deve à espera do resultado do exame RT-PCR, que vai determinar se a COVID-19 foi a causadora da SRAG.

O procedimento adotado para lacrar o caixão foi correto, de acordo com a Polícia Civil, porque o homem apresentava os sintomas clássicos da COVID-19 e, neste caso, o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde determinam o procedimento.

A Prefeitura de Santa Bárbara do Leste lamentou e informou que o fato é de total responsabilidade do vereador. “Ele chamou ao cemitério uma representante da Vigilância Sanitária que ficou sem ação diante do fato, pois, quando chegou ao local, o caixão já havia sido aberto. E, por pressão do vereador, a funcionária ficou sem ação e concordou com ele com relação ao enterro. Porém, a definição de protocolos referentes a funerais cabe ao estado e não ao município”, informou a prefeitura, em nota.

O presidente da Câmara Municipal de Santa Bárbara do Leste, Altair Nunes Ferreira (MDB), também lamentou o fato e disse que o vereador William Faria será ouvido por uma Comissão Parlamentar de Inquérito. “Tão logo esse processo seja instaurado, daremos mais informações sobre esse lamentável evento.”

O vereador William Faria, em suas redes sociais, disse que lamentava a posição do presidente da Câmara e disse que sua função é fiscalizar, estar ao lado do povo, e reafirmou que o homem cujo corpo estava no caixão que ele abriu, não morreu vítima da COVID-19.

Estado de Minas

Opinião dos leitores

  1. Não vejo problema em o corpo ser enterrado lacrado. Pois no caso acima, o senhor faleceu por causa de uma síndrome respiratória aguda, e ainda não saiu o resultado do exame de RT PCR para covid de acordo com a própria polícia civil. Então esse vereador se precipitou, e caso o resultado positive futuramente , ele terá colocado outras pessoas em risco ao violar o lacre do caixão.

  2. Se o Sr. Morreu com SRAG, que pode ter sido provocada pela COVID , os protocolos são claros. Se fez os testes, porém a famikia qiet sepultar antes dos resultados saírem, então tem que se seguir a regra, na dúvida, se usa a regra . O vetrafir errou feio ao se meter onde não devia, ora, isso não é fiscalização de ação, não é pra isso que ele é pago, nem tem conhecimento científico para tal.

  3. Diz a esse vereador prá aguardar um pouco. O presidente vai escolher seu novo partido e talvez de certo pra ele. Se quer defender o povo, não pode ficar no PT. Kkkkkkk

  4. Depois ninguém sabe o porquê o Brasil eh o que eh… Temos ruminantes dos dois lados! Tenho pena do Brasil e do brasileiro se em 2022 só tivermos realmente essas duas opções pra presidente: Lulaladrao e o MINTOmaníaco!

    1. Interessante vcs dizem ser repórter ou do tipo.msis sem cabeça… O Lula era ladrão era o cara…. O outro vcs dizem ser maníaco um remando pra
      frente vc e outros remando.como tem hipócritas nesse país.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Vereador de Parnamirim acusado de chefiar esquema tinha senha do sistema e empregou até a mãe como “fantasma”

Promotores de Justiça responsáveis pela operação Fura-fila, deflagrada na manhã desta terça-feira(20) em 10 cidades do Rio Grande do Norte e São Paulo, informaram em coletiva de imprensa, que o vereador de Parnamirim Diogo Rodrigues da Silva (PSD), suspeito de chefiar um esquema de corrupção que fraudava o sistema de regulação de exames e consultas pelo Sistema Único de Saúde, empregava parentes como servidores fantasmas em municípios e recolhia os salários assim que o dinheiro caía na conta. Na ocasião, citaram a mãe e uma concunhada de Diogo como familiares dele usados no esquema.

Segundo os promotores, o parlamentar chegou a receber a senha do sistema SIGUS e tinha total autonomia para incluir quem desejasse e no lugar da fila que escolhesse. “A mãe conseguiu cargos e uma concunhada também, esses eram os familiares mais próximos. E não trabalhavam. Identificou-se que assim que o dinheiro caía o Diogo já sacava os valores”, disse o promotor Sergio Gouveia.

Participaram da coletiva os promotores de Justiça Fausto França, Rafael Galvão, Kalina Filgueira, Luciana Maciel e Sérgio Gouveia.

Veja mais: Operação do MPRN desmonta esquema de fura-fila do SUS; deputado é investigado, vereador é preso e secretários de Saúde são afastados

Opinião dos leitores

  1. Lamentável o fato, pois a população é sempre a prejudicada, mas não fica por aí certamente, a análise de aparelhos celulares e planilhas vai chegar em mais pessoas, creio.

  2. Aí é só no início, quando as investigações se aprofundarem mais, é hora de assar a massa e comer a pizza. Não vai dar em nada

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Vereador em Caicó participa de aglomeração em carreata do título do Flamengo

O vereador em Caicó, Diogo Silva(PROS), participou de uma carreata do título brasileiro do Flamengo na noite dessa quinta-feira(26), e deixou a população local revoltada.

Diogo Silva, além de cobrado pela participação da aglomeração, participou da carreata enquanto o município acompanha com preocupação a internação de seu colega de Câmara, Zé Filho, que está entubado.

Veja vídeo cedido abaixo:

Opinião dos leitores

  1. É essa a postura de nossos políticos. Se acham deuses, mas no final das contas são mais diabos que a gente. Cobrar é fácil, quero ver dar o exemplo. Agora o dindin dele está na conta todo mês além dos benefícios e mamatas que a classe política tem. Pode dar lock-down q essa thurma não está nem aí, eles acham é bom mesmo.

  2. Que exemplo! O povo também da uma contribuição maior que ele e depois fica reclamando da classe política que não consegue assistir os doentes . Quem aglomera é para arcar com todo o tratamento e ainda pagar uma boa multa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Meu papel é fazer certo sem esperar que dê certo, diz vereador que pede ao STF prisão de Ciro e Freixo

Foto: Reprodução/Instagram

O vereador de Belo Horizonte Nikolas Ferreira (PRTB), 25, pede ao STF (Supremo Tribunal Federal) que mande prender o ex-governador Ciro Gomes (PDT) e o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) baseado no mesmo entendimento que levou à detenção do parlamentar Daniel Silveira (PSL-RJ).

A solicitação foi feita por uma notícia-crime enviada à corte por Ferreira. Na ação, o vereador também pede a prisão do artista Marcello Tamaro Yamaguchi, que publicou uma foto em sua rede social posando com uma réplica da cabeça do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

No caso do candidato à Presidência em 2018, Ferreira se baseia em vídeo no qual o pedetista diz que “se ele [Bolsonaro] tentar um golpe nós daremos a ele o destino que teve Mussolini. Eu, Ciro Gomes, assumo, como palavra de honra, que estarei na luta de um ou de dez ou de mil para dar a ele o destino de Mussolini”. Sobre Freixo, o mineiro cita tuítes em que o psolista diz “BOLSONARO GENOCIDA” e “É impeachment ou morte”.

“Isso é obviamente atenta contra a vida econtra a instituição que é o governo federal”, afirma o vereador à coluna.

“Na semana passada, o STF edimentou o entendimento de que todo aquele que ofender a Lei de Segurança Nacional deve ser enquadrado criminalmente”, diz ele sobre o caso de Silveira. “Por isonomia, pedi que isso fosse extendido ao Ciro e ao Freixo”, afirma o vereador.

“O meu papel é fazer certo sem esperar que dê certo. Como cidadão e fiscalizador, é esperar que a suprema corte pregue pela isonomia, pela ampla justiça. Eu não fiz nada além de pedir a isonomia”, segue.

Ele avalia que o ministro Alexandre de Moraes, autor da decisão que prendeu Silveira, “usurpa a competência dele como ministro em um inquérito inconstitucional, onde ele [Moraes] propõe, é a vítima e ele mesmo julga”.

Ferreira diz conhecer Silveira, mas afirma que não “coaduna com as palavras dele”, referindo-se aos ataques do deputado que à corte que o levaram à cadeia.

“Acredito que [as falas do deputado] foram excessivas. O próprio parlamentar compreendeu isso. Mas ele está resgaurdado pela imunidade. Tem imunidade parlamentar. Mesmo que eu discorde da opinião de um parlamentar de esquerda, não posso prender, ainda mais se estão de acordo com a Constituição de poder se manifestar”, diz Ferreira.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. É o estilo bolsonarista. Assim como o Carluxo, nota-se o quão importante é esse mandato para o município que o elegeu. Tal qual o Dudu Bananinha que é deputado por São Paulo sem sequer morar lá.

  2. Eu sendo o Min Alexandre, decretaria a prisão desse auxiliar de vereador, pra ele deixar de encher o saco.

    1. Esse cabra passa o dia todo usando eesse espaço de comentários pra falar bosta. Será que trabalha ? Ainda tem coragem de dizer : " se eu fosse o Ministro….." .
      Vai trabalhar homi..

  3. A mequetrefe da deputada petista potiguar, ja ta careca de postar Bolsonaro genocida no Instagram dela, deveriam denuncia-la tb

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil prende suspeito de latrocínio contra motorista de aplicativo e ex-candidato a vereador em Mossoró

Policiais civis da Delegacia de Homicídios de Mossoró (DHM), em conjunto com a Delegacia Especializada em Narcóticos (DENARC) e a Coordenadoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Ceará – COTAM-PM/CE, prenderam, nesta terça-feira (02), Antônio Lucas Lobo Maia. Ele foi detido na cidade de Fortaleza, no Estado do Ceará.

Antônio Lucas é apontado como o terceiro suspeito de envolvimento no crime de latrocínio que vitimou o motorista de aplicativo e ex-candidato a vereador Carlos Reginaldo Holanda Nogueira Júnior, conhecido como “Espanta”. O crime aconteceu em 21 de janeiro, em Mossoró.

As investigações indicaram que Antônio Lucas estaria escondido na casa de sua namorada. As equipes então se deslocaram ao endereço e constataram a veracidade da informação. Inicialmente, os policiais encontraram a namorada de Antônio Lucas e, após desdobramentos, foi possível localizar o suspeito na cidade de Fortaleza.

Antônio Lucas foi preso e conduzido à cidade de Mossoró, onde foi ouvido pelo delegado. Em seguida foi encaminhado ao sistema prisional e ficará à disposição da Justiça. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima por meio do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

TSE autoriza Lindbergh Farias a assumir cargo de vereador no Rio

Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deferiu nesta quinta-feira (17), por 6 votos a 1, o registro de candidatura a Lindbergh Farias (PT), nono vereador mais votado na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, com 24.912 votos.

Ele aguardava decisão da Corte para saber se irá ocupar a cadeira no Palácio Pedro Ernesto pelos próximos quatro anos.

Lindbergh teve a candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) em razão de uma condenação por improbidade administrativa, quando era prefeito de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

A Justiça condenou o ex-senador Lindbergh Farias por improbidade administrativa, além de multa, por fraude em licitação. A defesa recorreu ao TSE.

O relator do recurso, ministro Luís Felipe Salomão, afirmou que não houve enriquecimento ilícito.

“A verba pública foi empregada para a realização de propaganda institucional, ainda que tenha sido desvirtuada”, disse. Salomão afirmou que nenhum trecho da condenação conclui que o político ficou com parte dos recursos de publicidade.

Segundo o ministro, o TSE firmou entendimento de que a promoção pessoal na publicidade institucional não configura, necessariamente, enriquecimento ilícito.

“Não se vislumbrando enriquecimento ilícito, incabível falar na incidência da inelegibilidade”, concluiu.

O voto foi acompanhado pelos ministros Mauro Campbell, Tarcísio Vieira de Carvalho, Sérgio Banhos, Alexandre de Moraes, Marco Aurélio.

“A ideologia subjacente da Ficha Limpa não é pegar todas as pessoas que cometam ilegalidades, nem todas as pessoas que cometam improbidades, mas apenas tornar inelegíveis aqueles que cometam improbidades qualificadas, atentatórias ao exercício legítimo de um cargo público. O recorrente errou, a meu ver, errou feio, mas não incidiu”, afirmou o ministro Tarcísio Vieira.

O ministro Alexandre de Moraes afirmou que não houve comprovação de dano efetivo. “O ato foi ilícito, foi improbidade, só que aquele ato que não exige nem dano, muito menos enriquecimento”, disse.

Apenas o ministro Edson Fachin divergiu e votou no sentido de barrar a candidatura de Lindbergh.

O ministro argumentou que não é necessário comprovar o enriquecimento ilícito juntamente com a lesão aos cofres públicos para que haja a inelegibilidade.

Segundo Fachin, a lesão ao erário foi reconhecida, embora não tenha sido primordialmente patrimonial. “Entendo presente no voto do TRE o reconhecimento da lesividade”, afirmou o ministro.

G1

Opinião dos leitores

  1. Esse idiota do Lindenberg é uma comunista safado, que finge defender os pobres, mas está defendendo é o seu dinheiro, roubado pelo PT.

  2. Ele quer dizer que é um LADRÃO MAIS OU MENOS . Não é um legítimo LASDRÃO. OU BRASIL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!.

    1. Verdade… chegaram ao cúmulo de elegeram o "mico" e seus milicianos da rachadinha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil prende vereador de Serrinha dos Pintos, no interior potiguar

Policiais civis da Delegacia Municipal de Pau dos Ferros prenderam em flagrante, nessa terça-feira (17), José Silva de Oliveira Júnior, 28 anos, vereador no município de Serrinha dos Pintos. A prisão foi decorrente do descumprindo das Medidas Protetivas de Urgência (MPU), solicitadas pela vítima na segunda-feira (16). As medidas protetivas foram concedidas após o suspeito ter agredido a vítima e ter promovido uma série de ameaças contra ela.

José Silva, mais conhecido como “Júnior de José de Galú”, foi preso no município de Serrinha dos Pintos. Segundo as investigações, praticamente no momento que em teve ciência das medidas deferidas, o suspeito enviou uma mensagem ameaçando a vítima, que, de imediato, informou o fato à Polícia Civil, que deflagrou diligências até realizar a prisão em flagrante delito de José Silva.

Após o término da lavratura do auto de prisão, ele foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória de Pau dos Ferros, onde ficará à disposição da Justiça. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

‘Teremos um representante legítimo’, diz Tércio Tinôco, primeiro vereador cadeirante eleito em Natal

Foto: Divulgação

O administrador de empresas Tércio Tinôco (PP) foi eleito vereador de Natal no pleito eleitoral deste domingo (15) e vai se tornar o primeiro cadeirante no cargo na capital potiguar.

Ele conquistou 3.101 votos e vai ocupar uma das 29 vagas na Câmara Municipal a partir de 2021, sendo um dos 14 novos nomes para a próxima legislatura.

Aos 33 anos, Tércio Tinôco, que é presidente da Sociedade Amigos do Deficiente Físico (Sadef) desde 2016, diz que decidiu entrar na vida pública para atuar em favor das pessoas com deficiência, buscando uma cidade com mais inclusão. Confira AQUI reportagem do G1-RN.

Opinião dos leitores

  1. Pena, outras pessoas mereciam ocupar essa vaga, ele não será um representante legítimo. Disso tenho certeza.
    Mas enfim, não será a primeira e nem a última vez que o povo vota errado…se bem que não foi o povo. Foi a burguesia que colocou ele aí.

  2. Parabéns ao vereador eleito! A vereadora Maria Queiroz Baia foi precursora na representatividade das pessoas com deficiência na Câmara de Vereadores de Natal, assumindo o cargo no final da década de 70.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VAI SOBRAR PRA QUEM? TSE elege 12 em Extremoz-RN, em pleito com 11 cadeiras na Câmara

A Câmara de Vereadores de Extremoz teve seus representantes escolhidos para os próximos quatro anos na eleição deste domingo. Contudo, o Tribunal Superior Eleitoral(TSE) precisa resolver uma questão. São 11 cadeiras na Câmara Municipal, enquanto no resultado oficial são listados 12. Para quem vai sobrar da lista abaixo?

Foto: Reprodução/TSE(PARA CONFERIR NA ÍNTEGRA CLIQUE AQUI)

 

Opinião dos leitores

  1. É uma pergunta difícil.
    Antigamente quem tinha menos voto sobrava. Hoje com cotas, quociente, impugnações e ações judiciais, vai sobrar pro mais fraco.

  2. Bota 11 cadeiras em círculo. Toca uma música e corta bruscamente, aí todos correm pra se sentar. Que não conseguiur sai.

  3. Vai sobrar para o contribuinte que tem que sustentar essa casta de políticos e seus privilégios.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Wolney França é o vereador mais votado em Parnamirim

As eleições em Parnamirim trouxeram algumas novidades na eleição para a Câmara Municipal, entre nomes conhecidos que não se elegeram e novos nomes que chegam para fazer as leis e fiscalizar a gestão do município. Uma dessas boas novidades é Wolney França, que obteve 2830 votos e se consagrou como o mais votado para o legislativo municipal. Wolney França é advogado e especialista em gestão pública, foi Diretor do Procon/Câmara e Diretor Geral da Câmara Municipal de Parnamirim, secretário municipal de administração e chefe de gabinete do Prefeito Taveira.

Wolney tem tudo pra fazer um excelente mandato em Parnamirim.

Opinião dos leitores

  1. Wolney meus parabéns pela sua Vitória que é nossa também. Que Deus abençoe você em sua trajetória política e que este mandato seja o primeiro de uma sequência. Continue sendo a pessoa que você é, digno, honrado e competente. Fique com Deus

  2. WOLNEY É A PRÁTICA DA GESTÃO PÚBLICA NO DIA A DIA. SOMOS GESTORES PÚBLICOS POR FORMAÇÃO SUPERIOR. VEMOS A DINÂMICA DA ADM. PÚBLICA COM OUTROS OLHOS.

  3. Este tem compromisso com Parnamirim e conhece a cidade.
    Colocação merecidíssima.
    parabéns!!

  4. Parabéns, Wolney França.
    Muito grata de te conhecer.
    E descobri o amir de pessoa que és.
    veriador do povo.

  5. FALAR DE WOLNEY FRANÇA E FÁCIL UM HOMEM DE CARÁTER, HUMILDE, HONESTO QUE VAI TRABALHAR PARA NOSSA PARNAMIRIM!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VEREADOR: Cidades do RN e PI têm 9 vagas e só 10 candidatos, destaca reportagem nacional

Foto: Aparecido Gonçalves/G1

A eleição mais concorrida para vereador neste ano será em Nova Iguaçu (RJ), que tem uma relação de 40,7 candidatos por vaga. Já as menos disputadas serão em Curral Novo do Piauí (PI) e em Viçosa (RN), com apenas 1,1 candidato para cada vaga.

Ao todo, serão 501.799 candidatos a vereador disputando 58.208 vagas. É uma relação de 8,6 candidatos por vaga. O levantamento considera apenas os concorrentes considerados aptos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A quantidade não significa democratização, segundo o cientista político Vitor Peixoto. “As eleições proporcionais são como as maratonas de rua. Uma multidão de corredores amadores e uma pequena elite do esporte. Quando olhamos a São Silvestre, parece que todos estão ali com possibilidade de correr, mas somente uma elite muito reduzida chegará ao final.”

Em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, serão 448 candidatos para 11 vagas na Câmara Municipal.

A Região Metropolitana do Rio tem 4 das 10 eleições mais disputadas para vereador. Completam a lista: São Gonçalo, com 39,4 candidatos por vaga; Japeri, com 35; e a capital, com 34,1.

Menos concorridas

Já Piauí, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul dominam a lista das 10 eleições menos concorridas. Cada estado tem três cidades na lista.

Em Curral Novo do Piauí (PI) e em Viçosa (RN), a corrida eleitoral terá a inusitada situação em que apenas um candidato sairá perdedor. Isso porque serão 10 concorrentes para 9 vagas.

Pequenas são maioria

A maior parte das Câmaras municipais tem o número mínimo de vereadores: 9. Isso porque as vagas são limitadas pelo tamanho da população e a maioria dos municípios brasileiros tem entre 10 mil e 20 mil habitantes.

‘Falsa democratização’

O grande número e a variedade de candidatos não significa maior democratização das eleições, afirma o professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Vitor Peixoto. Isso porque os recursos de campanha e os votos continuam muito concentrados, explica o cientista político.

“A enorme desigualdade econômica da sociedade brasileira é reproduzida na arena eleitoral. Muitos candidatos com poucos votos e uma elite que realmente disputa as vagas”, afirma o especialista.

“Existe uma falsa ideia de democratização na disputa para vereador por ser muito inclusiva e ter muitos participantes de diversas clivagens sociais (classe, gênero, cor, religião, regiões, torcidas de futebol etc.), mas esconde o lado extremamente concentrado das disputas”, explica. “80% a 90% dos candidatos não conseguirão ultrapassar a barreira individual dos 10% do quociente eleitoral pra assumir uma vaga. Ou seja, serão subcompetitivos.”

De acordo com Vitor Peixoto, o grande número de candidatos é até prejudicial para o eleitor, pois aumenta o custo para obter informação sobre cada um. Além disso, como os partidos têm listas de candidatos muito grandes, o voto pode ir para um candidato que não é do interesse do eleitor.

“O número é muito excessivo. A longo prazo, acho que isso (a redução) vai ocorrer, com a diminuição dos partidos, a partir do fim da coligação eleitoral. A tendência é afunilar, para a gente ter capacidade cognitiva para tomar a decisão diante de tantos candidatos. A gente não sabe quais são todos os candidatos que estão na lista dos partidos.”

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *