Peritos veem possibilidade de curto-circuito em ar-condicionado de alojamento no CT do Flamengo

Estrutura destruída pelo fogo no CT do Flamengo — Foto: Ricardo Moraes/Reuters

Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli, que estão no alojamento do Centro de Treinamento do Flamengo que pegou fogo no fim da madrugada desta sexta-feira (8) dizem que foi identificado um curto-circuito no ar-condicionado, segundo informações do comentarista de segurança do RJ1, Fernando Veloso. Dez jogadores das categorias de base morreram no incêndio.

A perícia ainda está em andamento e não há uma avaliação final das causas da tragédia. Ao todo, 10 pessoas morreram e outros três atletas ficaram feridos, um deles em estado grave.

A Prefeitura do Rio afirmou que o dormitório que pegou fogo no Ninho do Urubu não tem licença municipal. “A área de alojamento atingida pelo incêndio não consta do último projeto aprovado pela área de licenciamento, no dia 5 de abril de 2018, como edificada”, diz em nota. “No projeto protocolado, a área está descrita como um estacionamento”, frisa a prefeitura.

O município informou que a atual licença do CT tem validade até 8 de março deste ano e que “não há registros de novo pedido de licenciamento da área para uso como dormitórios”.

“Por determinação da legislação em vigor, a coordenação de licenciamento informa que só há inspeção neste tipo de edificação em casos de denúncia”, acrescenta. A Prefeitura vai determinar a abertura de um processo de investigação para apurar as responsabilidades.

Resumo

O incêndio no Ninho do Urubu começou às 5h17 em um dos contêineres adaptados como dormitórios. O fogo foi debelado às 6h30;

Três jovens saíram feridos, e um deles está em estado grave, com queimaduras;

Dez pessoas morreram;

Nove dos mortos já foram identificados: são atletas da base do Flamengo;

O presidente Rodolfo Landim disse tratar-se da pior tragédia da história do clube;

O governador Wilson Witzel e o prefeito Marcelo Crivella decretaram luto oficial de três dias.

Samuel, um dos atletas do Flamengo que sobreviveram, disse que havia muito fogo no local onde as vítimas estavam.

“A maioria não conseguiu porque a quantidade de fogo era muita. E aconteceu que o ar condicionado pegou fogo, daí foi gerando um curto-circuito em todos os ares-condicionados. Foi pegando em tudo. E foi muito rápido. Não deu pra conseguir chamar quase ninguém”, contou Samuel.

Sem documentação definitiva

Segundo a assessoria do Corpo de Bombeiros o CT, conhecido como Ninho do Urubu, ainda não possuía documentação definitiva dos bombeiros. De acordo com a assessoria de comunicação da corporação, o local está em processo de regularização de documentos junto ao órgão, o que significa que ainda não possui o Certificado de Aprovação (CA).

O certificado de aprovação atesta a existência e o funcionamento dos dispositivos contra incêndio previstos pela legislação vigente. A documentação não tem relação com o alvará de funcionamento (estabelecimentos comerciais) ou habite-se (imóveis residenciais), documentos que são emitidos pela prefeitura.

Em nota, o Corpo de Bombeiros informou que “a não existência do CA não significa, por si só, que o local não possuía os dispositivos, e sim que não era aprovado pelo Cbmerj”.

A Coordenação de Licenciamento da Prefeitura informou que o local tem licença para funcionar até o dia 8 de março deste ano, mas reforçou que no documento consta que o local onde ocorreu a tragédia seria um estacionamento, que não havia previsão de área edificada e não havia pedidos para construção de dormitórios.

‘Portas não estavam trancadas’, diz perícia

A perícia feita no local após o incêndio indicou que as portas não estavam trancadas no momento do incêndio e que as fechaduras foram encontradas abertas.

Uma força-tarefa foi montada no Instituto Médico Legal (IML) do Rio para a identificação dos corpos, já que todos estão carbonizados.

As chamas atingiram as instalações onde dormiam jogadores entre 14 e 17 anos, a maioria que não residia no Rio. Os bombeiros chegaram a dizer que todos eram adolescentes, mas não há informações oficiais.

Às 9h50, a polícia chegou ao Ninho do Urubu para fazer a perícia. Um inquérito foi instaurado na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) para apurar as causas do desastre.

G1

 

Curto Circuito: MPRN cumpre mandados em Parnamirim na manhã desta sexta e servidor é afastado

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) cumpriu mandados de busca e apreensão em Parnamirim na manhã desta sexta-feira (15), dando seguimento às investigações da operação Curto Circuito, deflagrada na última segunda (11). Um servidor municipal foi afastado do cargo e as duas prisões temporárias do ex-secretário municipal de Obras Públicas, Naur Ferreira, e do filho dele, o empresário Ruan Ferreira de Souza e Silva, foram prorrogadas por mais cinco dias. A decisão judicial que autorizou as ações desta sexta estão sob segredo de Justiça.

Os mandados foram cumpridos na casa do servidor afastado e na sede da Prefeitura. A operação Curto Circuito apura os crimes de formação de cartel, fraude em licitações, corrupção ativa e passiva, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro em Parnamirim, na Grande Natal. As Polícias Militar e Civil, através do Núcleo Especial de Investigações Criminais (Neic), participaram da operação.

A ação é mais um desdobramento da operação Cidade Luz, deflagrada no dia 24 de julho de 2017 pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Natal. A operação investiga licitações relativas a um contrato para manutenção da iluminação pública que foi prorrogado por 8 vezes e outra voltada para a expansão de obras de iluminação pública da cidade. As duas licitações investigadas tiveram a empresa Enertec Construções e Serviços Ltda. como vencedora.

O esquema de cartel e fraude licitatória desvelado em Natal também foi descoberto em Caicó, onde a 3ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público deflagrou a operação Blackout, no início de agosto de 2017. O objetivo foi aprofundar as investigações sobre contrato superfaturado de iluminação pública da Prefeitura de Caicó.

Já em novembro de 2017, o MPRN deflagrou a operação Alta Voltagem, que investiga o contrato de iluminação pública celebrado entre a Prefeitura de Macaíba e a empresa Enertec Construções e Serviços Ltda.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rayan Alves disse:

    Atenção MP quando vai terminar as investigações da operação alta voltagem no município de Macaíba? Ou vai ficar por isso mesmo? quero ver os resultados…. Quero ver todos os culpados presos…

  2. Jorge disse:

    Arrocha o nó. Esse mês de sao João é o melhor que tem para desbaratar as quadrilhas, pois todos estão sendo homenageados.

  3. Carlos Maia disse:

    !

Curto Circuito: MPRN obtém sequestro de R$ 1,5 milhão de suspeitos de fraudes

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) obteve na Justiça o sequestro de R$ 1.524.382,49 em bens móveis e imóveis de pessoas e empresas suspeitas de envolvimento com fraudes em contratos de iluminação pública em Parnamirim. Nessa segunda-feira (11), o MPRN deflagrou a operação Curto Circuito, que apura os crimes de formação de cartel, fraude em licitações, corrupção ativa e passiva, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro na cidade da Grande Natal. O valor sequestrado deve ser usado para ressarcimento dos danos ao erário municipal.

A operação Curto Circuito cumpriu seis mandados de prisão e outros 20 de busca e apreensão. Os mandados foram cumpridos nas residências e nos locais de trabalho em Parnamirim e no Recife, capital de Pernambuco.

Foram presos preventivamente Maurício Ricardo de Moraes Guerra, sócio-administrador da empresa Enertec Construções e Serviços Ltda.; Gaspar de Lemos Alcântara, secretário municipal adjunto de Serviços Urbanos de Parnamirim; e Ilton Geraldo Bezerra de Oliveira e George Kennedy Araújo de Medeiros, respectivamente engenheiro e funcionário da Enertec. O ex-secretário de Obras Públicas de Parnamirim Naur Ferreira da Silva e o filho dele, o empresário Ruan Ferreira de Souza e Silva, foram presos temporariamente por 5 dias.

Além das prisões, a Justiça potiguar determinou o sequestro de bens de quatro das pessoas presas, de duas empresas e ainda da mulher de um dos presos, que é funcionária da Prefeitura de Parnamirim. Tiveram os bens sequestrados: Maurício Ricardo de Moraes Guerra; Gaspar de Lemos Alcântara; Naur Ferreira da Silva, o filho dele, o empresário Ruan Ferreira de Souza e Silva, e a mulher dele, Karina Figueiredo Medeiros. A decisão também se estende às empresas Enertec Construções e Serviços Ltda. e Ferragens Souza Ltda. ME.

Para conseguir o valor sequestrado, a Justiça determinou o bloqueio de valores existentes em instituições financeiras do país titularizados pelos suspeitos; o cadastramento da ordem de sequestro na Central Nacional de Indisponibilidade de Bens (CENIB) para constrição dos imóveis registrados em nome deles; o cadastramento de ordem de sequestro com o registro da constrição judicial dos veículos registrados em nome deles; e ainda a expedição de ofício à Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) e à Controladoria-Geral do Município de Parnamirim determinando a retenção de medições ainda não pagas em favor das empresas Enertec.

Outras operações

A operação Curto Circuito é a quarta fase da operação Cidade Luz. O esquema de cartel e fraude licitatória desvelado em Natal também foi descoberto em Caicó, onde a 3ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público deflagrou a operação Blackout, no início de agosto de 2017. O objetivo foi aprofundar as investigações sobre contrato superfaturado de iluminação pública da Prefeitura de Caicó.

Já em novembro de 2017, o MPRN deflagrou a operação Alta Voltagem, que investiga o contrato de iluminação pública celebrado entre a Prefeitura de Macaíba e a empresa Enertec Construções e Serviços Ltda.

Com informações do MPRN

 

Análise preliminar indica que incêndio em cafeteria no Midway foi acidental

Apesar de ainda não descartar qualquer hipótese para a causa do incêndio ocorrido em uma cafeteria, dentro do maior shopping de Natal, este sábado (4), as análises preliminares feitas pela equipe de perícia do ITEP no local indicam que o fogo foi provocado por um curto circuito acidental.

“Estive na cafeteria logo após os militares de Corpo de Bombeiros controlarem a situação. Aparentemente o que aconteceu foi um curto circuito na instalação elétrica, no 1º andar da loja. Ainda não existem indícios de que o incêndio tenha sido criminoso, mas solicitei aos proprietários do estabelecimento as plantas elétrica e arquitetônica para fazer um estudo mais conclusivo”, explicou o perito Luís Antônio.

O perito tem prazo de até 30 dias para encaminhar o laudo à autoridade policial que está apurando o caso.

FOTOS: Incêndio na praça de alimentação causa correria no shopping Midway

Veja VÍDEO do incêndio no shopping Midway

Curto circuito no 10º andar de prédio da Sesap assusta servidores

Na tarde desta sexta-feira (11), os servidores do prédio da Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), no bairro Cidade Alta, tomaram um grande susto. Tudo por conta de um curto circuito no prédio, especificamente, no quadro de luz da central de ar-condicionado, localizado no 10º andar.

Na ocasião, vários servidores deixaram o prédio. Após a informação do controle da situação, uma equipe de manutenção desligou a energia de quatro andares, de 13 existentes no prédio, e o serviço seguiu com normalidade em outros setores.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Hiago disse:

    O prédio é muito antigo, caindo aos pedaços e o governo ainda comprou o mesmo (recentemente). Não fazem uma manutenção nesse prédio. Lamentavel. Ai depois que acontece as tragédias ninguém sabe o motivo.