Ventiladores não são mais a primeira opção no tratamento de casos graves de coronavírus, diz pesquisa

Foto: Edilson Dantas

Para reduzir a mortalidade pela Covid-19, uma estratégia tem feito a diferença em UTIs. A velha e boa prática médica de qualidade, com recursos conhecidos, tem feito a diferença, afirmou ontem o pneumologista Carlos Alberto Barros Franco, um dos primeiros médicos do país a tratar a Covid-19.

— Dos primeiros casos no Brasil para cá, as coisas mudaram no que diz respeito ao procedimento com os pacientes graves. O tratamento mudou radicalmente e a sobrevivência aumentou. Ventiladores não são mais a primeira opção — disse Barros Franco, um dos pneumologistas mais respeitados do país, durante o simpósio “Covid-19 — Que doença é essa?”, organizado pela Academia Nacional de Medicina (ANM).

O evento, transmitido por plataformas digitais, reuniu alguns dos maiores especialistas do Brasil para avaliar o que se aprendeu e os desafios no combate à pandemia de coronavírus no país. O coordenador do simpósio, o hematologista e oncologista Daniel Tabak, destacou que a queda da mortalidade nas UTIs está relacionada ao melhor cuidado. Antes, os respiradores eram necessários, hoje pacientes recebem pronação (uma manobra para estimular a respiração) e fisioterapia e se recuperam melhor.

— O melhor tratamento não é um remédio. É a boa prática médica. Ventilação em prona, autoprona, oxigênio a baixo fluxo, fisioterapia, tudo isso tem sido usado. Hoje, a ventilação mecânica invasiva é o último recurso para tratar um paciente de Covid-19. Isso é uma mudança radical — observou Barros Franco.

Os respiradores, vistos como essenciais no início da pandemia, perderam o protagonismo à medida que os médicos aprendem mais sobre a doença. Ventilação precoce não é mais uma indicação médica na maioria dos casos, de acordo com o pneumologista, que destaca que ainda há muito o que descobrir para melhorar o tratamento.

Mais de 29 mil estudos foram publicados, mas o coronavírus e a doença que ele causa continuam um desafio e um mistério. Um desses mistérios é a possibilidade da existência da chamada persistência. Isto é, se o coronavírus consegue permanecer no organismo de uma pessoa mesmo após o desaparecimento dos sintomas da Covid-19.

Também discutida no evento da ANM, a persistência lança dúvidas desconcertantes. Ela gera incerteza sobre se uma pessoa recuperada, sem sintomas, mas ainda positiva, poderia continuar a transmitir o vírus ou corre o risco de adoecer de novo.

O professor titular de virologia da USP de Ribeirão Preto Eurico Arruda, considerado um dos maiores especialistas do país em vírus respiratórios e um dos poucos que já estudava os coronavírus antes da pandemia, está convencido de que a persistência existe. Mas sua dimensão precisa ser conhecida.

— Acho que existem pessoas com persistência viral. Pessoas que estão PCR positivas há um mês, 40 dias. E não têm mais doença. Vimos isso num estudo pequeno. Precisamos aprender mais — disse Arruda.

Para ele, o critério de alta de pacientes que tiveram um quadro grave de Covid-19 e já se recuperaram da doença deveria ser ter dois resultados negativos consecutivos de exames de PCR.

O professor titular de virologia da UFRJ Amílcar Tanuri, cujo grupo fez um dos maiores estudos de sorologia de Sars-CoV-2 do país, tem opinião semelhante.

— Nosso grupo investiga a possibilidade de uma “cronicidade” do vírus. É raro, mas acontece. É impressionante. Mas é esse o dado — frisou Tanuri, que observou que essas pesquisas estão no início.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    — O melhor tratamento não é um remédio. É a boa prática médica. Ventilação em prona, autoprona, oxigênio a baixo fluxo, fisioterapia, tudo isso tem sido usado. Hoje.
    Esse texto acima foi o que o médico relatou. Ele diz que o remédio não é o melhor tratamento, esse cidadão nunca teve covid se pegar eu dúvido que não tome nenhum medicamento e que fique somente na ventilação em prona.
    Não precisa nem ser médico para dizer que irá morrer se seguir este tratamento.

  2. Gibira disse:

    Rapaz e os milhões gastos com respiradores? E os 5 milhões que o Desgoverno do Estado enviou para o consórcio Nordeste comprar os ventiladores, vai ficar por isso mesmo?

  3. Lvt disse:

    Ele tem razão jr pq sempre falou em prevenção!

  4. Teodósio disse:

    SE tivessem adotado o uso da hidroxicloroquina e os demais remédios do kit, logo nos primeiros sintomas dos pacientes, não seria necessário despesas com hospitais de campanha, roubalheira na compra de respiradores a preços superfaturados, pois mais de 90% das pessoas que se trataram logo no início se curaram em casa, sem a necessidade de se internar em hospitais. Mas claro que os governadores e prefeitos não queriam isso, pois como eles iriam receber os bilhões do governo federal?

  5. Francisco Lima disse:

    O Bolsonaro tem razão.

Grupo de infectologistas potiguares não chega ao consenso sobre eficácia de medicamentos no tratamento à Covid-19

(Foto: Reprodução)

Uma comissão de especialistas do Departamento de Infectologia da Universidade Federal(UFRN) discutiu sobre o uso de medicações para a prevenção a infecção pelo novo coronavírus e para o tratamento de pessoas que contraíram a doença.

Conforme documento em destaque, uma parte entende que medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina ou lopinavir/ritonavir não se mostram eficazes no controle da replicação viral em ensaios clínicos humanos. Sobre a ivermectina, esse grupo de especialistas diz que não foi identificado nenhum ensaio clínico relacionado ao uso no seu tratamento da Covid-19.

Vale ressaltar, no mesmo documento, duas especialistas não aprovam a recomendação assinada.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alex disse:

    Me desculpem , essa classe está desacreditada ( UFRN )
    Sem comentários .

  2. José disse:

    Importante: o documento é dirigido para MÉDICOS e para A COMUNIDADE ACADÊMICA DA UFRN.

  3. José disse:

    É isso. É ciência. Contra a ciência não há achismo nem politicagem. Não é dessa vez que Natal terá protagonismo.

  4. José Antônio disse:

    Parabéns as doutoras Eliana e Denise!

  5. genésio disse:

    Tô nem aí prá esse povo. Já tomei minha ivermectina e quem achar ruim que se lasque.

  6. Chicó disse:

    Ou seja, se depender da UFRN você vai pra casa tomar dipirona e paracetamol !!!

  7. Flávio Martinez disse:

    E uma pesquisa muito interessante. Deve ser levada em consideração. Comprova a eficácia do antiviral Remdesivir e a eficiência do Corticoide – ambos os fármacos em caros estágios da enfermidade. Registro: NÃO podemos politizar o uso de medicamentos.

  8. Manoel disse:

    Quanto mais ignorante o cabra, mas certeza das coisas ele tem. Darwin em 1870 já dizia isso.
    EM NENHUM LUGAR DO MUNDO estão receitando essa ivermectina mas no Brasil, cheio de especialistas de WA, é a redenção.

  9. Guto disse:

    Sem sombra de dúvida, todos já estão tomando Ivermectina de forma profilática.

  10. Bezerra disse:

    Gente!
    Quanta desesperança!
    Haja teoria desse povo! Qual o protocolo que está sendo adotado por este país afora para tratamento da doença? Algum iluminado desses pesquisou? Nenhuma bibliografia existente ou conhecida?

  11. Antonio Turci disse:

    Iluminados da UFRN jamais aceitarão receitar qualquer medicação reconhecida pelo Governo Bolsonaro. Além de estupidamente vaidosos a maioria é PeTralha.

  12. Manoel C disse:

    Assim, dos remédios citados, tomar a ivermectina talvez não ajude, mas também não atrapalha, dado que aconselham a tomar 1x ao ano. Então, acho que compensa, contanto que o preço seja justo.

  13. Cigano Lulu disse:

    Além da vaidade acadêmica, o ranço burocrático: ô povo iluminado!

  14. Abreu Neto disse:

    Eles querem que o povo se lasque.
    Nada funciona, nada tem comprovação.
    Estão iguais a OMS.

    Se não fosse esses medicamentos o pessoal do Norte do país estariam na lama.
    Após a utilização dos medicamentos, no estágio inicial, as mortes reduziram em mais de 90%.
    Na Unimed Belém, eles trataram mais de 55 mil pessoas no início da doença com esses medicamentos e teve zero mortes.
    Isso explica porque lá eles venceram a Covid, aqui no RN com esse bando de petistas nós estamos lascados.

    Nós hospitais particulares de São Paulo da mesma forma.

  15. Observando. disse:

    Li, mas não vi nenhum medicamento indicado. Afinal quando chegam na UTI tao sendo tratados com o q? Agua benta? Feijao apostolo Waldomiro?

  16. Neto disse:

    Esses "especialistas" nao se pronunciaram mes passado com as filas nas farmacias em busca da ivermectina.

  17. Djalma disse:

    Bem, gostaria de saber se rezar é permitido e se tem algum estudo rodomizado com duplo cego para covid-19, se tem alguma contra indicação ou se rezar é ato para alguns filiados a ideologia de direita ou de esquerda… cara.. agora sério, não ofereceram nada, somente desesperança. Digam pelo menos que se pode usar Cibalena. Sim, e se o conhecimento empírico foi abolido da UFRN

  18. Flávio disse:

    Gostaria que este comitê analisasse e emitisse nota técnica e científica, sobre os protocolos usados em algumas cidades do Brasil que estão mostrando resultados satisfatórios. Pois se não são estes protocolos que estão tendo resultados positivos, então obque seria ? A população precisa de soluções, de dúvidas já basta a OMS para confundir.

  19. Flávio disse:

    Espero que não ocorra como ocorreu na Inglaterra, aonde 5000 mortes poderiam ter sido evitadas se tivessem utilizado a dexametasona, antes da confirmação científica.
    Acredito que em um momento como este a observação clínica e experiência médica do dia a dia , seja mais adequada do que esperarmos a confirmação científica.
    Pois depois não adianta pedir desculpa e nem reconhecer erros por não usar estes medicamentos, estas atitudes não trarão nenhum morto de volta.

Bolsonaro volta a defender o uso da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19, e diz: “viverei ainda por muito tempo”

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes que, como ele, estão com Covid-19.

“Aos que torcem contra a hidroxicloroquina, mas não apresentam alternativas, lamento informar que estou muito bem com seu uso e, com a graça de Deus, viverei ainda por muito tempo”, tuitou.

Segundo Bolsonaro, “todas as medidas de isolamento adotadas por governadores e prefeitos sempre visaram [a] retardar o contágio, enquanto os hospitais se preparavam para receber respiradores e leitos [de] UTIs”.

Ele escreveu ainda:

“Nenhum país do mundo fez como o Brasil. Preservamos vidas e empregos sem propagar o pânico, que também leva a depressão e mortes. Sempre disse que o combate ao vírus não poderia ter um efeito colateral pior que o próprio vírus.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. uma flor disse:

    Concordo com Anti-Político de Estimação.
    A doença do Presidente Bolsonaro é mais um fake .
    O governo precisa justificar o investimento de mais de 1 milhão com cloroquina.
    Aí criou a doença para fazer propaganda e vê se é utilizado. Mas, não é um remédio tão necessário atualmente.

  2. Cesar Bomone disse:

    Enquanto os ESQUERDOPATAS fanáticos condenam a CLOROQUINA, sem apresentar qualquer outra alternativa, o PRESIDENTE se trata. E logo estará curado para seguir comandando o país.

  3. Pepe disse:

    Ja teve.Tem sorologia positiva há muito tempo.Este deve ser um adeno virus.Deve ter interferon alto,morcegão.

  4. Guto disse:

    Notável comentário de "alguém". Das duas uma: ou tem muito rancor desse governo ou pura ignorância. Fico com a 2a hipótese.

  5. OSORIO SAMPAIO disse:

    SERA QUE O EXAME E DELE, POIS ELE MESMO DIZE QUE NÃO COLOCAVA O NOME NOS EXAMES ERAM TODOS NOME FALSO E AGORA O FALSO E ELE.

  6. LULA LADRAO disse:

    OOOOHHHHH VEEEEIIIIII DURO!!!!

  7. Chicó disse:

    Essa esquerda é uma vergonha !!! Quando o Mito não estava doente, não aceitaram. Agora que ele está doente se recusam a acreditar.

  8. Antenado disse:

    Chorem não hienas. O véi é duro na queda. Mito 2022.

  9. alguem disse:

    Anti-politico, eu também tenho o mesmo entendimento que o seu. E muita coincidência, os três primeiros exames ele não quis mostrar nem a pau e nesse apresentou logo. Na viagem que ele fez com a comitiva para os EUA praticamente todos pegaram menos ele e agora só ele.

    Esse cara é uma fake.

  10. Lucian disse:

    Ôôô véi duro da gota serena.
    Mito 2022!!!

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Será que o Presidente está doente mesmo ?? ou será que é só jogada de marketing ?? é tanta mentira espalhada por todos os lados que fica cada vez mais difícil distinguir o que é "mito" e o que é real.

    • Tota disse:

      Pra quê que ele ia inventar isso??
      Ajuda em quê??
      Procure ocupar sua mente vazia.

  11. Cigano Lulu disse:

    E agora, teremos no comando o vice ou um Capetão Virtual internado na residência oficial?

Paciente está há 17 meses sem vírus HIV após tratamento brasileiro inédito

Foto: Flickr/NIH Image Gallery/Creative Commons

Um estudo brasileiro da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), coordenado pelo infectologista Ricardo Sobhie Diaz, conseguiu eliminar o vírus HIV de um paciente que vivia com o vírus há sete anos.

O estudo foi feito unicamente com pessoas que estavam com o vírus indetectável — ou seja pessoas que têm a carga viral baixa e não transmitem a doença, por mais que vivam com o vírus. O intuito era “acelerar” o que o tratamento já estaria fazendo por estas pessoas (diminuir a quantidade de células infectadas). Foram recrutadas pessoas que iniciaram o tratamento com infecção pelo HIV relativamente recente e pacientes em tratamento com carga viral indetectável há mais de 2 anos. O estudo iniciou-se em 2013.

O paciente com o vírus eliminado, que preferiu não se identificar, conversou com exclusividade com a CNN e mostrou o teste para diagnóstico do HIV realizado este ano, onde constava que o paciente tinha amostra não reagente para HIV. “Eu me sinto livre”, diz.

Até hoje, dois casos de cura da Aids foram reconhecidos pela comunidade científica: Timothy Ray Brown, conhecido como “paciente de Berlim”, e Adam Castillejo, conhecido como o “paciente de Londres”. Em ambos, eles foram submetidos a um transplante de medula óssea. Por uma mutação rara, eles ficaram livres do vírus HIV.

Como funcionou o estudo

Para diminuir a replicação do HIV, o estudo selecionou pessoas que viviam com o vírus indetectável e que estavam tomando os coquetéis. “A gente intensificou o tratamento. Usamos três substâncias no estudo, além de criar uma vacina”, conta Diaz. Foram usadas combinações variadas de remédios, além de uma vacina produzida com o DNA do paciente.

Segundo o infectologista, a próxima fase do estudo deve contar com 60 pessoas e vai incluir mulheres como voluntárias — a primeira fase contou apenas com homens. A pesquisa está paralisada por causa da pandemia do novo coronavírus no país.

A doença no mundo

Segundo a Unaids, programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, até dezembro de 2018, havia cerca de 37,9 milhões de pessoas em todo o mundo vivendo com HIV. Destas, cerca de 79% conheciam seu estado sorológico positivo para HIV, ou seja, já tinha sido diagnosticadas. Isso significa que cerca de 8,1 milhões de pessoas ainda não tinham conhecimento de que estavam vivendo com HIV (não haviam feito o teste para o diagnóstico).

Ainda segundo a Unaids, 32 milhões de pessoas morreram de doenças relacionadas à AIDS. Desde 2010, a mortalidade relacionada à Aids caiu 33% — em grande parte graças à evolução do tratamento antirretroviral e ao maior acesso destas pessoas ao tratamento.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Julia Victoria disse:

    Fantástico! Parabéns à equipe !

Caseiro afirma que Queiroz estava há poucos dias em residência de advogado: “o rapaz estava ficando aqui para o tratamento de saúde, ele está com câncer”

Foto: CNN Brasil

Caseiro do imóvel onde Fabrício Queiroz foi encontrado e preso na manhã desta quinta-feira (18), Orlando Novaes disse à CNN, nesta quinta-feira (18), que o local funcionava como um consultório de advogacia e afirmou que não tinha convivência com o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

“É um consultório de advogacia mesmo, entendeu? Mas o rapaz estava ficando aqui para o tratamento de saúde, ele está com câncer e essas coisas”, declarou.

“[Não estava] convivendo, não. Tem poucos dias que está aí, vi ele entrando [e tem] uns quatro dias que não vem aí com negócio de saúde”, acrescentou ele.

No muro da casa, em Atibaia, no interior de São Paulo, uma placa diz: “Wassef e Sonnenburg – Sociedade de Advogados”. O primeiro sobrenome faz referência ao advogado Frederick Wassef, que representa Flávio Bolsonaro.

À CNN, o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, que foi o responsável pelo cumprimento do mandado de prisão em São Paulo, afirmou que a residência é uma casa grande, mas que Queiroz “estava em um quartinho com os pertences, incluindo dois celulares dele”. “No fundo, tinha uma guarita onde estava um casal de caseiros” completou.

O delegado ainda detalhou que Queiroz disse ter tomado remédio para dormir e demorou a atender a campainha, mas que não ofereceu resistência à prisão. “Ele só falou que tem problema de saúde. Não houve nenhum contratempo”, afirmou o delegado. “A reação dele foi tranquila. Ele permaneceu calado, mas falou que não precisava disso, que se chamasse ele iria”, acrescentou.

A prisão

Queiroz foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (18). Ele foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) na capital paulista para fazer exames, antes de se dirigir à sede da Polícia Civil em São Paulo, de onde será encaminhado para o Rio de Janeiro.

A prisão faz parte de uma ação conjunta entre o Ministério Público do Rio de Janeiro e o Ministério Público de São Paulo, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) dos dois estados.

Fabrício Queiroz foi assessor e motorista de Flávio Bolsonaro até outubro de 2018, um mês antes do início da operação que apura esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), na qual é investigado.

A mulher dele, Márcia Oliveira de Aguiar, como não foi encontrada na ação policial, é considerada foragida.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. RICARDO LÚCIDO disse:

    Há controvérsias cara pálida . Esses poucos dias são muito questionados . Há quem diga que o sr Queiroz , estava lá a um bom tempo . O serviço reservado da polícia civil , vinha monitorando , inclusive com todo cuidado pois existia a notória sensação de contra inteligência por parte dos seus protetores .

  2. Gerdson disse:

    Todo cego e cego? Nao, mais os bobos da corte acham que sao?…. o sata naro enganou e engana os indolentes..

  3. Cigano Lulu disse:

    Até que é simpática a fachada do casebre. Se o dono tiver a fim de fazer jogo numa tenda seminova, é só me procurar no privado. Dependendo da volta, pode até rolar um futebol.

“Dia histórico no tratamento da Covid-19”, comemoram infectologistas sobre dexametasona

Foto: Ilustrativa

A Sociedade Brasileira de Infectologia comemorou, em comunicado, fato de o anti-inflamatório dexametasona ter certa efetividade no tratamento da Covid-19, como constatou um estudo sério conduzido pela Universidade de Oxford.

“Temos o primeiro tratamento farmacológico para Covid-19 que mostrou impacto em reduzir a mortalidade! Finalmente temos uma boa notícia”, diz o comunicado.  “Dia histórico no tratamento da Covid-19”.

A recomendação é a de que pacientes com um quadro mais grave de Covid-19 recebam uma dose diária de dexametasona, ao longo de dez dias.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Se o JB indicar ela perde toda credibilidade.
    Irão aparecer médicos dizendo esse novo medicamento não é apropriado é um placebo. Kkkkk

  2. Flávio disse:

    Para nós do RN, não é novidade, basta olhar os protocolos indicados por alguns médicos potiguares . Mas como é uma informação vinda de fora, agora é válida.
    Parabéns aos Médicos que tiveram a coragem de exercer a medicina baseado nas suas experiências clínicas.

  3. Paulada disse:

    P…Q…P……Sempre aparece alguém torcendo contra. Vá ser pessimista assim no QUINTO DOS INFERNOS………….

  4. Mito do Gado disse:

    Não importa. Para o Presidente da República, o único fármaco eficaz é a Cloroquina

  5. Mateus Santos disse:

    Daqui a pouco os esquerdistas falarão mal, devido a indicação do Presidente.

  6. Francisco Lima disse:

    Se não matar o paciente pela elevação do diabetes, tudo bem.

  7. Dilermando disse:

    Tomara que realmente surta efeito. Pelo menos é uma medicação comum. O famoso "Decadron", Melhor uma "formigada nas partes baixas" do que morrer por COVID. Kkkkkkk

Agência americana revoga liberação de emergência da hidroxicloroquina como tratamento para a Covid-19

 Foto: Dirceu Portugal/Fotoarena/Estadão Conteúdo

A FDA (Food and Drug Administration, em inglês), agência que atua como a Anvisa nos Estados Unidos, revogou a permissão de emergência para o tratamento com a hidroxicloroquina contra a Covid-19. O órgão americano disse em documento nesta segunda-feira (15) que “não é mais razoável acreditar que as formulações orais de hidroxicloroquina e de cloroquina podem ser eficazes”.

“Nem é razoável acreditar que os fatores conhecidos e os potenciais benefícios desses produtos superem seus riscos conhecidos e potenciais. Por conseguinte, a FDA revoga o uso emergencial de hidroxicloroquina e cloroquina nos EUA para tratar Covid-19”, disse o documento.

A agência explica que tomou a decisão com base em novas informações e em uma reavaliação dos dados disponíveis no momento da liberação de emergência para pacientes com Covid-19 no país, publicada em 28 de março.

A revogação da agência aponta alguns critérios que levaram à suspensão do uso:

A FDA diz acreditar que as dosagens para hidroxicloroquina não têm um efeito antiviral;

Estudos anteriores sobre a diminuição do vírus com o tratamento da hidroxicloroquina e cloroquina não foram consistentemente confirmados, e uma pesquisa recente randomizada disse que não há diferença e eficiência no uso contra o Sars CoV-2;

Diretrizes médicas dos EUA não recomendam o tratamento com as substâncias e o NIH (Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos) não defende o uso fora de pesquisas clínicas.

Na data da liberação, a FDA permitiu o tratamento apenas para pacientes com casos graves da Covid-19 e internados em hospitais. O medicamento deveria ser administrado por um profissional de saúde com uma receita médica.

Bem Estar – G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justus disse:

    Caros especialistas muito bem informados deste blog, por que não se dão ao trabalho de se informar sobre os países que adotaram a HCQ?. Sugiro também que entrem no site do NIH, pesquisam lá e leiam jornais confiáveis estrangeiros. Ah, vão dizer que sou bolsonarista e para postar o que sei. Não sou. Procurem. Mas é mais fácil ser maria-vai-com-as-outras.

    • Neco disse:

      É gente sem um pingo de humanidade, Justus. Quando não, incapazes de interpretar textos no vernáculo (ou só se lê o título e saem emitindo sentenças com a b da0). O que dirá de textos em línguas estrangeiras. Não espere que deem o braço a torcer.

  2. Neco disse:

    Olha a satisfação das 'pessoas' diante de uma possível opção (a mais barata e massificável) a menos no tratamento da doença.

    Agora lendo o último parágrafo, a FDA tinha liberado para uso em casos graves. Já foi dito mais de mil vezes que esse medicamento é para os estágios iniciais da doença.

  3. OSORIO SAMPAIO disse:

    TRUMP AGORA VAI FAZER O QUE COM A OMS, ELE E O IMBECIL DO NO PRESIDENTE.

    • Beto disse:

      Deveria ouvir sua opinião qto a QUAL medicamento usar. Eu já diria! Pesquisem o q foram usados na Índia, um país de mais de um bilhão e trezentos milhões de habitantes vc pouco 8 mil mortes pelo COVID….O resto é mimimi e caô caô.

  4. Patriotafiel disse:

    Eu realmente não consigo entender como Donald Trump permite que os comunistas e petralas se opoderem da FDA para atacar nosso presidente. Toda semana Trump apunhá-la atraves de seus ministro e instituições, nossa patria e nosso presidente afim de desmerecê-lo. Mais a verdade é que o Brasil está em melhores condições que os EUA, e isso tá sendo insuportável para o Trump. Pura inveja da capacidade do presidente brasileiro. Trump se fez de amiguinho agora nao aceita voos do Brasil, diz que aqui vai ter mais morte do que lá, diz que cloroquina não funciona (mas mandou 2mil comprimidos pra cá, talvez esses seja de farinha), a verdade é que Trump vai cair e não aceita o sucesso de Bolsonaro. #foraTrump! #fechadoconBolsonaro! Numca mais pt

    • Luiz Antonio disse:

      Vamos fazer arminha pra Trump.

      A dupla pato Donald e o Pateta.

    • Manoel disse:

      Kkkkkkk
      Se isso nao for ironia, sugiro q procure um hospital psiquiátrico.

    • Barba disse:

      Olha o Nick do cara! Patriotas fiel! Esse aí bote passar lá no RH e pegar o diploma de boi!

    • Minion alienado disse:

      Vai chegar novo lote de cloroquina dos 🇺🇸?

    • Papa Jerry Moon disse:

      Esse Trump é comunista, já desconfiava faz tempo. Posa de capitalista mas desovou a HCQ aqui no Brasil para prejudicar o Bolso.

FOTO: Sesap abre leitos para tratamento de Covid-19 em Assu

Foto: Divulgação

O município de Assu passa a contar com seis leitos para tratamento da Covid-19, por meio da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Os quatro leitos clínicos e dois de estabilização, com respiradores, monitores de sinais vitais, aspiradores e desfibriladores, instalados no Hospital Regional Dr. Nelson Inácio dos Santos passam a integrar a rede de mais de 300 leitos abertos pela Sesap para o tratamento da Covid-19.

Referenciados aos municípios que integram à 8ª Região de Saúde, os leitos serão destinados a pacientes moderados, que necessitam de cuidados intermediários.

A equipe que vai atuar nos novos leitos é formada por profissionais que já integram o quadro de servidores do próprio hospital e por profissionais recém contratados pela Sesap.

De acordo com o diretor-geral do hospital, Alberto Luís de Lima Trigueiro, os novos leitos serão de suma importância para toda a população da região do Assu, que tem na unidade uma referência nesse momento de pandemia.

O Hospital é o único da rede operada pela Sesap da 8ª Região de Saúde, atendendo além de Assu, as cidades de Fernando Pedroza, Angicos, São Rafael, Itajá, Ipanguaçu, Alto do Rodrigues, Pendências, Porto do Mangue, Carnaubais, Parau e Triunfo Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Quem conhece da matéria e situação sabe, mais manteiga na venta do gato, isso feito, em termos de assistencia, não significa quase nada, ação ridícula e com claro viés político para enganar a população. Tenham vergonha governadora e secretário de saúde, e façam algo rápido de concreto e útil, o povo está morrendo, parem de brincar em fazer assistência a saúde, isso que vcs estão fazendo é desumano. A região de Açu devia reagir e esse descaso absurdo, isso é uma palhaçada.

  2. Silva disse:

    Vamos botar o dinheiro que Bolsonaro mandou pra fora.
    Toma posse governadora.
    Não vou nem gritar fora Fátima, vou gritar toma posse mulher, vê se começa a governar.

    • Lucas disse:

      Deixemos claro que o gov Federal ainda não executou nem 30% do recurso aprovado pelo Congresso para a pandemia.

COVID-19: Médico e deputado Albert Dickson cria projeto de lei que dispõe a ivermectina para profissionais de saúde, policiais e outros essenciais

Foto: Reprodução/Instagram

O deputado Albert Dickson(PROS) anunciou em rede social nessa quinta-feira(05) que foi dado entrada ao projeto de lei que dispõe a ivermectina para profissionais de saúde , agentes penitenciários, policiais, entre outros profissionais essenciais nessa pandemia.

“Enquanto não chega a vacina, não podemos ficar aguardando a doença sem fazer nada. Precisamos agir”, diz deputado estadual em mensagem no Instagram.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Humberto dos santos disse:

    Parabéns deputado como sugestão digo escolha um bairro compacto que tenha mercadinho farmácia etc faça um Lockdown
    diferente só não entra pessoas que não resida
    Liberara todo comércio aberto porém o povo tem que usar IVERMECTINA E AZITROMICINA conforme sugerido após 15dias teste em 50% da população

  2. Djalma disse:

    Parabens Deputado o Sr. e sua esposa está fazendo o certo, eu até tomeu hoje por que estou com uma gripe já mim preparei e tem outros amigos de meu filhos tomaram e recumperam

  3. humbabomber disse:

    KKKKKK
    Tá massa! projeto de lei pra distribuir "remédio de verme"…

    • Claudio disse:

      Não é só remédio para verme. As pessoas precisam ler para entender que isso pode nos ajudar.

VÍDEO: Homens têm mais coronavírus porque perdem zinco na ejaculação, diz deputado e médico Albert Dickson, que dá dicas de prevenção

Foto: reprodução/Facebook

Através das redes sociais nessa terça-feira(02), o médico oftalmologista e deputado estadual Albert Dickson (Pros-RN) recomendou aos seus seguidores nas redes sociais que aumentem o consumo de alimentos ricos em zinco. O parlamentar destaca a medida para fortalecer o sistema imunológico contra o novo coronavírus. Ainda diz que a deficiência de zinco tem levado os homens a contraírem mais a Covid-19 do que as mulheres. O médico e deputado diz que os pacientes do sexo masculino têm tido mais Covid-19 porque perdem zinco durante a ejaculação.

“O zinco está presente no espermatozoide. Toda vez que perde espermatozoide (a pessoa que está com a vida sexual normal), o homem perde 1 grama de zinco. Então, o que vai acontecer? Ele vai ter uma deficiência de zinco”, explica.

Albert Dickson disse ainda que o zinco está presente em poucos alimentos, como a castanha-de-caju e a ostra, e sugeriu aos seus seguidores que consumam os produtos como prevenção à Covid-19. “Tem que se abastecer com zinco. O vírus odeia zinco”, afirmou.

Na transmissão disponível AQUI, Albert Dickson defendeu o uso da ivermectina para tratar o novo coronavírus, e disse que tem prescrito o remédio para os seus pacientes que contraíram a Covid-19, destacando que os sintomas têm desaparecido. O médico e deputado também sugeriu que o medicamento seja usado mesmo entre os que não têm sintomas, como prevenção.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Livio disse:

    Eita que vai faltar castanha…coitada das ostras. Rapaziada na procura…e tome castanha..fuiiiii, esse Dr é top

  2. Cleide Dantas disse:

    Parabens DR. ALBERT DICKSON…SEMPRE ATUANTE , preocupado com o povo…Deus te ABENÇOE…boas dicas…

  3. Chico da Burra disse:

    Vai ter gente que não vai puder ver uma bica de uma casa que vai roer pra se abastecer de zinco!!!

    • Radir Felix da Silva disse:

      Meu Bom dia dr.Albert díkson,é um jesto muito aproveitouso de sua parte em podef ajudar a quem nesse momento de pandemia, so deues e quem vai lhe dar tudo de bom em sua vida de melhor nsese jesto de humildade e franquias da sua parte so deus vai te abençoar hoje e sempre vio dr muito lindo o que o senhor como médico está fazendo o bém sem olhar a quem quero deixar registrado em meus comentários essa sua grande preocupação com as pessoas que tanto precisar de uma cura.gostei de ouvir seu depoimento coisa que nenhum político fez ate aqui em nenhuma emissora de rádio um forte abraço e que deus ambundante mente lhe a bençoar

  4. Carlúcio disse:

    Caramba, como tem mentiroso comentando rsssssssssssssss

  5. Eliésio disse:

    Eita piúla perdi o zinco do mês todinho hoje! Kkkk

  6. Gustavo disse:

    Então cabaço tá imune.

  7. Messias disse:

    Vixe, vou comprar 1kg de zinco agora.

Cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina: Saúde em Natal autoriza uso de medicamentos, com consentimento do paciente, para a fase inicial de tratamento da covid-19

Fotos: Reprodução

A Prefeitura do Natal disponibilizou documento com protocolo para tratamento da covid-19, desde a fase inicial da doença, em se constatada.

Seguindo recomendações do Ministério da Saúde, Secretaria de Saúde e entidades médicas, destaca ainda procedimentos para a fase inicial de tratamento, em coquetel receitado, conforme o quadro do paciente. Cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina fazem parte do protocolo.

“O tratamento a ser instituído para os pacientes com clínica compatível com a covid-19 deve ser iniciado precocemente com medicamentos de ação antiviral – preferencialmente – nas primeiras 48 horas”, diz trecho.

Fotos: Reprodução

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ANTONIO BAZZONI disse:

    PARABÉNS, FINALMENTE ALGUÉM COM PEITO PARA MOSTRAR AO POVO COMO É O PROTOCOLO DE TRATAMENTO

  2. nasto disse:

    Prefeituras e Governo do estado deviam usar uma parte dos recursos e adquirir a IVERMECTINA e distribuir para o povo. VC não encontra em nenhuma farmácia, nas de manipulação está faltando o material para a fórmula. No Carnaval é uma preocupação para distribuir camisinha. Com o CORONA deviam ter a mesma ação. Distribuir pelo menos a IVERMECTINA.

    • Marcelo disse:

      Procurem nas farmácias pequenas, nos bairros, nas redes menores, FARMÁCIA dos TRABALHADORES, Santa Sara, Santa Fé,… tem um monte

  3. Eloisa disse:

    Parabéns!! Não sou da área de saúde mas tenho visto diversos médicos angustiados querendo exercer sua profissão (salvar vidas) e não conseguem por esta ideologização homicida!! Para mim, um dos piores traços humanos tenebrosos demonstrados nesta pandemia. São inúmeros que dizem ser contra o SUS adotar o tratamento precoce da cloroquina ao tempo em que dizem que tomarão se tiverem a peste chinesa. Pandemia da hipocrisia, do egoísmo, da politização genocida. Mais uma vez, parabéns ao Município de Natal pela lúcida, humana e responsável medida.

    • Clara disse:

      Nunca foi proibido… Botar no protocolo significa apenas tirar a responsabilidade do médico e jogar na secretaria e no paciente. Mandetta falava isso em TODAS as entrevistas que deu. O médico sempre tem autonomia.

  4. Francisco Lima disse:

    O problema é que não tem o remédio. Acho que Fatão mandou recolher tudo.

    • Marcelo disse:

      Procure nas pequenas farmácias…
      Não tem na Globo Drogasil nem Pague Menos
      Tem na Santa Fé, na Santa Sara e Farmácias DOS TRABALHADORES
      E nas de bairro

      Dica. Mande manipular IVERMECTINA fica muuuito mais BARATO

      Farmácia ELEMENTUS

  5. Edilson disse:

    Não me duga que Bolsonaro estava correto esse tempo todo, a OMS se f… Perdeu milhões de dolares nessa irresponsável tomada de lado, a esqueda esqueça a cadeira da presidência por alguns anos. #MITO 22, 26, 30. Kkkkkk

  6. Florencio disse:

    Como dizia "poncio Pilatos" lavo minhas mãos,ou seja ,o governo se exclui (ou quer se excluir) de culpa.

  7. Ivan disse:

    Bolsonaro tinha razão…

  8. Tarcísio Eimar disse:

    Agora? Depois q várias mortes. Isso é a inércia mesmo. Igualmente se tivesse sido tomada essa decisão, não seria diferente de hoje, a responsabilidade está toda pro paciente. Então porque não adotaram desde o início? O negócio é morrer gente mesmo, quanto mais números melhor.

  9. OSORIO SAMPAIO disse:

    NUNCA NENHUM MEDICO ME PEDIU AUTORIZAO PARA MEDICAÇÃO QUE EU FOSSE USAR. ESTRANHO ESTE PEDIDO.

    • Clara disse:

      É pq esse não tem eficácia comprovada para esta moléstia específica e ainda tem estudos mostrando que pode prejudicar. A responsabilidade neste caso tem que ser dividida sim. NESTE caso, o médico não tem como garantir nada mesmo não. Tem que se respaldar.

  10. Manoel disse:

    Se já tivessem feito isso antes teria se evitado centenas de mortes, antes tarde do que nunca, mas tudo isso devido a politização de um medicamento que tem evitado que essa doença evolua pra uma internação em UTI quando já é muito difícil se reverter o quadro do paciente, mas apenas por opinião política preferiram vê a população morrendo sem tratamento, enquanto os planos de saúde já usam a mais de um mês esse tratamento.

  11. Francisco Alves disse:

    A pergunta que fica e não pode ser esquecida é: Quantos morreram por não ter sido usado o medicamento preventivo, devido a pura hipocrisia?
    Alguém será responsabilizado por esses óbitos?
    No Brasil a morte em corredores de hospitais, devido ao descaso e roubalheira dos responsáveis pela saúde pública é legal! Os assassinos, na verdade, quando são levados à justiça responde, apenas, pelo desvio de recursos. Na verdade, quem morreu devido ao roubo dos recursos, será apenas mais uma vítima dentro da estatística.
    Matar assim, compensa… Nunca vi ninguém responder por essas mortes!

  12. Nildo disse:

    Quem quiser morrer logo é só assinar, assim abri mais vagas nas UTI

    • joaozinho disse:

      estou vivinho.. e o texto é claro. Mas se nao quer tomar, nao diga que as pessoas vao morrer se forem medicadas. Esse tipo de comentario alem de ser desnecessario, é tipicamente negativista e malicioso ou irresponsavel. Meu caro, parece ser um desumano desejando a morte das pessoas para que se chegue ao caos. Por isso que certos partidos e ideologias politicas nao sao confiaveis. Espero que nao precise usar, pra mudar de ideia. Proporcionalmente, estamos passando por essa crise em percentual por habitantes melhor que muitos países. Va fazer calculo matematico.

    • Severino disse:

      Não é obrigado tomar !!!

    • Lutemberg disse:

      Fique tranquilo, Nildo, como já foi avisado, você terá o direito a tomar tubaína, rsrsrs

    • Clara disse:

      80% das pessoas não vão complicar, sarariam de qqer forma, só com tratamento sintomático, mas aí a "culpa" da cura que já viria de qqer forma será creditada na conta do capitão. De saúde, ciência e gestão ele não entende, mas de marketing…. A nota triste fica por conta daqueles a quem comprovadamente a medicação fará mal. Podia ao menos ter escolhido um placebo verdadeiro, que fosse inerte pro bem e pro mal e vendesse seu peixe da mesma forma.

Antiviral é anunciado pelo governo russo como promissor no combate à Covid-19; vírus foi tratado com sucesso na maioria dos casos, em quatro dias

Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters

A Rússia vai começar a ministrar seu primeiro medicamento aprovado para o tratamento da Covid-19 na próxima semana (8), Uma medida que espera facilitar as tensões no sistema de saúde e acelerar o retorno à vida economica.

Os hospitais russos podem começar a dar a pacientes o medicamento antiviral, registrado sob o nome Avifavir,a partir de 11 de junho, diz o chefe da RDIF [Fundo Direto de Investimento] na Rússia. Ele falou que a empresa por trás do medicamento fabricaria o suficiente para tratar cerca de 60.000 pessoas por mês.

Atualmente, não existe vacina para a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, e os testes em humanos de vários medicamentos antivirais que já existentes ainda não demonstraram eficácia.

Um novo remédio antiviral da Gilead chamado Remdesivir mostrou alguma promessa em pequenos testes contra a Covid-19 e está sendo oferecido a pacientes por alguns países sob regras de uso compassivo ou emergencial.

O Avifavir, conhecido genericamente como Favipiravir, foi desenvolvido pela primeira vez no final dos anos 90 por uma empresa japonesa comprada mais tarde pela Fujifilm ao entrar na área da saúde.

O chefe do RDIF, Kirill Dmitriev, disse que os cientistas russos modificaram o medicamento para aprimorá-lo e afirmou que Moscou estará pronta para compartilhar os detalhes dessas modificações em duas semanas.

O Japão está testando a mesma droga, conhecida como Avigan. Ele ganhou prestígio do primeiro-ministro Shinzo Abe e US $ 128 milhões em financiamento do governo, mas ainda não foi aprovada para uso.

O avifavir apareceu no sábado (30) na lista do governo russo de medicamentos aprovados.

Processo acelerado

Dmitriev disse que os ensaios clínicos do medicamento foram realizados com 330 pessoas e mostraram que o vírus foi tratado com sucesso na maioria dos casos, em quatro dias.

Os testes devem ser concluídos em cerca de uma semana, disse ele, mas o Ministério da Saúde aprovou o uso do medicamento em um processo acelerado especial e a fabricação começou em março.

Os ensaios clínicos para testar medicamentos de eficácia geralmente levam muitos meses, mesmo quando acelerados, e envolvem um grande número de pacientes designados aleatoriamente que recebem o remédio que está sendo testado – ou um controle ou placebo.

O sucesso em ensaios de pequena escala e em estágio inicial não é garantia de sucesso em estudos posteriores e mais abrangentes.

Um estudo publicado em maio, por exemplo, vinculou a droga hidroxicloroquina antimalárica, que o presidente dos EUA, Donald Trump, diz que está tomando e incentivando seu uso, a um risco aumentado de morte em pacientes com a Covid-19 hospitalizados.

Dmitriev disse que a Rússia conseguiu reduzir os prazos dos testes porque o medicamento genérico japonês, no qual o Avifavir se baseia, foi registrado pela primeira vez em 2014 e passou por testes significativos antes que os especialistas russos o modificassem.

“Acreditamos que isso é um divisor de águas. Isso reduzirá a tensão no sistema de saúde, teremos menos pessoas entrando em uma condição crítica”, disse Dmitriev. “Acreditamos que a droga é a chave para retomar a atividade econômica completa na Rússia”.

Com 414.878 casos, a Rússia tem o terceiro maior número de infecções no mundo depois do Brasil e dos Estados Unidos, mas tem um número oficial de mortes relativamente baixo de 4.855 – algo que tem sido o foco do debate.

O RDIF, que detém uma participação de 50% no fabricante do medicamento ChemRar, financiou os testes e outros trabalhos com seus parceiros, no valor de cerca de 300 milhões de rublos (R$ 23 milhões), disse Dmitriev, que explicou que os custos para a Rússia eram muito mais baixos por causa do trabalho de desenvolvimento anterior realizado no Japão.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fernando Apolo disse:

    O Ministério da Saúde deveria desenvolver um plano de emergência, ou de aquisição emergencial desses antivirais para os hospitais públicos.. Não se pode combater o vírus apenas com Cloroquina. Estamos enfrentando uma guerra contra um vírus

  2. Fica em casa disse:

    Remédios feitos por comunistas kkkkk o gado prefere infartar na cloroquina!!!

    Muuuuuuu

    • Luciano disse:

      E você é tão idiota que prefere morrer do que tomar um remédio que não mata e ajuda a combater a replicação viral, tão mal informado que fala fake news dos torcedores do vírus

    • Manoel disse:

      Se pegar o vírus não tome a hidroxicloroquina precocemente, espere piorar e vá ser entubado e colocado numa UTI e reze pra não morrer

    • mane disse:

      Primeiro que é uma empresa privada… Segundo, é uma droga sendo testada na Russia, país que nao tem muita transparencia nos estudos cientificos pela retorica passada… nao parece ser tambem muito confiavel e la se sabe as questoes eticas envolvidas. Quando nao ha armas, se usa ate pedras. Seja Cloroquina (remedio sem patente), ou medicacao russa (REMEDIO COM PATENTE), ou vit D cubana (engana povo)… Tem que perguntar aos chineses, ja que la ate hoje, segundo eles so tiveram 3 mil mortes…. caso de milagre comunista um país onde as pessoas vivem aglomeradas!!!!

  3. Brasil disse:

    Sucesso na maioria dos casos? A cloroquina tb, e aí?

  4. LULADRÃO disse:

    Manda logo para o Brasil.

Brasileiros investigam células-tronco como tratamento para Covid-19

Pesquisa desenvolvida em Curitiba aponta células-tronco mesenquimais como possível tratamento de Covid-19 (Foto: Divulgação)

Enquanto a pandemia causada pelo novo coronavírus atinge cada vez mais pessoas, a ciência vai em busca de uma vacina ou tratamento para a Covid-19. É o que estão fazendo pesquisadores de diversos países, incluindo o Brasil. Na Universidade Positivo, em Curitiba, cientistas investigam o poder de células-tronco mesenquimais em tratar casos graves da infecção causada pelo Sars-CoV-2.

O projeto, desenvolvido pelo Centro de Processamento Celular (CPC) da empresa Curityba Biotech, reforça as múltiplas potencialidades do uso dessas células: elas têm a capacidade de reequilibrar as respostas imunológicas do organismo, além de possuir propriedades regenertivas. Elas também são capazes de promover a formação de novos vasos sanguíneos, o que é importante considerando que o vírus pode entupir veias, impedindo o fluxo de sangue pelo corpo.

“O Sars-CoV-2 induz a produção de uma tempestade de substâncias chamadas citocinas. Essas citocinas podem prejudicar órgãos vitais e levar a danos irreversíveis, principalmente aos pulmões”, explica Moira Leão, doutora em implantodontia e diretora administrativa da Curityba Biotech, a GALILEU. “Mas as células-tronco podem neutralizar esse efeito, atuando como um medicamento biológico, adaptando-se às necessidades do paciente”, explica.

Os cientistas acreditam que a terapia celular pode ser uma saída para quem atingiu a síndrome respiratória aguda grave, já que as substâncias anti-inflamatórias das células-tronco podem substituir as células afetadas pela doença e produzir células fortes, que são atraídas para o local afetado, auxiliando no reparo das lesões. “No caso da Covid-19, há fortes indícios de que as células-tronco podem recuperar até os alvéolos pulmonares”, afirma João Zielak, doutor em processos biotecnológicos e professor pesquisador da Universidade Positivo.

As células-tronco mesenquimais são encontradas em grande quantidade no tecido bucal, pois essa é a parte do corpo que se regenera mais rápido. Os pesquisadores pretendem extrair esse tipo de célula de dentes do siso de doadores saudáveis; após esse processo, elas multiplicadas em laboratório. Por fim, serão misturaras ao plasma sanguíneo e aplicadas de forma intravenosa em pacientes infectados pelo novo coronavírus.

A pesquisa ainda está em fase de captação de recursos para realizar os primeiros testes, mas já foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). O orçamento de R$ 2 milhões compreende a inclusão de 30 pacientes que apresentam a síndrome aguda respiratória grave e será encaminhado para aprovação da Anvisa.

“Acreditamos na viabilidade desse estudo, pois os resultados parecem ser muito promissores. Esse é um momento em que é preciso trabalhar com a saúde complementar, já que esse tipo de terapia pode dar esperanças para diversos problemas que os remédios comuns ainda não curam”, conclui Zielak.

Galileu

Ministro Marcos Pontes anuncia 2ª etapa de pesquisa de efetividade de vermífugo no tratamento da Covid-19 e diz que fará testes se for infectado

FOTO: HUGO BARRETO/METRÓPOLES

Em coletiva, o ministro Marcos Pontes afirmou nesta terça-feira (19) que será iniciada a segunda fase de testes clínicos para avaliar a efetividade de um vermífugo no tratamento da Covid-19.

A nitazoxanida, principio ativo da Annita, passou pelo primeiro protocolo no mês passado. Os testes foram realizados em 500 pacientes, espalhados em 17 hospitais, e verificou a reação à substância naquelas pessoas que apresentavam alguns sintomas de agravamento da doença, como tosse, febre e problemas pulmonares.

Os resultados não foram divulgados pelo ministro.

A segunda fase, segundo Pontes, vai avaliar a eficácia do medicamento em pacientes com sintomas leves da doença.

“Esse medicamento não tem efeitos colaterais, pode ser usado combinado com outros remédios e, em testes em laboratório, com células isoladas, apresentou 94% de redução da carga viral. Esse medicamento começou a ser testado junto com outros dois mil. No passado, a nitazoxanida já foi usada para combater epidemias de outros vírus.”

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, afirmou que aceitaria se submeter aos testes de eficácia do vermífugo nitazoxanida (anitta) caso tivesse sintomas do novo coronavírus. Nos testes in vitro, o fármaco conseguiu reduzir a carga viral de células em 94%.

“Se eu tiver os sintomas da Covid (19), pode ter certeza de que eu vou procurar um desses hospitais e eu vou me inscrever pra fazer os testes também. Porquê? Primeiro, esse remédio não tem efeitos colaterais, uma coisa importante de se lembrar”, enfatizou o ministro.

O Antagonista e Metrópoles

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. RICARDO LÚCIDO disse:

    Esse astronauta vive no mundo da lua . Está para perder o cargo para o centrão e procura mídia para se segurar no cargo . Está insistindo em Annita , mas já está quase gira do governo .

  2. JR e JR disse:

    Hahaha de verminoses não morre

Giselda Trigueiro fecha pronto-socorro; pacientes sem coronavírus e demais foram transferidos para o Hospital Universitário Onofre Lopes

Foto: Quezia Oliveira/Inter TV Cabugi

O Hospital Giselda Trigueiro fechou o pronto-socorro na manhã desta segunda-feira (18) com a demanda de todos os leitos separados para pacientes do novo coronavírus lotados. De acordo com a unidade, os serviços do pronto-socorro foram transferidos para o Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), que passou a receber os pacientes que não são de coronavírus.

Segundo reportagem do portal G1-RN, o diretor do hospital, André Prudente, afirmou que o fechamento do pronto-socorro atendeu a uma demanda da Secretaria de Saúde, do Ministério Público e da regulação do Sistema Único de Saúde. O motivo é que os pacientes que davam entrada no pronto-socorro com sintomas do coronavírus acabavam sendo colocados em UTI, em caso necessário, passando na frente de outros pacientes que já aguardavam na lista de espera por leitos críticos. A fila, chamada pelos técnicos de “regulação”, é feita com base em classificação de gravidade de cada paciente, que vai de 1 (muito grave) a 4 (menos grave).

Agora atuando com “porta fechada”, a unidade vai atender apenas pacientes regulados, vindo de outras unidades de saúde. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, pessoas que têm sintomas graves da doença devem procurar pronto-socorros, como as Unidades de Pronto-Atendimento (UPA). Havendo necessidade de internação em um leito de UTI ou um clínico, por exemplo, o paciente passa a integrar a fila da espera da regulação.

Com acréscimo de informações do G1-RN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Felipe disse:

    Alguém viu Fatão ?

Médico informa ter esvaziado UTI de hospital no Piauí após tratamento com cloroquina: “mudança brutal na taxa de mortalidade”

Foto: Governo do Piauí

Médicos do Hospital Regional Tibério Nunes, localizado em Floriano, no interior do Piauí, passaram a administrar a hidroxicloroquina para pacientes internados com Covid-19 e verificaram uma “melhora significativa” no quadro de saúde dos infectados.

O médico piauiense Sabas Vieira informou, por meio de um vídeo publicado nas redes sociais, que um grupo de profissionais do estado que atua no combate ao coronavírus já recuperou cinco pacientes da instituição com uso de hidroxicloroquina e azitromicina.

O tratamento contou com a orientação da médica Marina Bucar Barjud, linha de frente no combate à doença no Hospital HM Puerta del Sur, em Madrid, na Espanha.

Segundo Vieira, o tratamento pode ser aplicado em pacientes em duas fases. Na primeira, chamada de “reaplicação viral”, quando o paciente tem febre, dor de garganta, falta de olfato ou paladar, o tratamento deve ser feito a partir do segundo dia de sintomas com hidroxicloroquina e azitromicina. Na segunda, chamada de “inflamatória”, a partir do sétimo dia de sintomas, deve ser feito com corticoterapia para evitar a terapia intensiva.

“Temos, portanto, duas janelas de oportunidade. O doutor Justino, do hospital de Floriano, já nos relatou cinco casos tratados com sucesso que não precisaram ir para UTI. Estamos treinando esses médicos para nos capacitarmos a fazer essa prescrição de forma adequada.”

Vieira esclarece ainda que não há necessidade de a população adquirir os medicamentos, que só poderão ser administrados a partir do diagnóstico positivo para Covid-19.

“Não temos evidência sólida dessa conduta, mas houve uma mudança brutal na taxa de mortalidade e queremos essa experiência no Piauí. É uma medicação segura, utilizada há muitos anos. Tivemos a taxa de mortalidade muito baixa. Com sintomas em até 48 horas, procure rapidamente o serviço de saúde para avaliação médica, não é para ninguém estocar esse medicamento. O médico vai fazer o diagnostico e tratamento adequado”, ressalta.

Pacientes curados da Covid-19 em Floriano

Em todo o estado do Piauí, de acordo com os últimos dados do boletim da secretária de Saúde, há atualmente 1.332 casos de Covid-19, 45 mortes e 236 altas médicas.

Dos casos confirmados, 299 estão internados, sendo 98 em UTIs. No Brasil já são mais de 11 mil mortos e 162.699 casos da doença.

Em Floriano, nesse domingo (10), havia 17 pacientes confirmados com Covid-19, oito recuperados e nenhum óbito. A cidade tem cerca de 57 mil habitantes.

Jovem Pan

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Pra ficar bom vale até injeção na testa.
    Mas já que estão politizando a doença e o remédio, seria importante contabilizar os curados por outros tratamentos tb, aí seria possivel uma comparação, pois pelo que se sabe, não existe um tratamento único, então notícias como essa tem mais o caráter de politicagem em apoio as declarações do presidente.
    Que seja com Cloroquina, Ivermectina, Azitrominica, plasma, áqua, dipirona ou tilenol, que importar é salvar vidas.

  2. Silvino Filho disse:

    O problema não é uso do medicamento, em si. Não adianta ter um remédio se a medicina não sabe como usar, ou em quais situações utilizar. A eficácia resulta na adoção de um "procedimento de tratamento" eficaz. Essa é a maior descoberta do Piauí: criar uma forma de tratamento eficaz. Para um país como o Brasil, é uma revolução

  3. Manoel disse:

    Enquanto o mundo todo diz q a droga nao resolve o problema e até prejudica os Rins e fígado, o médico Sabas diz o contrário. Sugiro ao médico publicar um artigo na Nature o mais rápido possível, provando o que diz e contrariando todo resto do mundo, do contrário será mais um fake news. Se provar terá o Nobel de Medicina.

  4. RICARDO LÚCIDO disse:

    Tinha acabado de de lê um artigo da prestigiada revista americana ( JAMA) , jourmal of the American Medical association . Publicado no dia 11/05/2020 e que corrobora com outro estudo de outra revista de grande credibilidade internacional a New England jornmal of Medicine , publicado na semana passada . Mas com essa experiência Piaiuense , já providenciei agora o cancelamento das duas assinaturas , imaginem só . As duas retratam exatamente o contrário , do que o o Piauiense diz .

  5. Véi de Rui disse:

    Esse Bolsonaro nasceu pra ser o nosso presidente!

  6. RICARDO LÚCIDO disse:

    Excelente notícia , que ótimo vamos replicar essa experiência em todo Brasil .

  7. José Macedo disse:

    Olha a cloroquina curando, não havia interesse dos pesquisadores para constatar a sua eficiência, já que em 09/04 o JB, não é médico mas tinha conhecimento da sua eficacia, então por política os testes da cura nunca foram concluidos , assim como o Anita.

    • Marcos disse:

      Já tem estudos que informaram que não há benefício da cloroquina.

  8. José Macedo disse:

    Olha a cloroquina curando, não havia interesse pela em constatar a sua eficácia, já que em 09/04 o JB, não é médico mas tinha conhecimento da sua eficacia, então por política os testes da cura nunca foram concluidos.

  9. Chicó disse:

    A torcida organizada a favor do coronavírus não vai curtir essa notícia !!!