Moro: “O juiz tem o dever legal de não homologar acordos excessivamente generosos com criminosos”

Foto: Isaac Amorim/MJSP – 09.07.2019

Sergio Moro, no Twitter, respondeu à reportagem aloprada da Folha de S. Verdevaldo:

“O juiz tem não só o poder, mas o dever legal de não homologar ou de exigir mudanças em acordos de colaboração excessivamente generosos com criminosos. Não foi, aliás, essa a crítica a acordos como os dos sócios da JBS (que não passaram por mim)?”

A simples leitura das mensagens roubadas permite concluir que ele está falando a verdade (aqui e aqui).

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Poeta Cypriano Maribondo disse:

    COMO SEMPRE, MAIS UM DA QUADRILHA BOSSONARO QUE FICA IMPUNE. ONDE MEU BRASIL VAI PARAR? ESTE FILHOTE DE HITTLE COM COSSONARO VAI FERRAR O JUDICIARIO DO BRASIL.

Odebrecht: procurador critica vazamento de delações, mas admite quebra de sigilo

O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF), disse hoje (9) que a quebra do sigilo de delações da Odebrecht pode prejudicar as investigações, mas ressaltou que, “se houver excesso de vazamentos, talvez seja melhor abrir o sigilo”.

No último dia 30, a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, homologou as delações de 77 executivos da empresa, nas quais detalham o esquema de corrupção na Petrobras. Mais de 800 depoimentos passaram a ser utilizados como prova.

“Se os fatos vêm à tona antes da hora, muitas provas são destruídas. Muitas pessoas são instruídas na maneira de prestar o seu depoimento. É lógico que, para uma investigação mais eficiente, o sigilo é necessário”, disse Santos Lima, após palestra na Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham), na capital paulista.

O procurador também falou sobre os vazamentos das delações: “o que nos incomoda na Lava Jato são as acusações fáceis de que os vazamentos têm origem no Ministério Público. Para nós, é sempre um prejuízo qualquer tipo de vazamento”.

Acordos de leniência

Segundo o procurador, os acordos de leniência na Operação Lava Jato passarão a ser cada vez mais raros. “Não posso dizer que não haja possibilidade de um acordo ou outro, dependendo do que for revelado. O que é importante para nós é a matéria revelada e no que aquilo vai nos ajudar na investigação”, explicou.

Santos Lima comentou ainda a indicação, pelo presidente Michel Temer, do ministro licenciado da Justiça e Segurança Pública, Alexandre de Moraes, para ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal e disse que outros ministros da Corte também vieram do meio político.

“Historicamente, tivemos grandes ministros do Supremo com origem na esfera política. Eu creio que as pessoas vão se revelar mais ou menos merecedoras do cargo que vão ocupar”, disse ele. E acrescentou: “Diante do fenômeno da Lava Jato, seria quase impossível termos uma pessoa que não tenha ligação com partidos políticos envolvidos no fato”.

Combate à corrupção

Para o procurador, o projeto de lei de iniciativa popular que estabelece 10 medidas de combate à corrupção deveria “renascer”. De iniciativa popular, o documento recebeu mais de 2 milhões de assinaturas, mas foi aprovado com diversas modificações na Câmara dos Deputados, em novembro do ano passado, por meio de emendas votadas em plenário durante a madrugada. A proposta está em tramitação no Senado.

Santos Lima comparou o projeto a uma planta: “não se arranca uma planta dessas da sociedade. Ela vai renascer, pode demorar”, disse. “Às vezes, é bom podar uma planta, para que ela renasça mais forte”, completou. Na opinião do procurador, as 10 medidas contra a corrupção, na forma como se apresentam, são insuficientes para exterminar o problema no país. “Temos um sistema político corrompido, que se financia através da corrupção.”

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcus Paulo disse:

    Em depoimento ao juiz Sergio Moro através de video conferência, o ex-presidente FHC inocentou Lula, ao ser testemunha em favor de um amigo de Lula….

    • Marcus Paulo disse:

      Desculpem FHC inocentou Lula sobre denuncia do acervo de troca de presentes entre presidentes em visitas ao brasil e países pelo mundo. FHC desse que esse acervo é publico e os ex-presidentes não tem verba para sua manutenção e podem apelar para privados fazerem doação para manutenção do acervo….

LAVA JATO: Aberta a caixa de Pandora das delações

A decisão do Supremo Tribunal Federal de que condenados à prisão em segunda instância devem começar a cumprir pena abriu a caixa de Pandora das delações na Lava Jato.

Depois dos executivos da Andrade Gutierrez, é a vez de o ex-presidente Leo Pinheiro e outros executivos da OAS aderirem à colaboração judicial.

O senador Delcídio Amaral, cujos advogados negam publicamente estar negociando com o Ministério Público, é outro delator em potencial incluído na lista de temores do governo e do PT.

Por fim, a cereja do bolo deverá vir da Odebrecht. Marcelo Odebrecht e outros ex-diretores presos, antes refratários ao instituto, já negociam termos para a delação considerada mais bombástica de todas.

Trata-se, de fato, de uma caixa que, se aberta de uma vez, tem potencial de liberar todos os males do mundo, como a da mitologia grega. Mais precisamente, todos os males dos governos de Lula e Dilma Rousseff, principais alvos dos acordos negociados, embora devam sobrar tiros também para partidos de oposição.

Fonte: Radar On-line / Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. willian disse:

    Que se vao todos!

  2. Val Lima disse:

    Marcelo já disse…caso queira colaborar vai jogar merda no ventilador…não escolherá alvo vai todo mundo junto…..diante do exposto só me resta uma coisa….#falamarcelo

  3. Lula Molusco Papudinho disse:

    Eu não sabia de nada.

  4. Daniela disse:

    Noto a ausência de notícias sobre o escândalo da assembléia neste blog. Tendencioso esse silêncio!

    • bruno disse:

      Acredito que vc não esteja lendo o blog Daniela, 21 posts nos últimos 10 dias no BG. Inclusive fácil vc achar.