Com “ménage à trois” em destaque, pesquisa revela as fantasias mais populares entre os brasileiros

Ménage, orgia… Conheça as fantasias mais populares entre os brasileiros

Sexta-feira foi dia do sexo e, inspirados pela data, a rede social de sexo Sexlog fez uma pesquisa a respeito das fantasias mais populares entre os brasileiros. A pesquisa quis saber também quais já foram realizadas e quais ainda permanecem apenas no imaginário dos mais safadinhos!

Como já era de se esperar, a fantasia da maioria é o ménage à trois (sexo entre 3 pessoas), com 59% da preferência. A orgia foi citada por 49% dos entrevistados e transar num parque a céu aberto apareceu em 20% das respostas.

Dentre as fantasias já realizadas, ménage é curiosamente a principal delas com 69% das respostas. Sexo no carro apareceu como realização de 66%, seguido de 30% que já fez sexo no trabalho e dominação com 38%.

Na comparação entre homens e mulheres, 23% delas gostariam de transar com alguém fardado enquanto apenas 9% deles escolheu esta fantasia. Quanto a participar de um swing, a famosa troca de casais, este é o desejo de 46% dos homens e 33,5% das mulheres.

Sobre dominação na cama, 21% das mulheres gostariam de ser dominadas e apenas 10% dos homens também sentem este desejo. Entre as fantasias já realizadas, fazer sexo com um estranho foi a resposta de 56% das mulheres e 46% dos homens.

Quando analisamos algumas regiões, a Bahia aparece com 36% das pessoas afirmando que já realizaram sua maior fantasia na cama, enquanto em São Paulo são 31% e no Rio de Janeiro, 32%.

Depois desta surra de dados e conhecimento sobre nós, brasileiros, concluímos que fantasias sexuais são comuns e importantes para a sexualidade das pessoas em geral, independente do gênero. É importante, também, comemorar esta diversidade e liberdade de expressões de práticas sexuais.

Mayumi Sato – Universa – UOL

Roubaram as fantasias do Auto do Natal de dentro da Capitania das Artes

Novo Jornal

OS PRODUTORES DO espetáculo Auto do Natal foram surpreendidos com o roubo das fantasias usadas na montagem do ano passado.

Praticamente 80% das peças do figurino desapareceram de uma sala da Capitania das Artes. Com 70 artistas, 123 integrantes do coro e seis contrarregras fantasiados, o saldo do roubo se aproxima de 160 figurinos, incluindo os principais da peça, tratados como obras de arte.

Nos sacos, onde as roupas estavam guardadas, os responsáveis pelo furto deixaram apenas papel picado.

O roubo foi percebido no início da tarde de terça-feira (01), mas só veio a público ontem à noite, após uma produtora cultural levantar o assunto no Twitter.

Os figurinos estavam guardados desde a edição 2010 do auto; foram lavados e armazenados em sacos plásticos pretos.

A produção do espetáculo pretendia checar o estado das peças, fazer consertos e alguma modificação.

Agora, vai ter que refazer tudo. “Eu ainda estou meio em estado de choque. Não só pelo valor do trabalho, do investimento, mas pelo valor artístico das peças.

Os figurinos principais são verdadeiras obras de arte”, lamenta a diretora artística do Auto do Natal, Diana Fontes – alguns figurinos têm a assinatura de Isaque Galvão e Ricardo San Martine e foram feitos a mão.

Ela acredita que os responsáveis pelo furto são pessoas que tinham acesso à Capitania, já que nenhuma porta foi arrombada. “Às vezes eu perguntava pelos figurinos, outras vezes olhava os sacos e eles estavam lá na sala.

Nunca ninguém imaginou que isso fosse acontecer. E ainda mais trocar as roupas por papel picado”, fala, sem esconder a indignação.

Segundo Diana, o Auto do Natal 2010, de acordo com uma pesquisa encomendada pela Prefeitura, teve aprovaçãode 97% dos expectadores.

Tão alta que os mesmos profissionais responsáveis pela montagem foram convidados para produzir o espetáculo este ano.

Para confeccionar mais de 150 figurinos a diretora artística pretende dobrar o número de costureiras, de cinco para dez; o trabalho começa já na próxima segunda-feira.

De acordo com ela, o presidente da Fundação Capitania das Artes, Roberto Lima, que estava com o telefone fora de área, prometeu medidas rigorosas para descobrir os responsáveis pelo furto. “Eu não tenho ideia como os Figurinos podem ter saído de lá, mas devem ter sido desmanchados. Você fica triste, mas, se Deus

quiser eles vão apurar e descobrir o que aconteceu. A minha função agora é ter calma e dizer, vamos fazer tudo de novo”. Com a demolição do Machadão, o Auto do Natal vai ser encenado no Largo Dom Bosco, em frente ao Museu de Cultura Popular, na Ribeira. Serão quatro apresentações, nos dias 21, 22, 23 e 25 de dezembro.